recadosdoaarao



Anistias
Voltar




26/08/2020
Importância dos Sacramentos válidos
A história que segue é surreal, mas ilustrativa, e mostra o zelo e a fidelidade que se deve ter quanto aos Sacramentos da Igreja, para que sejam válidos e eficazes.


Um homem de Detroit pensava que era padre. Ele nem era católico batizado.

Por CNA, 22 de agosto de 2020  | Tradução: FratresInUnum.com:  Se você pensa que é padre, mas realmente não é, você tem um problema. Muitas outras pessoas também. Os batismos que você realizou são batismos válidos. Mas, e as confirmações? Não. As missas que você celebrou não eram válidas. Nem as absolvições ou unções dos enfermos. E os casamentos? Bem… é complicado. Alguns sim, outros não. Depende da papelada, acredite ou não.

Pope Francis ordains 10 men to the priesthood May 7, 2017. Credit: Daniel Ibáñez/CNA.

Papa Francisco ordena 10 homens ao sacerdócio – 7 de maio de 2017. Créditos: Daniel Ibáñez/CNA

O padre Matthew Hood, da arquidiocese de Detroit, aprendeu tudo isso da maneira mais difícil.

Ele pensou que tinha sido ordenado padre em 2017. E vinha exercido o ministério sacerdotal desde então.

E então, neste verão, ele soube que não era padre. Na verdade, ele soube que nem mesmo era batizado.

Se você quer se tornar um sacerdote, você deve primeiro se tornar um diácono. Se você deseja se tornar um diácono, primeiro deve ser batizado. Se você não for batizado, não pode se tornar diácono e não pode se tornar sacerdote.

Claro, padre Hood pensou que ele havia sido batizado quando bebê. Mas neste mês, ele leu um aviso emitido recentemente pela Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano . A nota dizia que mudar as palavras do batismo de algumas maneiras o torna inválido. Que se a pessoa que administra o batismo disser “Nós te batizamos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”, ao invés de “Eu te batizo …” o batismo não é válido.

Ele se lembrou de um vídeo que assistiu de sua própria cerimônia de batismo. E se lembrou do que o diácono disse: “Nós te batizamos …”

Seu batismo não era válido.

A Igreja presume que um sacramento é válido, ao menos que haja alguma prova em contrário. Teria presumido que pe. Hood foi batizado validamente, salvo se ele tivesse um vídeo mostrando o contrário.

Padre Hood ligou para sua arquidiocese. Ele precisava ser ordenado. Mas, primeiro, após três anos atuando como um padre, vivendo como um padre e se sentindo como um padre, ele precisava se tornar um católico. Ele precisava ser batizado.

Em pouco tempo, ele foi batizado, crismado e recebeu a Eucaristia. Ele fez um retiro e foi ordenado diácono. E em 17 de agosto, Matthew Hood finalmente se tornou padre. De verdade.

A Arquidiocese de Detroit anunciou essa circunstância incomum em uma carta publicada em 22 de agosto .

A carta explicava que depois de perceber o que havia acontecido, pe. Hood “foi recentemente batizado de forma válida. Além disso, uma vez que outros sacramentos não podem ser validamente recebidos na alma sem um batismo válido, o Padre Hood também foi recente e validamente crismado e ordenado diácono transitório, e depois sacerdote. ”

“Demos graças e louvor a Deus por nos abençoar com o ministério do Padre Hood.”

A arquidiocese divulgou um guia, explicando que as pessoas cujos casamentos foram celebrados pelo pe. Hood deveriam entrar em contato com sua paróquia, e que a arquidiocese estava fazendo seus próprios esforços para contactar essas pessoas.

A arquidiocese também disse que está fazendo esforços para entrar em contato com outras pessoas cujo batismo foi celebrado pelo diácono Mark Springer, o diácono que batizou Hood invalidamente. Acredita-se que ele tenha batizado outras pessoas de maneira inválida, durante 14 anos de atuação na Paróquia de St. Anastasia, em Troy, Michigan, usando a mesma fórmula inválida, um desvio do rito que os clérigos devem usar ao realizar batismos.

O guia esclareceu que, embora as absolvições realizadas pelo padre Hood antes de sua ordenação válida não eram em si válidas, “podemos ter certeza de que todos aqueles que se aproximaram do Padre Hood, de boa fé, para fazer uma confissão, não se afastaram sem alguma medida de graça e perdão de Deus”.

“Dito isso, se você se lembra de quaisquer pecados graves (mortais) que você teria confessado ao Padre Hood antes de ele ser validamente ordenado e ainda não foi a uma confissão posterior, você deve trazê-los para sua próxima confissão explicando a qualquer sacerdote o que aconteceu. Se você não consegue se lembrar se confessou algum pecado grave, deve trazer esse fato também para sua próxima confissão. Uma absolvição subsequente incluirá esses pecados e trará paz de espírito”, disse o guia.

A arquidiocese também respondeu a uma pergunta que espera que muitos católicos façam: “Não é legalismo dizer que, embora houvesse a intenção de conferir um sacramento, não havia sacramento porque foram usadas palavras diferentes? Deus não vai apenas cuidar disso? ”

“A teologia é uma ciência que estuda o que Deus nos disse e, quando se trata de sacramentos, deve haver não apenas a intenção certa do ministro, mas também a ‘matéria’ certa (material) e a ‘forma’ certa (palavras / gestos – como um triplo derramamento ou imersão de água por quem diz as palavras). Se faltar um desses elementos, o sacramento não é válido”, explicou a arquidiocese.

“No que diz respeito a Deus ‘cuidando disso’, podemos confiar que Deus ajudará aqueles cujos corações estão abertos para Ele. No entanto, podemos ter um grau muito maior de confiança fortalecendo-nos com os sacramentos que Ele nos confiou ”.

“De acordo com o plano ordinário que Deus estabeleceu, os sacramentos são necessários para a salvação: o batismo traz a adoção na família de Deus e coloca a graça santificante na alma, visto que não nascemos com ela, e a alma precisa da graça santificante quando se afasta do corpo para passar à eternidade no céu”, acrescentou a arquidiocese.

A arquidiocese disse que primeiro tomou conhecimento de que o diácono Springer estava usando uma fórmula não autorizada para o batismo em 1999. O diácono foi instruído a parar de desviar-se dos textos litúrgicos naquela época. A arquidiocese disse que, embora ilícitos, acreditava que os batismos que Springer havia realizado eram válidos até o esclarecimento do Vaticano ser emitido neste verão.

O diácono agora está aposentado “e não está mais no ministério ativo”, acrescentou a arquidiocese.

Nenhum outro sacerdote de Detroit é considerado invalidamente batizado, disse a arquidiocese.

E pe. Hood, recém-batizado e recém-ordenado? Depois de uma provação que começou com a “inovação” litúrgica de um diácono, pe. Hood agora está servindo em uma paróquia com o nome de um santo diácono. Ele é o novo padre da Paróquia de São Lourenço, em Utica, Michigan.

+++++++++

OBS > Da mesma forma como na aplicação do Batismo se deve observar a fórmula correta, também se deve aplicar às palavras da Consagração. Se o Sacerdote não pronunciar corretamente as duas anáforas, ou as omitir, a missa é inválida e a transubstanciação não acontece. Imagine a confusão que este homem causou! E imagine o caos gerado pelo sacerdote que era responsável pelo Santuário do Pai Eterno. Como pode um homem lúcido chegar a este ponto? Quando irão parar estes escândalos na Igreja? (Aarão)


Artigo Visto: 478

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.774.717
Visitas Únicas Hoje: 149
Usuários Online: 77