recadosdoaarao



Autores
Voltar




19/11/2021
Aos inimigos da Missa de sempre!
Um novo papa em seu juramento se compromete a não mudar nada do que os seus antecessores nos legaram, como verdades de fé. Mário está descumprindo o que fez sob juramento. O Céu não é dos perjuros!


Carta aberta sobre “Traditiones Custodes”

17 de novembro de 2021 Carta aberta sobre “Traditiones Custodes”2021-11-17T08:02:45-03:00Apologética

Em 17 de agosto de 2021, um frade dominicano polonês (Wojciech Gołaski OP) dirigiu uma extensa carta aberta ao Papa, seguindo o motu proprio Traditiones Custodes, que poderia ser dividido em três partes. Por razões de espaço e porque nos diz respeito a todos, aqui traduziremos a parte do meio (ser núcleo) em que o teólogo reflete sobre o Motu proprio. O resto da carta trata de como este frade conheceu a Missa Tridentina, sua devoção a ela e uma decisão particular que ele toma como conseqüência de seu próprio motu. Essa decisão, você deve ter adivinhado, consiste em ingressar nas fileiras da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Uma coisa desnecessária, embora você olhe para isso, porque não creio que este frade esteja impedido de celebrar a missa segundo o ritual dominicano. , que é a missa que ele celebrou … bem, São Pio V. Mas, finalmente, 

Jack tollers 

As palavras do Motu proprio e da sua Carta aos Bispos deixam perfeitamente claro que foi tomada uma decisão, que já está a ser implementada, de retirar a liturgia tradicional da vida da Igreja e lançá-la no abismo do esquecimento: não pode ser celebrada nas igrejas, paróquia, não se devem formar novas associações para isso, Roma deve ser consultada se padres recém-ordenados desejam celebrá-la. Os bispos são agora efetivamente Custódios Traditionis, “guardiães da tradição”, mas não no sentido de tutores para protegê-la, mas no sentido de se tornarem tutores de uma prisão. 

Permita-me expressar minha convicção de que isso não vai acontecer e que toda a operação irá falhar. Quais são as razões para tal convicção? Uma análise cuidadosa das duas cartas de 16 de julho mostra quatro notas dignas de nota: hegelianismo, nominalismo, a crença na onipotência do Papa e a questão da responsabilidade coletiva. Cada uma dessas notas constitui um componente essencial de sua mensagem e nenhuma é conciliável com o depósito da fé católica. E como não podem ser conciliados com a fé, não serão integrados a ela, teórica ou praticamente. Vamos examiná-los separadamente.

Hegelianismo

O termo é de uso convencional: não se refere literalmente ao sistema do filósofo alemão Hegel, mas a algo que deriva de seu sistema, mais do que qualquer coisa uma inteligência da história como um processo de mudanças contínuas, um bom, racional e processo inevitável. Essa forma de pensar tem uma longa história, começando com Heráclito e Plotino, passando por Joaquin de Fiore até chegar a Hegel, Marx e seus herdeiros modernos. Quem adota essa perspectiva costuma dividir a história em fases, de modo que o início de cada nova fase é anexado ao final da fase que a precede. As tentativas de “batizar” o hegelianismo nada mais são do que tentativas de nimbar essas fases supostamente históricas com a autoridade do Espírito Santo. Presume-se que o Espírito Santo comunica à próxima geração algo que ele não disse à anterior, e até mesmo que ele pode transmitir algo que contradiz o que disse antes. Neste caso, somos forçados a aceitar uma de três coisas: às vezes durante certas fases da história a Igreja desobedeceu ao Espírito Santo, às vezes o Espírito Santo está sujeito a mudanças, ou então é simplesmente um ser contraditório. 

Uma consequência adicional desta forma de ver o mundo consiste em mudar a forma de compreender a Igreja e a Tradição. A Igreja não é mais considerada como uma comunidade que une os fiéis transcendendo o tempo, como afirma a fé católica, mas como um conjunto de grupos pertencentes a diferentes fases. Esses grupos não compartilham mais uma linguagem comum: nossos ancestrais não tiveram acesso ao que o Espírito Santo nos dita hoje. A própria tradição já não transmite uma mensagem estudada por gerações sucessivas; Em vez disso, consiste em mensagens renovadas permanentemente pelo Espírito Santo e que requerem um novo estudo. Assim, chegamos a ver alusões em sua carta aos bispos, Santo Padre, à “dinâmica da Tradição”, muitas vezes aplicada a eventos específicos. Um exemplo disso é quando ele escreve que pertence a esta dinâmica “a última etapa do Concílio Vaticano II, durante a qual os bispos se reuniram para ouvir e discernir o caminho que o Espírito Santo estava mostrando à Igreja”. Na linha de tal raciocínio, está implícito que esta nova fase requer novas formas litúrgicas, uma vez que as anteriores eram apropriadas para a fase anterior, que ela superou. Uma vez que essa sequência de estágios é homologada pelo Espírito Santo por meio do Conselho, aqueles que se apegam aos velhos métodos apesar de terem acesso aos novos, se opõem ao Espírito Santo. Na linha de tal raciocínio, está implícito que esta nova fase requer novas formas litúrgicas, uma vez que as anteriores eram apropriadas para a fase anterior, que ela superou. Uma vez que essa sequência de estágios é homologada pelo Espírito Santo por meio do Conselho, aqueles que se apegam aos velhos métodos apesar de terem acesso aos novos, se opõem ao Espírito Santo. Na linha de tal raciocínio, está implícito que esta nova fase requer novas formas litúrgicas, uma vez que as anteriores eram apropriadas para a fase anterior, que ela superou. Uma vez que essa sequência de estágios é homologada pelo Espírito Santo por meio do Conselho, aqueles que se apegam aos velhos métodos apesar de terem acesso aos novos, se opõem ao Espírito Santo.

E bem? Essas opiniões se opõem à fé. A Sagrada Escritura, norma da fé católica, não oferece base para tal compreensão da história. Pelo contrário, nos ensina algo totalmente diferente. O Rei Josias, sabendo da descoberta do antigo Livro da Aliança, ordenou que a Páscoa fosse celebrada de acordo com ele desde então, embora tivesse havido uma interrupção de meio século (IV Reis, XXIII: 3). Da mesma forma, quando voltaram do cativeiro na Babilônia, Esdras e Neemias celebraram a Festa dos Tabernáculos observando estritamente os registros da Lei, apesar das muitas décadas que se passaram desde sua última celebração (Neemias VIII: 13-18). Em cada um desses casos, após um período de confusão, os antigos documentos legais foram usados​​para renovar o culto divino. 

Nominalismo

Enquanto o hegelianismo afeta nossa compreensão da história, o nominalismo afeta nossa compreensão de sua unidade. O nominalismo interpreta que uma unidade externa obtida por meio de uma decisão administrativa hierárquica externa é equivalente à realização de uma unidade real. Isso porque o nominalismo anda de mãos dadas com a realidade espiritual, procurando obtê-la por meio de medidas regulatórias materiais. Você escreve, Santo Padre, que: “É para defender a unidade do Corpo de Cristo que sou obrigado a remover o poder concedido pelos meus predecessores”. Mas para alcançar tal objetivo – uma verdadeira unidade seus predecessores tomaram medidas opostas, e não sem razão. Quando se compreende que a verdadeira unidade inclui uma coisa espiritual e interna (e que, portanto, difere de uma unidade meramente externa), não se quer mais obtê-la simplesmente impondo uma uniformidade baseada em signos externos. Não é assim que se obtém uma verdadeira unidade, mas sim um empobrecimento e o oposto da unidade: a divisão. 

A unidade não se obtém com a retirada de faculdades, a revogação de autorizações e a imposição de limites. O rei Roboão, de Judá, antes de decidir como lidar com os israelitas que desejavam melhorar sua sorte, consultou dois grupos de conselheiros. Os mais velhos recomendavam indulgência e uma redução dos fardos daquela cidade: a velhice, na Sagrada Escritura, à medida significa maturidade. Os jovens, que eram contemporâneos do rei, recomendaram que seus fardos fossem aumentados e tratados com severidade: juventude, nas Escrituras, muitas vezes equivale à imaturidade. O rei seguiu o conselho dos jovens. Isso não serviu para unir Judá e Israel. Pelo contrário, uma divisão do país em dois reinos começou (III Reis, XII). Nosso Senhor remediou esta divisão com mansidão,

Antes do Pentecostes, os apóstolos queriam alcançar a unidade seguindo critérios externos. Foram corrigidos pelo próprio Salvador, que, respondendo às palavras de São João, “Mestre, vimos um homem expulsar os espíritos malignos em teu nome e não o permitimos porque ele não é um dos nossos”, dizendo “Não previna, então quem não é contra você é por você ”(Lc. IX: 49). 

Santo Padre, o senhor teve várias centenas de milhares de fiéis que “não eram contra você”. E ele tem feito muito para dificultar as coisas para eles! Não teria sido melhor seguir as palavras do Salvador recorrendo a fundamentos de unidade mais profundos e espirituais? O hegelianismo e o nominalismo aparecem frequentemente como aliados, pois partem de uma compreensão materialista da história que leva à convicção de que cada uma de suas etapas termina inevitavelmente.

Crença no poder omnimoso do Papa

Quando o Papa Bento XVI concedeu maiores liberdades para o uso da forma clássica da liturgia, ele se referiu a costumes e usos seculares. Isso fortaleceu sua decisão com uma base sólida. A decisão de Vossa Santidade carece de tais fundamentos. Em vez disso, revoga algo que já existia e durava muito tempo. Você, Santo Padre, escreve que encontra apoio nas decisões de São Pio V, mas ele aplicou critérios exatamente opostos aos seus.  Segundo ele, o que existiu e durou séculos continuaria assim sem imperturbáveis; apenas o que era mais novo seria abolido. Portanto, o único fundamento que resta para apoiar sua decisão é a vontade de uma pessoa com autoridade papal. E, no entanto, pode essa autoridade, por maior que seja, impedir que a continuação dos antigos costumes litúrgicos seja a expressão da lex orandi da Igreja Romana? Santo Tomás de Aquino se pergunta se Deus pode fazer com que algo que existiu nunca exista. A resposta é não, porque a contradição não faz parte da onipotência de Deus (S. Th. I, q. 25, art. 4). 

Da mesma forma, a autoridade papal não pode fazer rituais tradicionais que durante séculos expressaram a fé da Igreja (lex credendi), de repente , um dia, deixem de expressar a oração dessa mesma Igreja (lex orandi) . O Papa pode muito bem tomar decisões, mas não aquelas que violam a unidade que se estende ao passado e ao futuro, muito além de seu pontificado. O Papa está ao serviço de uma unidade muito maior do que a da sua própria autoridade. Pois essa unidade é um dom de Deus, não tem origens humanas. Portanto, é uma unidade que precede a autoridade e, por sua vez, nenhuma autoridade a precede.

Responsabilidade coletiva

Ao indicar as razões da sua decisão, Santo Padre, o senhor faz várias acusações graves contra aqueles que se valeram dos poderes reconhecidos pelo Papa Bento XVI. Não é especificado, entretanto, quem cometeu tais abusos, nem onde ou quantos foram. Encontramos apenas as palavras “frequentemente” e “muitos”. Nem sabemos se se refere a uma maioria. Provavelmente, não é esse o caso. E, no entanto, todos os que se valeram dos poderes acima mencionados foram afetados por essas penalidades criminais draconianas. Eles foram privados de seu caminho espiritual, orem imediatamente, orem em um tempo futuro não especificado. 

Aliás, tem gente que faz mau uso de facas. A distribuição de facas deve, portanto, ser proibida? Sua decisão, Santo Padre, é muito mais penosa do que o hipotético absurdo de uma proibição universal da produção de facas.

Tradução livre o artigo original https://rorate-caeli.blogspot.com/2021/11/open-letter-by-dominican-theologian-fr.html

 


Artigo Visto: 308

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.961.568
Visitas Únicas Hoje: 243
Usuários Online: 72