recadosdoaarao



Autores
Voltar




24/03/2021
"O uso vergonhoso de técnicas psicológicas pelo governo para aterrorizar as pessoas"


O medo é a nossa emoção mais poderosa. Ela ativa os nossos instintos animais mais profundos e faz-nos agir de maneira irracional. Nós nos encontramos a lutar, a fugir ou a escondermo-nos. Nós olhamos apenas para a nossa própria segurança, esquecemos de como pensar e  tornamo-nos indiferentes a qualquer coisa ou pessoa. O medo é o mestre supremo da mente. Empregá-lo como uma forma de influência, por mais suave e subliminar que seja, pode mudar profundamente o comportamento e causar um trauma mental duradouro. Os inimigos fazem isto em tempos de guerra para minar o moral dos seus inimigos e a vontade de resistir. É a tática usada pelos regimes totalitários ao longo da história para obrigar a obediência.

E é a tática que o governo britânico no ano passado empregou conscientemente para  transformar-nos em sujeitos complacentes dos confinamentos.

Usar esta ciência comportamental para 'empurrar-nos' para agir de certas maneiras não é uma coisa nova. Conforme concebido pelo governo do Cameron, aproveitar a 'teoria do incentivo' para encorajar as pessoas a 'fazerem escolhas melhores para si mesmas' sem recorrer à compulsão da lei não é necessariamente maligno. No entanto, as maneiras como a ciência do comportamento foi empregada ao longo do ano passado demonstram a verdade profunda do antigo aforismo de que a estrada para o inferno é pavimentada com boas intenções.

O Scientific Pandemic Insights Group on Behaviours (SPI-B) é o subcomité da SAGE [think tank] encarregada de aconselhar o governo sobre a melhor forma de encorajar a obediência às suas medidas de confinamentos. Numa reunião realizada em 22 de março nd 2020, a SAGE identificou uma série de técnicas psicológicas para o Governo empregar que marcam uma transição da tendência tradicional das campanhas de informação pública para fornecer factos claros - esperando uma reação racional a eles - para o uso da manipulação subliminar. Alegando que um “número substancial de pessoas ainda não se sente pessoalmente suficientemente ameaçado”, a reunião concluiu que “o nível percebido de ameaça pessoal precisa ser aumentado entre aqueles que são complacentes, usando mensagens emocionais contundentes”. O Apêndice B das atas da reunião, lista uma série de métodos específicos para promover o cumprimento dos confinamentos, que vão desde a geração de um senso de aprovação social para as medidas do Governo até o uso da mídia para promover um sentimento de ameaça pessoal e responsabilidade pelo bem estar coletivo.

Detenhamo-nos nas implicações destas palavras. Eles defendem uma personalização do risco - independentemente do facto de que o Covid é uma doença extremamente discriminatória, ameaçando os idosos acima de tudo - alcançada através da estimulação de uma sensação de ameaça, visando as emoções. Portanto eles pedem nada menos que uma distorção da verdade, um exagero consciente e uma rejeição de argumentos baseados em factos. Vimos esta disposição de mentir em afirmações falsas sobre os tipos de pessoas que provavelmente estão infectadas com o Covid , o exagero na linha "aja como se você tivesse o covid" e a rejeição de argumentos baseados em factos na tendência do Governo para estabelecer restrições, porque enviam um determinado sinal e não porque são cientificamente justificados. A reunião de março do SPI-B escreveu o manifesto de uma campanha de medo, uma campanha que tem sido desde então consistentemente moldada pela metodologia da ciência comportamental.

O alcance desta campanha não tem precedentes. Na esteira do anúncio do primeiro confinamentoo, o governo tornou-se no maior anunciante do país. Ele gastou £184 milhões do dinheiro dos contribuintes somente em 2020, lançando campanhas de pósteres visualmente chocantes ao lado de anúncios de rádio e televisão. Os briefings diários de Downing Street também serviram para expor o povo britânico a uma trenódia diária de desgraças, em que estatísticas não textualizadas e a recitação de mensagens de ameaça serviram para ampliar o esforço de fazer o público sentir medo.

O governo não é o único profeta do medo. Uma das características mais notáveis dos briefings de Downing Street foi o fracasso abjeto dos jornalistas em interrogar o governo ou os seus consultores científicos. As suas 'perguntas' freqüentemente parecem dar aos ministros a chance de reiterar o seu apelo para cumprir as medidas de confinamentos, em vez de questionar a necessidade delas, ou apresentar aos ministros e cientistas estatais evidências que prejudicam a sua avaliação da situação. Este grau totalmente incomum de subserviência à imprensa não é uma coincidência.

Ofcom, o órgão responsável por estabelecer os padrões de transmissão, quase obrigou as emissoras a tornarem-se conspiradoras na campanha do medo. Na orientação lançada em 26 de Maio th 2020, a Ofcom pediu às emissoras que “tomassem cuidado especial” ao discutir “declarações que buscam questionar ou minar o conselho de órgãos de saúde pública sobre o Coronavírus, ou de outra forma minar a confiança das pessoas no conselho das principais fontes de informação sobre a doença”. O Ofcom pode ter declarado que não defende o banimento de opiniões divergentes nas transmissões, mas na sua ameaça de tomar medidas contra as emissoras que desviam-se do roteiro, os riscos para os jornalistas e editores de radiodifusão eram claros. Nas suas decisões contra emissoras que deram voz a pontos de vista que o órgão considerou potencialmente causador de "dano público", é evidente que o Ofcom está disposto a expandir a sua compreensão anterior do conceito, criando assim mais um desincentivo contra a difusão da heterodoxia do Covid.

Estas diretrizes, juntamente com a tendência da classe política e da mídia de pensar em grupo, criaram uma cultura na qual muitos jornalistas aceitam as afirmações do governo como um facto. Isto levou a suposições preguiçosas sobre a eficácia dos confinamentos como política, evidente recentemente por exemplo, na crença de um membro da equipe de Segurança de Saúde Global do Telegraph de que o novo confinamento na República Tcheca é responsável por uma queda no casos que começaram uma semana antes de serem realmente anunciados. Mais significativamente, a ampliação das mensagens do governo pela mídia, juntamente com imagens dramaticamente mórbidas e o uso seletivo de casos excepcionais de Covid entre os jovens - para não mencionar os dados de morte apresentados com comparações históricas enganosas - representaram uma ofensiva adicional na campanha de medo que teve implicações profundas e preocupantes.

Estas implicações parecem ter sido percebidas pelo menos até certo ponto, pelos arquitetos da política no SPI-B. Ao sugerir o uso da mídia “para aumentar a sensação de ameaça pessoal”, o SPI-B observa que pode haver “efeitos colaterais negativos”. O comitêé nada diz sobre quais poderiam ser estes efeitos. Outros psicólogos e cientistas comportamentais poderiam facilmente ter-lhes dito isso.

O medo estimulado pela percepção da ameaça, provoca uma reação de alarme na parte do cérebro que controla as emoções, a amígdala. Esta reação fecha o caminho neural para o nosso córtex pré-frontal - responsável pelo raciocínio racional - o que significa que agimos repentina e intensamente, sem pensar bem nas coisas. É muito melhor responder a uma ameaça potencial fugindo ou atacando primeiro, do que envolver-se num período de reflexão lenta e desapaixonada sobre a natureza real desta ameaça.

Os problemas entretanto, são causados quando a amígdala é superestimulada. Ela lida com momentos repentinos de extremo perigo, não com uma campanha psicológica de alcance e sofisticação tecnológica até então desconhecida, dedicada a exacerbar o risco real e espalhar o medo. Quando a emoção continua a prevalecer sobre a razão, o cérebro perde o equilíbrio. O comportamento irracional e em última análise auto destrutivo torna-se num hábito cada vez mais difícil de abandonar. A percepção de risco espalha-se, contaminando respostas a cenários além do alegado perigo real. Tornamo-nos neuróticos, irracionais e excessivamente reativos.

Isto pode causar ataques de pânico, depressão e ansiedade, até mesmo transtornos de stress pós praumático. Pode inculcar novas fobias ou comportamento obsessivo e compulsivo. Em suma, uma superexposição ao medo prejudica quem somos, levando a consequências nefastas para a saúde mental e tudo o que pode significar para os nossos relacionamentos, carreiras e entusiasmo básico pela vida. Os efeitos do medo no cérebro são exacerbados quando o nosso padrão usual de vida é perturbado e somos forçados ao isolamento social, um cenário bem conhecido por aumentar o risco de mortalidade ao lado de prejudicar a saúde mental por si só. As crianças são mais vulneráveis a estes efeitos. A superexposição ao medo nos primeiros anos pode inibir o desenvolvimento do cérebro e causar traumas emocionais duradouros.

A mente não está sozinha em sofrer danos. Existe uma ligação estreita entre a saúde mental e a saúde física. Além da tendência infeliz de pessoas que sofrem de depressão de evitar cuidar de si mesmas - ou aquelas com muito medo de aventurarem-se num mundo que lhes foi dito que está crivado de uma praga mortal para obter ajuda - a superexposição ao medo pode fazer com que o corpo seja negligenciado funções como respostas imunológicas e geração de células. Isto pode causar envelhecimento prematuro, problemas cardiovasculares e pode até afetar a fertilidade. A ansiedade mental também aumenta o mau funcionamento gastrointestinal. Ser-se dito para “agir como se você tivesse o vírus” [dito pelo ministro da saúde], além disso, pode até levar a um “tipo perverso de efeito placebo reverso”, nas palavras do cientista comportamental Patrick Fagan, que estimula os sintomas da doença.

Não é surpreendente portanto, aprender que fabricar e alimentar o medo para influenciar o comportamento é reconhecido como profundamente antiético. A campanha de medo do Covid vai contra o Código de Ética e Conduta da Sociedade Britânica de Psicologia, que baseia-se em parte nos valores de respeitar o paciente e ser honesto com ele. Em janeiro, 47 profissionais de saúde escreveram à Sociedade Britânica de Psicologia para expressar a sua preocupação com a maneira como o governo manipulou a ciência comportamental para inculcar o cumprimento do s confinamentos. Outros cientistas e psicólogos escreveram polémicas picantes contra a abordagem do governo, baseadas nas pesquisas mais avançadas sobre a mente.

Há agora tragicamente no entanto, amplas evidências do impacto da campanha do medo que mostra que as preocupações não são meramente teóricas. A campanha do medo causou nada menos que uma crise de saúde física e mental totalmente evitável. No primeiro confinamento, mais de 6.000 pessoas morreram em casa de doenças não relacionadas ao Covid, por estarem com medo de ir para o hospital. As visitas aos departamentos de acidentes e emergências em hospitais fracassaram. Mais de 44.000 pessoas a menos começaram o tratamento contra o cancro do que no ano anterior, com 4,4 milhões de testes de diagnóstico a menos sendo realizados: números que os especialistas do cancro, como o professor Karol Sikora, relacionaram ao medo indevido.

A demanda por suporte de saúde mental disparou. Outros 27.000 adultos procuraram apoio no ano passado e agora sabe-se que um em cada seis entre 5 e 16 anos tem um problema de saúde mental. O uso contínuo e totalmente injustificado de máscaras faciais nas escolas provavelmente aumentará isto, além de levar a doenças físicas adicionais. No geral, o Centro de Saúde Mental alertou que 20% de todos os adultos e 15% de todas as crianças precisarão de ajuda para lidar com condições como depressão, ansiedade e transtorno de stress pós traumático nos próximos anos.

Algumas histórias verdadeiramente chocantes podem ser encontradas em estatísticas como estas. Uma avó de Gloucestershire suicidou-se, com medo de que o pequeno resfriado que contraiu fosse o Covid e com medo de que o transmitisse à família. Tenho certeza de que muitos de nós temos  asnossas próprias histórias pessoais de amigos e familiares que tornaram-se cada vez mais ansiosos em relação ao mundo exterior, ou de colegas antes confiantes e para os quais o mundo é agora um lugar muito mais proibitivo.

A campanha do medo deve terminar agora. Esta semana o Recovery - um novo movimento fundado para trazer equilíbrio e razão ao debate sobre os confinamentos - está a lançar uma nova campanha para chamar mais atenção para o uso deliberado do medo pelo governo e as consequências desastrosas dessa campanha. O público britânico merece saber como o governo comportou-se de maneira desonesta e abusiva. Aqueles que estão com muito medo de receber tratamento para outras doenças além do Covid, ou com cicatrizes por um ano de isolamento, precisam de voz. Assim que mais pessoas souberem como foram manipuladas, uma resposta mais racional para lidar com o Covid ainda poderá tornar-se possível, com mais ouvidos abertos para aprender sobre os custos dos confinamentos e como existem outras maneiras melhores de lidar com uma pandemia.

Como alguém que deparou-se com o Recovery ao tentar encontrar maneiras de ajudar a acabar com os confinamentos, peço que você apoie a campanha. Por favor, faça uma doação, compartilhe a sua mensagem o mais amplamente possível e escreva ao seu membro do Parlamento para que ajam agora.

Não tenhamos dúvidas sobre o que o ano passado viu. O governo usou conscientemente o medo para manipular o seu povo para comportar-se de uma maneira que considera boa para eles. É uma política sugerida por consultores que pareciam saber o que isto poderia fazer ao cérebro, e que certamente também estavam cientes das questões éticas que tal política levantava. Com a ajuda de uma mídia que foi moldada em conformidade, meias-verdades, exageros e até mentiras foram deliberadamente empregadas para promover níveis maiores de obediência. Isto teve um impacto grande na saúde mental e física.

De todas as tragédias do ano passado, esta foi a mais evitável. Ele questiona não apenas a capacidade do Estado de lidar com a pandemia de uma forma racional e comedida, mas também a ética dos responsáveis por ela.

James Moreton Wakeley é um ex-pesquisador parlamentar com PhD em História por Oxford


Artigo Visto: 467

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.863.423
Visitas Únicas Hoje: 51
Usuários Online: 42