recadosdoaarao



Autores
Voltar




17/03/2021
Quem de fato é Mário?
Abram os os olhos católicos que ainda honram este nome. O artigo é longo, mas se você ler até o fim saberá a verdade. O Padre Kramer é grande entendido no assunto.


Entrevista com Padre Kramer - traduzido pelo google - fonte no final.
 

Bom dia, padre,

Obrigado por responder a esta ligação. Obrigado por ter aceitado esta entrevista. Obrigado por continuar a lutar em defesa da verdade e do catolicismo. Tentamos fazer com que o maior número possível de pessoas abra os nossos olhos para a impossição hoje em dia.

Vamos começar.

Então o Padre Paul Kramer é um padre católico. Nascido a 21 de março de 1952, em Bristol, Connecticut. Doutorou-se em Filosofia e Teologia Sagrada pela Pontifícia Universidade de São Tomás de Aquinos (Angelicum), Roma, 1972-1978. De 1987 a 1988 recebeu o seu Mestrado em Divindade pelo Colégio dos Apóstolos Sagrados, Cromwell, Connecticut, EUA. Recebeu ordenação sacerdotal em 20 de abril de 1980, de Mons. Vittorio M. Costantini, O.F.M. Conv., na Basílica da Catedral de Sessa Aurunca. Serviu como apostolado nas Filipinas de 1982 a 1987 em Laguna, e nos anos 1990-1995 em Manila. De 1986 a 1995 colaborou com o Cruzado de Fátima, no Canadá. Ainda apostolado para Lawrence, Massachusetts, E.U.A. e Woomsocket, Rhode Island, Eua de 1996 a 1999. Em Buffalo, Nova Iorque, EUA, de 1999 a 2001. Em Fort Eric, Ontário, Canadá, de 2001 a 2005. Desde então, residiu em Galway, Irlanda.

Estuda há mais de 41 anos as profecias católicas contidas nos Antigos e Novos Testamentos e as reconhecidas aparições da Virgem Maria, especialmente as de Fátima. Ele também aprofundou esta pesquisa em numerosos outros escritos de vários santos canonizados e beatas ao longo dos últimos 2000 anos.

Além de vários escritos e conferências realizados ao longo dos anos, em particular publicou os seguintes livros: "O Mistério da Iniquidade" e "A Batalha Final do Diabo".

Está tudo certo? Gostaria de acrescentar mais? Mas diga-nos mais. Por exemplo, a relação com os seus superiores. O que acham das suas declarações, da sua batalha? Do facto de ele não considerar Bergoglio como papa, como vigário de Cristo.

Quanto aos meus superiores, lavaram-lhe as mãos, porque já me reformei há alguns anos, e durante os anos do meu ministério ativo fui apoiado pelo bispo da diocese da paróquia onde trabalhei no meu serviço sacerdotal. Sempre mantive uma boa relação com os superiores durante os anos do meu ministério ativo e sempre evitei qualquer comparação com eles. Celebrei a missa tradicional em latim já nos anos 80, na paróquia onde servi, e o bispo ficou satisfeito com isso. Fui muito explícito, tanto em público como em privado, ao afirmar, com força e inequívoca, nos meus escritos, que Jorge Bergoglio não é, de forma inválida, um papa legítimo. É um herege pertinax e não gosta. Bento XVI continua a ser hoje o único papa legítimo da Igreja Católica.

Agora vamos ao cerne da questão.

Escreveu no Facebook em janeiro de 2020: "Estamos no início dos tempos finais. Haverá um colapso financeiro global com consequências económicas catastróficas: guerras, epidemias, catástrofes naturais, etc. Haverá um colapso geral da civilização, como o Papa Bento XVI avisou há dez anos. A crise doutrinária de meio século que a Igreja sofreu culminará com o maior cisma de sempre na história da Igreja. O líder dos desertores de xisto é o antipapo Francesco. A falsa e falsificada Igreja da Maçonaria usurpará o nome e assumirá a identidade falsa da Igreja Católica; mas será maçónico e ecuménico na essência. Será claramente e naturalmente um falso catolicismo, porque as suas doutrinas não serão apostólicas e a sua disciplina opor-se-á aos costumes e costumes universais da Igreja. Este será "o início das tristezas" de que Nosso Senhor falou no Evangelho." Confirma o facto de vivermos nos chamados últimos dias? O período descrito no Apocalipse de São João?

Todas estas coisas que mencionou dizem respeito ao conteúdo do segredo de Fátima e, como é sabido, a Irmã Lúcia de Fátima, como referido a este respeito pelo Padre Michel de la Sainte-Trinité no seu trabalho em vários volumes, Toda a Verdade sobre Fátima,disse, literalmente, que, se quiser saber o que está no segredo de Fátima, pode lê-lo no Apocalipse, do oitavo ao décimo terceiro capítulo. Também a este respeito, o Cardeal Ratzinger na sua famosa entrevista de 1984 a Vittorio Messori (que mencionei muitas vezes nos meus livros e artigos), também argumentou que o que é revelado no segredo corresponde ao que é revelado nas Sagradas Escrituras sobre os "novatos" (isto é, as "últimas coisas") e, portanto, que se refere ao "Fim dos Tempos" previsto no Apocalipse. No entanto, podemos agora compreender mais claramente que haverá uma ligação entre os acontecimentos, ou seja, que, em primeiro lugar, haverá uma correlação entre as epidemias e o colapso económico global, causada por medidas anti-covívidas de confinamento. Posteriormente, as guerras que resultarão da crise geral produzirão um colapso económico global total. O segredo de Fátima fala de terríveis epidemias que exterminam as nações — e uma tecnologia poderosa que poderia ser usada para o bem ou para o mal, mas que será usada para fazer o mal. Esta é uma parte importante do castigo físico previsto no terceiro segredo. Tal como a Revolução Francesa e o Reinado do Terror, a Revolução foi cuidadosamente planeada durante décadas pela Maçonaria e tudo foi executado de acordo com o plano. Após a execução de Robespierre, os seus documentos privados encontraram um plano para exterminar quase metade da população francesa. Hoje, como então, tudo foi planeado com antecedência. A resposta à pandemia (que foi causada por um vírus desenvolvido para fins militares), não foi ordenada ao bem comum e à segurança do público em geral, mas foi deliberadamente concebida para destruir totalmente a ordem social natural, substituindo-a por um sistema ditatorial totalitário em que as pessoas não terão direitos, mas serão cruas, reduzidas ao estatuto dos bovinos. Haverá os super-ricos e o aparelho de Estado desempenhará um papel de gestão para a superclasse, e por baixo deles estará a grande massa da humanidade - pessoas completamente isoladas das suas famílias, como os escravos da antiguidade cujas famílias foram desmembradas, e indivíduos vendidos a diferentes proprietários. Foi isso que o Fórum Económico Mundial planeou para nós. O encerramento económico causado pelas medidas de confinamento anti-Covid impostas pelo Estado, exacerbada pela redução deliberada da produção alimentar, ostensivamente devido a preocupações ambientais, provocará uma fome global num futuro imediato como nunca antes na história humana. Este resultado não é algo inesperado, mas é o resultado pré-ordenado, o resultado preparado, aquele para o qual estes planos foram elaborados e que intencionalmente se propuseram gerar. Nesta nossa era, os seres humanos comuns são considerados pela elite global como estando em pé de igualdade com os animais. Uma vez implementadas as suas políticas, o Fórum Económico Mundial fará com que os nazis de Hitler e os seus campos de extermínio pareçam, por comparação, como "bons rapazes" de um coretto paroquial colocado para supervisionar o recreio da oratória. Toda esta situação está a lançar as bases para o reinado do Anticristo.

No que diz respeito à punição espiritual: As reformas bergoglianas pretendem reconstituir a Igreja de acordo com uma nova constituição contrária à constituição divina da Igreja instituída por Cristo. Já podemos ver o que está a emergir. Expliquei-o em pormenor no segundo volume do meu último trabalho (Enganar os Eleitos). Bergoglio é um auto-proclamado admirador de Martinho Lutero, que é um claro exemplo de um precursor do Anticristo. Imagine se o Papa Leão X tivesse sido forçado a demitir-se e os cardeais corruptos tivessem eleito Lutero no seu lugar. Este é exatamente o tipo de situação em que a Igreja se encontra hoje. A reformada Igreja Bergogliana acabará por trair completamente o que constitui a essência do catolicismo, e haverá o pior cisma alguma vez visto na história da Igreja.

Por que chama bergoglio de antipapa que lidera a Igreja da Maçonaria e não a Igreja Católica?

São Robert Bellarmino explica que a forma da Igreja é a profissão correta e ortodoxa da fé católica, e que esta forma deve estar presente no homem que é Vigário de Cristo, caso contrário não pode preservar em si mesmo a forma do pontificado. Bergoglio declara descaradamente a sua oposição explícita aos ensinamentos mais fundamentais de Cristo e aos preceitos divinos da revelação e da moral cristã. Aquele que, opondo-se ao ensino de Cristo e, portanto, à unidade da fé de Cristo, o rejeita abertamente, e é, portanto, metafisicamente incapaz de ser vigário de Cristo e do Seu representante na Terra. Este ponto é bem explicado por Bellarmino e pelo Papa Gregório XVI nas passagens que mencionei no meu último livro. Gregório XVI diz em tudo: "Agora é claro que, se não houvesse e na Igreja e no Papa o mesmo espírito, sentimentos e doutrinas, não poderia haver uma representação real disso. Portanto, o Pontífice não pode representar a Igreja, que em conjunto não representa necessariamente a sua unidade". É impossível para Bergoglio ser o chefe da Igreja, que participa na autoridade de Cristo, porque ele publicamente se opõe à doutrina de Cristo. A religião de Bergoglio não é católica, nem é cristã no amplo sentido do pan-cristianismo, mas é um universalismo pagão e gnóstico. Bergoglio não é o papa do catolicismo, mas sim o papa da nova religião do globalismo maçónico. Ele é o papa daoutra igreja,a igreja do maçon. As suas crenças dogmáticas correspondem à moral e dogmas da maçonaria, como expliquei nos meus escritos. Foi Santo Agostinho que contrastou as imagens da Cidade de Deus e da Cidade do Homem; e a visão de mundo de Bergoglio não corresponde ao Evangelho cristão do Reino de Deus e da eternidade, mas está inteiramente envolta pelas preocupações temporais deste mundo e pelas soluções puramente naturais e mundais propostas por homens e instituições sem Deus.

São Pio de Pietrelcina disse a Don Luigi Villa quando o Cardeal Montini foi eleito papa que "a maçonaria chegou aos chinelos do Papa". O Cardeal Suenens admitiu-o explicitamente quando falou do Concílio Vaticano II como o evento que introduziu os princípios de 1789 na Igreja. Foi Montini, já na sua qualidade de cardeal sob o comando de João XXIII, e depois como Papa Paulo VI, que facilitou a introdução dos princípios maçónicos nos documentos do Vaticano II. Assim, quando, no seu famoso discurso no Colégio Lombard, em 1972, se queixou do "fumo de Satanás" que entrou na Igreja, admitiu, pelo menos implicitamente, relutantemente e, de certa forma, desabar conscientemente, que tinha sido responsável por isso. A mancha suja do maçon nos documentos do Vaticano II tornou-se uma influência corrupta na Igreja depois do fumo de Satanás ter penetrado nos mais altos níveis no Vaticano, e permaneceu lá desde então. No entanto, embora a influência dos dogmas do maçon tenha vindo a corromper na doutrina e na disciplina, desde os pontitas de João XXIII ao atual pontífice, Bento XVI, tais dogmas não foram capazes de substituir o dogma católico como o credo oficial da Igreja. Pelo contrário, isto não pode ser dito da nova igreja que Bergoglio está a construir com base nas suas heresias maçónicas. O sistema de crenças de Bergoglio, como demonstrei nos meus dois últimos volumes, é quintessencial maçónico nos seus princípios. As reformas que está a levar a cabo com cautela, mas também com grande astúcia, têm a sua própria natureza destinada a transformar a Igreja Católica de uma instituição cristã numa instituição maçónica. Como demonstrei nos meus dois volumes, citando muitos elementos e fontes de autoridade, como é explicitamente evidente tanto das Escrituras Sagradas como da tradição profética católica, uma Falsa Igreja virá certamente por um certo tempo para usurpar o âmbito adequado da verdadeira Igreja Católica. Foi também noticiado pelo Padre Gabriel Amorth – e foi dito por São Pio de Pietrelcina – que o Segredo de Fátima prevê a falsa igreja. O Padre Amorth contou a José María Zavala o que o Padre Pio lhe disse (está no Terceiro Segredo de Fátima) sobre a falsa igreja:

" – Desculpe-me se insisto no Terceiro Segredo de Fátima: o Padre Pio o relacionou com a perda de fé na Igreja? Don Gabriele franziu a testa e descansa o queixo para a frente. Parece muito impressionado. "Na verdade", acena. Um dia, o Padre Pio disse-me muito tristemente: "Sabes, Gabriel? Foi Satanás quem entrou no seio da Igreja e em breve virá a governar uma Igreja falsa. Oh, meu Deus! Algum tipo de Anticristo! Quando é que ele te profetou? Maravilha. "Era suposto ser por volta de 1960, já que eu já era padre naquela altura." É por isso que João XXIII entrou em pânico ao publicar o Terceiro Segredo de Fátima, porque é que as pessoas não pensaram que ele era o anti-Papa ou o que quer que fosse...? Um ligeiro sorriso consciente dobra os lábios do Padre Amorth.

Na verdade, até 2013 só podíamos especular quem seria o antipapa. Do meu estudo sobre as escrituras e profecias cheguei à conclusão, há décadas, de que o terceiro segredo de Fátima prevê um desagrado herege, e isso foi-me finalmente confirmado por Malachi Martin, que conhecia o conteúdo do segredo do Cardeal Bea. Agora é claro quem é o desagrado herege: é Jorge Mario Bergoglio. Disse ao antigo superior general dos jesuítas, padre Adolf Nicholas, que as reformas que introduziu seriam irreversíveis. Como demonstrei com abundante documentação no meu segundo volume, essas reformas correspondem exatamente ao "cristianismo purificado e simplificado" defendido pela maçonaria — um "cristianismo" sem fé divina no sobrenatural e dogmas da "religião do passado". É exatamente isso que Bergoglio promove em nome da reforma, apelando à autoridade contrafeita do Vaticano II e através dela legitimando-se. Como expliquei nos dois primeiros volumes de Para enganar osescolhidos, Bergoglio é o representante de um sistema de crenças contrárias à fé — um sistema não de crença, mas de não-crença. Ele não é o pontífice do cristianismo, mas o sumo sacerdote do anti-religião. Nele é visível a privação da forma da Igreja e, portanto, necessariamente, como ensina São Robert Bellarmino, tal homem carece da disposição necessária para preservar em si mesmo a forma do pontificado. Essa disposição necessária é a fé, sem a qual um homem é um sujeito incapaz do papado, como todos os grandes teólogos ensinam, e especialmente Sant'Alfonso de' Liguori. Claro que, por um lado, não podemos julgar ou depor um papa de verdade, mas, por outro lado, face ao que Bellarmino chamou de "heresia manifesta", que é a presença crua e imediatamente evidente da heresia perante nós, não seria um papa que a igreja deita, mas incapaz de ocupar o cargo papal. Portanto, o caso é diferente quando se é confrontado com a heresia que ocorre como um facto que é obviamente verdadeiro e conhecido por nós, algo, isto é, como o nosso conhecimento primário das coisas que estão presentes diante dos nossos olhos, por exemplo, este homem ou este cavalo. Neste caso, já não se trata de julgar o Papa, o nosso julgamento torna-se nada mais do que o simples reconhecimento de um facto óbvio, nomeadamente que este homem é um herege manifesto e que, como tal, não pode, obviamente, ocupar o cargo supremo na Igreja, precisamente porque simplesmente não faz parte dele. Um não católico, que não faz parte da Igreja Católica, não pode ser chefe da Igreja Católica, é evidente.

Hoje por quem é representada a Igreja Católica? Aquele em que "as portas do submundo não prevalecerão" com quem vivem? Quem achas que é o verdadeiro vigário de Cristo, já que Bergoglio é um antipapa? Sei que considera Bento XVI o Papa legítimo. A confirmação?

O chefe da Igreja e Vigário de Cristo na Terra até que o momento presente permaneça o Papa Bento XVI. A natureza imperfeita do ato de renúncia do Papa Bento XVI já era evidente na sua forma de expressar a sua decisão de renunciar ao exercício do seu ministério ativo como Papa, distinguindo claramente entre ministro e munus. Esta distinção já foi claramente expressa na sua Declaração de Renúncia, na qual afirmou: "Conscientia mea iterum atque iterum coram Deo explorata ad cognition certam perveni vires misur ingravescente aetate non iam aptas esse ad munus Petrinum aeque administrandum". Aqui ele afirma claramente que o progresso da sua velhice o tornaria impróprio para administrar os deveres do seu munus. Uma vez que aqui se refere aos deveres administrativos, é evidente que aqui usa o termo munus de acordo com o seu estrito sentido no direito canónico, que define um cargo como um conserto munus constitutum. Fala de funções administrativas oficiais e menciona especificamente a sua incapacidade de exercer o ministério ativo de governar e ensinar: "Attamen in mundo natri temporis rapidis mutationibus subiecto et quaestionibus magni ponderis pro vita fideito perturbando navem Sancti Petri gubernandam et ad annuntiandum Evangelium etiam vigor quidam corporis et animae necesarius, est. qui ultimis mensibus in me modo tali minuitur, ut incapacitatem meam ad ministerium mihi commissum bene administrandum agnoscere debeam." No entanto, ele explica que a natureza do munus papal é essencialmente espiritual, e por isso é exercida não só através do desempenho dos deveres administrativos das palavras e ações, mas também e não menos pela oração e sofrimento: "Bene conscius sum hoc munus secundum suam essentiam espiritualem non solum acting et loquendo exsequi debere, sed less less patiendo et orando. No entanto, uma vez que Bento considera este aspeto passivo do munus petrino irrevogável, colocou uma premissa sobre a sua renúncia, distinguindo, com precisão, entre munus e ministeria:E, na frase seguinte, declara a sua intenção de renunciar não ao munus mas ao ministro:"Quapropter bene conscius ponderis huius actus libertando-me plenário Sucessores são Sancti Petri, mihi per manus Cardinalium die 19 aprilis MMV commisso renuntiare ita a die 28 februarii MMXIII, hora 20, sedes Romae, sedes Sancti Petri vacet et Conclave ad eligendum novum Summum Pontificem ab his quibus competit convocandum esse. O professor de direito canónico Stefano Violi explica: "Bento XVI declarou a sua demissão do ministério petrino. A renúncia limitada do exercício ativo do munus é a novidade absoluta da renúncia de Bento XVI. » Então ele explica qual é a natureza desta "novidade absoluta", mencionando claramente qual é a condição exata de que a qualificação — a renúncia se limita ao exercício ativo do munus,tal como Bento XVI declarou na sua renúncia ao ministério petrino, "sem, no entanto, abandonar o serviço à Igreja; isto continua através do exercício da dimensão mais eminentemente espiritual inerente ao munus que lhe foi confiado, ao qual não tencionava renunciar. Ainda na sua biografia publicada no ano passado, falou de ainda ter a função espiritual do seu munus (Auftrag) que recebeu de Cristo quando foi eleito para o papado. Esta afirmação mais recente foi relatada naquela biografia, Benedikt XVI — Ein Leben,de Peter Seewald, na qual lhe foi pedido que respondesse a uma pergunta sobre Amoris Laetitia,e como criou "uma terrível divisão na Igreja". A este respeito, Seewald perguntou: "O Papa Francisco não respondeu à "Dubia". Devia ter feito melhor? " A resposta muito reveladora de Bento à pergunta foi: "Não quero comentar diretamente as últimas perguntas, porque isso traz demasiado para a governação concreta da Igreja e, portanto, deixaria a dimensão espiritual, que ainda é apenas o meu mandato". (N.B. — o meu mandato alemão é mein Auftrag) Por essa razão, ele se referiu a si mesmo como o Papa da Oração e a Bergoglio como o papa de ação. Massimo Franco diz que estas são, de facto, as palavras exatas que o Papa Bento XVI usa para descrever o duplo papado de facto de Bento e Bergoglio: "Jorge Mario Bergoglio teria sido "o Papa de ação", Ratzinger "o Papa da oração", como Bento repete frequentemente." Se ainda havia alguma dúvida na mente de alguém sobre o que Bento significava como objeto legal do seu ato de renúncia, essa dúvida então desaparece quando ele, quinze dias depois, na sua última audiência pública, em 27 de fevereiro de 2013, reitera expressamente a sua intenção: "Aqui deixe-me voltar a 19 de abril de 2005. A seriedade da decisão foi também precisamente o facto de, a partir desse momento, eu ter sido sempre e para sempre empenhado pelo Senhor. Sempre [...] O "sempre" é também um "para sempre" – já não há um regresso ao privado. A minha decisão de renunciar ao exercício ativo do Ministério não revoga isso." Ele afirma que a partir do momento em que tomou a decisão de aceitar o munus papal em 19 de abril de 2005, "a partir desse momento eu sempre fui e para sempre comprometido pelo Senhor." Desta forma, diz ele, aceitando a sua eleição para o trono papal, ele comprometeu-se; e este compromisso recebido no momento da sua eleição para o papado é para sempre, e não é revogado pela sua decisão de renunciar ao ministério ativo. Comprometeu-se com o facto de ter recebido uma missão, um compromisso, que em latim é expresso pela palavra munus. Em alemão, o equivalente preciso ao compromisso usado neste contexto é Auftrag, umapalavra que em italiano é melhor renderizada com o termo "atribuição". Em seguida, afirmou que o seu munus era "para sempre" e que a sua decisão de renunciar ao ministério ativo não revoga o seu munus. A palavra alemã que usou é Auftrag, que significa atribuição, mandato, dever – e em latim é expressa pela palavra munus. Assim, em maio de 2020 ainda fala sobre ter este munus que recebeu quando se tornou Papa, como explicou em 27 de fevereiro de 2013; e não deixa qualquer dúvida quanto ao seu significado, porque fez referência explícita à mesma declaração que fez na sua última audiência pública: "Por isso, só me posso referir ao que disse na minha última audiência geral, em 27 de fevereiro de 2013." Se tivesse renunciada ao seu petrino munus, teria deixado vago a cadeira de Pedro - limpando o cargo papal, mantendo o seu munus episcopal; para ser um bispo emérito. Não renunciando expressamente ao seu petrino munus, mas apenas ao exercício do poder do governo, ele diz: "Já não carrego o poder officio para o governo da Igreja, mas ao serviço da oração permaneço, por assim dizer, no recinto de São Pedro." A lei pretendia expressamente renunciar apenas ao poder do governo, mas não ao munus recebido no momento da sua eleição. Uma vez que o objeto expresso do ato de renúncia não era o munus,mas apenas o exercício do ministro,ou seja, o exercício do "poder officio para o governo da Igreja", o efeito de deixar vago o cargo desejado pelo ato, e, portanto, de deixar a Presidência de Pedro vago e perder o poder de governo, não chega realmente a corroborar. Daí resulta que no ato de renúncia de Bento há uma fatal falta de intenção que consiste em não ter expressado corretamente a sua renúncia ao munus que lhe foi conferido. O uso incorreto de Benedetto dos termos munus e ministerium no seu ato de renúncia mostra que, embora ele diga renunciar ao seu ministério, ele não vem deixar o escritório livre também. Embora advaa renunciar ao ministério, pelas suas próprias palavras, pode deduzir-se que Bento pretendia, de facto, renunciar apenas ao cargo. A razão exata, portanto, é que, ao propor a sua própria perda do cargo e da sua jurisdição, Bento expressou claramente e a sua intenção de manter o seu munus em qualquer caso. Porém, ao qualificar o seu ato desta forma, anulou o ato em si e, por conseguinte, tornou-o inadequado, irremediavelmente incapaz de produzir qualquer efeito legal. A condição sine qua non para uma renúncia válida do escritório papal é a intenção corretamente expressa de renunciar ao munus:"Cânone 332 § 2 — Si contingat ut Romanus Pontifex muneri suo renuntiet, ad validitatem requiritur ut renuntiatio libere fiat et manifestetur, non vero ut a quopiam acceptetur. " "Cânone 126 — Actus positus ex ignorantia aut ex errore, qui versetur circa id quod eius substantiam constituit, aut qui recidit in condicionem sine qua non, irritus est ... ».

Pela Constituição Divina, só pode haver um Papa, que é dono exclusivo de todo o petrino munus. Na verdade, uma vez que só pode haver um papa, todo o munus é dele, com a primazia que ali se entende. Inversamente, um bispo diocesano pode tornar-se bispo emérito porque, mesmo depois de renunciar ao poder do governo, ele ainda é bispo e, portanto, ainda tem o munus episcopal geral de um sucessor dos apóstolos. Um antigo papa já não é um sucessor de Pedro, que é apenas um como chefe da Igreja. Não pode ser papa emérito porque o seu mundano já não é Petrino: após a sua renúncia, o seu mundano já não é petrino, mas apenas episcopal, como todos os outros bispos. Assim, um papa que renuncia ao seu mundano não pode ser um papa emérito. Se ele não renunciou completa e incondicionalmente ao seu munus papal, ele preserva todo o munus e continua no seu gabinete com primazia universal sobre toda a Igreja. O facto de Bento ter expressado explicitamente a sua intenção de renunciar ao ministério, mas preservar o aspeto espiritual do munus papal, mostra que ele não renunciou incondicionalmente e totalmente ao munus. Uma renúncia qualificada desta forma não é válida, porque a renúncia de um escritório não admite de forma alguma uma forma reduzida ou um grau inferior: ou é tudo ou não é nada. Como o casamento: não se pode casar até certo ponto, mas não totalmente. Mesmo assim, ou é tudo ou não é nada. Bento XVI não desistiu completamente, mas fez uma renúncia condicional e, portanto, inválida. Provavelmente até pensou que a sua renúncia era válida. No entanto, mesmo que o seu pensamento fosse que a renúncia fosse válida, a sua ideia não torna o ato em si válido. Por outro lado, apenas a sua renúncia total e incondicional seria de valor. Uma renúncia condicional não tem o efeito de deixar o escritório vago, mesmo que Bento pense assim ou pense assim. Trata-se de um erro substancial que torna o ato nulo e nulo, como ficou claro no código canónico n.º 188, e é um assunto e circunstância que expliquei plenamente no meu segundo volume.

Acha que alguém deve declarar Bergoglio como herege? Ou não há necessidade de heresia formal? O que achas? Sei que identifica sete heresias formais no seu livro. Conta-nos..

Bergoglio é sem dúvida um herege, e não apenas um herege simples, mas um pagão. Expliquei nos meus escritos que Jorge Bergoglio é um herege formal manifesto, e que isso está claramente demonstrado na sua clara e explícita rejeição de alguns dos dogmas mais básicos da fé cristã — em particular, 1) a sua rejeição da missão da Igreja baseada no ensino explícito de Cristo sobre a evangelização e a conversão de todas as nações; 2) a sua rejeição do dogma da necessidade absoluta de fé para justificação e redenção; 3) a sua rejeição da doutrina católica sobre o casamento; 4) a sua rejeição do dogma do inferno; 5) a sua rejeição do ensino da Igreja sobre a pena de morte; e 6) a sua noção pagã de "Deus" que, logicamente, nega a doutrina dogmática cristã de Deus como distinta e infinitamente transcendente do universo criado; um Deus que descarta com desprezo uma vaga "ideia no ar", um "deus pulverizador" e um "deus católico"; 7) a sua afirmação de que Deus não pode existir sem o homem, e 8) a sua rejeição radical do dogma da cessação do Pacto do Mosaico e a sua supressão pelo Novo Pacto de Jesus Cristo. Elaborou estes pontos no meu trabalho em dois volumes. No entanto, é necessário que a autoridade eclesiástica competente o declare herege e incapaz de ocupar qualquer cargo eclesiástico, da forma como o Conselho de Constança declarou que o antipapa Bento XIII se tinha deteriorado de qualquer cargo que ocupasse anteriormente antes de se tornar xisto e herético. Esta declaração é necessária para estabelecer legalmente o feriado da Sé Apostólica, tal como é necessário declarar oficialmente a morte de um papa após a sua morte, para que um conclave possa ser autorizado a eleger um novo Papa.

Pode dizer-se que Bergoglio, além de ser um apóstata, herege, antipapa de xisto, idolatros é também o falso profeta descrito no Apocalipse de São João, precursor do que o Catecismo da Igreja Católica chama pelo nome de anticristo?

Há muitos que pensam que ele é realmente o falso profeta do Apocalipse, mas só o tempo dirá se é ou não. O seu falso pontificado parece cumprir a profecia de Sœur Jeanne de la Nativité, que mencionei no primeiro volume do meu livro. Nessa profecia, o reino do falso Papa, a quem ela se refere como um "mau padre", será um prelúdio do reinado do Anticristo.

Achas que quando o anticristo tomar o poder? Quando é que vai aparecer no palco mundial? Podemos dizer daqui a uns anos? Podemos dizer que ele já está entre nós e que já está a trabalhar secretamente com o falso profeta?

Trata-se de uma questão de pressupostos e conjeturas, uma vez que existem opiniões contraditórias sobre a questão apresentada por autores de grande reputação. Poderia muito bem estar connosco dentro de alguns anos, se uma das três opiniões sobre esta questão, aceite e apresentada por São João Eudes, for a verdadeira, nesse caso, então certamente já está entre nós. Como São Pio X temia há um século.

Tem havido muitas interpretações do anticristo. Gostaria de esclarecer este ponto. É correto dizer que virá do Leste e se apresentará como um homem de paz? O mundo inteiro (ou quase) vai ajoelhar-se a ele. Vai ter com um macaco Ghandi da maneira que está a fazer. Apresentar-se-á como salvador. Tem a palavra.

Embora não tenha lido todos os autores sobre este assunto, há muitos autores respeitáveis que falaram do Anticristo neste sentido - como vindos do Oriente, que parecerão um homem de paz com soluções para os problemas de todo o mundo, e quase todo o mundo o aceitará como um salvador divino, e que será aceite pelos judeus como o seu Messias. Todos os autores cristãos concordam que ele se apresentará como um deus porque ele está claramente indicado nas escrituras. O próprio Senhor diz em João 5:43: "Vim em nome do meu Pai e tu não me recebes; se alguém viesse em seu nome, você iria recebê-lo. Os líderes judeus vão aceitá-lo como o seu messias, não percebendo que o que ele representa não é o cumprimento de promessas messiânicas, mas o cumprimento das terríveis profecias do fim dos textos escatológicos das escrituras, que anunciam uma campanha de extermínio que será travada contra os israelitas – israelitas no sentido mais amplo e completo do termo, que inclui pessoas do Velho e Novo Testamentos , como pode ser deduzido dos livros de Daniel e do Apocalipse de João. A maioria das pessoas em ambos os pactos será enganada por este falso messias - judeus e cristãos apóstatas, que só descobrirão quando, falando humanamente, é tarde demais, que o seu falso messias não é um Cristo, mas um demónio, um Führer possuído, genocida e psicopata: "o homem injusto, o filho da perdição" υἱὸς (2 Tess. Se ler atentamente os livros de Daniel, Judith, Esther e outros livros escatológicos e passagens das escrituras, pode entender claramente o que está reservado para a humanidade num futuro próximo. É nas profecias dos tempos do fim dos textos escatológicos das escrituras que estas coisas estão previstas e, como o Cardeal Ratzinger salientou na sua entrevista de 1984 a Vittorio Messori, estas profecias constituem a substância do terceiro segredo de Fátima. A própria Irmã Lúcia de Fátima foi mencionada pelo Padre Michel de la Sainte-Trinité em Toute la vérité sur Fátima (1986) dizendo que o conteúdo do terceiro segredo pode ser encontrado do oitavo ao décimo terceiro capítulo do Apocalipse. São João Eudes diz no seu livro O Admirável Coração de Maria:"Todos os Santos Padres concordam que após a morte do anticristo o mundo inteiro será convertido, e embora alguns deles aduvam que o mundo durará apenas alguns dias depois ou após a sua morte, enquanto outros dizem que após alguns meses, algumas autoridades insistem que continuará a existir por muitos anos vindouros. Santa Catarina de Siena, São Vicente Ferrer, São Francisco de Paula e vários outros santos previram esta última conversão universal. [Dionísio o carrinho do carrinho na tampa 3, Epist. 1 anúncio Ther .; Cornelius para Tombstone em boné. 2. para Roma. O Vers. 15.] O Anticristo não será capaz de estabelecer o seu reino e, neste processo, exterminar completamente os judeus, os cristãos e a raça humana em geral, como ele tentará. São Tomás de Aquino explica que em todos os outros livros as palavras significam coisas, mas nas Escrituras as coisas significam a si mesmas e significam outras coisas. Assim, Jesus Cristo previu a abominação do fim dos tempos, ou seja, da abominação que ocorreu no tempo de Antiocus Epiphanes: "Quando, portanto, vês a abominação da desolação, da qual o profeta Daniel falou, fica no lugar sagrado – quem lê entende – " (Matt. 24h15) O falso messias tentará suplantar e tomar o lugar do divino Salvador Jesus Cristo, mas uma simples criatura não pode prevalecer sobre Deus: "E Jesus disse-lhes mortos: "Nunca leu nas escrituras: A pedra que os construtores descartaram tornou-se uma ogiva de canto; isto foi feito pelo Senhor e é admirável aos nossos olhos? " (Matt. 21h42) Os construtores de templos que procuram substituir os mistérios divinos das escrituras pelos seus antigos mistérios do paganismo enganarão uma multidão de cristãos e judeus para adorar o falso messias — mas só há um: Jesus Cristo, a pedra que os construtores descartaram. A Rússia desempenhará um papel decisivo na esmagamento do mistério da iniquidade e na subsequente conversão dos judeus e de todas as nações da terra para a Fé Católica, mas isso só será feito através da mediação de Nossa Senhora simbolizada nas escrituras de Judith e Esther — a Mãe de Deus e Omnium Gratiarum Mediatrix. Isto será feito através da consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria feito pelo Papa juntamente com todos os bispos, cumprindo o pedido solene de Nossa Senhora de Fátima. Agora que o inimigo de Cristo usurpa a cadeira de Pedro, só uma extraordinária reviravolta dos acontecimentos, a intervenção divina, pode salvar a humanidade da aniquilação.

Missa "Novus Ordo" ou "Vetus Ordo"?

Expliquei completamente este tópico no meu livro, "Suicídio para Alterar a Fé na Liturgia". A 39ª sessão do Concílio de Constança declarou solenemente que o Papa também está vinculado aos ritos tradicionais da Igreja. Portanto, é de fide que a adesão ao tradicional "Vetus Ordo" pertence à lei divina. O texto afirma explicitamente: "Uma vez que o Pontífice Romano exerce um poder tão grande entre os mortais, é justo que ele seja amarrado ainda mais pelos incontestáveis laços de fé e os ritos que devem ser observados no que diz respeito aos sacramentos da Igreja. Por isso, decretamos e ordenamos, para que a plenitude da fé brilhe num futuro Pontífice Romano com um esplendor singular dos primeiros momentos da sua nomeação como Papa, que a partir de agora quem for eleito Pontífice Romano faz a seguinte confissão e profissão em público, antes dos seus eleitores, antes da sua eleição ser publicada. ... Em nome da Sagrada e Indivisa Trindade, Pai e Filho e Espírito Santo. Ámen. No ano da natividade de Nosso Senhor mil, etc., eu, N., papa eleito, com o meu coração e boca confesso e professo Deus Todo-Poderoso, de quem me comprometo com a sua ajuda à governação e ao Beato Pedro, príncipe dos Apóstolos, que enquanto eu estiver nesta frágil vida acreditarei firmemente e preservarei a fé católica, de acordo com as tradições dos Apóstolos, conselhos gerais e outros padres sagrados,... Manterei esta fé inalterada até ao último ponto e confirmá-la-emos, defendo-a e preguei-a até à morte e derramamento do meu sangue, e da mesma forma seguirei e observarei de todas as formas o rito dos sacramentos eclesiásticos da Igreja Católica." ["Como Romanus pontifex eminentiori inter mortales fungitur poderia ter tanto clarioribus ipsum ipsum decet fidei vinculis et sacramentorum ecclesiasticorum observandis ritibus alligari. Eapropter ut no futuro Romano pontifice em suae criais primordiis singulari esplendor luceat ple fides statuimus et ordinamus quod deinceps quilibet in Romanum pontificem eligendus antequam sua electio publicetur coram suis electoribus publice confessionem et professionem faciat infra scriptas: in nomine sanctae et individuale trinitatis patris et filii et spiritus sancti Amen. Ano um nativitate domini millesimo et cetera Ego N. electus in papam omnipotenti deo cuius ecclesiam suo praesidio regendam suscipio et beato Petro apostolorum principi corde et ore confiteor et profiteor quamdiu in hac fragili vita constitutus fuero me firmiter credere et tenere fidem catholicam secundum traditiones apostolorum generalium concrumilio et aliorum Et illam fidem usque ad unum apicem immutilatam servare et usque ad animam et sanguinem confirmae defensare et praedicare ritum que pariter sacramentorum ecclesiasticorum catholicae traditum omnimoqui et observare. '] A Profissão de Fé do Concílio Vaticano II (Sessão II, 6 de janeiro de 1870), repetindo a fórmula da Profissão de Fé Tridentina, prescreve a adesão aos ritos tradicionais da Igreja Católica. O cânone dogmático do Conselho de Trento sobre os sacramentos em geral, a Sessão VII Cânone XIII declara o anátema contra a proposta de que os ritos tradicionais podem ser reformados em novos ritos. No entanto, Paulo VI fez isso mesmo: reformou o Missal Romano, transformando o venerável Rito Romano "recebido e aprovado" num "novo rito da Mesa", um rito ecuménico, híbrido e protestante.

Terceiro Segredo de Fátima. Apostasia na Igreja. Visão de um "bispo vestido de branco". Ratzinger a dizer: "Na verdade, há algo mais lá." O que não nos querem dizer explicitamente? E porque é que Bento XVI continua hoje a insistir que não quer falar explicitamente? Jesus sempre nos ensinou: sim, não, não, o máximo vem do diabo. Não acha que se Bento XVI falasse mais explicitamente muitas almas se arrependeriam e abririam os olhos?

Acredito que o terceiro segredo será revelado em breve porque estamos agora a abordar os extraordinários acontecimentos mencionados em segredo. O cardeal progressista Bea também ficou profundamente chocado com a decisão de João XXIII de não revelar o segredo. Os papas acharam que era demasiado chocante revelá-lo, como se o mistério da iniquidade revelado em segredo, que se materializará no Vaticano de alguma forma, equivalendo a uma deserção da Igreja. Sabemos que não é esse o caso. O Cardeal Manning já tinha escrito em 1861 sobre a falsa Igreja que no futuro colocaria o seu lugar no Vaticano e que o verdadeiro Papa seria expulso. O Papa Leão XIII também o descreveu na sua oração a São Miguel com estas palavras:

"No lugar muito sagrado, em que se estabeleceu a Sé do Beato Pedro e a cadeira da verdade para a luz do mundo, ergueram o trono da sua impiedade abominável, com o plano injusto para o qual quando o Pastor é atingido as ovelhas estão espalhadas."

Sei que é um grande conhecedor dos pensamentos do Padre Gruner sobre a mensagem de Fátima. Quer dizer algumas palavras sobre isto? Padre Gruner antes de morrer é verdade que lhe disse que Bergoglio não é o Papa, mas permanece abençoado? O que o Padre Gruner achou da relação entre os dois papas?

Sim, realmente - p. Gruner e eu nos conhecemos em 1972, anos antes de qualquer um de nós ser ordenado para o sacerdócio. Estivemos juntos em Roma durante a maior parte dos anos setenta, e estive pessoalmente presente na sua ordenação sacerdotal em 1976, em Frigento, no convento dos Franciscanos Conventuais. Quatro anos depois fui ordenado a Sessa Aurunca pelo bispo franciscano, Mons. Vittorio Costantini. Naquele ponto, p. Gruner já estava no Canadá, mas Don Mario Marini conseguiu sair de Roma e estar presente à minha ordem; e deu-me uma carta de bons votos do Cardeal Palazzini, que me conhecia pessoalmente desde 1979. Durante os nossos anos juntos em Roma, p. Gruner e eu discutimos muitas vezes uma vasta gama de questões teológicas. Veio avaliar a minha compreensão de muitas questões teológicas. Nos anos seguintes, quando trabalhámos juntos no Canadá, sempre que surge uma questão séria em relação à doutrina, ele quase sempre pediu a minha opinião antes de tomar uma decisão. No verão de 1983, p. O Gruner e eu estávamos a visitar a Europa, e ele estava em Lourdes quando nos conhecemos por acidente. Na altura, nenhum de nós sabia que o outro estava em França. Tinha acabado de rezar na gruta de Massabielle quando me levantei e virei-me para a direita, e lá, a menos de um metro de mim, havia p. Gruner diretamente na minha frente: quase colidimos. Perguntou-me se eu viria para o Canadá e trabalharia com ele, e eu respondi que o faria quando as circunstâncias me libertassem dos meus deveres nas paróquias onde estava a ajudar. Esta oportunidade concretizou-se em 1986 e desde então até 2005 dividi o meu tempo entre o apostolado de Fátima com o Padre Gruner e o ministério da paróquia. Quando o Bispo Bantigue se reformou como vulgar de San Pablo, também concordei com ele para a minha retirada do ministério ativo. Tinha boas razões para suspeitar que o seu sucessor não seria tão acomodado a um padre que celebrava o antigo rito de missa. Tinha razão. Em 1996 visitei vários padres que conheci nas paróquias próximas na década de 1980, e o acórdão unânime sobre o novo bispo que ouvi dos sacerdotes confirmou que eu tinha dado a decisão mais prudente de me reformar. Então, depois de consultar o Cardeal Palazzini, em 1999 voltei ao Canadá para trabalhar com o Padre Gruner. Assim, tanto nas instalações do Canadá como remotamente de onde estive, trabalhei para o Padre Gruner durante um total de 19 anos e colaborei com ele durante mais dez anos enquanto estava reformado na Irlanda e em Londres.

Durante estes últimos anos, o Padre Gruner não só disse que acreditava que Bento XVI ainda era o verdadeiro Papa, como foi mesmo ouvido a dizer o nome de Bento em oração pelo Papa durante a sua missa. Ele pediu-me para escrever um livro sobre este assunto, para que tivesse provas nas suas mãos, e depois podia ter declarado publicamente que Bergoglio é um antipapa, e que Bento continua a ser o único Papa válido. Infelizmente, ele morreu antes de eu começar a escrever o livro, mas a última vez que estive com ele, um mês antes de morrer, ele reiterou-me o seu pedido para escrever o livro provando que Bento ainda é o verdadeiro Papa. Ele concordou comigo que Bergoglio é um papa falso, mas precisava de provas nas suas mãos para o dizer publicamente.

Também sobre Fátima, pode falar-nos do encontro que teve lugar entre Putin e Bergoglio, onde Francisco teria dito esta frase: "Não vamos discutir Fátima" confrontando Assim Putin e rejeitando assim o seu pedido de consagração russa. Para além das palavras que o Cardeal Ravasi teria dito: "Destruiremos Fátima!" Sei que foi informado disto através dos seus canais diplomáticos em Roma. Pode explicar-nos melhor.

Houve uma pessoa que conhece Putin que disse que ouviu o Cardeal Ravasi fazer essa declaração, mas essa troca de interlocuções não ocorreu durante o encontro entre Putin e Bergoglio, mas aconteceu enquanto aquele homem rezava na Igreja de Santa Ana, no Vaticano. Sei por outras fontes que foram trocadas várias palavras entre Putin e Bergoglio sobre Fátima. É o que posso dizer. Ouvi versões diferentes do que foi dito sobre Fátima e a consagração da Rússia durante o encontro. Planeava visitar Moscovo há alguns anos com algumas pessoas ligadas à Santa Sé, mas não consegui um visto a tempo de conhecer o grupo e viajar para Moscovo. Poderia ter verificado o assunto com informações precisas se tivesse ido com o grupo, mas duvido muito que me permitissem divulgar essa informação se tivesse podido verificar se os relatórios são verdadeiros.

Numa entrevista disse: "O verdadeiro Papa terá de fugir de Roma para salvar a sua vida e morrer de uma morte violenta. Será então que a Igreja terá de voltar ao subsolo e encontrar-se sem um sumo pontífice." Pode explicar-nos melhor.

Numa famosa profecia, São Pio X falou em nome do seu sucessor que fugiria de Roma sobre os corpos dos seus irmãos mortos. Há várias profecias muito credíveis que prevêem um período em que a Sé Apostólica estará vaga que durará dois a três anos. A beata Ana Maria Taigi falou de um período de vinte e cinco meses ou mais. Santo Inácio de Santhià falou de um período de três anos em que haverá reivindicações rivais sobre o papado.

Também na mesma entrevista conta as palavras e testemunhos do seu amigo Mons. Mario Marini (ex-secretário da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei) que trabalhou durante quase 40 anos no Vaticano. Quando conheceu Mons. Marini, disse-lhe: "As nossas mãos estão atadas" – fazendo um sinal eloquente com as mãos, – "não podemos fazer nada, porque é a maçonaria que controla as posições-chave no Vaticano", e algum tempo depois (outubro de 2008) o Monsenhor confirmou-o dizendo: "Estamos sob ocupação maçónica". Tem a palavra.

Conheci Don Mário de 1974 até à sua morte em 2009, quando era Secretário da Pontifícia Comissão "Ecclesia Dei". Foram exatamente as palavras que me disse. O Cardeal Eduard Gagnon também falou comigo da mesma forma, citando alguns nomes de prelado de alto escalão que já não estão vivos. Quando estive com o Bispo Paul Khoarai a visitar alguns cardeais no Vaticano, um deles parecia tremer quase imitavelmente com a menção da Maçonaria, casaroli, e de alguns outros nomes e termos relacionados com a Maçonaria. O movimento do seu corpo era pouco percetível para que antes de me perguntar se eu estava imaginando-o; mas assim que fechámos a porta atrás de nós após a reunião, Mons. Khoarai disse-me imediatamente (na presença de um para o outro membro do nosso Grupo): "Vês? Não pode escondê-lo! "

Don Mario contou-me muitas coisas sobre a maçonaria eclesiástica em tantos anos que o conheço. Em inúmeras ocasiões jantei com ele e ele sempre teve informações interessantes para me contar o que se passava nos bastidores do Vaticano. Uma noite, durante o nosso jantar, ele disse-me que tinha recusado um convite para jantar com um cardeal para poder jantar comigo. A sua razão, explicou, foi que com o cardeal deve estar sempre atento ao que diz; enquanto comigo ele não tinha que manter as suas palavras tão cuidadosamente. Uma noite, em dezembro de 1979, no final de um jantar com Don Marini em La Tana del Grillo, no centro de Roma, perto do Angelicum, Don Mario disse-me que tinha ouvido dizer que o Cardeal Garrone seria retirado do cargo de prefeito da Congregação para a Educação Católica a 18 de janeiro. Disse-lhe que tinha ouvido o dia 17. Ele perguntou-me: "Quem te contou?" Eu respondi: "O Cardeal Palazzini disse-me esta manhã". D. Mário perguntou então: "Esperou até à sobremesa para me dizer que esta manhã foi ao Cardeal Palazzini?" Os acontecimentos tinham ocorrido muito rapidamente naquela altura. Testemunhei contra o Cardeal Garrone na primavera de 1978. Havia um bom número de testemunhas para erros sob a sua jurisdição. Algumas das testemunhas tinham fortes razões para temer represálias se as suas identidades fossem reveladas. Garrone protegeu os culpados e tentou descobrir a identidade daqueles que os tinham denunciado. Viraram-se para mim, porque sendo testemunha, eu estava numa posição menos vulnerável. Sendo um assunto bastante delicado, perguntei ao Arcebispo Mons. Eduard Gagnon, Mons. Guglielmo Zannoni e Don Mario Marini. O arcebispo Mons. Giuseppe Caprio foi nomeado Substituto dos Secretários de Estado após o Cardeal Benelli ter sido nomeado Arcebispo de Florença. Podia ter confiado ao Benelli as páginas mais delicadas do meu depoimento, mas ele já não estava no secretariado, e fui levado a acreditar que o Caprio era de confiança. Foi um erro que nos custou caro. Após a traição de Caprio, Don Marini foi resumido pelo Vaticano e outros cinco "suspeitos" (eu incluído) foram exilados de Roma. Don Mário foi punido apenas por ser suspeito de ter me aconselhado a me ajudar a dizer a verdade. Descobri algum tempo depois, quando alguém do secretariado examinou o documento relevante no arquivo secreto do secretariado. Fomos todos penalizados só por fazer o que era certo.

Não podiam tocar no Gagnon, apesar de ele estar profundamente envolvido em aconselhar-me. O Garrone mandou-me expulsar de Roma antes de poder terminar todos os exames e ordenou ao reitor do Pontifício Colégio Filipino que me mandasse para as Filipinas. No ano seguinte, após seis meses de exílio em Laguna, Filipinas, regressei a Roma e contei toda a história ao Cardeal Palazzini. Foi a João Paulo II, que o autorizou a conduzir uma investigação secreta. Em dezembro de 1979, Palazzini escreveu o depoimento que lhe tinha ditado e, acabando de assinar, disse-me que o Cardeal Garrone seria destituído do cargo a 17 de janeiro. Foi na noite em que conheci Don Mario em La Tana del Grillo. Uma vez que Garrone tinha dado a ordem para nunca ser ordenado padre, Marini perseguiu-o e pediu ao Palazzini que pedisse ao Papa que o meu depoimento não fosse incluído nos registos oficiais até depois da minha ordenação sacerdotal. João Paulo II concordou com tal acordo. A investigação de Palazzini então produziu a evidência de que o meu testemunho era verdadeiro: tudo foi corroborado por factos. Por alguma razão, este acontecimento não fez parte do relatório oficial do caso mantido no arquivo secreto do Secretariado. Então Marini foi trazido de volta ao Vaticano como minúcia de primeira classe na Congregação Sagrada para o Clero. Um antigo funcionário do Secretariado disse a D. Mário que durante os 50 anos em que trabalhou no Vaticano nunca lhe tinham dito que alguém que tivesse sido despedido, mesmo injustamente, alguma vez tivesse sido trazido de volta para dentro. Era uma linha estreita de procedimentos. João Paulo II rompeu com essa linha e insistiu para que Marini fosse resumido pela Santa Sé para retificar a injustiça que lhe tinha sido feita sob Paulo VI. Don Mario deu-me uma fotocópia da carta que trazia as boas notícias.

Garrone tentou bloquear o meu pedido para sempre. Ele ligou ao Bispo Mons. Pedernal e disse-lhe que eu devia ser imediatamente dispensado do seminário e enviado para casa. Pedernal respondeu: "Agora não posso fazê-lo, porque lhe encomendei diácono na semana passada." Então Garrone disse-lhe para me mandar para as Filipinas, onde o Bispo Bantigue tinha sido instruído a cancelar a minha ordenação. Quando regressei a Roma no ano seguinte, sem dinheiro e sem lugar para viver, encontrei alojamento gratuito a 17 km da cidade. Marini contou-me sobre um recente consistório secreto no qual, a certa altura, o Cardeal Stefan Wyszyński levantou-se e proferiu uma longa tirada contra Garrone. João Paulo II tinha testemunhado tudo o que sorria. Sabia que era a altura certa para ir contra Garrone, por isso fui ter com o Cardeal Palazzini. O Arcebispo Gagnon deu-me os fundos necessários para poder voltar a viver numa faculdade em Roma. Quando fui ordenado padre na catedral de Sessa Aurunca, Don Marini, que assistiu à minha ordenação, entregou-me a carta do Palazzini. (Ainda tenho uma fotocópia, mas o original, preservado no Canadá, perdeu-se.) Era domingo, 20 de abril de 1980. Na terça-feira seguinte, assim que cheguei a Roma, fui diretamente de Termini para o Vaticano, e entrei no elevador vazio para ir ao 2º andar visitar os monsenhors Marini & Zannoni. No último momento, Garrone, (cujo escritório era no 3º andar), entrou no elevador, então olhamos um para o outro como boxers no início de uma luta. Assim que cheguei ao segundo andar, falei sobre isso em Mons. Marini, e depois perguntou-me: "Beijaste-lhe o anel?" Que senso de humor!

Quando Garrone morreu 14 anos depois, p. Gruner e eu estávamos em Roma, onde visitámos o Cardeal Sanchez no mesmo edifício onde Garrone já tinha trabalhado. Sanchez interrompeu o nosso encontro para ir ao funeral de Garrone em São Pedro. O Padre Gruner sugeriu que ambos fôssemos ao funeral e depois deixámos a sacristia para ir a Santa Marta visitar o Mons. Zannoni. Quando estávamos prestes a sair da basílica, fomos bloqueados pela segurança para manter a passagem livre do caixão de Garrone. Eu apontei para p. Gruner que mesmo na morte, Garrone ainda me bloqueou. No final, conseguimos encontrar o apartamento de Mons. Zannoni, então subsecretário da Sagrada Congregação do Clero, e também paramos para visitar o Cardeal Agnelo Rossi, que conheci pela primeira vez em 1978. Em seguida, p. Gruner e eu fomos a Avellino visitar o bispo.

Zannoni era outro, como Gagnon, que cobria bem os seus rastos. No entanto, foi afastado como chefe de uma comissão não mencionada na lista da Santa Sé, que supervisiona a contratação e despedimento de funcionários curiais. Quando Zannoni foi removido do cargo de chefe da comissão, foi substituído pelo Arcebispo Giovanni Coppa. Depois foi nomeado subsecretário da Congregação para o Clero, o que se revelou uma grande vantagem para mim. Com Marini e Zannoni a trabalhar para o Clero, sempre fui capaz de ser notada sempre que o Secretário de Estado tomava medidas contra mim ou o Padre Gruner. Marini e Zannoni aproveitaram-se do apoio do Cardeal Oddi, para que quando Casaroli se movesse novamente contra mim, Oddi passasse a informação ao Palazzini, que depois me disse o que fazer para evitar os problemas que Casaroli me preparava.

O Cardeal Palazzini, Don Marini e o Cardeal Oddi disseram-me que eu podia visitar Roma, e também ficar por um tempo; mas que se eu tivesse se alojado lá, o Secretariado teria movido-se contra mim. Em 1985, queixei ao Cardeal Sin de que estava cansado de ser perseguido pelo Secretariado. "Oh! Foi por isso que recebi uma carta sobre si, ... etc. O pecado sabia perfeitamente que eu estava canonicamente localizado na diocese de Mons. Bantigue, com todos os documentos em ordem, por isso ele já sabia perfeitamente que eu não era de forma alguma irregular. Fui eventualmente designado para a igreja de Quiapo na arquidiocese do Cardeal Sin, por isso o secretariado teve de abdicar do seu plano fútil para convencer o Cardeal Sin de que eu era um padre irregular. No entanto, em 1996, quando estava de visita a Roma, o Cardeal Palazzini avisou-me novamente para não ter residência permanente em Roma. O Cardeal Stickler também me disse que a minha história era bem conhecida em todo o Colégio Sagrado de Cardeais. O senhor deputado Marini salientou-me que alguns dos prelados que mencionei no meu depoimento também foram mencionados em relação à maçonaria eclesiástica.

Foi no verão de 1983 que tive a oportunidade de começar a estudar seriamente a história da guerra da maçonaria contra a Igreja Católica. Foi em maio desse ano que quase me matei no que parecia ser um acidente. Telefonei a Don Brenno Zecchetti, o conhecido filho espiritual de São Pio de Pietrelcina, conhecido pelos seus dons de cura e profecia, e contei-lhe o que tinha acontecido; e ele, iluminado por Deus, informou-me que o que tinha acontecido não tinha sido por acaso, mas tinha sido feito deliberadamente. Apenas alguns dias antes, por telefone de Don Brenno, eu tinha transmitido algumas informações sensíveis a três bispos que conheci pessoalmente, um dos quais era o Cardeal Sin. As informações diziam respeito a um certo prelado, que mais tarde foi apurado em tribunal para se envolver com Casaroli e os subordinados de Licio Gelli. Depois do ataque, decidi deixar as Filipinas temporariamente e retirar-me para a relativa segurança da Alemanha. Antes de me instalar temporariamente numa paróquia alemã, tive de esperar que a papelada fosse processada, depois usei o meu tempo livre para voltar para uma visita a Itália e apanhei o comboio para Roma.

Em Roma, a primeira pessoa que conheci foi Don Mario. Convidou-me a acompanhá-lo a Fiuggi para cuidar da água. Explicou que a água deve ser consumida lentamente e após intervalos de 30 minutos e que, portanto, seria aconselhável trazer algum material para ler. Por isso, trouxe comigo dois livros sobre maçonaria por autores católicos. Quando tirei os livros para ler, Don Mario repreendeu-os por não os ter posto numa capa. Em Roma, pedi os livros emprestados por uma semana. Depois de uma semana, devolveram-me, ambos embrulhados em capas de papel marrom. Depois fui a alguns sítios da Campânia, e num deles descobri os três volumes de Mons. Henri Delassus. Li-os com grande interesse e tomei notas o melhor que pude, mas devido às restrições de tempo não consegui completar o trabalho.

De volta a Roma, assim que saí do comboio vi numa banca de jornais uma revista com um grande retrato de Licio Gelli na capa. Uma das raras entrevistas de Gelli foi publicada na edição da revista. Claro que comprei a revista e li a entrevista. O que me intrigou particularmente foi que Gelli estava a falar da lista de membros do P2 guardados no seu cofre — que tinha sido misteriosamente deixado intocado pela polícia, mas que tinham removido todos os outros documentos no cofre e que a lista de nomes que tinham sido publicados não era a lista de membros do P2, mas uma lista das pessoas que ele iria encontrar. Na entrevista, Gelli afirmou que era um mistério para ele o que a polícia poderia fazer com a lista de membros - ou se eles tinham mesmo tocado nele. No entanto, algumas semanas antes da publicação da entrevista, um padre na Campânia com contactos no Vaticano deu-me uma explicação sobre a lista de membros do P2. Os carabinieri tinham, de facto, removido a lista, fotocopiados e depois colocado de volta no seu lugar no cofre, exatamente como era antes de removê-la. Havia tantos nomes na lista de membros que ocupavam altos cargos no Vaticano e no Estado italiano, que os carabinieri deram cópias a João Paulo II e Sandro Pertini.

Como ainda tinha de esperar que os documentos chegassem à Alemanha das Filipinas, para ocupar um lugar temporário numa paróquia alemã, decidi mudar-me de Roma para a mesma casa de hóspedes em Lourdes, onde tinha ficado quando fui expulso de Roma pelo Cardeal Garrone. Foi lá que tive a oportunidade de conhecer p. Gruner — e poucos dias depois eu tinha conhecido Don Marini, mais uma vez por acaso, enquanto caminhava por uma rua em Lourdes e Don Mario vindo na minha direção do outro lado. Sentámo-nos num café na calçada e discutimos eventos de interesse que emergiram do nosso último encontro. Don Mário disse-me então o que tinha feito com os dois livros sobre maçonaria que eu lhe tinha emprestado. Tinha fotocopiado cada página e dado cópias ao Cardeal Ratzinger. Algum tempo depois, voltou a visitar Ratzinger e o futuro Bento XVI disse-lhe que era claro que é moralmente inaceitável que os católicos sejam maçons. Antes do Códice de 1983 entrar em vigor, o dicastério de Ratzinger, a Congregação Sagrada para a Doutrina da Fé, emitiu um decreto que proíbe os católicos de pertencerem à seita maçónica. Depois de deixar a Alemanha e regressar às Filipinas, consegui obter uma cópia do trabalho de Delassus sobre a Maçonaria, juntamente com Morals e Dogmas, o livro de Pike e outras obras relacionadas. Foi nesse momento que consegui ter uma ideia clara do trabalho que pretendia escrever. Escrevi ao Padre Klemens Vansteenkiste O.P., que transmitiu a minha carta ao Padre Cornelio Fabro, que eu conhecia durante os meus anos em Roma. Ambos foram muito positivos sobre o trabalho que ia escrever. Em fevereiro de 1986 deixei as Filipinas apenas dois dias antes da revolução e juntei-me ao P. Gruner no Canadá algumas semanas depois. Lá, no Canadá consegui obter muitos mais trabalhos académicos sobre maçonaria, e as notas tiradas de muitas destas obras formaram a base do meu livro, O Mistério da Iniquidade. Tinha planeado um trabalho muito maior do que poderia completar, mas precisaria de mais tempo para me dedicar exclusivamente a escrever um projeto tão ambicioso. Se tudo correr bem, Deo de bom grado, no entanto, serei capaz de completar esse trabalho quando escrever o meu terceiro volume de Para enganar os escolhidos.

Pouco depois da morte de D. Mário, visitei vários bispos e cardeais em Roma com Mons. Mr Khoarai. Um dos cardeais sugeriu que eu realizando o meu trabalho sob a forma de uma obra escrita. Um cardeal mais tarde com quem eu tinha falado também sugeriu que fizesse o mesmo, e insistiu: "É preciso escrever este trabalho". Com isso em mente, voltei ao Canadá e encontrei as minhas antigas notas, atualizei-as com material novo, e depois, no outono de 2009, comecei a trabalhar no Mistério da Iniquidade. Infelizmente, devido à morte prematura de Don Mario em maio desse ano, não tive a oportunidade de lhe apresentar uma cópia do trabalho realizado. Foi Don Mario Marini que mais do que ninguém me inspirou a investigar e escrever sobre a Maçonaria.

A maçonaria cria o problema de criar a sua própria solução, que prejudica sempre as nossas liberdades. Desestabilizaram o Norte de África em 2011. Expulso Gaddafi. Em 2011, foi realizado um golpe de Estado em Itália e na Grécia. Nessa altura, recordamos que o ISIS nasceu e que os desembarques que tinham sido bloqueados recomeçaram graças também ao Tratado de Benghazi. Em 2013, um golpe de Estado no Vaticano. Agora o Coronavírus. Eles continuam a enganar-nos. Continuam a manipular-nos com os media ao seu serviço. Mostram-nos uma realidade distorcida. Querem ter o seu consentimento para que possam agir sem ser perturbados e implementar os seus planos. Então criam as condições, trabalham na mente do homem. Conhecem os medos do homem e depois fazem o seu movimento. Para que possam controlar a mente. Para controlar as escolhas. Precisamente porque o homem é dominado pelo medo. Achas que as pessoas estão um pouco mais conscientes hoje?

Há uma consciência crescente, mas, ao mesmo tempo, há um grande esforço para neutralizá-la e apagar quem tem a coragem de falar e espalhar a verdade sobre estas questões. A maioria das pessoas comuns sabe que algo está errado, mas não sabem até que ponto as coisas não estão a correr bem, e não querem falar abertamente e comprometer a sua reputação e posições ganhando a si mesmos os rótulos de agravamento como teórico da conspiração, o que traz consigo a sugestão de desequilíbrio mental. A "cultura de cancelamento" de hoje é exatamente o que existia na URSS sob o domínio comunista: nenhuma investigação fundamentada era necessária para decidir algo sobre uma pessoa. Foi o suficiente para salientar que o pai de alguém tinha sido um lojista ou kulak, e então uma pessoa foi rotulado como um inimigo do povo. Agora, se se apenas se manifestar contra o projeto maçónico, será considerado um teórico da conspiração paranoica ou talvez um antissemita. Chegámos agora ao ponto em que foi apoiado por políticos em posições de poder e pelos meios de comunicação social de que ninguém aceita a narrativa oficial sobre coisas como lidar com a pandemia, a vacinação ou as questões climáticas; ou as pessoas que se opõem ao aborto, à sodomia e à perversão sexual, etc., devem ser internadas e desativadas nos centros de reeducação. Este é exatamente o tipo de "tratamento psiquiátrico" armado pelo qual a União Soviética era famosa. O Papa Bento XVI falou do perigo de contradizer "a ditadura mundial de ideologias aparentemente humanistas e que contradizê-la significa exclusão do consenso social básico. Há 100 anos, qualquer um pensaria que era absurdo falar de casamento entre pessoas do mesmo sexo. Hoje, quem se opõe a isto é socialmente excomungado. O mesmo se aplica ao aborto e à produção de pessoas em laboratório. A sociedade moderna está prestes a formular um credo anti-cristão, resistindo ao qual é punido pela excomunhão social. " O medo deste poder espiritual do Anticristo é, portanto, demasiado natural. Por conseguinte, a maioria das pessoas está totalmente preocupada em preservar o seu estatuto, para que não perca a sua posição e rendimento. Por outras palavras, pensam tanto nas suas circunstâncias imediatas que não têm a sabedoria de reconhecer que estamos agora à beira do abismo. Pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial, Pio XII disse: "O mundo está à beira de um abismo assustador — a humanidade deve preparar-se para o sofrimento como nunca experimentou antes."

Afirmou: "A maçonaria cria o problema e depois traz a sua própria solução, que prejudica sempre as nossas liberdades". Este programa maçónico destina-se a privar-nos de toda a nossa liberdade, a fim de nos reduzirmos à impotência absoluta, para que possam exterminar a grande maioria da raça humana da face da Terra. É sua intenção, afirmadas nas suas publicações oficiais, criar uma nova raça de super-homens da raça nórdica. Na edição de setembro de 1950 da New Age Magazine,a publicação oficial da Jurisdição do Sul do 33º Grau de Maçonaria do Rito Escocês, surgiram as seguintes palavras de C. William Smith, de Nova Orleães (esta é uma clara proclamação dos objetivos a longo prazo da maçonaria): "O Projeto de Deus visa unificar todas as raças, religiões e crenças. Este projeto dedica-se a criar uma nova ordem de coisas, a fazer com que todas as coisas se renovem — uma nova nação, uma nova raça,uma nova civilização, e uma nova religião não sectária chamada religião da "Grande Luz". Smith continua a dizer (ênfase acrescida): "A Providência escolheu a raça nórdica para realizar a 'Nova Era' do mundo — um 'Novus Ordo Seclorum' ..." (ênfase adicionada).

Parece exatamente a agenda nazi, porque os próprios Nazis tiraram-na dos maçons. Descrevi e documentei todo o seu programa no meu trabalho anterior, O Mistério da Iniquidade. Portanto, a menos que a humanidade se arrependa e regresse à obediência à lei de Deus, o mundo será punido não só com outra guerra mundial, mas, depois da guerra, toda a raça humana terá de enfrentar um império mundial infernal governando um Auschwitz global, com métodos de extermínio genocida muito mais avançados do que qualquer coisa que Hitler foi capaz de inventar. Este é, de facto, o conteúdo essencial do terceiro segredo de Fátima que tanto perturbou João XXIII, ao ponto de ter decidido não o revelar. Quando o abriu e leu o segredo, é relatado por testemunhas que ficou pálido e quase desmaiou. O segredo era demasiado assustador para ele lidar mentalmente. O cardeal Augustin Bea foi uma das oito pessoas presentes com João XXIII quando abriu e leu o terceiro segredo e relatou o conteúdo do segredo ao padre Malachi Martin, seu conselheiro e confidente. Malachi afirmou numa entrevista que foi gravada e ainda pode ser ouvida, que há muitas coisas reveladas em segredo, como uma Terceira Guerra Mundial, fomes, etc. — mas há algo mais revelado no segredo que é tão horrível, que se o segredo for publicado, as igrejas estariam cheias de pessoas a rezar de joelhos e a baterem-se no peito, implorando misericórdia a Deus.

A maçonaria destina-se a exterminar a grande maioria da população mundial. Este também era o programa de Hitler. No livro, Kolbe e o Comandante, o autor, padre Ladislaus Kluz, citou o testemunho do comandante de Auschwitz, Rudolf Hoess, que testemunhou no seu julgamento em Nuremberga que o objetivo original dos nazis para a construção do campo de concentração de Auschwitz era exterminar a nação polaca. Lembro-me de ter lido há décadas uma citação de um dos ministros de Hitler num trabalho sobre o fascismo escrito por um professor da Universidade de Edimburgo, no qual um Ministro do Governo nazi afirmou, em termos inequívocos, que tencionavam aniquilar a raça humana. Quando falei com os outros sobre isso, a resposta habitual foi: "Como é que alguém quer fazer uma coisa destas?" Claro que não entendiam, porque a eliminação da raça humana era apenas metade do plano. A sua intenção era criar uma nova raça de super-humanos e eliminar a raça dos homens criados por Deus. A nova raça do homem-deus seria formada pela raça ariana pura - uma raça nórdica mítica que na verdade não existe, e que na verdade não é mais do que uma criação fantasiosa da delirante imaginação nazi. Esta agenda para exterminar a humanidade e substituí-la por uma nova raça tem sido promovida por nazis e maçons durante décadas por nazis e maçons. Agora, através da engenharia genética, já não é apenas um sonho delirante, que poderia ser tentado realizar pelos métodos brutos e desajeitados do velho movimento eugénico. Agora é muito mais fácil desenhar uma nova raça de super-homens para substituir os filhos de Adam. Podemos agora constatar pela propaganda do Transhumanismo transmitida pelo Fórum Económico Mundial, que já começaram planos concretos para alcançar este desenho perverso.

Vemos que a alteração genética da raça humana já foi implementada nas novas vacinas Covid. Estas modificações genéticas causadas pelas vacinas facilitarão a extinção da raça humana, que consideram ser uma forma de vida muito baixa, muito inferior aos hominídeos pré-humanos ou neandertais em comparação connosco em comparação com a nova raça que pretendem criar através da engenharia genética como nossa substituição. O Padre Gruner disse-me há décadas que foi Robert Bergin (se a minha memória é exata) da Fátima Internacional que explicou que o segredo de Fátima não é tanto um aviso sobre o comunismo soviético, mas contra o nazismo. Na década de 1980, tanto o Padre Gruner como eu tivemos dificuldade em aceitar esta interpretação, mas no final ambos percebemos que Bergin tinha sempre razão.

Foi o Padre Gruner, já no final dos anos 1980, mesmo antes do colapso da União Soviética, que me mostrou alguns artigos que delineavam e documentavam um movimento orientado para o fascismo na Rússia, que ele pensava que acabaria por representar um perigo para a paz mundial no futuro. Mais tarde, quando foi encarcerado na Arquidiocese de Hyderabad, o arcebispo, Mons. Samineni Arulappa, disse que os "erros da Rússia" mencionados na mensagem de Fátima seriam algo diferente do marxismo-leninismo que dominou a Rússia no período soviético. Após o colapso do comunismo nas nações do Pacto de Varsóvia, assistimos à ascensão de movimentos neofascistas e neonazis em países que foram conquistados e oprimidos pela Alemanha de Hitler. Os nazis referiram-se aos povos eslavos como Untermenschen – isto é, sub-humanos, por isso, para os povos da minha geração e da geração anterior, é simplesmente incompreensível como os europeus de Leste podem agora apaixonar-se por uma ideologia tão boa que tem sido usada para justificar o programa do seu próprio extermínio. As pessoas que viveram durante o período do regime nazi relatam que quando os soldados ucranianos queriam unir forças com os alemães para lutar contra os comunistas soviéticos, os nazis responderam: "Wir fechten nicht mit Scheise!" (Não vamos lutar com esterco!) No entanto, na Ucrânia e também na Polónia, a ideologia nazi está a tornar-se popular, precisamente nos países onde os povos indígenas eram considerados pelos nazis como Untermenschen. Quando disse ao Padre Gruner que o que estamos a testemunhar nas nações do antigo Pacto de Varsóvia pode ser descrito como uma fusão das duas ideologias aparentemente opostas numa espécie de síntese hegeliana, ele respondeu: "Exatamente". Assistimos agora também à radicalização no Ocidente, onde os princípios democráticos do republicanismo são abandonados a favor de uma forma mais totalitária de "democracia" em que o princípio dominante é um "consenso", tal como o termo foi definido na doutrina marxista. Assim, as nossas democracias ocidentais baseadas nos princípios republicanos da liberdade e da igualdade estão a transformar-se em "repúblicas populares democráticas", como vimos na Europa Oriental, e que ainda existem na China e na Coreia do Norte, onde os cidadãos nem sequer gozam do estatuto de escravos da plantação, mas de bovinos.

O comunismo e o nazismo não são tão diametralmente opostos uns aos outros como a maioria das pessoas acredita. Os ideólogos juram sempre a luta eterna contra os expoentes das ideologias rivais, mas estes são na verdade muito mais parecidos uns com os outros do que os seus próprios expoentes se preocupam em divulgar, ou até admitir. Como explica Zbigniew Brzezinski, "comunismo, fascismo, nazismo...", são "geralmente relacionados, historicamente ligados e politicamente bastante semelhantes". Depois de assinar o pacto de não agressão com Estaline (23 de agosto de 1939), Hitler sofreu um verdadeiro incêndio consecutivo de vários membros do Partido Nazi, e teve de defender o seu movimento durante um comício nazi gauleiter, declarando que "o comunismo e o nacional-socialismo são essencialmente a mesma coisa". Não é, portanto, um exagero, o de Brzezinski, quando descreve a guerra entre a Alemanha Nazi de Hitler e a Rússia Soviética de Estaline como "uma guerra fratricida entre duas vertentes de uma fé comum". As outras ideologias que mencionei noutros lugares, nomeadamente para além do fascismo, do imperialismo britânico e do imperialismo americano (que agora se fundem num neo-fascismo anglo-saxónico representado pelo Império Neo-Anglo-Americano), também estão ligadas. Todas estas ideologias, na verdade, partilham um pai comum, são todos movimentos pseudo-messiânicos e fazem parte dos frutos da mesma árvore do mal. Esta árvore é na verdade uma hidra com muitas cabeças, uma besta usando mil máscaras. Ele se atreve a chamar-se judeu (Apulus 2:9), mas é de facto o fruto da semente do inimigo mais antigo do judaísmo e do povo judeu (1 Reis 18; Sr. Esther; Judith; 1 e 2 Maccabees), simbolicamente representado no Livro de Gênesis com a imagem da Torre de Babel.

À primeira vista, esta ideologia maçónica é abertamente revelada pelo que realmente é: um movimento radicalmente anti-judaico que se opõe ao povo judeu, mas consegue esconder o seu diabólico ódio genocida da nação judaica, disfarçado de seita judaica. De acordo com a falsa doutrina oculta da seita, a raça nórdica descende de uma das tribos perdidas de Israel, a Tribo de Dan. Este tipo de raciocínio é a base da teoria racial cientificamente desacreditada do movimento judaico inglês, que considerou a raça britânica de origem judaica, e, portanto, herdeira da promessa messiânica.

No topo da hierarquia maçónica estão judeus kabbalistas. No trabalho de G. Demousseaux, em p. 340, pode ler-se: "Em Londres, onde está localizada a sede da revolução sob o Grande Mestre Palmerston, existem duas loggias judaicas que não permitem que nenhum cristão atravesse o seu próprio limiar. É lá que todos os enredos e detalhes da revolução são orquestrados, e depois passados para as loggias cristãs." "Eckert, Gougenot-Demousseaux, Disraeli", diz Mons. Delassus, "todos concordam que são os judeus que são os verdadeiros instigadores de tudo o que a maçonaria concebe e põe em prática. São os judeus que estão sempre na maioria dos Conselhos Supremos das sociedades secretas." O Cardeal Caro y Rodriguez relata as palavras da Enciclopédia Hebraica:"Desde a Revolução, os judeus parecem, na maior parte, união com os interesses da maçonaria."

Pike afirma repetidamente aos seus leitores na sua Moral e dogma do antigo rito escocês aceite pela Maçonaria que a maçonaria consiste em antigos mistérios pagãos - isto é, os mistérios solares egípcios, babilónicos e canaanitas. Atum, o deus primitivo de Heliopolis, foi mais tarde identificado com o sol. Aconteceu o mesmo com Amon, o deus dos Thebans, que mais tarde se chamaria Amon-Ra. Horus, que estava na morte a manifestação de Osíris, era o grande deus, mas apenas como seu pai rei, o deus sol. "O culto do sol", diz Renan, um expoente sénior da Maçonaria Francesa, "é o único culto razoável e científico... o sol, de acordo com a profissão de fé do Magistrado Supremo, é o único Deus, criador do bem e do mal. O Magistrado Supremo é o Sol, que deve governar tudo, que deve reinar sobre o mundo e dar felicidade à humanidade." Baal, o deus-sol montando um touro, foi venerado na Babilónia. O seu nome na língua accad era Bel. A Torre de Babel era, de facto, um templo de Bel. O pecado de Babel foi ter construído um templo que poderia "chegar ao céu", permitindo que os homens entrassem no céu e se tornassem deuses. É o mesmo princípio por trás do pecado de Adão: a tentativa de obter um conhecimento ilícito do bem e do mal (Gen. 2:17), conhecimento destes dois princípios que abririam os olhos a Adão e Eva, como a serpente lhes prometeu, e que os faria "como Deus, conhecendo o bem e o mal". (Jan 3.5) Este pecado original, o mais velho do homem, é a verdadeira abominação da maçonaria. Porque, de facto, o equilíbrio da perfeita harmonia entre os dois princípios do bem e do mal é obtido pela deificação do homem, blasfemo Adonai definido: "A realização deste dogma, na forma humana, é o Deus Visível, isto é, o Filho de Deus ou o Homem perfeito." A doutrina idolatrídus da Maçonaria tem o culto do homem e está intimamente ligada aos ensinamentos do misticismo judaico chamado Cabala. Segundo a Cabala,"O Judeu é o Deus vivo, o Deus que se tornou carne, o homem divino, o Adam Kadmon. Outros homens são uma raça inferior, e existem apenas para servir o judeu; são apenas animais. Escusado será dizer que, nesta doutrina kabbalística perversa, não há vestígios dos nobres princípios e tradições típicas da verdadeira religião judaica. Os kabbalistas são "aqueles que se proclamam judeus e não são, mas pertencem à sinagoga de Satanás." (Ap 2:9) O kabbalismo, portanto, não é o judaísmo verdadeiro, mas um panteísmo gnóstico pseudo-judaico-judaico que tem as suas origens da religião praticada na antiga Babilónia e caldeirão. De acordo com a Enciclopédia Hebraica, "O GNOSTICISMO testemunha a antiguidade da Cabala. De origem chaldeia... O gnosticismo era essencialmente judeu, muito antes de se tornar cristão... a história de todo o sistema dualista das forças do bem e do mal, que remonta ao Zoroastrismo e, em última análise, ao antigo Chaldean, pode ser traçada através do Gnosticismo, que influenciou a cosmologia da antiga Cabala antes de influenciar a medieval." O sistema dualista era panteísta, assim como a Cabala, como reconhece a própria Enciclopédia Judaica,quando fala das "notáveis nuances panteístas da sua metafísica".

A maçonaria diz claramente qual é o seu objetivo: "Vamos formar o equilíbrio do universo e ser governantes sobre os Mestres do Mundo". Os plutocratas biliares e bilionários da rica superclasse há muito que planeiam fundir os países capitalistas e comunistas num único sistema global. A estratégia de détente, que começou com a administração Nixon, serviu os propósitos subversivos dos interesses multinacionais dos Rockefellers e da Nova Ordem Mundial. Em 1947, Nelson Rockefeller e Cyrus Eaton fundaram aInternational Basic Economy Corporation(IBEC) para negociar com o bloco soviético. O cofundador do IBEC, Cyrus Eaton, admitiu pessoalmente o propósito subversivo da estratégia de détente e comércio com os comunistas, afirmando que:"Os Estados Unidos e a União Soviética devem unir-se". O governo mundial é o objetivo final da fusão que está planeada há anos. James P. Warburg, membro do Conselho de Relações Exteriores (CFR) e descendente da família bancária com o mesmo nome, principalmente responsável pela criação da Reserva Federal, escreveu: "Vivemos num período perigoso de transição de uma época em que as nações eramsoberanas, para uma em que haverá um governo mundial." Perante um Comité do Senado, em 17 de fevereiro de 1950, Warburgdeclarou: "Vamos ter um governo mundial, quer queiras quer não. Se não o conseguirmos com o consentimento, obtê-lo-emos por conquista."

A epidemia de Covid serviu para minar as economias de mercado de quase todos os países do mundo, de modo a que as economias de mercado em breve desapareçam e que em breve seja imposta uma tecnocracia global monopolista no seu lugar. Ou seja, um governo mundial obtido pela conquista através de armas biológicas. Graças à pandemia e ao regime de vacinação draconiana que está a começar a ser implementado, não há necessidade no mundo de uma "Revolução de outubro" como a Revolução Russa de 1917. A revolução comunista global está a ser conduzida sem disparar um tiro. O mais assustador é o facto de as mesmas pessoas que estão mais na vanguarda da campanha para vacinar toda a população mundial serem as mesmas pessoas que apoiam o extermínio de 90% da população humana. Em Objetivos para a Humanidade, publicado pelo Clube de Roma, afirma: "A população ideal ideal é, portanto, mais de 500 milhões, mas menos de mil milhões". Mikhail Gorbachev escreveu: "Precisamos de falar mais claramente sobre sexualidade, contraceção, aborto, valores que controlam a população, porque a crise ecológica, em suma, é a crise da população. Reduz a população em 90% e não há pessoas suficientes para fazer uma grande quantidade de danos ecológicos." Lord Christopher Monckton, apresentou a iniciativa da ONU sobre as alterações climáticas proposta na Conferência de Copenhaga, em dezembro de 2009, para limitar e controlar as emissões de carbono como uma fraude concebida pela hegemonia global de alta finança para assustar o mundo a aceitar uma "governação global", ou seja, o governo mundial. Esta agenda está agora a ser apresentada especificamente para ser brutalmente implementada globalmente por Bill Gates, Klaus Schwab e pelo Fórum Económico Mundial. Bill Gates está fortemente na vanguarda da promoção da redução da população. Este movimento diabólico que pretende submeter o mundo inteiro ao que eventualmente se tornará uma tirania brutal e uma escravatura abjeta sob uma ditadura totalmente totalitária é ativa e muito visivelmente promovido pelo Papa do neopaganismo, o idiota útil, Jorge "Francis" Bergoglio; mas Bergoglio não diz a ninguém que o seu propósito é subjugar totalmente a humanidade e, em última análise, exterminar a raça humana. Ela é provavelmente demasiado ignorante para perceber, mas este é o segredo sujo da maçonaria que eles pretendem manter-nos escondidos até que seja tarde demais para resistirmos ao seu plano diabólico. A promessa vazia do rendimento básico universal (UBI) não servirá para nada contra a fome, porque as pessoas famintas não podem comer dinheiro. Se já não houver produção alimentar suficiente, todo o dinheiro do mundo não será suficiente para compensar a fome das massas. Apesar disso, Bergoglio promove loucamente a proposta do WEF de um rendimento básico universal e a abolição da propriedade privada e a propriedade privada dos meios de produção. Se estas propostas forem implementadas, a raça humana será colocada sob o poder total e monopolista de um gangue genocida de psicopatas super-ricos, alguns dos quais antepassados imediatos financiaram tanto os comunistas soviéticos como os nazis de Hitler.

As alterações climáticas foram expostas como uma verdadeira fraude pseudo-científica, concebida pelo Clube de Roma para dar a impressão da existência de uma crise global que só poderia ser resolvida através de um "governo global".

O primeiro relatório da Revolução Global,publicado em 1991 pelo Clube de Roma, admite sinceramente que o alarme sobre as "alterações climáticas" ou o "aquecimento global" foi orquestrado para apoiar os globalistas e o seu programa genocida de redução da população mundial: "À procura de um novo inimigo que pudesse juntar-se a nós, pensávamos que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a seca, a fome, e assim por diante, teriam feito por nós... mas ao apontarmos todas estas coisas como nossos inimigos, caímos na armadilha de trocar sintomas por causas. Todos estes perigos são causados pela intervenção humana, e só através da mudança do comportamento da humanidade é que estes perigos podem ser resolvidos. O verdadeiro inimigo, portanto, é a própria humanidade." Aqui está, claramente afirmado: "O verdadeiro inimigo, portanto, é a própria humanidade". Contra este "inimigo" dos plutocratas super-ricos, há uma guerra implacável em curso - uma guerra total, em termos de Gramsci, que visa aniquilar este terrível "inimigo", isto é, a raça humana, de tal forma que a maioria dos seres humanos deixados no escuro nem sequer saberá que estão a ser levados como ovelhas ao abate. Agora que os vírus mortíferos são desencadeados na humanidade, a economia global está paralisada e isolada do "bloqueio" e do confinamento, e se isso não for suficiente, a humanidade está agora prestes a ser sobrecarregada com impostos esmagadores sobre o carbono que irão encerrar completamente a economia global e quase inteiramente a produção de alimentos, o que juntos causará sérias fomes em todo o mundo — tal como Nossa Senhora de Fátima previu. Serão também introduzidas armas biológicas que visam as culturas alimentares, o que intensificará ainda mais a próxima fome global. A maioria das pessoas nem sequer saberá remotamente que estes novos mega-nazis são eles próprios responsáveis pela situação catastrófica que criaram deliberadamente, a fim de construir uma nova ordem mundial a partir do caos. A grande maioria das pessoas, infelizmente, foram condicionadas pelos meios de comunicação social controlados e dominados pelos interesses da elite financeira, e, portanto, a sua resposta condicional a todos os argumentos - por muito bem documentados - é rejeitar todos estes discursos sobre uma Nova Ordem Mundial com apenas duas palavras: "Teoria da Conspiração" — isto é, teoria da conspiração. Este tipo de resposta psicologicamente condicionada é o resultado deliberadamente produzido de psyops e propaganda cuidadosamente planeadas e massivamente financiadas. No seu ensaio de 1947, A Engenharia do Consentimento,Edward Louis Bernays, o "Pai da Propaganda" e sobrinho de SigmundFreud,explicou: "Esta frase - Engenharia de Consenso - significa simplesmente o uso de uma abordagem de engenharia, isto é, uma ação baseada apenas no conhecimento aprofundado da situação e na aplicação de princípios científicos e práticos comprovados para a tarefa de persuadir as pessoas a apoiarem ideias e programas." Bernays explicou como a forma de convencer as pessoas a apoiar um plano de ação secreto é utilizando o que a educação moderna conseguiu transformando as mentes do homem comum num sistema simplificado de aprovação automática (carimbo de borracha em inglês, literalmente um "carimbo de borracha"); e manipulando o conteúdo de tal "carimbo de borracha" para convencer as pessoas a apoiar certas ideias e programas. "Mas em vez de uma mente", explicou Bernays, "a literacia universal produziu um "carimbo de borracha", um selo de validação preventivo e padronizado que cataloga factos e opiniões. E depois elabora: "O carimbo de borracha de cada homem é o gémeo de milhões de outros, para que quando estes milhões são expostos aos mesmos estímulos, todos obtenham pegadas idênticas."

O ex-oficial de inteligência da CIA e do Exército dos EUA, coronel Robert Hickson, descreveu este aspeto de propaganda da guerra total num discurso que proferiu na Conferência de Fátima, em Botucatu, Brasil, em agosto de 2007. Ele explicou exatamente o que é este tipo de guerra: guerra psicológica, "ou como lhe chamávamos na CIA, Perception Management. (gestão da perceção) » Este tipo de guerra psicológica é uma aplicação prática daquilo a que Sun Tzu chamou há mais de dois mil anos no seu livro, A Arte da Guerra:"a Arte Suprema da Guerra", cujo objetivo é "subjugar o inimigo sem lutar". Sim, de facto, tal sistema serve para derrotar e exterminar a população-alvo de modo a que nem sequer saibam que foram deliberadamente exterminados. Esta é a suprema arte da guerra - uma guerra total conduzida pela Maçonaria contra Deus e a humanidade.

O que acha dos governantes italianos? Não considera que, para além de serem incapazes, são verdadeiras marionetas nas mãos da elite e destas organizações internacionais? (Esta pergunta foi feita quando Conte era primeiro-ministro. Agora com Draghi a situação piorou. Uma vez que não é uma marioneta simples, mas uma que conta dentro da Maçonaria)

Quem me dera que fossem só os governantes italianos! Aqui na Irlanda é igualmente grave em muitos aspetos, mas pelo menos ainda não estamos reduzidos aqui na Irlanda ao estado caótico em que a Itália é reduzida pelos seus líderes traidores. Parece que o Governo italiano perdeu o interesse em proteger o bem comum do povo italiano. Cuidam dos seus próprios interesses egoístas e humildemente servem os seus mestres. As pessoas são deixadas nas suas próprias mãos, o melhor que podem por si próprias, sem que o Estado lide principalmente com o que é melhor no seu interesse. Os migrantes estrangeiros recebem uma casa, enquanto muitos italianos permanecem sem-abrigo e famintos, o que mais tenho a dizer? Algo assim também está a acontecer aqui, mas ainda nada de grande dimensão, próximo da enormidade com que isto está a acontecer em Itália. Quando descreveu os governantes como "verdadeiros fantoches nas mãos da elite e destas organizações internacionais", acertou o prego na cabeça. Os plutocratas super-ricos e as suas organizações internacionais são os líderes que dominam os supostos Estados soberanos, cujos governos foram reduzidos ao estatuto de líderes contratados. Até os altos funcionários do Estado são, por vezes, sinceros o suficiente para admitir que já não têm poder, mas simplesmente fazem o que lhes é dito por organizações internacionais controladas pelos plutocratas altos e poderosos em que se chama a atenção para isso, são denegridos de graça e rotulados como um teórico da conspiração louco. A regra 1 é que as ovelhas nunca devem saber que estão a ser abatidas. Somos todos tratados como animais de laboratório: a gaiola de rato é mantida coberta enquanto o cientista remove um rato para uma experiência em que o rato será morto numa guilhotina. O cientista acalma-os com palavras ditas num tom de voz reconfortante, enquanto retira o animal da gaiola e o coloca no dispositivo de corte, mas quando por acaso se esquece de cobrir a gaiola mesmo uma vez e todos os ratos testemunham uma execução falhada de um rato de laboratório, os ratos já não são tão facilmente pacificados; e morder a mão da próxima vez que o cientista se aproximar enquanto fala em voz baixa aos ratos num tom de voz reconfortante. É exatamente assim que somos tratados agora por todos os governos, académicos e mediáticos que humildemente executam as suas canções e danças orientadas para a propaganda designadas apenas para nos manter em paz enquanto sofremos uma eliminação sistemática. A maçonaria diz claramente qual é o objetivo desta grande farsa: Novus Ordo Seclorum.

Coronavirus, não acha que tenha sido usado para realizar planos diabólicos e maçónicos, como lançar as bases para uma nova ordem mundial, atingir o catolicismo, aceitar uma vacina falsa, militarizar o território, mas sobretudo atingir a economia e favorecer uma crise financeira?

Foi criado e usado instrumentalmente desta forma, para criar a Nova Ordem Mundial. Isto também é exatamente o que Hitler lhe chamou: Die Neue Weltordnung. Se alguém quer saber de onde o Hitler tirou a ideia, tirou-a aos maçons. Churchill apoiou muito a agenda social nazi e, à exceção do germanismo, foi basicamente a favor do mesmo tipo de programa que o proposto pelo Nacional Socialismo na Alemanha. Churchill era um druida, um praticante do paganismo, assim como os nazis, e também era maçon. De acordo com o United Grand Lodge of England, "Churchill foi iniciado em Studholme Lodge (agora United Studholme Alliance Lodge) #1591 em 24 de maio de 1901. Churchill completou o seu segundo grau quase dois meses após 19 de julho e foi nomeado Mestre Mason em 5 de março de 1902. A maçonaria é tipicamente pagã e pratica o que chama de Mistérios Antigos, isto é, o paganismo lúciferiano: eles veneram o diabo. A agenda maçónica visa demolir completamente a civilização cristã e restaurar Satanás, o Príncipe deste mundo, para a sua posição anterior de domínio sobre a raça humana de onde tinha sido expulso. (João 12:31) Portanto, o seu plano é que a ordem atual seja reduzida a um estado de colapso total, a fim de preparar o caminho para a ereção da nova ordem mundial, sobre a qual o Anticristo irá reinar. Na Nova Ordem Mundial haverá uma superclasse rica que viverá em opulência e a massa de escravos que viverão na escravatura abjeta, sem mais direitos do que as bestas brutas. A massa de escravos será constituída pelos restantes 10% ou menos que sobreviverão ao extermínio em massa de pelo menos 90% da população mundial atual.

O que acha do facto de Bill Gates ter dito que a normalidade só voltará quando quase toda a população mundial for vacinada? O que acha do facto de, em março de 2015, ter dito: "A próxima guerra que nos destruirá não será feita de armas, mas de bactérias. Gastamos uma fortuna com dissuasão nuclear, e tão pouco em prevenir uma pandemia, mas um vírus desconhecido pode matar milhões de pessoas nos próximos anos e causar uma perda financeira de 3.000 biliões em todo o mundo. Antes disso, falou em reduzir a população mundial. Com quem estamos a lidar? Com um demónio a fazer-se passar por benfeitor, filantropo, salvador?

Como disse na minha resposta anterior, isto é revelado no terceiro segredo de Fátima. O Cardeal Ratzinger disse em 1984 que o que está no terceiro segredo corresponde ao que é revelado em muitas outras aparições marianas. Nossa Senhora revelou à Beata Elena Aiello que os ditadores do mundo criariam armas assustadoras que exterminariam povos e nações, e que haveria epidemias terríveis. O terceiro segredo de Fátima une todas estas coisas, de modo a que, por muito que a OMS possa negar que estruturas como o Instituto Wuhan de Virologia produziram uma arma sob a forma de um vírus a ser lançado no ambiente para exterminar ou, direta ou indiretamente, uma grande parte da raça humana, está prevista em segredo. É precisamente o "ganho de função" que os vírus armados, que foram desenvolvidos no Instituto Wuhan, para que os vírus possam ser tornados mais virulentos e infetar os humanos mais facilmente. O fu Malachi Martin estava ciente do conteúdo do segredo e revelou que o Segredo fala de uma poderosa tecnologia que pode ser usada para o bem ou para o mal, e que seria usada para realizar males horríveis que os humanos comuns nunca poderiam imaginar — e também disse que o Segredo fala de epidemias horríveis que aniquilarão nações inteiras de um dia para o outro. Infelizmente, quando se trata destas coisas, as pessoas não suportam pensar que estas coisas podem realmente ser verdade, por isso empregam um mecanismo de defesa psicológica, que é negar e responder que és louco. As pessoas agora, na nossa idade, estão programadas para pensar assim. Lembro-me de uma noite, há cerca de 11 anos, quando falei sobre estas coisas enquanto jantava num bar irlandês, e um homem que me ouviu irritou-se e gritou comigo e correu para fora antes de poder responder, mas depois relacionei-me com os outros que estavam comigo, e houve quem soubesse da troca, que tinha sido relatada pela OMS, que tinha lançado o vírus H1N1 para o ambiente e outros que o ouviram na rádio. Tentei então pesquisar e encontrei o site do escritório da OMS em Copenhaga, e recuperei o próprio documento assinado pelo funcionário da OMS explicando que o vírus tinha sido efetivamente libertado para o ambiente. Por isso, não devemos ser enganados por aqueles que dizem que não pode ser, porque as pessoas não são tão más. Depois da solução final de Hitler, só um idiota pode pensar que não há pessoas tão más no mundo. Nossa Senhora falou com a Abençoada Elena Aiello sobre os ditadores do mundo, que descreveu como espécimes infernais, que criariam armas assustadoras que destruiriam povos e nações. O Padre Malachi disse que nunca usaríamos tecnologia para tais males, mas que há pessoas muito mais más do que nós que a usarão para cometer males horríveis. Bill Gates está a promover o plano de ação genocida para despovoar o mundo sob o pretexto do ambientalismo, e Jorge Bergoglio é também da mesma ideia, promovendo sob a capa do ambientalismo o culto pagão da natureza. É algo muito pior do que apenas uma antipatia herege. Quando perguntei a Malachi sobre o conteúdo do terceiro segredo, explicando que a minha pesquisa sobre ele me levou a acreditar que no terceiro segredo se revela que haverá um desagrado que será um herege, Malachi respondeu: "Se fosse só isso!" Na verdade, Bergoglio é algo muito pior. Como expliquei nos meus dois volumes de Enganar os escolhidos,Jorge Bergoglio é o ponta de lança da grande Apostasia prevista nas Escrituras.

Vacinas para qualquer coisa, aplicativos de controlo, pulseiras electrónicas, microchips. E depois censura, redes sociais sob controlo. Abuso da polícia. TSO para dissidentes. Novas teorias (por exemplo, género) que são ensinadas na escola para entrar nas mentes dos mais pequenos e reeducá-las. Não acha que se cria uma espécie de ditadura globalista com o objetivo de escravizar o povo?

É exatamente isso que foi planeado, e o que é mais alarmante é o facto de este programa de transformar o mundo num Auschwitz global estar a ser implementado em quase todos os países do mundo pelos líderes políticos dos nossos traidores.

Organização Mundial de Saúde. De quem são os seus interesses?

A Organização Mundial de Saúde é apenas um organismo das Nações Unidas, que, em última análise, trabalha para estabelecer a imumpiosa Nova Ordem Mundial e não para beneficiar a saúde dos povos do mundo.

Nova Ordem Mundial. Esta é a única religião mundial, o único governo mundial, a única moeda, o único banco mundial. Por pouco tempo Deus permitirá?

Sim. Está previsto nas escrituras. Sendo demoníaco na inspiração, o plano de ação maçónica para a sua Nova Ordem Mundial visa particularmente os cristãos e, acima de tudo, os católicos. Mons. Henri Delassus relatou no seu trabalho supracitado: "Um alto número disse que já em Viena, em 1859, falando com Don Pitra: "Uma vez que as nações católicas são ganhas por nações protestantes, então uma respiração será suficiente para fazer desaparecer o protestantismo", ou, como escreveu Michelet a Eugenio Sue: "O protestantismo é uma planta parasitária que vive do sumo do catolicismo. Quando terminarmos com a Igreja Católica, ele morrerá de si mesmo, ou, se necessário, terminaremos com um pontapé na nossa bota".

É claro que não se limitarão ao extermínio dos cristãos, mas, inevitavelmente, os judeus também serão massacrados. A razão para isso é que o Anticristo sabe que para derrotar Cristo e arrancar-lhe a realeza, seria necessário aniquilar tanto a Igreja Católica como a nação judaica. O reino israelita é a fundação do Reino de Deus, como é evidente no Antigo Testamento; e a totalidade do Antigo Testamento, fundada na promessa messiânica, consiste no seu significado messiânico da sua realização por Jesus Cristo.

No Antigo Testamento Israel é representado por imagens da videira e da oliveira. Em Jeremias 11: 16-17 Israel é chamado de "oliveira verde", e em romanos 11: 17-27 São Paulo dá-nos a imagem de ramos de oliveira silvestres inging na árvore; para significar que os gentios são incorporados no Reino de Israel. A Igreja não substitui Israel, porque o Novo Testamento de Jesus Cristo já significa e previu no Antigo Testamento como o cumprimento de promessas messiânicas em Cristo, o Rei dos Judeus. (João 19:19) As promessas divinas à nação israelita nas escrituras são incondicionais e, portanto, irrevogáveis. O reino que lhes foi retirado foi retirado dos israelitas infiéis como castigo por serem infiéis da Aliança, e finalmente por rejeitar Jesus Cristo, que foi referido ao longo do Antigo Testamento como o cumprimento de todas as profecias messiânicas. Por isso, está escrito no Evangelho (Mateus 21:42-44) "Jesus disse-lhes: "Nunca leu nas escrituras: 'A pedra que os construtores descartaram, o mesmo tornou-se a cabeça do canto. Esta é a ação do Senhor, e é maravilhoso aos nossos olhos? Portanto, digo-vos que o reino de Deus será tirado de vós e será dado a uma nação que produz os seus frutos. "O reino que lhes foi tirado como castigo divino por rejeitar Cristo não foi levado para sempre, mas será realmente restaurado à nação judaica (Atos 1:6), mas não antes do tempo em que finalmente se submeterão ao governo de Cristo, que no cumprimento das profecias messiânicas é o Rei dos Judeus: "E Pilatos perguntou-lhe: Você é o rei dos judeus? Mas ele, respondendo, disse: "Tu dizes isso." (Lucas 23: 3) Portanto, a restauração do reino israelita só pode ocorrer depois de os judeus se colocarem sob o domínio de Cristo, e então o tempo dos gentios será concluído, como Cristo explicou nas Suas próprias palavras: "E eles cairão sob o corte da espada, e os prisioneiros serão conduzidos a todas as nações: e Jerusalém será pisada pelos pagãos, até que os tempos dos pagãos sejam cumpridos." (Lucas 21:24) É por esta razão que ele, que é o Príncipe da Paz, disse: "Não penses que vim para enviar a paz à terra: não vim para enviar a paz, mas a espada." (Matt. 10:34) Não pode haver paz na terra até ao fim dos tempos dos gentios e da restauração do Reino de Israel, e isso só pode acontecer quando os judeus finalmente aceitarem Jesus Cristo como messias e forem recebidos na Igreja Católica. Esta vontade é o pré-requisito absoluto para o estabelecimento definitivo no mundo da paz universal do Reino de Deus que será realizado pela restauração do reino israelita. Esta restauração de Israel será realizada através da intercessão de Maria, e é misteriosamente indicada no Livro de Ester. Salvará a nação judaica da Solução Final Global que o Anticristo tentará contra eles e contra a Igreja Católica. Estes eventos são todos significados profeticamente nas profecias escatológicas das Escrituras. São João Eudes diz no Admirável Coração de Maria:"Todos os Santos Padres concordam que após a morte do anticristo o mundo inteiro será convertido". A consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria será o evento fulcral que levará à conversão da Rússia e ao resgate daquela nação da aniquilação; que, por sua vez, conduzirão à conversão do resto do mundo e ao resgate da raça humana da sua extinção planeada pelo Anticristo. As nações islâmicas e protestantes entrarão na Igreja e, com a conversão de Israel para a fé católica, o reino israelita será a fundação do reino universal de Cristo Rei na Terra, realizado através da intercessão e triunfo de Maria, o Mediador de Todas as Graças(Omnium Gratiarum Mediatrix).

O ecumenismo é a principal arma do adversário infernal para o estabelecimento definitivo do reino de Deus sob Cristo Rei. Baseia-se no princípio de que todas as religiões são meios válidos para unir as pessoas com Deus. Ao contrário deste princípio pagão, está o dogma católico que ensina que o povo de Deus é apenas aqueles que são incorporados por uma relação de pacto no reino de Deus através da fé e do batismo. Aqueles que se recusam a entrar nesta relação de pacto com Deus são excluídos do Reino. Não fazem parte do povo de Deus, mas são infiéis que não têm lugar no reino e que, como represálias, serão condenados ao inferno para sempre se não se converterem à verdadeira fé. Foi a sua relação com Deus, fundada na fé e na obediência, que distinguiu a nação israelita como consagrada a Deus, e assim separada das nações pagãs dos gentios. É através da pregação do Evangelho e da conversão dos infiéis à verdadeira fé e obediência de Cristo à lei de Deus que a raça humana é trazida para a relação do pacto com Deus. Aqueles que acreditam e são batizados serão salvos; e aqueles que não acreditam serão condenados para a eternidade. (Marca 16:16) Por isso, Cristo ordenou aos Apóstolos que fizessem discípulos de todas as nações e lhes ensinassem tudo o que tinha ordenado. (Matt. 28) A falsa religião de Bergoglio está em oposição direta a Cristo neste ponto. Bergoglio declara: "Não é permitido convencer a sua fé: o proselitismo é o veneno mais forte contra a jornada ecuménica." Mencionei no segundo volume do meu trabalho, intitulado O Caso Contra Bergoglio,os exemplos mais marcantes das próprias palavras de Bergoglio em que ele afirma que todas as religiões conduzem a Deus e que somos todos filhos de Deus. Desta forma, como documentei no meu livro, Bergoglio rejeita radicalmente a mais fundamental das verdades divinas reveladas sobre a natureza da religião como a base da relação entre Deus e o homem. Bergoglio é abertamente a favor de uma religião mundial inclusiva que abraça todas as crenças, e por isso promove o programa maçónico que visa substituir a Igreja Católica por uma "igreja" ecuménica e universal desprovida de dogmas. São Pio X alertou-nos contra isso, e o Papa Leão XIII tinha-o previsto na sua visão e previu-o em oração a São Miguel, que compôs seguir esta visão. São Pio X admoestou os fiéis em Notre Charge Apostolique (1904), onde falou do "grande movimento de apostasia que está a ser organizado em todos os países para a criação de uma Igreja Do Mundo Único que não terá dogma nem hierarquia, nem a disciplina para a mente nem para conter as paixões, e que sob o pretexto da liberdade e da dignidade humana, traria de volta ao mundo o reino da astúcia e da força legalizadas, e a opressão dos fracos e de todos aqueles que lutam e sofrem". Quando isso for alcançado, apenas um grande obstáculo permanecerá na Terra que se oporá à unidade ecuménica sem Deus da entidade que o próprio São Pio X descreveu na mesma carta como "uma Democracia que não será católica, nem protestante nem judaica" — esse grande obstáculo será a verdadeira e não reformada Igreja Católica que continuará a "agarrar-se à fé católica, intacta e não contaminada" (Athanasian Symbol). É essa religião católica tradicional e não reformada que Bergoglio se opõe e luta inexoravelmente. No final, sob o impulso do ecumenismo, a perseguição mais feroz, mais intensa e universal da Igreja que alguma vez teve lugar e nunca será desencadeada: a tentativa de exterminar a Fé e a Tradição Católica da face da terra — e esta campanha sangrenta para exterminar os católicos, representada na visão do Terceiro Segredo de Fátima, será conduzida em nome do Vaticano II e do ecumenismo! Assim, finalmente, compreendemos o que Pio XII se referia quando, pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial, disse: "A humanidade deve preparar-se para o sofrimento como nunca experimentou antes". Será então que a Crucificação de Cristo será renovada em sua Noiva e Corpo Místico com a consumação do Mistério da Iniquidade (2 Tessaloanesa 2:15), descrita pelo Papa Leão XIII nas palavras da sua oração a São Miguel, citada por António Socci na sua Profecia Final:

"Estes inimigos astutos encheram e embriagadas de imprudência e amargura a Igreja, a Noiva do Cordeiro imaculado, e colocaram mãos incompensadas nos seus bens mais sagrados. No próprio lugar sagrado, em que se estabeleceu a Sé do Beato Pedro e a cadeira da verdade para a luz do mundo, ergueram o trono da sua impiedade abominável, com o plano injusto para o qual quando o Pastor é atingido as ovelhas estão espalhadas. »

A islamização da Itália e da Europa. Já está perto. Não achas? Especialmente porque a nossa civilização há muito tempo perdeu a fé e abandonou Cristo. Isto deve-se também ao facto de terem encorajado a imigração ilegal descontrolada.

A migração descontrolada de maoístas para a Europa de um grande número de jovens em idade militar constitui um enorme risco para a segurança de toda a Europa. Os nossos líderes que permitiram que tudo isto é culpado de traição, e especialmente Jorge Bergoglio, que é o líder espiritual deste esforço para trazer todos estes potenciais jihadistas para os nossos países.

O Apocalipse. Se eu disser que as potências fortes criarão o caos, um clima de guerra civil e, em seguida, imporão um governo militar em Itália e em muitos países europeus para retirar mais partes da liberdade. se eu disser que isso estará nas mãos da Eurogendfor, a polícia europeia controlada pela Maçonaria. Se eu disser que mais tarde haverá um governo ISIS em Itália. que haverá terramotos, furacões, tsunamis, erupções vulcânicas, a Terceira Guerra Mundial que se tornará nuclear. e depois a fome, a peste. o meteorito que vai cair na Terra. finalmente a chegada do anticristo que de acordo com o que foi dito por Nossa Senhora em La Salette terá a sua base em Roma. as pessoas serão escravizadas com a marca da besta. Finalmente, três dias de escuridão, a segunda vinda de Jesus Cristo que virá para nos libertar como Rei dos Reis sentados nas nuvens do Céu e erguendo os escolhidos com Jerusalém Celestial.

Então, se eu disser tudo isto, sou uma conspiração, louco ou é apenas uma questão de ler os tempos em que vivemos? Também porque está tudo escrito nas Sagradas Escrituras e nas profecias deixadas a nós por santos e beatas. Tem a palavra.

Sim, todas estas coisas vão acontecer. São, como diz, todos os acontecimentos previstos nas escrituras e profecias dos Santos. Estes tempos malignos acabarão. Jesus Cristo destruirá pessoalmente o Anticristo. Cristo reinará com o seu reino universal de paz e voltará em glória para julgar os vivos e os mortos. Quem professa isto professa divinamente verdades reveladas; mas ao fazê-lo será rotulado como louco. Até um dos santos antigos falou dos nossos tempos atuais dizendo que a loucura será tão predominante em todo o lado, que sempre que alguém disser a verdade, ele será considerado por quase todos um louco.

Marcos da Besta referido no Livro do Apocalipse no Capítulo 13. Podemos confirmar que este é o famoso microchip RFID que já está operacional em alguns países e algumas pessoas já o implantaram sob a pele?

Simplificando, o microchip RFID é a tecnologia que será usada para a marca da besta. Será a última ferramenta para exercer o controlo total sobre cada indivíduo na Terra, e podemos ver que já foi planeada para este fim.

E as duas testemunhas descritas no Livro do Apocalipse? Como localizá-los? Vamos reconhecê-los? Agora achas que estão escondidos e Deus está a formá-los?

São Enoc e Elijah. As Escrituras relatam que Elijah foi trazido vivo numa carroça em chamas, e Enoch foi simplesmente levado por Deus. Ambos partiram vivos deste mundo e regressarão como as duas testemunhas que testemunharão a divindade e a realeza de Jesus Cristo e destruirão a credibilidade percebida do Anticristo. Quando voltarem, serão facilmente reconhecíveis. Eles serão mortos, mas serão ressuscitados por Deus, e esse será o momento em que haverá o confronto final entre Cristo e o Anticristo. O resultado desse confronto é previsível e está previsto em Duas Tessónicas, capítulo dois: "8 E então aquele mal que o Senhor Jesus matará com o espírito da sua boca será revelado; e destruirá com o esplendor da sua vinda.

E o "grande prelado"? Refiro-me ao guia espiritual que tomará as rédeas do mundo católico depois de Bento XVI. Que vai viver no subsolo. Um pouco como a atual Igreja Católica na China.

Muitos santos previram que haverá um grande e santo Papa que trabalhará em conjunto com um grande monarca católico para a restauração da Igreja e da ordem cristã em todo o mundo. Vou mencionar alguns aqui:

Santo Metódido († 385) escreveu: "Chegará o momento em que os inimigos de Cristo afirmarão que "Subjugamos a Terra e todos os seus habitantes, e os cristãos não podem escapar das nossas mãos." Então um imperador romano [o grande monarca] levantará a sua fúria contra eles... ele vai deitar-se contra os inimigos do Cristianismo e destruí-los. Então a paz e a tranquilidade reinarão sobre a terra, e os sacerdotes serão aliviados das suas preocupações." Numa outra profecia, revelada no seu comentário sobre o Apocalipse, o venerável Bartolomeu Holtzhauser († 1658) escreveu: "Quando tudo tiver sido arruinado por guerras, quando os católicos serão oprimidos pelos seus próprios irmãos traidores e hereges, quando a Igreja e os seus servos virem os seus direitos negados, as monarquias terão sido abolidas e os seus governantes mortos... então a mão do Todo-Poderoso vai experimentar uma mudança maravilhosa, algo aparentemente impossível de acordo com a compreensão humana. Haverá um poderoso monarca, escolhido pelo Senhor... eliminará as falsas doutrinas e destruirá o reino do Islão. O seu domínio estender-se-á de Leste a Oeste, e todas as nações adorarão o Senhor de acordo com os ensinamentos católicos... a paz reinará sobre toda a terra, pois o poder divino irá parar Satanás por muitos anos..." De acordo com São César de Arles (469-543) "Haverá uma grande carnificina... os altares e templos serão destruídos... os pastores da Igreja abandonarão os seus púlpitos e a própria Igreja será despojada de toda a temporalidade..." O "Grande Monarca, um homem muito virtuoso... o Papa na reforma de toda a terra. Muitos princípios e nações que vivem em erro e impiedade serão convertidos, e uma paz admirável reinará entre os homens por muitos anos... haverá uma lei comum, uma fé, um batismo, uma religião. Todas as nações reconhecerão a Santa Sé de Roma... "O Padre Lavinsky († 1708) afirmou que: " O mundo será abalado por guerras civis e destruição nunca antes vista na sua história. A Alemanha será dividida e terá muitos inimigos. A religião será dificultada e os monges serão exilados... A Cruz, para admiração de todos, brilhará duplamente em muitas terras, graças ao grande monarca." Também muito significativa é a profecia do Bispo George Michael Whittman (+1833):

"Infelizmente! Tristes são os dias que se aproximam para a Santa Igreja de Jesus Cristo. A Paixão de Jesus será renovada para a Igreja e seu Guia Supremo da forma mais dolorosa. Em todas as partes do mundo haverá guerras e revoluções e muito sangue será derramado. Tragédias, catástrofes e pobreza espalhar-se-ão por todo o lado, à medida que pragas, fomes e outros infortúnios se seguirão. Mãos violentas cairão sobre o Guia Supremo da Igreja Católica: bispos e sacerdotes serão perseguidos, um cisma terá lugar, e a confusão reinará entre todas as classes. Chegará um momento tão inaustico em que parecerá que os inimigos de Cristo e da Sua Santa Igreja, que Ele fundou no seu sangue, podem levar a melhor sobre ela... Seitas secretas causarão grandes ruínas, e exercerão um poder monetário incrível; por causa disto muitos serão cegos, e infetados com os piores erros: no entanto, tudo isto será completamente inútil... não serão capazes de quebrar a rocha sobre a qual Cristo fundou a Sua Igreja: Portae inferi non praevalebunt. »

O SUBMUNDO DE PORTAE NÃO PRAEVALEBUNT.

Obrigado e que Deus vos abençoe!

Entrevista de Samuel Colombo,empresário de origem italiana. Presidente da West Africa Corporation,uma empresa de media com sede em Londres. Editor do jornal online Revelação. Jornalista, jornalista. Blogger. Autor do livro " NeverSurrender!". Presidente e Fundador da Solidariedade,uma organização voluntária sediada na Serra Leoa, envolveu-se com projetos de apoio à vida. Artista emergente e músico por paixão, cantor e compositor

“Il Papa è Benedetto XVI, non l’eretico e pagano Bergoglio!” E sulla Massoneria: “Vogliono trasformare il mondo in un Auschwitz globale!” Parola del grande studioso di Fatima Padre Paul Kramer intervistato dal Direttore di Rivelazione Samuel Colombo - Rivelazione

Um pergunta? Um padre ordenado em estado de pecado grave tem Sacramento válido? Não! Então ele nem é padre, então não poderá ser: nem bispo, nem arcebispo, nem cardeal. nem papa... Para o bom entendedor, meia palavra basta!


Artigo Visto: 716

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.863.413
Visitas Únicas Hoje: 41
Usuários Online: 50