recadosdoaarao



Conversões
Voltar




15/12/2007
Mais um pastor


Conversões - Mais um pastor
15/12/2007 10:11:44

Conversões - Mais um pastor


MAIS UM PASTOR


(Na semana que passou, estive em debate com um crente da Assembélia, que de início parecia ser gente fina e querer entender para se converter, mas que aos poucos me decepcionou. Mesmo depois que eu lhe tivesse mostrado seus erros, até grosseiros, ele continuava insistindo. Então desisti de perder tempo com ele, e este depoimento abaixo vem a calhar para explicar tudo o que se passa como nossos amigos de outras denominações. A tradução e a cópia deste texto, é de nosso amigo Carlos, de Portugal. Obrigado a ele!)


Tradução do video do YouTube: http://br.youtube.com/watch?v=kHHph2a1v4c&feature=related


Olá amigos, obrigado por novamente nos receber em sua casa, o meu nome é Fernando Casanova, ensino Teologia na Faculdade de Teologia dos Padres Dominicanos na Universidade Central de Bayamón, e sou o fundador e diretor da Alianza Formativa, um ministério de evangelização e formação para a paróquia da arquidiocese de San Juan, Porto Rico.


Eu queria compartilhar com vocês, amigos católicos e amigos evangélicos, que tenho certeza que nos estão ouvindo e vendo neste momento. Eu queria compartilhar com vocês durante esta série, sobre a minha história de conversão. Gostaria de falar com vocês sobre as questões sobre as quais tive que debater, tive que me esclarecer, durante o meu processo de conversão. Como foi que isto sucedeu?


Tendo trabalhado toda a minha vida numa Igreja Pentecostal, conservadora, depois de ter entrado ao ministério profissional e depois de ter ensinado teologia, em um seminário daquela denominação. Por uma casualidade entrei em comunhão plena com a Santa Igreja Católica há somente 3 anos.


Como estávamos dizendo, este processo surgiu a partir de uma crise no exercício deste mesmo ministério, mas para entender melhor é necessário vê-lo à luz de uma promessa que fiz ao Senhor quando ainda era criança. Uma promessa em que eu me obrigava a ser fiel ao Senhor, a servi-Lo com todo o meu coração. E prometi ao Senhor que Lhe iria ser fiel, que iria seguir os seus ensinamentos, não importando as consequências que isso me pudesse trazer.


Sendo assim já estivemos a falar em primeiro lugar sobre o problema da divisão dos cristãos que havia em um determinado momento, e me dei conta que fazia parte de mais uma oferta religiosa em discórdia, em competição com outros ideais religiosos. Mas eu queria ensinar a Verdade, sobretudo, eu queria ter a certeza de não me equivocar, porque eu tinha a certeza, que no fim de contas eu teria de prestar contas ao Senhor do destino eterno das almas que Ele havia posto ao nosso cuidado, e também das almas dos que estudam teologia em nosso seminário.


Chegamos à conclusão que é necessário, que essa Igreja que Cristo fundou, seja a mesma. E também que essa Igreja que foi a mesma que Cristo fundou há 2000 anos até agora, tem de ser necessariamente uma Igreja visível, porque o Senhor o dispôs dessa forma, para que houvesse um critério concreto com o qual, os cristãos tivessem uma referência para nos encontrarmos com toda a verdade sobre Jesus Cristo.


Porque Jesus Cristo quer – diz a Bíblia – que todos os homens se convertam, se salvem, e cheguem ao conhecimento da Verdade. É necessário que se conserve a unidade do espírito. Efésios, Capitulo 4, começa com uma exortação, com uma ordem, porque o apóstolo dizia: “Sede solícitos em conservar a unidade do Espírito”, e então descreve como é essa unidade: Um só Senhor, um só Corpo, uma única Fé, um só Batismo, ora, para quê? Para quê? Então é necessário referir-nos a Efésios capítulo 4, versículo catorze; diz-nos no capítulo 4, versículo catorze, a razão para permanecer unidos, para que não caiamos, para que não sejamos réus das doutrinas dos charlatães, que nos conduzem ao erro.


Pensem meus amigos, nesta questão. O Senhor nos quer unidos e perseverantes em uma mesma Igreja, porque Ele já havia determinado em sua Bíblia, onde o apostolo disse em Efésios 4,14 , que se ao não permanecerem em essa unidade de espírito, que faz parte de um mesmo corpo, uma só fé, um só batismo. Ao não o fazer, é ser vítima dos charlatães, dos charlatães que conduzem ao erro. É por isso que é necessário estar em comunhão com a Igreja, que Cristo fundou. Para não haver duvidas, para não termos problemas, para que não haja fragmentação da fé.


E agora neste seguimento, gostaria de acrescentar também outro tema. O tema da relativização da fé. Quando não estamos em comunhão com a Igreja que Cristo fundou, corremos o risco de relativizar a fé. Isto significa, achar que tudo é bom, e não aceitar nada que seja concreto e decisivo.  Isto é uma contradição! Porque, pela fé em Jesus Cristo, muita gente deu a vida. Pela fé em Jesus Cristo, muita gente pagou um preço muito alto. Porquê? Porque a escolha por Jesus Cristo, deve ser uma escolha muito pessoal, e radical. Não há meio-termo.


O Senhor disse no Evangelho: “Aquele que não recolhe comigo, espalha”. “ Não vim trazer paz à Terra, senão a espada”. “Porque um membro da família estará contra, ou em discórdia com outro membro da família, por causa de Meu nome”. O ancião Simeão, profetizando à Virgem sobre o menino que acabara de ver, disse: “Este foi destinado por Deus, como pedra de tropeço”. Outras traduções dizem como: “Sinal de discórdia para muitos em Israel”.


Porque quando se opta por Jesus Cristo, se opta necessariamente por aquilo que foi estabelecido por Ele. E uma destas coisas maravilhosas que trouxe Jesus Cristo, para que eu creia, foi a Igreja, além dos Sacramentos, além da Sua Doutrina. Falemos da fragmentação, do relativismo, da relativização da fé. Isto é importante porque, foi o germe, o germe do sectarismo que causou muito dano, entre nós os Católicos.


Podemos dizer que o germe do sectarismo nos leva a sobressair alguns aspectos da fé sobre outros, a deturpar alguns aspectos da fé, preferindo outros. Dizemos que é o germe do sectarismo porque quando se está afastado da comunhão da Igreja Católica, da Igreja que Jesus Cristo fundou, não temos acesso a toda a informação, ao conteúdo todo, a toda a fonte da Verdade, porque estamos fora, não estamos em comunhão com Aquela que lhe foi dado o Espírito Santo, para relevar, descobrir toda a Verdade. Ao estar afastado da Igreja, desta forma podemos ser vítimas deste relativismo. E fragmentar a fé. Então nós os Católicos, cremos no total conteúdo da fé. Na revelação completa.


Neste sentido, estou certo, que irá surpreender a muitos amigos meus, Evangélicos, mas esta é a Verdade. Nesse sentido continuo sendo Evangélico, sou mais Evangélico que anteriormente. Porque? Porque agora como Católico, atingi a plenitude da fé, realizo-a totalmente. Porque não se trata de um texto aqui, e outro acolá. Uma passagem por aqui, outro além. Agora se trata de todo o Evangelho! Agora se trará de Cristo que é a Cabeça, e esta tem um Corpo que é a Igreja, e esse Cristo me deu Sua Mãe ao pé da Cruz, e esse Cristo me ama tanto, que se oferece como Pão e como Vinho em oblação, para que eu ao recebê-Lo possa ser como Ele.





E esse Cristo maravilhoso, me encarregou para que cuide de Seu Vigário na Terra, o Santo Padre, o Papa. Então em todo o Evangelho, o que Cristo ensinou, e estabeleceu como meios de graça para que eu fosse Santo, e salvasse, e daí surgiram os Sacramentos. Trata-se de receber todo o Evangelho e crer em todas as partes do Evangelho. Não apenas naquilo que gosto, ou na parte que prefira, ou no que mais me convém, e sim em todas as partes do Evangelho.



Arnaldo comenta: as partes em destaque são nossas, e colei todas abaixo.


Crise no exercício deste mesmo ministério > Normalmente, nestes processos de conversão de pastores evangélicos, acontece extamante esta crise de fé, que os leva a desconfiar de que estão no erro. Se uma pessoa realmente estiver ligada em Deus e totalmente voltada para acertar, então sim, o Espírito Santo pode se fazer presente, e iniciar o processo de conversão. Mas isso nãoa contece com os falsos pastores!


Divisão dos cristãos > Certamente este é um dos primeiros pontos que deveria acender a todos os que estão na divisão e distantes da Pedra de Pedro. Consta que Lutero e Calvino, já no início perceberam seu erro grave. Sentiram que Jesus havia fundado apenas uma Igreja, e em poucos anos já havia várias delas, cada uma ensinando com detalhes diferentes da original, para gostos e tendências diferentes. E hoje continuam se fracionando, como um cancro que dispara desordenadamente. E isso não vem de Deus, mas do diabo. Ele é quem divide e manda atacar a verdade!


Destino eterno das almas > Noto que os evangélicos minimizam seu Deus, na medida em que cada um se julga salvo, sem muito esforço, digamos sem Cruz. Acham que Jesus pagou todo o preço da sua salvação, e não importa como ajam em vida, serão salvos de qualquer modo. Interessante é que batem nos católicos, e no fundo acham mesmo que somente estes é que vão para o inferno, e que um crente ladrão – e tem muitos entre eles – vai pro céu sem se arrepender. Como se enganam!


Igreja visível e a mesma. Um só Senhor, um só Corpo, uma única Fé, um só Batismo > Eis o que pregam muitos infelizes: Jesus sim, Igreja não! Ora, a palavra de Jesus é bem clara: fundarei a minha Igreja! Ele fundou a Igreja Dele, e foi uma só, não a do Edir Macedo, nem a do John Wesley, nem a dos milhares de pastores – meros homens – que fundaram seus credos, todos recentemente. A divisão é pois, sinônimo perfeito de ERRO grave. A seitas são, assim, como a “erva de passarinho”, que suga a seiva da grande árvore da Igreja de Cristo, a Igreja Católica, pois só por meio dela é que se salvam.


Charlatães que conduzem ao erro > Não resta a menor dúvida de que a imensa maioria dos pastores, que fundam suas igrejas, suas franquias religiosas, e que mercantilizam a palavra de Deus – ai deles – são charlatães que visam não a salvação das almas, e sim dos dízimos e as ofertas. São Pedro falou bem claro: surgirão falsos pastores, que farão comércio de vós, usando de palavras cheias de astucia! E disse mais: para estes a perdição não tarda! Há, pois, muitos na mira do Altíssimo!


Pela fé em Jesus Cristo, muita gente pagou um preço muito alto > Isso tudo já tenho lembrado aos evangélicos. Realmentem, suas igrejas começaram apenas há alguns anos, enquanto a Igreja Católica, perpassa os milênios. E durantes estes milênios, milhões de mártires deram a vida em defesa dela. Deram a vida por Cristo! Ou seja: completaram na sua carne a obra começada por Jesus! Assim, se hoje estes infelizes teimosos, podem colocar suas Bíblias debaixo do braço e sair por aí de nariz empinado falando em seu “meio jesus”, devem-no aos mártires católicos. Isso nos leva a entender o motivo pelo qual os crentes não gostam de nossos santos – o diabo também não gosta – isso porque eles, os crentes, não tem nenhum! Eles entram no Céu pela porta da misericórdia, não da garantia – só quem vive a Eucaristia tem esta prerrogativa – porque na terra vivem exatamente a moleza da porta larga. Sua igreja é boa de viver, mas péssima de nela morrer. Lutero é quem disse isso!


Discórdia com outro membro da família, por causa de Meu nome > Tenho o exemplo da pessoa com a qual discuti esta semana: ele era católico! A sua familia continua, ele não! Mas eu lhe disse: você NUNCA foi católico de fato, porque se tivesse sido, não sairia. Na trocaria a verdade pela mentira! Quem conhece os tesouros infinitos da nossa Igreja, quem percebe que ela tem tudo aquilo que é bom, santo, justo e necessário para a salvação – coisa que os crentes em absoluto o têm – nunca troca por outro credo. Somente trastes na fé, molambos espirituais trocam a verdade plena, por migalhas e farrapos, que no fim se tornam uma mentira. Ou seja: nenhum crente, portestante, ou dito evangélico tem nada a nos ensinar em termos de doutrina da salvação. Somente a Igreja de Pedro tem tudo isso!


Jesus Cristo nos deixou, para que eu creia, a Igreja, além dos Sacramentos, além da Sua Doutrina > Sim, e a Tradição! E Pedro como a rocha base! Os protestantes não têm nada disso! Não têm um Igreja única, nem pastor único, nem unidade de rito, nem sacramentos, nem doutrina unificada. Ou seja: de saída descumprem a ordem de Jesus: sejam um só, como Eu e o Pai somos um só! Enquanto isso, na Igreja Católica, tudo isso está presente. O Catecismo é único! Pedro é um só e não milhões! O rito da Missa, a liturgia, diariamente se repete, com os mesmos textos bíblicos, no mundo inteiro. Mas nas seitas, cada um faz como quer! Cada pastor é diferente do outro e não existe unidade nem de pregação, nem de comando. Há milhares que somente usam a Bíblia na parte de dízimo, outros na parte do diabo, e NENHUM fala intregalmente em Jesus Cristo. Diz apenas o que lhe interessa e de preferência longe da cruz!


O germe do sectarismo nos leva a sobressair alguns aspectos da fé sobre outros > Este é outro ponto importante, o sectarismo, que leva a denominar as diferentes correntes como seitas e não religiões. Os crentes batem duro contra nossas imagens de culto, contra a mediação dos santos, contra o papel de Maria Santíssima, e fazem isso como discos velhos em vitrola furada. Já disse: se fôssemos de fato adoradores de imagens, Deus já nos teria fulminado há quase dois mil anos. Ele faria como no caso do bezerro de ouro no Sinai, ou Deus relaxou em Seu zelo? Acham mesmo que, se Ele fulminou aqueles em alguns dias, levaria milênios nos aturando? Sinal de que Ele não somente aprova o uso das imagens, como as mandou fazer, porque se referem ao culto a ELE, nosso Deus único, e não de outros deuses. Quanto a mediação que eles negam isso é algo que toca na imbecilidade, porque eles julgam que a salvação se dá individualmente, sem a Igreja, sem a ajuda de ninguém. Como se enganam, pois eles começam já precisando dos pais, depois dos pastores! Da comunhão de toda a Igreja! OU seja: fora do redil de Pedro, somente os lobos!


Não estamos em comunhão com Aquela que lhe foi dado o Espírito Santo, para relevar, descobrir toda a Verdade > Temos aí o papel fundamental da Igreja, a quem Jesus confiou a tarefa de ligar e desligar na terra, tudo aquilo que fosse necessário para a condução das almas para Deus. Assim, quando um pastor crente interpreta a Palavra de Deus ao seu modo, na verdade ele cospe em Jesus, porque desacredita da Igreja. E somente a Pedro foi dado este poder, e a nenhum outro. Não aos santos e  Nossa Senhora. De fato, eu sempre tenho afirmado, sem medo de errar: o Espírito Santo, nunca entrou nem entrará num templo protestante, enquanto eles estiverem na divisão, porque seria um espírito de contradição, de divisão e anátema. Se Ele entrar lá, é para tentar trazê-los de volta à unidade, fora disso nunca! Tudo o que eles disserem ou fizerem, serão apenas obras humanas, feitas por homens, sem Deus! Por isso erram tanto, e se dividem desta forma assutadora!


Então em todo o Evangelho, o que Cristo ensinou, e estabeleceu como meios de graça para que eu fosse Santo, e salvasse, e daí surgiram os Sacramentos > Sem os Sacramentos da Igreja Católica não existe salvação! Sem confissão, não se entra no Céu. Não existe confissão direta com Deus, porque Jesus nos deixou este sacramento, esta ordem: a aqueles a quem vós perdoardes os pecados, lhes serão perdoados, aos que os retiverdes, serão retidos! Ou seja: é mediante a confissão sacramental ao sacerdote católico, e somente desta forma, que se consegue o perdão dos pecados. E quanto aos crentes? Eles podem se salvar até, porque conseguem, pelas orações dos católicos, ter a imensa graça da contrição final. Assim que eles morrem, no mesmo instante percebem que erraram em vida, que estiveram numa barca furada, e caem de joelhos diante do Juiz. Afinal, na maioria não são pessoas ruins. Aí o Puragório os pega, e de lá somente saem pelas orações dos católicos. Porque a graça é dada apenas a aqueles que acreditam. Crer em Jesus, significa, acreditar em TUDO aquilo que Ele falou, e não em apenas algumas coisas que me interessam. Como os crentes também não acreditam em Purgatório, nem seq+uer o mereceriam, porque morreram sem a confissão. Como Deus é misericordioso, permite que pela mediação dos católicos eles se salvem. E isso explica, também, a questão de mediação!


FINALIZANDO: No céu, entram somente católicos! Duro isso? Mas é a mais pura verdade! De fato, milhões morrem como crentes, evangélicos, protestantes, judeus e até de outros credos longe de Jesus Cristo, entretanto, somente são acolhidos no Reino, depois de passarem pela purificação. Lá, longe de seus falsos pastores, e livres das mentiras e enganos ardilosos de satanás, eles aprendem a verdadeira Doutrina, rapidamente. Aprendem a aceitar na íntegra a Doutrina Católica e aprendem a respeitar Pedro! Aprendem a amar Maria na justa medida! Aprendem o que seja a mediação dos santos e santas! Aprendem que nossas imagens não são ídolos mas fontes de imensas graças que eles perderam! Aprendem sobre o valor dos sacramentos e dos sacramentais! Em síntese, aprendem tudo aquilo que de fato Jesus nos ensinou, e não apenas partes do que Ele disse.

E LAMENTAM profundamente, o fato de terem sido tão teimosos aqui na terra.

 


Artigo Visto: 3314

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.974.926
Visitas Únicas Hoje: 184
Usuários Online: 39