recadosdoaarao



Evangelho
Voltar




25/02/2011
Homilia dominical


Evangelho - Homilia dominical
25/2/2011 17:49:51

Evangelho - Homilia dominical


 7º Domingo do Tempo Comum
 “105º Domingo no Exílio”
 
Ano “A”
 
 
                                                                                              Lv 19, 1-2. 17-18
                                                                                              Sl 102
                                                                                              1 Cor 3, 16-23
                                                                                              Mc 5, 38-48
 
 
 
Domingo, 20 de Fevereiro de 2011.
 
Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo. Para Sempre seja louvado e nossa Mãe Maria Santíssima. Salve!
 
Meus amados! Celebramos o 7º Domingo do Tempo Comum, e mais uma vez somos convidados por Jesus, a subir a Montanha, para escutarmos a Boa Nova, a Boa Notícia, no Sermão das Bem-Aventuranças. Sabemos que toda subida custa, exige de nós esforço e perseverança, portanto os nossos corações são convidados a escuta da Palavra de Deus, que hoje nos convida a vivermos, com sinceridade, a Santidade original e a perfeição no amor. “Ouvistes que esse disse: olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, digo-vos que não resistais ao (que é) mau, mas, se alguém te ferir na tua faze direita, apresenta-lhe também a outra. Ouviste o que foi dito: Amarás o teu próximo, e aborrecerás o teu inimigo. Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam e caluniam” (Mt 5, 38. 43-44). A Lei o Talião, “olho por olho, dente por dente”, tinha a intenção de restringir a violência e a vingança desmedida, mas Jesus vem nos apresentar outro caminho... Sim, verdadeiramente Ele veio nos ensinar a cumprir, com fidelidade, o Mandamento do Amor. Visto que os Israelitas eram muito zelosos no comprimento da Lei, dos preceitos – que eram mais de 600 (seiscentos) – e do Decálogo, onde n’Ele encerra toda a beleza do Amor de Deus, por Suas criaturas. É um chamado a conversão, palavra dura, mas necessária, se queremos voltar para o Senhor, em nosso quotidiano, nos assemelhando sempre mais Àquele que nos criou a Sua imagem e semelhança. “Sede, pois, perfeitos, como também vosso Pai celesti
al é perfeito” (Mt 5, 48). A santidade é Atributo Divino, modelo para nossa luta, embora Jesus não exija de nós uma “perfeição humana”, pelo fato de pecarmos e estarmos vulneráveis ao pecado. No entanto, pela Sua graça, somos capazes de crescermos na santidade, imitando Aquele que é Santo, desde a Eternidade. Pois já no Antigo Testamento – no Livro de Moisés, o Pentateuco – o Senhor nos convida a viver a plenitude do Amor e da Santidade, ao falar ao povo de Israel, pela boca de Moisés. Como hoje Ele fala a cada um de nós e aos nossos corações... “O Senhor falou a Moisés, dizendo: Fala a todo o ajuntamento dos filhos de Israel, e lhes dirás: Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo. Amarás o teu amigo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor” (Lv 19, 1-2. 18b).
 
            Sim, amados, a santidade é um Dom de Deus, e a nossa vocação - a qual todos nós somos chamados a testemunhar - é a santidade de vida, não obstante a fraqueza que experimentamos, em nossos corações. Pois é o amor de Deus que nos ilumina e nos convida a imitá-Lo. Então vocês podem dizer: Ó, Padre, não é fácil viver a santidade, ser santo, perdoar, amar os inimigos; não é fácil rezar por aqueles que nos perseguem, pelos que falam mal de nós, nos caluniam, nos ofendem... E eu vos digo: Bom, meus filhos, eu nunca disse e nunca direi que será fácil abraçar a Cruz, pelo contrário, mas olhemos para Ela. E, uma vez que decidimos segui-Lo, devemos buscar forças, pois o Ele é a nossa luz! No Alto do Calvário Jesus olhou para os “Seus inimigos” e disse: “Pai perdoa-lhes, pois eles não sabem o que fazem”. Esse é o gesto de amor, que nos ensina a percorrer a estrada da santidade: renunciando as nossas vontades, acolhendo o perdão e perdoando, não carregando em nossos corações rancor, ódio, mágoas, ressentimentos, e tantos outros sentimentos ruins, dos nossos irmãos. Pois Deus ama a todos, justos e injustos, sim, ama a cada um de nós! E como diz a palavra, Ele é Pai de todos, “o qual faz nascer o Seu sol sobre bons e maus, e manda chuva sobre justos e injustos” (Mt 5, 45b). Esforcemos-nos para vivermos segundo a vontade do Altíssimo, atentos a Sua Santa Doutrina, cumprindo Sua Lei, Seus Mandamentos e Suas Santas Palavras... Pois ao nos aproximarmos dos Seus Sacramentos, estamos buscando a força e a graça que a nossa natureza precisa, para vencer a tentação e o pecado. Pois a natureza, por si mesma, não consegue responder, amorosamente, aos apelos divinos, uma vez que está contaminada pela concupiscência, que nos inclina ao pecado, e nos afasta da graça do Coração Misericordioso do nosso Deus! Por isso meus amados, somos convidados a nos unirmos ao Coração de Jesus, que pulsa por amor de nós, Seus filhos, pois Ele deseja que bebamos da Fonte da Vida. Somos chamados a nos abeirarmos do Santíssimo Sacramento, a Comermos a Carne de Jesus e Bebermos o Seu Sangue Preciossíssimo, pois neste Digníssimo Sacramento estão a Vida da Graça, a Vida Divina, que nos é oferecida, no Santo Sacrifício do Altar. “O Senhor é misericordioso e compassivo, lento para a ira e muito clemente” (Sl 102, 8).
 
São Paulo continuando sua exortação a Comunidade de Corinto, vem hoje nos comunicar a excelência da Sabedoria Divina, que excede todas as coisas, ao nos dizer: “Ninguém se engane a si mesmo; se alguém dentre vós se tem por sábio segundo este mundo, faça-se insensato pra ser sábio” (Mt 5, 18). É a sabedoria – não humana, mas divina – que nos faz compreender os Mistérios de Deus, e a Sua Santa Vontade, para os nossos corações. Pois nós, criados a imagem e semelhança do Altíssimo, somos Templo de Sua glória e morada do Espírito Santo. E quantas vezes profanamos a casa de Deus, não somente o Templo físico, que é a Casa do Senhor, não respeitando como lugar de oração, de silêncio e de encontro com o nosso Redentor. Mas, sobretudo, profanamos o Seu Templo Vivo que são os nossos corações, quando nos deixamos arrastar pelas impurezas, pelos vícios, pela maledicência, pela sensualidade e tantos outros pecados, qu
e afrontam a Deus e a Sua Divina Justiça. Estão ai os carnavais da vida, expondo os corpos à luxúria e a promiscuidade, inundando de impurezas o lugar sagrado, onde Deus quer fazer morada e permanecer. “Não sabeis que sois templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém violar o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque é santo o templo de Deus, que vós sois” (1 Cor 3, 16-17). Não nos iludamos, irmãos... Corramos para o Sacramento da Misericórdia de Deus, que nos abraça na Santa Confissão, pois Jesus não deseja entrar em um coração imundo, em pecado grave. E o pior é que tantas vezes se vê obrigado a visitar nossas almas, em estado de pecado, quando d’Ele nos aproximamos sem o sincero arrependimento, e sem a Confissão Sacramental. E assim cometemos um pecado muito maior... Amados, somos chamados a conversão quotidiana dos nossos corações, para Deus e para os irmãos, os quais somos chamados a amá-los, gratuitamente. “Pois se nós só amamos aqueles que podem nos retribuir com o mesmo bem, o que estamos fazendo de extraordinário? Todos os cobradores de impostos e os pagãos – que eram pecadores públicos – fazem a mesma coisa, diz Jesus” cf. Mt 5, 46ss. Que as pessoas vejam em nossos corações e em nossas ações o reflexo do amor de Deus!
 
Peçamos a Santíssima Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, que nos ensine os passos para alcançarmos a santidade e a perfeição Evangélica. Pois Ela é modelo de santidade e de perfeição, ao invocarmos Seu Santo Nome, com a Ave, cheia de graça... Ela vem em socorro dos nossos corações de filhos necessitados. Mas, infelizmente não temos tempo para rezar, e nos afastamos sempre mais da oração, do Santo Terço, do Santo Rosário em família. É não temos tempo para nos reunirmos no alpendre das nossas casas, como antigamente, e partilharmos nossas vidas, nossas lutas, alegrias e tristezas, e ouvirmos a Palavra de Deus, falarmos de Deus! Eu era pequeno, nem me lembro... Quando me ajoelhava para rezar e pedir o socorro a nossa Mãezinha do Céu. Hoje a TV, o computador, com a internet, as festividades e as diversões noturnas toma todo meu tempo, e eu não sei mais rezar! Mas não desanimemos meus filhos, pois Deus não desiste de nós. “É Ele quem perdoa todas as tuas culpas, e quem sara todas as tuas enfermidades. Como um Pai se compadece dos seus filhos, assim se compadece o Senhor dos que o temem” (Sl 102, 3.13). Sim, Ele vem até os nossos corações com a Sua Medicina curativa, que é o amor, para curar e santificar nossos corações e nossas almas, para o abraço Misericordioso aqui, e na Eternidade. Interceda por nós a Santa Mãe de Deus e nossa Mãe! Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo. Para Sempre seja louvado e nossa Mãe Maria Santíssima. Salve!
 
 
“O Senhor falou a Moisés, dizendo: Fala a todo o ajuntamento dos filhos de Israel, e lhes dirás: Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.”
 
(Lv 19, 1-2).
 
 
Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é Convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus. Santa Maria Mãe de Deus rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém!
 
Pela interseção da Bem-Aventurada e Sempre Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, do Seu Castíssimo Esposo, São José, e São Miguel Arc’Anjo nosso protetor...
 
Abençoe-vos, Deus, Todo Poderoso,
 
Pai, Filho † e Espírito Santo. Amém!
† Padre Tarciso Alves Maia Júnior


Artigo Visto: 1547

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.948.482
Visitas Únicas Hoje: 211
Usuários Online: 48