recadosdoaarao



Biblia
Voltar




31/10/2005
A ressurreição


Biblia - 07 A ressurreição
Biblias - 07 A ressurreição

A RESSURREIÇÃO!
(Escrito em 24/02/03)
 
    Já diversas pessoas nos pediram que falássemos, sobre como se dará a Ressurreição dos mortos. Na verdade, trata-se de um tema difícil, polêmico, mas é verdade de fé, da nossa Igreja Católica. Quando rezamos o Credo – onde estabelecemos os princípios básicos da nossa fé – citamos claramente: Creio na Ressurreição da carne! Entretanto, mesmo que os católicos citem esta verdade pilar da fé, acabam cheios de dúvidas de como isso se dará. E, claro, a imaginação tece mil idéias e mil projetos, mal sabendo que também a Ressurreição faz parte dos grandes mistérios de Deus. Mas, como está escrito: Se Cristo não ressuscitou, vã é a nossa pregação e também é vã a vossa fé (I Cor 15,14).
 
     Vejam, esta preocupação quanto à ressurreição dos mortos não é coisa recente, pois já os cristãos de Corinto se preocupavam com ela. Para mim, também leigo e desinformado, embora não teólogo, estes assuntos são, no entanto, fáceis de lidar. Jamais porque me ache mais que alguém, mas porque meu sentimento particular, em relação ao que é Mistério de Fé, é simplesmente deixa-lo fora da minha obsessão de pensar, de tal forma que o Espírito conduza ao assunto naturalmente. Sinto que não devemos ter tais preocupações de uma forma concentrada e obsessiva em nossa mente, pois quanto mais tentamos desvendar um mistério, mais nos enrolamos, como um caracol, ou seja, andamos em redor, dentro dele.
 
     Antes de começar propriamente, deixo claro que todas as coisas que aqui revelo, são apenas sentimentos próprios, sobre revelações particulares, e compete ao leitor discernir. O que vou aqui meditar, não se trata, pois, de posição oficial da Igreja, nem poderia ser! É para a Igreja que devemos olhar, pois ela é mãe e mestra, pois guiada pela luz do Divino Espírito Santo. Sim, olhemos para Luz! Com os mistérios de Deus, devemos também deixar primeiro que a Luz Divina penetre em nosso ser, pois somos partícula infinitesimal de pó, em meio ao infinito. Como poderemos penetrar no Insondável para compreender Aquele que é Tudo? Sim, devemos buscar o entendimento, pois isso é parte de nossa missão, e se for da Divina Vontade, Ele pode revelar o mistério, a quem Ele o quiser.
 
   Assim, também eu, talvez, não consiga ainda explicar-lhes bem o grande mistério da ressurreição. Entretanto, como a mim parece fácil de aceitar, o conviver com apenas aquilo que sei, talvez não consiga satisfazer ao leitor com minhas explicações. Mas vou tentar! Por isso vamos antes – como, aliás, se deve sempre – recorrer à Bíblia.  Eis que, apenas São Paulo, na primeira carta aos coríntios, 15, tenta explicar o que acontecerá. Entretanto, antes de ir a ele, já que explicamos a nossa miséria, já que falamos da necessidade da Luz de Deus – pois sem Ela nada somos – vamos falar agora sobre o Poder Dele, sem o que será difícil entendermos o mistério da Ressurreição dos Mortos!
 
    Para isso, devemos voltar à mesma oração do Credo, bem no início, onde está dito: Creio em Deus Pai, Todo Poderoso... Ora, aqui está a chave para o entendimento do resto! Se eu creio num Deus, dotado de todo Poder e Sabedoria, devo acreditar que para Ele nada é impossível. Dia destes, eu meditava sobre este: Nada é impossível, e minha mente buscava achar alguma coisa, que fosse realmente impossível para Deus. Claro, deixemos fora esta questão de ser “impossível Deus estar onde há pecado” entre outras e fiquemos apenas no campo físico e real, onde mais fácil vemos e entendemos.
 
    E para, usando algo real e físico, tentar explicar este poder absoluto de Deus que é Espírito, então imaginei, o nosso corpo. Nós somos formados de moléculas, de células e de átomos, assim como toda a matéria que existe no universo, certo? Isso quer dizer que, o átomo que está em mim, em meu corpo, não pode estar ao mesmo t
empo no corpo do leitor distante nem próximo. Ou seja, quando ambos morremos, nosso corpo será levado à terra! A parte sólida misturada ao pó, e a água – que é também molécula e átomo – acabará por se infiltrar no solo, penetrar fundo na terra e depois ir aparecer pura lá adiante, ou pode, tanto mergulhar para sempre na terra, como voar em pó pelo infinito.
 
    Ora, ninguém sabe exatamente de quantos átomos somos formados, nem o leitor nem eu. Mas Deus sabe! E não só sabe quantos, como também sabe, quais são os átomos de que sou feito. E sabe, também, quantos e quais, tinha cada ser humano que existe, e que já morreu. E sabe desde o último homem morto, que já “voltou ao pó”, quanto sabe do primeiro, Adão, que viveu na terra há tantos mil anos. O que eu quero explicar, é que, o poder de Deus é tão assombroso, que se, a um dado momento Ele quiser fazer ressuscitar Adão, trazendo-o de volta ao mundo visível, poderá faze-lo com a maior facilidade.
 
      E não só poderá fazer isso, como, se quiser, o fará novamente, com os mesmos átomos de que Adão era formado no momento da morte – exatamente os mesmos sem perder um só – indo busca-los um a um onde estiverem, na terra ou no universo. Seja no fundo do oceano, pois a Palavra diz: o mar devolverá os seus corpos!(Ap) Seja no topo de uma montanha, pois a Palavra diz: Ainda que faças teu ninho como as águias no topo das montanhas, ainda assim te encontrarei!(Jr) E assim, se faz com Adão, poderá faze-lo com qualquer um e com todos os seres humanos que já existiram na terra até hoje e que existirão no futuro. Claro, para completar, Ele também poderá usar quaisquer outros átomos para nos reconstruir novamente, de matéria igual, pois o efeito será o mesmo.
 
    Ai você poderá dizer isso é impossível? Não meu caro, para Deus NADA é impossível. Eu poderia dar ainda algumas outras indicações deste poder divino. Que tal concentrar toda a massa da terra, até o tamanho de uma bola de futebol? Que tal concentrar o universo inteiro até faze-lo caber dentro da terra? Que tal multiplicar todos os astros do universo, fazendo um milhão de sistemas, exatamente iguais, funcionando na mesma perfeição, com todas as galáxias, constelações e sistemas planetários? Você acha pouco? Então multiplique tudo isso por bilhões, trilhões de vezes, não importa o número que você exigir, Deus sempre estará além e será maior. Você nunca chegará ao limite de Deus.
 
    Se você achou isso impossível, que tal imaginar o seguinte. Sabe-se que um cometa, ou asteróide em rota de colisão com a terra, viaja a uma velocidade superior a cem mil quilômetros por hora. Imagine, então, um asteróide destes, de um tamanho tal que, caso venha a colidir com a terra, provoque um estrago tal que acabará com toda a vida que nela existe. Imaginou este astro vindo? Pois agora imagine o Senhor nosso Deus, postado exatamente no ponto X do impacto. Eis que Ele levanta o seu dedo indicador para o ar e faz parar no ar o astro em fúria, que vem pousar mansamente na ponta do seu dedo, onde fica a girar como se fora uma bola de futebol. Sim, Deus é capaz de fazer isso e ainda o fará, no dia do Grande Milagre. E os incrédulos verão isso. Este dia está próximo.
 
     Claro que estamos falando de números que ultrapassam nosso entender miserável. Mas vejam, quão miseráveis são aqueles que são capazes de negar que, o Deus que faz tudo isso, seja incapaz de fazer uma Mulher conceber sem ter relação física com um homem e ainda continuar sendo Virgem após o parto? Qual dos dois processos é mais difícil: Controlar bilhões de universos – fala-se que existem mais de 200 bilhões de galáxias – todos ao mesmo tempo, molécula a molécula, átomo a átomo, ou fazer a Virgem Maria conceber o seu Filho Divino? Ora quem nega isso, será também incapaz de entender a ressurreição dos mortos. Não deve nem rezar o credo!
 
    Compreendamos uma coisa! O poder de Deus se manifesta em todo o universo, tanto em cada ser inanimado, como em cada ser vivo, na completa integralidade. Nos seres inanimados, nas rocha
s, por exemplo, é o Poder de Deus, a força de coesão que mantém cada pedra, cada mineral, cada célula, cada molécula deste mineral e cada átomo que a forma. De modo igual num ser vivo, um homem, por exemplo! E desta forma, a consciência de Deus não está somente, inteira, completa em nosso ser inteiro – como um todo – mas está em cada membro e em cada órgão de nosso corpo. E assim como está em cada órgão, está também em cada célula, cada molécula, e em cada átomo que forma o nosso ser. Tudo Ele sabe, tudo Ele controla! Tudo Ele determina! Nenhuma partícula do universo fica fora de Seu Poder e controle integral, absoluto, consciente, cioso, perfeito e Eterno. Atenção: Eu não estou dizendo que estas coisas SÃO DEUS, nem que fazem parte DELE, mas sim, que elas estão sob o PODER e o domínio perfeito e eterno de Deus.
 
   Ou seja, este poder é presença permanente, em cada átomo, em cada molécula, em cada célula, em cada órgão, em cada membro, de todos os seres humanos que existem, de modos que Ele sabe exatamente o que acontece em cada uma das microscópicas células que nos formam o ser, até naquelas partes mais ínfimas que ainda desconhecemos. Isso quer dizer que Ele é completo em cada um, até nas mais íntimas entranhas, e é completo em todos e em tudo até o mais íntimo, até o mais globalizado dos conjuntos em toda a sua extensão. E da mesma forma que Ele sabe a história de cada ser vivo, sabe a história de cada átomo que forma seu corpo. Para completar, depois da decomposição do corpo, Ele sabe perfeitamente para onde vai cada átomo e o acompanha para onde quer que vá, tal que, se Ele quiser, pode fazer com que nenhum destes átomos vá entrar em outro corpo. Se Deus transforma pedras em filhos de Adão, como não ressuscitará um morto?
 
     Na verdade, se o leitor entendeu meu raciocínio, e concorda que para Deus ser Todo Poderoso, Ele deve ser – e é – capaz de tais façanhas, deve concordar também que Ele pode fazer reviver, a todos os que já morreram, todos ao mesmo tempo – ao toque da última trombeta – sem deixar ninguém de fora. Por outro lado, se não concordou com este poder, nem adianta seguir que não entenderá jamais a ressurreição. O Poder de Deus – Todo Poderoso – só não é entendido pelos orgulhosos.  A Luz de Deus não alumia no orgulho – este é campo do facho do inferno – apenas alumia no campo oposto da humildade, onde a Luz se deixa achar.  De fato, todo orgulhoso, ao não aceitar as “dimensões” infinitas de Deus, em todos os Seus atributos de Bem e Bondade, fa-LO-á cada vez mais pequeno, como a si próprio e limitado como qualquer um. Já os olhos do humilde, que olham o mundo pela ótica da própria miséria, ao penetrarem no Mistério de Deus, acharão sempre normal qualquer dimensão Dele, por absurda que pareça.  
 
     Assim, por exemplo, de acordo com os escritos de Ana Catarina Emmerich, nos quais acredito piamente, durante a paixão, a flagelação, e a morte de nosso Senhor Jesus Cristo, cada gota de sangue, cada gota de suor, cada lágrima, cada pedacinho de pele arrancada na flagelação, a água que saiu do lado aberto pela lança, cada mínima escama, cada cabelo e fio de barba, que tenha sido arrancado do corpo puríssimo Dele, foi juntado em adoração pelos anjos, ponto a ponto e guardado no Céu. Depois, no momento da Ressurreição, cada pedacinho daqueles, cada átomo, foi unido ao Corpo Santo de Jesus, na mesma posição e na forma igual a que se achava antes da Paixão Dolorosa. Ou seja, o Jesus que Ressuscitou, era 100% igual ao Jesus que começou a Paixão no Getsêmani. Não só na aparência que Ele tinha, mas na exata estrutura de todas as Suas moléculas.
 
    Vejam, somente isso, já seria o suficiente para entendermos o mistério da Ressurreição. E todos os que duvidam deste poder de Deus, certamente que não devem rezar o Credo. E certamente que nem se deve discutir com eles, pois é pura perda de tempo, pois estão no campo do orgulho, onde apenas satanás se esconde. Entretanto, isso ainda não explica tudo. São Paulo diz assim: Eis que vos revelo um mistério! Nem todos morrerem
os, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta
! Ora, a ressurreição de toda a carne se dará no exato momento da 2ª Vinda Gloriosa de Jesus e do grande julgamento! Isso embora não seja entendimento unânime ainda na Igreja, certamente que já o é, para aqueles que sabem da iminência deste fato. Os que ainda duvidam disso, são aqueles que duvidam até da própria existência. A estes, só Deus cura!
 
     Voltando atrás nos tempos, recuando até o Gênesis, vemos que Adão e Eva foram criados de forma especial, sem pecado, nem original, com corpos espiritualizados e assim deveriam permanecer por toda as sua vida, que poderia durar milhares de anos. Eles gozavam de assombrosos atributos, que já explicamos em outros textos, pois pela graça e o poder de Deus eram criaturas de excepcional beleza. Adão, antes do pecado, tinha um corpo de homem, na idade de 33 anos e assim permaneceu enquanto durou o paraíso. Foi só após o pecado, que a decrepitude tomou conta dos corpos de nossos primeiros pais e deles se perpetuou até nossos dias este castigo. Entretanto a garantia de que ressuscitaremos um dia, vem do próprio Jesus, quando diz em João 6,40: esta é a vontade de Meu Pai: que todo aquele que vê o Filho e Nele crê, tenha a vida eterna; e Eu o ressuscitarei no último dia! Eis por que São Paulo diz: Por um homem (Adão) veio a morte, por um homem (Jesus) veio a ressurreição. Assim como em Adão todos morrem, assim em Cristo todos reviverão!
 
    A agora se pode perguntar: Em que estado estarão todos os homens naquele “último dia”? Ora, naquele momento haverá pessoas em quatro situações diferentes: 1 – Os Santos do Céu! 2 – Os perdidos no inferno! 3 – As almas do purgatório! 4 – O vivos, sobreviventes da Grande Tribulação final.
 
    Ora, os santos, agora no céu, os perdidos no inferno e as almas que padecem no purgatório, lá estão agora, sem seus corpos físicos – que ficaram aguardando aqui na terra a ressurreição – e são, pois só espíritos. Os santos gozam das delícias do paraíso, mas não ainda completamente – na plenitude individual – pois estão sem seus corpos.
 
   Os perdidos no inferno, também não sofrem ainda, na medida completa de todos os efeitos, pois eles não têm agora, seus corpos físicos, que estão sepultados. Mas eles aguardam também que se complete o tempo e chegará o dia em que receberão de volta seu velho corpo decrépito, agora ressuscitado, para formarem um só, corpo e alma e para sempre. Também acontece assim, com as almas benditas do purgatório, que lá estão sem os seus corpos. Para estes três estágios – todos os que já houverem morrido até aquele dia, tendo cada um deles seu destino eterno já traçado – faltará terem seus corpos completos, conforme a promessa de Deus, para obterem a plenitude individual – que significa estar pleno, completo em si – precisarão ter seus corpos, coisa que só acontecerá naquele momento assombroso da história do homem, mistério dos mistérios.
 
    Restam os vivos, que naquele momento extraordinário, estarão ainda com seus corpos como estavam em vida. Os velhos serão velhos, as crianças serão crianças, os jovens serão jovens assim como agora, bebês serão bebês e fetos serão fetos esperando nascer, pois certamente haverá grávidas entre os remidos. Entretanto, de um momento para outro, tudo se mudará como disse São Paulo pois todos seremos transformados. Vejamos:
 
1 – Os Santos do céu, receberão seus corpos perfeitos, glorificados, perfeitos, que serão transformados em glória e com ele permanecerão imutáveis por toda a eternidade. Eles permanecerão com a mesma aparência que tinham em vida, a mesma fisionomia, com a mesma individualidade que tinham ao morrerem, apenas os corpos não serão mais decrépitos uma vez que deles já foi extraído antes o pecado. É, pois, o pecado, quem deforma o homem! Terão, assim, corpo e alma, na medida da perfeição, graça e do grau de alegria eterna que conquistaram em vida. Esta a maravilhosa justiça de Deus!
Entretanto, por estarem completos – corpo e alma – sua alegria será dali por diante ainda maior e assim para todo o sempre. Eis que diz a Escritura para eles: Vinde benditos de Meu Pai, e possuí o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo! (Mt 25,34).
 
2 – Os condenados do inferno, também receberão seus corpos antigos, mas não serão transformados para o bem, mas para o mal que escolheram. E sim, assumirão a decrepitude hedionda que tinham na hora da morte, elevada ao grau extremo, de acordo com o seu pecado. Por haverem sido em vida, apenas pecado e blasfêmia, ao invés de mudarem para melhor, sua carne maldita assumirá a forma da maldição que ambicionaram em vida, tornado-se execranda, exatamente com a face do pecado que os levou à perda eterna. Ou seja, eles virarão monstros horrendos, e a partir dali, de corpo e alma, sofrerão por toda eternidade e seu castigo será o remorso. Pois, ao inverso do que acontecerá com os justos, o sofrimento deles aumentará: Depois do Juízo Final, completos, os condenados não mais poderão sentir ódio apenas remorso eterno! Durante a eternidade inteira eles lamentarão terem se deixado iluminar pela lamparina do orgulho satânico, fugindo da Luz de Deus, que lhes indicava o caminho da salvação. Para eles, os cabritos, diz a Escritura: Afastai-vos de Mim, malditos! Ide para o fogo eterno!(Mt 25,41)
 
3 – As benditas almas, que estiverem no purgatório naquele momento, haverão de receber seus corpos antigos, assim como eram em vida ao falecer, exatamente iguais, velhos, novos, jovens, e com eles passarão o resto do tempo de sua purificação, até o momento da completa ruptura com seu eu, quando receberão seus corpos glorificados, assim como os santos. Nós, da equipe Salvai Almas, que dia e noite pensamos apenas nas almas do purgatório, esperamos que no momento da ressurreição, todos os padecentes possam ser libertados, pois – conforme revelação ao Cláudio – o purgatório será fechado para entrada de almas, uma vez que não haverá pecados na Nova Terra. Sabemos que hoje existem almas condenadas a ficarem lá até no fim do mundo, ou seja, até que Deus resolva acabar com a terra, entretanto, a misericórdia poderá tira-las de lá quando Lhe aprouver. Para elas a escritura diz: De lá não sairão, até haverem pagado até o último centavo!
 
4 – Os que estiverem vivos naquele momento, serão divididos em duas categorias. Estas duas nós citamos, e fazem parte das revelações de Jesus e Maria ao Cláudio, notadamente quanto ao fato de pagar as penas aqui, com a extinção do purgatório.  
 
4-a – Todos os que tiverem já expiado suas faltas, que com seus sofrimentos e orações já tiverem pagado, as penas devidas por seus pecados, que fossem naquele instante dignas de ir ao céu, receberão seus corpos de carne espiritualizada, livre do pecado, quando seus corpos se transformarão sobremaneira. Os que forem velhos, retornarão à fisionomia que tinham em torno dos vinte ou trinta anos e assim permanecerão até que cumpram sua missão aqui na terra, pois a vida dos homens, será como a das árvores. A infância será aos 100 anos e morrer antes disso, somente se houvesse maldição (Is 65).
 
4-b – Os que ainda tiverem penas a pagar – como estará encerrado o purgatório – irão ficar na terra ainda, mas com seus corpos antigos, assim como estão naquele momento, sofrendo a decrepitude do tempo, o envelhecimento, as dores, os sofrimentos, como se estivessem na antiga terra, até que saldem suas penas totalmente. Ou seja, seu purgatório será aqui na terra e aqui pagarão, tantos dias quanto pagariam no purgatório, se houvessem morrido na tribulação. Penso, entretanto, que seu tempo de purificação será muito curto, porque eles o aceitarão de bom grado, e também porque Deus anseia dar a todos sua plena integridade. Assim, só quando tiverem saldado as penas totalmente, eles receberão seus corpos espiritualizados e remoçados.
 
    Assim, temos bem colocada, uma a uma as diferentes situações. O que deve ficar claro ao leitor, é que haverá uma
transformação geral da humanidade, pois Deus juntará, átomo por átomo, cada ser humano que já morreu e o fará unir-se à sua alma, que o aguarda no local de sua estadia anterior: Céu, inferno ou purgatório! E cada um estará presente no grande Julgamento Final da humanidade. E estarão também ali, todos os que ainda estiverem vivos, que irão ao encontro do Senhor nos ares, para que recebam como prêmio a Nova Terra a eles destinada.  Sim, se nós recebemos de Deus a promessa de voltar ao paraíso, é preciso que haja uma transformação geral de corpos e mentes, para podermos viver na presença de Deus, assim como Adão e Eva viviam, pois Ele jamais habitará com o pecado. A Escritura diz: Estará no meio deles e os servirá?
 
    Ou seja, cada homem que viveu na terra, naquele momento, irá ser julgado e para sempre segundo seus atos. Os que já estiverem mortos – Céu ou inferno – na verdade já estarão julgados e nada mudará em seu destino eterno. Quanto aos vivos, acreditamos que nenhum dos que escapou da grande tribulação se perderá mais, pois é hoje plenamente aceito, que todos os últimos maus da terra, serão levados para o inferno – até em corpo físico – não restando nenhum vivo naquele momento histórico. Isso quer dizer, que não haverá ninguém para ser mandado vivo ao inferno, pois os cabritos já estarão todos mortos e condenados. Eles apenas ressuscitarão como os outros, para que recebam também seus corpos, com os quais irão para o lugar onde já estavam.
 
    Disso deduzimos que o Julgamento que acontecerá por ocasião da 2ª Vinda Gloriosa de Jesus, será o julgamento definitivo da humanidade. E será por uma questão de simples lógica, ou seja, se os mortos que voltarem à vida, já terão seu destino eterno traçado, uma vez que não haverá mais pecado na Nova Terra, será desnecessário um novo julgamento para os sobreviventes da Tribulação e seus descendentes.  Sim, porque todos os que nascerem na nova condição, estarão livres do pecado, pois uma vez eliminada a raça dos maus e rebeldes, e uma vez esmagado o rebelde infernal, que não mais poderá tentar os homens e corrompe-los, os homens tenderão naturalmente para Deus. Salvo pequeníssimas falhas, imediatamente lavadas pelo arrependimento, serão de imediato perdoadas por Deus, não restando nenhum saldo de pena a pagar, no futuro. 
 
   O que confunde um pouco, é o texto de Jesus, que está em Mateus 22,29-30: Errais não compreendendo as Escrituras, nem o Poder de Deus. Na ressurreição, os homens não terão mulheres, nem as mulheres maridos; mas serão como os anjos de Deus no céu. Ora isso se aplica certamente a todos os mortos. Na verdade, não haverá diferença de sexo na eternidade, entretanto cremos firmemente que os vínculos de conhecimento familiar e fraterna irão permanecer também lá, onde os pais reconhecerão os filhos e também os esposos se reconhecerão entre si entre si. Afinal, no casamento realizado válido, Deus considera o casal uma só pessoa, eis que Ele próprio disse: E serão uma só carne! Ou seja, eles manterão a individualidade e também terão um vínculo muito profundo de ligação para todo o sempre, embora sem diferença de sexo. A prova de que na eternidade há este tipo de sentimento, nos é dada em inúmeras mensagens ao Cláudio, onde se nota a luta que os santos do Céu travam, para arrumar as graças que salvarão aos seus parentes. Eles as podem colher entre os outros e transferi-las a quem o quiserem.
 
    Aí nos perguntariam: E quanto aos que se perdem? Ora, o que temos aprendido é que as almas dos que se perdem, deixam de existir para Deus. Ou seja, caindo no esquecimento de Deus, fatalmente também nós perderemos o vínculo de sentimento com elas. Isso quer dizer que a Mãe que chega ao céu sem um filho, jamais saberá que o teve, pois se Deus o esqueceu, como ela o haverá de lembrar? Assim também acontecerá irmão com irmão e amigo com amigo. Quem se perdeu desaparece da memória de Deus e na nossa passa a ser como se nunca tivesse existido. Sei que há mães que se preocupam com isso e imaginam que sofrerão no céu
, por não terem junto de si algum filho. Ora, elas devem lutar é por eles agora, porque certamente terá mais alegria no céu a mãe que chegou lá com toda a sua prole que aquela que perdeu um ou mais. Alias, a mãe, o pai, que deixa perder um filho por culpa própria, têm também muita dificuldade em se salvar.
 
    Outra preocupação, e, portanto, pergunta, de muitas pessoas, é como se dará a procriação na Nova Terra. A resposta nos parece simples: será como era com Adão e Eva, antes de pecarem. Será um ato normal, apenas puro e dentro do projeto de Deus, sem pecado e culpa original, pois as pessoas terão corpos sadios e perfeitos, uma vez que sumirá todo tipo de deformidade e doença física. Os partos serão sem dor, e as crianças nascerão limpas e perfeitas assim como foi nos partos onde nasceram Maria e Jesus.
 
    E se todos nascerão perfeitos, isso, aliás, nos faz lembrar de todos os deficientes de hoje. Para eles dizemos que tanto na ressurreição dos mortos, quanto na transformação da carne dos vivos, eles não receberão corpos deficientes, mas sim perfeitos como deveriam ter, caso não houvesse pecado no mundo. Ou seja, todas estas mil deformidades e anomalias que existem hoje nas criaturas, não existirão mais, pois todo pecado será tirado da terra, e junto com ele sumirão também todos os males. Como os corpos serão, então espiritualizados, as relações íntimas dos vivos, que resultarem em filhos não mais trarão como ônus o pecado original, pois gerados por santos.
     
    Resta falar da morte! Ora, São Paulo noz diz que, depois de todos os corpos haverem se revestido da incorruptibilidade, então se cumprirá a palavra da Escritura que diz: A morte foi tragada pela vitória! Também Jesus declara que o último inimigo que Ele vencerá será a morte. Isso quer dizer que a morte foi um dos castigos que recebemos pela rebeldia de nossos primeiros pais. Ou seja, Deus não nos criou destinados a morrer, e sim para cumprir nosso número de dias na terra em felicidade plena, para depois irmos para junto Dele gozar da Paz Eterna. E assim voltará a ser na Nova Terra. Não haverá mais morte!
 
    Ou seja, desaparecerá o sentido de morte, de dor, de pranto e de perda e de separação definitiva como hoje. Isso acontece, porque as pessoas desconhecem para onde a alma do falecido irá! Mas então, quando os vivos souberem que as pessoas irão para um lugar ainda melhor, não haverá mais esta angustia, pois cada ser humano que cumprir o número de seus dias na terra, a um dado momento, passará para a realidade plena de Deus, sem ser lamentado pelos que ficam, quem sabe seja até festejado, pois no Céu sempre será melhor.
 
    Na verdade, em grande parte hoje os vivos choram por seus mortos, por interiormente não saberem qual o destino eterno deles. Se soubessem, com certeza absoluta, que eles já estão no Céu, pelo menos não chorariam tanto. E também, muitos se descabelam tanto, é porque não fizeram, em vida, todo o que podiam por aquela pessoa, ou porque não os trataram bem e os amaram tanto quanto deveriam. Esta a realidade.
 
    Assim, pensamos ter respondido a maioria das perguntas que o leitor poderia fazer. E para ser justos, dizemos que todas estas instruções aqui passadas, que completam o texto bíblico de São Paulo e as indicações de Jesus, foram sendo passadas por Nossa Senhora e São Miguel ao Cláudio, em centenas de mensagens, de modo que você não irá encontrar esta mesma explicação em outra parte. Sabemos que o tema é polêmico, entretanto, ele é plausível e tem lógica. E embora nem esperemos que a Igreja vá aprova-lo antes do Aviso, para nós ele se trata de uma grande certeza, pois aqui vivemos e respiramos os novíssimos.
 
     Mas podem crer, para nossa alegria, os padres que nos acompanham já entenderam este modo de ver a ressurreição, especialmente quanto purgatório, e isso nos basta por hora. O resto o tempo o dirá! E você é livre, leitor, para crer ou não. E é livre para se preparar ou não para este que será o maior momento da história da humanidade.
 
Graças,
porém, sejam dadas a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo!

(I Cor 15,57).
 
A Ele, todo o Poder e toda a Glória, agora e para todo o sempre!
 
Aarão
 
 
               



Artigo Visto: 2062

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.948.095
Visitas Únicas Hoje: 142
Usuários Online: 47