recadosdoaarao



Apocalipse
Voltar




14/07/2005
Catástrofe Global


Apocalipse - 04 Catástrofe Global
Apocalipse - 04 Catástrofe Global

2041224 CATÁSTROFE GLOBAL
 
     Minutos atrás eu me preparava para descansar após o almoço – salutar costume para o qual todos deveriam tirar tempo – mas acabei por ficar preso diante da televisão, vendo um programa do Discovery Channel, voltado para o chamado “aquecimento global”, que abria com uma hipotética situação a acontecer no anão 2050. Então este repórter futuro ia abrindo quadro a quadro as catástrofes atuais no mundo, e ante cada quadro, junto com especialistas em cada área do clima, iam sendo explicados os motivos pelo qual a terra está entrando neste frenesi alucinado de desastres climáticos.
 
     Atenção, este artigo não é ALARMISTA: é este o verdadeiro parecer da ciência! Os dados que aqui apresento, não são meras suposições ou mero fruto de minha mente, mas sim a tentativa de colocar e traduzir para os leitores, em letras e números, aqueles quadros que nos foram apresentados no programa. Tudo eu fui anotando rapidamente, para agora passar aos amigos – falo de nossos bons e atentos leitores – para que estes possam levar adiante estes dados às suas famílias, aos seus parentes, tentando, pelo menos tentando abrir-lhes os olhos para o que vem depois destas coisas todas.
 
     Em primeiro lugar, o chute do ano: 2050, para estes acontecimentos é talvez um desastre maior que todas as catástrofes que vi. Todos os cientistas que desfilaram suas preocupações na tela foram unânimes em afirmar que tudo está acontecendo, que está indo rápido demais, que a humanidade não tem mais condições de frear os abismos que se escancaram, exatamente porque não existe vontade política: tem sido impossível botar em uma sala todos os presidentes dos países da terra, e socar na cabeça deles que devem parar de imediato a emissão de Dióxido de Carbono – fumaça de queimadas e fábricas e gases de escapamentos – porque senão o caos se instalará.
 
     Ora, segundo estes dados, para realmente frear o processo de destruição da terra, seria preciso frear de imediato a emissão deste elemento químico, a razão de 70%. Mas vejam, o protocolo de Kioto, prevê a diminuição em apenas 5%, e isso tudo ainda é nada, considerado que os Estados Unidos não assinaram nem este protocolo, sendo que eles são responsáveis diretos por 2/3 destes gases destrutivos depositados na atmosfera. Eles e seu presidente não querem nem ouvir falar em parar o gigante americano, porque julgam que o desastre econômico provocado por isso, seria pior que a catástrofe futura – que eles sabem que virá. Mas se dizem que virá só em 2050, então pensam assim: já não estaremos mais vivos, nem George W. Bush será o presidente. Então vamos à forra!
 
     Amigos, este é o grande mal da humanidade atual: isso não é comigo! A catástrofe X – furacões, enchentes, terremotos, deslizamentos, avalanches, temporais, derretimento dos pólos e das geleiras, secas terríveis, incêndios, explosão em minas – isso falando apenas em catástrofes naturais, ainda não bateram em minha porta, não atingiram a minha família, ou não acontecem em meu Brasil, então isso nada tem a ver conosco. Ora, este sentimento é além de tudo maldito, porque provém de corações insensíveis, uma vez que estas coisas nos deveriam fazer chorar de angustia e preocupação, vendo a dor das populações que foram atingidas, mas ao contrário quase ninguém se importa.
 
     Nas mensagens de Jesus para Elena Leonardi, a certa altura foi lembrada uma catástrofe acontecida recentemente. Então, insensível como nós todos costumamos ficar, também ela não sentiu nada, além daquele natural “nada a ver comigo”. Então Jesus a fez sentir a dor de uma mãe que perdeu a família, e foi onde ela percebeu, o quanto já nos vacinamos contra estas coisas. E tudo passou a ser normal! Incrível, mesmo que algo de mais grave nos aconteça, ainda assim, as pessoas se reciclam, choram por algum tempo, outros blasfemam até
não mais poder gritar, de sorte que desastre vem, desastre vai, e pranto vem e vai, mas ninguém se liga na grande verdade: Deus está deixando pouco a pouco de reter as rédeas do clima, permitindo que o desvario humano, causado pela loucura do lucro, tenha curso.. nas mãos de satã. E não será em 2.050, mas bem antes.
 
    Segundo aquela reportagem, foi a partir de 1996 que se começou a tomar consciência de que a terra estava aquecendo além da conta, até porque foi a partir dali que as coisas começaram a se regionalizar – falo em desabar catástrofes súbitas e arrasadoras sobre pequenas áreas – e foi citado o exemplo do Peru, o país da terra que mais tem sofrido com estas catástrofes, com enchentes pavorosas e súbitas, que levaram a milhares de mortes e à destruição de inúmeras cidades. Tudo isso, porque o Peru é o país que é mais atingido pelo fenômeno climático chamado “El Ninõ” – porque se acirra sempre na época do Natal – entretanto os efeitos deste fenômeno estão se verificando terríveis no mundo inteiro.
 
     Na verdade, todo este fenômeno é causado pelo homem e tem a ver com o aquecimento das águas do Oceano Pacífico. Os cientistas atribuem este aquecimento aos efeitos do aquecimento global da terra, mas tem pontos que são feridas e eles não tocam. No livro Mateus, nós colocamos que os franceses, com a explosão de dezenas de bombas atômicas nos atóis do oceano Pacífico acabaram por rachar o fundo do mar num rombo de mais de 1.300 quilômetros de extensão. E este rachão monumental formou um enorme caldeirão escaldante, pois as lavas do interior da terra vertem continuamente para dentro do mar. Como justo por sobre este caldeirão corre uma poderosa corrente marítima que circula até o Pólo Sul, ela acaba aquecendo a água do mar, derretendo o gelo e desequilibrando todo o clima da terra. Escamoteia a verdade, quem não leva isso em conta!
 
     Dizem os cientistas, que a temperatura global subiu nas últimas décadas em meio grau. Mas este simples meio grau global tem sido o responsável pelo derretimento das geleiras da Europa, da África e do Himalaia – em todos os continentes, portanto, também sendo responsável pela seca na Austrália e na China, com a queimada de milhões de hectares de terra, em todos os continentes. Em verdade, hoje estão sendo afetados apenas um em cada três seres humanos por algum destes distúrbios climáticos, mas que nos irá acontecer quando a temperatura se elevar aos seis graus previstos pelos cientistas? Então, nenhuma pessoa da face da terra ficará sem sentir os efeitos da fúria. E será tão devastador o efeito, que o aquecimento provocará enfim a queima de toda a terra, e devido a fumaça, teríamos em menos de 10 anos a terra mergulhada num novo período glacial. Ou seja: atingirá a todos os homens indistintamente e matará a todos sem exceção!
 
     Vamos agora ao ponto chave: não vi nenhum cientista destes prever o acirramento das coisas. Eles são laicos e ateus, e não levam em conta o Todo Poderoso. Julgam a terra como um organismo vivo, que se recicla e se adapta por si só, independendo da Lei de Deus. E justo por isso, alguns deles chegam a afirmar que isso terá cura pela mão do próprio homem. Falam isso, os empresários de satanás, que não querem “alarmar” as gentes, porque a ninguém deles interessa o pânico das pessoas, porque pânico produz a exacerbação da turba, que leva a quebra das regras sociais, que leva a assaltos, crimes, mortes, que leva a guerras civis e dali a uma guerra mundial, e neste caos ninguém pode esperar lucro, o ídolo torpe e diabólico que move a todos estes celerados.
 
     Então, o efeito que devemos esperar, não é para uma crise daqui a 50 anos, mas uma crise antes de se completarem cinco anos. A coisa é imediata! Trata-se de um motor que não tem mais freio. A natureza está desgovernada e é como um diapasão, um vibrador: quando mais próximos da ponta chegarmos, mais fortes serão os abalos. Na verdade, estamos bem próximos da ponta do cajado do Pai Eterno que se agita mais e mais: livremente o homem quis se desprend
er das Mãos Dele, e rapidamente escorrega para o final do bastão. Lá na ponta, no final, será o caos completo na terra.
 
     Em alguns casos, vejo é cara de pau nos cientistas. Eles falam em nível do mar subir um centímetro em um século, mas não explicam porque as cidades costeiras estão sendo invadidas pelo mar. Acaso a terra está afundando? Não – por hora – mas virá logo. E isso ficou demonstrado em diversas cidades, como por exemplo: na Itália, na embocadura do Rio Pó, onde o mar já tomou extensas áreas de construção. Também em Londres, onde se obrigaram a construir diques poderosos para deter o avanço do mar, que se não tivessem sido feitos, já Londres estaria tomada pelo mar nas marés altas. Também na famosa Veneza, agora mesmo eles estão construindo um dique monumental, com imensos blocos de concreto, a um custo astronômico, que visa preservar aquele “patrimônio”, porque há alguns anos atrás, raras vezes as praças da cidade eram invadidas pelas águas, mas agora ficam ali quase o tempo inteiro. Como se explica isso com um centímetro?
 
     Da mesma forma, os diques monumentais que foram construídos na Holanda, para a proteção do porto de Rotherdam, todos eles têm efeito limitado: servem por hora – para o tal meio centímetro – mas de nada adiantarão para um metro ou mais de subida do nível dos mares. E verdade é que todas as cidades costeiras da terra estão em perigo, e isso se pode ver nas embocaduras dos rios Amarelo na China e também no delta do Ganges. Só um retardado mental pode continuar falando em um centímetro. O que está em curso, assim é um rápido processo de aquecimento das águas dos mares, pois qualquer aluno de escola sabe que o aquecimento infla as moléculas de água de uma chaleira até faze-la transbordar. E qual será o efeito catastrófico se todos os oceanos inflarem de repente?
 
    Mas o efeito do aquecimento dos oceanos tem outros aspectos singulares. Um deles se refere aos recifes de corais, que especialmente em algumas partes do mundo são como que verdadeiros diques a proteger as costas de certos países. Ou seja, se desaparecerem os corais, imediatamente estes países podem ser invadidos pelas águas do mar. Este fato pode ser comprovado nas Ilhas Bahamas, na América central. A subida de um grau e meio da temperatura do Atlântico naquela região, a mesma que provocou aquela série de furacões que varreram as Ilhas e a costa americana, também matou 90% dos corais que protegiam as praias e o porto principal. Resultado, a água dos mares entrou terra adentro até por doze quilômetros, coisa jamais vista. A coisa foi tão violenta que uma parte da barricada de milhares de blocos de concreto, de 15 toneladas cada um, que servia de molhe ao porto, foi arrastada pelas ondas violentas a 400 metros de distância.
 
     E da mesma forma, estão morrendo os corais da costa Australiana, o que causará a aquele país um desastre sem precedentes. Também o Brasil tem barreiras de corais, tal como outras regiões da terra. Ou seja, um simples organismo vivo, até maravilhoso em suas construções, formas e cores, que encanta os fotógrafos e mergulhadores, que serve de proteção e área de reprodução aos pequenos peixes, é também programado por Deus para servir de arrimo para vastas extensões de terra costeira. Mas se matam esta vida, destroem a dinâmica dos mares, e conseqüentemente põem em risco a vida na terra.
 
     Assim, seguindo neste passo, tudo aquilo de pior que temos visto hoje, será terrível amanhã. Os cientistas avisam que logo – falo em muito cedo – nenhuma população da terra estará livre de sofrer os efeitos devastadores do clima. De fato, hoje as coisas são localizadas e dou um exemplo daqui de minha localidade: nesta terça feira de manhã, chegou em meu escritório um jovem agricultor, tremendamente assustado. Ele falou que em sua localidade, naquela manhã, havia despencado uma tormenta nunca vista. Parecia que as nuvens haviam se derramado, inteiras na terra, tanto que, devido as torrentes de água que escorriam pelas vidraças, não era possível ver mais que um ou dois metros for
a na rua. Tudo felizmente durou apenas uns 15 minutos, entretanto, ao redor dali, num raio de um ou dois quilômetros, tudo estava seco e normal. Como se explica isso?
 
     Por coisas assim é que aconteceram os desastres desta semana, notadamente nas cidades de Petrópolis e São José do Rio Preto. O que temos afirmado, é que toda a chuva que antigamente se derramava, parelha, em toda uma imensa região, agora despenca solitária sobre apenas uma pobre localidade, provocando ali o caos completo e ruína. Ora, os homens deveriam entender isso como avisos de Deus. Ele destruiu Sodoma e Gomorra como exemplo para muitas cidades que cometiam os mesmos crimes. Agora, Ele permite que apenas uma cidade seja atingida, para compreensão de muitos. Mas que acontecerá quando todos os continentes, todos os países, todas as cidades e todas as pessoas forem atingidos por catástrofes simultâneas? Ninguém pode prever!
 
     O que discordo dos cientistas, o que eles não completam em suas explicações, é que o processo de destruição está sendo mil vezes mais rápido do que eles têm coragem de dizer. De fato, estão em jogo tantos fatores, estão postas diante deles tantas aleatórias, que é impossível calcular a sucessão dos efeitos. É como um jogo de dominó: tudo parte de uma primeira peça! Quando ela cai, as outras se lhe seguem, e tudo vai de roldão incontrolável! E tudo é previsível, porque se o problema maior é causado pela emissão do Dióxido de Carbono, que aquece o ar, que aumenta a energia da atmosfera, verdade é que ninguém está disposto a dar o primeiro passo: as industrias continuam de chaminés esgarçados, os fazendeiros continuam queimando as florestas, os donos de automóveis não param de circular, as estradas asfaltadas que refletem calor aumentam, também o gado que é como milhões de biodigestores, nada para de crescer. Então o caos é iminente!
 
     E vejam que tudo é progressivo. O aquecimento de cada metro de terra, por um grau de temperatura, gera energia suficiente para acender uma lâmpada destas de Natal, por um período de 140 anos; imaginem assim o efeito prolongado deste processo! Ou seja: não existem fórmulas de parar o processo por via humana. Além disso, é preciso saber que o aquecimento da terra, se implica nos vulcões, se reflete nos terremotos, isso faz com que até exploda o diapasão do inferno. Ontem, por exemplo, deu um gravíssimo tremor de terra de 8,1 ao sul da Austrália, no fundo do oceano Índico, sem danos materiais. Ora, os cientistas calculam que um terremoto destes, representa a mesma energia despendida por 10 mil bombas atômicas destas de hoje. E vejam, a escala que mede os terremotos vai apenas até grau nove, o que significa: estamos chegando ao fim!
 
     Falamos em terremotos e logo as pessoas dizem: sempre teve! Ótimo! Nos primeiros 1.800 anos depois de Jesus houve 21 grandes terremotos! Hoje, eles chegam a 14 por dia! O Japão treme – muito ou pouco – a cada cinco minutos. As Ilhas do Pacífico estão sendo abaladas á razão de 10 mil tremores de terra por ano. E sempre teve! Ora, pois! Vejam: cada terremoto destes – embora, por hora, a maioria esteja acontecendo no fundo dos oceanos como aviso – na verdade provoca um pequeno abalo em toda a terra. E isso mexe com a estrutura das placas tectônicas, das rochas sobre as quais se assentam os continentes. Ou seja: faz aumentar as fissuras, os canais interiores da terra, por onde a água penetra e amolece e lubrifica, e por onde poderão vir a surgir inumeráveis novos vulcões. Sim, até mesmo no Brasil isso poderá acontecer, porque nada fica descartado neste frenesi em que as coisas vão. Então, com certeza, o grau nove da escala de medida dos terremotos será ultrapassado com sobras, podem acreditar. Sim, quando o Astro vier, apenas completará o estrago!
 
     Da mesma forma os furacões. Os cientistas dizem que eles são formados devido ao superaquecimento da superfície do mar. Ou seja, é o calor da água do mar que os alimenta, tanto que eles nunca avançam muito, costa adentro dos continentes afetando mais as cidades litorâneas. Ora, mil
hares destes vulcões estão já surgindo dentro do mar, e o homem da ciência não está se dando conta disto. E cada jorro de magma que explode para fora da crosta e adentra o mar, acaba por aquecer a água em volta. Noutro dia, pudemos assistir, no mar do Japão, o surgimento de uma nova ilha, pelo magma fervente que brotava de um vulcão do fundo do oceano. E a soma deles, e a profusão deles aos milhares, poderá elevar a temperatura dos oceanos a aqueles seis graus que a ciência espera para daqui a 50 anos, em apenas alguns anos ou até meses. Que será da terra então? Também o grau cinco, o máximo em furacões explodirá!
 
     Tudo irá em cascata. São Pedro nos lembra que esta terra de hoje está reservada para o fogo do dia do Juízo. Ora, o aquecimento Global é ação do fogo, do calor! E o calor atiça as águas, que serão o primeiro elemento a se revoltar, isso está em curso! Com isso o ar aquece também, e vem a maior evaporação, e atrás deles virão cada vez maiores chuvas e cada vez mais violentas tempestades. E em outros lugares virá a seca e a desertificação acelerada, com o fim das culturas, com a fome que lhe segue no rastilho. Como o êxodo dos povos, primeiro dentro dos países, depois fora deles. Com isso vêm as guerras civis explodindo em praticamente todas as nações da terra, daí a uma guerra global um passo.
 
     Tudo começa de coisas pequenas. Um agricultor me lembrava ontem, que notou nos últimos anos um fenômeno estranho: sempre eram vistos muitos ninhos de pássaros dentro de sua lavoura! Mas de uma hora para outra desapareceram todos! Quando os acha, ou os ovos não descascaram, ou os filhotes estão mortos no ninho, pensa ele que de frio, porque onde se viu um verão onde no Natal estejamos aqui no sul vestindo casaco de lá? Se tapando com cobertas de frio? Onde em São Joaquim a sensação térmica de ontem foi de dois graus negativos? Parece singelo o exemplo dos ninhos, mas isso é gravíssimo! É o mesmo caso da morte dos recifes de corais. Sinal de que a vida animal e vegetal também estão morrendo, e não adianta os tais de ecologistas tentarem tapar o sol com a peneira: milhares de espécies desaparecerão de uma hora para outra! Tudo isso é esforço inútil! Lutem para preservar a vida humana, que pende por um fio. Lutem para frear o desvario humano do lucro, ali está a fonte de todos os males!
 
     Vejam, toda a natureza é sensível a qualquer tipo de grande variação. O que acontece numa região, pode explodir na outra. Cada ave em sua rota migracional, cada animal dentro de seu habitat, cada povo dentro de sua região milenar, tudo isso depende de uma cadeia contínua, que age em simbiose com o Criador. Enquanto o homem – a criatura chave, porque inteligente – se mantém unido a Ele, nunca promoverá largos estragos e quebras deste ciclo portentoso. Entretanto, quanto mais esta criatura se afasta de Deus, mais e Dele se desvencilha, mas aprofundam-se os rasgos neste ciclo, fazendo com que o diapasão do infinito vibre cada vez mais em sinal de alerta.
 
     Ora, a iminente falência da natureza em transe – furacões, terremotos, enchentes, secas, quebra das colheitas, fome, sede – tudo isso imediatamente refletirá no aspecto financeiro mundial. As explosões climáticas acabarão por inviabilizar qualquer uma das atividades econômicas do homem, tanto a agricultura, quando o comércio, a extração e a pesca, que se interagem da mesma forma como os elementos da natureza, e também com o Criador: Não é o homem quem detém as rédeas da economia mundial, mas Deus! E se Ele resolver afrouxar seus comandos, imediatamente toda a cadeia produtiva explode e se desmantela. E todo o planeta entrará em convulsão social.
 
     De fato, se as catástrofes que hoje são apenas locais e regionais, passarem a atingir países inteiros, continentes inteiros, o mundo inteiro, imediatamente a economia de toda a terra entrará em colapso. E não precisa mais que algumas semanas para explodir, e é isso que vai acontecer! As companhias seguradoras falirão em cascata! Falindo estas, as empresas também entrarão em col
apso. Falindo as empresas pela explosão sistemática e em cascata de todas as Bolsas de Valores do mundo inteiro, no roldão irão os Bancos e as financeiras. E todos aqueles que conseguirem ainda vender suas ações, e tiverem em suas mãos moeda, mesmo o dólar, a libra e o euro – as tais moedas “fortes” – também este perderá o valor numa inflação assombrosa, que poderá ultrapassar a mil por cento ao dia.
 
     Então as pessoas que se julgavam bem terão nas mãos papel sem valor. E mesmo que tenham coisas de valor, subitamente desaparecerá a comida, a água os medicamentos, e assim não terão o que comprar. Então chegará dia previsto pelo profeta Ezequiel 7: sua prata, seu ouro, será lançado nas ruas; pisarão por cima deles. E virá então o momento da besta, do anticristo. É deste caos generalizado que ele precisa para aparecer ao mundo! É dele que o maligno se aproveitará para apresentar seu governo único mundial, uma férrea ditadura cruel, um regime de terror e assombro, um reino de trevas e escuridão, porque então, como diz o profeta: por todo lado só se verão trevas e escuridão! Tudo isso, como se vê, tem origem no homem que resolveu se afastar de Deus.
 
     E agora mesmo um leitor me telefonou para desejar Feliz Natal e falamos sobre a Anistia. Então ele me disse que escolheu entre seus nove de difícil conversão, três de seus professores universitários, que são ateus convictos e aguerridos. Pessoas que dizem com todas as letras que o homem somente será feliz quando se desligar completamente de Deus, eis porque derramam em todas as suas aulas filosóficas, torrentes de lodo e lama sobre a Igreja Católica, a quem consideram o maior mal existente na terra. Como podem ser tão tardos e lentos para entender a verdade? Como podem se deixar enganar de tal forma por satã? Mas que fazer se são justamente estes os formadores de opinião?
 
     Então, os governantes dos países, sabem com certeza que tudo isso está acontecendo. Mas eles somente sentarão na mesa para tomar decisões sérias, quando os desastres se produzirem em cascata assombrosa, todos os dias, em milhares de suas cidades e vilas, todos ao mesmo tempo. Eles somente tentarão reagir, quando a Inglaterra, a Alemanha, os Estados Unidos, a China, a Rússia, a Itália, a França e a Espanha – para citar apenas os grandes – estiverem transformados num Peru, onde as catástrofes provocadas pelo “El Ninõ” são quase diárias. Mas então será tarde, e nada mais se poderá fazer. Aliás, volto a afirmar, já agora nada mais se poderá fazer, porque o homem não tem cacife para mudar a rota do inferno em que se meteu.
 
     Na verdade, quando a ciência imagina ter o controle de uma situação, surgem outras e tantas aleatórias diferentes, que tudo só faz aumentar os rombos. É como uma peneira cheia de furos, que se quer manter cheia de água: eles querem parar com os furacões, com as enchentes e terremotos, mas esquecem os ninhos de passarinho! E nos ninhos de passarinho, e nos corais, na mudança da rota migracional das aves e nos pequenas variações da natureza é que está o começo do sopro destruidor do Altíssimo. Na verdade, a ciência, ao invés de nos salvar, está nos matando, foi isso que disseram os próprios cientistas. A tecnologia é que, ao invés de ajudar ao homem, o está matando. Porque cega de soberba, e cega aos soberbos!
 
    Meus amigos, sempre temos avisado: Enquanto um Pedro verdadeiro estiver no Vaticano, tudo ficará mais ou menos como está, crise aqui, crise acolá, mas tudo ainda dentro de um certo controle. Mas após a saída dele, temo – porque assim falam as profecias – a quase imediata explosão do caos: terra, água, ar e fogo em sincronia, vão executar os divinos arcanos! Tudo se irá desagregar – conforme já mostrei em outros artigos – nenhum deles mais obedecendo até às próprias leis da física. Então o homem entenderá que se Deus é o autor de todas as coisas, até mesmo sobre o caos ele impera. E de um momento para outro, ao Seu afrouxar de rédeas, tudo explodirá no caos, pois de certa forma estará nas mãos de sataná: terremotos, enc
hentes, secas, avalanches, maremotos gigantescos, em frenesi completo. Deles rebentarão rebeliões, golpes de estado, revoltas das populações, massacres, crimes, sangue, ódio. Foi tudo o que o homem quis, é tudo o que ele terá.
 
     Mentem os cientistas que falam em 2.050, quem sabe 2.006? Mentem quando dizem que o processo durará 100 anos até explodir: quem sabe, levará menos de dois anos para tudo acontecer, sim, depois de começar? Porque os homens sem Deus não conseguem medir o alcance do que está em curso: isso é demais para a pouca inteligência deles. Eles não fazem conta do Astro que virá em meio ao caos, para provocar mais caos, e acabar com o caos. Ou seja: o astro terá que vir no momento certo, sob pena de que todas as populações da terra desapareçam! E Deus, que é bom navegador, bom atirador, haverá de dosar bem o tiro – como uma espingarda de chumbo – para fazer cair cada pedaço de estrela cair no lugar certo, para a medida do efeito certo e justo.
 
    Ultima coisa: há um furacão próximo a costa catarinense. Não é este ainda o grande que virá. Mas apenas mais um aviso, e um enigma para confundir os cientistas. Quando vier o grande, seremos avisados pela Mãezinha. Quem quiser ouvir ouça!
 
Que Deus nos livre e guarde. Que preserve os inocentes!
 
Arnaldo
    
 
 



Artigo Visto: 3928

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.948.517
Visitas Únicas Hoje: 246
Usuários Online: 66