recadosdoaarao



Cartas
Voltar




18/10/2013
Almas e conversão


Cartas - Almas e conversão
18/10/2013 17:47:22

Cartas - Almas e conversão


      Caríssimo irmão;
      Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Santissíma Mãe Maria!
      Eis-me aqui novamente. Agora são 22;23 de uma aconchegante noite fresca na capital de Mato Grosso. Estou agora olhando alguns álbuns do Salvai Almas.
      Fiquei uns meses sem internet e não acompanhei as atividades do grupo mas, senti saudades!
      Contudo, não deixar de pensar em vocês e nas "alminhas".
      Esta débil e miserável criatura que vos escreve tem enorme prazer e satisfação em olhar os rostos singelos, que transmitem sincera abnegação e devoção aos irmãos que já se foram deste mundo insano e cruel, que se arrasta moribundo sob o comando daquele anjo quebrador de promessas.
     Que alívio saber e constatar que ainda existem pessoas capazes de quebrar a espessa camada gélida do egoísmo e do amor próprio, para se porem a caminhar em prol da felicidade de seus semelhantes, quer sejam eles vivos ou  mortos! Salve Maria!
     O que seria de nós, sem esta tão generosa e maravilhosa Mãezinha? Quando inadivertidamente pensamos, que a Mãe já fez por nós tudo o que poderia ter feito, eis que ela surge, com todo o seu esplendor e glória e nos ensina mais uma vez, de forma surpreendente, doce e extraordinária uma nova forma de amar.
      Amar ao próximo que está distante de nós mas, também amar os que não conhecemos em vida... estes irmãos, cujos rostos e histórias pessoais desconhecemos, mas cujo coração e generosidade se tornam para nós bastante familiares.
      Sim, um amor que chega às vezes de surpresa, nos tomando de assalto e vai nos inebriando e entorpecendo de uma felicidade recíproca, que só mesmo os puros de coração podem sentir e vivenciar.
     Ao mesmo tempo esse amor é arrebatador, ardente, intenso e constante. Ele não se cansa, não desiste não retrocede, não se deixa vencer... nem mesmo pelos mais astutos e maquiavélicos inimigos . Um amor capaz de vencer não apenas um algoz mas, um exército inteiro deles! E porque? Porque a frente desta sinistra mas, necessária batalha , está aquela que é, ao lado de seu divino rebento, a jóia mais preciosa da Pai: MARIA. E este Movimento é dela!
      Esta comendante celestial, desce das alturas e ternamente nos convida e nos apresenta os filhos que precisam de ajuda...filhos estes que ela ama e cuida com zelo e dedicação maternal e singular como nenhuma outra mãe faz ou fará...porque ninguém pode se igualar a ela. Maria é pois, única e incomparável entre todas as criaturas..
      Só ela é capaz de olhar a desoladora miséria de nossas vidas e ao contrário dos seres humanos, não sentir repulsa nem desprezo mas, estender os braços ternos e falar ao coração do infeliz pecador: Vem filho! É hora de voltar pra casa... deixe que eu te mostre o caminho!
      Então a criatura que jazia letárgica num profundo abismo de falta de fé, de desesperança, de conhecimento, de perversão, desperta vibrante e luminosa, conduzida por sua Mãe, a caminho da verdadeira e única felicidade, que aos poucos conquistará desde que se entregue sem receios nem vacilos aos conselhos sublimes e corretos de sua condutora.
      A Mãe do Céu, indica doravante, ao seu mais novo e amado pupilo a caminho para se chegar aos filhos mortos, visto que afinal todos são seus amados filhos e portanto irmãos.
      Maria educa na Santidade, na fé e no amor inabaláveis que: os padecentes sabem e querem amar! Ela mostra que o amor que possuem é desinteressado leal, puro, sincero.. A criatura, já a esta altura, está extasiada por conhecer uma forma de amor que ela desconhecia totalmente.
       Assim, se entrega e se apaixona: primeiro
por aquela que descortinou a porta do Céu depois, por aqueles que mesmo tendo a face desconhecida e misteriosa fazem sentir o seu amor e a sua gratidão, fazendo pulsar o coração num ritmo novo e arrebatador, que  a  criatura sentirá em cada súplica, em cada oração sincera dirigida e eles.
      Mas, nem sempre foi assim...
      A criatura percebe agora, que a "nova" forma de amor que sua doce Mãe lhe ensina sempre existiu.. Mas, não conhecia e vivenciava porque sufocada pela brutalidade e frieza que a busca insana dos prazeres efêmeros do mundo eclipsava seu coração ingrato e pervertido.
      Então vem o desgosto e o remorso! A criatura humana chora compulsivamente ao reconhecer o tempo perdido! Ah! Ela se lembra daquele momento da correria do cotidiano, banhado em descrença e indiferença que passou defronte a um enorme portão de ferro, com muralhas tristes e silenciosas e sequer teve a piedade de recitar AVE-MARIA...
      Lembra-se ainda, de outro momento, de cotundente e desesperada dificuldade que a vida lhe impôs, que caminhou cabisbaixa perto do mesmo portão mas, ainda mergulhada no seu impenetrável egoísmo e mais uma vez, não recitou AVE MARIA...
      Os anos voaram impiedosos e trouxeram com eles a doença, a solidão, a traição, o ódio, a dor... a criatura na mais absoluta cegueira espiritual buscou consolo em caminhos errôneos e letais que o mundo fartamente lhe oferecia... o sexo sem compromisso, as religiões extravagantes e falsas, os amigos com conselhos nefandos e imorais, as soluções facéis e equivocadas passadas pelos veículos de comunicação  e seus patéticos apresentadores, estes marionetes decadentes dos seus superiores "iluminados"...
      A criatura se perdia... numa estrada tortuosa e sombria, não percebia que caminhava a passos largos para o abismo sangrento destinado aqueles que morrem para sempre.
      Então numa noite fria de novembro, a Mãe Eterna, aquela que é incansável na luta e imbatível no combate, mais uma vez visitou a criatura... O súbito interesse por seu fiel general Miguel, fê-la aproveitar a oportunidade de resgatar a sua desgarrada "ovelhinha" que teimava em não voltar ao redil maternal.
      Assim a Mãe mandar o chefe Celestial, preparar a sua chegada. Na verdade, percebeu a criatura, foi Miguel, usando de toda a sua sabedoria e doçura que percebeu a brecha e se pondo em alerta rapidamente cobriu a pobre criatura com suas imensas asas protetoras  para que de lá não mais saísse...
       A grande Rainha, vencera, mais uma vez...
       O glorioso Princípe, movido por um pequeno gesto de amor, tomou nos braços a debilitada alma e a colocou aos pés da Mãe Celeste, tornando-se ele mesmo, o guardião amado e venerado da mesma .
       Pouco tempo depois, a criatura humana, agora mais regenerada pelo amor maternal, pôs-se a caminhar decididamente até o portão de ferro que tanto desprezara...Em seu coração não havia mais as densas sombras da duvida e da indiferença, no lugar delas o amor e a devoção por aqueles que esperavam ansiosos por sua súplicas. Salvai almas! Salvai almas! Salvai almas!....
       Nem a subida ìngreme, nem o sol escaldante, nem os olhares desconfiados eram incomôdos, pelo contrário, oferecidos como pequenos sacrifícios a todos aqueles que com inquietude aguardavam a ingrata criatura humana, que finalmente vinha ao seu encontro.
       Num carinhos esforço de imaginação, o que poderiam dizer os irmão padecentes?
       "Oh! Irmão! Há tanto tempo aguardavámos você!
       Há muito tempo esperavámos a sua visita...
       Tantas vezes, o
lhamos você passar por nós, aqui destes muros altos e solitários, na mais doce esperança que você nos oferecesse um pouquinho do seu tempo... Mas, você estava com pressa e seguia aflito nos caminhos perdidos de sua vida...
       Oh! Sim! Muitas vezes te vimos passar! Queríamos gritar o teu nome e te pedir que passasse pelos portões que nos separavam.. só alguns passo a mais e você finalmente encontraria os mais leais e verdadeiros amigos que se pode ter, amigos estes, que você tanto procurava mas, jamais encontrava...
       Oh! meu irmão! Oh! meu irmão!
       Você poderia ter passado por aqueles portões! Era fácil, muito fácil, nós seus irmãos, que já não somos mais carne, que já não habitamos mais neste mundo material, estavámos lá de braços estendidos em súplica, ansiosos pela sua visita...
       As falsas doutrinas mundanas, te contaram, errôneamente, que somos fantasmas lúgubres, espectros, encostos malignos... e você distante da verdade, desconhecendo a verdade, tinha medo de nós!  Não nos amava...
       Você não sabia que para nós apenas uma Ave-Maria bastaria, porque ela poderia significar a primeira das muitas Ave-Marias que você diria em nosso favor...
      Apenas uma terna saudação a Virgem de Nazaré e você deixaria de vagar confuso nas trevas deste mundo sem fé e sem caridade.
      Agora você nos conhece, e não pode imaginar a nossa alegria!
      Finalmente sua indiferença e tibieza foram destruídas pela Grande Rainha que se compadeceu de você e te ensinou a nos amar!
      Agora você dirige petição a ela em nosso sufrágio. Doce coração de Maria!... Salvai almas!.... Doce coração de Jesus! Uma vez a Mãe disse que estas palavras fariam vibrar os cemitérios! E vibram, o Purgatório! E vibram o próprio Céu! E enternecem o Pai que liberta.
      Agora o seu coração se tornou um albergue de compaixão, piedade e devoção àqueles a quem por tanto tempo você ignorou e desprezou.
      Visita-nos com frequência e agora, os portões de ferro e as muralhas não podem mais nos separar, porque no lugar onde nos encontramos ele já não existem mais: no seu Coração!".


Artigo Visto: 2086

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.795.466
Visitas Únicas Hoje: 150
Usuários Online: 88