Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título
Você está em: IGREJA / Dogmas / Dogmas sobre o Homem




 
 
24/02/2008
Dogmas sobre o Homem
 
Dogmas - O Homem
24/02/2008 10:23:31

Dogmas - O Homem


DOGMAS SOBRE O HOMEM

 

Toda esta matéria que segue é compilada por Dercio Antonio Paganini

(Formatação, e pesquisa Maria)

 

1        - O HOMEM É FORMADO POR CORPO MATERIAL E ALMA ESPIRITUAL


Afirma o IV Concílio de Latrão (1215), sob Inocêncio III (1198-1216):

·        "... a humana, composta de espírito e corpo..." (Dz. 428).

E o Concílio Vaticano I (1869-70), sob Pio IX (1846-78):

·        "...a humana como comum constituída de corpo e alma..." (Dz. 1783).

 

Segundo a doutrina da Igreja, o corpo é parte essencialmente constituinte da natureza humana, e não carga e estorvo como disseram alguns (Platão e outros Originalistas). Igualmente, para defender o dogma católico contra os que dizem que consta de três partes essenciais: o corpo, a alma animal e a alma espiritual, o Concílio de Constantinopla declarou:

·        "... que o homem tem apenas uma alma racional e intelectual..." (Dz. 338).

A alma espiritual é o princípio da vida espiritual e ao mesmo tempo o é da vida animal (vegetativa e sensitiva) (Dz. 1655).

Sagradas Escrituras:

·        "O Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou em seu rosto o alento da vida..." (Gn 2,7).

·        "...antes que o pó volte à terra de onde saiu, e o espírito retorne a Deus..." (Ecl 12,7).

·        "Não tenhais medo dos que matam o corpo, e à alma não podem matar; temeis muito mais àquele que pode destruir o corpo e a alma na geena..." (Mt 10,28).

Se prova especulativamente a unicidade da alma no homem por testemunho da própria consciência, pela qual somos conscientes de que o mesmo Eu, que é o princípio da atividade espiritual, é o mesmo que gere a sensibilidade e a vida vegetativa.

 

2. O PECADO DE ADÃO SE PROPAGA A TODOS SEUS DESCENDENTES POR GERAÇÃO, NÃO POR IMITAÇÃO



O Concílio de Trento (1545-63), sob Paulo III (1534-49) publicou o "Decreto sobre o pecado original", a 17 Junho 1546:

·        "Se alguém disser que a prevaricação de Adão o prejudicou somente a ele e não à sua descendência... Se alguém disser que este pecado de Adão, que é por sua origem apenas um, e transmitido a todos por propagação, não por imitação, é próprio de cada um..." (Dz. 789-90).

O Concílio de Trento condena a doutrina de que Adão perdeu para si apenas, e não também para nós todos, a justiça e Santidade que havia recebido de Deus. Positivamente ensina que o Pecado, que é morte da alma, se propaga de Adão a todos seus descendentes por geração e não por imitação, e que é inerente a cada indivíduo.

·        "Tal pecado se apaga pelos méritos da Redenção de Cristo, os quais se aplicam ordinariamente tanto aos adultos como às crianças por meio do Sacramento do Batismo. Por isso, até as crianças recém-nascidas recebem o Batismo para remissão dos pecados." (Dz. 791).

Sagrada Escritura:

·        "Eis que aqui nasci; em culpa e em pecado me concebeu minha mãe..." (Sl 50,7).

·        "Assim então, por um homem entrou o pecado no mundo... e assim a morte passou a todos os homens... pela obediência de um, muitos serão justiçados..." (Rm 5,12-21).

O efeito do Batismo, segundo a doutrina do Concílio de Trento, é apagar realmente em nós o pecado e não apenas que não nos impute uma culpa estranha (Dz. 792).

 

3 - O HOMEM CAÍDO NÃO PODE REDIMIR-SE A SI PRÓPRIO



Assim ensina o Concílio de Trento (1545-1563), sob Paulo III (1534-1549):

·        "[Que os homens caídos] eram de tal forma escravos do pecado que se achavam sob a servidão do demônio e da morte, que nem os gentios poderiam livrar-se nem levantar-se com a força da natureza, nem os judeus poderiam faze-lo com a força da lei mosaica..." (Dz. 793).

O Concílio Vaticano II no decreto "Ad Gentes" nº 8 declara:

·        "Somente um ato livre por parte do amor divino poderia restaurar a ordem sobrenatural, destruída pelo pecado. Se opõe à doutrina católica o pelagianismo, segundo o qual, o homem tem em sua livre vontade o poder de redimir-se a si mesmo, e é contrário também ao dogma católico o moderno racionalismo com suas diversas teorias de 'auto-redenção'".

Sagradas Escrituras:

·        Cf. Rm 3,23, como "todos pecaram, todos estão privados da glória de Deus" (graça e justificação), e agora são justificados gratuitamente por sua graça, pela Redenção de Jesus Cristo. O pecado, enquanto ação da criatura é finito, mas, enquanto ofensa a Deus é infinito, portanto exige uma satisfação de valor infinito.

 
 
 

Artigo Visto: 904 - Impresso: 19 - Enviado: 13

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 344 - Total Visitas Únicas: 3.027.677 Usuários online: 45