Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
29/07/2016
Papa defende muçulmanos
Ao que parece, só uma intervenção direta divina pode pôr fim a toda esta loucura.
 

Será Francisco um Pau mandado do Radicalismo Islâmico?

O autor do Mahound’s Paradise conjetura que “o Papa não faz a mais pequena ideia daquilo em que el-Tayeb realmente acredita ou, melhor dizendo, não se importa nada com isso.” Eu acredito nesta última alternativa, porque ela explicaria muita coisa; inclusivamente o apelo de Bergoglio para se permitir uma verdadeira invasão islâmica da Europa
IC-Isl

Com largo sorriso, Papa Francisco saúda Ahmad el-Tayeb, grande imã do Egito, a quem o Instituto de Estudos para os Direitos Humanos do Cairo exigiu que se retratasse de suas afirmações radicais sobre a legitimidade da aplicação da pena de morte na religião islâmica, sem, contudo, receber qualquer resposta por parte do imã

Christopher A. Ferrara | FatimaNetWork: 22 de Julho de 2016 – Os Leitores talvez recordem que, recentemente, Francisco teve uma reunião privada no Vaticano com oSheik Ahmed el-Tayeb,“Grande Imã” da Universidade Al-Azhar do Cairo, Muçulmano “moderado”, talvez a maior autoridade mundial sobre o Islamismo Sunita, e que já chegou a prestar serviços ao “Grande Mufti” do Egipto.

RELACIONADOS

Eu lembro-me de ter pensado na altura: “-Moderado, mentira rasteira!” Eu teria conjeturado que o velho amigo Ahmed deveria ter apelado à ‘-Morte aos infiéis!’ em algum dos seus escritos ou discursos, o que não seria mais do que seguir o código legal islâmico“moderado” do Egipto e de outros Estados Islâmicos “moderados”. Mas eu deixei cair o assunto, uma vez que ninguém consegue estar atualizado com todo o Circo Bergogliano.

Houve, no entanto, quem fizesse tal trabalho por nós.  Raymond Ibrahim, nascido no Egipto de pais Cristãos Coptas, uma autoridade sobre o Islão, e fluente em Inglês e Árabe, revelou o seguinte no seu site da Internet:

Apesar de o seu assunto principal ser o de que quem não segue o Islão é predisposto por natureza a ser um criminoso, ele dava uma ênfase especial àqueles, cuja apostasia se apresenta como um “grande perigo para a sociedade islâmica. E isso devido ao facto de essa apostasia ser um resultado do seu ódio pelo Islão e um reflexo da sua oposição a ele. Em minha opinião, isso é alta traição.”

E o Sheikh el-Tayeb acrescentou aquilo que todos os Muçulmanos sabem: “Os eruditos no Islão [al-fuqaha] e os Imãs das quatro escolas de jurisprudência consideram que a apostasia é um crime e concordam em que o apóstata tem necessariamente de renunciar à sua apostasia ou, em caso contrário, será executado.”

Finalmente, e por um bom critério, citou uma hadith ou tradição do profeta do Islão, permitindo que fossem punidos com a morte outros Muçulmanos em três circunstâncias: adultério, homicídio e apostasia.

Mahound’s Paradise, um site da Internet do anti-radicalismo islâmico, observa que o Instituto de Estudos para os Direitos Humanos do Cairo exigiu a el-Tayeb que retractasse as suas afirmações, mas não recebeu qualquer resposta. O Instituto chama ainda a atenção para algo de que Francisco, no exercício de uma razoável prudência em relação aos Muçulmanos “moderados”, deveria estar bem ciente: o facto de a Universidade onde el-Tayeb é o Grande Imã “adota dois discursos contraditórios: um que é aberto e se destina ao exterior, e outro que apoia o extremismo violento e se destina ao uso interno.”

O autor do Mahound’s Paradise conjetura que “o Papa não faz a mais pequena ideia daquilo em que el-Tayeb realmente acredita ou, melhor dizendo, não se importa nada com isso.” Eu acredito nesta última alternativa, porque ela explicaria muita coisa; inclusivamente o apelo de Bergoglio para se permitir uma verdadeira invasão islâmica da Europa, e a sua reação curiosamente muda perante o atual genocídio de Cristãos às mãos muçulmanas, que está hoje em curso pelo mundo inteiro.

Depois, há a declaração absolutamente incrível de Francisco: “-Eu não gosto que [alguns] falem de um genocídio de Cristãos no Médio Oriente: É um reducionismo.” -Pelo amor de Deus! Até o Governo dos Estados Unidos chama a isso um genocídio!

Será Francisco um pau mandado do Radicalismo Islâmico?  Ou quererá o Leitor apostar muito dinheiro que não é?

Repare-se como o elemento humano da Igreja se distanciou dos tempos da Reconquista Cristã que libertou Portugal da tirania do Islão, altura em que uma moura prisioneira chamada Fátima se converteu à verdadeira Fé, casou com o seu apreensor que por ela se tinha apaixonado e se tornou a Princesa Oureana (o seu nome de Baptismo). Foi dela que recebeu o nome a aldeia de Fátima.

Hoje, porém, é o próprio Papa que se inclina a Imãs e a Muftis, enquanto o Islão ressurge na Europa, para aplauso do Vaticano, cujos representantes esperavam a abertura d’a primeira mesquita em Roma já em 1989.

Ao que parece, só uma intervenção direta divina pode pôr fim a toda esta loucura.

-Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

Publicado originalmente: FatimaNetWork

 

 
 
 

Artigo Visto: 650 - Impresso: 17 - Enviado: 7

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 739 - Total Visitas Únicas: 2.991.602 Usuários online: 81