Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
13/09/2016
Porta aberta para o sacrilégio
Assim Francis escreveu aos bispos Buenos Aires sobre as suas orientações propostas para os padres a respeito da Amoris Laetitia
 

PORTA ABERTA AO SACRILÉGIO... (Tradução pelo Google) (Comentários ao final)

Fonte > http://www.catholicherald.co.uk/news/2016/09/13/popes-leaked-letter-suggests-support-for-communion-for-the-remarried/?utm_content=buffera1e63&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer

O Papa escreveu aos bispos Buenos Aires sobre as suas orientações propostas para os padres a respeito da Amoris Laetitia

O debate sobre Amoris Laetitia se reabriu após uma carta do Papa Francis vazou. O Papa escreveu aos bispos Buenos Aires sobre as suas propostas diretrizes para padres. Ele disse que se a "responsabilidade e culpabilidade" de uma pessoa se casou novamente são "diminuída", então "Amoris Laetitia abre a possibilidade de acesso à ... Reconciliação e da Eucaristia".

Na carta o Papa disse que o documento ", explica completamente o significado" do capítulo 8º  de Amoris Laetitia - o mais controverso. O jornal do Vaticano, L'Osservatore Romano, publicou um artigo ontem confirmando que o Papa Francis tinha escrito a carta, dirigida aos bispos da região pastoral de Buenos Aires.

Para orientações dos bispos ele disse: "Quando as circunstâncias concretas do casal tornam possível, especialmente quando ambos são cristãos com uma jornada de fé, pode-se propor um compromisso de viver na continência."

Em outros casos, os bispos disseram, quando se abster de relações sexuais pode prejudicar a nova união e as crianças que fazem parte da nova família, ainda mais discernimento é necessário. Pode ser que existem fatores que limitam a responsabilidade ou culpa do cônjuge divorciado, eles disseram, e nesses casos "Amoris Laetitia abre a possibilidade de acesso aos sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia".

Nestas circunstâncias, os bispos disseram, os sacerdotes devem tomar cuidado para não dar escândalo para suas congregações, algo que poderia ser feito, garantindo o casal recebe em "uma forma reservada," um pouco privada, embora congregações paroquiais também devem ser ajudados a crescer "num espírito de compreensão e de boas-vindas ".

Na carta do Papa aos bispos ele explicou com precisão o que Amoris Laetitia ensinou e capturou o seu pleno significado. "Não há outras interpretações", disse ele.

A carta já provocou debate. Steve Skojec of One Peter Cinco argumentou que, se autêntica, a carta do Papa iria confirmar "que ele pretendia permitir que aqueles que vivem em pecado grave objetivo de receber os sacramentos da Confissão e da Comunhão, sem o devido arrependimento." Skojec argumentou que esta era uma proposta de "sacrilégio", que "sem dúvida poderia ser considerado herético".

Mas outro blogueiro, o P. John Zuhlsdorf, afirmou a importância da carta não deve ser exagerada. "O Papa não muda a doutrina ou disciplina em cartas a bispos individuais." Em qualquer caso, ele disse, "aqueles que são fiéis aos ensinamentos da Igreja, provavelmente, vai continuar a fazer o que fizeram antes do advento da Amoris Laetitia e dissidentes e liberais vai continuar em sua própria maneira. "

O Twittersphere foi igualmente dividida. Enquanto um usuário twittou melancolicamente, "Habemus Papam hereticam", outros apontam para que Amoris Laetitia tem de ser lido em continuidade com o ensinamento da Igreja estabelecida. A tradição católica diz que o casou de novo não podem ser admitidos à comunhão a menos que resolver a viver como irmão e irmã.

A exortação apostólica de João Paulo II Familiaris Consortio disse que afirmou a tradição da Igreja que "reconciliação no sacramento da Penitência que abriria o caminho para a Eucaristia, só pode ser concedido àqueles que, arrependidos de ter violado o sinal da Aliança e da fidelidade a Cristo, estão sinceramente dispostos a uma forma de vida que já não está em contradição com a indissolubilidade do matrimônio.

"Isso significa que, na prática, que, quando, por razões graves, como por exemplo, a educação dos filhos, um homem e uma mulher não podem satisfazer a obrigação de separar, eles" assumem a obrigação de viver em plena continência, isto é, por abster-se dos atos próprios dos cônjuges".

O Dominicano padre Thomas Petri, que leciona teologia na Casa Dominicana de Estudos, twittou: "Para o registro - por si só, Amoris Laetitia não tem peso magisterial. Nem sua carta privada em sua compreensão dele "Outro usuário do Twitter argumentou:". A questão não é que o ensinamento da Igreja pode mudar (ele não pode), mas sim que a percepção do público será que mudou ".

+++++++++++

OBS > Como previsto, escancara-se a porta para o sacrilégio, oficialmente aprovado pelo Vaticano. Embora que, nem o documento renegado “amoris laetitia”, e tampouco esta carta do papa “vasada” – intencionalmente é claro – destinada à orientação dos bispos argentinos, não seja nem dogmática, nem obrigatória de ser seguida, o fato é que para a besta que a tudo isso comanda, não importa, e sim que, aos poucos, todos os padres acabem por dar comunhão a qualquer casal divorciado que viva uma segunda união e mantenha relações sexuais, não importa se eles vivem bem, se são fiéis entre si ou não, ou se cumpram religiosamente os deveres de um bom católico.

O exposto na carta é não somente cínico, mas diabólico, porque instrui os padres a dar a comunhão a estes casais “de forma reservada”, “um pouco privada”, como se o sacrilégio não fosse o mesmo. Seria o mesmo que dizer a um jovem “masturbar-se em público é pecado, mas se você fizer isso escondido não é”. Seria o mesmo que dizer a um assassino “matar frente a frente é pecado, mas você ficar de tocaia e ninguém ficar sabendo não é”. Tudo isso como se Deus não visse, ou fosse possível ocular Dele este tipo de procedimento. O fato é que ele afirmou, com todas as letras, e agora estão reveladas as suas malignas intenções: “se o casal vive bem a vida da Igreja, e não se julgue culpado da separação anterior, pode dar a eles a comunhão” porque isso não é pecado.

Cinismo, descaramento, heresia... O que caracteriza o adultério não é a maior ou menor vivência da fé por parte do casal em segunda união e sim as relações sexuais mantidas fora do Sacramento do Matrimônio. Que isso fique bem claro! Não entendo como é que existam ainda sacerdotes que são capazes de defender Bergoglio, diante de tão flagrante violação dos Documentos Sagrados e anteriores da Igreja, como a carta Familiaris Consortio do Papa João Paulo II, que abria – e já foi uma abertura indevida – a possibilidade de dar a comunhão a eles, no caso de que fizessem um pacto diante do sacerdote, obrigando-se a não manter relações sexuais, aí poderiam comungar.

Como já expliquei tantas vezes eu mesmo passei por esta difícil situação, assim foi por quase 20 anos. Mas procurando ser um verdadeiro católico, jamais me passou pela cabeça sequer reclamar da Doutrina da Igreja, e nunca forcei a barra para receber a comunhão, porque sabia do pecado grave, e do sacrilégio, não importando o fato que não faltava à Missa e que educamos nossos filhos na fé. Culpa minha, e ponto final! Estes casais que forçam a barra, e especialmente esta besta hedionda que força estes procedimentos, trabalham todos para satanás que deseja introduzir a abominação no templo de Deus, e destruir a Santa Missa, eliminando Jesus Eucaristia.

E devemos estar atentos, porque eles acabarão por fazer isso. Recentemente um destes cardeais líderes da besta alemã, declarou cinicamente que “eles farão a reformas pretendidas, quer queiramos ou não”. Ou seja, a sorte está lançada, e mais dia, menos dia, nós veremos a derrubada dos Sacrários. Isso é profético e virá! Será certamente por um curto tempo, mas eles cumprirão as ordens do diabo. Deus permitirá que fiquemos sem a Eucaristia, por algum tempo, para que sintamos e finalmente percebamos o que significa o mundo do “quase sem Deus”, os chamado “silêncio do Céu” predito no Apocalipse. Então eles agem com cinismo descarado, um pouco de cada vez, e a imensa maioria dos “católicos” vai engolindo tudo como se fosse algo bom, quando é veneno puro.

Ontem eu meditava sobre estes assuntos do fim, especialmente sobre as coisas da Igreja e da Eucaristia, e foram me surgindo na mente alguns tipos de maus católicos, de como poderiam ser definidos e classificados. Então achei pelo menos cinco tipos de católicos que são movidos por...

1 – Ingenuidade burra: Trata-se daqueles maus católicos que não conseguem perceber o mal que se esconde por trás de palavras e atos fingidos, que não segue aquelas palavras de Jesus: sejam simples como as pombas, mas espertos como as raposas. Estes deixam passar tudo, aceitam tudo, engolem tudo, mesmo sendo sapos. São como toupeiras, e chega a ter destes que se diz católico, mas nunca reza uma Ave Maria. Penso que este tipo sequer algum dia recebeu algo parecido com catequese.

2 – Ignorância invencível: São as pessoas que desconhecem completamente ou quase, a doutrina da Igreja, os que acham que todo papa é santo, que não erra, que é infalível até quando dá entrevistas e escreve cartas, e que colocam minhocas apodrecidas na cabeça, e mesmo diante da Verdade e da clareza da doutrina, ainda seguem com cegueira de toupeira, aquilo que o seu papa diz, mesmo que seja herético e absurdo, como a proposta acima. Estes nunca foram bem catequizados, ou se receberam catequese, foi uma catequese herética como em muitas paróquias.

3 – Conivência implícita: Refere-se mais aos teólogos, mestres e ditos doutores em deus, que percebem com luminar clareza que estas declarações são heréticas, que esta doutrina é do diabo, mas se calam por conveniência, por covardia invencível, o que os torna nos cães mudos profetizados por Isaías, e eles vivem em nosso tempo. Estes deveriam alardear aos quatro cantos do mundo, deveriam gritar sobre os telhados aquilo que sabem, porém deixam as coisas correr, como se nada tivesse a ver com eles, e como mornos que são, que aguardem serem cuspidos da boca de Deus.

4 – Orgulho teológico: Refere-se mais aos padres, mal formados e mesmo deformados, por uma teologia pérfida que lhes foi incutida nos maus seminários pós-conciliares, e que não aceitam que possam estar errados, ou que arrumam mil desculpas, mesmo as mais pífias e ridículas, para justificar o seu papa. Estes pobres sacerdotes – e não são poucos, e na verdade eles são a maioria – para eles Deus reserva um punhado de sal, para serem depois lavados, quando o látego lhes bater nas costas até verter sangue, até que se dignem baixar de seus tronos teológicos, olhar para a realidade, estudar a verdadeira doutrina da Igreja, e acreditar nas profecias atuais que previram tudo isso, e que poderia ser evitado.

5 – Aprovação decidida: Refere-se aos maus, entre o clero e leigos, que conhecedores da verdade que salva, como verdadeiros réprobos desafiam a Deus, aprovando de forma consciente, livre e decidida a estas heresias, e dando uma ajuda fenomenal ao diabo, em sua luta para destruir a Santa Igreja. Estes fazem parte dos demolidores profetizados por Ana Catarina Emmerich, que de forma aguerrida e decidida se esmeravam e demolir a Igreja, tijolo por tijolo, heresia por heresia. São estes que gritam contra Deus: Edifica a tua Igreja bem alto, mas nós a iremos destruir! Ai deles, ai deles, ai deles! Quem sabe a palavra “teimosia aberrante” explica isso!

Enfim, como previ já em outros artigos,  que aquilo que está no malsinado capítulo 8º da Amoris laetitia, de forma um pouco camuflada acabaria por se tornar aos poucos uma prática comum acaba se confirmando. O mesmo eles fizeram com os documentos do Concílio, o mesmo tentaram fazer com o falso Sínodo, o mesmo que agora eles vão impondo, pouco a pouco. De fato, passar ao sacerdote a missão espinhosa e de juiz, de definir os casais em sua Paróquia, os que podem e não podem receber a comunhão é algo absurdo. Primeiro que eles não terão o claro discernimento, segundo “quem são eles para julgar”, terceiro, acabarão concedendo a Comunhão a todos, em nome da falsa misericórdia e da pervertida “não discriminação”. E ademais, a pressão dos maus haverá de levar a todos de roldão, rumo aoi abismo.

Pois que ninguém se engane, este ainda é um primeiro passo. O segundo passo da besta será dizer o seguinte: bem, se a comunhão sacrílega foi aprovada para os casais em segunda união, não existe motivo algum, até em nome da não discriminação, que se dê a comunhão a todos os pecadores e pecados, indistintamente. E se estes casais não precisam se confessar para comungar, então ninguém mais precisa, e em nome de "um espírito de compreensão e de boas-vindas", participemos todos dignamente do divino banquete, porque não se pode discriminar a ninguém, porque deus é bom e perdoa a todos mesmo que não lhe peçam perdão, até porque a “eucaristia é viático para os doentes” não apenas alimento para os sadios. Diabolicamente assim! E lá se vão dois preciosos Sacramentos.

E desta forma se reunirão diante do sacrílego banquete, todos os pecadores, com todos os tipos de pecados graves, indistintamente, sem confissão e sem arrependimento “porque Jesus já lavou a todos com o Seu Sangue”, e não há como privar a ninguém desta graça. Que venham então todos ao banquete, não somente maus católicos, mas são benvindos os protestantes, também os maometanos e budistas, porque “Deus que sejamos um só no amor” e tudo isso em nome da religião mundial do anticristo, a Nova Era. O capítulo 8º desta malsinada carta é com certeza a porta aberta, escancarada cinicamente e um primeiro passo, para que a abominação se confirme.  

Bem que Nossa Mãe, lá no início do nosso Movimento Salvai Almas, nos avisou que “a Eucaristia estará sempre na linha de frente nos acontecimentos finais”. De fato trata-se de Deus Vivo e Real em nosso meio e mais do que qualquer outro, satanás sabe disso. Acima mencionei cinco tipos de ditos católicos, e continuando a tratar dos últimos acontecimentos, se pode verificar que, nenhum dos cinco tipos de católicos citados se dará bem, nem será ponto branco na tribulação. Como ficam?

Penso que, os católicos do tipo 1 e 2 são reservados para desaparecer daqui, vão para um Céu pequenino e serão felizes. Dos itens 3 e 4, com certeza irão apanha como “boi ladrão”, pois penso que para eles existe uma chance, caso queiram. E os do item 5, bem, estes o diabo terá alegria em receber, bons soldados dele que foram. Penso que deste grupo bem poucos se salvam, porque somente réprobos são capazes de tamanho desatino.

Porque Jesus Eucaristia - Item 6 - é ponto branco daqueles que O louvam, amam, adoram, glorificam, rendem graças e caem humildemente aos Seus pés, pedindo perdão por este mundo que desaba, intercedendo pelos que não O amam nem adoram, e principalmente O defendendo neste dilúvio de heresias que saem do Vaticano. Jesus é para quem O recebe em estado de graça, com a confissão em dia, seguindo fielmente os ensinamentos da Igreja.

Falando em defender a Eucaristia, os pedidos de folhetos da Santa Missa e da Confissão, estão muito fracos. Acho que está faltando empenho dos que merecem a classe 6, os que estão dispostos da dar a vida por Jesus Eucaristia. E também por hora recebi apenas 1/3 parte da ajuda, feita por apenas duas pessoas, para poder mandar grátis, pois não tenho condições de mandar gratis sozinho. É hora então de se mostrar soldado valente, quem sabe capitão, pondo mais gente na batalha. (Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 1060 - Impresso: 18 - Enviado: 10

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 532 - Total Visitas Únicas: 3.053.671 Usuários online: 54