recadosdoaarao



Cláudio
Voltar




24/08/2020
Mensagens do retiro dos 72
Não confias em Deus? Se Ele te escolheu, certamente te dará as armas necessárias para o combate!


Porto Belo, SC 14 de julho de 2020

Para o retiro dos 72 Grupo 03 - 3

Meu Deus, por que me abandonastes? (Mc 15,34)

Certamente Deus jamais iria abandonar Jesus e Jesus sabia disso, e naqueles momentos de angústia, rezava o Salmo 21 em favor do povo, como se o povo estivesse rezando.

Portanto estas palavras não foram de reclamação ao Pai como se tivesse abandonado o filho, mas foram um clamor pelo povo que se achava abandonado por Deus.

Com efeito, no versículo 1 do Salmo 21 Jesus clama estas palavras iniciando o Salmo, que vai dizer no Versículo 4:

“Entretanto, vós que habitais no Santuário, Vós que sois a Gloria de Israel” e, no Versículo 6: “A Vós clamaram e foram salvos” e aqui percebemos e rezando todo o Salmo 21, que o Salmista rezava referindo-se aos sofrimentos do povo.

Portanto Jesus rezava pedindo proteção ao povo ainda que, por este mesmo povo, fora entregue à morte.

Na sua agonia Jesus rezava pelo povo: Por seus algozes!

Na verdade, o algoz principal de Jesus era o povo!

- Igualzinho ao que acontece hoje não é, Jesus?

- “Tal e qual!”

Jamais Jesus reclamou ao Pai e vemos isto se comprovar em todas as passagens dos Evangelhos e nas profecias da Sagrada Bíblia.

“Deixou-se levar como a uma ovelha ao matadouro!”

Jesus é O mártir!

O verdadeiro mártir!

Entregue nas mãos sujas, imundas do povo e dos carrascos mesmo assim bradava:

” Pai, eles não sabem o que fazem!”

A frase “Por que me abandonastes”, tem dado “muito pano pra manga” e tem sido usada pelos inimigos de Jesus, ou da Igreja, colocando Jesus como um “fraco” e o Pai como “injusto”.

E o mais estranho é saber que muitos católicos também pensam assim e até certos evangelizadores!

Certamente não conhecem Jesus!

Não conhecem o Pai!

Jesus falava:

“Eu e o Pai somos um!”

Como pode alguém bradar contra si mesmo?

Precisamos conhecer a Jesus.

Precisamos entender as Sagradas Escrituras.

Precisamos entender de Amor, como Jesus entendeu!

Amém!

Cláudio Heckert

 

Fonte: https://missaosalvaialmas.com.br/?cat=178&id=3244

Porto Belo, SC, 15 de julho de 2020

Para o retiro dos 72       Grupo 04 - 2

Estou preparado para Evangelizar? O que falta?

O mundo me mostra tantas coisas!

Coisas boas, coisas ruins.

Coisas aparentemente boas. Coisas aparentemente ruins!

O mundo muitas vezes me confunde e faz a minha cabeça girar como a um parafuso!

A indecisão muitas vezes me faz parar!

E peço que Deus me acalme!

Não posso parar: Minha jornada ainda não terminou:

Há muitas coisas ainda a fazer!”

Mas, fazer o que?

Olhar os pobres, mas “Pobres sempre tereis convosco” e por isso olhar os pobres não é uma missão, mas uma obrigação.

Olhar as criancinhas”, mas os pais já cuidam delas e então cuidar de crianças não é uma missão, mas obrigação.

Cuidar dos velhinhos, também é obrigação e não missão.

Não vejo missão em nada!

Vejo um mundo cheio de problemas e para melhorá-lo é necessária a garra, a decisão, a determinação..., mas isto também não é missão!

Nada é missão para mim!

Tudo é obrigação!

E eu não me vejo preparado para cuidar de tudo isso!

Eu fui criança, meus pais me cuidaram;

Fui adolescente, meus pais me guiaram;

Fui à escola, os professores me ensinaram;

No trabalho os empresários serviram-se do meu esforço.

Eu não via tempo para mim e assim o mundo passou despercebido diante dos meus olhos: Não havia nada a fazer!

Passava os meus dias como milhões de pessoas passam.

Apenas vivendo o dia a dia, preocupado apenas com o dia a dia como, alimentos, roupas, remédios, escola, família...

Mas isto também não é missão: É obrigação!

A realidade da vida não é missão! É Obrigação, necessidade!

E hoje me pergunto: Estou preparado?

E eu não sei responder!

Preparado para que?

Para viver esta história, não se precisa de preparo, porque o mundo vai nos ensinando a cada dia o que fazer e esta pergunta eu poderia responder:

- Sim! Eu fiz o que o mundo quis!

Mas hoje eu me pergunto:

Por que eu fiz? Para que em fiz? Para quem eu fiz?

E posso responder: Fiz por necessidade; Fiz por obrigação à minha família; Fiz para mim, para o meu bem estar.

E hoje posso indagar:

Será que estou preparado para enfrentar o juízo de Deus?

Tudo o que fiz, foi por amor?

Preparei a minha casa para ser a Casa do Senhor?

Preparei os meus filhos para caminharem nos caminhos do Senhor?

Cuidei de minha esposa, que me foi dada como presente do Senhor?

E aos meus amigos, aos meus vizinhos, mostrei os caminhos que conduzem ao Senhor?

Não! Não me sinto preparado para o juízo!

Há muita coisa a fazer!

Só espero

Ter ainda tempo para isso!

Amém!

Cláudio Hecekert

Fonte: https://missaosalvaialmas.com.br/?cat=178&id=3245

 

Porto Belo, SC, 15 de julho de 2020

Para o Retiro 72 Grupo 03 0 2

Foste escolhido! Onde andas?

Na verdade, é difícil saber onde ando, onde estou!

Mas sei que Deus me escolheu de entre tantos e até já sei qual a Missão! Mas eu mesmo me indago: Cumpro a minha Missão?

Vejo o mundo mergulhado em problemas, em lutas e hoje contra um inimigo tão pequeno, o Covid 19, sem encontrar a solução eficaz para a nossa própria defesa ou para exterminar o inimigo!

Um mundo tão grande não consegue vencer o inimigo tão minúsculo!

E, no entanto, o mundo insiste em achar que é O Grande!

Mas e eu, o que sou?

Por muitas vezes tenho pensado que sou grande, que sei tudo, e por causa da minha missão e até do meu contato com o Céu, tenho achado que sou importante e até tenho agido como se assim eu fosse!

Mas também tenho me perguntado: E os outros, os que possuem tantos DONS, mais do que eu, não são importantes?

Os sacerdotes que trilham longos caminhos até chegar à ordenação, não são grandes?

Os Catequistas que ensinam verdadeiramente e com amor, os caminhos que levam a Deus, não são grandes?

As pessoas que criam ou conduzem entidades de ajuda, como abrigos, creches, orfanatos, institutos anti álcool ou anti drogas, não são grandes?

Os profissionais da saúde que se doam a fim de salvar vidas, principalmente nesta pandemia, não são grandes?

As mães e pais que lutam, muitas vezes desesperadamente, a fim de proporcionar o bem estar de seus filhos, não são grandes?

E assim tantos, que fazem acontecer a história do mundo, não são grandes? Não são maiores do que eu?

Onde ando! O que faço?

Olho ao meu redor e vejo pessoas como que, formiguinhas carregando seus pesados fardos, procurando a maneira e a forma de sobreviver ou buscando a melhor maneira de evangelizar, principalmente hoje, como os comunicadores, e aqui posso citar o Gilson com a Rádio Auxiliadoras, o Carlos com seus programas de orações, e assim tantos meios de comunicação fazendo também sua parte na história do mundo.

Reconheço que sou pequeno demais para compreender tudo isso.

Pequeno demais para entender os sentimentos de tantos corações abertos a proporcionar a felicidade de outros, ou o conhecimento, como os professores, ou a segurança e, a proteção, como os policiais!

Reconheço que sou pequeno demais para entender tanta coisa!

Fui um bom filho?

Fui um bom namorado?

Fui um bom esposo?

Sou um bom esposo?

Sou um bom servidor de minha casa?

Fui ou sou um bom pai?

Tudo isso me atormenta e me faz pensar:

Em tudo isso fui muito pequeno e ainda sou!

Quanta falta de amor! Quanta falta de caridade! Quanta omissão!

E digo hoje: Acorda Cláudio! O que fazes?

Por acaso Deus não te escolheu?

O que respondes a Deus?

E eu realmente não encontro respostas a estas indagações!

Mas encontro outros adjetivos:

Presunçoso, arrogante, autossuficiente, acomodado...

O que faço?

Onde ando?

Cláudio Heckert

 

Porto Belo, SC, 18 de julho de 2020

Para o Retiro dos 72 – Grupo 4 - 3

Não conheço este homem – (Mc 14,11)

“Pai perdoai-nos, porque ainda não te conhecemos plenamente.”

- É verdade filho, que não conheces a Deus plenamente?

- Plenamente, não! Eu O conheço mais ou menos...

- Por que achas isso?

- Não vejo Deus! Não sei o que pensa de mim... O que faz...

- E o que pensas de ti mesmo?

- Sou um fracasso! Tenho medo dos escárnios, medo de responsabilidades, medo de não evangelizar à altura...

- Deus vê em ti estes medos!

- E me reprime?

- A reprimenda vem de ti mesmo, porque se assim não fosse, porque terias razão em ter medo? Se te dizes medroso é porque te recriminas e se assim ages é porque conheces o erro ou o acerto!

- O que devo fazer, Jesus? Como devo agir?

- Confie! Confie em Deus! Dizes sempre que sabes em quem confias, e, no entanto, não ages assim!

- Mas eu confio em Deus!

- Não parece! Se confias, por que o medo de falar sobre Ele?

- É, Jesus! Acho que tens razão...

- Achas? Não tens certeza?

- Eu sei que tens razão, Jesus! Às vezes eu falo sem pensar...

- Ou sem medir as consequências,

- É verdade! É assim a minha maneira de agir!

- Não podes mudar?

- Como fazer isso?

- Enfrentando as consequências! Confiando plenamente em Deus. Sempre dizes que Deus te confiou uma Missão. Se Ele te confiou, é porque confia em tí!

- Agora me deixaste com vergonha, Jesus: Deus confiou em mim, mas eu não confio plenamente nele! Mas não é assim que eu quero! No fundo, no fundo, eu confio em Deus. Eu sei que Ele sempre faz o melhor!

- Então por que o medo? Se realmente confias e mesmo assim te escondes então é porque, de fato, tens vergonha Dele! Lembra-te do que eu disse: “Se te envergonhares de Mim, Eu te envergonharei no dia do juízo!” Por enquanto, não levo a mal... 

- Obrigado! Não me leve a mal...

- Sei que estás aprendendo...

- Sim, estou aprendendo e por isso rezo pedindo perdão por não conhecer plenamente a Deus.

- Não O conheces porque não queres conhecer: Não O buscas, não O procuras! Te acomodas...

- Perdão, Jesus!

- Na verdade tens medo do conhecimento!

- As responsabilidades serão muitas...

- Agora falas a verdade! Tens medo das responsabilidades!

- Medo de não desempenhá-las à altura...

- Não confias em Deus? Se Ele te escolheu, certamente te dará as armas necessárias para o combate!

- Combate?

- Quem fala sobre Deus, precisa estar preparado para os combates!

- É preciso rezar?

- É preciso ter coragem! É preciso confiar! Ter fé!

- Será que alcançarei isso?

- Se não alcançares poderás dizer: “Não conheço este homem!” Mas se alcançares poderás dizer: “Eu e o Pai, somos UM!”

Decida, filho! Por favor!

Conte Comigo.

Eu te abençoo,

“Jesus!”

 

Fonte: https://missaosalvaialmas.com.br/?cat=178&id=3246

 

 


Artigo Visto: 356

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.774.724
Visitas Únicas Hoje: 156
Usuários Online: 77