recadosdoaarao



Autores
Voltar




22/01/2021
Católicos! Eles os estão enganando!
O fato de padres, catequistas e mestres de religião, hoje, quase já não falarem de pecado, mal, demônio e inferno, significa que vão distorcendo a sã Doutrina e manipulam o Evangelho: uma coisa ímpia e intolerável.


CATÓLICOS, ELES ENGANARAM VOCÊS!

19 de janeiro de 2021

    Duas palavras incômodas para um "jovem católico". Cuidado para não se deixar enganar, o que é apresentado a você como a "religião católica" muitas vezes não é assim: com a desculpa de mudar os caminhos: "tudo mudou".

     por Francesco Lamendola 

     Fonte: http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/cultura-e-filosofia/teologia-per-un-nuovo-umanesimo/9855-cattolici-vi-hanno-ingannati

     Duas palavras incômodas para um jovem católico

     Caro amigo, você e os outros que nasceram vinte ou trinta anos após a conclusão do Concílio Vaticano II, há uma coisa que você precisa saber, e isso só pode dizer a você quem pertence à geração anterior: eles o enganaram. Ou eles estão enganando você. Ou ainda: cuidado para não ser enganado. O que é apresentado a você como religião católica - nem sempre dizemos, mas com freqüência - não o é de forma alguma. As coisas que os professores da religião católica dizem a você, no ensino fundamental e médio, muitas vezes não correspondem à doutrina católica. 

     E o mesmo se aplica ao que os catequistas ensinam no oratório paroquial: talvez com muita boa vontade, mas com pouca doutrina e ainda mais pobre discernimento. Mesmo os sermões na igreja, durante a Santa Missa, você não deve confiar totalmente, infelizmente: há muitos padres por aí que se sentem autorizados a interpretar e distorcer o Evangelho de acordo com sua ideologia pessoal .

     Não basta a boa vontade: é preciso conhecimento das Escrituras e da Tradição sagrada; a fé é necessária, acompanhada pelos dons do Espírito Santo; requer a graça divina, que ilumina a mente e aquece o coração. Se você vive como vivem as pessoas do mundo, você perde de vista o Evangelho; pior: acabamos interpretando-o segundo o mundo e não segundo a vontade de Deus, ou seja, acabamos por buscar nele uma justificação e legitimação de estilos de vida e de pensar que nada têm de cristão ou católico. O que não é apenas temerário: é, acima de tudo, uma blasfêmia. 

     Fingir mudar o sentido do Evangelho para encontrar um ponto de apoio que absolva o homem do pecado é blasfêmia e diabólica. Mas é isso que alguns teólogos católicos que se autodenominam estão fazendo: devagar, silenciosamente, diariamente. Eles estão trabalhando de maneira rápida, metódica, quase científica, para demolir a Igreja de Deus, a Igreja dos santos, a Igreja de todos os tempos, e substituí-la  pela Igreja dos homens : o tempo do relativismo e da permissividade, do perdão por atacado, talvez sem verdadeiro arrependimento; o tempo de confusão deliberada e planejada, o tempo de apostasia da Verdade.

     Você está maravilhado: já vejo sua expressão de espanto e incredulidade. Você está certo. Se o que estamos contando fosse verdade, seria muito sério; mas que evidência temos que apresentar? Podemos dar o exemplo da nossa vida: daquilo que vimos; do que foi e tem sido a Igreja durante séculos e séculos, desde as suas origens; daquilo que nos foi ensinado com zelo, com amor, com conhecimento, por padres e freiras de antes do Concílio, que não eram velhos vagabundos, mas, em geral, autênticos homens e mulheres do Senhor; e o que foi escrito nos manuais de teologia, que foi ensinado nos seminários, que foi pregado do púlpito; enfim, o que é ainda mais importante do que o que nos foi ensinado na família, pelos avós, pais, principalmente mães, e, em primeiro lugar, pelo exemplo, muito mais do que por palavras, em termos de doutrina e moral católicas. 

     Agora você vai pensar: Mas é normal que as coisas mudem; os tempos mudam, tudo deve mudar, tudo deve se adaptar às novas condições de vida, economia, sociedade, cultura, política.  Aqui: esta já é uma forma de pensar não católica; e você não percebe, você e seus colegas, porque  nesse erro você foi criado . O Evangelho não muda; não muda, nem pode mudar, sua substância, seu ensino perene, sua verdade sobrenatural. Claro, a maneira de lidar com isso pode mudar moderadamente; mas é precisamente aqui que a traição aconteceu: o caminho gradualmente se tornou a substância; e, com a desculpa de mudar de caminho, tudo mudou.

     Você provavelmente ficou surpreso, e quase divertido, quando, há pouco tempo, afirmamos que querer inserir sorrateiramente formas de pensar e agir não católicas na doutrina e na moral católicas é imprudente e blasfemo: e este seu espanto , aquele seu sorriso, são a prova de que acertamos no alvo. Pouco se tem falado sobre o pecado, sobre a fragilidade humana, sobre o homem pecador: muitos padres, hoje, ignoram este aspecto; teólogos, ainda mais: segundo eles, o homem é uma criatura excelente e maravilhosa, que só precisa de um pouco da ajuda de Deus e que, diante do mistério da vida e da morte, não precisa se preocupar com nada, nem levar muito a sério, porque, no final das contas, a misericórdia do Senhor é tão grande que ninguém fica excluído. 

     Erro. Se você lê o evangelho, vereis que Jesus fala muito frequentemente dos que ficam de fora: as virgens loucas, por exemplo, ou os hóspedes indignos: e não só ficam do lado de fora, enquanto as portas do palácio estão fechadas, e são onde estão as trevas e o ranger de dentes; mas também são amarrados e lançados no inferno, no meio do fogo eterno. Jesus os chama de "amaldiçoados" e os admoesta com palavras muito severas: Afastem-se  de mim, malditos; Eu não te conheço: vá para o fogo eterno . Aqui, você vê que eles te enganaram? Eles te ensinaram um evangelho que não é o Evangelho: porque, no Evangelho, há também - na verdade, está no centro - o conceito de Juízo: quando os bons serão recompensados ​​e os maus serão punidos. 

     Para a eternidade. Sim, sabemos: hoje não está na moda falar dessas coisas; os padres têm muito mais a pregar. Eles pregam amor, boas-vindas, fraternidade, misericórdia; e se sentem bem, se sentem cheios de zelo sagrado, aliás, se sentem melhor do que todos os outros, como Marta se sentia melhor do que Maria (e não era), porque mostram que são homens práticos, e que o Evangelho é feito de obras, não de fofoca. Isso também é falso.

     O Evangelho é a Palavra de Jesus Cristo. É claro que quem ouve a Sua palavra deve também colocá-la em prática; mas colocá-lo em prática não significa automaticamente vá para a ação material. Primeiro vem a salvação da alma; primeiro vem o amor de Deus; portanto, a oração vem em primeiro lugar e, acima de tudo, a oração de louvor e ação de graças. Tudo bem orar pelo que precisamos, mas Deus já sabe do que precisamos; O próprio Jesus nos lembrou disso. 

     Portanto, a oração mais bela e mais profunda é aquela que nada pede; o que dá louvor e ação de graças a Deus; e aquele que oferece a Ele nossas dores, nossos sofrimentos, com um espírito de plena aceitação, para se assemelhar a Ele, que assumiu todo o mal do mundo, por nossa causa. mas Deus já sabe do que precisamos; O próprio Jesus nos lembrou disso. 

     Portanto, a oração mais bela e mais profunda é aquela que nada pede; o que dá louvor e ação de graças a Deus; e aquele que oferece a Ele nossas dores, nossos sofrimentos, com um espírito de plena aceitação, para se assemelhar a Ele, que assumiu todo o mal do mundo, por nossa causa. Mas Deus já sabe do que precisamos; O próprio Jesus nos lembrou disso. Portanto, a oração mais bela e mais profunda é aquela que nada pede; o que dá louvor e ação de graças a Deus; e aquele que oferece a Ele nossas dores, nossos sofrimentos, com um espírito de plena aceitação, para se assemelhar a Ele, que assumiu todo o mal do mundo, por nossa causa.

     O fato de padres, catequistas e mestres de religião, hoje, quase já não falarem de pecado, mal, demônio e inferno, tem um significado muito específico: significa que vão distorcendo o Cristianismo gradual e silenciosamente. ; que manipulam o Evangelho: uma coisa ímpia e intolerável. O facto de certos documentos do Magistério afirmarem, ou que se entenda, que a misericórdia de Deus abrange sempre tudo e todos, como se o arrependimento do mal praticado não fosse a condição absolutamente necessária para obter o perdão de Deus, é uma distorção da palavra de Cristo: coisa ímpia e intolerável. 

     O fato de falarmos sempre e apenas da misericórdia de Deus, e nunca da Sua justiça, é outra distorção do Evangelho, ainda mais fatal, ainda mais um prenúncio de consequências desastrosas para a vida da alma; coisa ímpia e intolerável. O propósito do Evangelho é a salvação das almas; mas se sua mensagem é distorcida, as almas são empurradas para o perigo, para o abismo. Eles assumiram uma responsabilidade tremenda: tanto mais grave porque eles, que conhecem perfeitamente a sã e autêntica doutrina católica, a modificam, aproveitando que  vós, jovens, por razões de idade, não pudestes receber uma formação, palavras, os exemplos, de sã e autêntica doutrina católica. 

     Então, eles estão se aproveitando de sua ignorância e falta de consciência. Eles estão ensinando uma geléia onde tudo, no final das contas, está bem, e onde o catolicismo, afinal, não é muito diferente de qualquer outra doutrina religiosa. E dizem explicitamente: todas as religiões conduzem a Deus, porque todas contêm uma parte da verdade. Vocês, como seus colegas, cresceram ouvindo essas coisas: mas isso não é o Evangelho. Eles te enganaram, eles te enganaram. As palavras de Jesus, vai e releia o Evangelho, são estas:  Vai, baptiza e prega o Evangelho; quem for batizado e crer será salvo; mas quem não acreditar será condenado . 

     Sim, senhores: Jesus diz assim:  Quem não acreditar será condenado  ( Marcos, 16, 16). O que eles fizeram você acreditar, que Jesus é um dândi com mantos esvoaçantes, todo sorrisos e ternura? Claro, Ele também é sorrisos e ternura; mas ele também é o Cristo, rei do universo; Cristo é também o juiz, Senhor do céu e da terra, aquele que vem julgar os vivos e os mortos, os visíveis e os invisíveis.

     Eles não te contaram, não te ensinaram? É porque eles não lhe ensinaram o Evangelho de Jesus, mas outro evangelho: o deles; que é menor que zero; na verdade, o que corre o risco de ser uma ocasião de escândalo e pecado, porque, com a aparência de ser o verdadeiro evangelho, ele na verdade subverte sutilmente seu significado, inverte sua perspectiva. Não é o Evangelho de Jesus, filho de Deus, mas o Evangelho do homem. Fala-se muito mais do homem do que de Deus.

     Não falamos realmente do temor de Deus; mas isso também é errado e herético: leia o livro de Isaías, leia o  Novo Testamento , as cartas de São Paulo, o Apocalipse , e você vai perceber isso. É um evangelho gnóstico-maçônico, relativista e permissivo, no qual falamos muito sobre o que o homem pode fazer e muito pouco sobre o que ele não sabe e não pode fazer. Ele não pode fazer a coisa mais importante de todas: ele não sabe e não pode se redimir. Só Deus pode redimi-lo. 

     O homem é um pecador; mas, ao reter o bem do livre-arbítrio, ele pode sair do pecado e retornar para Deus. Ele deve, entretanto, desejá-lo. Deus vem ao seu encontro; mas ele também deve se mover. Deus não pode fazer tudo: se assim fosse, o homem não teria mérito em sua própria salvação, e os santos e pecadores receberiam o mesmo tratamento. 

     O que é injusto, portanto cristão impossível. Lembre-se da parábola do pai misericordioso: o pai, feliz com a volta de seu filho, vai ao seu encontro, o beija e o abraça: mas é o filho que se arrependeu, que partiu para casa, e que, diante do seu pai cai de joelhos e confessa-lhe em palavras francas: Pai, pequei contra o céu e contra ti. 

     Não mereço mais ser chamado de seu filho! Trate-me como o último de seus servos . Esta é a atitude correta do homem perante Deus: e tememos que eles tenham falado muito, muito pouco. Eles certamente falaram com você da misericórdia inesgotável de Deus, e isso está certo; mas eles também deveriam ter falado sobre a necessidade de arrependimento por parte do pecador. Sem arrependimento, sem misericórdia. Isso é justiça: e não há teólogo modernista ou padre progressista que possa adulterá-la.

     É aqui que você chega, se apenas falar sobre o amor e a misericórdia de Deus, mas se calar sobre a Sua justiça. Justiça é dar a cada um o que lhe é devido, de acordo com seus méritos. Os teólogos modernistas chamam essa superestimação do homem de  "ponto de inflexão antropológica" : ela aparece durante e depois do Concílio Vaticano II; não estava lá antes. Antes, Deus era Deus e o homem era homem; Deus era o Salvador, o homem, o pecador que pode ser redimido (e não redimido já) por meio do arrependimento e penitência. 

     Deus e o homem não estão em pé de igualdade. Deus é o Criador, o homem é a criatura. Temos vergonha de dizer tal banalidade; mas para você, querido jovem, não são banalidades, são palavras novas e inéditas, porque muito poucas vezes foram ditas a você e, portanto, parecem estranhas, não naturais para você. Repetimos: você foi enganado. 

     A parte mais importante e mais bela do Cristianismo foi escondida de vocês: a dimensão do sobrenatural. Parece que o Cristianismo é antes de tudo uma questão humana; mas não é assim: o Cristianismo vem da Encarnação de Jesus Cristo, o Verbo que se fez carne, da sua Paixão, Morte e Ressurreição; e vem da fé dos homens nele, Redentor da humanidade, fonte inesgotável de esperança, força e consolação para todos, e especialmente para os sofredores, os atribulados, os desanimados, os oprimidos. 

     O que você acha? Que ser cristão era uma coisa fácil e limpa, como beber um copo d'água? Que bastava ir à igreja uma vez por semana, assistir a uma missa dedilhada com violões e dominada por cantos grosseiros, virada por um sermão mundano e espiritual, em que - talvez - se zombe do culto à Virgem Maria, do Rosário, de Anjos e Santos, Ai de mim se não proclamar o Evangelho , diz São Paulo; mas o Evangelho de Jesus, não o evangelho modernista e progressista, antropocêntrico e demagógico.

     Você, talvez, esteja pensando agora:  eu entendo: eles têm saudades dos velhos tempos; eles sentem falta da missa latina e do canto gregoriano . Não é assim; certamente, como não sentir saudades da missa latina e do canto gregoriano? Eles conferiram à sagrada liturgia uma solenidade particular e inefável, que nem sequer se pode imaginar, quem não a viveu. 

     Mas não é só isso. A coisa é muito mais profunda, mais séria e urgente: está em jogo a salvação das almas. O cristão não pode ser levado a crer que o Evangelho pode e deve ser "atualizado" à medida que os costumes mudam: seria como dizer que não o Evangelho deve converter o mundo, mas que a maneira converte o Evangelho; o que é absurdo e pior. Jesus veio converter o caminho e disse aos seus seguidores :  Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz; Eu dou a você, não como o mundo dá.

     Caro amigo, arma-te de coragem e pede a ajuda de Deus, que te fará encontrar um verdadeiro sacerdote. Você tem uma tarefa imensa pela frente; não se deixe enganar. E acima de tudo reze, nunca se canse ...

    OBS > Qualquer pregador que se diz católico e fala estas três palavras - igualdade - liberdade fraternidade - que pare de pregar e vá estudar o verdadeiro sentido delas, ou estará distorcendo a Doutrina de Cristo. (Aarão>

 

 


Artigo Visto: 804

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.847.196
Visitas Únicas Hoje: 393
Usuários Online: 62