recadosdoaarao



Autores
Voltar




28/12/2020
Corrupção na indústria médica
Infelizmente é apenas um punhado de profissionais de saúde que ousa desafiar as mentirosas declarações oficiais, para denunciar a patifaria dos números, combater as vacinas e denunciar seus fabricantes.


COVID fez com que dezenas de milhares de médicos e cientistas acordassem para a corrupção na indústria médica"
 
Health Impact News
 
 Uma perspectiva mais honesta da pandemia do Covid-19.
 
 por Richard Gale e Gary Null PhD
 Rede de Rádio Progressiva
 
 Desde os primeiros casos da nova tupo de coronavírus fora da China, cada aspecto da narrativa amebiana em constante mudança da pandemia foi cuidadosamente controlada pela Organização Mundial da Saúde e pelas principais agências governamentais de saúde.
 
 Altos funcionários dentro de um sindicato de instituições, incluindo o CDC, o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas e o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, ditaram amplamente as respostas do governo para diminuir a pandemia.
 
 A pandemia Sars2-Cov19 não é a primeira vez que burocratas médicos não eleitos, que a pessoa comum presume possuir uma experiência duradoura, orientam políticas globais contra pandemias e surtos infecciosos sérios.  O exemplo mais recente foi a pandemia de gripe suína HIN1 de 2009-2010, que nunca realmente aconteceu de acordo com o planeado.
 
 Posteriormente, esse esforço revelou uma incompetência surpreendente na hierarquia médica internacional que pode ser atribuída a todo o sistema, e não a alguns indivíduos ineptos.
 
 No entanto, durante o atual susto pandémico, algo incomum e extremamente radical aconteceu. Historicamente, vozes de oposição dentro da medicina institucionalizada permaneciam relativamente silenciosas.
 
 Na maioria das vezes, é apenas um punhado de profissionais de saúde que se apresenta para desafiar as declarações oficiais, ou para descobrir as falhas graves na literatura científica para apoiar as suas ações.
 
 Ainda assim, no ano passado, testemunhamos dezenas de milhares de médicos, especialistas médicos e pesquisadores apresentando-se publicamente com críticas duras e até contundentes de como as agências médicas governantes lidaram mal com a pandemia.
 
 Eles reconhecem facilmente as contradições dessas agências, os conflitos de interesse com a indústria farmacêutica, a grande quantidade de literatura médica desconstruindo e desacreditando as suas afirmações fundamentais e as evidências para provar que as suas políticas não têm base científica.
 
 Estes não são dissidentes. Mais de 52.000 profissionais médicos que representam algumas das principais escolas médicas e instituições de pesquisa do mundo, já assinaram a Declaração de Great Barrington em protesto contra as estratégias oficiais do Covid-19 e os graves efeitos adversos dessas políticas sobre a saúde física e mental de crianças, cidadãos da classe trabalhadora  e os pobres.
 
 Além disso, eles não têm nada a ganhar. Nenhum interesse financeiro compromete os seus julgamentos. E eles estão totalmente cientes da resistência e da lista negra que podem ocorrer e prejudicar a sua reputação.
 
 Em todo o mundo, vozes médicas dissidentes estão nos alertando que:
 
 * As contagens oficiais de mortes, especialmente nos EUA e no Reino Unido, são extremamente exageradas.
 
 * A reação em cadeia de Polyermase (PCR) nunca foi criada para ser usada como uma ferramenta de diagnóstico para determinar a infecção por Covid-19 ou qualquer outro vírus.  O excesso de confiança no test PCR é uma farsa que criou uma pandemia de 'casos', em vez de um verdadeiro flagelo sintomático.
 
 * A evidência para apoiar a crença de que grandes bloqueios sociais [confinamentos] e distanciamento social, talvez até mesmo o uso de máscaras, deterá a propagação do vírus é exagerada e imprecisa.
 
 * A narrativa oficial da América, onde o número de casos per capita supera de longe qualquer outra nação, que drogas eficazes, seguras e mais baratas como a ivermectina e a hidroxicloroquina (HCQ) não têm valor e causam danos graves é completamente infundado. Em vez disso, se usado com sabedoria, é altamente eficaz e seguro como medida preventiva para o tratamento de primeiro estágio de infecções leves e moderadas.
 Uma compilação de 210 estudos sobre a eficácia do HCQ contra  Covid-19, 145 revisados ​​por pares, encontrou apenas 26 que mostraram que o medicamento barato e amplamente usado apresentava alguns riscos ou era ineficaz. O restante indica claramente que o HCQ é um de nossos melhores e mais confiáveis ​​cursos de tratamento. Por exemplo, um estudo de 585 pacientes tratados com HCQ junto com azitromicina e zinco tiveram alívio em menos de 3 dias e nenhum foi hospitalizado, precisou de ventilação ou morreu.  Outro estudo publicado na revista Clinical and Translational Science relatou uma redução de 73% na hospitalização sem eventos adversos graves.
 
 * No entanto, somos informados de que devemos esperar por uma vacina ou uma nova droga milagrosa, e nenhuma outra intervenção médica é justificada, excepto práticas de higiene pessoal, máscaras e distanciamento social.
 
* O New York Times e outros grandes meios de comunicação estão deturpando novos casos de Covid-19 com a doença real, grosseiramente aumentando aqueles que podem ser positivos, mas são saudáveis ​​e não representam uma ameaça pública.
 
 A confusão interna e a cultura de inconsistência da OMS, CDC [EUA]  e NHS [UK] estão deixando cada vez mais cidadãos questionando em quem é confiável.  Até mesmo o conservador Jornal Medico Britânico [JMB] publicou uma rara e brutal condenação da corrupção e comercialização em toda a narrativa oficial da Covid-19. O editor executivo do JMB, Kamran Abbasi, escreveu:
 
 “A ciência está sendo suprimida para ganho político e financeiro. O Covid-19 desencadeou a corrupção estatal em grande escala e é prejudicial à saúde pública. Os políticos e a indústria são responsáveis ​​por esse desfalque oportunista. O mesmo ocorre com cientistas e especialistas em saúde. A pandemia revelou como o complexo médico-político pode ser manipulado numa emergência - numa altura em que é ainda mais importante proteger a ciência.”
 
 Infelizmente, os principais meios de comunicação como o New York Times, Washington Post e BBC estão revelando uma falta de integridade jornalística, apesar do acesso aberto aos estudos médicos em contrário. Em vez disso, a mídia serve como uma câmara de eco para continuar avançando neste desastre internacional criado pelos nossos principais funcionários de saúde.
 
 * Erro de cálculo de mortes
 
 Para entender o erro de cálculo de mortes que podem ser atribuídas diretamente ao Covid-19, podemos começar com o próprio site do CDC:
 
 “Devido à pandemia Covid-19 em andamento, este sistema suspenderá a coleta de dados para a temporada de influenza de 2020-2021.”
 
 Em outras palavras, os relatórios mensais de mortalidade do CDC não estarão mais monitorando as mortes reais por influenza, que na maioria das vezes também são combinadas com mortes por pneumonia.
 
 William Briggs, um ex-professor da Cornell University observou que no verão passado o CDC parou de contar as mortes por gripe e pneumonia “por causa suponhamos, da dificuldade de distinguir essas mortes de mortes fatais [Covid-19].”
 
 Então, como estas mortes serão inseridas nos relatórios de mortalidade?
 
 No início de dezembro, um diretor assistente do Departamento de Economia Aplicada da Escola Médica de Johns Hopkins examinou as estatísticas de mortalidade durante a pandemia do Covid e nos anos anteriores.
 
 Devido à alta porcentagem de mortes não relacionadas ao Covid diminuindo durante a pandemia, a sua conclusão foi que essas mortes foram intencionalmente rotuladas como causadas pelo Covid-19. O seu colega Dr. Yanni Gu resumiu o problema:
 
 “O CDC classificou todas as mortes relacionadas ao Covid-19 simplesmente como mortes do Covid-19Mesmo os pacientes que morrem de outras doenças subjacentes, mas estão infectados com o Covid-19, contam como mortes pelo Covid-19. Esta é provavelmente a principal explicação do motivo pelo qual as mortes do Covid-19 aumentaram drasticamente, enquanto as mortes por todas as outras doenças sofreram uma diminuição significativa."
 
 Esta discrepância irracional nas causas de morte não é apenas um problema americano. Globalmente houve uma redução de 98% nos casos de gripe diagnosticados em comparação com 2019. Só a Austrália registrou uma queda de 96%.
 
 Pode haver uma maneira sensata de explicar a diminuição da gripe, e isso por sua vez, ajuda a explicar o aumento dramático nos casos de Covid-19 devido a testes imprecisos e uma infestação de falsos positivos.
 
 Dado o enorme impacto dos bloqueios, fechamento de empresas e espaços públicos, distanciamento social e máscaras, é possível que as taxas de gripe diminuam notavelmente. No entanto, o aumento nos casos do Covid-19 torna-se completamente sem sentido, a menos que testes espúrios sejam o culpado.
 
 * A Organização Mundial da Saúde teve que reconhecer as falhas do PCR
 
 Recentemente, até mesmo a Organização Mundial da Saúde teve que reconhecer as falhas do teste PCR. Apesar da minúcia das palavras, a OMS relatou:
 
 “O princípio de designio do RT-PCR significa que, para pacientes com altos níveis de vírus circulante (carga viral), relativamente poucos ciclos [de multiplicação] serão necessários para detectar o vírus, portanto o Ct [limite do ciclo] será baixo. Por outro lado, quando as amostras retornam um alto valor Ct, isso significa que muitos ciclos foram necessários para detectar o vírus. Em algumas circunstâncias, a distinção entre ruído de fundo [qualquer coisa]  e presença real do vírus alvo é difícil de determinar. ”
 
 A maioria dos laboratórios de teste está usando um limite de ciclo de 40 amplificações, consequentemente a alta taxa de falsos positivosEsta é a razão para os 'casos' aumentarem exponencialmente, enquanto as mortes reais haviam se nivelado em meados do verão até mais recentemente.
 
 No Reino Unido, a Public Health England declara,
 
 “Se uma pessoa tiver um teste negativo e positivo, apenas o teste positivo será contado.”
 
 Os EUA fazem o mesmo.
 
 A virologista da Universidade da Califórnia, Dra. Juliet Morrison, afirmou:
 
 “Estou chocada que as pessoas pensem que 40 [ciclos] podem representar um fator positivo.”
 
 Ela recomenda um corte razoável em 35, e o Dr. Michael Mina, da Escola de Saúde Pública de Harvard, sugere 30 ou menos.  A diretora de microbiologia clínica da Universidade da Carolina do Norte, Melissa Miller, chamou o aplicativo de PCR para todas as situações de "completamente irresponsável".
 
 A acusação mais contundente contra todos os governadores dos Estados Unidos que continuam a decretar bloqueios, fechamentos de escolas e repressão policial draconiana, e ainda assim não conseguiram reinar no meio da praga de testes PCR erróneos nos seu estados, foi encontrado num estudo recente da Sociedade de Doenças Infecciosas da America.
 
 Usando como um limite baixo de 25 ciclos, 70% dos positivos não eram casos reais porque o vírus não pôde ser cultivado.  Em outras palavras, o vírus já estava morto.
 
 Mesmo assim, quando os limites do ciclo de PCR são ajustados, o número de casos caem. Isto foi observado em esforços feitos em Massachusetts, Nova York e Nevada, onde foi descoberto que 90% dos resultados positivos carregavam "quase nenhum vírus".
 
 Felizmente, alguns países estão acordando para a falta de confiabilidade do PCR, que foi originalmente perpetuada por um médico alemão muito empreendedor, Christian Dosten.  Dosten também é conselheiro do Ministério Federal da Saúde da Alemanha.
 
 Um tribunal de apelação de Portugal decidiu que o teste PRC não é confiável para testar o Covid-19, e qualquer quarentena forçada com base num teste PCR positivo seria ilegal.  Quanto a Dosten e o seu artigo publicado na revista Eurosurveillance, serviu de justificativa para o uso generalizado do teste PCR.
 
 Mas o artigo é substancialmente impreciso, mas ajudou a servir como um meio para Dosten obter uma patente para o teste de PCR para coronavírus. Agora, 22 profissionais médicos líderes do Consórcio Internacional de Cientistas em Ciências da Vida pediram a retratação do artigo devido a "um número enorme de falhas de design muito sérias ... o que torna o teste PCR completamente inadequado como ferramenta de diagnóstico para identificar o SARS-CoV-  2 vírus. ”
 
 O verdadeiro crime é que nenhuma das falhas acima foi inevitável.
 
 Não há nenhuma explicação razoável para o cálculo incorreto de mortes reais associadas ao Covid-19, exceto estupidez de cisalhamento ou negligência intencional grosseira. A inadequação do PCR para diagnosticar com precisão a presença do Covid-19 ativo, ou qualquer outro vírus infeccioso, foi bem documentada por muitos anos. Mesmo o inventor do PCR, Dr Kary Mullis, afirmou que não é adequado para o diagnóstico clínico.
 
 No entanto, apesar de todo o conhecimento prévio destes fatos, inúmeras pessoas tiveram as suas vidas devastadas pelas escolhas que nossos funcionários federais de saúde e políticos fizeram com base numa ciência gravemente defeituosa.
 
 Quarentenas desnecessárias, perda de renda, bloqueios e stress mental afetaram adversamente milhões de americanos e pessoas em todo o mundo. Mais uma vez, podemos recorrer ao artigo de Abbasi no Jornal Medico Britânico:
 
 “… À medida que os poderosos tornam-se mais bem-sucedidos, mais ricos e ainda mais intoxicados de poder, as verdades inconvenientes da ciência são suprimidasQuando a boa ciência é suprimida, as pessoas morrem. ”
 
 sobre os autores
 
 Richard Gale é o produtor executivo da Progressive Radio Network e ex-analista de pesquisa sênior nas indústrias de biotecnologia e genômica.
 
 O Dr. Gary Null é o apresentador do programa de rádio público mais antigo da América sobre saúde alternativa e nutricional e um diretor de documentários premiado, incluindo War on Health e, mais recentemente, Last Call for Tomorrow.
+++++++++++++++++++++++++
Veja este outro artigo..
 
MÉDICO FORENSE RECONHECIDO DESTRÓI NARRATIVA DA MÍDIA RELATIVO A UM VIRUS MORTAL: "NINGUÉM MORREU DE COVID-19 EM HAMBURGO SEM TEREM DOENÇAS ANTERIORES"
 
Por rairfoundation.com
 
O proeminente professor de medicina legal Klaus Püschel tem vasta experiência na autópsia de indivíduos que morreram com o coronavírus chinês em Hamburgo, Alemanha. Durante uma entrevista na televisão alemã, o professor surpreendeu o público ao afirmar que a histeria por causa do coronavírus é “completamente exagerada”, já que todas as fatalidades que ele examinou tinham doenças anteriores graves que logo teriam resultado em morte com ou sem o vírus. Püschel afirmou que não existe um “vírus assassino”.
 
 Desde o início da pandemia, o chefe da medicina forense do University Medical Center Hamburg-Eppendorf e a sua equipe têm vindo a fazer autópsias nas pessoas que morreram em Hamburgo em conexão com o coronavírus. Segundo Püschel, todos os falecidos tinham pelo menos uma doença anterior.  “Mesmo que isso pareça severo”, disse Püschel, “todos eles teriam morrido no decorrer deste ano”. Cerca de 80 por cento das mais de 140 pessoas examinadas sofriam de doenças cardiovasculares. A idade média dos mortos é de 80 anos.
 
 Püschel criticou a propaganda irresponsável e alarmista da chanceler alemã Angela Merkel contra o coronavírus:
 
 “Acho que é totalmente inapropriado quando um presidente diz ao seu povo que estamos em guerra ou quando a chanceler alemã compara a situação com a última guerra mundial.”
 
 “Nenhum vírus assassino”
 
 As pessoas saudáveis ​​não devem ter medo da infecção: “O medo de que este seja um vírus assassino e que muitos morrem com ele é completamente exagerado”, disse Püschel.  “Temos que deixar claro que não queremos estar numa caixa de vidro. Não podemos nos proteger de tudo. E este vírus é um risco comparativamente baixo. ”  O vírus também não é de forma alguma uma sentença de morte para idosos e doentes.  “A maioria sobreviverá à doença”, disse Püschel.
 
 “Este vírus afeta as nossas vidas de uma forma completamente exagerada. Isto é desproporcional ao risco do vírus ”, afirma o renomado médico legista.  “Estou convencido de que a mortalidade corona nem mesmo se fará sentir como um pico na mortalidade anual.” Não há razão para temer a morte em relação à propagação da doença na região de Hamburgo.
 
 Püschel defende abertura de creches
 
 Püschel não vê nenhum perigo específico para a maioria das pessoas com o novo vírus do corona: “Especialmente crianças, adolescentes, a população activa normalmente sobreviverá a esta doença sem danos”.
 
 É por isso que Püschel também defende a abertura de creches e escolas:
 
 “A experiência geral é que as crianças não ficam particularmente doentes, os adolescentes não ficam particularmente doentes. Não há nem mesmo qualquer indicação de que eles são espalhadores especiais.”  A população teve que conviver com o vírus: “De certa maneira, temos que fazer amizade com ele, lidar com ele, como com a gripe e com outras infecções”.
 
 O médico sublinhou a importância de determinar se os pacientes morreram por causa do vírus em vez de com o vírus. As autópsias realizadas no exterior apresentam um quadro relativamente claro.
 
 O Dr. Püschel abordou a falta de transparência quando se trata de incluir fatalidades no número de vírus:
 
 “por exemplo, a quantidade insuficiente de informações sobre casos excepcionais tornada pública.  Alguns pacientes que faleceram podem ser classificados como mortes por coronavírus, embora possam na realidade ter morrido de uma doença não relacionada com o covid.
 
 Conforme explicou o médico, muitos pacientes que sucumbiram à doença eram muito idosos, fumadores, obesos ou apresentavam doenças preexistentes, como a diabetes. O estilo de vida, a idade e outras doenças estão portanto, intimamente associadas a riscos mais elevados, concluiu ele.  Ao examinar outros órgãos, as autópsias podem desempenhar um papel fundamental na obtenção de uma melhor compreensão dos mecanismos do vírus.
 
 **********
 
Apresentador de TV:
 
 Agora falaremos com alguém que causou um grande rebuliço na mídia nas últimas semanas.
 
 O Professor Klaus Püschel é o chefe da medicina legal no Hospital Universitário de Hamburgo-Eppendorf (UKE).  Ele e o seu colega estão autopsiando todos aqueles que morreram do COVID-19 em Hamburgo.
 
 Na sua opinião, o medo do vírus é exagerado.  O Covid-19 é uma doença comparativamente inofensiva.
 
 Ele é meu convidado agora no estúdio. Muito bem-vindo, Professor Püschel. Só para esclarecer, você acha que o Corona está afetando a nós e à sociedade de uma forma totalmente inadequada e exagerada. Isso está certo?
 
 Professor:
 
 "Eu mantenho isso. Para deixar claro, direi que acho totalmente exagerado por exemplo, quando este vírus é referido como um VÍRUS ASSASSINO. Quando as pessoas têm muito medo disso. Acho que é totalmente inapropriado quando um presidente diz ao seu povo que estamos em guerra, ou quando a chanceler alemã compara a situação com a última guerra mundial."
 
 Temos aqui um vírus que já conhecemos em princípio.
 
 No entanto, esta é uma nova versão que chegou até nós como uma pandemia, então temos que reagir a ela de uma forma muito especial.
 
 É o medo que sempre devora as almas. O indivíduo - você e eu - não precisamos ter muito medo. Existem muitos outros perigos que ocorrem na vida que nos afetam muito mais.
 
 Apresentador de TV:
 
 À dez dias, numa entrevista a um jornal, você disse que não tinha uma única caixa de Covid-19 na sua mesa de dissecação. Que nenhum morreu da doença do Covid-19 sozinho, sem outra condição pré-existente.
 
 Esse ainda é o caso?
 
 Professor:
 
 -Sim. Esse é o caso. Todas as mortes [Covid-19] nesta região, que agora ultrapassam 100, foram autopsiadas e cada uma tinha doenças graves pré-existentes.
 
 Eles tinham entre 50 e 100 anos. A idade média é de 80 anos.
 
 Isto indica claramente que estas são pessoas que não estão em boas condições gerais. Aqui devo acrescentar que todos eles tinham pelo menos uma doença especial, ou melhor, várias doenças.
 
 Doença cardiovascular, ataque cardíaco, coração dilatado, constrição das artérias coronárias, calcificação das artérias, doença pulmonar obstrutiva crônica.
 
 Também doença hepática, cirrose, insuficiência renal, doenças metabólicas como diabetes mellitus, demência, e em tais condições o sistema imunológico está enfraquecido e não reage adequadamente.
 
 Apresentador de TV:
 
 O que você encontra nas vítimas do Covid-19 quando você as abre?
 
 Professor:
 
 As muitas doenças pré-existentes das quais falei.
 
 Regularmente encontramos infecções respiratórias e pneumonia, mas com a pneumonia vêm uma variedade de outras complicações.
 
 Por um lado, as alterações celulares relacionadas aos vírus, que são muito típicas, mas também acompanham as infecções, também as chamadas de superinfecções bacterianas e as infecções nosocomiais.
 
 Apresentador de TV:
 
 O que é isso?
 
 Professor:
 
 — Estas são doenças que você só pega quando está internado ou em tratamento médico, por não ser estéril em todos os lugares.
 
 As condições higiênicas em nosso país são comparativamente boas, por isso não se compara à situação de outros países. Achamos que isto  é importante nos casos de pneumonia. Sempre saliento que com relativa frequência, as embolias pulmonares são causadas por trombose, por isso sempre digo, por favor continuem activos e em movimento.
 
 Apresentador de TV:
 
 Por favor, continuem activos e em movimento. Muito obrigado pelas suas avaliações, a sua visita e as suas explicações, Professor Püschel do Departamento de Medicina Legal do University Hospital Hamburg-Eppendorf (UKE)

 


Artigo Visto: 447

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.827.877
Visitas Únicas Hoje: 467
Usuários Online: 68