recadosdoaarao



Autores
Voltar




28/10/2020
Começam as ações judiciais
Elas questionam os governos : Porque vocês deixaram morrer o meu pai, minha mãe, proibindo o uso de um medicamento que vocês sabiam que curava? Segurem-se governos, segurem-se ditadores! Milhares de mortos pesam sobre as suas cabeças.


 

"Enormes ações judiciais contra totalitários e vigaristas da COVID"
 
 Totalitaristas e vigaristas que exageraram e exploraram o pânico do coronavírus para roubar a liberdade e destruir meios de subsistência estão na mira da ira de uma equipe de advogados e médicos internacionais de alto perfil determinados a buscar justiça. De acordo com os advogados envolvidos, o tsunami de ações legais contra os tiranos do Covid-19 dentro e fora do governo representa o maior conjunto de ações judiciais por responsabilidade civil na história da humanidade. Os cientistas e médicos especialistas da coligação afirmam que a resposta dos governos à "pandemia" foi mais do que injustificada. Se a justiça pode ser garantida em tribunais nos Estados Unidos e até  noutras nações, é uma questão de esperamos para ver.
 
 O esforço para usar o sistema judicial contra a mentira da pandemia apresenta uma coligação global crescente de médicos e cientistas, os quais estão todos manifestando-se contra o que consideram uma perigosa campanha de desinformação para justificar a tirania. A aliança, conhecida como "Comissão de Inquérito Extra-Parlamentar do Corona" (Außerparlamentarischer Corona Untersuchungsausschuss, ou ACU, em alemão), foi formalmente criada por quatro advogados em 10 de julho. Agora inclui bem mais de 500 médicos e especialistas em várias disciplinas. Eles concluíram que as medidas draconianas do governo contra a liberdade são todas desproporcionais aos perigos representados pelo vírus.
 
 O Dr. Reiner Fuellmich, um dos fundadores da ACU, tem exercido a advocacia como advogado de defesa do consumidor na Alemanha e na Califórnia por mais de um quarto de século.  Num anúncio de vídeo de uma hora, Fuellmich prometeu que uma acção colectiva internacional estava sendo preparada, visando especificamente os responsáveis ​​pela imposição das políticas de "bloqueio" mortal em grande parte da humanidade. Apenas um punhado de jurisdições no mundo ocidental, incluindo a Suécia e uma série de estados americanos, como Dakota do Sul, se recusaram a seguir as políticas - e estão todas indo muito bem, e em alguns casos, significativamente melhor do que as jurisdições que impuseram políticas brutais de bloqueio com consequências cataclísmicas para a economia dos países.
 
 Fuellmich também argumentou que testes fraudulentos estavam sendo usados ​​para criar um panico com o objectivo de justificar a tirania. De fato, o Covid "não causou nenhum excesso de mortalidade em nenhum lugar do mundo", disse ele, observando que estudos sobre o assunto mostram a taxa de mortalidade dos  vírus ser semelhante ao da gripe sazonal. A maioria das mortes atribuídas ao coronavírus em lugares como Itália e Nova York foram na verdade o resultado de decisões deliberadas do governo de colocar pacientes com gripe, constipações e Covid em lares de terceira idade, disse ele.  A esmagadora maioria das vítimas já estava bem acima da expectativa de vida média, acrescentou.
 
 Em contraste, os bloqueios ordenados pelo governo "causaram a perda de inúmeras vidas humanas e destruíram a existência económica de inúmeras empresas e indivíduos em todo o mundo". De níveis crescentes de suicídio e abuso de drogas a uma crise de saúde mental sem precedentes, os efeitos concretos do bloqueio estão-se tornando cada vez mais aparentes. Enquanto isso, a única maneira do Covid-19 ser classificado como uma "pandemia" foi fazendo com que a Organização Mundial da Saúde da ONU alterasse a definição à 12 anos para excluir a exigência de morte "generalizada".
 
 Entre as suas preocupações mais sérias está que por causa do "pânico deliberado" pelos vendedores de histeria do Covid, os governos democráticos "correm grande perigo de ser substituídos por modelos totalitários fascistas". Além disto, crianças em todo o mundo foram "traumatizadas em massa, com as piores consequências psicológicas ainda esperadas a médio e longo prazo". Enquanto isso, a devastação económica, incluindo cerca de 500.000 a 800.000 falências de pequenas e médias empresas apenas na Alemanha, irá destruir a espinha dorsal da economia, bem como as finanças do governo, advertiu.
 
 O advogado alemão por trás deste esforço tem uma longa história de acusar e desmascarar interesses muito poderosos ligados a certas instituições. Por exemplo, alguns de seus alvos mais recentes incluem o Banco da Alemanha, "anteriormente um dos maiores e mais respeitados bancos do mundo, hoje uma das organizações criminosas mais tóxicas do mundo", disse ele.  Separadamente, ele apontou para a Volkswagen, a gigante automobilística alemã, que foi exposta por cometer fraude em torno das emissões de veículos. Fuellmich também está centrado em alguns dos maiores interesses marítimos do mundo, acusando-os em um caso de suborno de milhões de dólares. Mas os casos da crise do corona que se aproximam podem ser o seu trabalho mais importante, ele sugeriu.
 
 Fuellmich explicou no vídeo, que foi removido do YouTube depois de ser visto por centenas de milhares de espectadores em meio a um programa de censura acelerada que visa qualquer dissidência em relação à narrativa oficial do Covid e outras questões importantes:
 
  - “Todos os casos de corrupção e fraude cometidos por corporações alemãs acima mencionados empalidecem em comparação com a extensão dos danos que a crise do coroa causou e continua a causar. Esta crise do coroa, de acordo com tudo que sabemos hoje, deve  ser renomeado como escândalo corona; e os responsáveis ​​por isto devem ser processados ​​criminalmente e processados ​​por danos civis. "
 
 Os juízes alemães já estão se tornando mais céticos em relação à tirania e à suspensão das liberdades constitucionais, disse ele.
 
 Os comparsas do governo que ajudaram a alimentar o pânico para enriquecer também serão alvos. Em particular, os fabricantes dos infames testes de Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) estão na mira. Segundo a inventora do teste, Kary Mullis, que ganhou o Prêmio Nobel de Química pela invenção, por meio do teste de PCR, "se você quiser, você pode encontrar quase tudo, em qualquer pessoa". Mullis também deixou claro que o PCR nunca deve ser usado como ferramenta de diagnóstico para determinar se alguém tem uma infecção viral. Infelizmente, Mullis morreu apenas alguns meses antes da pandemia Covid-19 se espalhar pelo mundo.  No entanto, o CDC e as autoridades alemãs sabem de tudo isto à anos, disse Fuellmich, citando nomes.
 
 Fuellmich, chamando as principais empresas farmacêuticas frequentemente criticadas como "Big Pharma" pelos críticos, disse:
 
  - "De acordo com as regras da responsabilidade civil, todos aqueles que foram prejudicados por esses bloqueios e  induzidos por testes de PCR, têm o direito de receber uma compensação total por suas perdas. Em particular, há um dever de indemnizar, ou seja, um dever de indemnizar os  lucros cessantes sofridos por empresas e trabalhadores autónomos como resultado do bloqueio e outras medidas. "
 
 Além das acções judiciais em andamento no tribunal, Fuellmich e outros membros da ACU alertaram que esforços políticos eram necessários para garantir que abusos e fraudes semelhantes contra a humanidade não pudessem ser cometidos novamente. Na verdade, de acordo com Fuellmich e outros especialistas, a gravidade desses crimes os classifica como "crimes contra a humanidadeconforme definido na Seção 7 do Código Penal Internacional, que foi aprovado por governos de todo o mundo. Apesar da sua aparente imunidade diplomática, Fuellmich  e outros pretendem ir atrás dos funcionários da ONU na Organização Mundial da Saúde, que está nas mãos de Pequim e foi crucial na formulação da resposta global totalitária.
 
 Como documentou o The New American, o escândalo do Covid-19, não é a primeira vez que a OMS faz algo assim.  Durante o surto de gripe suína em 2009, a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (PACE) investigou a OMS por uma "falsa pandemia" para enriquecer as grandes empresas farmacêuticas e seus comparsas. A entidade supranacional concluiu que o manuseio incorrecto da questão por parte da ONU, da União Europeia e dos governos levou ao "desperdício de grandes somas de dinheiro público e a sustos e medos injustificados sobre os riscos para a saúde enfrentados pelo público europeu".
 
 A investigação concluiu que havia "evidências esmagadoras" de que a ONU, influenciada pela indústria farmacêutica, exagerou a gravidade da gripe suína. E não é de surpreender que os fabricantes de vacinas agiram como bandidos, colhendo milhões de dólares dos contribuintes antes de serem expostos, ferindo e mutilando um grande número de pessoas - incluindo centenas de crianças. As vacinas que eles tinham desenvolvido então tiveram que ser destruídas às custas do governo. Fuellmich está bem ciente das semelhanças entre os dois, embora a fraude do C ovid é numa escala muito mais massiva.
 
 Na verdade, fabricações semelhantes, mas mais ultrajantes, parecem estar acontecendo com o Covid. O membro da ACU, Dr. Sucharit Bhakdi, um microbiologista argumentou desde o início que a resposta autoritária do governo ao Covid-19 foi ultrajante:
 
  - "A implementação das actuais medidas draconianas que restringem extremamente os direitos fundamentais, só pode ser justificada se houver motivos para temer que um vírus verdadeiramente e excepcionalmente perigoso esteja nos ameaçando. Existem dados cientificamente sólidos para apoiar esta alegação para o Covid-19? Eu afirm o que a resposta é simplesmente, não. "
 
 Centenas de outros especialistas e médicos também se manifestaram, apenas para serem censurados pelas empresas Big Tech. O YouTube, por exemplo, que é propriedade da mesma empresa do Google, tem censurado todo o conteúdo produzido pelos médicos e especialistas, na linha  com sua política - anunciada publicamente na CNN pela CEO Susan Wojcicki - que nenhuma informação contradizendo a Organização Mundial da Saúde das Nações Unidas seria permitida na plataforma. O YouTube já removeu o vídeo do Dr. Fuellmich, mas está disponível no Bitchute. O Twitter e o Facebook também censuram freneticamente todas as vozes que questionam ou opõem-se à narrativa falsa.
 
 O Dr. Heiko Schöning, um médico que está activamente envolvido no esforço para levar os supostos criminosos do Covid à justiça, foi até preso em Londres por se manifestar - num local especificamente conhecido por ser um lugar para discursos públicos controversos. E na Alemanha, uma proeminente advogada médica, Beate Bahner, foi investigada e então colocada numa enfermaria psiquiátrica por falar veementemente contra as políticas de bloqueio totalitário do governo. As autoridades a encarceraram no que ela descreveu como "Ala de Psiquiatria de Alta Segurança ao estilo de Guantánamo", deixando-a num quarto por uma noite inteira sem banheiro.
 
 Enquanto isto, a mídia cúmplice - muito da qual tem exagerado incessantemente sobre os supostos perigos do coronavírus - ignorou em grande parte a história explosiva sobre o litígio que se aproxima. Curiosamente, a maior parte da imprensa depende dos enormes investimentos em publicidade da Big Pharma para sua existência contínua, algo que incontáveis ​​analistas chamam de conflito de interesses.  Outros conflitos de interesse também existem. Considere o Washington Post, de extrema esquerda, um jornal de propriedade do bilionário participante do Bilderberg [grupo exclusivo só para alguns] e o chefe do Amazon, Jeff Bezos, cuja riqueza e os preços das acções dobraram desde o início das medidas totalitárias apoiadas pelo Washington Post, como os bloqueios do Covid.
 
 Mais do que alguns críticos e especialistas jurídicos apelaram aos americanos e às autoridades dos EUA para abrirem processos contra a ditadura comunista chinesa, que é quase universalmente considerada responsável por desencadear a pandemia na humanidade. [incorrecto, não só o laboratório de Wuhan é financiado por americanos, quem cria estas ilusões mundiais não pertencem a nenhum país, estão muito acima dos governos e eles próprios consideram-se 'internacionais] Fontes dentro da ONU sugeriram ao The New American que tal acção seria não apenas apropriada, mas crucial para responsabilizar o regime de assassinatos em massa, garantindo compensação para milhões de vítimas em todo o mundo. [lembrem-se que quem é dono da patente do covid são os cientistas americanos que são financiados por bilionários como o Bill Gates]
 
 Milhares de americanos já se inscreveram para participar de uma ação colectiva contra Pequim, liderada pelo Berman Law Group, com sede em Miami. A empresa prometeu:
 
-  "buscam bilhões de dólares em indenizações compensatórias para aqueles que sofreram ferimentos pessoais, mortes por negligência, danos materiais e outros danos devido à falha da China em conter o vírus do Covid-19, apesar de sua capacidade de impedir a propagação do vírus em seu início  estágios." [e para quem não sabe, na mesma altura em que começaram se ser ouvidos certos rumores sobre o vírus, em Wuhan ocorreram os "jogos olímpicos militares" no qual vários participantes começaram a queixar-se de sintomas] 
 
Num comunicado anunciando a mudança, o escritório de advocacia também disse que:
 
  - "espera lutar pelos direitos das pessoas e empresas em toda a Flórida e no resto do país, que agora estão ficando doentes ou cuidando de seus entes queridos, lidando com calamidades financeiras e navegando neste novo mundo de pânico e distanciamento social e isolamento."
 
 Resta saber se os tribunais dos EUA poderão responsabilizar o regime financeiramente pela devastação.
 
 À medida que a histeria do Covid continua, apesar da quantidade crescente de evidências de que a tirania foi ineficaz em contê-la e foi prejudicial de inúmeras maneiras, fontes médicas indicaram ao The New American que um Covid-20 ou Covid-21 era uma possibilidade real - e potencialmente muito  mais mortal do que a iteração actual.  Estas mesmas fontes, junto com inúmeros outros médicos ao redor do mundo, sugeriram pública e freqüentemente que a hidroxicloroquina combinada com suplementos de zinco e vitamina C e D podem ser útil para lidar com o Covid.
 
 Mas lidar com tiranos é ainda mais crucial do que lidar com um vírus. Responsabilizar totalitários e mentirosos pela ilegalidade e pelos danos que eles causaram a tantos é absolutamente críticoTirania, mentiras, censura e fomento do medo nunca são uma boa solução. Na realidade, com infecções virais, como com a maioria dos problemas que a humanidade enfrenta hoje, a liberdade é a cura...
 
Traduizido por Luis, desdea Inglaterra.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Artigo Visto: 731

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.797.367
Visitas Únicas Hoje: 712
Usuários Online: 120