recadosdoaarao



Autores
Voltar




25/10/2020
Bispo condena veementemente
As leis a favor das uniões homossexuais são contrárias à justa razão porque conferem garantias jurídicas, análogas às outorgadas ao casamento, às uniões entre pessoas do mesmo sexo.


Bispo Schneider ao Papa Francisco: Pelo Bem de Sua Alma, Retire a Aprovação das Uniões Civis do Mesmo Sexo

23/10/2020

por Edward Pentin

Uniões civis do mesmo sexo e a fé católica

 

A fé católica na voz do Magistério perene, o sentido da fé dos fiéis ( sensus fidelium), bem como o bom senso rejeitam claramente qualquer união civil de duas pessoas do mesmo sexo, união que visa que essas pessoas busquem o prazer sexual uma da outra. Mesmo que as pessoas que vivem em tais uniões não devam se envolver em prazer sexual mútuo - o que na realidade tem se mostrado bastante irrealista - tais uniões representam um grande escândalo, um reconhecimento público dos pecados de fornicação contra a natureza e uma contínua ocasião próxima ao pecado.

 

 Os que defendem as uniões civis homossexuais são, portanto, também culpados de criar uma espécie de estrutura do pecado, neste caso a estrutura jurídica da fornicação habitual contra a natureza, já que os atos homossexuais pertencem aos pecados que clamam ao céu, como o Catecismo do A Igreja Católica diz (ver n. 1867).

Todo verdadeiro católico, todo verdadeiro sacerdote católico, todo verdadeiro bispo católico deve, com profunda tristeza e um coração choroso, lamentar e protestar contra o fato inaudito de que o Papa Francisco, o Pontífice Romano, o sucessor do apóstolo Pedro, o Vigário de Cristo na terra , proferida no documentário “Francesco”, que estreou em 21 de outubro 2020, como parte do Festival de Cinema de Roma, seu apoio às uniões civis do mesmo sexo.

 Tal apoio do papa significa apoio para uma estrutura de pecado, para um estilo de vida contra o sexto Mandamento do Decálogo, que foi escrito com os dedos de Deus em mesas de pedra no Sinai (ver Êxodo 31:18) e entregue pelas mãos dos anjos aos homens (ver Gal. 3:19).

 

O que Deus escreveu com a mão, nem mesmo um papa pode apagar nem reescrever com a mão ou com a língua. O Papa não pode se comportar como se fosse Deus ou uma encarnação de Jesus Cristo, modificando estas palavras do Senhor: “Ouvistes que foi dito: 'Não cometerás adultério.' Mas eu digo a você que todo aquele que olha para uma mulher com intenção lasciva, já cometeu adultério com ela em seu coração. ” (Mt 5: 27-28) e em vez disso diga, mais ou menos, o seguinte: “Ouvistes que foi dito: 'Não cometerás adultério', 'se um homem se deitar com um varão como se fosse uma mulher, ambos cometeram abominação' (Lv 20:13), 'homens que praticam a homossexualidade não herdará o reino de Deus '(1 Cor. 6: 9); 'a prática da homossexualidade é contrária à sã doutrina' (1 Timóteo 1:10).

 

Mas eu digo a você que para as pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo “temos que criar uma lei da união civil. Dessa forma, eles estão legalmente cobertos ”.

Cada Pastor da Igreja e o Papa acima de tudo devem sempre lembrar aos outros estas palavras sérias de Nosso Senhor: 

 

“Quem põe de lado um dos menores destes mandamentos e ensina os outros em conformidade, será chamado o menor no reino dos céus” (Mt . 5:19). Todo papa deve levar muito a sério o que o Concílio Vaticano I proclamou: “O Espírito Santo não foi prometido aos sucessores de Pedro que por Sua revelação eles poderiam tornar conhecida uma nova doutrina, mas que por Sua assistência eles poderiam manter inviolável e fielmente expor a Revelação, o Depósito da Fé, entregue por meio dos Apóstolos ”. (Constituição dogmática Pastor aeternus , cap. 4).

 

A defesa de uma união legal para que um estilo de vida contra o explícito mandamento de Deus, contra a natureza humana e contra a razão humana seja legalmente amparado, é uma nova doutrina, que “costura almofadas sob cada cotovelo e faz almofadas para a cabeça das pessoas” (Ez. 13:18), uma nova doutrina que “perverte a graça de nosso Deus em prazer sexual” (Judas 4), uma doutrina que é evidentemente contra a Revelação Divina e o ensino perene da Igreja de todos os tempos. Tal doutrina maquina o pecado e, portanto, é uma medida muito antipastoral.

 

Promover um estilo de vida jurídico de pecado vai contra o cerne do próprio Evangelho, uma vez que as pessoas em união de mesmo sexo por meio de seus atos sexuais ofendem gravemente a Deus. Nossa Senhora de Fátima fez o apelo maternal a toda a humanidade para que deixasse de ofender a Deus, que já se ofendeu demais.

A seguinte voz do Magistério ecoa fielmente a voz de Jesus Cristo, Nosso Divino Mestre, a Verdade Eterna e a voz da Igreja e dos papas de todos os tempos:

•“A lei civil não pode contradizer a razão correta sem perder sua força vinculante na consciência.” (cf. João Paulo II, Encíclica Evangelium vitae , 72).

•“As leis a favor das uniões homossexuais são contrárias à justa razão porque conferem garantias jurídicas, análogas às outorgadas ao casamento, às uniões entre pessoas do mesmo sexo.

 

 Dados os valores em jogo nesta questão, o Estado não poderia conceder legitimidade a tais uniões sem deixar de cumprir seu dever de promover e defender o casamento como instituição essencial para o bem comum ”(Congregação para a Doutrina da Fé, Considerações sobre propostas para dar reconhecimento legal às uniões entre pessoas homossexuais , n. 6)

 

•“Pode-se perguntar como uma lei pode ser contrária ao bem comum se não impõe nenhum tipo particular de comportamento, mas simplesmente dá reconhecimento legal a um fato realidade que não parece causar injustiça a ninguém.

 

Nesta área, é preciso primeiro refletir sobre a diferença entre o comportamento homossexual como fenômeno privado e o mesmo comportamento como relação em sociedade, previsto e aprovado em lei, a ponto de se tornar uma das instituições do ordenamento jurídico .

 

•Este segundo fenômeno não só é mais grave, mas também assume uma influência mais ampla e profunda, e resultaria em mudanças em toda a organização da sociedade, contrárias ao bem comum. As leis civis são princípios estruturantes da vida do homem em sociedade, para o bem ou para o mal. Eles “desempenham um papel muito importante e às vezes decisivo em influenciar os padrões de pensamento e comportamento”. 

Estilos de vida e as pressuposições subjacentes que eles expressam não apenas moldam externamente a vida da sociedade, mas também tendem a modificar a percepção e avaliação da geração mais jovem de formas de comportamento. O reconhecimento legal de uniões homossexuais obscureceria certos valores morais básicos e causaria uma desvalorização da instituição do casamento. ” (ibid.)

•“As relações sexuais são humanas quando e na medida em que expressam e promovem a ajuda mútua dos sexos no casamento e estão abertas à transmissão de uma nova vida.” (ibid., n. 7)

•“Ao colocar as uniões homossexuais em um plano jurídico análogo ao do casamento e da família, o Estado age arbitrariamente e em contradição com seus deveres.” (ibid., n. 8)

 

•“A negação do estatuto social e jurídico do casamento a formas de coabitação que não são e não podem ser conjugais não se opõe à justiça; pelo contrário, a justiça o exige. Existem boas razões para sustentar que tais sindicatos são prejudiciais ao desenvolvimento adequado da sociedade humana, especialmente se seu impacto na sociedade aumentasse. ” (ibid.)

 

•“Seria gravemente injusto sacrificar o bem comum e as leis justas da família para proteger os bens pessoais que podem e devem ser garantidos de forma a não prejudicar o corpo da sociedade” (ibid., N. 9)

•Sempre há "o perigo de que a legislação que faria da homossexualidade uma base para direitos possa realmente encorajar uma pessoa com orientação homossexual a declarar sua homossexualidade ou mesmo a procurar um parceiro para explorar as disposições da lei" (Congregação para a Doutrina of the Faith, Algumas considerações sobre a resposta às propostas legislativas sobre a não discriminação de homossexuais , 24 de julho de 1992, n. 14)

Todos os católicos, sejam leigos fiéis como crianças, como rapazes e moças, como pais e mães de família, ou como pessoas consagradas, como freiras de clausura, como padres e como bispos, estão inviolavelmente mantendo e “lutando pela fé que foi entregue de uma vez por todas aos santos ”(Judas 3), e que por isso são desprezados e marginalizados na vida da Igreja de nossos dias, devem chorar e clamar a Deus que, pela poderosa intercessão do Imaculado Coração de Maria, que em Fátima disse que as pessoas deveriam deixar de ofender a Deus, que já está muito ofendido, o Papa Francisco pode converter e retirar formalmente a sua aprovação às uniões civis do mesmo sexo, a fim de confirmar os seus irmãos, como o Senhor ordenou a ele (ver Lucas 22:32).

 

Todos esses pequeninos na Igreja (crianças, rapazes, moças, pais e mães de família, freiras de clausura, padres, bispos) certamente diriam ao Papa Francisco: Santíssimo Padre, pela salvação de sua própria alma imortal, pelo bem das almas de todas aquelas pessoas que através da sua aprovação das uniões do mesmo sexo estão por seus atos sexuais ofendendo gravemente a Deus e expondo suas almas ao perigo de serem eternamente perdidas, converta-se, retire sua aprovação e proclame com todos os seus predecessores o seguinte ensinamento imutável da Igreja:

“A Igreja ensina que o respeito pelas pessoas homossexuais não pode levar de forma alguma à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal das uniões homossexuais.” (Congregação para a Doutrina da Fé, Considerações sobre propostas para dar reconhecimento legal às uniões entre homossexuais , n. 11)

 

“O reconhecimento legal das uniões homossexuais ou colocá-las no mesmo patamar do casamento significaria não só a aprovação de comportamentos desviantes, com a consequência de torná-los um modelo na sociedade atual, mas também obscureceria valores básicos que pertencem a comum herança da humanidade. 

 

A Igreja não pode deixar de defender estes valores, para o bem dos homens e das mulheres e para o bem da própria sociedade ”. (ibid., n. 11)

Pela incrível aprovação das uniões do mesmo sexo por meio do papa, todos os verdadeiros filhos da Igreja se sentem órfãos, não mais ouvindo a voz clara e inequívoca do Papa, que deveria inviolável manter e expor fielmente a Revelação, o Depósito da Fé, entregue por meio dos apóstolos.

 

Os verdadeiros filhos da Igreja de nossos dias podem usar estas palavras do Salmo 137, dizendo: Nos sentimos como se estivéssemos no exílio, junto aos rios da Babilônia, chorando ao lembrar de Sião, ao lembrar o ensino luminoso e cristalino dos papas, de nossa Santa Madre Igreja.

 

 No entanto, acreditamos inabalavelmente nas palavras de Nosso Senhor, que as portas do inferno não prevalecerão contra a Sua Igreja. O Senhor virá, mesmo que venha tarde, apenas na quarta vigília da noite, para acalmar a tempestade dentro da Igreja, para acalmar a tempestade dentro do papado de nossos dias, e Ele dirá: “Coragem; sou eu. Não tenha medo. Ó você de pouca fé, por que você duvidou?

 

 E quando eles entraram no barco, o vento cessou. ” (Mt 14, 27; 32-33) Nosso Senhor dirá também ao Papa Francisco: “Pois que aproveita ao homem se ganhar o mundo inteiro? e sofre a perda da própria alma? Ou que troca o homem dará por sua alma? Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai com os seus anjos: e então ele retribuirá a cada homem segundo as suas obras. ” (Mt. 16: 26-27); e Nosso Senhor dirá além do Papa Francisco: “Rezei para que a tua fé não desfaleça; e que, uma vez convertido, você deve fortalecer seus irmãos ”(Lucas 22:32)

22 de outubro de 2020

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria de Astana

Fonte:https://edwardpentin.co.uk/bishop-schneider-to-pope-francis-for-sake-of-your-soul-retract-approval-of-same-sex-civil-unions/


Artigo Visto: 268

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.797.356
Visitas Únicas Hoje: 701
Usuários Online: 123