recadosdoaarao



Autores
Voltar




25/10/2020
Carta aberta dos médicos
Leiam com atenção, a verdade sobre esta falsa pandemia. A máscara além de completamente inócua e muito prejudicial está sendo exigida como forma de subserviência, de obediência ao poder que vem dos infernos. Aqui a verdade!


"Aliança Mundial de Médicos: Carta Aberta ao Governo do Reino Unido, Governos Mundiais e Cidadãos do Mundo"
 
 
 Aliança Mundial de Médicos - World Doctors Alliance
 
Somos uma aliança independente sem fins lucrativos de médicos, enfermeiras, profissionais de saúde e equipes em todo o mundo que se uniram na sequência do capítulo de resposta ao Covid-19 para compartilhar experiências com o objectivo de acabar com todos os bloqueios e medidas prejudiciais relacionadas a ele, e para repor/estabelecer a determinação universal de saúde do bem estar psicológico e físico para toda a humanidade.
 
 Introdução
 
 Fomos informados inicialmente que a premissa para o bloqueio era 'achatar a curva' e, portanto, proteger os hospitais de serem sobrecarregados.
 
 É claro que em nenhum momento o Serviço Nacional de Saúde (NHS) correu o risco de ser sobrecarregado, e desde maio de 2020, enfermarias secretas estão praticamente vazias [ chamam-lhes 'secreta s' porque os meios de comunicação socisl não querem revelar esta realidade ao público]; e crucialmente o número de mortos permaneceu extremamente baixo
 
 Agora temos centenas de milhares dos chamados 'casos', 'infecções' e 'testes positivos', mas quase nenhuma pessoa está doente. Lembre-se de que quatro quintos (80%) das 'infecções' são assintomáticasAs enfermarias do Covid estiveram praticamente vazias ao longo de junho, julho, agosto e setembro de 2020. Mais importante ainda, as mortes estão em um nível mais baixo. É claro que estes 'casos' na verdade não são 'casos', mas sim pessoas normais e saudáveis.
 
 Os chamados casos assintomáticos nunca na história das doenças respiratórias foram o motor da propagação da infecção. Em vez disso, são pessoas sintomáticas que espalham infecções respiratórias - não pessoas assintomáticas.
 
 Também é bastante claro que a 'pandemia' basicamente acabou e isto desde junho de 2020.
 
 Muito provavelmente atingimos a imunidade colectiva, e portanto, não precisamos de uma vacina.
 
 Temos tratamentos seguros e muito eficazes e tratamentos preventivos para o covid, portanto pedimos o fim imediato de todas as medidas de bloqueio, distanciamento social, uso de máscaras, testes a indivíduos saudáveis, rastreamento, passaportes de imunidade, programa de vacinação e assim por diante.
 
 Houve um catálogo de políticas não científicas e sem sentido promulgadas que infringem os nossos direitos inalienáveis, tais como - liberdade de movimento, liberdade de expressão e liberdade de reuniãoEstas medidas totalitárias e draconianas nunca devem ser repetidas.
 
 Confinamento
 
 O Covid provou ser menos mortal do que temporadas de gripe anteriores - Houve 50.100 mortes por gripe de dezembro de 2017 a março de 2018 na Inglaterra e no País de Gales. Houve 80.000 mortes por gripe em 1969. Até o momento, temos cerca de 42.000 mortes relacionadas à covid no Reino Unido.
 
 Nunca antes fechamos a sociedade por causa de um vírus respiratório.
 
 A base para o bloqueio foi um modelo matemático [e portanto não médico] do professor Neil Ferguson. A sua modelagem, que previu meio milhão de mortes no Reino Unido, foi totalmente condenada como inadequada. Os seus números estimados de mortes estavam claramente errados por um fator de 10 ou 12 vezes.
 
 A modelagem do professor Ferguson nem foi mesmo revisada por pares antes de ser aplicada por várias nações.  Epidemiologistas eminentes como o professor Gupta da Universidade de Oxford foram ignorados, eles estimaram que a contagem de mortes seria muito menor no Reino Unido.
 
 O professor Ferguson tem uma longa história de modelagem lamentável - ele estava totalmente errado sobre o SARS, o MERS, a doença da vaca louca (CJD) e a gripe suína. Por que o mundo o ouviu novamente? 
 
 Os países que não bloquearam a Suécia, Japão, Taiwan, Coreia do Sul e Bielo-Rússia tiveram um desempenho significativamente melhor do que nós em termos de porcentagem de mortes da população. Eles também têm imunidade de rebanho e economias intactas.
 
 O bloqueio não salvou vidas, e isto foi publicado no Lancet '... em nossa análise, os bloqueios completos e os testes de COVID-19 generalizados não foram associados a reduções no número de casos críticos ou mortalidade geral.' 
 
 A grande maioria das mortes ocorreu em idosos e pessoas muito idosas.
 
 A grande maioria das mortes ocorreu em pessoas com graves problemas de saúde pré-existentes, como o c ancro, doenças cardiovasculares, Alzheimer, diabetes, etc.
 
 O Covid representa um risco praticamente zero para menores de 45 anos, que têm mais chance de serem atingidos por um raio do que de morrer do Covid.
 
 O Covid representa um risco muito pequeno para menores de 60 anos saudáveis, que têm maior chance de afogamento acidental do que de morrer do Covid.
 
 A nação inteira foi essencialmente colocada em prisão domiciliar. Nunca isolamos os saudáveis ​​antes.
 
 Isolar os doentes e os imunocomprometidos faz sentido.  Isolar os saudáveis ​​tem dificultado o estabelecimento da imunidade colectiva e não faz sentido.
 
 Para colocar em perspectiva, tivemos 115.000 mortes relacionadas ao tabagismo no Reino Unido em 2015, em comparação com as 42.000 mortes por covid.
 
 Normalmente temos cerca de 600.000 mortes todos os anos no Reino Unido, cerca de 1600 mortes por dia.
 
 Danos colaterais - a cura é pior que o vírus
 
 Colocar o público sob prisão domiciliar virtual causou danos incalculáveis ​​à saúde física e mental.
 
 Ventilar pacientes em vez de oxigena-los provou ser uma política mortal e uma falha injustificadaA ventilação resultou em muitas mortes desnecessárias.
 
 O envio de pessoas infectadas de hospitais para lares de idosos colocou os idosos sob um risco desnecessário e resultou em muitas mortes desnecessárias.
 
 As ordens de Blanket Do Not Resuscitate (DNR) [não ressuscitar] foram impostas a milhares de pessoas sem o seu consentimento nem o consentimento de suas famílias - isto é ilegal e imoral e leva a mortes desnecessárias em lares de idosos.
 
 Os hospitais tornaram-se centros essencialmente 'cobiçosos' ['cobiçosos' pois hospitais recebem mais dinheiro se tiverem pacientes do covid, se as certidões de óbito forem covid], um grande número de pacientes foi deliberadamente negligenciado, resultando em muitos milhares de mortes desnecessárias.
 
 O relatório do próprio governo estima que cerca de duzentas mil (200.000) pessoas morrerão como resultado directo do bloqueio - não do vírusHospitais sendo fechados, suicídio e pobreza resultarão em mais mortes do que o vírus.
 
 A cura é pior do que a doença!
 
 Certificados de Óbito 
 
 A maioria das pessoas que morreram tinham doenças significativas, como Alzheimer, cancro, doenças cardiovasculares e diabetes.
 
 Contar atestados de óbito com uma 'menção' de cobiça como sendo uma morte causada por covid, é uma grosseira deturpação dos factos e tem exagerado enormemente o número de mortos.
 
 As regras para a assinatura de certidões de óbito foram alteradas ,exclusivamente cobertas pelo Coronavirus 2020 Act.
 
 Os médicos nem precisam ter visto fisicamente o paciente para assinar a certidão de óbito.
 
 A lei foi alterada para eliminar a necessidade de um certificado médico confirmatório para as cremações.
 
 As autópsias foram virtualmente proibidas, sem dúvida levando a diagnósticos errados da verdadeira causa das mortes; e também reduzindo nossa compreensão da própria doença.
 
 Pior ainda, funcionários de lares de idosos que em grande parte não têm treinamento médico, podem dar uma declaração quanto à causa da morte.
 
 O Covid foi colocado nos atestados de óbito meramente sob "suspeita" de que as pessoas fossem cobiçosas. Isto pode muito bem ser ilegal, pois é um crime falsificar certidões de óbito.
 
 Pessoas que morrem dentro de 28 dias de um teste de PCR positivo são consideradas mortas de cobiça, mesmo que morram em um acidente de carro ou de um ataque cardíaco;  claramente inflando o número de mortes.
 
 Ruína Económica
 
 Os relatórios estimam agora que cerca de seis milhões e meio (6.500.000) de pessoas no Reino Unido perderão seus empregos como resultado do bloqueio.
 
 É bem sabido que a pobreza afecta adversamente a saúde, podemos esperar ver muitas pessoas sofrendo com problemas de saúde, e resultando em muitas mortes prematuras, como resultado direto do bloqueio.
 
 Censura
 
 O governo agiu maliciosamente ao censurar médicos, enfermeiras e funcionários do NHS. As pessoas têm todo o direito de ouvir o que se passa nos hospitais, e a classe médica tem o dever de cuidar do público e tranquilizá-lo.
 
 A profissão médica não foi autorizada a deixar o público saber que as enfermarias estiveram vazias por meses, nem que as mortes atingiram um nível mais baixo em meses, e isto tem desnecessariamente adicionado angústia e ansiedade no público.
 
 Médicos e cientistas com visões diferentes da narrativa do governo tiveram os seus vídeos e artigos removidos da internet.
 
 Teste - Falsos Positivos
 
 A precisão dos testes de PCR não pode ser verificada, pois não existe um "padrão ouro" para verificá-losO vírus não foi isolado e purificado. [identificado]
 
 Os testes de PCR não podem detectar cargas virais e estão sujeitos a falsos positivos.
 
 Um teste de PCR positivo não significa que um indivíduo está infectado ou que puderá infectar outros.
 
 Na verdade, aproximadamente 90% dos 'casos' positivos para PCR são falsos positivos. Portanto não temos uma segunda onda e nenhuma pandemia.
 
 O relatório do governo estima uma taxa de falsos positivos entre 0,8 a 4,0% usando dados de outras infecções virais - não do Covid.
 
 Fragmentos virais podem permanecer no corpo das pessoas por várias semanas após a recuperação da infecção.
 
 A crise nunca vai acabar se esperarmos zero testes positivos.  Todo o mundo provavelmente já teve um resfriado causado por um coronavírus, e provavelmente terá alguns fragmentos virais que correspondem aos do vírus primo SARS-CoV-2. [daí que se forem testadas, o resultado será um falso positivo - mas que será incluída nos números oficiais, criando está ilusão de muitos 'casos']
 
 Testar indivíduos saudáveis ​​assintomáticos não faz sentido, não é científico e é um desperdício colossal de dinheiro. O programa de testes diários do governo para a lua vai custar £100 bilhões, aproximadamente dois terços do orçamento anual do NHS.
 
 O teste de anticorpos não é o padrão ouro, pois muitas pessoas têm imunidade de células T e os anticorpos podem não circular após a recuperação da infecção.
 
 Hidroxicloroquina
 
 A droga Hidroxicloroquina (HCQ) foi injustamente apelidada de controversa pela OMS, CDC, NIH e pela mídia.
 
 No entanto, o HCQ tem apoio muito firme de, entre outros: o epidemiologista Professor Harvey Risch de Yale, a Associação de Médicos e Cirurgiões AmericanosMédicos da Linha da Frente, o Sistema de Saúde de Henry Ford e o Professor Didier Raoult, microbiologista e especialista em doenças infecciosas - para citar só alguns. 
 
 O Lancet foi até forçado a retirar um estudo sobre HCQ depois que foi revelado pelo jornal Guardian que eles foram completamente fabricados. Mesmo após esta revelação surpreendente, o HCQ ainda era proibido na maioria dos países.
 
 O HCQ de acordo com AAPS tem uma taxa de cura de noventa por cento (90%) quando administrado precocemente e junto com o zinco.
 
 HCQ é mais seguro do que muitos medicamentos sem receita, como aspirina, Benadryl e Tylenol.
 
 A AAPS também aponta que nunca houve uma 'vacina' tão segura quanto a HCQ.
 
 O HCQ foi licenciado por mais de sessenta anos e tem sido usado com segurança por bilhões de pessoas em todo o mundo. Existe um risco muito pequeno de arritmia, que é facilmente monitorizado.
 
 Por que HCQ foi banido então? Será que não há lucros enormes com esse medicamento não patenteado?
 
 HCQ foi usado com grande efeito no surto Sars1 de 2005.
 
 Em suma, se o HCQ estivesse disponível, não teria ocorrido uma pandemia!
 
 Prevenção
 
 Medidas preventivas como hidroxicloroquina ou vitaminas D, C e zinco deveriam ser recomendadas ao público.
 
 O tratamento precoce com calcifediol (25-hidroxivitamina D) para pacientes hospitalizados com o COVID-19 reduziu significativamente as admissões à unidade de terapia intensiva.
 
 Vitamina D reduz a gravidade da Covid.
 
 Isolamento voluntário dos frágeis - se assim o desejarem; em combinação com medidas preventivas teria sido uma estratégia muito melhor. O resto da sociedade poderia e deveria ter continuado normalmente.
 
 Vacina
 
 Uma vacina desenvolvida apressada não é do interesse do público
 
 Livrar de indemenizações os fabricantes de vacinas contra todas as responsabilidades claramente que também não é do melhor interesse do público.
 
 Conflitos de interesse
 
 O diretor científico, Sir Patrick Vallance, possui £600.000 em ações da GSK Glaxo Smith Klein. Nos últimos anos, ele vendeu 5 milhões de libras em ações da GSK, as quais "ganhou" enquanto era chefe da GSK.
 
 Sir Chris Whitty, Director Médico do Reino Unido, aceitou mais de £30 milhões em financiamento da Fundação Bill e Melinda Gates para estudar vacinas contra a malária.
 
 Ficou claro que os membros da SAGE, Public Health England (PHE), Organização Mundial da Saúde (OMS), Center for Disease Control (CDC), National Institute for Health (NIH), etc, têm muitos conflitos de interessesTodos eles aceitam 'doações' muito grandes da indústria farmacêutica e de vacinas. Estes conflitos de interesses podem ter corrompido efectivamente a sua integridade.
 
 Também está claro que os governos são fortemente pressionados pela indústria farmacêutica e pela indústria de vacinas, mais uma vez, isto pode ter comprometido a sua integridade.
 
 Cui Bono?  Quem beneficia?
 
 Os fabricantes de vacinas ganharão trilhões com isto, assim como rastrearão os fabricantes, e a indústria farmacêutica poderá ganhar trilhões com testes.
 
 O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou que o novo teste 'moon shot' custará £100 bilhões, aproximadamente dois terços do orçamento anual do NHS.
 
 Certamente estas vastas somas seriam muito mais bem gastas no tratamento de todos os pacientes que foram deliberadamente negligenciados durante o confinamento e que agora enfrentam enormes listas de espera.
 
 Conclusões
 
 Temos tratamentos e medicamentos preventivos eficazes e seguros para o covid, portanto, não há necessidade de quaisquer restrições de bloqueio e medidas associadas. A pandemia basicamente acabou, como pode ser visto pela baixa taxa de mortalidade e internações hospitalares nos últimos quatro meses.
 
 Exigimos a cessação imediata e permanente de todas as medidas de bloqueio.
 
 Os bloqueios não salvam vidas, por isso nunca antes foram usados. As liberdades civis e as liberdades fundamentais foram desnecessariamente removidas do público e isto nunca deve acontecer novamente.
 
 Medidas preventivas, como hidroxicloroquinavitamina Cvitamina D e zinco, devem ser disponibilizadas ao público.
 
 O isolamento deve ser voluntárioAs pessoas são perfeitamente capazes de fazer sua própria avaliação dos riscos e devem ser livres para conduzir suas vidas como quiseremAs pessoas devem ter o direito de escolher se desejam isolar ou não.
 
 Da mesma forma, as empresas devem ter o direito de permanecer abertas, se assim o desejarem.
 
 Exigimos que médicos, enfermeiras, cientistas e profissionais de saúde que tenham liberdade de expressão e nunca mais sejam censurados.
 
 O professor Mark Woolhouse, epidemiologista e especialista em doenças infecciosas, membro do Scientific Pandemic Influenza Group on Behaviors, que assessora o governo, afirmou que:
 
 'O confinamento foi um desastre monumental em escala globalA cura foi pior do que a doença.'
 
 “Nunca mais quero ver o bloqueio nacional. Sempre foi uma medida temporária que simplesmente atrasou o estágio da epidemia que agora vemos. Fundamentalmente isto nunca mudaria nada, por mais baixo que reduzíssemos o número de casos, '
 
 'Nós absolutamente nunca devemos retornar a uma posição onde as crianças não possam brincar ou ir à escola.'
 
 'Acredito que o bloqueio de danos está causando à nossa educação, acesso à saúde e aspectos mais amplos da nossa economia e sociedade serão pelo menos tão grandes quanto os danos causados ​​pelo Covid-19.'
 
 A World Doctors Alliance concorda totalmente com as afirmações do Prof Woolhouse, ele está certo! Nunca devemos ter confinamentos novamente!
 
 NB, o termo 'Covid' foi usado para representar o Sars-CoV-2 e o Covid-19.
 
 ASSINADO POR:
 
 DR MOHAMMAD ADIL
 
 PROFESSORA DOLORES CAHILL
 
 DR.  R. ZAC COX, BDS
 
 DR.  HEIKO SCHÖNING
 
 DR.  ANDREW KAUFMAN, M.D
 
 DR.  SCOTT JENSEN, M.D
****************************************
 
"Médicos de Toronto: bloqueios mais prejudiciais do que COVID para jovens"
 
 
TORONTO, ON, 21 de outubro de 2020 (LifeSiteNews) - Quatro médicas canadenses acrescentaram suas vozes a milhares de profissionais médicos que se opõem às políticas de resposta do COVID-19 vigentes no oeste e em todo o mundo.
 
 Os autores que se identificam como mães, pais, filhos e médicos que cuidam de pacientes com coronavírus, sugerem num artigo no Toronto Sun, que as políticas governamentais aparentemente destinadas a mitigar os efeitos perigosos deste vírus, estão na verdade “causando danos irreparáveis,  incluindo mais mortes para nossos filhos. ”
 
Num ambiente onde "muitas escolas não oferecem serviço em tempo integral" e "quase todas as universidades oferecem apenas aulas online", escrevem esses médicos, "é com crescente aflição que observamos os tomadores de decisão canadenses desprezar o  necessidades legítimas de nossos jovens. ”
 
 Com um tom de cuidado maternal, eles enfatizam que estão escrevendo “por amor e para lembrar a todos” da sua responsabilidade de criar “uma sociedade que valorize a saúde de todos, e especialmente ... dos jovens”, que como pais, eles “comprometeram "suas" vidas para criar e proteger."
 
 Focando nos dados, os médicos afirmam “que os jovens não estão sob risco do COVID-19”. Como exemplo, eles oferecem que “a gripe ceifou a vida de 10 crianças no Canadá com menos de 10 anos durante a temporada de gripe 2018-19. Em comparação, o COVID-19 foi associado a duas mortes menores de 20 anos e nove mortes entre aqueles entre 20 e 29 anos. Além disso, não está claro quantas dessas mortes foram devido ao COVID, em vez de devido a outra causa com COVID  como um achado incidental. ”
 
 “Na verdade, o risco de morrer do COVID para os jovens é centenas de vezes menor do que morrer de outras coisas”, incluindo as condições causadas pela resposta política ao vírus, afirmam.
 
 Com o "aumento do sofrimento associado à perda de estrutura social e oportunidade educacional", os médicos apontam que o número de suicídios e overdoses de opioides, apenas para citar dois exemplos que  "deverá aumentar substancialmente".
 
 “Mesmo um aumento de 1% no suicídio significaria mais 40 mortes em jovens, o que é mais quatro vezes o que o Covid mata" , afirmam.
 
“Em junho de 2020, mais jovens canadenses morreram num mês de overdoses de opioides do que em toda a província de B.C.  (British Columba) de COVID-19 ”, dizem eles .
 
 Os médicos destacam ainda que as políticas de bloqueio resultaram na incapacidade de muitos de acessar cuidados médicos, bem como outras consequências, como o aumento da "ansiedade e depressão" devido ao "isolamento" e "problemas económicos".
 
 Enquanto no Canadá, "cerca de 80% das mortes por COVID-19 ocorreram em lares de idosos", os autores rejeitam o argumento de que restrições impostas aos jovens são necessárias para evitar que infecções se espalhem "para os idosos, causando mortes".  Estas situações podem ser facilmente evitadas, dizem eles, "melhorando o atendimento em lares de idosos, garantindo que as pessoas evitem visitar os idosos quando estiverem doentes e garantindo que aqueles que cuidam deles tenham segurança suficiente para que não sejam incentivados a trabalhar enquanto estiverem doentes".
 
 “Não há razão para que não possamos garantir que nossos filhos tenham o que precisam, ao mesmo tempo em que fornecemos excelente atendimento aos mais velhos”, concluem.
 
 Em vez disso, propõem que “façamos as duas coisas, garantindo financiamento adequado para o cuidado dos idosos e considerando cuidadosamente como é importante garantir a saúde mental, física e emocional” dos jovens.
 
 Estes médicos juntam-se a um consenso crescente de cientistas e profissionais médicos e de saúde pública que se manifestam contra as abordagens predominantes nas políticas de resposta do COVID-19Dezenas de milhares de tais profissionais assinaram a Declaração do Grande Barrington, lançada no início deste mês.
 
 A Declaração expressa “sérias preocupações sobre os impactos prejudiciais à saúde física e mental das políticas COVID-19 vigentes” e recomenda uma abordagem à qual se referem como “Proteção Focada”.
 
 Como nossos quatro médicos acima, "Proteção Focada" enfatiza a vigilância na proteção dos vulneráveis, especialmente os idosos, e pede que "aqueles que estão sob risco mínimo de morte vivam suas vidas normalmente para desenvolver imunidade ao vírus ... enquanto melhor  protegendo aqueles que estão em maior risco. ”
 
 A declaração enfatiza que as políticas de bloqueio estão, entre outras coisas, produzindo “piores resultados das doenças cardiovasculares, menos exames de cancro e deterioração da saúde mental”. A declaração prossegue dizendo que é "uma grave injustiça" manter as crianças fora da escola porque para eles, "oCovid é menos perigoso do que muitos outros males, incluindo a gripe."
 
Se os links não abrirem, copiem cada um e colem no Google...
 
 
 
 
 Enviado por Luis Rodrigues Coelho


Artigo Visto: 530

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.797.377
Visitas Únicas Hoje: 722
Usuários Online: 118