recadosdoaarao



Autores
Voltar




04/04/2020
Igreja prisioneira do medo
Obedecer às autoridades civis é um dever, se elas forem legítimas e não forem contrárias à fé. Mas deve-se antes obedecer a Deus, que aos homens. E Ele não manda fechar igrejas!


Postado no Daily Compass.

A entrada "Messori: "A Igreja 'em saída' agora está enraizada no medo" foi publicada pela primeira vez no InfoVaticana.

"É verdade que existem padres capazes de gestos heroicos, mas são iniciativas pessoais, não há a mobilização do clero que caracterizou a Igreja durante outras pragas". "Em vez disso, temos a percepção de uma igreja entrincheirada; as portas que fecham a praça de São Pedro são emblemáticas." "O fechamento de Lourdes? Doeu muito, é a primeira vez na história, mas eu entendo que há um risco real, você não pode desafiar a Deus." “Obedecer às autoridades civis é um dever, se elas forem legítimas e não forem contrárias à fé; mas isso não significa que, sob certas condições, as Missas não possam ser celebradas ”.

Essas são algumas das opiniões do escritor católico mais conhecido do mundo, Vittorio Messori, sobre a Igreja na era do coronavírus.

"Não estou chocado que a Igreja siga as disposições do governo, o que acho que falta é o que a Igreja sempre fez durante as pragas: mobilizar suas tropas". Vittorio Messori, o escritor católico mais conhecido do mundo, aquele que redescobriu a apologética, dá seu ponto de vista sobre o assunto da Igreja na época do coronavírus e sobre o paradoxo do que se pretendia ser uma “Igreja que sai às ruas e às praças ”e hoje parece, na sua totalidade, uma“ Igreja entrincheirada”, assustada, “mesmo que não faltem testemunhos pessoais”, acrescenta Messori.

- Lembremo-nos da imagem de Frei Cristóforo no Lazzaretto, junto com as vítimas da peste, com quem ele morre desta doença. É uma imagem forte de Manzoni no livro "Os noivos", um clássico da literatura italiana. Você gostaria que todos os padres fossem assim?

- Não se pode afirmar que todos os padres são como o frade da memória de Manzoni, mas Fray Cristóforo é o emblema de uma Igreja que sempre se comportou da mesma maneira durante as pragas de todos os tempos. Em outras palavras, ele enviou seus homens entre as vítimas da peste para tentar ajudá-los, ajudá-los durante a morte, confessá-los pela última vez. Certamente, pode-se dizer que os tempos mudaram, que não é mais o tempo do irmão Cristóforo, mas o fato é que, na história em que essas epidemias eclodiram, o clero sempre se mobilizou e muitos deles morreram.

Não foi um desafio para Deus, mas a consciência de uma missão, a Igreja se distinguiu por seu testemunho, ela se lançou para tentar aliviar um pouco o sofrimento das pessoas afetadas. Isso não significa que muitos padres vivam assim hoje, várias dezenas também morreram, embora não saibamos como, mas esses atos de heroísmo são iniciativas bastante pessoais do clero. Pelo contrário, há a percepção de uma Igreja assustada, com bispos e padres seguros em suas casas.

- Também a suspensão apressada de missas com público e a desordem das igrejas que foram fechadas e depois reabertas, e, de qualquer forma, a fraqueza em pedir acesso livre, respeitando as medidas de segurança, dá a idéia de uma "Igreja em retirada".

Numa coisa gostaria de ser claro. Não esqueçamos que São Paulo diz que as autoridades devem ser obedecidas sempre que legítimas e quando suas ordens não são contrárias à fé. Obedecer às autoridades legítimas é um dever para nós. Portanto, algumas medidas podem ser discutidas, mas é preciso obedecer, também neste caso. No entanto, isso não significa que, precisamente de acordo com as instruções do governo, em muitos casos as missas não possam ser celebradas com o povo, levando em consideração todas as medidas de segurança, que obviamente devem ser garantidas. Existem igrejas que têm grandes átrios, e com as portas abertas e os alto-falantes, junto com pessoal organizado que controla as pessoas de fora, não é difícil organizar a presença do público, por menor que seja. Além disso, existem outros gestos que pesam muito.

- Por exemplo?

- Certamente as imagens da Praça de São Pedro com as portas fechadas, dão uma imagem terrível. É a fotografia de uma igreja que está entrincheirada em seus prédios e diz: "Bem, escutem, cuidem de si mesmos, estamos tentando salvar nossa pele". E é uma impressão muito comum.

- Por falar em fechamento, o do santuário de Lourdes, ao qual você certamente está muito apegado, causou uma grande impressão. Um Santuário que,  mais do que qualquer outro, é um Santuário de curas, fechado por medo de um vírus ...

- Devo dizer que, apesar da dor que me causa, não posso ficar bravo com essa decisão. É uma situação completamente nova, permitir que as peregrinações, sabendo o perigo que multidões representam para a propagação do vírus, pareçam um pouco com um desafio a Deus. Não podemos fingir que somos diferentes e não adoecemos só porque vamos a Lourdes, não podemos brincar com a vida das pessoas. Também devemos pensar que não existe apenas o santuário, mas também a viagem em grupo, os hotéis onde as pessoas ficam... Às vezes, certos extremismos parecem prejudiciais para mim.

- No entanto, já houve momentos históricos difíceis e o santuário de Lourdes sempre esteve aberto, é a primeira vez que foi fechado.

- Certamente, e de fato a decisão me impactou muito. Lourdes não fechou nem na época das leis anticlericais na França, entre o final do século XIX e o início do século XX, quando todas as instituições religiosas foram confiscadas pelo Estado e entregues aos conselhos municipais. Lourdes também sofreu o mesmo destino, mas o Conselho da Cidade, que comprou a área do santuário, garantiu que ele não fosse fechado por nem um dia. E mesmo durante a Segunda Guerra Mundial, não foi fechado. Os alemães sabiam perfeitamente que muitos judeus haviam encontrado refúgio em Lourdes, mas não ousavam fechá-lo. Além disso, talvez nem todos saibam que Lourdes sempre esteve aberta dia e noite.

Assim, você pode entender como estou impressionado e confuso com a notícia de seu fechamento. É claro que é doloroso, mas não podemos pecar com orgulho, pensando que todos nós podemos ir a Lourdes sem consequências, que o vírus não nos tocará apenas porque vamos a Lourdes. Não podemos dizer "vamos manter Lourdes aberta porque ninguém vai contrair essa doença" ou "não infectaremos ninguém que vier até nós quando voltarmos da viagem". Portanto, não posso ficar indignado, mesmo que eu sinta muito.

- Mas, assim como você estava propondo uma solução para continuar celebrando as missas, não há como limitar o atendimento a Lourdes, evitando as multidões?

- Quem conhece Lourdes sabe que não é fácil administrar. Estamos falando do santuário mais frequentado do mundo e todos os anos entre cinco e seis milhões de pessoas vão lá. E as reuniões são indispensáveis: como o território do santuário é muito vasto, é possível ver multidões de pessoas em todos os lugares que encontram o grupo com o qual chegaram. Estar unido é essencial para ouvir o que o guia diz, para fazer as coisas juntos.

Portanto, nesta situação, é ingovernável. Devemos levar em conta as condições, ter fé não nos protege de qualquer infortúnio ou doença. Notre Dame foi queimada, a capela do Sudário também foi queimada. Os caminhos de Deus não são nossos. (traduzido pelo google, por um bom amigo de Portugal)

+++++++++++++++++++

OBS > De fato, Deus está no comando de tudo. Ninguém pode acrescentar um minuto em sua vida, disse-nos Jesus. Ninguém neste mundo morre antes do minuto certo e decidido pela Eterna Vontade, sempre o melhor momento para aquela pessoa. Ninguém deseja a morte de qualquer pessoa, sempre uma dor, entretanto, se Deus decide a hora de recolher alguém, nenhum governante do mundo poderá sustar esta ordem. Manter hábitos saudáveis que são úteis para preservar a vida isso é necessário, mas achar que passar álcool gel nas mãos irá aumentar a vida de alguém vai um abismo.

Como já falei, 211 milhões de brasileiros simplesmente não podem se esconder por muito tempo por causa de uma pandemia que atinge cinco mil afetados, nem entrar em pânico por causa de 250 mortos. Não podemos ser reféns nem de cinco mil nem que fossem de 5 milhões, porque já estão definidas as pessoas de risco, e existem os medicamento que curam. Agora mesmo um estudo avançado da Austrália mostra que o Ivomec, um vermicida, mata o vírus em apenas 48 horas. E se os médicos do Norte já descobriram que o medicamento Flagil, de combate a vermes é capaz de sustar os efeitos da picada de cobras, por que o vírus do corona que é um animal vivo, digamos, um verme microscópico não pode ser eliminado do organismo por este mesmo medicamento?

Então este pânico gerado nas igrejas, fechando templos e santuários de cura como o de Lourdes é coisa de gente sem fé e sem Deus. Então se a França é atacada duramente por esta pandemia, não pode reclamar se fecha um centro mundial de curas. Por outro lado a Itália acabou de entronizar a deusa patchamama no Vaticano e também a na Catedral de Madrid na Espanha a deusa encontrou guarida. Não é a toa então que estes países sejam tão afetados por esta gripezinha. Até porque se mostra todo dia o quanto são furadas e mentirosas as estatísticas. Quem acolhe deuses estranhos ou rejeita as medicinas de Deus, não pode reclamar se Ele antecipa a chegada de alguns cidadãos. Verão que em breve o corona vai perder o efeito, e vergonha é para quem não tem fé.

Ademais, os governadores que, mancomunados desejam derrubar nosso Presidente, já neste mês verão a burrada que fizeram fechando todo o comércio e a indústria. Vi um empresário, com 400 funcionários dizer ao governador. Mês de março te paguei o ICMS, neste mês não pago, porque não vendi nada. Mais um mês e começo a demitir. No RS um grande empresário com centenas de lojas abriu a mão do comando de suas empresas e publicamente ofertou as chaves delas para seu governador. Vem e paga e mantém os meus funcionários. Loucura então em todos os sentidos, do poder público que pressiona a Igreja e da Igreja que se esquece do Deus que cura.

No próximo mês pode faltar vinho nas muitas adegas paroquiais. Continuará o clero a celebrar escondido ou não celebrar os Sacramentos que salvam? Até quando Senhor? Eu respondo pelo profeta: até quando as cidades estiverem reduzidas a um deserto e população a um punhado de gente. Eles provocam deliberadamente a divina Ira! (Aarão)

 


Artigo Visto: 567

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.701.876
Visitas Únicas Hoje: 122
Usuários Online: 52