recadosdoaarao



Maria
Voltar




09/01/2020
Maria É SIM Corredentora
Este Dogma é de extrema importância para que aconteça o Triunfo do Imaculado Coração


Segue artigo muito importante sobre o dogma de Maria, Medianeira e Corredentora do Gênero humano. Ao final faço um comentário baseado nas profecias, que seria muito importante ler, para complemento. Aarão...

Apoiantes do Stilum Curiae:

Claudio Circelli, terciário dos franciscanos da Imaculada Conceição, enviou-nos uma reflexão muito documentada e interessante sobre a figura de Maria, co-redentora. Boa leitura E votos de feliz ano novo a todos, no aniversário da festa de Maria, Mãe de Deus.

Co-redentor silencioso, co-redentor esquecido, co-redentor mortificado.

Certas expressões e palavras usadas pelos Sumos Pontifícios foram omitidas que, embora sejam verdadeiras em si mesmas, podem ser mais difíceis de entender por irmãos separados (neste caso, protestantes). Essas palavras incluem o seguinte: "Corredentora da raça humana" (São Pio X, Pio XI); “Reparador de todo o mundo” (Leão XIII); "Ele renunciou aos direitos maternos sobre seu filho, para a salvação dos homens" (Bento XV; Pio XII); "Merecidamente, podemos dizer que Maria, com Cristo, redimiu a humanidade" (Bento XV) »[1].

Com essas palavras, a comissão teológica preparatória do Concílio Vaticano II resumiu o status quaestionis - e comunicou o sensus fidelium universal - com relação ao título e conteúdo da Redenção, no início dos anos 1960, na Igreja Católica. Cinquenta e sete anos depois desse documento, aprovado por São João XXIII (+ 3-6-1963), ouvimos o eco de uma voz diferente, vinda da Basílica mais amada pelo cristianismo:

Fiel ao seu Mestre, que é seu Filho, o único Redentor, ele nunca quis levar algo de seu Filho para si. Ela nunca se apresentou como corredentora. Não, discípula. " (Francisco, Basílica do Vaticano, 12 de dezembro de 2019).

Para comentar essa expressão, é preciso ter em mente que "não se apresentar como um corredentor" não significa não ser. Maria nem se "apresentou" como Imaculada, nem como Mãe de Deus, nem sempre como virgem. De fato, as aparências podem sugerir o contrário, especialmente em relação à sua virgindade. No entanto, apesar das aparências, Maria foi, é e sempre será a Imaculada sempre Virgem Mãe de Deus; e o primeiro desses dogmas, a Imaculada Conceição, foi solenemente proclamado pelo Beato Pio IX, coroando um movimento de petições em todo o mundo, precisamente naquela basílica do Vaticano onde, há algumas semanas, seu sucessor comparou o pedido do novo Dogma Mariano, com "Bobagem".

Pedir um novo dogma não é "se perder em bobagens", mas é a expressão legítima do sensus fidelium, de acordo com o que o Senhor Jesus diz: "Quando ele vier, o Espírito da verdade, o levará à verdade completa". (Jo 16, 13); De acordo com a profecia da Virgem Maria, “daqui em diante todas as gerações me felicitarão” (Lc 1:48), e conforme prescrito pela lei canônica, “os fiéis têm o direito de expressar aos pastores da igreja suas necessidades, principalmente espirituais. e seus desejos; […] Eles têm o direito, e às vezes até o dever, por seu próprio conhecimento, competência e prestígio, de expressar aos Sacerdotes Pastores sua opinião sobre o que pertence ao bem da Igreja e de manifestar aos outros fiéis, salvando sempre a integridade da fé ... " (pode 212, §§2-3).

"Eu lhes digo que, se estas estiverem caladas, as pedras gritarão" (Lc 19, 40). Nem mesmo Jesus se apresentou a todos com o esplendor da glória de sua divindade; e mesmo quando é apresentado a Thomas, já ressuscitado, "uma coisa é o que Thomas viu, outra é o que Thomas acreditava" (São Gregório Magno).

Portanto, não apresentar abertamente suas qualidades e perfeições não significa não tê-las. Isto é especialmente verdade para as pessoas humildes, como foi a Virgem Maria, segundo suas próprias palavras inspiradas: "porque ela olhou para a humildade de seu escravo" (Lc 1:48). Humildade, por definição, se esconde.

Mesmo Deus não aparece, mas ele é. A passagem da aparência para o ser é a passagem da física para a metafísica, da matéria ao espírito, dos acidentes à substância, da estética sensual à contemplação da verdade; todas as condições de possibilidade para a passagem razoável da evidência natural à fé sobrenatural, sem cuja razoabilidade a fé carece de suas suposições intelectuais e se torna um fideísmo voluntário irracional.

Se pela premissa de que "Maria não aparece como co-redentora", ousamos concluir que, portanto, não é, ou procedemos de maneira sofisticada e, portanto, sem coerência lógica; ou uma segunda premissa é pressuposta - "apenas o que parece ser" - que é oculta de propósito, devido à sua indecência intelectual. Nesse segundo caso, o raciocínio é coerente em si mesmo, mas igualmente falso, porque obviamente a segunda premissa é falsa, pois, se verdadeiro, Deus não existiria. Portanto, está claro por que essa premissa é impronunciável para um cristão, especialmente um católico. No entanto, isso é assumido, de maneira mais ou menos limitada, também no campo eclesiástico, em muitos raciocínios que dão a certos princípios da filosofia da linguagem e da "comunicação" um caráter absoluto. Eles dão caráter absoluto ao relativo e relativizam o absoluto, para substituir a metafísica (além da física) do ser pela "endofísica" do aparecimento, fundada na verdade como "transcendental" do aparecimento, e não mais do ser.

Esse apoio da fé não é mais metafísico, mas ideológico (cenográfico e político); portanto, você deve encontrar sua própria razão de não estar mais no amor a realidades invisíveis, mas na antropologia imanente, que se traduz em um compromisso social de uma maneira material e psicologicamente melhor. Daí a simpatia de certo mundo católico pela teologia da libertação e da Maçonaria, com a qual compartilha o ideal do humanismo integral imanente. Nesse mundo católico presumido, os slogans demagógicos são preferidos à doutrina da fé e, à tradição litúrgica sagrada, o espetáculo deixado nas mãos da criatividade (e cretineza) das modas do momento. Para este mundo católico, não apenas um novo dogma, mas todos os dogmas sobrenaturais apropriados são "bobagens".

Nesse ponto, deve-se lembrar que nas fontes do Apocalipse existem muitas verdades virtualmente ocultas (como a planta na semente, como a flor no rebento, como a fruta na flor), cujo entendimento formal cresce apenas progressivamente "com a contemplação e o estudo dos crentes que meditam sobre eles em seus corações (cf. Lc. 2, 19 e 51), seja com a inteligência dada por uma experiência mais profunda das coisas espirituais, seja pela pregação daqueles que com a sucessão episcopal recebeu um carisma da verdade com certeza ”(DV 8).

Isso é universalmente verdadeiro e, em particular, para o mistério que envolve o humilde servo do Senhor: “O pouco que se sabe sobre a Imaculada Conceição, em teoria, é ainda menos na prática. Quantas idéias preconcebidas, mal-entendidos e dificuldades são despertadas na mente! “(San Maximiliano, Scritti, n. 603). "Tudo resta a dizer sobre Maria" (San Maximiliano, em Il Cavaliere dell'Immacolata, 1942, n. 10, p. 17).

Tudo ainda precisa ser descoberto, como um tesouro escondido nas fontes das Revelações, a primeira das quais é a Sagrada Escritura. E o sentido cristão integral da Sagrada Escritura, hoje, indica acima de todas as três passagens bíblicas que contêm, como um baú sagrado e precioso, a pérola mística da Redenção: Gn 3.15; Jo 19, 26-27; Ap 12, 2.

Nesse sentido, seria necessário aprofundar a exegese dessas passagens bíblicas, também porque não faltam estudos científicos e informativos ótimos, corroborados pelo ensino dos Padres e confirmados pelo ensino pontifício comum. Portanto, se não é lícito concluir, a partir dessa premissa "aparente", que Maria não é uma co-redentora, nem por dedução lógica ou teológica, o exato oposto é verdadeiro, como pode ser explicado que muitos católicos estão atualmente predispostos? Para chegar a essa conclusão negativa?

A resposta já foi dada, pelo menos parcialmente, quando se fala da "endofísica da aparência", como um novo horizonte cultural imanente de muitos católicos segundo o registro civil, do qual a fé é recebida como uma ideologia antropológica imanente e não mais como uma virtude sobrenatural essencialmente teológica e transcendente do universo material.

Nesse contexto de "materialismo pragmático cristão", o princípio que explica mais de perto o eclipse incomum da co-redenção mariana na Igreja Católica encontra seu lugar natural: "o erro não refutado é um erro propagado; e, se a verdade correlativa não é mais proclamada fortemente, é esquecida.”

Depois do Concílio, devido a uma interpretação errônea de seu silêncio sobre a Co-redentora, a Corredência não foi apenas silenciada, mas também formalmente negada por várias correntes teológicas, sem que o magistério se desse ao trabalho de refutá-las. Consequência: o erro se estendeu até atingir uma parte significativa da inteligência católica.

O único que reagiu a essa triste tendência das coisas, embora não com o vigor necessário para reverter a má tendência, foi São João Paulo II, em seus ensinamentos comuns. Mas até sua voz foi condenada ao ostracismo por poderosos grupos de pressão eclesial. Seus últimos pronunciamentos pontificais sobre co-redenção remontam ao início dos anos 90 e, portanto, 25 anos se passaram desde então ...; 25 anos de silêncio, tanto da própria redenção quanto da refutação de sua negação. Resultado: quanto à opinião comum entre os teólogos, quase ninguém acredita nela, exceto em um pequeno grupo. A verdade foi silenciada pelo respeito humano pelos protestantes e, agora, sobre o corredentor, as pessoas pensam como eles. Mas nem todos caíram na armadilha, porque o Espírito Santo infalivelmente guia o sensus fidelium da Igreja e, quando a igreja que ensina está silenciosa, a Igreja fala, movida pelo espírito de misericórdia para com a Imaculada Mãe de Deus.

Não foi apenas um pequeno grupo de prelados que recorreu recentemente ao Papa Francisco para pedir um novo dogma mariano, que inclui a Corredência direta ou indiretamente. Na verdade, cerca de 400 bispos o solicitaram durante o Concílio Vaticano II e, entre 1993 e 2010, o movimento internacional Voxpopuli, que coletou as assinaturas de 42 cardeais, mais de 500 bispos e cerca de sete milhões de outras adesões. Se somarmos a isso que é difícil encontrar um santo do século XX que não tenha falado, de uma maneira ou de outra, do co-redentor, concluímos que é uma verdade católica próxima da fé

Tomemos, por exemplo, o caso de São João Paulo II, que usou o título de co-redentora sete vezes em sua profissão de professor comum e explicou admiravelmente seu conteúdo teológico. Vamos seguir o exemplo de São Leopoldo Mandić (+ 1942) que, dentre os outros santos “corredencionistas”, gostaria de escrever um livro para provar que Maria é uma co-redentora. Ele acreditava que Maria, como co-redentora, teria restabelecido a união da Igreja Ortodoxa com "a única Igreja de Cristo, que subsiste na Igreja Católica". Tomemos o exemplo de Santa Teresa de Calcutá que, em uma carta de autógrafos datada de 14 de agosto de 1993, escreveu: "A definição papal de Mary Corredentora ... trará muito obrigado à Igreja".

Veja o exemplo de St. Henry Newman (+ 1890), que dirigiu essas palavras muito atuais a seu amigo Pusey, um anglicano: “Por que você questiona o fato de Nossa Senhora ser chamada de co-redentora, quando você está disposto a aceitar títulos imensamente mais gloriosos atribuídos a Maria dos Pais: Mãe de Deus, Segunda Véspera, Mãe da Vida, Estrela da Manhã, Novo Paraíso Místico, Centro de Ortodoxia e outros similares?

[1] SACROSANTUM OECUMENICUM CONCILIUM VATICANUM SECUNDUM, Esquemas constitucionais e decretadores de quibus disceptabitur em Concilii sessionibus. Série Secundária De Ecclesia et de B. Maria Virgine, Typis Poliglottis Vaticanis, 10 de novembro de 1962, p. 100

Publicado por Marco Tosatti em Stilum Curiae.

Traduzido por Verbum Caro para InfoVaticana.

A entrada María Corredentora: As razões para o “sim” do dogma foram publicadas pela primeira vez na InfoVaticana.

 ++++++++++++++

OBS > Como se pode ver, desde o malsinado Concílio pastoral Vaticano II, a questão de Maria Santíssima como Corredentora do Gênero Humana, e Medianeira de todas as graças já era uma questão aprovada e decidida. Entretanto, nenhum dos papas que seguiram conseguiu PROCLAMAR ao mundo inteiro esta verdade incontestável:

MARIA É O CONDUTOR QUE LIGA A DIVINDADE À HUMANIDADE. Sendo ela a Mãe de Deus, tendo ela doado seu sangue para alimentar este mesmo Deus em seu ventre materno, Maria Santíssima compartilha com Cristo Jesus o mesmo Sangue Redentor da Cruz. Isso significa que ela é como um cabo condutor de tudo o que o Céu derrama de graças sobre a humanidade, e no oposto é a mesma linha que conduz ao Céu tudo o que a Igreja de Cristo produz na terra. Ou seja, nada do Céu chega à terra sem passar por Maria, nem vai ao Céu. Isso tudo já foi definido pela Igreja, pelos papas, pelos santos, conforme se viu a fundamentação acima. Sempre por Maria, a Jesus, ao Pai...

Ocorre é que o demônio sabe disso perfeitamente: que a falta da proclamação Dogma como que “entope” ou “obstrui” e dificulta o fluxo das graças e bênçãos que descem, como também as súplicas que sobem e as decisões da Igreja peregrina. Então ele agiu com fúria descabida contra a proclamação deste dogma. Segundo consta, no Concílio, na votação sobre o tema, venceu o SIM por 52 a 48. O que aconteceu? Os que ganharam não ligaram para a realidade achando que a vitória tinha sido mixuruca, enquanto os que perderam se arrogaram na fúria de uma quase vitória. E assim o tema quase acabou sepultado no ostracismo. Os filhos das trevas conseguiram bloquear os Papas.

Entretanto, recentemente este Francisco disse que se falar em Maria Corredentora era uma tonteria, ou seja, bobagem ou burrice, porque ela nunca quis ser isso, apenas discípula do Seu filho. Ora, não existe maior tonteria nem maior disparate do que ignorar a verdadeira condição da Mãe de Deus, Imaculada e sempre Virgem, porque ignora todos estes aspectos incontestáveis do Mistério da corredenção. A Bíblia não afirma nem lhe dedica esta palavra, bem como não afirma, nem ela se arroga a esta superior condição. Ela quis ser apenas Mãe do Verbo, humilde ao infinito, e ainda assim por cumprimento da Divina Vontade do Pai Eterno.

Mas os filhos do diabo não perdem por esperar. Pelas profecias atuais sabemos que este Dogma será proclamado, conforme as mensagens à Ida Peerdemann, da Holanda, isso há mais de 70 anos. Ela viu um Papa futuro, de cabelos bem branquinhos, junto com alguns cardeais, elevando as mãos ao Céu, com dois dedos apontados – Corredentora e Medianeira – ficando fora do dogma a questão de Maria também Advogada, outra função que ela tem, mas não inclusa neste Dogma. A seguir coloco um artigo sobre esta aparição importante.

E pelo que nós sabemos Sua Santidade o ainda e sempre Papa Bento XVI, mesmo que num tempo de grande horror, haverá de proclamar, Urbi et Orbi, que Maria Mãe de Deus é também Medianeira e Corredentora do Gênero Humano. Nas confusões de um mundo que se esvai, depois de cumprido quanto a Francisco o que está em Ezequiel 28,1-10, Bento XVI cumprirá aquilo que foi previsto por Ida, fazendo com que este canal até então obstruído seja plenamente aberto, e é quando acontecerá o TRIUNFO do Imaculado Coração, predito por ela em Fátima. Nós veremos isso meus amigos. E não demora tanto assim.

Aguardemos isso confiantes, porque acontecerá, e não adianta os inimigos de Maria se exacerbarem em fúrias, nem que se diga que é bobagem crermos na Corredenção Materna de Maria. Venceremos com ela, no final. (Aarão)


Artigo Visto: 650

ATENÇÃO! Todos os artigos deste site são de livre cópia e divulgação desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br


Total Visitas Únicas: 3.703.420
Visitas Únicas Hoje: 68
Usuários Online: 59