Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
27/11/2015
Jamais o protestantismo
Mais dia menos dia, a Santa Missa será abolida! Mais dia menos dia os sacrários cairão! Virá a ceia protestante!
 

Jamais o protestantismo!

Eu acabei de colocar no site o depoimento de um ex-católico que depois de batizado em nossa Igreja, aos seis anos caminhou com sua família nas trilhas de diversas igrejas protestantes, e depois se converteu, iluminado pelo divino Espírito Santo. Estas conversões são importantes, principalmente quando mostram que elas partem de corações contritos, humildes, confessos, que não retornam para a VERDADE, cheios de petulâncias, exigindo que mudemos os nossos ritos e procedimentos, nossa Doutrina e Tradição, nossa Bíblia e nossos costumes, nossa moral e todos os nossos Sacramentais, nossas imagens de culto, a veneração aos Santos e a devoção à Maria Santíssima, com todos os nossos Dogmas de fé. Ou seja: aceitando tudo, conforme nossos Sacramentos e nossa fé bimilenar.

É este, unicamente o ecumenismo possível e viável, também querido por Deus. Todos devem voltar ou aceitar a Unidade 100% sob Pedro, largando absolutamente TUDO e sem exceção, os procedimentos doutrinais, as práticas e prédicas, os ritos e as interpretações, sua falsa Bíblia e sua moral excessivamente condescendente com o pecado, porque tudo o que eles vivem é vazio, sem sentido, e absolutamente inócuo para a salvação. E como isso os define como seita, com absoluta certeza os define como hereges. Eles saíram daqui, que voltem para cá, até porque tínhamos já 1517 anos de vida quando Lutero fundou a sua seita.

Minutos atrás eu recebi o e-mail de um leitor nos seguintes termos: Sabemos que o fundador do protestantismo por tudo que fez foi um herege.  Assim sendo acredito que seja correto dizer que todos os líderes, pastores e bispos protestantes também são hereges.   Assim sendo gostaria de te fazer algumas perguntas:   

1)  Os membros das igrejas protestantes (o povo que vai aos cultos): é correto dizer que também eles são hereges?

2)  E se um católico vai a um culto protestante ele pode ser considerado herege por causa disso?  

3) Se um católico vai a um culto protestante pode-se dizer que, após esse ato, ele está excomungado?   

4) Se um católico vai a um culto protestante ele precisa se confessar depois  (por ter ido ao culto)?     

5)  Se um católico que vai a um culto protestante está excomungado, para que ele seja perdoado basta que ele vá a um padre e se confesse ou é necessário que haja autorização de um bispo antes para que o padre possa absolver essa pessoa? 

Eu lhe respondi nos seguintes termos, muito suscintamente:

            O Papa Agatão disse: quem reza com um herege é outro herege.

            Frei Pio disse: o protestantismo é uma invenção do diabo... Por estas duas frases você pode tirar todas as respostas para suas perguntas. É proibido ao católico adentrar em templos evangélicos e ali rezar bem nos de outras religiões. E basta que ele aprove estes cultos para ser considerado herege. Sim deve se confessar! (fim)

Ora Frei Pio sabia muito bem do que falava! A própria palavra “protestante”, confessa automaticamente a sua rebeldia contra a Verdade Revelada, o que simplesmente impede que ela se denomine como “igreja”, porque o adjetivo que a qualifica – tal como todas as mais de 50 mil vertentes ditas evangélicas – é de seita, conforme se pode ler no dicionário, pois derivam, ou se separam da raiz e se afastam do tronco da Verdade.

Explica bem isso uma passagem do livro da Sabedoria, que diz assim em 4, 3. Mas para nada servirá, ainda que numerosa, a raça dos ímpios; procedendo de renovos bastardos, não estenderá raízes profundas, não se estabelecerá numa base sólida. 4. Ainda que por algum tempo estenda seus ramos, estando instavelmente assentada, será abalada pelo vento e, pela violência da tempestade, será desarraigada. 5. Os galhos serão quebrados antes do desenvolvimento, o fruto deles será inútil, verde demais para ser comido, e impróprio para qualquer uso, 6. porque os filhos nascidos de uniões ilícitas serão no dia do juízo testemunhas a deporem contra seus pais.

Esta passagem cabe bem a todo o protestantismo, seja qual for a sua denominação, sejam quais forem os seus pastores, seus “teólogos”, seus “doutores”, seus “experts” e seus “versados” nas Sagradas Escrituras, seja qual for a veemência do pregador, sua fama e seus “poderes”, não importa quão famosos seja, não importa quantos livros tenham escrito, nem importa o quanto tenham arrecadado, nem quantos templos tenham erigido, ou quantas obras tenham realizado: nada, absolutamente NADA disso conta diante de Deus. Como dizem as benditas almas do Purgatório, que viveram em vida o protestantismo: vivemos na lama!

Jamais é conduzido pelo Espírito Santo um estudioso dos Evangelhos que não se converte ou se mantém no catolicismo. Não somente estudando a Escritura, como estudando a “patrística”, as histórias e os escritos dos nossos santos e santas, deste do primeiro século, porque já por volta do ano 100, Santo Inácio de Antioquia deixou escrito: onde está Jesus, ali estará a Igreja Católica! Ademais a longa sequência de 265 papas, demonstra um fator de unidade incontestável, porque até Lutero a Igreja se manteve una e coesa, sendo ele, em seu desvario insano o primeiro grande fator de divisão irreparável.  E quantos milhares se perderam eternamente por causa dele!...

De fato, todo protestante ou evangélico, tão logo chega diante de Jesus após a morte, solta o mesmo grito de pavor, quando é penetrado pelo Espírito Santo – até pela primeira vez em sua vida – e ele percebe que errou ao se deixar seduzir pela mentira protestante: botei a minha vida fora! Este é o seu grito de desespero. Somente então ela percebe que viveu a vida como pagão, que os seus atos todos foram vãos, suas preces sem sentido e nunca chegaram aos céus – porque eles não participam da linha vertical que liga aos céus e que está em Pedro – e que estão ali sofrendo por terem sido tão teimosos, tão cegos, tão aferrados na mentira, eis que agora percebem que somente se salvam por causa dos católicos.

Que eles combateram em vida!... Soberbamente – todo protestante é em síntese soberbo – eles são incapazes de perceber que o Espírito Santo não atua nem age ou participa fora da UNIDADE, porque seria então um espírito condenado, excomungado para dizer uma palavra mais dura, embora verdadeira. O Espírito Santo não entra num templo protestante, e só age sobre alguns deles, no momento em que abrem uma centelha de sua obstinação para a graça, Ele então age no sentido da conversão, da volta para a Verdade e a Unidade sob Pedro, e ela se dá de forma humilde, contrita, sem exigências. Dá-se de joelhos no chão, e começa no confessionário!

Portanto, como fora da Unidade, todos os procedimentos que acontecem dentro destas denominações de protestantes – infelizmente para todos eles, sem exceção – estão fora da Verdade, que é coesa, única, não reformável, inalterável, sem duplas interpretações, imutável e perfeita, clara e precisa, porque Palavra Eterna, porque Verbo Divino a nós revelado, então não existe atenuante que possa nos garantir que eles tenham parte desta verdade. Issão não procede!

Porque, de fato e inapelavelmente, tudo aquilo que é bom, santo, divino, perfeito, salutar, necessário, salvífico, redentor e sagrado e necessário para a salvação eterna, sempre esteve, está agora e sempre estará SOMENTE com a Verdadeira Igreja Católica Apostólica Romana, sob sua Santidade o Papa Bento XVI. Os protestantes, assim, nunca tiveram, não têm hoje, nem jamais terão algo a ensinar aos bons católicos, nem a nossa Igreja, que sirva para a nossa salvação. Se houvesse alguma falha na Doutrina que salva, se Jesus tivesse Se esquecido de algo que fosse necessário, poderia ter sido condenado por omissão, em especial durante os 1517 anos antes de Lutero, e deveria acatar em Seu tribunal divino as reclamações dos apenados, e ser obrigado a rever sua Justiça.

Vedado então, eternamente, qualquer tipo de ecumenismo com eles, no qual capitulemos desta Verdade, em troca de uma união espúria e falsa, feita de meias verdades e abominações grotescas. O discurso de Jesus, sobre o Pão da Vida, que está no Capítulo 6 do Santo Evangelho segundo São João, simplesmente impede todo e qualquer ecumenismo, porque entre a ceia protestante e o Sacrifício da Cruz, vai um abismo intransponível. Isso porque o pão que eles comem é o mesmo que nossos pais comeram no deserto e MORRERAM, enquanto aquele Corpo e Sangue de Jesus que nós recebemos, na efetiva Renovação, embora incruenta do Sacrifício da Cruz, este é o alimento ÚNICO, daqueles únicos que viverão eternamente. Que se marque isso para sempre!

No fundo, nos milhares de horas da minha vida em que meditei neste Mistério assombroso e também maravilhoso, que se realiza na Santa Missa, a Transubstanciação, embora Jesus tenha dito estas Palavras Santas “Fazei isso em Minha Memória”, eu, na minha miséria infinita, não consigo aceitar que a Santa Missa possa ser definida pela simples palavra “memorial”, porque a realidade vai muito além: Se Jesus é Deus, e É AQUELE QUE É, então Ele não pode ser definido por uma simbologia, porque Ele É também a Santa Missa, e, portanto, É A EUCARISTIA, É o próprio Deus Vivo em nosso meio, nosso alimento. Se a MISSA renova diariamente, em milhares de locais da terra o Mistério da Cruz, então ela não é apenas “memória”, mas É REALIDADE constante.

E isso, jamais os protestantes irão entender, nem aceitar. E antes de encerrar este texto, devo mais uma vez a alertar, e até pedir: comecem já a chorar lágrimas inconsoladas, porque a trupe que hoje comanda o Vaticano acabará por destruir tudo isso, e vender-se descaradamente ao protestantismo – por um tempo – pois é profético que o Sacrifício Costumeiro será ABOLIDO, e em seu lugar imposta uma ceia abominável como é esta dos protestantes. Abominável sim, porque se pretende comparada, ou capaz de substituir com vantagem a mesma santidade, o valor e efeitos salutares em graças, a nossa Santa Missa de Sempre, que é não apenas “memorial da paixão”, mas Paixão Real continuamente repetida. Não sangue vivo escorrendo do altar, mas sofrimento Místico vivido por Jesus.

Então não há como sequer se pensar em algum tipo de união onde este mistério seja devastado, onde a Cruz seja trocada pela ceia familiar e comemorativa, como se Jesus, que acabava de dizer “Minha Alma está triste até a morte”, se achava em condições de confraternizar-se sorridente com os seus apóstolos, como se faz em uma ceia ou um jantar de despedida.  Como que Alguém como Jesus, partindo dali para o Getsêmani, onde chorou e suou sangue em tanta quantidade que chegou a correr pela terra, poderia pensar em apenas confraternizar-Se, uma vez que já naquele momento dava os Seus primeiros passos para a Morte na Cruz? 

Se os amigos protestantes meditassem nisso, se entendessem ainda que minimamente este Mistério, todos eles, imediatamente voltariam para a Igreja Católica, sem qualquer tipo de exigência. Por outro lado, ai de mim, como é que iremos pretender um ecumenismo verdadeiro, se são nossos pastores os que não entendem isso, e que ousam colocar na mesa das negociações pela unidade, justamente o que temos de mais Precioso e Sagrado? A unidade se deve dar, entretanto, não apenas em torno da Eucaristia, mas de Pedro, e todos os nossos eclesiásticos que burlam este mandamento, na realidade são como os vendilhões do antigo templo, e precisam que Jesus volte para pegar mais uma vez o chicote de cordas, e os expulsar para sempre.

Enfim, quem aceita “rezar” com os protestantes – eles dizem “orar” – na realidade está aceitando que o jesus dos protestantes é o mesmo Deus dos Católicos. Sim, dom Bergóglio, existe este Deus somente Católico, e mais nenhum! E embora eles tratem de Jesus, ou pretendam isso, na realidade seus procedimentos são iguais aos dos maometanos, dos budistas e de outras religiões, que não têm Jesus como Único Mestre e Senhor: quem reza com eles, aceita o deus deles, porque o nosso Deus jamais participa ou aceita estas orações. Elas voam e se perdem no espaço, podendo ser até blasfemas, dependendo do estado pecaminoso destas almas rebeldes.  Isso porque o pecado ocupa o lugar da graça, que não pode entrar na alma.

Como já disse: em síntese todo protestante é orgulhoso e no dia em que uma centelha de humildade penetrar em sua alma, ele voltará imediata e humildemente aos pés de Pedro. E ai daqueles que insistirem em nos vender ao protestantismo! Como sempre tenho dito o “jesus” deles é diferente do nosso! A Maria deles é muito diferente da nossa! Sem a intercessão dos santos, sem os Sacramentos que salvam, e cada um interpretando a Bíblia de acordo com suas venetas, além de acharem que apenas a fé em “jesus” salva, sem que tenhamos de fazer nossa parte – o que inclui rezar pelas salvação dos outros, especialmente daqueles que estão sob a nossa inteira responsabilidade – é impossível e é herético descermos ao nível deles, sobe pena de afundarmos todos juntos.

Falando assim, alguém poderá pensar que odiamos os protestantes e evangélicos, mas ninguém pode condenado por odiar, quando quem fala defende a verdade que salva. Haveria sim uma grande falta de caridade se não tentasse chamar os que vivem no erro para que voltem à razão. O orgulho veda esta razão, e toda a pessoa que mergulha nele, muito facilmente – e se pode dizer sem exceção – aceita facilmente uma mentira como verdade e chega este sim, a odiar os que a defendem, um ódio que não brota por força da defesa da fé, mas sim por ordem do espírito das trevas, que literalmente os bloqueia. Nenhum orgulhoso resiste à tentação de satanás! Todos eles caem!

Falando em ódio, a frase que consta do texto anterior, do Venerável Arcebispo Dom Fulton Sheen, dos Estados Unidos, que está em processo de beatificação e que diz assim: Não existem cem pessoas que odeiam a Igreja Católica, mas existem milhões que odeiam aquilo que pensam ser a Igreja Católica”, na verdade implica em uma série de questões, que precisam ser bem entendidas.

Em primeiro lugar é óbvio que existem milhares de protestantes que odeiam não somente a Igreja Católica, como odeiam aos católicos, qualquer um. Odeiam sim, por odiar, porque cedem aos influxos maléficos do inimigo que os manda agir assim, no que eles descumprem uma Palavra claríssima de Jesus – do nosso – que manda amar até os nossos inimigos, e a perdoar sempre a quem nos pede perdão. Nisso já diferem os evangelhos, de um e de outro credo, e nós simplesmente não podemos cair na mesma trampa do inimigo.

Em segundo lugar é óbvio que a incessante pregação destas seitas e mesmo dos luteranos e anglicanos contra a Sã Doutrina, acaba pervertendo a mente dos prosélitos, especialmente porque tais pregações se firmam em mentiras gravíssimas contra nossa Igreja, e contra os nossos ensinamentos, nosso Catecismo. As mentiras da “sola fide”, somada com a outra escandalosa “sola scriptura” como fontes únicas de salvação, criam um abismo intransponível entre uma e outra forma de adorar ao mesmo Deus, o que nos obriga combater qualquer forma de aproximação com este tipo de entendimento.  Mas os protestantes são ensinados desde criança a pensarem desta forma, de modo que passam a nos odiar por causa das mentiras que pregam, e também a nosso respeito.

Por que, em síntese, os protestantes luteranos e anglicanos têm apenas estes dois falsos dogmas de fé, o “sola fide” e a “sola scriptura” – que sintetizam toda a sua fé – como espelho a ser posto na pauta de negociações. É então a falsa igreja bergogliana que está se vergando na direção destes dois falsos dogmas, não a Verdadeira Igreja. No mais esta mesma falsa igreja, firmada numa criminosa “misericórdia”, numa falsa acolhida, na não discriminação, no abraço fraterno e na mentirosa “reconciliação na diversidade” já tem dado largos passos na direção deles em outros aspectos, quando bane das Igrejas nossas imagens de culto, quando derruba os sacrários ou os escondem em cantos escuros, preferencialmente para que ninguém mais os ache, quando os padres se despem das fardas, as batinas, e quando banalizam a Santa Missa e todos os Sacramentos. 

Tudo para agradar protestantes e judeus! Infelizmente nossos pastores não percebem que este repúdio quanto ao que é Santo e Sagrado, confirma aquela passagem que está em II Tessalonicenses, referente ao anticristo – ele se levantará contra tudo aquilo que é divino e sagrado, ao ponto de se assentar no lugar de Deus e se apresentar como se fosse Deus. E tudo o que brota hoje do Vaticano vai neste sentido, preparando o trono de Pedro, para que a fera nele se assente. O anticristo sequer pode chegar perto da Eucaristia, por isso a combate furiosamente.

Centenas de profecias neste sentido se cumprem! Então devemos todos estar preparados para uma tremenda tormenta em nossa Igreja, porque as “reformas” de Dom Jorge Mário estão em curso, ele está de todo obstinado em seguir avante, e lá na África, quando alguém lhe suplicou que “as resistências não freiem este processo”, ele retrucou dizendo: As resistências não freiam! Elas impulsionam! Pelo menos, colocando estas linhas com todo vigor, e levando adiante estas verdades, estaremos fazendo a nossa mísera parte nesta batalha, que é uma batalha deles contra Jesus Cristo, Verdade e Vida, a Quem devemos defender, até com nossa vida!

Mais dia menos dia, a Santa Missa será abolida! Mais dia menos dia os sacrários cairão! Mais dia menos dia eles darão a comunhão, não somente aos divorciados em segunda união, como também a qualquer católico em estado de pecado grave, e ainda até mesmo para membros de outras religiões. Virá uma tremenda perseguição contra qualquer um que se revoltar contra isso, e a Igreja de Pedro voltará, por um curto tempo, novamente para as catacumbas, celebrando às escondidas e mantendo VIVO a Jesus Eucaristia em nosso meio. É nas casas de boas e santas famílias que a chama dos Sacrários continuará acesa, até que tudo se cumpra e a Justiça divina tenha terminado a sua ação de limpeza no planeta.

Naquele dia não haverá mais um só protestante na terra! Ou ele se tornou católico na plenitude da nossa Doutrina, ou não estará aqui para contar a história. E naturalmente, não estarão aqui os falsos pastores da nossa Igreja, que lutaram para que o fim da história fosse bem outro: a Derrota de Jesus Eucaristia! Ai deles! (Aarão)

 

 

 
 
 

Artigo Visto: 1171 - Impresso: 28 - Enviado: 14

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 221 - Total Visitas Únicas: 2.943.835 Usuários online: 57