Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
10/04/2018
Caminhada impressionante
O Céu quer que todos os da terra aprendam e caminhem os caminhos para o abraço da única felicidade!
 

Blumenau, SC, 31 de Março de 2018

Catequese com São Miguel

Desde o dia 26, caminhamos, Norma e eu, em alguns cemitérios e novamente aprendemos coisas do Céu em companhia de nossos Anjos, nossos Santos de devoção, de nossos Santos de casa, de São Miguel, de Nossa Senhora e de Jesus.

Fomos, no dia 26, a Pomerode comprar barras de chocolate na Fábrica Nugalli, para a Marilene confeccionar ovos a serem distribuídos às crianças, no Domingo de Páscoa, quando esconderíamos os ovos em vários lugares para serem procurados por crianças e até por adultos, como fazemos todos os anos, fazendo assim acontecer um dia muito alegre, com toda a família brincando junto, correndo, vibrando quando alguém encontra o presente, torcendo para que todos encontrem, tudo num clima de euforia e felicidade.

Já em Pomerode, encontramos o Cemitério I do bairro Texto Rega e ali paramos para rezar o Terço do Amor, com a companhia do Céu!

- Que saudades, disse São Miguel, o Céu todo aguardava este momento! Vocês devem frequentemente visitar e rezar nos cemitérios! Isto traz tantas alegrias ao Céu! Muito obrigado!

De fato, já fazia um certo tempo que Norma e eu não visitávamos regularmente os cemitérios.

Nos emocionamos pelas “Saudades do Céu!”

Continuamos nossa “viagem” e encontramos o Cemitério II, na mesma rua e ali fomos recebidos pelo “Zeca” e pelos Santos de nossa família.

- Olá, Cláudio, Norma, posso caminhar com vocês? A família toda quer acompanhar vocês.

- A família toda? Quem?

- Tia Amélia, tio Antônio, teus irmãos, os pais e irmãos da Norma...

- Você quer dizer que toda a nossa família que está no Céu, nos quer acompanhar?

- Sim! E Eu também! Eu me considero membro de tua família!

- Ficaremos felizes, com o Céu rezando conosco!

- O Céu ama acompanhar vocês e nesta Semana Santa toda a tua família e a da Norma, acompanharão todas as orações de vocês: as dos cemitérios e as da Igreja e claro, com São Miguel, com Nossa Senhora a Mãe de Deus! Todos nós temos tantas coisas a dizer, a mostrar!

- E a nos ensinar?

- Sim! Porque o Céu sempre ensina, sempre tem coisas novas. E o Céu quer que todos os da terra aprendam e caminhem os caminhos para o abraço da única felicidade! Oh! Que coisa boa é o Céu! Não sei explicar, só sei desejar isto a todos vocês.

E neste momento o Céu se apresentou: os nossos familiares, e junto deles, São Miguel, a Mãe Maria e mais ao alto, sobre eles, meu Doce Jesus!

Nestes momentos eu não sei como ajo, o que faço, o que falo...

Volto à terra! Pois não é possível que isto esteja acontecendo na terra! – O Céu está aqui?

Após o meu êxtase, seguimos adiante, pois a estas horas a fábrica já deveria estar aberta.

- Mas, o que viste? O que o Céu te falou? Indagou Norma.

- O Céu está aqui e nos acompanha!

Choramos!

A fábrica não tinha o que queríamos e a atendente nos prometeu para dia seguinte. Voltamos e já no centro de Pomerode, paramos no Cemitério Evangélico e ali também a “família” nos aguardava.

E Nossa Senhora nos diz:

- Rezem sempre e não deveis vos importar se protestante ou católico. Na verdade, aqui tem de tudo: católico, protestante, batista, ateus...enfim, tem de tudo.

Não deveis recear, pois todos “se dobram” com a presença do Céu!

De fato, quando alguém reza no cemitério, o Céu acompanha, pois são milhares os santos que recebem as orações. E o mais importante: os que já estão no Céu, rezam pelos que não estão, e por vocês!

Mais adiante já fora da cidade, visitamos o Cemitério Católico da Capela Nossa Senhora das Graças e rezamos entre os túmulos e em frente à Gruta, São Miguel nos disse:

- Muitos dos que aqui estão sepultados, jamais esperavam que um dia alguém rezaria por eles! Quantos nem sabiam rezar! E quanto devem a vocês! Isto eles vos agradecerão a vida inteira!

É difícil aqui, expressar tudo o que a gente sente! Nosso coração quer saltar, vibrar, pular, gritar...

E quer chorar!

O Cemitério seguinte era o Evangélico de Texto Central e ali A Mãe do Deus nos falou:

-Sei que indagas do porque hoje as almas dos evangélicos podem ser libertadas por vossas orações, já que havia vos sido dito há algum tempo atrás, que elas só se libertariam no final dos tempos, e por isso hoje devo  dizer a vocês: Quando nos anos 1998,l999 vocês rezavam incessantemente pela libertação de Martinho Lutero, Deus vos atendeu e assim foi aberto o precedente e então, a partir disso outras almas tiveram acesso às vossa orações. Então, agora vocês já sabem: todas as almas de qualquer religião, podem encontrar em vocês o alivio para suas penas no Purgatório.

E Nossa Senhora, mostrando o Céu, suavemente falou ainda:  

Bendito seja o Senhor por ter concebido, por Seu Grande Coração, este Movimento que derruba todas as barreiras!

Vão, filhinhos! Vão em frente: o Céu vos aguarda e já a festa vos está preparada!

Eu vos abençoo!

“Maria, Mãe do universo!”

 

No dia seguinte, ao voltarmos a Pomerode, Norma e Eu, paramos no Cemitério Passo Manso, em Blumenau, e como eu previa, os nossos familiares já nos aguardavam! São Miguel falou:

Quando pedirem algo a Deus, devem dizer assim:

“Meu Deus eu te agradeço pela graça que vou receber!”

Porque vocês já sabem: desde o momento que pedirem, Deus já prepara a graça, para dá-la no tempo oportuno. Portanto, agradeçam! E por causa deste vosso ato – agradecimento antecipado – Deus vai abrindo os caminhos e vos instruindo de como deverão agir, quando os benefícios vos atingirem. Amém?

Deus sabe! Deus faz! Amém!

Já em Pomerode, paramos novamente no Cemitério Texto Rega II e Nossa Senhora nos falou:

Já não podereis contar, futuramente, com muitos de vossos acompanhantes vivos que hoje participam de vosso Movimento e, para muitos, estes dias poderão ser os últimos, mas deveis saber: o Céu jamais deixará de vos acompanhar. Amém?

- Vocês, por enquanto, não podem descansar – disse o Zeca!

“Zeca” é o mesmo do livro Essências, na página 139 com o título: Coração Criança. Está à vontade aqui hoje, participando com nossos familiares do Céu, esbanjando alegria e nos alvejando com seu sorriso de criança. Zeca morreu com 68 anos de idade e suas últimas palavras no seu leito de morte, foram: “Viva o amor, Cláudio!” E agora ele as repete: Viva o amor, Cláudio! Viva intensamente o amor! Amém!

No dia 29 – Quinta Feira Santa, uma chuva torrencial se abateu no lugar onde estávamos, impedindo a nossa participação nas solenidades deste dia, na Paróquia local: Santa Cruz. Rezamos em casa, mas senti saudades da companhia dos nossos queridos do Céu, já que haviam nos dito que fariam parte conosco, de todas as solenidades da Semana Santa.

No dia 30, o sol se fez brilhar e já pela manhã, Norma e eu, pusemo-nos a caminho e no Cemitério Central de Indaial, rezamos entre os túmulos, a Via Sacra, o Terço Doloroso e o Terço do Amor. Todos os familiares, meus e de Norma: Pais, irmãos, avós, tios e até pessoas que não conhecíamos em vida, centenas deles, nos acompanharam com São Miguel e a Mãe de Deus!

Nossa Senhora nos fala:

O Céu vos ama tanto! Aqui estamos, como prometemos!

Não faz mal que ontem não puderam participar: Nós participamos por vocês! Amém!

E já sabemos: Todos nos encontraremos um dia – com todos os vossos familiares – no Céu!

Mas, Norma, Cláudio: há ainda um caminho longo a percorrer. Contem sempre conosco. Amo caminhar com vocês!

Eu vos abençoo,

“Maria, Mãe do Universo!”

Caminhando entre os túmulos das crianças, percebemos que muitas não haviam sido batizadas: olhavam para nós, surpresas, e com ares de expectativa.

São órfãos, os não batizados, e aguardam o abraço da mamãe. Amém!

São Miguel!.

Senti neste momento, a dor da falta da mãe, como sentem as crianças quando perdem seus pais, abandonadas à sorte e na expectativa de encontrarem quem as abrace... Suas mães, naturalmente!

Mas neste caso, as crianças da Mansão Pagã não podem ter muitas esperanças e em seus rostos lindos escorrem lágrimas, sutis mas doloridas...

- Por que mamãe nos abandonou?

Não se trata aqui do abandono físico na terra, pois a maioria destas crianças viveram com seus pais ou mães, mas a falta do Batismo lhes causa esta sensação de completo abandono, como se fossem órfãos. E a dor maior é a expectativa:

- Será que nossa mamãe vai se lembrar que não nos batizou? Porque se assim for, elas não terão o Céu! Por favor, mamãe: Não perca o Céu!

E nosso choro, se misturou ao choro destas crianças...

Continuamos por entre os túmulos e mais adiante encontramos um com os nomes: Herta Heckert, Otto Heckert e Francisco Heckert.

Fique surpreso, pois não sabia que neste cemitério haviam parentes meus. E percebi que desde o começo de nossa caminhada aqui, haviam entre os parentes, pessoas que eu não conhecia. Agora, neste túmulo se fizeram conhecer:

 - Somos teus primos e realmente em vida não nos conhecíamos. Obrigado por este momento tão feliz!

À tarde visitamos o Cemitério Evangélico de Velha Central, em Blumenau. Um cemitério que, como se poderia dizer: entregue às baratas! Quase todo destruído: túmulos quebrados, arrombados, lixo, água parada nos buracos de túmulos e pelos caminhos. Eu diria: uma vergonha! Mas Mamãe falou:

- Não há mais tempo para a restauração! Já não há mais tanto tempo! E, filhinho, todo este local, este bairro e arredores serão transformados em moradas de ratos e escorpiões!

Mas, Mamãe: o que fazer? O que rezar? A Senhora vê: ali a Igreja Evangélica, ali a Igreja Católica Santa Cruz onde celebram a Paixão de Jesus. Rezam e mesmo assim serão abatidos?

- Aos que rezam com amor, haverá a recompensa. Mas, filhinhos, a maioria só cumpre obrigação, seguem a tradição, mas não trazem verdadeiramente Deus em seus corações.

No Cemitério seguinte, nas dependências da Paroquia Santa Cruz, Jesus falou:

- A Igreja está dividida em três correntes:

Uma proclama a necessidade de bens materiais: novas casas, novas construções, e a riqueza cada vez maior.

Outra proclama a devastação dos bens, em favor dos pobres.

E nenhuma das duas proclama a necessidade da conversão para o Céu!

A terceira corrente – aparentemente a mais frágil – é a que leva ao verdadeiro caminho do homem: O Céu! É esta a que reza, que se preocupa em mostrar as verdades e os caminhos que dão direito ao Céu! Mas esta é tão pequena! Tão frágil! Com tão poucos elos...

E ví a três correntes:

As dos lados direito e esquerdo tinham elos grandes, fortes e subiam garbosas da terra em direção ao Céu, seguras, firmes, impossível de se quebrarem.

A terceira – esta entre as duas – Elos fracos, parecendo arame, balançava perigosamente ao menor vento!

- Vai se arrebentar – Eu disse!

E Jesus:

- Esta é a corrente dos bons. Dos que caminham para o Céu! O perigo ronda por todos os lados e ela tende a cair!

- Vai se arrebentar...

E Jesus mostrou:

As duas correntes poderosas começaram a “apodrecer” e seus elos  foram se abrindo e as correntes se despedaçando, e com ruídos ensurdecedores caiam aos poucos sobre o chão e milhões de pessoas se despedaçaram sob seus escombros...

A outra corrente, aparentemente tão frágil, não sucumbiu!

- É firme, eu gritei!

- Sim, filhinho! É firme! E de ouro!

De fato, seus elos agora reluziam: eram de ouro puro!  E do Céu, a Luz Poderosa, vindo das mãos de Deus a iluminava criando um fantástico espetáculo jamais observado antes, por mim!

Ouro, luzes, perfume: todos os que formavam os elos, eram luzes!

- E de todos estes é feito o Céu – disse Jesus!

Depois, Nossa Senhora me pediu que segurasse as mãos de Norma e as beijasse e pediu que Norma abençoasse todos os familiares do Céu, ali presentes.

A seguir participamos das cerimônias desta Sexta Feira Santa, nesta Igreja: Paroquia Santa Cruz.

Houve festa no Céu!

Houve festa em nossos corações. Amém!

No dia 31, no Cemitério Progresso, em Blumenau:

- Viu, como não estamos nos cemitérios? Mas gostamos de ver a alegria de tantos quando vocês rezam nos cemitérios e por isso vamos sempre com vocês, e assim, são milhões! Amém!

Abraços, Maninha!

“Arno!”

Norma começou a cantar: Formosa és Lírio Branco da Trindade...

E o Arno, seu irmão no Céu, começou a bater palmas, com um sorriso que, pareceu-me, ligar a terra com o Céu! Amém!  

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 

Artigo Visto: 963 - Impresso: 20 - Enviado: 5

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 476 - Total Visitas Únicas: 3.273.317 Usuários online: 56