Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título



 
 
03/01/2020
Mentiras que enganam bilhões
A esquerda mundial, sob a instrução de satanás, sabe muito bem bestificar os povos.
 

Bilhões de inocentes úteis, pensam até que estão fazendo um bem para a humanidade, quando lentamente nos estão levando para o cadafalso, proteção das mulheres, quilombolas e índios, proteção dos animais, proteção xiita do clima, conservação da natureza, gays e gênero são bandeiras dos mentirosos... Quem os segue está sendo bem guiado a cabresto. Acaso acordarão quando estiverem ensilhados, prontos para o chicote e a espora do anticristo?

Por José Javier Esparza – Fonte Infovaticana

(Rebelião Agrícola) - Não é político, não é ideologia, muito menos é uma "cortina de fumaça", não: o que estamos vendo hoje se impondo é uma espécie de nova religião secularizada, um credo de substituição universal, uma espécie de fé cega que aspira a dominar corpos e almas. E ele está conseguindo isso tanto pela persuasão quanto pelo medo. Violência de gênero Emergência meteorológica. Esses são, por enquanto, os nomes do novo credo. Arrependam-se, pecadores.

Era o que o mundo global não precisava realmente tomar forma: uma ideologia global, uma fé única, uma "religião verdadeira" que pudesse ser imposta às consciências em nome, é claro, de nossa redenção. Porque era isso que era necessário, certo? Um novo horizonte adequado para todos os povos, todas as nações, todas as culturas. Uma nova referência universal. A destruição da antiga ordem católica deixou um imenso vazio. No século XX, duas novas "ideologias universais", como Hannah Arendt as chama, tentaram preencher a lacuna: a luta racial, que terminou entre as ruínas de Berlim em 1945, e a luta de classes, que também terminou em Berlim, mas sob os escombros de uma parede, em 1989. Que outra ideologia procurar? O mercado? Eles tentaram, mas é difícil construir uma promessa de redenção no ideal do egoísmo. Assim, o mundo pós-moderno amanheceu: todos os credos mortos, uma paisagem absolutamente fragmentária e caótica surgiu onde tudo valeu o mesmo, então nada realmente valeu nada. Foi divertido, sim, mas como governar isso?

Um anel para governar todos eles

De fato, como construir um poder de ambição planetária sobre uma humanidade fragmentada de tal maneira? Como forjar um anel para governar todos eles? E então alguém teve a ideia de reunir novas lutas universais que transcendiam às antigas e complicadas fronteiras dos estados-nação e identidades culturais, sempre tão irritantes. Não foram as pessoas que os inventaram, não: foi o poder que definiu essas novas guerras, mais universais e transversais, mais abstratas. Guerras válidas para todos porque não se opõem a assuntos específicos em campos definidos por um interesse material direto (franceses contra alemães, ricos contra pobres, brancos contra negros, o que eu sei), mas, em vez disso, colocam antagonismo em conceitos ideais e indeterminados (o "Homem" e "mulher", o "clima" etc.), cujo desenho material aparece apenas a posteriori. Conceitos tão universais, tanto que, na realidade, eles não têm significado material, mas é precisamente aí que reside sua força... Emocional.

Primeira guerra universal e transversal: a dos homens contra as mulheres. Não existem homens em todos os lugares que matam algumas mulheres? Poucas coisas mais fáceis de visualizar. A esquerda procurava desesperadamente novos assuntos revolucionários desde o desaparecimento do proletariado. Ele tentou com minorias étnicas e povos oprimidos, mas esses assuntos têm a desvantagem de que a revolução termina e o que sai dela raramente é edificante. Pelo contrário, a guerra dos sexos nunca terminará, como sempre haverá candidatos a enfrentar, personagens de uma história infinita e interminável que semeia a semente da discórdia no coração da humanidade.

O juiz Pilar Llop, hoje presidente do Senado na Espanha, expressou com uma sinceridade inigualável: "Uma democracia em que metade da sociedade (homens) derrama violência sobre a outra metade (mulheres) não é uma democracia". Ele disse ao jornal "El País" em uma entrevista em dezembro de 2018. Ali, nessa fórmula, há tudo: dois assuntos indeterminados de extensão universal estão em guerra eterna. Obviamente, a objeção de princípio é óbvia: você sai e me diz onde vê a violência derramada, independentemente de um número específico de casos específicos que, proporcionalmente, ainda são minoritários. Mas é o mínimo: o que importa é a construção de uma história capaz de mobilizar consciências em um momento de consciência adormecida.

Além de todo debate racional, "Calentologia" se tornou um tipo de Igreja. Seu profeta: ex-vice-presidente americano Al Gore. Suas escrituras: os relatórios do Painel Internacional da ONU. Seus médicos: os cientistas e técnicos desse painel. Seus pregadores: a mídia que transmite, frequentemente exagerando, as previsões do apocalipse climático. Seu messias: a santa garota Greta, que anda sobre a água a bordo de um catamarã, apontando o caminho da redenção e ameaçando os pecadores. Seus penitentes e flagelantes: os "ativistas" que se manifestam nas ruas assaltando lojas, imbuídos de um poderoso sentimento de superioridade moral e exigindo uma conversão universal. O Paraíso prometido: a Terra, nada menos. "Siga-me e você herdará a Terra, que de outra forma perecerá." Isso é estritamente o que eles estão nos dizendo. É um fenômeno impressionante: uma religião para os tempos da morte da religião.

A destruição do mundo racional

O que faz desses novos dogmas uma religião, e não uma ideologia é sua estrutura. Para começar, eles se apresentam como axiomas além de qualquer dúvida: por serem afirmações carregadas de conteúdo moral (“defender mulheres”, “salvar a humanidade”), não é possível levantar o menor debate sem se tornar imediatamente suspeito. "Apenas alguns fãs continuam negando as evidências", disse Pedro Sánchez recentemente sobre a emergência climática. Mas que evidência? O procedimento racional convencional baseia-se em colocar uma hipótese à prova para verificá-la ou refutá-la, mas isso não se encaixa aqui: o simples pedido de um debate contraditório já é causa de expulsão para o inferno, como aconteceu com o meteorologista chefe da France Télévisions, Philippe Verdier, cujo livro Investigação climática o levou (outubro de 2015) a ser expulso do trabalho. Porque isso não é ciência. É outra coisa. Em que campo o fanatismo é realmente?

Segundo elemento estrutural que faz de tudo isso uma religião: a obrigação de respeitar o credo completo, em todas as suas partes, sem a opção de análise parcial. Por exemplo, se fôssemos confrontados com uma discussão puramente racional, poderíamos condenar perfeitamente a violência contra as mulheres, mas, ao mesmo tempo, discutir se é “violência de gênero”, ou seja, violência exercida sobre as mulheres pelo mero fato de ser mulher Também, por exemplo, em um nível puramente analítico, pode-se concordar que as emissões de CO2 são essencialmente prejudiciais, mas, ao mesmo tempo, discutem a validade universal dos modelos de simulação por computador usados ​​para prever o apocalipse climático. Mas nada disso se encaixa aqui: você tem que aceitar todo o credo, assim como ninguém poderia continuar se chamando cristão se ele se recusasse a cumprir, por exemplo, três dos dez mandamentos. Integridade climática, fundamentalismo de gênero.

O terceiro elemento é, obviamente, o pecado e o pecador. Visto que somos confrontados com axiomas que devem ser aceitos além de qualquer dúvida, dado que são declarações carregadas de conteúdo moral e considerando que a Verdade deve ser aceita como um todo, toda dissidência é necessariamente transformada em mancha moral, transgressão, culpa. Discordar não é um erro, é um pecado. O incrédulo não é alguém que está errado, ele é um infiel, um apóstata que deve ser excluído da comunidade. De fato, o poder emocional da Verdade revelada é tão intenso que apenas uma pessoa má - machista, racista etc. - pode roubar sua bondade. Existem milhares de cientistas que discordam da análise do Painel da ONU sobre mudança climática, mas essas condições são imediatamente retiradas, porque como alguém que não reconhece a Verdade revelada pela "ciência" pode continuar sendo chamado de cientista? Existem milhares de juristas que consideram que a lei espanhola de violência de gênero é substancialmente injusta, mas imediatamente seu status de jurista é enterrado por essa mancha moral, porque como alguém que discute "Justiça" pela antonomásia pode continuar sendo chamado de jurista?

Os novos doutores da lei, os alfabetos da nova religião, inventaram um termo para esses pecadores: "negacionista", um conceito extraído da controvérsia sobre o genocídio judaico e que agora se aplica àqueles que discordam do credo ortodoxo. É, mais uma vez, um conceito carregado de antecedentes morais: Mefistófeles, o demônio de Fausto, é "o espírito que nega tudo". Negar a verdade suprema do clima ou do gênero é uma atitude propriamente diabólica, que merece as mais severas condenações: silêncio, exclusão, linchamento público.

Uma nova Inquisição nasceu.

Há comentaristas que dizem que realmente estamos enfrentando um novo disfarce da velha esquerda para alcançar seus sonhos revolucionários. Como a esquerda foi a primeira a entrar no carro da violência de gênero e da emergência climática, o vínculo parece transparente. A santa garota Greta não voltou seu discurso para a fusão de todas essas coisas? “Os sistemas de opressão coloniais, racistas e patriarcais criaram e alimentaram a crise climática. Precisamos desmontar todos eles”, escreveu Greta com as ativistas Luisa Neubauer e Ángela Valenzuela (sindicato do projeto, 29.11.2019). A abordagem é falsa (de fato, o primeiro poluidor global permanece e, de longe, a China), mas isso não importa: aqui está uma bandeira de apego emocional, de modo que todas as demandas de gênero, etnia e qualquer outra coisa, unam-se na frente do demônio, é claro masculino e branco, sob a bandeira comum da fé climática.

Esquerda então. Mas, realmente, do que estamos falando?

Lenin disse que "os burgueses nos venderão a corda com a qual os enforcaremos". Hoje, o capitalismo transnacional poderia dizer o mesmo sobre a esquerda, porque todas essas novas religiões políticas realmente apenas beneficiam a ordem econômica atual. Os meios de produção e o perfil de produção, sem dúvida, mudarão, mas a propriedade não mudará de mãos, vice-versa. A rigor, todas essas reivindicações feministas, climáticas etc. beneficiam apenas a ordem econômica mundial.

Um exemplo: para o sistema de produção e consumo, seis “solteiros” são muito mais lucrativos do que uma família tradicional de seis, pelo menos no curto prazo, porque produzem mais e consomem mais. Do ponto de vista da esquerda tradicional, cujo horizonte teórico sempre foi a proteção de classes desfavorecidas contra reivindicações de poder, clima ou "gênero", tem um significado muito limitado. Mas essa esquerda, ao que parece, definitivamente morreu. O que temos agora naquele litoral é um milionário que olha com desprezo para o povo e o chama de "fascista" do topo de seus privilégios.

Alguém realmente acredita que estamos diante de um movimento de resistência contra o poder, diante de uma nova versão dos "párias da terra" (hoje párias do clima) insurgentes contra a exploração? Basta ver quem financia a European Climate Foundation, uma organização (é claro, “não governamental”) que é fundamental nesta guerra e fábrica do fenômeno Greta Thunberg. São as Philantropies da Bloomberg, do magnata norte-americano Michael Bloomberg, os Rockefeller Brothers Found, o fundo britânico TCI (The Children's Investiment Fund Management), as fundações Hewlett e Packard (da gigante eletrônica Hewlett-Packard), o Arcadia Capital Partners Fund, etc. Ou seja, os párias da terra.

Por outro lado, as duas guerras universais, de gênero e clima, coincidem em uma coisa: somente o poder é capaz de resolver o problema. Além disso, deve ser um poder transnacional global, muito além do alcance das antigas democracias nacionais. São guerras de natureza tão extensa, tão enormes, tão inatingíveis em sua dimensão planetária que, por natureza, exigem a intervenção de um poder onipresente e, quanto mais transnacional e coercitivo, melhor; A única opção da pessoa singular é abaixar o colo do útero e submeter-se ao que diz o comando invisível do mundo globalizado. Não há utilidade para oposição individual, resistência pessoal, objeção de consciência: a magnitude do desafio é tão poderosa que a obediência só é possível, e o que está em jogo é tão alto - humanidade, nada menos - que qualquer dissidente permanece imediatamente condenado como blasfemo, como apóstata, sob o infame sambenito "negacionista". É, falando bem, um novo totalitarismo.

No final, neste e em outras coisas do mundo global, o único exemplo efetivo de resistência, o último baluarte contra esse tipo abstrato de Moloch, é o apelo a realidades concretas, a espaços onde é possível decidir fora do poder em todo o mundo: pessoas, famílias, identidades culturais, nações, espaços políticos visíveis e governáveis, onde a vontade do cidadão ainda pode se tornar realidade com uma ideia racional do bem comum. "Racional" é, nesse contexto, a palavra-chave: diante do magma emocional das religiões globais, levante a velha razão europeia que analisa e disseca. Caso contrário, estamos perdidos.

Postado em Farm Rebellion

A entrada Globalização já tem seu credo: arrepender-se, os pecadores foram publicados pela primeira vez na InfoVaticana.

 

 
 
 

Artigo Visto: 643 - Impresso: 8 - Enviado: 0

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 169 - Total Visitas Únicas: 3.597.505 Usuários online: 81