Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título



 
 
22/10/2019
Pachamama no Tibre
Um ídolo pagão dentro de uma Igreja Católica é ou não uma abominação?
 

Pachamama no Tibre: um gesto que fala por si.

Por FratresInUnum.com, 22 de outubro de 2019 – Toda vitória começa no campo semiótico, embora a maior parte das pessoas, por conta da miopia histórica, não consiga captar a profundidade dos símbolos.

Em 7 de setembro de 1303, tropas do rei da França, Felipe, o Belo, invadiu o palácio papal de Anagni e, com a mão coberta por uma luva de ferro, deu-se um tapa no rosto do Papa Bonifácio VIII, o qual caiu do trono para o chão. O episódio ficou conhecido como “Atentado de Anagni” e, mesmo tão circunscrito, foi determinante para o fim da cristandade medieval: o declínio do poder temporal do papado começou exatamente a partir daí e, de certo modo, estamos vivendo as consequências daquele ato até os dias de hoje.

Resultado de imagem para católicos roubam imagem igreja de roma e lançam no rio

Na manhã de ontem, dia 21 de outubro de 2019, dois rapazes foram à Igreja de Nossa Senhora em Transpontina, perto do Vaticano, onde estão acontecendo contínuos cultos pagãos por ocasião do Sínodo da Amazônia, e, em um ato de coragem sem precedentes, tomaram imagens da Pachamama e as jogaram no Rio Tibre. Todo o ato foi filmado pelos próprios jovens e o vídeo viralizou pelas redes sociais, provocando comemorações eufóricas por católicos de todo o globo, para desespero completo dos cúmplices desse Sínodo vergonhoso.

A reação de susto do Vaticano foi indisfarçável. Eles acionaram a polícia, com medo de “atentados” semelhantes. Seguiu-se uma verdadeira enxurrada de comentários louvando o ato nas redes sociais, inclusive nas páginas dos órgãos de comunicação do Vaticano. A patrulha bergogliana começou um inútil esforço concentrado para intimidar as comemorações populares, valendo-se de apelações moralistas e politicamente corretas, que foram solenemente ignoradas pelos fiéis, cuja produção de memes comemorativos excedeu-se em criatividade.

A insubordinação do laicato consciente à traição da hierarquia não pode mais ser ignorada. O gesto dos dois jovens repercutiu não apenas pelo respaldo do povo católico, mas sobretudo como representação de toda uma resistência ativa, engajada, batalhadora, que não cessa de se opor ao desmonte da Igreja e que vai romper todos os limites meramente institucionais, não se permitindo mais amordaçar, mas partindo para atitudes concretas.

Os dois moços personificaram a indignação de todos os fiéis e fizeram aquilo que todos queriam fazer. Assim como Nosso Senhor expulsou os vendilhões do Templo e como os Macabeus destruíram os altares da idolatria, aqueles dois jovens entraram na sua casa, na Igreja Católica, e jogaram no rio aquela “abominação da desolação”, que jamais deveria ser cultuada em um templo cristão.

A Igreja sempre destruiu as imagens dos deuses pagãos! Inclusive, no centro da Praça de São Pedro, a poucos metros dali, está um obelisco sobre o qual permanece fincada uma relíquia da Santa Cruz de Nosso Senhor, para simbolizar a vitória de Cristo sobre toda a idolatria do paganismo, e o templo de Santa Maria sobre Minerva, em que a Igreja destruiu todo o culto pagão a Afrodite e o substituiu pelo culto do Verbo Encarnado e de sua Mãe Santíssima.

Atirando aquele ídolo ao rio, os dois cristãos deram muito mais que um tapa em todo o Sínodo da Amazônia, e o festejamento do ato em todo o orbe católico dá provas disso. O livro do Apocalipse diz: “Então, um anjo poderoso to­mou uma pedra do tamanho de uma grande mó de moinho e lançou-a no mar, dizendo: ‘Com tal ímpeto será precipitada a Babilônia, a grande cidade, e jamais será encontrada’” (Ap 18, 21).

Não há mais retorno. Francisco perdeu completamente o controle sobre o povo. A máscara caiu. Não conseguem mais sustentar a narrativa da tal eclesiologia do Povo de Deus: eles abandonaram o povo há muito tempo e se tornaram uma sinagoga restrita, autista, sectária, autoritária, que fala apenas para si mesma.

De agora em diante, o teatro se tornará cada dia mais flagrante, menos convincente. E os promotores dessa nova igreja, malgrado sua euforia, terão de conviver com o odium plebis, com um povo que não lhes dará descanso e não cessará de denunciar a sua impostura.

Compartilhe!

++++++

OBS > Que as pachamama se deusas poderosas são, que desçam pelo Tibre adentrem no Mediterrâneo, atravessem o Atlântico, achem o caminho de volta ao Peru de onde vieram. Lá tem altar e templo para elas. Isso se elas não congelarem nos mares do sul da Argentina. Todos os católicos de bem, que julgo ser ainda maioria, ficaram eufóricos com a ação espetacular dos dois jovens CATÓLICOS de verdade. Eu não entendo como é que bispos, cardeais, padres, e este um que se diz papa, não se dão conta do quão abominável foi se ato de colocarem aquelas porcarias dentro de um templo sagrado.

Esta deusa dos índios não é Nossa Senhora. Como é que eles conseguem chegar ao descalabro de carregarem um ídolo destes em um andor, sabendo que “todos os deuses de outras religiões são demônios”? Carregavam então a imagem de um demônio e não sem gargalhadas do inferno. Uma deusa que “gosta de feto abortado de lhama”, aquele meio camelo dos Andes, tendo a barrega vermelha de sangue de aborto, conforme um estudioso afirmou, tem a ver com satanismo. Querem prova maior de que parte do nosso clero enlouqueceu?

E vêm os defensores desta abominação acusar os jovens de “iconoclastas”, quando eles que são exatamente pagãos, porque rejeitam a imagem de Maria Santíssima. E diz o REPAM que quer processar os jovens por furto de imagens “sagradas”. Pois se eles não tem dinheiro para arrumar bons advogados católicos – isso se forem descobertos – que façamos uma “vaquinha” mundial para auxiliá-los. O fato é o seguinte: os dois jovens têm hoje seus nomes inscritos no Céu, quem defende pachamama anotou seu nome no inferno, porque nenhum idólatra entrará no Reino dos Céus!

Lembrando a Escritura, quando Moisés desceu do Sinai e viu seu povo pulando e dançando diante de um bezerro de outro - o deus daqueles loucos que os tinha tirado do Egito - mandou passar a todos os dançarinos ao fio da espada e penso que mais de 3 mil pessoas foram sacrificadas por causa daquela atitude abominável. Pois eles sabiam da Lei que diz: Ouve ó Israel, não terás outros deuses diante de Mim. Os carregadores de pachamama sabem disso! (Aarão)

 

 
 
 

Artigo Visto: 564 - Impresso: 7 - Enviado: 0

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 822 - Total Visitas Únicas: 3.538.832 Usuários online: 80