Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
16/12/2018
Um papa destruidor
São Francisco previu a chegada de um falso pastor, que tentaria a destruir a Igreja
 

sábado, 15 de dezembro de 2018

O Papa que destruiria a Igreja

 
chris graphic

Fonte: Remnant Newspaper -  The Pope Who Would Destroy the Church

Nesta ruína Bergogliana, que sempre fica pior, o papa Bergoglio parece não ter defensores mais ferrenhos no establishment  neocatólico, exceto por alguns personagens dementes com inclinação a explosões obscenas, dois dos quais, finalmente, EWTN e do National Catholic Register tiveram de despedir. Este é um papado que somente um louco pode continuar a defender como firmemente ortodoxo.
 
Dr. Douglas Farrow, professor de teologia na Universidade de McGill, resume de maneira acertada o sentimentos da representação não tradicionalista, agora unânime, que se opõe a loucura deste Papa escrevendo para o  Catholic World Report sobre o que ele chama de "o preocupante pontificado de Bergoglio":
 
“Os críticos estão certos quando dizem que a revolução está equivocada: isso não é uma reforma. Não é nem uma conversão. É uma conquista. Se nada for feito, as portas do inferno prevalecerão contra a Igreja, que se extinguirá em todos os lugares como já está extinta nas terras dos próprios revolucionários. Precisamos pedir ao Céu para pará-lo e confiando na promessa de Nosso Senhor de que essas portas não prevalecerão e que sua igreja não desaparecerá.”
 
Não se pode falar uma afirmação tão severa, nem mesmo em uma página sedevacantista, mas isso aparece nas páginas de uma publicação de tendência popular que nunca poderia ser acusada de pertencer ao temido "tradicionalismo radical."
 
A imagem de conquista de Farrow é bastante surpreendente. É isso mesmo: temos um papa que parece determinado a conquistar a Igreja para destruí-la e reconstruí-la de acordo com seu próprio "sonho" distópico do que deveria ser; que representa a essência destilada de um neomodernismo jesuíta degenerado, combinado com manobras espertas de poder político ao estilo argentino. Lembre-se das palavras de Bergoglio em que a declaração de intenções que é Evangelii Gaudium (EG), um extenso manifesto pessoal de duzentos e oitenta e oito parágrafos sem paralelo na história do papado:
 
Eu sonho com uma 'opção missionária'; isto é, com um impulso missionário capaz de transformar tudo de maneira que os costumes da Igreja, o modo de fazer as coisas, os calendários e os programas, a linguagem e as estruturas possam ser adequadamente direcionados para a evangelização do mundo de hoje. dedicar-se à autopreservação”.
 

Que Bergoglio veja a oposição entre seu sonho e a autopreservação da Igreja evidencia mais que uma visível arrogância. Como ele disse a seu amigo Eugenio Scalfari durante uma entrevista infame em La Repubblica pouco antes Evangelii Gaudium fosse publicada, não se fez o suficiente para reconstruir a Igreja desde o Concílio Vaticano II: "Os Padres conciliares sabia que estar aberto a cultura moderna comportava um ecumenismo religioso e um diálogo com os não-crentes. Mas muito pouco foi feito nessa direção. Eu tenho a humildade e a ambição de fazer algo ". Parece que estamos lidando com alguém semelhante a um maníaco que, tendo ascendido de alguma forma à Cadeira de Pedro, representa um perigo claro e iminente para a Fé.
 
A atividade frenética deste Papa, que parece inclinada a conquista da Igreja e que, se não parar, como diz Farrow, as portas do inferno prevalecerão contra ela e desaparecerá em todos os lugares, lembra a famosa citação das obras do Doutor da Igreja São Roberto Belarmino (1542-1621) em seu impressionante compêndio Controvérsias sobre a Fé Cristã. No segundo livro de seu volume sobre o Soberano Pontífice, Belarmino aborda várias objeções ao poder papal, incluindo as seguintes:
 
“É lícito que qualquer mate um pontífice se este invade qualquer território injustamente: por esta razão será muito mais justo do que os reis ou um Concílio deponham um pontífice se esse vai prejudicar o bem comum ou se esforça para destruir as almas com seu exemplo.”
 
Ao qual Belarmino responde assim:
 
“Primeiro eu respondo negando o consequente, porque não se requer autoridade para resistir a um invasor e defender-se. Não é necessário que o invadido seja juiz e superior do que invade, mas se requer autoridade para julgar e punir. Portanto, da mesma forma que é lícito para resistir a um Pontífice que invade um corpo, é lícito resistir quando ele invade almas ou perturba um estado e muito mais se esforça para destruir a Igreja. Eu digo que é lícito resistir a ele não fazendo o que ele ordena e impedindo-o de fazer sua vontade. Mesmo assim, não é lícito julgá-lo para castigá-lo ou até mesmo demiti-lo, porque ele é um superior. Sobre este assunto, ver Caetano e João de Torquemada”.
 
Considere um aspecto deste raciocínio de Belarmino que muitas vezes fica esquecido: que a resistência a um pontífice romano rebelde  atacar a Igreja não é uma questão de usurpar autoridade, mas de autodefesa simples. Tenha em mente que Belarmino não considera impossível a perspectiva de um Papa que se esforce para destruir a Igreja. Ele diz que sim, que nenhuma autoridade seria necessário para defender as almas ou a Igreja contra este papa. Muito pelo contrário: o dever de resistir a um Papa assim e o fato de  não resistí-lo seria um ato culpável. Isto é o que São Tomás chama obediência indiscreto a um superior, o que significa obediência a qualquer ordem ainda que contrária a Deus ou a uma regra que eles [os religiosos] professam, por  obediência, nestes casos, seria ilegal. "(Soma Teológica II-II, Q 104, Artigo 5)
 
Está implícito nesses argumentos que ninguém na terra, nem mesmo o Papa -é um ditador absoluto cuja vontade é lei, simplesmente porque é isso que quer. Essa é precisamente a questão que Bento XVI explicitou no início de seu pontificado misteriosamente truncado:
 
O papa não é um monarca absoluto cujos pensamentos e desejos são a lei. Pelo contrário, o ministério do Papa é garantia da obediência a Cristo e à Sua Palavra. não deve proclamar suas próprias ideias, mas deve constantemente submeter-se à Igreja e à Palavra de Deus antes de cada tentativa de adaptá-la ou diluí-la e antes de qualquer forma de oportunismo "[Homilia Posse Missa do Presidente Bispo de Roma, 7 de maio de 2005]
 
O argumento de Belarmino é frequentemente citado neste momento sem precedentes, talvez até pior do que a crise ariana, onde a resistência à má conduta papal tornou-se quase obrigatória se você quiser preservar intacta a fé de nossos pais. Mas com a chegada de Bergoglio e o "Bergoglianismo", como Antonio Socci chama, enfrentamos pela primeira vez em dois mil anos com a materialização do Papa hipotético de Belarmino que se esforça para destruir a Igreja: um papa que declara abertamente que o a "autopreservação" da Igreja não é menos perturbadora para ele do que seu sonho maníaco de "transformar tudo".
 
Essa transformação eclesial destrutiva que Bergoglio prevê inclui a noção inédita de uma "igreja sinodal" em linha com os cismáticos ortodoxos, que substituiria literalmente a Igreja que Cristo fundou. Em seu discurso no quinquagésimo aniversário da invenção desastrosa de Paulo VI o " Sínodo Universal ", que se reúne regularmente em Roma, Bergoglio falou do "compromisso de construir uma Igreja sinodal", declarando: "Estou convencido de que em uma igreja o sínodo pode lançar mais luz no exercício do primado Petrino ''.
 
Sobre este sínodo Bergoglio irá construir sua igreja e as portas do inferno prevalecerão contra ela se ele for o monarca absoluto que parece pensar que é. O que é essa "igreja sinodal", senão simplesmente uma folha de figueira para esconder o exercício nu da vontade de Bergoglio, tal como temos visto com um sínodo manipulado após o outro?
 
A farsa sinodal recém-concluída "sobre a juventude, fé e discernimento vocacional" 
culminou em um documento final absurdamente bombástico de cerca de vinte e cinco mil palavras, previamente elaborado pela comissão de redação selecionada por Bergoglio e cheio de questões que os Padres sinodais nunca trataram incluindo o "discernimento" [isto é, consentindo o adultério e oferecendo a Sagrada Comunhão, enquanto o pecador pensa]. a "orientação sexual" e a mesma "sinodalidade" pela qual Bergoglio procura impor sua vontade. O documento foi fornecido apenas em italiano durante o último dia do Sínodo e traduzido por via oral apenas no momento da sua votação apressada parágrafo por parágrafo pelos prelados na sala - sem alterações permitidas - a maioria dos quais eram incapazes ler ou falar italiano, muito menos refletir sobre a montanha de palavreado que estavam votando.
 
Em uma entrevista com Edward Pentin, o bispo de Sydney, Anthony Fisher, educadamente comunicou que o Sínodo era uma paródia manipulada de um procedimento. "Sim, [O documento final] foi lido tão rapidamente que os tradutores o viram e desejaram que fosse mantido o ritmo, e os padres não puderam tomar notas em seu próprio idioma. Portanto, nem sempre estávamos certos sobre o que eles nos pediram para votar sim ou não. " Sobre a inserção da "sinodalidade" - isto é, o instrumento da vontade de Bergoglio- no Documento Final, Fisher fez esta avaliação devastadora: '' Não estava no documento de trabalho. Não estava nas discussões da assembléia geral. Não estava nas discussões dos grupos linguísticos. Não estava nos relatórios de pequenos grupos. Apenas apareceu do nada, no rascunho do documento final. "
 
Com relação à exclusão sistemática amplamente divulgada dos jovens de mentalidade tradicional nas reuniões do sínodo e pré-sínodo, Fisher disse o seguinte:
 
“Mas um dos Padres sinodais mais internacionais observou que parecia haver ou havia poucos jovens de "disposição clássica" (segundo suas palavras) presentes para falar desse ponto de vista e que isso fazia com que os jovens ouvintes não fossem totalmente representativos. da sua geração ...
Não. Eu não acho que apenas os jovens mais tradicionais tenham sido silenciados. Nós todos fomos. O fato é que, após nossas breves intervenções, era quase impossível para os bispos obterem uma intervenção adicional na assembleia geral.
E depois votar em questão de minutos, e isso com muita pressa, sem oportunidade para novas emendas. Para mim, essa não é a maneira de fazer doutrina.
 
Mas esse é o caminho usado por Bergoglio para "fazer doutrina" enquanto afirma que ele está simplesmente implementando as "decisões do Sínodo" descritas sem pudor como um oráculo do "Espírito". Daí a promulgação por Bergoglio do Episcopalis Comunio (CE) que formaliza os procedimentos de seus treinos sinodais como um "processo [que] não só tem o seu ponto de partida, mas o seu ponto de chegada no Povo de Deus, em que os dons da graça concedidos pelo Espírito Santo através do encontro dos bispos em assembleia devem ser derramados ".
 
Sob o mecanismo criado pela CE, Bergoglio irá selar os resultados dos sínodos gerenciados do início ao fim, rotular os documentos finais como parte do "magistério ordinário do sucessor de Pedro" (Art. 18) e, em seguida, declarar os documentos sinodais predeterminado e pré-escrito que ele aprova como "o resultado da obra do Espírito ..." (¶ 5). Assim, Bergoglio pode manipular um Concílio pseudo-ecumênico após o outro sem todo o alarido e aborrecimento de um verdadeiro Concílio Ecumênico em que uma teimosa minoria conservadora poderia impedir seus projetos.
 
Talvez pela primeira vez na história, a Cátedra de Pedro é ocupada por alguém que vê o seu poder como absoluto, mesmo em matéria de doutrina, fazendo um grande show de sua pretensão de buscar humildemente descentralizar a autoridade eclesiástica, mas de modo que realmente a concentra, como nunca antes, na pessoa do Papa. Admitindo isso, o porta-voz da “Bergogliano”, P. Thomas Rosica, o agregado de língua inglesa raivosamente pró-homossexual, da Sala de Imprensa do Vaticano declarou exultante:
 
“ O Papa Francisco rompe com tradições católicas quando ele quer porque ele está livre de apegos desordenados [citando Bergoglio]." Nossa Igreja, de fato, tem entrado em uma nova fase: com o advento deste primeiro Papa Jesuíta, é abertamente dirigida por um indivíduo em vez da autoridade da Escritura unicamente ou até mesmo pelos ditames da Tradição complementares à Escritura”.
 
Uma descrição mais precisa de um papa que "se esforça para destruir a Igreja" não pode ser pedida. Seguindo o conselho de São Roberto Belarmino, os fiéis não podem deixar de responder aos esforços de Bergoglio de acordo com seu estado, "não fazer o que ele ordena para que não se cumprir a sua vontade." Tal é a situação sem precedentes dos assuntos eclesiais neste estágio final da crise pós-Vaticano II na Igreja. E esse é o nosso destino até que o Céu finalmente nos conceda o Papa sagrado e corajoso que restaurará o papado e a Igreja à ordem que Deus queria. Não há dúvida de que o Papa reinará durante o Triunfo do Imaculado Coração que Nossa Senhora nos prometeu em Fátima. Até então, o reino do pequeno tirano da Argentina, a quem Deus permitiu afligir a Igreja, para nosso castigo, será apenas uma lembrança amarga.
 

 

 

 
 
 

Artigo Visto: 816 - Impresso: 13 - Enviado: 5

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 371 - Total Visitas Únicas: 3.461.329 Usuários online: 82