Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
02/12/2018
Examinem a "renúncia" de Bento XVI
Notável teólogo do Vaticano nos alerta para isso. Finalmente alguns acordam para a tremenda realidade!
 

sexta-feira, 30 de novembro de 2018 (Comentário nosso ao final)

Notável teólogo do Vaticano chama a examinar a renúncia de Bento XVI

Fonte: Rorate Caeli - Que conste: Notable teólogo del Vaticano llama a examinar la validez de la renuncia del Papa Benedicto XVI
Anunciamos isso como uma parte importante da trajetória do reinado de Bergoglio. Enquanto nós comentamos no Twitter há alguns dias, só agora foi possível colocá-lo no blog. Nossos leitores veteranos sabem que por muitos anos seguimos o Bueno de Bux.
 
O monsenhor aponta - a validade da abdicação de Bento e o que ela implica, naturalmente, a legitimidade da eleição de Bergoglio - não reservado para salas de chat online e encontros sociais de café no sóton da igreja. O que ficou escondido nas sombras por cinco anos agora está iluminado e descoberto.
 
Em Rorate não optamos por nenhuma posição, apenas dizemos que a luz solar é sempre o melhor desinfetante.



 

Fala  do monsenhor Nicola Bux, em entrevista original a Aldo Maria Valli: Em uma entrevista importante no mês passado, um teólogo do Vaticano disse que, a menos que o papa Francisco se auto corrija e reafirme os ensinamentos da Igreja em moral, fé e os sacramentos , “a apostasia vai se aprofundar e o cisma de fato vai aumentar. "
 
Para enfrentar a crise atual sugeriu que examinar a "validade jurídica" da renúncia do Papa Bento XVI é necessário para "superar problemas que hoje parecem irresolúveis". Teólogo, consultor da Congregação para as Causas dos Santos, deu a entender que um estudo mais aprofundado da situação revelaria que Francisco não é e não foi um papa válidomas é, de fato, um antipapa, que poderia ser deposto do papado, anulando assim os seus erros intransponíveis.
 
Monsenhor Nicola Bux, ex-consultor da Congregação para a Doutrina da Fé de Bento XVI, fez os comentários notáveis em uma entrevista em profundidade com o repórter vaticanista Aldo Maria Valli, o mesmo repórter que entrevistou o arcebispo Carlo Viganò antes dele acusar o papa de ter encoberto alguma má conduta sexual de alguns clérigos em agosto passado, em uma carta surpreendente de onze folhas.
 
Escrevendo em seu próprio blog, o repórter do National Catholic Register, Edward Pentin, diz que Bux advertiu que o atual papa está emitindo declarações que estão gerando "heresias, cismas e controvérsias de vários tipos" e que o pontífice deve emitir uma profissão de fé que restaure a unidade da Igreja.
 

***
 
Na entrevista publicada em 13 de outubro, mas esquecida por causa do Sínodo dos Jovens, que teve lugar em Roma no mês passado, o teólogo consultor da Congregação para as Causas dos Santos disse que, "declarações heréticas" a respeito do casamento , a vida moral e a recepção dos sacramentos estão agora no centro de um amplo debate que se torna cada vez mais veemente com o passar dos dias ”.
 
Mons. Bux disse que a origem de muitos desses ensinamentos  questionados – destacados em uma correção em Setembro de 2017, uma conferência em Roma em Abril sobre a confusão doutrinária da Igreja estão na Exortação Apostólica Amoris Laetitia, mas que desde então, tem sido "consideravelmente mais e mais complicados".
 
Ele continuou isso levou alguns grandes prelados como o cardeal Walter Brandmüller, um dos quatro cardeais signatários da dubia em 2016, para reiterar o seu apelo a "uma profissão de fé do papa."
 
No entanto, Monsenhor Bux disse que isso seria difícil de alcançar, devido a visão do Papa da Igreja como uma federação de comunidades eclesiásticas - algo que ele mesmo descreveu "um pouco como comunidades protestantes".
 
O teólogo disse posteriormente aos sínodos sobre a família, os ensinamentos sobre fé e moral tornaram-se inconsistentes sobre a questão de  dar a comunhão aos católicos divorciados e recasados ​​.
 
"Não são poucos os bispos e os párocos que estão em grande confusão devido a uma situação pastoral confusa e instável", disse ele.
 
Mons. Bux disse que algum tipo de profissão de fé, como fez Paulo VI em 1968, reafirmando o que é católico "frente aos erros e heresias", que veio imediatamente depois do Concílio Vaticano II – é exigido  do papa para remediar a situação .
 
"Se isso não acontecer", advertiu ele, "a apostasia se aprofundará e o cisma de fato se espalhará".
 
Mons. Bux disse que a situação se havia "feito mais urgente, como resultado de mudanças recentes introduzidas pelo papa em respeito à definição da pena de morte como anti-evangélica.
 
"E os problemas, eu disse, são notáveis, porque o admitimos que a Igreja ensinou a legitimidade de algo anti-evangélico por quase dois mil anos, ou devemos admitir que foi Papa Bergoglio que errou, considerando-a  anti-evangélica, o que, pelo contrário, pelo menos abstratamente, cumpre com a Revelação ", disse Bux. "Esta é uma questão muito sensível, mas mais cedo ou mais tarde ele terá que consertar. E não apenas o que se refere à pena de morte".
 
Perguntado por Valli se isso estabelece um precedente para o Papa a mudar mais do Catecismo se desejado, o teólogo disse que esta é uma "questão muito preocupante" e que "outra preocupação legítima" é preservar o depósito da fé  livre das ''sensibilidades contingentes das sociedades de hoje ou de amanhã ".
 
O Papa não pode "impor sua própria opinião" sobre a Igreja, Monsenhor Bux, citando Joseph Ratzinger, porque em matéria de fé, a moral e os sacramentos, a Igreja "só pode concordar com a vontade de Cristo." E, no entanto, ele disse que muitos pontos em Amoris Laetitia são complicados e contraditórios assim como incômodos ao'ao pensamento de São Tomás de Aquino, apesar da exortação afirmando o contrário.
 
Monsenhor Bux também se referiu à tendência do papa permanecer em silêncio contra as críticas e a recusa a enfrentar as acusações de heresia e apostasia, observando a advertência de São Pio X na encíclica Pascendi Dominici Gregis: nunca "confessar claramente a própria heresia "é “comportamento típico dos modernistas, porque assim eles podem se esconder dentro da própria Igreja ".
 
Monsenhor sugeriu que, se fosse considerado culpado de heresia, o Papa Francisco poderia ser destituído do cargo.
 
"No decreto de Graciano (Parte I, parágrafo 40, capítulo VI) existe este cânon: Nenhum mortal pode ter presunção de falar da culpa do Papa desde que, escolhido para julgar a todos, ninguém pode julga-lo, a não ser que se desvie fé ", disse ele.
 
Mons. Bux explicou que "o distanciemento e desvio da fé é chamado de heresia" e "no caso de heresia manifesta, de acordo com São Roberto Belarmino, o papa pode ser julgado."
 
Ele acrescentou que "o Papa é chamado pelo Senhor para difundir a fé católica, mas para isso ele deve ser capaz de defendê-la".
 
Valli perguntou a Monsenhor se o papa  declarado herético "deixaria de ser papa e a cabeça do corpo eclesiástico perdendo toda a jurisdição".
 
"Sim, a heresia afeta a fé e o estado de um membro da Igreja, que é a raiz e o fundamento da jurisdição", respondeu o Bispo Bux. "Todos os fiéis, incluindo o papa, com a heresia, estão separados da unidade da Igreja. É sabido que o Papa é ao mesmo tempo um membro e uma parte da Igreja, a hierarquia está dentro e não sobre a Igreja, de acordo com o que ensina a Lumen Gentium (No.18)".
 
Mons. Bux observa que de qualquer forma, é difícil "identificar os contornos de heresia, porque a teologia já’ não é confiável’, mas tornou-se uma ‘espécie de Arena', no qual tudo converge e se opõe" .
 
"Assim, afirmando a verdade, sempre haverá alguém querendo defender o exato oposto. Como você pode ver, há muitos problemas práticos, teológicos e legais para a questão do julgamento de um papa herético. "
 
Ele sugere que, do ponto de vista prático, "seria muito mais fácil de analisar e estudar mais precisamente a questão da validade jurídica da renúncia do Papa Bento XVI", por exemplo, "analisar se foi completa ou parcial (intermediário)" . O bispo Bux acrescentou que a "idéia de um tipo de papado colegiado parece-me decididamente contrária ao que o Evangelho dita".
 
O Bispo Bux estabeleceu que Jesus não deu, de fato,  tibi dabo claves [deu as chaves do reino dos céus] a Pedro e André, mas somente a Pedro!
 
"Então eu digo que um estudo completo da renúncia pode ser mais útil e benéfico como um suplemento para resolver problemas que parecem intransponíveis para nós hoje", disse o teólogo.
 
Ele citou Fátima, a Verdade Completa de Saverio Gaeta, dizendo: "Estava escrito: Haverá também um tempo de provas mais difíceis para a Igreja. Os cardeais se oporão aos cardeais, bispos aos bispos. Satanás ficará no meio deles. Haverá também grandes mudanças em Roma".
 
Monsenhor Bux argumentou que, com o Papa Francisco, "a grande mudança na Igreja é palpável, juntamente com uma clara intenção de romper com os pontificados anteriores".
 
"Essa descontinuidade -  uma revolução  - gera cismas, heresias e controvérsias de vários tipos. No entanto, todos eles podem ser rastreados para o pecado, disse ele. Citando o Padre da Igreja do século III, Orígenes de Alexandria, acrescentou: "Onde há pecado encontramos multiplicidades, encontramos cismas, heresias e controvérsias. Onde há virtude reina a unidade, a comunhão; graças a qual os crentes são um só coração e uma só alma ".
 
Para encorajar os fiéis católicos, Mons Bux citou a mensagem de Santo Atanásio de Alexandria aos cristãos que sofreram sob julgo dos arianos:
 
Vós que estais fora dos locais de culto, mas a fé habita em vós. Vamos ver: o que é mais importante: o lugar ou a fé? A verdadeira fé, claro. Quem ganhou e quem perdeu nesta luta? Quem mantém a sede ou quem observa a féÉ verdade que os templos são bons quando a fé apostólica é pregadasois santos enquanto tudo o que acontece, acontece de maneira sagrada ... Vós sois felizes, vós que permanecem dentro da Igreja por causa de vossa fé, que retêm seus fortes fundamentos, à medida que vieram a você através da Tradição Apostólica. E se algum zelo execrável tentar sacudi-lo em muitas ocasiões, não terá sucesso. Eles são os que se afastaram dela na crise atual. Ninguém jamais prevalecerá contra a sua fé, queridos irmãos, e acreditamos que Deus um dia retornará às nossas igrejas. Quanto mais violentamente tentam ocupar lugares de culto, mais se separam da Igreja. Eles afirmam que eles representam a Igreja, mas na realidade são eles que, por sua vez, são expulsos dela e estão fora do caminho.
 
Valli perguntou a Bux se a heresia não é apenas divulgar falsas doutrinas, mas também "silenciar a verdade sobre a doutrina e a moral".
 
"Claro que sim", ele respondeu. Onde não há doutrina, há problemas morais, como estamos vendo. Quando o papa e os bispos fazem isso, eles usam seus postos para destruir a [doutrina]."
Citando Santo Agostinho, ele disse: "Eles buscam seus próprios interesses, não os interesses de Jesus Cristo; Eles proclamam Sua verdade, mas espalham suas próprias ideias ".
 
Citando o cardeal Giacomo Biffi, de Bolonha, ele acrescentou: "O nome de Jesus tornou-se uma desculpa para falar sobre qualquer outra coisa: migração, ecologia, etc. Então já não somos mais unânimes ao falar (1 Coríntios 1:10) e a Igreja está dividida. "
 
++++++++++++++++

OBS > Quando pessoalmente analiso – apesar de ser apenas um simples leigo, sem detestável nome de “teólogo” – apenas com a simples razão, esta questão de Gog, da dita “renúncia” de Sua Santidade o PAPA BENTO XVI, ainda PAPA, que depois de eleito nunca deixou de ser o único PAPA e nunca deixará de ser PAPA, pois uma vez PAPA é para sempre, eu preciso levar em consideração a CAUSA PRIMEIRA, aquela que PARA SEMPRE impõe num PAPA o selo de validade. E digo que simplesmente nem a renúncia, se pudesse ser válida, tiraria dele o selo eterno do papado.  Ou seja: havendo um PAPA não pode existir outro que se arrogue ao direito de usar este nome. Isso significa, com a mais luminar clareza, que Gog é exatamente aquilo que Monsenhor Bux afirma, ele é um usurpador, um antipapa.

Interessante é que estes milhares de tão “sábios teólogos”, analisando este antipontificado, não se dão contas de que, deixando de levar a causa primeiro <BerGOGlio não é papa, e sim um antipapa> chegam a brandir ameaças de excomunhão contra quem critica este inimigo declarado da Igreja e de Deus, o que simplesmente não cola. Até porque, a própria regra canônica afirma que, mesmo se fosse ele um papa quando não é, caso se desviasse da fé, isso não somente não penalizaria a quem o critica, como OBRIGA o bom católico ao combate contra ele, como inimigo declarado da Igreja Católica e de Deus. E motivos para que Gog seja declarado um herege, contumaz, insidioso e malévolo, além de comunista é que não faltam. Basta procurar, as provas são claríssimas.

O fato é que, descumprindo a afrontado todas as regras canônicas, ainda válidas e nunca apagadas, que regem o final de um mandato de papa – sempre com a morte – e também a eleição de um novo, os usurpadores insidiosamente impuseram na Igreja um rebelde e revolucionário, que jamais deveria sequer ter sido cotado para tal cargo, porque todos os seus eleitores, entre maus e desavisados, deveriam saber de sua vida pregressa, o que analisado o impediria de receber um voto sequer, menos ainda os 77 que recebeu. Mas exatamente por ser quem ele era, do que ele era capaz é que a besta o escolheu, isso quando teria em seus quadros cérebros bem mais brilhantes para tentar destruir a Igreja, apenas que talvez não tivessem a mesma coragem de desafiar a Deus desta forma, nem a sede de poder que ele tem.

Volto a afirmar, aqui em nosso Movimento Salvai Almas, em todas as suas mensagens já divulgadas, em todas as instruções já passadas, Nossa Senhora jamais chamou Gog de “papa”, apenas de Francisco e seu colegiado, e apenas em uma circunstância o chamou de Padre, que sabe porque somente esta comenda nele é válida, o resto já fica por conta – bispo e cardeal – da escalada negra que o levou a este antipontificado. Sinal de que o Céu não o considera válido. Neste sentido, e por observar a causa primeira – a invalidade da renúncia de Bento XVI, a consequente não validade conclave, e a também consequente falsa eleição de Gog – eu me sinto completamente livre e seguro de que diante de Deus não respondo por falta ao combater este monstro destruidor, pior que Judas Iscariotes.

No mais, quando o cito por “Gog” – nome citado nos capítulos 38 3 39 de Ezequiel – é porque estas três letras se encontram por coincidência no nome do indivíduo que, aliás, eu considero um sinal. Gog é um monstro bíblico que está sendo preparado e será suscitado pelo Altíssimo como seu flagelo para castigar a humanidade pervertida deste final dos tempos. Ele junto com Magog (cita-se os dois como sendo Rússia e China), e assim também este Gog é permitido por Ele para socavar esta falsa igreja e apóstata que ele está criando, sob as bênçãos muito acomodadas de milhares de clérigos acovardados, e dos milhares de maus católicos tipo os “que isso nada tem a ver comigo”. Em vista disso eu simplesmente me nego a sequer citá-lo como papa, pois até "Francisco" suja o nome do grande santo.

Leiam o Evangelho de hoje, de Lucas, sobre terror que virá no fim dos tempos. Pois bem, este terror, afirmo com a mais absoluta segurança, acontecerá em nossa geração, a geração dos últimos dias citada por Jesus, e acontecerá dentro do mandato visível embora fraudulento de Gog e de Bento XVI. Nós estamos vivendo os últimos dias, e sinais como os dilúvios que se abateram sobre os desertos da Arábia Saudita, matando muita gente, e os incêndios devastadores que acontecem no vale da pornografia nos EUA, são sinais de que a ira divina, santa e justa, começa a emitir os primeiros acordes de uma sinfonia de horrores.

Gog é o mais elucidativo sinal do fim, olhem para o Vaticano e para o que acontece em Israel: é dali que partem os verdadeiros indicativos! Gog é o regente atual da orquestra do terror, logo ele entregará o bastão ao seu chefe o anticristo, para que aconteça o fim dos fins. Ai de quem os auxiliar na orquestra diabólica que nos levará ao último turbilhão, recebendo com isso a marca da besta. De bom nós temos apenas a segurança das palavras de Jesus, do Santo Evangelho de hoje: quando estas coisas estiverem acontecendo, alegrai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima. (Aarão)

 

 
 
 
 
 
 
 

 

 
 
 

Artigo Visto: 518 - Impresso: 9 - Enviado: 2

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 425 - Total Visitas Únicas: 3.272.076 Usuários online: 55