Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
20/03/2018
Cinco anos... E vem o naufrágio!
Pelos furtos conhecereis a árvore... E os da árvore de Bergoglio são maus!
 

CINCO ANOS DE BERGOGLIO. NOTAS SOBRE O NAUFRÁGIO

Publicado: 13 de março de 2018 às 02:06 PM PDT

(Por Antonio Socci) Fonte:https://www.antoniosocci.com/

https://www.antoniosocci.com/wp-content/uploads/2018/03/DISASTRO-768x549.jpg

Eu escrevi isso imediatamente, ainda quente, segunda-feira à noite, assim que o Vaticano divulgou a notícia daquela carta de Bento XVI que parecia - à primeira vista - um aplauso ressoante de aprovação para Bergoglio, no aniversário de sua eleição.

Perguntei: por que eles não tornam a carta inteira conhecida? Por que extrapolar apenas três frases?

Agora tudo está claro. O excelente Sandro Magister - dentro de 24 horas - publicou na íntegra a carta do Papa Bento XVI que o Vaticano não havia distribuído aos jornais e descobrimos que na segunda parte - com sutil sarcasmo - Bento XVI deixa claro como interpretar o "pedágio" que teve que pagar na primeira parte.

Em essência, o Papa Emérito explica que ele não tem tempo para escrever um comentário sobre o "formidável" pensamento teológico de Bergoglio (como lhe tinham pedido que fizesse) e nem teve tempo de ler "os onze pequenos volumes" de vários autores, que revelam toda a sabedoria bergogliana.

Eles serão muito úteis para ilustrar o pensamento do Papa argentino, mas ele, Bento XVI, sabe que não os leu nem pretende lê-los porque tem outras coisas para fazer. A antífona aconteceu? Para um bom entendedor poucas palavras bastam (para mim parece uma provocação elegante e sublime).

Para entender melhor esta resposta, devemos lembrar que recentemente o Papa Emérito escreveu "por sua própria iniciativa" um belo prefácio teológico ao livro do cardeal Sarah (veja aqui). Provavelmente também por esta razão o Vaticano pretendia que fosse feito para BERGOGLIO. Mas Bento XVI respondeu que ele tinha o que fazer ("compromissos já assumidos"). Ironia magistral!

**

Para avaliar esses cinco anos do papa argentino, deve-se usar o critério ditado pelo próprio Jesus: "toda boa árvore produz bons frutos e toda árvore ruim produz frutos ruins ... então, de seus frutos, você poderá reconhecê-los" (Mt 7, 17-20).

Quais são os frutos do bergoglismo? Gostaria de dizer "bom", mas infelizmente não é assim: são ruins. Em primeiro lugar, há o colapso da prática religiosa em todos os lugares, mas especialmente no continente mais bergogliono (América do Sul) e no país com o episcopado mais bergogliano, na Alemanha.

Casos específicos também podem ser vistos, levando dois dos principais arquitetos da eleição de Bergoglio, ou seja, o cardeal Danneels (ex-primata da Bélgica) e o cardeal Maradiaga (ainda primata de Honduras) e descobriremos que na Bélgica de Danneels e em Honduras de Maradiaga, a Igreja caiu no fundo: basta dizer que em Honduras em vinte anos a porcentagem de católicos professos passou de 76% para 47%.

E na diocese de Bruxelas, quando Danneels saiu por limite de idade, havia quatro seminaristas (quatro!), Em uma cidade de mais de um milhão de habitantes.

Além disso, para entender que a linha defendida por estes e encarnada por Bergoglio foi a pior, basta considerar a própria Argentina desde que ele se tornou arcebispo de Buenos Aires e primata da Argentina: de 1999 a 2014 o número de seminaristas em todo aquele vasto país passou de 1.500 para 827. Uma catástrofe espiritual.

Em vez disso, as vocações e os cristãos (cresceram 17.4%) no continente africano, aquele do cardeal Robert Sarah: de 2014 a 2015 houve um aumento de 19,4% dos católicos batizados, que passou de 186 a 222 milhões.

Não é por acaso que o episcopado africano se distinguiu no Sínodo da família pela crítica da revolução bergogliana: os bispos manifestaram-se contra qualquer abertura à homossexualidade e na comunhão para os divorciados e casados novamente. Além disso, o episcopado Africano opôs-se por anos à emigração em massa da África que preferivelmente Bergoglio sustenta.

Mas não são apenas estatísticas que mostram um orçamento de falência. Há algo muito sério que não se pode medir: é a confusão geral dos católicos diante do temível desvio doutrinal e pastoral do Vaticano de Bergoglio.

Eu escrevi dois livros sobre os desastres desse pontificado e não consigo resumir esse cataclismo em algumas linhas.

Na prática, o Papa argentino abandonou o caminho traçado por seus antecessores e fez sua a agenda Obama (sob cuja presidência ele subiu ao trono Pontifício). Estão aqui os pontos fundamentais desta agenda: promover a migração maciça, rendição incondicional da igreja em edições éticas, abraçando o Islão e o ecocatastropismo. (Teoria das Revoluções é uma teoria desenvolvida pelo naturalista Georges Cuvier (1769-1832)

A Igreja Bergogliana, passando da proclamação de Cristo, o único Salvador, para a política de "direitos humanos" da marca Obamiana "sobrepõe-se amplamente - observou Ernesto Galli della Loggia - para outras presenças organizacionais, ideais e políticos, que não têm nada a Ver com a sua tradição. Obviamente começando com as grandes agências internacionais como a ONU ou a FAO.

Além disso, Galli continua - para "membros leigos progressistas " e para a "presença pública esmagadora de algumas figuras muito ricas e influentes de" filantropos globalistas "- eu não sei mais do que chamá-los: como Soros ou Zuckerberg ou Bezos - agora subindo ao ranking de verdadeiros profetas de mídia: eles não são só estranhos, mas certamente hostis ao cristianismo católico ".

Esta homologação ao poder implica a necessidade Bergogliana de "bombardear" os católicos fiéis a Cristo diariamente como "fundamentalistas" (mesmo aniquilando famílias religiosas florescentes como os franciscanos da Imaculada Conceição). E, em seguida, indicar como exemplos para admirar personagens como Emma Bonino, Giorgio Napolitano e Marco Pannella.

No horizonte desta homologação com o poder mundano, outros fatos desconcertantes, como a quase canonização de Lutero (e o projeto de atacar a Missa católica) ou do Vaticano se render ao regime comunista chinês, com muitos cumprimentos aos católicos perseguidos e abandonados (como aqueles que são vítimas de regimes islâmicos).

Mesmo os mais zelosos Bergoglianos estão de acordo sobre o fracasso dos projetos de reforma de Bergoglio na Cúria.

Hoje a confusão Oltretevere é total e há também desânimo com os métodos despóticos que ele pratica. Mas mais grave ainda é a confusão espiritual no povo de Deus que se sente desorientado. Traído pelos pastores.

Mesmo entre os cardeais que o elegeram e o apoiaram, cresceu a perplexidade e o alarme, de modo que um desses, entre os mais importantes, em um choque vazado na mídia, chegou a elevar a voz: "nós o elegemos para reformar , para não destruir tudo! ".

Se assumirmos, como critério de julgamento, a fidelidade à Sagrada Escritura e ao Magistério constante da igreja, o dever primário de cada Pontífice, o de Bergoglio é provavelmente o papado mais desastroso da história bimilenar da igreja.

Antonio Socci

De "libero", 13 de março de 2018

Fonte:https://www.antoniosocci.com/

+++++++

OBS: apenas um comentário, sobre o cardeal que disse ter eleito Bergoglio para reformar a Igreja, e não para destruí-la. Ele deveria ter lido o que disse o Papa Gregório XVI: É um absurdo ultrajante dizer que a Igreja precisa de renovação!”. Em segundo lugar, ele foi um relapso, porque deveria ter se informado sobre o candidato, então teria visto coisas horrendas e não votaria nele. E assim foi com muitos dos eleitores de Francis: Fizeram uma aposta no escuro, e lançaram mais fumaça de satanás dentro da Igreja. (Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 915 - Impresso: 6 - Enviado: 1

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 352 - Total Visitas Únicas: 3.121.122 Usuários online: 58