Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
20/03/2018
Bento dá sutil recado a Bergoglio
Ele ainda é Papa. E o antipontificado de Bergoglio, não é continuação do dele.
 

A vergonhosa censura do Vaticano sobre os passos da carta de Bento XVI que destrói a teologia PRO-BERGOGLIO. Com uma revelação: a palavra passou despercebida nos diz que BENTO XVI ainda é Papa.

Publicado: 18 de março de 2018 04:30 AM PDT

 

Mesmo o "New York Times" escreveu sexta-feira que este Pontificado pode tornar-se "um desastre" para a Igreja.

Na verdade, já é, como confirmado pelo tolo planetário do Vaticano: ontem Bergoglio foi forçado a publicar na íntegra a carta de Bento XVI, incluindo os passos polêmicos que desajeitadamente oltretevere tinha omitido (nós vamos vê-los mais tarde).

Mas por que parece que as coisas estão despencando? Com o colapso do grande patrocinador Imperial de Bergoglio (a administração Obama/Clinton) e a consolidação de Trump, a legitimidade geopolítica na qual este pontificado nasceu falhou.

Daí a raça espasmódica de Bergoglio e sua corte para apalpar a desolada temporada sul americana - também exposta à esquerda – procurando um novo apoio (mesmo na Rússia de Putin, sem muito sucesso).

Busca de legitimidade

Mas, acima de tudo Bergoglio agora procura desajeitadamente legitimidade daquela igreja Wojtyliana e Ratzingeriana que ele e sua corte por cinco anos tem bombardeado com toda a artilharia controvérsa.

Ontem foi ele mesmo para Pietrelcina e San Giovanni Rotondo, para homenagear o Santo mais tradicional (para dizer na sua categoria: o mais rígido e conservador), o mais longe dele: Padre Pio (enquanto continua a perseguir seus filhos espirituais, os franciscanos da imaculada).

Há algum tempo, ele homenageou Lutero e Fidel Castro. Ontem Padre Pio: ele fez o que a conveniência política do momento dita (e precisamente nos dias em que ele entregou a igreja chinesa perseguida ao regime comunista).

Ele assim acredita em recuperar os consentimentos perdidos. Mesmo para problemas recentes e não resolvidas mencionados pelo "New York Times": o caso do Bispo chileno que surgiu durante a recente viagem de Bergoglio e o polêmico caso envolvendo "um dos seus principais conselheiros, o Cardeal hondurenho Óscar Maradiaga".

Mas o maior problema é a inclinação em que ele lançou sobre fiéis, párocos e Bispos em todo o mundo.

Assim, alguns dias atrás, o Vaticano tentou um golpe ao querer "usar" a grande autoridade de Bento XVI para legitimar um papado que faz a água por todos os lados.

Só que saiu uma bagunça planetária. Um colossal gol contra.

Coisas jamais vistas

Resumindo os fatos: o prefeito da Secretaria para comunicação de Bergoglio, Mons. Viganò, escreveu em 12 de janeiro a Bento XVI pedindo-lhe que escrevesse uma "breve e densa página teológica", comentando onze folhetos de vários autores louvoristas da doutrina de Bergoglio.

Um mês passa (você pode imaginar as pressões) e em 7 de fevereiro Bento XVI responde-lhe com uma carta "reservada" e "pessoal".

Mas Viganò (em nome do Vaticano), um mês depois, no dia 12 de março, na véspera do aniversário da eleição de Bergoglio, divulga algumas passagens extrapoladas dessa carta: "para o público em geral", escreveu Sandro Magister, "veio como se fosse uma espécie de "voto", mais do que bom, dado por Bento XVI ao seu sucessor, no final de seus primeiros cinco anos. Este comunicado de imprensa também foi encorajado pelo comunicado de imprensa emitido na ocasião pelo próprio Viganò, que mencionou apenas os segundo e terceiro parágrafos da carta ".

Só depois de ter sido descoberto que havia outro parágrafo onde Bento XVI – justamente – respondeu que não tinha tempo para ler esses folhetos, mesmo no futuro, porque tinha outra coisa para fazer. E que não iria escrever o prólogo solicitado.

Anteontem surgiu que "o início deste parágrafo foi artificialmente tornado ilegível na foto da carta divulgada pela secretaria de Viganò" (Magister).

Finalmente, ontem, soube-se que na carta de Bento havia um parágrafo mais adicional "que Viganò não leu em público e teve o cuidado de cobrir bem, na foto, com os onze folhetos sobre a teologia do Papa Francisco" (Magister).

Indignação

Neste parágrafo, Bento explicou porque se recusou a escrever esse prólogo. E são estas linhas explosivas:

"Apenas à margem gostaria de salientar a minha surpresa pelo fato de, entre os autores, também incluir o professor Hünermann, que durante o meu pontificado foi salientado por ter conduzido iniciativas anti-papal. Ele participou significativamente no lançamento do "Kölner Erklärimg", que, em relação à Encíclica ' Veritatis Splendor ', atacou a autoridade magistral do Papa de forma virulenta, especialmente em questões de teologia moral. Mesmo o "Europäische Theologengesellschaft", que ele fundou, foi inicialmente pensado como uma organização em oposição ao Magistério papal. Mais tarde, o sentimento eclesial de muitos teólogos impediu essa orientação, tornando essa organização um instrumento normal de encontro entre teólogos. Tenho certeza que haverá compreensão pela minha negação e lhes saudo cordialmente.

Como você pode ver, não há apenas o sarcasmo da primeira peça omitida, onde ele se recusa a ler os folhetos e escrever, porque ele tem outras coisas para fazer. Aqui há também a indignação suave de um homem de Deus que sofre uma afronta.

Além disso, que Hünermann tinha vindo a declarar que o "Marco" deixado por Bento XVI na igreja tinha sido "o fato de retirar-se."

Então, eles chamaram para exaltar Bergoglio um teólogo que tinha implantado publicamente contra Bento XVI, "um teólogo fundador de uma organização que é abertamente contra o Magistério pontifício" (Badilla).

Isso é suficiente para entender qual "continuidade" existe entre o pontificado de Bergoglio e aquele dos predecessores.

O passo polêmico de Bento XVI também deixa claro como ler as palavras que o Vaticano tinha alardeado como um apoio à Bergoglio. Onde ele parecia elogiar o propósito desses livretos de "opor-se ao tolo preconceito" em Bergoglio e Mostrar "a profunda formação filosófica e teológica".

Foram palavras de cortesia com as quais Bento XVI provavelmente adotou as expressões da carta de Viganò, mas reinterpretado à luz das passagens omitidas, assumem uma luz completamente diferente: eles sublinham um problema colossal e não uma continuidade.

Ainda é Papa

Precisamente para a palavra "continuidade" – evidentemente sugerida na carta de Viganò de 12 de janeiro – Bento XVI acrescentou, de fato, uma palavra: "interior". Observe a estranheza desse conceito: "continuidade interna entre os dois pontificados."

Em primeiro lugar, sugere que não vemos a continuidade externa em atos e ensinamentos.

Mas então, com essa palavra, ele chama uma página crucial de seu último livro, "últimas conversas", em que Bento explica que -mesmo após a renúncia - ele continua a ser Papa usando a metáfora do pai: "mesmo um pai (que) pára de ser pai não cessa de ser pai, mas deixa responsabilidades concretas. Ele continua a ser um pai num sentido mais profundo, mais íntimo, com um relacionamento e uma responsabilidade particular.”

E ainda: "O Papa ... se ele renuncia, ele mantém a responsabilidade que assumiu no sentido interior, não na função".

Foi daí que veio essa palavra. Com ele, Bento confirma a conferência explosiva realizada por seu secretário, Mons. Georg Gaenswein, na Gregoriana, em que ele afirmou - entre outras coisas - que "a partir de 11 de fevereiro de 2013, o Ministério papal não é mais mesmo de antes... Bento XVI (lo) há profundamente e duradouramente transformado em seu pontificado de exceção. Antes e depois de sua renúncia "continuou Gaenswein" Bento XVI tem compreendido e pretende sua tarefa como uma participação em tal "Ministério Petrino". Ele deixou o trono Pontifício, e todavia, com o passo de 11 de fevereiro de 2013, ele não abandonou este ministério em tudo. Em vez disso, integrou o Ofício pessoal com uma dimensão Colegiada e sinodal, quase um Ministério em comum. "

A corte Bergogliana lançou-se contra esta idéia de "Ministério em comum", mas hoje Bento XVI se mostrou sutilmente em ação com essa expressão que eles não entenderam e que diz que Bento ainda é Papa. O mistério continua.

Antonio Socci

De "Libero", 18 de março de 2018

Fonte: Fonte: https://www.antoniosocci.com/la-vergognosa-censura-vaticana-sui-passi-della-lettera-benedetto-xvi-demoliscono-la-teologia-pro-bergoglio-rivelazione-la-parolina-passata-inosservata-ci-dice-benedetto

+++++++++++
OBS > Gosto deste autor, porque ele é um dos únicos vaticanistas que não caiu na lábia venenosa de Francis. Quero só ver a cara dos outros que o ficam papolatrando, tentando de todas as formas e meios justificar o injustificável: as heresias de Bergoglio são tantas que estes defensores dele deveriam corar de vergonha  e se esconder e não tentar explicar que, o que ele disse não é bem aquilo que ele quis dizer, e encerra-se o assunto. Nada disso!

Como os leitores já viram, em meu primeiro comentário, assim que saiu a carta, eu fui enfático em afirmar que duvidava que Sua Santidade o Papa Bento XVI tivesse escrito algo em defesa do antipontificado do padre Jorge Mário, e como viram, nas entrelinhas e mesmo nas diretas, ele diz bem o contrário: tem mais o que fazer do que comentar as “teologias” dele, e cuspiu fogo num dos autores, que durante o seu Pontificado o combatia.

No mais, como se viu, o tiro saiu pela culatra. E nós devemos continuar rezando para que os planos malévolos dele sejam frustrados, para que mais gente acorde deste pesadelo, desta narcose coletiva que este homem produziu no início de sua usurpação. O fato das próprias eleições nos Estados Unidos, botando a tenebrosa Hilary Clinyton pra correr, já é um fato que se deu por causa das nossas orações, porque o conluio dela com Bergoglio previa destruir a Igreja Católica. Isso está vastamente provado. Com Trump ele se deu mal.

Embora que, com a permissão divina, este homem irá até o fim cumprindo as Sagradas Escrituras, mas ele avançará até quando Deus o permitir. Quanto mais trapaças dele forem descobertas e tornadas públicas, mais gente acordará. Se tudo com ele fossem flores e idílios, certamente a quase totalidade dos católicos cairia em suas tramas.

Caíram o ridículo mais uma vez, quem sabe acordem? (Aarão)


 
 
 
 

Artigo Visto: 1464 - Impresso: 16 - Enviado: 4

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 348 - Total Visitas Únicas: 3.197.125 Usuários online: 56