Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
30/07/2016
Fala um grande bispo
Se esse princípio é aceito, nenhum dos pecados contra o sexto mandamento será considerado mais um pecado.
 

Dom Schneider: Deus precisa de “simples fiéis” para proteger a fé neste tempo de crise

Em tempos de crise profunda a Divina Providência gosta de usar os mais simples e humildes para demonstrar a indestrutibilidade da Sua Igreja
Bispo Athanasius Schneider falando na sede da HLI

Bispo Athanasius Schneider falando na sede da HLI

Claire Chretien – HUNGRIA, 22 de abril, 2016 (LifeSiteNews) | Tradução Sensus fidei: A Igreja Católica está enfrentando uma confusão interna generalizada sobre a doutrina e a moral e Deus pode usar os leigos para preservar a integridade da Igreja, disse Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar da diocese de Maria Santissima em Astana, Cazaquistão, em uma entrevista realizada em março.

Schneider falou de problemas com as conferências episcopais focadas em assuntos “terrenos” ao invés de assuntos “eternos”, lamentou as vozes discordantes dos bispos sobre temas de moralidade sexual, e deplorou a noção de uma desconexão entre a doutrina e a prática pastoral do Cardeal Kasper. Schneider também criticou Kasper por seu “abuso [de] o conceito de misericórdia.”

Na abrangente entrevista com o húngaro Dániel Fülep, Schneider discutiu o recente Sínodo sobre a Família, vários temas teológicos incluindo o diálogo inter-religioso e a liturgia, e várias facetas da “crise” que a Igreja enfrenta.

“O grupo do cardeal Kasper e esses clérigos que apoiam sua teoria, interpretam mal e abusam do conceito de misericórdia, introduzindo a possibilidade de que Deus perdoa, mesmo quando não temos a firme intenção de arrependimento e de evitar o pecado no futuro”, disse Schneider, que ainda não comentou a exortação pós-sinodal Amoris Laetitia do Papa Francisco. “Em última análise, isso significa uma completa destruição do verdadeiro conceito de misericórdia divina. Tal teoria diz: você pode continuar no pecado, Deus é misericordioso. Isto é uma mentira e de certa forma também um crime espiritual, porque você está empurrando os pecadores para que continuem no pecado, e, consequentemente, para se perderem e se condenarem por toda a eternidade”.

Durante os últimos dois Sínodos sobre a Família, Kasper conduziu a carga para uma mudança oficial na abordagem da Igreja para aqueles em que considera situações objetivamente pecaminosas. Recentemente, ele disse que “parece claro” que Amoris Laetitia abre a porta para tais mudanças em determinadas circunstâncias.

Parágrafos no Relatório Final do Sínodo continha “uma objetivamente grave omissão” ao não declarar que a coabitação fora de um casamento válido é pecaminosa, disse Schneider.

“O Relatório Final diz indiretamente que para os divorciados recasados a culpabilidade de coabitação pode ser reduzida ou até mesmo não imputada por causa de algumas circunstâncias ou as paixões que eles sofrem”, disse ele.

Schneider continuou:

No entanto, a aplicação do princípio implícito para a coabitação fora do casamento está completamente incorreta. Aqueles que coabitam têm a intenção de cometer o pecado de forma contínua, por isso não é um ato imoral instantâneo. Eles devem ter a intenção de evitar atos sexuais fora do casamento. E, portanto, tal imputabilidade do pecado de coabitação poderia ser aplicada também à coabitação do jovem solteiro. Admitindo tal teoria, esses bispos anulam o sexto mandamento de Deus. E se esse princípio é aceito, nenhum dos pecados contra o sexto mandamento será considerado mais um pecado. Isto é, de alguma forma a abolição do sexto mandamento.

“Quando este Relatório Final afirma claramente a imoralidade da coabitação de pessoas divorciadas, quando não consegue estabelecer claramente a condição estabelecida por Deus para a recepção digna da Santa Comunhão,” disse Schneider: “outros irão usar essa falha para proclamar uma mentira, pelo que a sua voz será contra a verdade, assim como uma voz falsa na música é contra a verdade da sinfonia”.

Prelados progressistas alemães influenciaram o Relatório Final do Sínodo, e os líderes pró-família expressaram preocupação de que algumas das abordagens do relatório eram incongruentes com a doutrina moral católica.

Na esteira da Amoris Laetitia, vários clérigos, incluindo três bispos alemães, têm afirmado que uma nota de rodapé ambígua formulada permite a Sagrada Comunhão para divorciados recasados em certos casos.

A atual crise na Igreja, referida anteriormente por Schneider, é uma das quatro piores crises que a Igreja já enfrentou, e em grande parte é devida a “substituição da principal tarefa [da Igreja] com assuntos secundários”, afirmou. As conferências episcopais estão enleadas com preocupações mundanas, em vez de preocupações espirituais, disse ele.

De acordo com Schneider:

Temos observado por muitos anos que muitas das conferências episcopais oficiais lidam predominantemente com questões temporais e terrenas ao invés de sobrenaturais e eternas, embora estas últimas devem ser consideradas o mais importante na vida da Igreja. Para salvar as almas e levá-las para o céu: esta é a razão pela qual Cristo veio nos salvar e fundou a Igreja. Portanto, a Igreja tem que levar as pessoas para o Céu e transmitir a elas as verdades divinas, graças sobrenaturais e a vida de Deus… Lidam com assuntos temporais é até de governo… É claro que, com base na sua doutrina social, a Igreja pode aconselhar o governo para que a vida social seja mais orientada para a lei natural. Mas esta não é a principal tarefa da Igreja. É uma tarefa secundária.

A história da Igreja tem sido repleta de crises, disse Schneider, e Deus gosta de usar os “simples e humildes” para demonstrar a força duradoura da Igreja.

Ele disse:

Na história da Igreja, sempre houve momentos de uma profunda crise de fé e de moral. A crise mais profunda e mais perigosa foi, sem dúvida, a crise ariana no século IV. Foi um ataque mortal contra o mistério da Santíssima Trindade. Naqueles tempos foram praticamente os simples fiéis que salvaram a fé católica. Ao analisar essa crise, o Beato John Henry Newman disse que foi a “ecclesia docta” (que significa os fiéis que recebem a instrução do clero), em vez de os “ecclesia docens” (que significa os detentores do Magistério eclesiástico) que salvaram a integridade da fé católica no quarto século. Em tempos de crise profunda a Divina Providência gosta de usar os mais simples e humildes para demonstrar a indestrutibilidade da Sua Igreja.

Schneider falou antes sobre a necessidade dos leigos proclamarem a verdade, mesmo enfrentando a oposição de clero “semi-herético” que procura enlamear ou mesmo tentam mudar os ensinamentos de Cristo.

Schneider ofereceu também seus pensamentos sobre as conexões entre as expressões litúrgicas da fé e a sua influência na vida diária dos católicos e da sacralidade da Eucaristia.

As palavras de Schneider certamente deixam o leitor entrever o que o bispo ortodoxo terá a dizer sobre Amoris Laetitia e as interpretações progressistas do documento.

 

 
 
 

Artigo Visto: 590 - Impresso: 16 - Enviado: 5

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 72 - Total Visitas Únicas: 2.948.907 Usuários online: 60