Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
11/06/2016
Liberalismo a religião de Lúcifer!
Tem "sacramentos", tem "dogmas" tem "doutrina", tem "mestres"... e um deus, o das trevas!
 

LIBERALISMO A RELIGIÃO DE LÚCIFER.

Embora que o “modernismo” seja tido como a síntese de todas as heresias – e existem mais heresias do que o leitor imagina – por exemplo: nominalismo, voluntarismo, subjetivismo, individualismo, humanismo, racionalismo, naturalismo, protestantismo, relativismo, utopismo, positivismo, socialismo, feminismo, homossexualismo, americanismo, iluminismo, evolucionismo, darwinismo, comunismo, o falso ecumenismo e o universalismo, existe uma vertente que se mostra hoje extremamente agressiva, chamada liberalismo. Pode-se dizer que o seu supremo dogma – porque eles têm até dogmas – é este: é proibido proibir!

Uma autora americana chamada Ann Coulter, escreveu um livro “Godless - The Church of Liberalism” que traduzido seria “Sem Deus – A igreja do liberalismo”, onde ela mostra que esta vertente tem se tornado claramente em uma religião, cujo objetivo central é criar um mundo sem Deus. Eles praticam um desprezo total ao Altíssimo e Criador de todo o Universo, como se fosse algo totalmente absurdo, pois sequer admitem a hipótese de discutir sobre este assunto. Mais do que isso, eles não somente desprezam todos os princípios da civilização judaico-cristã, como fazem dos seus seguidores os seus mais acérrimos inimigos, que devem ser combatidos e mesmo eliminados.

Na realidade este comportamento de determinados indivíduos e mesmo de parcelas significativas da atual sociedade não brotou de uma liderança específica, não teve um criador ou fundador desta “religião” e sim tudo isso é parte de uma obra demoníaca de “engenharia social”, que visa moldar os indivíduos a certos comportamentos e a aceitar determinados postulados, que passam a ser tratados como direitos naturais, mesmo que eles firam todos os princípios morais e até mesmo ultrapassem os limites da racionalidade. Eles não são simples ateus ou agnósticos, são transformados em verdadeiros zumbis, seguidores de uma religião que se pode dizer, é a religião de Lúcifer.

Eles praticam até mesmo seus sete “sacramentos” que são: aborto, homossexualismo, nudismo, pedofilia, zoofilia, amor livre e as drogas. Sim o aborto, que os satanistas identificam como sacramento satânico. No mais os outros todos, hoje tão difundidos e propalados, e tão divulgados são, e tão agressivamente se espalham, que aos poucos levas e mais levas de pessoas acham mesmo que tudo isso é normal que não é um mal e supreendentemente que se trata um bem, de um direito natural. Quando é aberrante e fatal!

Eles têm igualmente os seus dogmas: Big-Bang, evolução! Para os liberais a teoria da evolução é a pedra de toque, ainda que seja teoria, e mesmo que seja teoria, e mesmo que seja absurda, ainda assim isso é para eles um dogma de fé. Eles não aceitam que outros possam acreditar em Dogmas morais ou Religiosos, entretanto o critério deles é combater nos outros aquilo que eles mesmos praticam, e acreditam. Eles acreditam e dogmatizam o absurdo maior que é o chamado “big-bang”, outra teoria ridícula, que só pode morar em cérebros torpes.

Eles têm os seus ídolos menores: a natureza, os animais de estimação, animais em extinção, mãe terra, deusa gaia... Todos aqueles que, de uma forma ou outra caíram nas malhas de algum destes princípios liberais, e que dedicam largos espaços de tempo e da sua vida para os cuidados com a preservação obsessiva, dos animais, das plantas e da natureza como um todo, na realidade já caminham pelas sendas do liberalismo. Isso porque Deus cuida de tudo: terra, animais, plantas e nada do que o homem faça poderá sustar os processos impostos pelo Criador de tudo o que existe. As aleatórias são tão incomensuráveis, neste sentido, que se tornam ridículas e até ofensivas, quaisquer ações humanas, que ultrapassem os limites da racionalidade.  

Eles têm seus mestres: os professores que ensinam nas escolas todas estas heresias. Os doutores e mestres que brotaram de outras cátedras de pestilência, que também caíram nas súcias de satanás, o mestre maior desta falsa doutrina, desta maligna igreja, deste movimento absurdo. E tudo acaba sendo contaminado por este sistema refratário e oposto a tudo aquilo que é Verdadeiro, de essência divina, degradando a teologia, a filosofia, as ciências e a arte que cultua o feio, o torpe, o repulsivo, o agressivo. Tudo aquilo que agride, contesta, e é mentiroso.

Eles têm a sua doutrina que defende uma liberdade exacerbada e sem freios. Seus documentos oficiais são as decisões judiciais favoráveis ao aborto e todas as leis que aprovam o homossexualismo, a união gay, as que legalizam a prostituição e as drogas e todas aquelas que proíbem, por exemplo, a exposição de Crucifixos em prédios públicos o que combate o sagrado, em suma, tudo aquilo que afronta, e desafia ao Deus Único e Verdadeiro.

Eles têm as suas proibições: proibido rezar, proibido acreditar num Deus Criador, proibido aceitar uma autoridade moral absoluta, proibido acreditar em pecados, proibido acreditar numa infalibilidade. Em síntese todo aquilo no qual colocam suas energias tem a ver com o absurdo, o imoral, o degradante, o repelente o sujo e o feio. A estas proibições eles juntam o combate a tudo o que contradiz seus nefastos princípios, e neste sentido a religião católica se torna sua maior inimiga.

Eles têm até os seus mártires: todos aqueles que morreram defendendo estas teses absurdas, entre eles os comunistas assassinados, os rebeldes inconsequentes, os delinquentes morais, que deveriam ser sepultados, junto com sua memória e história, nos mais profundos abismos, para que nunca mais empestassem a terra com seu legado, tantas vezes criminoso, temos aí o exemplo do facínora Che Guevara que para eles é um exemplo a ser seguido. Todo tipo de rebelde, cantor drogado e contestador como Raul Seixas e Cazuza, estes são seus mártires e ídolos.

Seguindo estes princípios, aos poucos se percebe que o liberalismo está se tornando a religião do Estado, porque os governos acabam aprovando e impondo leis que premiam esta falsa igreja, e isso se notou a partir da separação da Igreja do Estado, formando o chamado “Estado laico”, ou seja: divorciado de Deus! De fato esta falsa doutrina e falsa igreja criaram asas exatamente a partir dali, como se fosse possível separar o Criador das nações, das criaturas que formam aquele estado, aquela nação, aquele país.

Assim, o liberalismo, não é apenas uma filosofia, um conjunto de regras, uma associação e sim uma religião, e uma religião que tem por “deus” o próprio homem, a quem constitui como o centro da criação e do Universo. O liberalismo dá ao homem, o direito inalienável de obter todas as satisfações primárias, a promover todos os desejos físicos e a desprezar qualquer cerceamento ou proibição. Neste sentido, o culto ao corpo físico, em especial da parte da mulher, leva o ser humano a encher-se de tatuagens, pinturas horrendas e ferros espetados no corpo, tornando aquilo que Deus fez perfeito, em uma aberração demoníaca e num culto ao horrendo e repulsivo.

Para o liberalismo, a Criação Divina é um mito, enquanto a teoria da evolução é um dogma de fé. E de tal forma eles consideram esta teoria, que ela serve para eles separarem as pessoas iluminadas como eles, daqueles ignorantes que não acreditam e mesmo condenam a tudo isso. Não importa que sejam “teorias”, a respeito das quais já se escreveram milhões de livros estúpidos, importa é que eles decidiram que esta mentira é uma verdade, e como o comunismo diz: minta sempre, e minta tanto, até que as pessoas passem a crer que aquilo é verdade. Neste sentido, se tornam inimigos deles, todos os grandes cientistas que contestam esta tese absurda.

Eles não querem saber, fecham os olhos para a realidade científica, de que nestes últimos 150 anos, já por mil vezes se citou datas para a origem da vida, já dezenas de vezes foi citado um osso como sendo o do primeiro homem, como se aquele mesmo homem não tivesse que ter nascido de uma fecundação, a partir de um óvulo e de um espermatozoide, o que obriga a ter existido, antes dele, um pai e uma mãe. Eles aceitam “hoaxes”, pegadinhas que são postas na internet ou em livros “científicos”, mesmo sem qualquer base de verdade, desde que sirvam para “provar”, suas teses, e dar consistência à sua religião. Big bang é um “hoax” destinado a perverter universitários!

Os liberais simplesmente odeiam qualquer pessoa que acredite num Ser que é Alfa e Ômega, um Ser que não teve princípio, pois desde sempre existiu, e que nunca terá fim, porque para sempre existirá. Um ser sem o Qual nada existe e nada vive, que está em tudo, cujo Espírito permeia Tudo, e sem o Qual nada é possível. Eles desprezam a “causa primeira”, aquela que, não sendo aceita, simplesmente torna ABSURDA, qualquer teoria que lhe siga. Tal como havia uma MATÉRIA e um PODER concentrador ANTES do “big-bang”, existem um óvulo e um espermatozoide antes do “homem de Pindoltwn”, ou de qualquer macacóide que eles apresentem como raiz da raça humana. Então, tanto esta “explosão”, quanto aqueles fragmentos de ossos, são heresias, são absurdos muito liberais. E bestiais!

Eles não percebem que, na medida em que os vestígios de civilizações antigas se tornam conhecidos, mais e mais teorias surgem a respeito da criação do Universo e da vida na terra, e enquanto os homens não aceitarem que existe SIM, um CRIADOR de infinitas perfeições, que cria tudo a partir do NADA, Alguém que desde SEMPRE existiu, que é um Espírito Perfeitíssimo que tudo cria em perfeição absoluta não necessitando jamais de evoluções para que os seres vivos SE aperfeiçoem, como se tais seres tivessem mesmo poder de SE aperfeiçoar.

Ora, o simples fato de que toda a vida está firmada sobre um princípio de dualidade – macho e fêmea – de uma semente que brota de dois componentes – masculino e feminino – transforma qualquer teoria evolutiva em uma aberração, porque implicaria obrigatoriamente em juntar ao mesmo tempo dois opostos, em um elemento concordante. Digamos, se um homem não dependesse de uma mulher, e ela de um homem, se poderia até admitir ainda que por hipótese absurda, que um dos dois pudesse evoluir e aperfeiçoar-se a si mesmo. Mas a admitir isso, se teria que admitir também que, juntando-se duas pedras, do contato entre elas surgisse um ser vivo.

De fato, todos os seres vivos são como que “escravos” da sua compleição genética, de células microscópicas que se unem para formar uma vida. Não há como não extasiar-se diante de um diminuto espermatozoide, que em sua cabecinha, mais diminuta ainda contém toda uma ORDEM DE VIDA. Não há como não quedar mudo de espanto diante do fato que este mesmo e diminuto elemento vivo, de apenas 70 micrometros consiga nadar desde a vagina de uma mulher até a sua trompa. O que significa um ser 15 vezes menor que um milímetro, invisível a olho nu, nadar 20 centímetros em uma hora. Mais ou menos como um homem nadar cinco Km rio acima em uma hora.

Ora, qualquer pessoa que se diga racional, mas que ignora tais realidades, espantosas, espetaculares, e que ignora que são 300 milhões de competidores, lutando todos na mesma raia, e que apenas um entre estes todos será aquele que irá conseguir perfurar a parede do óvulo, e que este óvulo, espantosa e inexplicavelmente se fecha, tão logo é perfurado por este ser microscópico e não permite que milhares deles o fecundem, apenas um só, tal pessoa precisa consultar um psiquiatra, desde que também ele não seja um liberal. De fato, acreditar que esta engenharia espantosa é obra do acaso, e que tudo isso surgiu de uma “evolução”, é estupidez maior do que acreditar que aviões supersônicos nascem de parto e que edifícios nascem em chocadeira.

Diz a escritora supracitada que, os liberais gostam de se gabar de que eles não são 'religiosos', que é o que se espera de ouvir da religião já sancionada pelo Estado. Quando é bem claro que o liberalismo é uma religião. Tem a sua própria cosmologia, seus próprios milagres, suas próprias crenças na sobrenatural, suas próprias igrejas, os seus próprios sacerdotes, seus próprios santos, a sua própria visão de mundo total, e sua própria explicação para a existência do universo. Em outras palavras, o liberalismo contém todos os atributos de que é geralmente conhecido como "religião”. Então, em síntese se pode dizer que o liberalismo é a religião que adora o deus do mal.

De fato, o liberalismo é a religião do nada, da defesa do absurdo, do culto à estupides e à idolatria do feio, onde se encaixam exatamente a “arte” e a “cultura” moderna, especialistas que são na supervalorização do que é torpe, na cultura do que é aberrante, na aprovação explosiva de todos os instintos primitivos do animal homem, para uma liberdade sem freios, de uma moralidade obscena r sem condenas, de um orgulho absurdo que é capaz de julgar tudo isso como um direito natural do homem e que seja digno de morte todo aquele que não aceite estes pressupostos. O liberal é aquele que cultua o dualismo “laissez-faire, laissez passer”, “deixa fazer, deixa passar”, faça cada um aquilo que bem entender, e como certo líder que se diz religioso quando é um líder da igreja liberal, diz “quem sou eu para condenar”.

O liberalismo enfim, tende a soltar todos os freios morais, a liberar tudo aquilo que julga oprimido, a aprovar tudo aquilo que não pode, a permitir tudo aquilo que não é permitido, tornando os seres humanos em bestas sem freios. O liberalismo impera nas praias de pelados, alucina-se nos bailes de drogados, fornica na prostituição liberada, afunda na prática do homossexualismo e do lesbianismo, e avança sem freios no âmbito da pedofilia e da zoofilia, onde seres que se dizem racionais descem abaixo do nível das alimárias, e onde a perversão ultrapassa a malignidade dos demônios. Seu alvo predileto é a tenra inocência, a quem conspurca com todos estes desatinos.

O estado que fecha os olhos para tudo isso é exatamente um estado liberalista, que segue célere rumo a sua destruição, porque até hoje nenhuma civilização que enveredou por este caminho, resistiu por muito tempo às suas próprias loucuras. Não é preciso ser muito inteligente para discernir que Sodoma e Gomorra eram cidades liberais ao extremo, que nem precisariam de um fogo caído dos céus para exterminá-las, bastaria a corrosão do tempo. Se Deus o fez instantaneamente foi para servir de exemplo e de alerta para as gerações futuras, para que não enveredem pelas vias ínvias das bestas impensantes, nem desçam abaixo do nível das alimárias em seu instinto de feras.

Naturalmente, impresso dentro de cada ser humano, e vindos da cabecinha de um espermatozoide e de um pequenino óvulo feminino, estão gravados os princípios da ordem natural e as leis eternas que são necessárias para que a espécie humana tenha um curso de prosperidade e de paz. O liberalismo quebra esta ordem natural, e tenta imprimir na alma a desordem, que faz o ser humano descambar pelas sendas da aberração. Quem o faz seguir neste caminho é sem dúvida o inteligentíssimo Lúcifer, o príncipe das trevas, o comandante supremo das hostes e das legiões infernais. É de conciliábulos satânicos, promovidos por estes tenebrosos espíritos do mal que brotam as bases de doutrinas e de religiões como o liberalismo, quem sabe uma seita derivada do modernismo.

A prova mais clara de que é dali que surgem tais doutrinas e religiões se dá no fato de que para eles é aberrante e deve ser combatido tudo aquilo que brota da moral que vem de Deus. O liberal confesso está proibido de rezar, porque isso seria pedir ajuda e implicaria em desacreditar do próprio poder que ele julga ter, de reger sua vida e seu destino. O liberal confesso é incapaz de amar de fato, amor sincero de entrega, amor de renúncia, porque tudo nele se torna material de uso descartável, que se aproveita, chupa e joga o bagaço fora. Isso se dá na cultura e na idolatria do sexo, na busca exacerbada do prazer carnal, sem limites, sem freios, sem moral, irracional.

Tudo isso vai aos poucos levando o indivíduo a professar um ódio extremo contra Deus, porque no fundo de sua alma a semente da Lei Eterna continua pulsando, e ele odeia ainda mais porque não consegue extirpar dele a voz da consciência, que brada em sua mente, alertas, contínuos. Sendo de fato inteligentes como dizem ser, no fundo demonstram não possuir nem uma só gota de sabedoria, porque no fundo eles se tornam prisioneiros de si mesmos. E a sabedoria é exatamente o dom de perceber que a Verdadeira e esplêndida liberdade está em reconhecer a fascinante obra do Criador, a beleza extrema de Sua Obra Genial, a complexidade extrema a maravilhosa de todo o Universo, para então viver e sentir a Paz que resulta em seguir os princípios do Eterno.  

Hoje, do Vaticano, brota uma lei liberal, que se sintetiza na célebre frase: quem sou eu para julgar! Esta mesma e falsa lei permite que divorciados em segunda união se aproximem da Mesa Sagrada sem conversão, sem deixar o pecado do adultério e sem confissão, em nome de uma falsa misericórdia, em nome do “deixa fazer, deixa passar”, porque não são culpados da situação. Esta falsa doutrina liberal grita aos quatro ventos que o pecado não existe e que não precisa mais do Sacramento da Confissão – porque não vê mais necessidade disso – uma vez que não existe mais, nem demônios nem inferno, até porque não existe mais o mal e sim apenas: “formas imperfeitas do bem”.

Ora, o BEM é Deus! E na Doutrina Dele não existe apenas misericórdia e compaixão, mas também Justiça. A misericórdia Ele exerceu em favor de Nínive que se converteu, caiu de joelhos e implorou compaixão. A justiça Ele exerceu contra Sodoma, cujos habitantes, liberais e animalizados, transavam em praça pública, em especial o ato homossexual, porque seus baixos instintos, em nome da liberdade, tinham chegado ao auge do extremo. E hoje, já acontece o mesmo em algumas cidades, e se espalha pelo mundo. E hoje, igrejas e religiões como o liberalismo e sua mãe devassa, o modernismo, já ultrapassaram os desregramentos de Sodoma, e clamam, portanto, por uma Justiça ainda maior, mais dura, mais fulminante.

E ela virá, sem dúvida! E tanto mais forte, e tanto mais fulminante, porque a orientação dos seus atos parte da grande Meretriz, aquela que se assenta sobre as Sete Colinas, e reina sobre os governos liberais de toda a terra. É isso o que mais atiça a Ira Divina, Santa e Justa, que acabará por fazer justiça a começar pela própria Casa. Se depois que a Justiça passar pelo mundo, Roma ainda continuar de pé – a começar pelo Vaticano – certamente então que seria por um arrependimento tardio de Deus, por ter fulminado aquelas antigas cidades, com rigor excessivo. E o mesmo que irá acontecer com o Vaticano, atingirá também todos os reinos liberais do mundo.

Terminemos o texto, com a leitura na íntegra de todo o capítulo 24 do livro do Profeta Isaías, o qual alguns autores chamam de “Pequeno Apocalipse de Isaías”. Pequeno mas diz tudo, mostra os crimes e o que acontecerá com todos os reinos liberais e povos que os praticam suas leis. E isso acontecerá, ainda que os liberais de todo mundo bradem como injustiça divina, e mesmo que eles ignorem o Deus que executará tão fulminante decreto. E Ele fará isso, porque não existe misericórdia que resista a tantos sacrilégios e blasfêmias.

1.Eis que o Senhor devasta a terra e a torna deserta, transtorna a sua face e dispersa seus habitantes. 2.Isso acontece ao sacerdote como ao leigo, ao senhor como ao escravo, à senhora como à serva, ao vendedor como ao comprador, ao que empresta como ao que toma emprestado, ao credor como ao devedor. 3.A terra será totalmente devastada, inteiramente pilhada, porque o Senhor assim o decidiu. 4.A terra está na desolação, murcha; o mundo definha e esmorece, e os chefes do povo estão aterrados. 5.A terra foi profanada por seus habitantes, porque transgrediram as leis, violaram as regras e romperam a aliança eterna.

6.Por isso a maldição devora a terra e seus habitantes expiam suas penas; os habitantes da terra são consumidos, um pequeno número de homens sobrevive. 7.O mosto está triste, a vinha, murcha, e os que tinham o coração em alegria suspiram. 8.O som alegre dos tamborins cessou, os risos morreram e o som alegre da cítara calou-se. 9.Não se canta mais bebendo vinho. O licor é amargo ao bebedor. 10.A cidade desordenada está em ruínas, todas as casas fechadas, para que ninguém possa entrar nelas.

11.Gritam nas ruas: Não há mais vinho! Acabada a alegria, o regozijo foi banido da terra. 12.Na cidade só restam escombros e a porta arrombada está em pedaços, 13.pois isso acontece na terra, no meio dos povos, como com as oliveiras que alguém vareja, como com as uvas que, acabada a vindima, alguém rebusca. 14.Eles elevam a voz e cantam, do lado do mar aclamam a majestade do Senhor: 15.Glorificai, pois, ao Senhor, nas regiões da luz, e, nas ilhas do mar, o nome do Senhor, Deus de Israel.

16.Dos confins da terra, ouvimos cantar: Honra ao justo! Eu, porém, disse: Infeliz de mim, infeliz de mim! Ai de mim! Os salteadores saqueiam, os salteadores obstinam-se na pilhagem. 17.O terror, a fossa e a cilada vão apanhar-te, habitante da terra. 18.O que fugir para escapar do terror cairá na fossa, o que se livrar da fossa será preso no laço. Porque as comportas lá do alto abrir-se-ão e os fundamentos da terra serão abalados. 19.A terra é feita em pedaços: estala, fende-se, é sacudida, 20.cambaleia como um homem embriagado e balança como uma rede. Seus crimes pesam sobre ela, e ela cairá para não mais se levantar.

21.Naquele tempo o Senhor, lá do alto, examinará a milícia celeste e os reis do mundo, sobre a terra. 22.Serão amontoados como prisioneiros num calabouço, serão encerrados numa prisão, e, depois de muitos dias, serão castigados. 23.A lua corará de vergonha e o sol empalidecerá, porque o Senhor dos exércitos reinará sobre o monte Sião e em Jerusalém, e sua glória resplandecerá diante de seus anciãos.

Ó se a humanidade soubesse o quão perto está o dia em que tudo isso acontecerá. Os homens então, todos, se vestiriam de sacos como em Nínive, se assentariam sobre cinzas, jejuariam e até açoitariam suas carnes, pedindo e implorando ao Todo Poderoso que sustasse aquilo que está por vir. Hoje as trombetas do Apocalipse, os profetas deste tempo final troam sem cessar, dia e noite, em todos os quadrantes da terra, anunciando a chegada do grande Dia do Senhor, aquele que, infelizmente, pegará a quase totalidade dos homens de improviso, porque hoje esta mesma quase totalidade dos homens está com as lamparinas vazias de azeite, para poderem enfrentar a escuridão.

Ó mundo liberal e permissivo! Ó modernismo fatal e pregresso! Ó religiões que odeiam as ordens de Deus e se afundam na obediência aos infernos. Vosso decreto de morte está fixado para um dia e uma hora, certamente ignorados. Mas com certeza está fixado para um tempo, que talvez não se meça em dias, nem em horas, mas que não alcançará muitos anos, e eles se medem pela idade avançada dos dois ocupantes atuais do Vaticano. E no tempo de vida deles que tudo isso acontecerá, porque Deus encurtou os tempos, para que o liberalismo sodomítico não contamine toda a raça humana, e para que quando o Senhor voltar ainda encontre fé sobre a Terra.

Está acima do Apocalipse de Isaías! Em Daniel de 7 a 12 está também o seu Apocalipse, como também está na Bíblia o Apocalipse de São João. Nestes três livros está descrito aquilo que o Senhor dos senhores estabeleceu como Justiça, para que sejam eliminados da terra todos os liberais que não arredarem dos seus princípios, nem renegarem suas crenças ou não abominarem os seus atos perversos. Convertei-vos é o brado de João Batista! Há dois mil anos que ele clama no deserto, mas pelos sinais dos tempos, temos a certeza de que seu eco cessará e não demora. No lugar dele se ouvirão apenas gritos e ais! De modernistas e liberais! Somente ais! Se não pedirem perdão! (Aarão)

 

 

 

 

 

 
 
 

Artigo Visto: 2077 - Impresso: 23 - Enviado: 11

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 526 - Total Visitas Únicas: 3.053.665 Usuários online: 70