Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título



 
 
13/12/2013
Nova evangelização?
 
Artigos - Nova evangelização?
13/12/2013 15:32:16

Artigos - Nova evangelização?


 2131208 NOVA EVANGELIZAÇÃO
    Como já falei em outros artigos, nunca me cansarei de alertar os irmãos e irmãs católicos, não importa o quanto estejam ou não cientes do que se passa com nossa amada e Santa Igreja Católica, sobre o grave perigo que a ronda. Nem diria um só perigo, porque os ataques contra ela partem de todos os lados. Entretanto, o grande, o maior, o mais terrível e canceroso de todos os ataques parte exatamente do interior dela. Como um moderno Cavalo de Tróia, os inimigos modernistas se infiltraram no interior dela, e a partir dali conseguiram até este momento um vitória espantosa na medida em que aqueles que deveriam perceber os perigos que a rondam, e que a corroem a partir do interior, na realidade parecem fascinados é com as mudanças em curso.
    Temos ouvido nos últimos temos esta palavra “nova evangelização”, entretanto embora ela possa sugerir algo de realmente novo, que poderá tirar a Igreja deste abismo, temos que ter muito cuidado quanto a isso, porque este “novo” bem pode conter algo que estará frontalmente contra aquilo que Jesus deseja, porque o que é Dele não muda. Assim a palavra primeira que me surge diante dos documentos que saem do Vaticano é “euforia exagerada”,  isso tem a ver com algo narcotizante, que pode soar bem aos ouvidos, pode ser doce e suave ao paladar, mas pode também conter um veneno mortal. A segunda palavra que me preocupa é o “eu quero uma Igreja assim...”, opa lá, será que perguntaram antes a Jesus o que Ele acha? Este EU, só o podemos ouvir de Jesus, Ele é que tem que querer e de ninguém mais neste planeta, nem que ele seja um Papa. Além do que, antes dele viria ainda a Igreja!
    Em alguns dos últimos artigos tenho enumerado alguns quesitos básicos, essenciais, cuja aplicação tem que ocorrer ANTES, sem o que qualquer mudança na Igreja resultará em fracasso total. Fosse apenas fracasso, quem sabe poderia haver volta e recomeço, reconhecendo o erro, mesmo que levasse alguns anos, entretanto aqui nós poderemos estar a beira de uma ruptura grave, o que se denota não somente nos documentos em si – envoltos nesta aura e euforia estranha – mas também dos comentários surgidos dos bons vaticanistas. Nas entrelinhas eles deixam escapar algumas frases que denotam perplexidade, até mesmo entre os favoráveis à esta causa da reforma.
    Infelizmente não posso, ainda, abrir o verbo diretamente em nome da obediência, e tenho que escrever com cuidado apenas tentando ajustar este “quebra-cabeça”, então poderia ser direto e incisivo. Entrementes é preciso que o leitor se mantenha atento à Doutrina de sempre, isso em primeiro lugar. Dogmas são preciosos e já têm a chancela do Eterno, portanto não se mexe neles. E já estão mexendo! O Catecismo de João Paulo II é inviolável, tem o sopro do Espírito Santo, e é, portanto “imexível”. Os Sacramentos foram criados por Jesus e a Igreja de sempre já estabeleceu as normas e fórmulas, portanto, nada a mudar. A Santa Missa, mesmo a atual, deve ficar como está, e ai de quem tiver a ousadia de retirar dela o sentido de Sacrifício. Nem uma só palavra do cerne deve ser mudada!
    Mencionado aquilo que não pode ser mexido, em qualquer evangelização eficiente, temos que ter consciência ainda de ainda de dois pontos chave, ANTES de começar uma reforma – este é o verdadeiro objetivo desta tal de “nova evangelização”: Primeiro, é preciso que ela se faça com Deus, em Deus, para Deus e por Deus, o que significa todo o povo católico, do mundo inteiro, cravado de joelhos ao solo implorando as luzes do divino Espírito Santo. Então Deus fará a reforma, e abrirá caminho para uma nova evangelização, adaptada aos tempos modernos, além de ser duradoura e do agrado do Altíssimo. Sem Deus estar na frente, jamais haverá sucesso. E pode vir o caos!
    O segundo ponto, gravíssimo, dolorosíssimo, mas absolutamente necessário se apresenta em dois quesitos: A) é preciso erradicar, extirpar, supurar,
desinfetar e fazer sarar até desaparecerem as cicatrizes, do câncer que se encalacrou dentro da Igreja – falo deste Cavalo de Tróia que está enquistado nela – sem o que tudo continuará venenoso e envenenado, e será mortal. Ou a Igreja se livra antes destes monstros, ou eles a devoram. B) É preciso antes reformar os “profissionais” que aplicarão esta doutrina santa, falo dos nossos sacerdotes, simplesmente fazendo que troquem todas as suas poses doutorais e teologais, pela piedade e a humildade, pela obediência e a santidade de vida. Porque, com teólogos e doutores, sem piedade o dom da oração, sem humildade a exemplo do Mestre, desobedientes e voltados para o mundo, você jamais evangelizará para Deus. De fato, sem levar em conta A e B, tudo que se poderá esperar é uma esbórnia, jamais uma Igreja Santa.
    Por fim, não se mexe na Tradição, naquilo que a Santa Igreja armazenou de tesouros e experiências nestes 20 séculos de história, com seus santos e milhares de mártires, com sua história de espantosas batalhas vencidas, com o testemunho dos seus verdadeiros Doutores e santos Padres, e com os bilhões de Santos que hoje povoam os Céus exclusivamente por obra e mercê desta Igreja, para isso fundada por Jesus. Não se mexe nas imagens dos santos, não se mexe na Cruz, não se mexe nos confessionários com grades, não se mexe nos bancos genuflexórios, não se mexe nos paramentos sagrados nem nos cálices e objetos rituais. Também não se mexe no celibato sacerdotal, não se ordena mulheres e de uma vez por todas e para sempre, não se mexe nos SACRÁRIOS, porque ao Rei Jesus o CENTRO. Fora dali é um pária! Um ser comum, ou até desprezível!
    Na realidade nós temos sido avisados pelo Céu. É desde os séculos passados que Nossa Senhora tem nos avisado sobre esta situação, entretanto a humanidade foi cegada e tornada surda tão fatalmente ante os apelos do Céu, que nem as lágrimas de Sangue da Mãe de Deus foram suficientes para abrir estes corações. A sutileza do plano de satanás para envolver a Igreja, bolado através dos milênios com astúcia ímpar, levando-a a esta situação caótica atual foi algo de inimaginável. Muitas vezes já me perguntei se neste caso foi o próprio Deus que permitiu que as coisas chegassem neste ponto, ou foram os homens que de forma livre e decidida autorizaram o inferno a avançar tanto rumo à destruição da Igreja? E respeitando a nossa liberdade, Deus assim o permitiu!
    Jesus mesmo falou que o inferno jamais venceria a Igreja, entrementes o grande erro dos nossos líderes espirituais na Igreja, foi fiar-se nesta promessa, deixando de tomar a atenção para aquela outra palavra de Jesus que diz: “sereis perseguidos e virá o dia em que aqueles que vos matarem com isso acharão estar prestando culto a Deus”. Aqui eu divido em duas partes a questão: A primeira, quanto aos bons e santos sacerdotes, bem formados e cientes do desastre, mas que mesmo assim se calam em nome de uma falsa obediência, ou por medo. A segunda, quanto aos que se deixam guiar pelos lobos, que por falta de oração dizem que tudo vai bem, tudo vai bem, quando tudo vai mal. Foi isso que profetizou Jeremias! Podem marcar nas vossas agendas: todo sacerdote, de qualquer lugar ou ordem, que está feliz com mudanças que burlem os aspectos que acima levantei, está mal, e muito mal.
    Ou seja: nossos pastores ignoraram que haveria um tempo de perseguição tão sangrenta, que os próprios católicos achariam por bem eliminar as pessoas que discordassem da falsa igreja que estaria sendo implantada. Isso descarta as perseguições antigas, as dos romanos, dos maometanos, dos protestantes, cujos deuses não são Deus, nem sequer são Igrejas e nos remete ao nosso tempo. Significa que esta situação está hoje em vias de acontecer e é para isso que nos alertam milhares de profecias. Ignoraram também o fato de que os primeiros alvos da perseguição serão exatamente eles, que estão à frente do rebanho, porque o demônio sabe perfeitamente que um rebanho sem pastor é rebanho em confusão. O primei
ro sangue, sem dúvida verterá do topo da pirâmide como exemplo!
    Veja que durante quase dois milênios a Santa Igreja foi conduzida pelo Divino Espírito Santo, desde o dia de Pentecostes, e neste trajeto bimilenar ela acumulou um tesouro riquíssimo, não falo do patrimônio físico, mas sim do espiritual, e foi ela, e unicamente através dela e de seus preciosos Sacramentos, que povoou os céus com bilhões de almas preciosas. E assim foi eu diria até os idos do Concílio Vaticano II, sempre a mesma, imutável, precisa, sendo conduzida por Deus. Dali em diante começou a verdadeira rebelião. O simples fato de que a maioria dos mais de 120 cardeais e bispos que participaram daquele Concílio, nos quatro anos que antecederam a sua convocação, até seu término, que constam da lista de participantes das sociedades secretas, terem se filiado naquele tempo, indica o quanto o inimigo trabalhou para conseguir este “Cavalo de Tróia”, de fato a segunda besta do Apocalipse.
    O inimigo maior está, pois, dentro da Igreja! Quando o Papa Paulo VI falou que “a fumaça de satanás” tinha entrado na Igreja, ele se referia exatamente a estes líderes maus, que se infiltraram no interior dela para destruí-la. De fato, se pode notar hoje que, embora houvesse na época do Concílio já certa crise, ela não se devia a algum fator externo, mas sim já devido à presença destes monstros que atuavam especialmente desde o início do século passado. Isso porque um dos grandes objetivos, que constam nas metas das sociedades secretas, já bem antes, desde o Século IXX, era conseguirem promover um Concílio para abrir a Igreja ao modernismo, e também o eleger um papa ao seu quilate, para através dele imporem uma nova evangelização, mas nos moldes de satanás.
    Ora, os sinais de que a Igreja está sendo destruída, que sua Doutrina está sendo adulterada, que seus Dogmas de fé estão sendo derrubados, que modernas e falsas interpretações da Bíblia estão sendo aplicadas que o atual Catecismo da Igreja está sendo desprezado, são mais do que evidentes. Mas se você correr hoje pelos sites da internet, se buscar os artigos em jornais, se consultar os livros mais recentes, verá que espantosamente são mais raras que estrelas cadentes os líderes da nossa Igreja que se levantam e se rebelam contra isso. Vilmente são milhares as vozes que se calam, quando diz o ditado, “quem cala consente”. Eu não entendo se isso se deve a medo ou covardia, ou se, para nossa desgraça, estas vozes caladas são concordes com a situação.
    Mais, a negação de um Dogma de fé, é sinal de heresia grave, de apostasia claríssima, que coloca a Igreja em uma situação de gravíssimo perigo. E estas vozes caladas diante desta falta grave podem sem dúvida abrir espaço para que outras faltas ainda maiores sejam cometidas, outros dogmas sejam abatidos, isso diante de um exército de mais de um bilhão de católicos, que sabe tanto sobre sua Igreja, quanto um tico-tico sabe de um ninho de joão-de-barro. Não sabem por que não querem saber, não sabem por que nunca foram ensinados. Afinal uma catequese que se preocupa mais com o mico-leão e a ecologia do que com a Eucaristia e Maria, só pode conduzir os católicos à apostasia. Ao acatamento das heresias!
    Nos velhos tempos de antes deste Concílio destruidor, em meu município, em todas as localidades, as antigas e fortes famílias católicas rezavam diariamente o terço à noite, e nós, tantas vezes fazendo serão à noite no trabalho do campo, destacávamos um dos pequenos para puxar o Terço, enquanto todos respondiam. Nosso Padre ficava aos Domingos em frente à Igreja, vigiando as estradas, e tantas vezes só iniciava a Santa Missa, depois que a última carroça trouxesse a família retardatária. Mulheres num lado dos bancos, homens do outro lado, evitando assim muita dispersão e até as crianças pareciam menos rebeldes do que hoje, aguardando o fim da Missa, em latim, que durava sempre uma hora e meia. Durante muitos anos fui coroinha...
    Falei de como era o povo, de
como eram as famílias, e de como eram os sacerdotes. Naquele tempo todos iam confessar-se, pelo menos na Páscoa, a maioria também no Natal, e se podia contar nos dedos quem não ia buscar o perdão dos pecados. Naquele tempo os sacerdotes “moravam” nos confessionários, e tinham gosto de atender a todos, intermináveis filas penitenciais, às vezes até altas horas da noite. Confessionário com grades, atrás do altar, como manda a Santa Madre Igreja. Como este tipo de comunidade e de sacerdote, sem dúvida nossa Igreja vivia tempos de pujança, até que vieram o Concílio e a Televisão, e com eles a dispersão. De fato, foi a televisão que tirou o terço de dentro de nossa família, embora nunca de meus velhos pais. E o Concílio roubou a Paz da Igreja!
    Sim, o vendaval maior veio mesmo é do Concílio Vaticano II. Sei que existem muitos defensores ferrenhos deste evento, lá dos anos 60, e concordo que são poucos os detratores. Tirando os devidos ódios de ambas as partes, o que surge são constatações que os defensores jamais nos poderão dar respostas. Obvio, entre os defensores temos que separar em dois grupos, o dos idealizadores e o dos inocentes úteis, que somados formam a maioria. Mas quem disse que a verdade está sempre com a maioria? No dia em que os defensores do Concílio conseguirem me provar que não foi este o motivo da demolição dos seminários, do vendaval nos conventos de freiras, e no apagão dos mosteiros, aí eu começaria a dar mãos à palmatória.
    Antes do Concílio, no início dele, eu estava num seminário dos Jesuítas, onde havia 355 seminaristas. Não se haviam passados cinco anos e aquele imenso Seminário estava às moscas. Hoje está alugado para uma Universidade e rende dinheiro, quando deveria render padres santos. Hoje percebo o quanto Deus faz as coisas certas, pois se talvez eu me tivesse formado padre Jesuíta, estaria no mesmo abismo mortal em que se acham hoje os antigos e valentes Inacianos, mergulhados na escuridão das falsas teologias, quando não de coisas bem piores. Onde estão os padres jesuítas santos como seu fundador? Naquele tempo não podiam ser nem bispos, e hoje têm um Papa. Assim eu posso hoje alertar quanto ao que acontece no mundo, não sendo um pastor dentre os cães mudos denunciados por Isaías. Onde estão os jesuítas? A maioria deles mergulhado na falsa teologia libertadora!
    Falando em profetas, acredito que nenhum outro como Oséias, que gostaria hoje de comentar, em especial o que ele diz a partir do capítulo 4, 1 Ouvi a palavra do Senhor, filhos de Israel! Porque o Senhor está em litígio com os habitantes da terra. Não há sinceridade nem bondade, nem conhecimento de Deus na terra. 2 Juram falso, assassinam, roubam, cometem adultério, usam de violência e acumulam homicídio sobre homicídio. 3 Por isso, a terra está de luto e todos os seus habitantes perecem; os animais selvagens, as aves do céu, e até mesmo os peixes do mar desaparecem.
    Percebam como a Palavra de Deus é perfeita, pois se alguém poderá dizer que estas palavras eram para tempos anteriores a Jesus, sem dúvida também deverá aceitar que se encaixam perfeitamente ao nosso tempo. Não é hoje que ainda acontecem estes sinais da natureza agredida? Impossível é para nós entender a vastidão do amor deste nosso Deus, cuja misericórdia continua nos dando chances de conversão, enquanto recebe diariamente em troca, dilúvios de pecados, avalanches de blasfêmias, tsunamis de ingratidões. Você leitor, suportaria isso pelos séculos afora? Mas vejam a quem o profeta acusa por causa do estado a que chegou este povo...
    4, 4 Entretanto, ninguém poderá acusar (o povo), nem o repreender, mas eu censuro a ti, ó sacerdote. 5 Tu tropeçarás em pleno dia, assim como o profeta durante a noite. Far-te-ei perecer, 6 porque meu povo se perde por falta de conhecimento; por teres rejeitado a instrução, excluir-te-ei de meu sacerdócio; já que esqueceste a lei de teu Deus, também eu me esquecerei dos teus filhos. 7 Quanto mais se multiplicaram, mais pecar
am contra mim, transformaram em infâmia o que era a sua glória. 8 Eles se nutrem do pecado de meu povo, e são ávidos de suas iniquidades. 9 O sacerdote será tratado como o povo. Castigá-lo-ei pelo seu comportamento. Tratá-lo-ei segundo as suas obras. 10 Comerão, mas não hão de saciar-se; prostituir-se-ão, mas não hão de multiplicar-se, porque abandonaram o culto do Senhor. 11 O mau proceder, o vinho e o mosto abafam a razão.
    Aqui está um texto que daria um livro, não apenas um parágrafo. E aqui está também o motivo pelo qual o Céu nos suplica, com tanta insistência, que rezemos incessantemente pelos nossos sacerdotes. Óbvio que nosso povo está se perdendo, está fugindo para as seitas, desconhece totalmente a sua Santa Igreja, por falta de uma boa Catequese. A quem compete catequisar o povo? Aos sacerdotes! São eles os responsáveis pelo rebanho. Mas são quantos mesmos os que largaram o sacerdócio para viver a família, a esposa, os filhos? Mais de 100 mil! E onde estão os filhos deles, as filhas? Seriam acaso felizes? Leiam com atenção novamente o os versículos acima: já aqui recebem um castigo! Famílias infelizes! Porque quebraram um juramento solene feito diante do Altíssimo!
    5, 1 Ouvi isto, ó sacerdotes, sede atentos, chefes de Israel, escuta, gente de casa do rei! Contra vós será feito o julgamento, porque vos tornastes um laço para a sentinela, uma rede estendida no Tabor. 2 Os perseguidores levaram ao extremo a maldade, mas vou castigá-los todos. 3 Conheço Efraim, e Israel não me é oculto. Ora, Efraim transviou-se e Israel maculou-se; 4 seu proceder não lhes permite voltar ao seu Deus, porque um espírito de prostituição os possui; eles desconhecem o Senhor. 5 A arrogância de Israel dá testemunho contra ele, Israel e Efraim tropeçarão em sua iniquidade, e também Judá cairá com eles. 6 Irão buscar o Senhor com suas ovelhas e seus bois, mas não o encontrarão: 7 o Senhor retirou-se deles porque o traíram, porque geraram filhos bastardos. O destruidor vai devorá-los, eles e seus campos.
    Óbvio que um mau sacerdote se torna um laço para seu povo, um motivo de queda para seu rebanho. Quando a Palavra fala em Efraim, não se refere ao filho de José, que toma o nome de uma das tribos de Israel, mas se refere a todos nós, e por todos os tempos. O sacerdote que deixa seu rebanho a mercê dos lobos, e também aquele que se transforma em lobo, cometem ambos, alta traição contra Deus, e se tornam réus de eterno delito. O castigo deles no momento da Justiça é tremendamente mais duro do que o das ovelhas.
    6, 5 Por isso é que os castiguei pelos profetas, e os matei pelas palavras de minha boca, e meu juízo resplandece como o relâmpago, 6 porque eu quero o amor mais que os sacrifícios, e o conhecimento de Deus mais que os holocaustos. 7 Mas eles violaram vergonhosamente a aliança e traíram-me.
    Prenuncio seguro de que haverá em breve uma alta traição contra Jesus, os novos Judas estão a postos, e logo virá o beijo traidor. De fato não existe amor entre aqueles que tramam a ruína da Igreja, e não restam dúvidas de que o castigo virá, porque se traírem a aliança eterna, firmada na Santa Missa, acredite: ninguém suportará os raios da Justiça divina.
    7, 2 Não é com sinceridade que dizem que me lembro de todas as suas maldades. Agora suas más obras os envolvem, e eu os tenho diante de meus olhos. 3 Alegram o rei com suas maldades, e os príncipes com suas mentiras. 4 São todos uns adúlteros, semelhantes a um forno aceso; o padeiro cessa de atiçar o fogo depois que trabalhou a massa, até que esta se levede. 5 ... Quando conspiram, seu coração é como um forno; 6 toda a noite dorme o calor de seu ressentimento, mas pela manhã ele queima com uma chama viva. 7 Todos eles ardem como um forno e consomem os seus juízes. Todos os seus reis caíram, sem que nenhum deles me tenha invocado.
    Não restam dúvidas de que uma silenciosa conspiração está em curso e lá se vão mais
de 150 anos que ficamos sabendo dela pelas mensagens de La Salette, que hoje se cumprem ao pé da letra. Acredite: temos hoje dentro da Igreja verdadeiros demônios, vestidos de roupas vermelhas e barretes cardinalícios. O céu é quem diz isso, eu apenas repito. De forma insolente eles desafiam a Deus, debaixo destes mantos, onde escondem pelos hirsutos de lobos rapaces.
    7, 8 Efraim mistura-se com os outros povos, Efraim é uma torta que não foi virada. 9 Estrangeiros o consomem sem que ele se dê conta; as cãs se lhe multiplicam, sem que ele o perceba. 10 A arrogância de Israel dá testemunho contra ele; não se voltam para o Senhor, seu Deus, e, apesar de tudo, não o buscam. 11 Efraim é como uma pomba ingênua, sem inteligência; apelam para o Egito, vão à Assíria... 12 Se ali forem, estenderei sobre eles a minha rede, prendê-los-ei como aves do céu e os punirei para advertência de sua assembleia.
    Falso ecumenismo, está em curso, a mistura de todas as religiões numa só, com o perfil diabólico de que nossa Igreja se despirá do Sagrado e do Santo, vestirá o manto da Traição e empunhará o cetro da mentira, para liderar a formação da igreja de satanás, onde se assentará o anticristo. E o povo católico, ignaro, cego, sem inteligência, aceita tudo como maravilhoso, até porque vestido desta nojenta aura comunista dos “pobres”. Aguardem!
    7, 13 Ai deles, porque fogem de mim! Serão arruinados porque se afastam de mim. Enquanto eu os queria salvar, proferiam mentiras contra mim. 14 Não me invocam do fundo de seu coração, mas se lamentam em seus leitos; laceram-se pelo trigo e pelo vinho, e revoltam-se contra mim. 15 Eu os adverti e fortifiquei seus braços, mas eles meditam o mal contra mim. 16 Não é para o Altíssimo que eles se voltam, são como um arco desarmado; seus chefes cairão pela espada em punição de sua língua, e rir-se-á deles na terra do Egito.
    Sim, os homens se afastam de Deus. Se afastam de seus Mandamentos, de sua Doutrina e de tudo o que leva a Ele. Culpam a Deus pelos males de que eles mesmos são a única causa, enquanto se aliam aos destruidores que dizem: vinde, façamos uma aliança contra este Deus que nos criou, porque tem sido relapso em nosso cuidado. Vinde, ergamos nosso bezerro de ouro, eis o deus nos haverá de tirar desta aflição! Que aguardem!
    8, 1 É boca a trombeta! O inimigo precipita-se como uma águia sobre a casa do Senhor, porque violaram minha aliança e transgrediram minha lei. 2 Clamam a mim: Meu Deus!- Nós te conhecemos, Israel! 3 Israel rejeitou o bem, o inimigo o persegue. 4 Constituíram reis sem minha aprovação, e chefes sem meu conhecimento. Fizeram para si ídolos de sua prata e de seu ouro, para a sua própria perdição. 5 ...Minha cólera inflamou-se contra eles.
    Acaso os “reis” os governantes que hoje comandam as nações foram eleitos por Deus? Não! Eles foram eleitos pelas forças do mal, e contra a vontade divina. O dinheiro é seu novo bezerro de ouro, pelo qual que engalfinham as nações, as ricas explorando as pobres e delas sugando até a última gota de sangue. Acaso isso não provoca a Ira Divina? Quem duvida, deve pegar sua Bíblia e ler no Apocalipse o que acontecerá com Babilônia, esta mãe de todas as prostituições de hoje, a civilização atual.
    8, 14 Israel esqueceu-se de seu criador, e construiu palácios para si. Judá multiplicou suas praças fortes. Mas vou pôr fogo às suas cidades e ele consumirá os seus edifícios. 9, 7 Eis que chegam os dias do castigo. Eis que chegam os dias da justiça. Israel exclama: O profeta está louco, o homem inspirado delira. É enormidade de teu pecado junta-se a de tua perseguição. 8 Efraim, o povo de meu Deus, espreita o profeta, arma-lhe ciladas em todos os caminhos, e persegue-o até na casa de seu Deus. 9 Estão profundamente corrompidos, como no tempo de Gabaa. (Deus) se lembrará de suas faltas, e punirá os seus pecados.
    Não é hoje, como nunca, que o mundo do
s maus tenta sufocar as vozes proféticas? Não é hoje o tempo onde o homem tenta calar a boca de Deus? Não é hoje que o homem apedreja os profetas, e mata os enviados por Deus que anunciam a chegada do tempo da Justiça? Acaso houve tempo anterior, desde que o homem habita na terra, onde a corrupção moral e a devassidão tenham chegado a tais níveis, superiores até a Sodoma e Gomorra?
    9, 11 A glória de Efraim desaparecerá como uma ave: não haverá mais nascimento, nem gravidez e nem sequer concepção! 12 E mesmo os filhos que conseguirem criar, eu os privarei deles antes que se tornem homens. E ai deles, quando eu os abandonar! 13 Efraim, pelo que vi, persegue a mãe de seus filhos; Efraim vai levar seus filhos ao que lhes há de tirar a vida. 14 Dai-lhes Senhor... - que lhes dareis? Dai-lhes entranhas que abortem e seios secos! 15 Toda a sua maldade aparece em Gálgala; foi ali que lhes concebi aversão. Por causa de suas más ações, expulsá-los-ei de minha casa: vou retirar-lhes o meu amor; todos os seus chefes são rebeldes. 16 Efraim foi decepado, sua raiz secou, não dará mais fruto. Mesmo que lhe nasçam filhos, exterminarei o fruto querido de suas entranhas. 17 Meu Deus os rejeitará, porque não o atenderam; andarão errantes entre as nações.
    Acaso não é hoje que pais e mães levam seus filhos à corrupção? Não é hoje acaso que nossos jovens chegaram a um nível insuportável de rebeldia e de modismos escandalosos, ao ponto de transformar este planeta no limiar de um bordel? Não é hoje também o tempo em que a esterilidade dos casais os impede de gerar filhos? Não é hoje o tempo em que as mães matam seus filhos no ventre sob o amparo de leis humanas? Que aguardem!
    10, 12 Semeai na justiça, e colhereis bondade em proporção. Lavrai novas terras! É tempo de buscar o Senhor, até que venha espalhar a justiça sobre vós. 13 Cultivastes o mal e colhestes o pecado; comestes o fruto da mentira; confiastes em vossa política e no grande número de vossos soldados. 14 O tumulto da guerra vai elevar-se em tuas cidades, e todas as tuas fortalezas vão ser destruídas....
    Sim o tumulto, ele virá em breve. Na Bíblia constam no mínimo uns 300 versículos que apontam para o tempo de um grande tumulto final, a chamada Grande Tribulação. E em vista de tudo o que temos apontado, este tempo não está longe, até porque se estender-se demais a situação atual, em breve não haverá mais vida humana na terra. O Próprio Jesus previu isso! Nenhuma cidade do mundo ficará sem ser alcançada pelo braço da Justiça! Se dentro da Igreja ousarem semear mentiras, não restam dúvida de que colheremos tempestades.
    13, 12 A iniquidade de Efraim está guardada, seu pecado está posto em reserva. 13 Quando lhe sobrevêm as dores do parto, ele é como um filho mal-ajeitado, que não se apresenta no momento devido para sair do seio materno. 14 E eu o libertaria do poder da região dos mortos, isentá-lo-ia da morte? Onde estão tuas calamidades, ó Morte? Região dos mortos, onde está o teu flagelo destruidor? Não vejo arrependimento... 16 Samaria será punida (porque ela se revoltou contra o seu Deus). Seus habitantes cairão sob os golpes da espada, seus filhinhos serão esmagados, e rasgados os ventres de suas mulheres grávidas.
    Palavras assim nos enchem de grande temor, especialmente porque aqueles que não estão preparados, e que seguem alheados os seus descaminhos. Virá muito sofrimento ao mundo, e falo em breve, devido ao acelerado modo em que avançam as “reformas” na Igreja. O sinal é a Igreja Católica. O inimigo tem pressa, e não dá folga aos seus seguidores. Eles são mais espertos que os filhos da Luz, que não desejam a briga, não querem a confusão, no que vão cedendo e perdendo espaço para os inimigos, que avançam a passos gigantes. Tristeza ouvir de inúmeros dos nossos grandes divulgadores, pessoas de muita fé e oração, sobre a forma como são recebidos os alertas que eles anunciam. Há desprezo na maioria, escárnio em muitos, e abs
oluto desinteresse na conversão. Enfim, termina assim Oséias:
    9 Quem é sábio atenda a estas coisas! Que o homem inteligente reflita nelas, porque os caminhos do Senhor são retos. Os justos andam por eles, mas os pecadores neles tropeçam.
    Efetivamente nós não somos obrigados a converter ninguém, porque isso compete ao Espírito Santo. Porém não podemos ficar calado, diante de tantas confusões. O que se pode perceber é que, diante de uma série de palavras bonitas que enfeitiçam corações diante destes ventos de mudanças, aparece no meio um espinhoso joio, que não se sabe ainda, se posto ali de forma intencional embora sub-reptícia, ou se é fruto de insensatez, que não pode ser aceita de autoridades eclesiásticas dos mais altos escalões.  Mais ainda vindo do mais alto deles!
    São tempos muito difíceis estes que nós estamos vivendo e, meus amigos, eles vão a abismos maiores ainda. Tudo está sendo milimetricamente estudado. Milhares de incautos sacerdotes, conforme bem os identificou o profeta Oséias, se encarregam de levar adiante estes ventos de reforma, que na verdade são ventos putrefatos. São ventos venenosos asfixiantes, que deixarão o mundo católico estupefato. Chegará o momento em que ninguém mais saberá com quem está a verdade, e já agora percebo isso nos e-mail que recebo e telefonemas que atendo. Instala-se um clima de confusão, uns apoiando as mudanças outros desconfiando, outros ainda já se revoltando porque de fato se trata de coisas gravíssimas.
    Óbvio que todos aqueles que procuram viver a verdade e se preparam, os que rezam, estes não precisarão temer nada, porque se existe uma promessa de Jesus dizendo que a Igreja jamais será totalmente destruída, mais promessas existem de que Deus jamais nos abandonará. Além disso – dizem os entendidos – que na Bíblia constam 366 citações tipo, não tenham medo, nada temam, rezem e confiem. Então devemos ouvir isso, e acreditar de todo coração, tendo a certeza de que veremos passar a tempestade, mal tocando a gente. As perseguições virão – e elas já acontecem – porque satanás não deixa em paz os filhos da Luz. A Luz cega o inimigo, e a oração acabrunha as suas ações e impede seus avanços. Então ele sempre combaterá a quem reza que se sacrifica e que luta pela salvação, própria e dos outros. Isso, afinal nós já estamos sentindo, e como está difícil!
    Volto a dizer, a verdadeira luz é aquela que brota da Palavra de Deus – edições mais antigas da Bíblia, cuidado com as novas edições – e do Catecismo de João Paulo II. Se os novos ventos não interferirem na Igreja de sempre, e buscarem os caminhos de evangelização dentro dos princípios que temos anunciado, não haverá problema. Mas se, por desventura, houver modificações que alterem a Doutrina de sempre, os Dogmas e Sacramentos, também as Sagradas Escrituras, então teremos que combater o bom combate, com todas as armas que tivermos a disposição. E não devemos esperar que será fácil, porque os inimigos estão bem armados, prepararam-se bem, e o demônio já teve dois mil anos para criar fortes argumentos em defesa destas mudanças. Tudo parecerá bem, quando é mal!
    O momento é grave, é de meditação e de muita oração, porque está dito, tentarão enganar até os eleitos se possível for. Que não estejamos dentre os que se deixam enganar, porque a falsa luz que brilha nas trevas pode não ser de alerta, e sim um chamariz que indica os caminhos do inferno. Pode não ser luz e sim fogo! Por exemplo, neste momento acabo de ler uma reportagem sobre o que o Vaticano pretende fazer com os seminários e seminaristas e a palavra chave é proximidade: devem buscar a proximidade de Deus e do povo! Bem, você não pode atender as duas coisas, a Deus e ao mundo! Aliás, esta ideia de o padre “ir ao povo” já se aplica hoje e no que deu? Os padres foram engolidos, eles sumiram no meio do povo. Eis a chave verdadeira: Todos nós deveremos ir para Jesus! Se o padre não for antes para Jesus, o rebanho o carreg
ará para o mundo. E grande parte já foi carregada!
    Já comentei o quanto nossos amigos têm sofrido com determinados sacerdotes, que parecem odiar a oração, e até mesmo odiar a quem reza. Acabo de receber o e-mail de um líder de Grupo de Oração de uma cidade, e de longos anos divulgador do Movimento. Ele foi ao Padre pedir para eles rezarem 1000 Ave Maria, e veja a resposta “delicada” que ele recebeu por e-mail: Cara? Você acha que eu vou repetir a mesma coisa MIL VEZES? Não sou um débil mental. Se recito uma vez, sei o que me proporciona. Isso é coisa da extrema-direita, dos nazi-católicos, TFP, Opus Dei... Todo esse povo que o Bentinho Malvadeza cultivou em volta dele e... O pior de tudo: um bando de viados! Repetir mil vezes a mesma coisa é um programa para loucos!!! Não é reza!!!  Depois disso, só posso dizer, Misericórdia Jesus! Abraços!
    Ou devemos nós pedir misericórdia para ele? Observa o tratamento que ele dá a Sua Santidade o Papa Bento XVI, sinal de que sempre lhe foi desobediente! Chamar todos os que rezam Mil Ave Maria de débeis mentais, não seria o oposto, coisa de um débil mental? Chamar de “viados” a todos os que seguem Bento XVI é ou não caso de implorar misericórdia por um sacerdote assim? Ademais, já muitas vezes disse isso e repito: padre que diz que rezando uma só Ave Maria basta, é porque não reza nenhuma durante o dia. Se ele rezasse diariamente, com amor e devoção, esta única Ave Maria, com certeza absoluta não trataria desta forma uma pessoa que deseja rezar. Ou seja: uma resposta raivosa deste quilate, só pode partir de um padre herege, senão já apóstata, como são todos os que combatem a oração.
    Mas querem saber? Este é o estado de muitos sacerdotes! O próprio encarregado no Vaticano, pelos seminários, demonstra estar afinado com a linha dos pobres e marginalizados, esta arenga diabólica, que já não há cristão de verdade que suporta. Um aviso do caminho que tomarão agora os seminários, rumo à destruição que já arrasou a maioria deles, fruto da maldita teologia da libertação. Parece-me que nos seminários eles estão mais se corrompendo do que aprendendo a seguir Jesus. De todos os lados vejo as pessoas falando, e também percebo isso, de como os padres na realidade se odeiam entre si, dificilmente se suportam quando residem numa mesma casa e se sentem felizes quando os seus “desafetos” são indicados para locais difíceis. Também odeiam quando outros são promovidos e eles não. Imagine se pessoas assim pode amar como Jesus amou! Rezemos pelos nossos sacerdotes, mas eles que preparem a água de sal para lavar as feridas, depois que vier o chicote da Justiça.
    Outro problema gravíssimo entre eles, a inveja espiritual. Se um sacerdote “encher” a Igreja em suas Santas Missas, logo os invejosos inventam calúnias contra ele, ou escarnecem de algum modo, por algum defeito, alguma fala, até mesmo uma Ave Maria rezada durante a celebração é motivo de chacota ou de crítica, porque é anti-litúrgico. Nosso amigo Padre Irmundo recém falecido, sofreu muito com os escárnios dos seus pares. Mas celebrar em estado de sacrilégio, depois de escarnecer dos outros é litúrgico? Isso pode? Digo para vocês esta é uma praga generalizada, que vai desde os padres até os bispos e cardeais. Como podem conduzir bem a Igreja, no amor de Deus, se o ódio, a inveja, o orgulho, a ira, a preguiça, a gula e todos os vícios capitais fazem parte do seu dia a dia? Digo e reafirmo, é assim mesmo! Em todas as ordens e congregações! Também nos conventos!
    E isso tudo é prenuncio em breve de podres ventos! Fiquemos atentos! (Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 2099 - Impresso: 29 - Enviado: 11

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 164 - Total Visitas Únicas: 3.487.456 Usuários online: 81