Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
22/10/2013
O cisma já existe
 
Artigos - O cisma já existe
22/10/2013 14:19:00

Artigos - O cisma já existe


2131019 JÁ EXISTE O CISMA – Comentários ao final... antes uma notícia...
Na Igreja ou se caminha com o Papa ou acaba-se em cisma, afirma perito católico.
ROMA, 17 Out. 13 / 02:18 pm (ACI/EWTN Noticias).- Ante a inquietação gerada entre alguns católicos nas últimas semanas pelas entrevistas concedidas pelo Papa Francisco, o perito italiano em liberdade religiosa, Massimo Introvigne, escreveu um artigo no qual afirma que "na Igreja ou se caminha com o Papa ou acaba-se em cisma".
No artigo publicado pelo jornal Il Foglio no último dia 11 de outubro, Introvigne se refere ao "mal-estar" criado pelos gestos e atitudes do Santo Padre. Para o perito "este mal-estar pode ser útil e acredito que o mesmo Papa Francisco o previu e o leva em consideração em sua visão de uma Igreja onde, como gosta de explicar, a unidade não se confunde com a uniformidade".
"O mal-estar não deve ser confundido com o rechaço do Magistério ordinário, já esta atitude tem como consequência o cisma. A tese pode parecer forte, mas pode ser entendida quando se olha para trás", precisa. O perito lembra que, desde 1968 o Papa Paulo VI tentou fazer frente a diversas separações do Concílio Vaticano II que tinha concluído em 1965 e explicou, por exemplo, que os progressistas rechaçavam seguir o Santo Padre "sustentando que os pronunciamentos do Papa não eram infalíveis e constituíam simples indicações pastorais das que se podia dissentir e continuar sendo bons católicos".
Introvigne assinala que estes progressistas continuaram depois com João Paulo II e destaca que "para estar na Igreja é necessário caminhar com os Papas e deixar-se guiar pelo seu magistério cotidiano. Fora deste caminho estreito está o caminho largo que leva ao cisma".
Reconhecendo que é um "risco" usar categorias da política, o perito fala também da má compreensão do Vaticano II por parte de um setor da "direita" onde se repetiu algo parecido e se afirmava que "certos documentos do Concílio Vaticano II não são infalíveis e são meramente pastorais, pelo qual poderiam ser tranquilamente ignorados ou rechaçados".
Massismo Introvigne recorda que "Bento XVI tratou de colocar ordem com sua famosa proposta da ‘hermenêutica da reforma em continuidade’ que convidava a acolher lealmente os elementos de reforma do Concílio interpretando-os, não contra o Magistério precedente, mas levando-os em consideração. A proposta foi rejeitada pela esquerda e, com frequência, mal-entendida pela direita".
Introvigne volta ao Papa Francisco e comenta que é possível que faça "outras reformas na Igreja que o fiel católico deverá acolher com docilidade e sem procurar lê-las como contrárias aos ensinamentos dos pontífices precedentes, mas levando-os em consideração".
"Na encíclica ‘Caritas in veritate’ Bento XVI esclareceu que a hermenêutica da ‘reforma em continuidade’ não tem a ver somente com o Vaticano II, mas com toda a vida da Igreja", adiciona.
"A fórmula de Bento XVI –conclui– será de grande ajuda para metabolizar o mal-estar e para transformá-lo em uma voz útil na grande sinfonia da Igreja. Construir a continuidade como rechaço da reforma ou declarar que quer seguir o Papa só em seus pronunciamentos infalíveis –dois por século– confinando todo o resto à esfera do ‘falível’ e que pode ser ignorado, leva em troca e talvez insensivelmente, ao cisma".
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
      OBS> Pela simples leitura do texto deste “perito” em Igreja – diria que este é um título perigoso como, por exemplo, “teólogo” – pode se perceber que o CISMA já existe. Quando se fala em “direita” e em “esquerda” dentro da Igreja, naturalmente que falamos em grupos não somente antagônicos, como falamos em duas igrejas enfiadas num saco só. Ambas dizendo que são a verdadeira. Sobre isso já falamos exaustivamente. Mas de saída eu mesmo já me coloco de um lado, embora seus desmandos, quando prefiro
mil vezes o menos fervoroso dos tradicionalistas da direita, que o menos engajado dos modernistas de esquerda. Destes, eu digo: vade retro! Sempre estão errados!
       Na realidade, na última essência, os verdadeiros líderes – as cabeças pensantes – destes dois lados beligerantes formam um grupo diminuto em si, ambos tentando furiosamente controlar a imensa massa amorfa deste povo católico cego, que vai desenfreada ao abismo. O grande problema que vejo aqui é que este lado da “esquerda”, na realidade significa “modernismo”, e este significa comunismo, coisa que claramente nos empurra para o abismo, como todos os “ismos”, haja vista os males que este sistema já causou no mundo, e as 150 milhões de mortes que causou. Esta é a “cabeça ferida de morte” citada no Apocalipse de São João, e que voltou à vida, estando assim, não somente próxima de dominar o mundo civil, como nossa Igreja. Todo mundo achava que o comunismo tinha acabado com a queda do Muro de Berlim, mas ele apenas mudou de tática.
      Vejam o exemplo do Brasil e da América Latina, com a falsa e anticristo teologia da libertação: também aqui temos a direita e a esquerda. Misturemos isso com a política agora. O tal de PT em síntese não foi fundado como um partido comunista, mas foi tomado pelos comunistas, que sempre tinham no Brasil, não mais de 1% dos votos, então eles perceberam neste novo partido a chance de chegar ao poder, como de fato chegaram. Ou seja, se infiltraram dentro de um partido que não era o deles, e o transforaram num partido deles. Como queria o ardiloso diabo!
      A mesma coisa se deu com a Igreja e esta falsa teologia: em si a imensa maioria dos bispos e padres que dela participam não é comunista na essência, mas foram enganados por bispos e padres estes sim comunistas, que sempre falam mais alto e por força de satanás se impõem nas tomadas de decisão acabaram tornando comunista uma “teologia” sinistra que nada tem a ver com o Jesus dos Evangelhos. Com isso se tornaram na força maior dentro da Igreja, infiltrados nos altos postos dela na tal de conferência, como fizeram no governo civil de nossa nação, e não sendo mais Igreja porque tacitamente excomungados dela, juraram permanecer dentro mesmo que sejam afastados como é o caso de Boff. Os filhos das trevas são mais espertos e mais ativos do que os filhos da luz. Aqueles brigam, estes não! Isso quando temos a covardia, a inércia letal dos que se fazem “cães mudos” citados por Isaías.
      Voltando agora ao Concílio Vaticano II, notem o verdadeiro contorcionismo linguístico do Papa Bento XVI, ao falar neste negócio de “hermenêutica da continuidade”, e “hermenêutica da ruptura”, algo que nem um em 100 mil católicos entende, mas que pelas palavras “continuidade” e “ruptura”, mais uma vez apontam para um Cisma, pois são termos antagônicos, e são irreconciliáveis. E indicam erros em termos de doutrina! Ou seja, a luta entre os que desejam continuar tentando adaptar-se ao que foi escrito – e propositadamente mal escrito – nos documentos conciliares, ou romper com tudo, porque em termos de Doutrina, não pode haver “quem sabe” nem “pode ser” tem que ser como Jesus diz: SIM ou NÃO, porque tudo o mais vem do diabo.
      No comentário que ontem fiz a um texto, sobre a questão do seguimento cego e surdo a tudo o que um Papa ou até mesmo um bispo ou padre dizem, deve ter ficado bem claro que não é bem assim. Nossa Igreja tem acima de tudo uma Bíblia Sagrada, tem uma Sagrada Tradição que perpassa os milênios, tem um Catecismo onde consta em síntese toda a sua Sã Doutrina, ela tem os Dogmas de Fé que são sagrados, eternos e “imexíveis”, nunca poderão ser alterados ou derrubados, e tem as disposições dos Concílios Dogmáticos, como Trento e Vaticano I, têm milhares de documentos claríssimos, estabelecendo Normas e Ritos, e um Missal – nem sempre bem traduzido – tudo formando um conjunto perfeito, um tesouro inestimável. Ou seja...
    &
nbsp; Nada disso pode ser mudado intempestivamente, a tapas, murros e coices, por rompantes de quem quer que seja, ainda que ele tenha o título de Papa. Nas poucas coisas que se pode mexer, ainda assim é preciso que tudo seja feito dentro das normas já estabelecidas, porque senão temos não somente um princípio de cisma, e sim uma anarquia. Um Papa não tem direitos de imperador, ou de ditador, nem está acima da lei da Igreja. Ele sozinho não é a Igreja, apenas servo dela, e cioso guardião da integridade de sua Doutrina. Ele não pode fugir disso, porque sendo o representante vivo de Cristo na terra, para se dizer humilde tem que ser antes de tudo obediente como Cristo foi.
       E mais, num mundo tão cheio de divisões e de interesses, também tão sujeito ao império do mal, é preciso que ele evite ao máximo se expor em entrevistas, porque elas podem conter perguntas capciosas, que levem a duplas ou triplas interpretações. O linguajar humano é falho, e mesmo a tradução para diferentes idiomas pode levar a distorções com prejuízos irreparáveis. E assim, embora revestido dos poderes de Cristo o Papa não é o próprio. Jesus mesmo enfrentava as “entrevistas” com os fariseus, mas sendo Deus lhes conhecia até mesmo os pensamentos, e jamais dizia uma palavra dúbia, que pudesse ser usada contra Ele. Mas não é isso que acontece hoje no Vaticano, muito pelo contrário. Tudo indica que as frases dúbias são propositais!
      Comentando o artigo do “expert” acima, a frase dele: ou se caminha com o Papa, ou se acaba em cisma, na realidade contém uma gritante falha, porque quer supor que, ou se está com o Papa, ou se será cismático, quando não comporta o verso de medalha que nos pode indicar que, exatamente quem está com o Papa será cismático, e quem não está com ele estará com a verdadeira Igreja de Cristo. Não ignoremos esta possibilidade, e somente o passar dos dias nos darão luz sobre esta questão: quem com Deus, quem contra Deus? E não quer dizer ainda que, neste caso, por estar a maioria com o Papa, por ele estar sendo endeusado com esta touca de humildade, que a verdade estará com ele. Afinal, a Igreja já teve 32 antipapas antes, e depois foi preciso anular todos os atos deles.
      Como disse um santo: ainda que os tradicionalistas sejam apenas um punhado de gente, a Igreja verdadeira estará sempre com eles. Significam pessoas que respeitam a Tradição, as regras, os Dogmas, o Catecismo, os Ritos, os Sacramentos, tudo como foi anteriormente estabelecido, antes de alguma ruptura grave – como foi o caso do Concílio e da Missa Nova – que rasgue, em parte ou no todo, aquilo que era de sempre. Óbvio que sempre, desde os séculos foi assim, toda mudança implica em pelo menos duas opiniões diferentes, entretanto aqui não falamos em negócios, nem empresas humanas, e sim de uma religião de origem divina, tratamos de questões de fé, de ser a Igreja Católica Apostólica Romana e dentro dela toda divisão é sempre maligna. Mas não pode ser que a Igreja foi por dois mil anos abandonada pelo Espírito Santo, e somente agora, com estes modernistas Ele venha a agir.
      Como sempre temos pedido é preciso ler nas entrelinhas, cruzando estas informações com a Bíblia e com o Catecismo. No nosso Catecismo, alias está previsto que ao final dos tempos haveria uma guerra entre a Igreja de Jesus e uma anti-igreja nela infiltrada, algo voltada para o homem, não mais para Deus. Penso que mais claro impossível para entender que é exatamente isto que estamos vivendo. O que estas entrelinhas atuais mostram, sacadas por comentários vindos de cá e de lá, é que se pretende criar uma nova igreja, pois nem seria uma reforma desta. Algo que abandonasse completamente todo o passado, não somente o anterior ao Concílio, mas até mesmo este, unindo muito ecumênica e falsamente todas as religiões em um só credo. Naturalmente o do anticristo!
      Jesus mesmo disse que deveríamos ser um só, como Ele e o Pai são um, entretanto esta
unidade se deve dar ciosa e inarredavelmente em torno Dele, e não dos homens, ou de um homem. Toda união somente se torna possível e aceitável por Deus, se se fizer em torno da Santa Igreja Católica, com tudo o que ela foi e É, hoje e sempre, sem aceitar uma só das regras, princípios ou doutrinas de qualquer outro dos credos. Isso porque nossa Igreja tem absolutamente TUDO aquilo de bom, santo, divino, sagrado, salutar e necessário para a salvação de nossa alma, e nenhum credo ou seita, tenha o deus que tiver, tem algo a nos ensinar de bom. O que é bom já tem na Católica e nunca estará fora dela! Ecumenismo, então, somente em torno desta verdade Católica bi-milenar!
      Ou seja: Nem mesmo o Papa pode romper esta unidade com determinações e disposições ao seu bel prazer, sem provocar dissenção e confusão. E vemos hoje que a perplexidade não atinge somente os que ainda enxergam alguma coisa, como até mesmo os modernistas que já não têm certeza de que é por aí que deveremos caminhar. O que nos espanta é a rapidez com que do Vaticano partem ordens e determinações que contradizem ordens expressas do Papa Bento XVI e até de outros papas. Tudo isso sem estudo, sem passar por conselhos e normas, para ver se realmente se tratam de mudanças, não apenas necessárias, mas acima de tudo de acordo com a vontade divina. Nós estamos aqui para amar, louvar, agradecer e adorar a Deus, e não para fazer nossa vontade.
      Dias atrás colocamos no site a Bula Cum Ex Apostolatos Ofício, do Papa Paulo IV, que embora seja datada de 15 de fevereiro de 1559 continua valendo. E ela afirma que são inválidos todos os atos de um Papa ou de um bispo que estejam contra aquilo que, digamos, é Lei na Igreja. E categoricamente este documento afirma que fica excomungado automaticamente da Igreja todo aquele que não abjura de seus atos, se contrários à nossa fé. E diz assim o documento quando afirma a ilicitude das ações contrárias e sanção divina. Portanto, a homem algum seja lícito infringir esta página de Nossa Aprovação, Inovação, Sanção, Estatuto, Derrogação, Vontade, Decreto, ou por temerária ousadia contradizer-lhes. Porém se alguém pretender atentar saiba que haverá de incorrer na indignação do Deus Onipotente e de seus Santos Apóstolos Pedro e Paulo. Portanto, estamos diante de algo muito sério.
      De fato, como o Espírito Santo conduz a Igreja através dos séculos, se torna claríssimo que este documento continua valendo, assim como milhares de outros emitidos pelos papas através dos séculos, e, portanto deve ser levado em conta por qualquer autoridade da Igreja. Bento XVI é profundo conhecedor de todos estes documentos e não os burlava. O documento também afirma, enfaticamente, que nós os leigos não somente estamos desobrigados de seguir determinações contrárias às disposições santas da Igreja – falo daquelas que têm a chancela do Céu – como somos obrigados a denunciar e a combater estes erros, sob a pena de sermos tidos como coniventes diante do tribunal de Deus.
      O grande problema para nós todos, especialmente para os católicos humildes, de apenas oração, sem estudos e que não têm acesso aos documentos da Igreja, e muitos que nem teriam condições de ler nem de entender o que está escrito é realmente saber quais documentos são santos e têm a chancela celeste, e quais são apenas humanos, que embora o Céu aceite, na realidade não tem sua chancela, sua aprovação. Neste sentido clama aos céus alguns ou todos os documentos do Concílio Vaticano II, devido a dubiedade de muitos textos, a imprecisão que hoje sabemos foi proposital na editoração, e que tem provocado este infinito de confusões. Isso tem que acabar!
Vamos a um exemplo bem simples: tome uma banana, já passando de madura! Logo algumas partes dela azedam, e se você a tentar consumir inteira, verá que o sabor azedo daquela pequena parte, acaba estragando o paladar sobre o todo. Se você retirar com jeito esta parte estragada, verá que até poderá ser bom
o resto. Mas aqui temos o mistério: já não temos uma banana inteira! Temos um pedaço! A mesma coisa se poderia dizer de uma pessoa a quem é retirado um rim doente: ela nunca mais será inteira! E é preciso que assim seja! Uma e íntegra!
       Ora, em termos de Doutrina, de nossa Lei Maior, de seguir fielmente a Jesus Cristo, em termos de Igreja, não se pode conceber JAMAIS dentro dela, alguma parte “azeda” ou até mesmo “podre”. E neste caso de um documento com leitura capciosa ou falha, não adianta apenas tirar dele o podre e o azedo, porque isso acabará por contemplar meias verdades, que sempre se transformam em grandes mentiras. Ou seja: está mal escrito? Então apaga tudo e reescreve um novo, sem falhas, sem defeitos, sem erros, sem armadilhas capciosas, apenas com o SIM e o NÃO, que a confusão vem do diabo. Assim, é preferível a ruptura como querem os tradicionalistas, que a reforma em continuidade, como alguns desejam. E claro, tem os que quanto pior, melhor! Mas estes já pertencem ao diabo!
      Assim, o cisma já existe! E a apostasia que é parte dele já está em curso, isso é visível e cumpre o que São Paulo previu em II Tessalonicenses: primeiro terá que vir a apostasia! E continua assim: e terá que apresentar-se o filho da iniquidade... E isso nos leva a entender que é devido a presença já deste “inimigo” com seus pares já infiltrados dentro da Igreja Católica, que temos estas confusões, cisma e apostasia. Tudo é parte de um plano muito bem engendrado por satanás, exatamente para que sejam os padres e bispos de nossa Igreja, quiçá um Papa, os que devem colocar – e já estão colocando – este plano em prática.
      Falam então de uma “reforma” na Igreja e ela começou mudando certos cargos da Cúria Romana. Tudo bem, desde que se tenha certeza de que são maus ou mal preparados os que saem, e que em seu lugar sejam postos homens de elevada sabedoria e santidade de vida. Mas se você colocar na liturgia alguém que foi discípulo do algoz da Santa Missa tem certeza de que não estará pondo a “raposa a cuidar do galinheiro”? Mas aconteceu! Se você preenche cargos com amantes da teologia da libertação, acaso não estará pondo um comunista a cuidar da Doutrina? Aconteceu! Estes são exemplos que nos mostram os tremendos riscos que estamos correndo.
      De qualquer forma, como já escrevemos em outros artigos, simplesmente é impossível se fazer uma reforma santa, durável e verdadeira na Igreja, sem ANTES se promover uma reforma ampla, geral e profunda no clero. Se não houver ANTES um reforma dos seminários, dos formadores hereges de sacerdotes, e até dos conventos e dos monastérios, nunca se conseguirá fazer a Igreja retornar aos eixos, porque se pode dizer que, depois deste malsinado Concilio, já formadas pelo menos duas gerações completas de maus sacerdotes – não digo maus como pessoa, e sim muito mal formados na doutrina da Verdadeira Igreja de Cristo – que jamais levarão esta reforma em santidade, para o bem do povo de Deus e da Santa Madre Igreja. Virá sim, o desastre! Virá sim, a ruptura total!
      Nesta semana, por exemplo, lemos as declarações contundentes de Dom Felay, dos seguidores de Le Fébvre, que sinalizam uma ruptura definitiva com as posições do atual Papa. Penso que, depois do que ele disse isso os torna inimigos irreconciliáveis, para desgraça da Igreja. Por outro lado, a suspenção do veto de Bento XVI, quanto à falsa missa neocatecumenal sinaliza exatamente para aquilo que temos escrito em outros artigos, alertando para o perigo de que esta “ceia” deles, seja usada como base da sacrílega celebração que cumprirá a pavorosa profecia de Daniel: será tirado o sacrifício costumado, e posto em seu lugar a abominação destruidora! Conforme as mensagens que temos, o neocatecumenato é anticristo, e visa à dessacralização da Igreja. Observem então o perigo!
      Para nós, que acreditamos nos profetas atuais, que vêm apenas ale
rtar para aquilo que já está na Bíblia, tudo isso se torna angustiante. Se nós sabemos que a profecia de São Malaquias é verdadeira, então estamos diante de algo muito terrível. Este santo previu que a partir dali a Igreja teria apenas mais 112 papas, e que depois viria o fim, quando a chave dela fosse entregue definitivamente a Jesus. Pelos cálculos e as explicações dos estudiosos, nós sabemos que Sua Santidade o Papa Bento XVI é o número 111 desta lista. Sabemos também, por mensagens atuais que o último Papa, o de número 112, chamado Pedro Romano, será exatamente o próprio São Pedro, que virá na tribulação final. Ou seja: entre os dois não existe espaço para um papa verdadeiro. Agora você decide!
      Pessoalmente, já estando a tantos anos, mergulhado nesta batalha, inicialmente imaginei uma matemática que nos remetesse a uma espécie de “mandato tampão”. Neste caso, dada a impossibilidade completa de Bento XVI continuar, devido à desobediência generalizada do clero aos seus ensinamentos, e devido a pressão por mudanças que ele não poderia aceitar – como alias já tínhamos previsto em nossos livros – quem sabe a bondade divina nos concedesse então um Papa temporário, que apenas cumprisse o mandato do retirante, sem ser contado no número daqueles escolhidos por Deus. Esta era minha esperança inicial, porque para Deus nada é impossível. Mas quando as ordens deste derrubam as daquele, tudo fica prejudicado.
      Infelizmente, dado “o andar da carruagem”, a cada dia me parece mais distante esta hipótese e tudo nos leva a crer que estamos na contagem final dos tempos difíceis e que a figura citada em Apocalipse 13, 11 Vi, então, outra Fera subir da terra. Tinha dois chifres como um cordeiro, mas falava como um dragão. 12 Ela exercia todo o poder da primeira Fera, sob a vigilância desta, e fez com que a terra e os seus habitantes adorassem a primeira Fera (cuja ferida de morte havia sido curada). Por tudo o que acredito de mais sagrado eu digo que não gostaria que isso fosse verdade e estivesse acontecendo. Isso nos daria mais tempo para alertar este povo que dorme, e um sono de morte.
      Percebem a citação bíblica, de que esta fere segue orientação daquela da “cabeça ferida de morte”, conforme citei acima, o comunismo? Não tenham dúvida de que este será o regime através do qual o anticristo irá tiranizar o mundo. Também os comunistas vêm com palavras cheias de mel, com grandes promessas de justiça, com esta coisa de “pobres”, mas tão logo chegam ao poder, mostram as garras, como se pode ver em nosso país. Eles bateram tanto contra a corrupção antes de chegar ao poder, que hoje conseguiram engendrar o mais corrupto de todos os governos do mundo atual. Pois o mesmo se dará dentro da Igreja: dos pobres aos cobres, nada mais que um dobre. Da face pintada de paz, à carranca de satanás apenas um zás-traz. Quando a imensa massa do provo católico perceber, será tarde! E tudo sem alarde! Na surdina, devagar para que a massa morta de Católicos não se assuste!
      Eis a certeza do cisma: ignorar tudo aquilo que a Igreja foi e produziu através destes dois milênios, salvo algumas disposições muito oportunas para os destruidores, significa separar a Igreja de Jesus. Aliás, para eles o único dogma que não seria abolido seria o da infalibilidade papal, o que viria a calhar quando o anticristo assumisse o poder da Igreja – porque está predito que ele se assentará no trono de Deus e se apresentará como fosse um Deus – quando então ele poderia de maneira ditatorial impor ao mundo a doutrina do inferno. Como temos certeza agora de que tais coisas estão acontecendo – salvo alguma reviravolta que o Pai poderá dar nesta história – devemos nos manter atentos, a tudo o que acontece no Vaticano, o que é dito e feito, para não sermos pegos de surpresa.
      Aos que acham ridículo tudo isso eu digo: aguardem apenas os próximos passos – e os próximos, seguidos e infindáveis escorregões – mas agora s
abendo de que não se tratam de incompetência, mas de muito estudada e bem planejada revolução, já, portanto, em curso. Tudo tem um propósito bem definido: destruir a Igreja de Cristo, em troca de um templo do homem divinizado, como um caminho para o reinado da grande fera do Apocalipse, cujos passos já trovejam pelo mundo. Tudo isso vejo com certeza, mas com tristeza, porque posso dizer, como teria sido fácil em 2012 se a humanidade se tivesse convertido e massa, como o Céu pediu. Tudo isso já teria sido resolvido!
      E agora pergunto: 15/02/2012, o início dos dias fatais, falamos dos 3,5 anos finais ou dos 7 anos? Cada um é livre pensar! Se nós estamos na primeira parte da última semana de Daniel, veremos as coisas correndo mais devagar, tudo sendo implantado aos poucos, para o ignaro povo católico ir se acostumando. Se nós estamos na metade final, tudo irá mais rápido, e passará mais rápido para que o desgaste do nosso povo não seja tão grande e capaz de levar muita gente à perdição. Deus é que sabe como será agora, e é por isso que o Céu se desdobra em milhares de aparições por todo mundo, de Jesus, de Nossa Senhora, dos Santos, dos Anjos e Arcanjos, das benditas almas do Purgatório, tentando alertar esta humanidade que dorme para as provas finais que chegam, e são eles as verdadeiras trombetas do Apocalipse. Uma a uma elas já estão soando. Você não as ouve?
      Naturalmente que tudo ainda são propostas, resta ver como Deus permitirá que as coisas tenham curso, e a intensidade com que tudo se dará. Nossas orações podem sim mudar o curso do plano de Deus – embora nunca o seu objetivo final – podem alterar até mesmo os tempos, porque é o “cacife espiritual” do homem, a fonte ou a força da qual Deus faz uso para agir em nosso favor, em favor dos homens, sob o comando da Grande Mulher Maria Santíssima. Como diz a mensagem: foram os homens que estragaram o mundo, e terão eles que o consertar! Foram eles que livremente se entregaram ao pecado e ao comando dos demônios, então terão os homens que derrotar o inferno. Pela arma da oração amorosa e confiante, se acumula uma força espiritual que nós não vemos – o chamado tesouro da Igreja – da qual fazem uso os anjos bons, atuando em nosso favor. O homem tem que querer mudar! E isso significa se converter incondicionalmente para Deus! Sem perguntas nem reservas!
      Ou seja: os anjos não podem agir acima destas forças acumuladas pelos homens! Eles receberam de Deus os poderes naturais, entretanto os limites de ação para este poder estão vinculados ao esforço da humanidade, em se desvencilhar do mal, em seu desejo de derrotar as forças infernais e os exércitos do mal da terra, falo dos homens e mulheres a serviço de Lúcifer. E infelizmente, o que vemos hoje é um desequilíbrio completo, parecendo que as forças do mal vencem, porque nada de bom, de verdadeiro, de santo, atinge as mesmas proporções, que o gigantismo do mal. Isso quer dizer que o “cacife da maldade”, está suplantando o esforço do bem, o que nos leva ao cataclismo final.
      Chamo a atenção, entretanto, para a Santa Missa, e farei isso até a morte: ela é o Centro da Igreja e o escudo do mundo e da humanidade! Jesus é a Missa! Jesus Eucaristia é Deus em nosso meio! O desequilíbrio maior, a maior força de demolição que o inferno está conseguindo hoje, se deve em 99% ao descaso com que os católicos tratam este Sacramento, e aos dilúvios de sacrilégios que se comete em relação a Jesus Sacramento do Amor. Quando menos Eucaristia, e quanto mais celebrações sacrílegas – por sacerdotes em pecado grave, ou que não acreditam na Eucaristia – e quanto mais forem os sacrilégios cometidos pelos católicos que recebem Jesus em estado de pecado grave, mais o demônio adquire forças e mais o mal avança. Nossas orações significam aqui o 1% faltante, e podem ter certeza que significam muito. Feliz de quem hoje contribui para este tesouro, que é eterno.
      Entretanto é preciso um olhar par
a o futuro, e se perguntar: até quando irá esta sequência desoladora? Em Isaías 6 está a resposta, 11 Até quando, Senhor disse eu. E ele respondeu: Até que as cidades fiquem devastadas e sem habitantes, as casas, sem gente, e a terra, deserta; 12 até que o Senhor tenha banido os homens, e seja grande a solidão na terra. 13 Se restar um décimo (da população), ele será lançado ao fogo, como o terebinto e o carvalho, cuja linhagem permanece quando são abatidos. (Sua linhagem é um germe santo). Esta linhagem, este germe santo a que Isaías se refere, são os filhos e filhas de Deus, tirados exclusivamente da casa de Jacó. Sim, caro leitor, você poderá ser judeu de fato, sem o saber! Não se assuste então!
      Bem, nesta passagem, no nosso entender, está a resposta para a pergunta: até quando? Vejam, dada hoje a diferença brutal entre o povo que reza – e que contribui efetivamente para o tesouro da Igreja e nosso “cacife” junto de Deus – e o povo pecador que não reza e não se confessa nem comunga em estado de graça, junto com os pagãos, os outros credos e religiões e também os ateus e seguidores do inferno, que, portanto, contribuem para o “cafice” ou para as forças do mal, nós podemos afirmar que com este número de habitantes no planeta, humanamente, sem a ação direta de Deus, nós dificilmente reverteremos este quadro. E é isso que dá tanta certeza ao inimigo de que vencerá!
      O resultado será este: na medida em que faltar a Santa Missa e a Eucaristia, o mundo tenderá rapidamente para o abismo da guerra, da fome e das pestes preditas nas Sagradas Escrituras. Esta explosão do caos acabará por eliminar grande parte da humanidade, especialmente os pagãos e os declaradamente maus. Como as mensagens atuais não se cansam de nos animar dizendo que Deus protegerá sempre os bons, os seus filhos, significa que aos poucos o percentual de bons acabará por suplantar todos os outros, de modo que o fiel da balança espiritual da humanidade tenderá cada vez mais para o bem. E assim irá, até que não reste mais nenhum inimigo de Deus sobre a face deste planeta terra. Todos os maus estarão no abismo, que fica em seu interior.
      Neste meio teremos algumas obras divinas, algumas ações mais fortes de Deus certamente, como a queda dos astros, que cairão exatamente no melhor momento, mas isso acontecerá não por vontade exclusiva do Pai e sim porque o grito dos oprimidos lhes chegará retinindo aos ouvidos. E isso é força espiritual positiva! O Grande Aviso que se seguirá é também fruto deste grito desesperado da humanidade, que se verá num momento de terrível desespero, e qual o Pai que não sairia em socorro dos seus filhos? Estas colocações não são apenas particularmente minhas, mas fruto de muitos estudos e leituras. Eis o motivo pelo qual a oração é tão importante agora, porque dela depende a intensidade das ações do mal. Dela depende nossa vitória, a conquista da Nova Terra!
      Enfim, minha cabeça não consegue jamais compreender como é que os líderes e príncipes da nossa Igreja não conseguem perceber que estão sendo enganados pelo anticristo. Vejam o que está em 2 Tessalonicenses, 9 A manifestação do ímpio será acompanhada, graças ao poder de Satanás, de toda a sorte de portentos, sinais e prodígios enganadores. 10 Ele usará de todas as seduções do mal com aqueles que se perdem, por não terem cultivado o amor à verdade que os teria podido salvar. 11 Por isso, Deus lhes enviará um poder que os enganará e os induzirá a acreditar no erro. 12 Desse modo, serão julgados e condenados todos os que não deram crédito à verdade, mas consentiram no mal. Entenderam? É por permissão divina que isso acontece, que sejam todos eles cegados assim pelo inferno, porque em seu orgulho desmedido são incapazes de rezar invocando o Espírito Santo!
       De qualquer forma, sempre Deus estará a nossa frente, em defesa de Sua Igreja. Há dois lugares da terra para os quais hoje deveremos voltar nossos
olhos e nossas orações: Vaticano e Israel! Dois estados diminutos, que se comparados ao poderio de outras nações, teríamos os elefantes e duas pulgas. Mas Deus não se preocupa com este poderio nem com este gigantismo, e sim com seus filhos, e com suas preciosas almas. É só isso que O move! E no Vaticano temos a sede da Igreja de Jesus! Em Israel, o umbigo do mundo, temos o povo escolhido! É nestes dois pontos importantes que se centraliza o esforço do bem, e aquele poder que derrotará todos os pagãos, e junto com ele o inferno hoje derramado sobre a terra.
       E tanto é que nestes dois lugares se concentram todo o esforço do bem, ou, melhor dizendo, se assentam os comandos deste esforço, exatamente nestes dois pequenos lugares também se concentram as duas feras citadas no capítulo 13 do Apocalipse: Em Israel a raiz daqueles que dizem ser judeus, mas não são e sim uma sinagoga de satanás, eis a besta de sete cabeças e dez chifres, e em Roma a besta de duas cabeças que se apresenta como um humilde cordeiro, mas é um dragão e fala pela boca do dragão infernal. E ali o demônio fará seu torno, por um tempo! Tudo isso pode estar se desenrolando aos nossos olhos, sem que esta humanidade adormecida perceba.
       Resultado, de Roma vem destruição espiritual, de Israel a guerra física. Assim está escrito, e assim será! Roma perderá a fé e se tornará a sede do anticristo! Restará apenas Israel e o povo eleito, e isso depois de purificados e acrisolados, como a prata e o ouro, pelo fogo, para que depois de retirada toda a ganga impura, reste apenas aquele germe, santo e puro, com linha de sangue até Jacó, Isaac, Abraão, Noé e Adão. E com eles o paraíso!
       Sei que esta frase final soa como um bálsamo para nossos amigos leitores, mas tenhamos os pés no chão, porque antes vem o dilúvio de fogo, predito por São Pedro em sua segunda carta, que virá pela palavra divina no tempo da justiça, para a destruição completa dos ímpios. Não muitos anos nos separam desta vitória! Animo, pois! (Aarão)
 

 
 
 

Artigo Visto: 2451 - Impresso: 52 - Enviado: 22

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 741 - Total Visitas Únicas: 3.408.585 Usuários online: 94