Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
31/12/2017
Francis e o Islam
Não existe na Bíblia uma só passagem que nos ensine a respeitar heresias, pelo contrário!
 

O respeito de Francisco ao Islam, é um respeito a quatro heresias.

Dezembro 30, 2017 – Tradução pelo Google.

Fonte > http://shoebat.com/

O islamismo é uma heresia, e não só isso, é uma igreja apóstata. Desde a sua fundação, orgulhou-se de algumas das mais importantes crenças heréticas que a Igreja já combateu. O islamismo é arianismo porque nega a divindade de Cristo; É nestorianismo, porque nega a Encarnação e rejeita a Palavra tornando-se carne; É Pelagianismo, porque rejeita o pecado original; e tem um traço de maniqueísmo, no sentido de que afirma que não havia crucificação de Jesus, mas que as pessoas apenas imaginavam ou achavam que o viram crucificado; em outras palavras, ela é a suprema prostituta de uma religião.

Mas agora, o papa Francisco está tentando construir laços mais fortes com essa mesma heresia; (por exemplo) ele disse em 2013:

"Voltando ao respeito mútuo nas relações inter-religiosas, especialmente entre cristãos e muçulmanos, somos chamados a respeitar a religião do outro, seus ensinamentos, seus símbolos e seus valores".

Não vejo em qualquer lugar nas Escrituras, nem nos ensinamentos dos Padres da Igreja, um respeito pelas falsas religiões.

O que muitos cristãos (católicos e não católicos) precisam entender é que o respeito pelos ensinamentos islâmicos não é parte dos princípios originais da Igreja em relação ao Islã.

Em 1376, o estudioso católico Niocalu Eymeric escreveu que qualquer um que acreditava em Muhammad era um herege:

"Quem invoca a ajuda de Muhammad, mesmo que não faça mais nada, cai em uma heresia manifesta, que também constrói um altar em sua honra". Em casos semelhantes, pode-se dizer o mesmo de invocar qualquer demônio, construindo um altar, sacrificando , etc. "(1A)

O Papa Callistus III, no século quinquenal, disse: Além disso, prometo libertar cristãos que languidecem em escravidão, exaltar a verdadeira fé e extirpar a seita diabólica dos maometanos réprobos e infiéis do Oriente. Porque neles a luz da fé quase se extingue completamente.

O papa Francisco usou o nome de São Francisco de Assis como seu título papal, bem, vejamos como o próprio São Francisco viu o Islã.

Durante a Cruzada de São Luís, o sultão maometano, Al-Malik al-Kamil, (2) pagou suas tropas para decapitar os cristãos. Quando os cruzados tentaram pegar a cidade de Damietta no Egito, os guerreiros jihadistas entraram em seus acampamentos à noite para decapitá-los enquanto dormiam. O senhor da sentinela de Courtenay foi assassinado e seu corpo foi encontrado em uma mesa sem cabeça. (3) Os muçulmanos, depois de decapitar tantos cristãos, penduraram a cabeça em torno dos muros do Cairo. Quando os emires egípcios queriam chegar a uma trégua com os cruzados, o rei Luís lhes disse que não faria nenhuma paz, a menos que primeiro removessem todas as cabeças cortadas dos cristãos e devolvessem todos os meninos cristãos sequestrados e forçados a se converter Islamismo; A demanda foi atendida. (4)

Foi esse sultão implacável que foi confrontado com um italiano curto, desalinhado e ciumento chamado Francisco de Assis. Alguns dos cruzados achavam que ele estava louco, enquanto muitos o olhavam com admiração. Ele veio a al-Kamil com a intenção de convertê-lo no cristianismo e assim acabar a guerra. Ele caminhou em direção ao sultão com seu companheiro Illuminato, cantando: "Embora eu ande no meio da sombra da morte, não temerei o mal, porque você está comigo". A mente de Illuminato estava inquieta e, para consolá-lo, Francisco gritou alegremente: "Coragem, irmão! ... Coloque sua confiança naquele que nos manda como ovelhas no meio dos lobos".

Os soldados muçulmanos levaram o santo e Illuminato e vencê-los. Quando o Santo recebeu os golpes, ele gritou ao sultão o melhor que pôde: "Sultão! Soltão!" Então eles foram acorrentados e levados antes do sultão. São Francisco implorou a al-Kamil para se converter a Cristo, um ato punível com a morte sob a Sharia, pedindo-lhe que "consentir para se tornar Cristo junto com o seu povo".

San Francisco também estava cometendo um crime capital; Apenas cinco meses após essa reunião, cinco frades franciscanos foram executados em Marrocos por proselitismo. São Francisco pediu ao sultão para trazer um xeque e acender um forno; Quem sobreviveu às chamas tinha o verdadeiro Deus. Foi um teste que lembra o que aconteceu com os três judeus no forno de Nabucodonosor.

"Que um grande forno se acenda", proclamou o Santo, "Seus sacerdotes e eu entraremos nela, e julgamos quais das nossas duas religiões são as mais sagradas e verdadeiras".

O xeque fugiu e o sultão respondeu: "Tenho muito medo de que meu padre se recuse a acompanhá-lo no forno". "Se assim for," respondeu Francis, "vou sozinho no fogo". Se eu perecer, será por meus pecados. Mas se o poder de Deus me proteger, você promete reconhecer Cristo como o verdadeiro Deus e Salvador? "O Sultão afirmou que, não importa o resultado, ele nunca abandonaria o Islã, mas admirava muito a coragem do frade e lhe ofereceu presentes antes de partir." Pegue-os pelo menos para dar aos pobres! ", Insistiu San Francisco. era com dor em seu coração, vendo que sua aspiração não tinha sido cumprida, o sultão implorou-lhe com estas palavras: "Lembre-se de mim em suas orações, e que Deus, por sua intercessão, me revele que crença é mais agradável a Ele... "(5)

Assim, como podemos ver o respeito pelos ensinamentos islâmicos não é católico, não é bíblico, e é realmente uma heresia em si mesmo. A Igreja Católica pode não estar declarando guerra ao Islã, porém o Islã está seguro declarando guerra à Igreja Católica.

Os católicos em todo o Paquistão e o resto da Ásia estão sendo oprimidos e perseguidos pelos muçulmanos. É hora de a Igreja Católica reviver seu espírito de cruzada e adotar uma atitude feroz em relação ao Islã.

Theodore Shoebat é o autor do livro, Por Deus ou por tirania.

 Fontes citadas> (1A) Nicolau Eymeric, The Directorium inquisitorum, en Alan Charles Kors y Edward Peters, Witchcraft in Europe, parte 4, p. 126 (1) Carroll, A History of Christendom, vol. iii, ch. xiii, pp. 569-571 (2) El nombre se aprende de Englebert, San Francisco de Asís, cap. xiii, p. 176 (3) Juan de Joinville, La vida de San Luis, 177; Gui, un caballero doméstico del Vizconde de Melun [a fines de 1249], al Maestro B. de Chartres, en Mateo París, a Chronica Majora, en la Séptima Cruzada de Peter Jackson, cap. 5, documento 59, p. 87 (4) Juan de Joinville, Vida de San Luis, 469, 518 (5) Englebert, San Francisco de Asís, cap. xiii, pp. 176-178; Carroll, A History of Christendom, vol. iii, ch. v, p. 197. 

 
 
 

Artigo Visto: 546 - Impresso: 11 - Enviado: 0

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 42 - Total Visitas Únicas: 3.055.224 Usuários online: 54