Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
17/12/2017
O paganizado Natal bergogliano
No presépio diabólico um homem nu sendo venerado... E fora com o Menino Jesus.
 

A cena da Natividade na Praça São Pedro no Vaticano: Os Magos estão de frente para um homem nu e não de joelhos diante do Rei dos reis, pois, Jesus está completamente ausente, portanto, representa o Natal Bergogliano, não o Natal cristão

 

14.12.2017 -

A cena da Natividade na Praça São Pedro no Vaticano é simbolicamente ambígua.

Na imagem da capa, reproduzimos um detalhe do "Belém" que este ano preside a Praça do Vaticano, com uma pessoa morta ao fundo...

n/d

...e um homem nu ao lado do portal, algo incomum e irreverente que vem endossar a seguinte redação. Descentralize a figura de Cristo em busca dos pobres, dos necessitados e dos emigrantes. Você pode ver em outra imagem inferior, como NINGUÉM daqueles presentes no culto de Belém prostrados a Cristo. Alguns até viraram as costas para ele. Os Magos estão de frente para o homem nu e não de joelhos diante do Rei dos reis, e a Sagrada Família é reduzida a mais uma parte do trabalho, não ao centro, como se espera de qualquer Belém.

n/d

Por Antonio Socci /Da "Libero".

O caso da escola siciliana onde as imagens da Virgem e de Jesus Cristo foram removidas - e a oração da manhã foi cancelada - ficou chocado em nome do secularismo da escola. É a lei.

No entanto, pelo mesmo motivo, todas as doutrinas ideológicas de todos os tipos (que infelizmente) devem ser banidas da escola pública.

E então, se a liberdade de educação fosse realmente reconhecida, esses problemas não surgiriam em um País onde existam várias propostas educacionais, cada um poderia escolher a escola que ele prefere (também a que tem a oração da manhã).

Mas na Itália não existe essa liberdade. E você pode apostar que isso da Sicília é apenas o prelúdio das controvérsias relacionadas ao próximo Natal, que todos os anos explodem pontualmente pela manjedoura, a mesa de Natal e outra coisa.

Faça ou não a manjedoura? Alguém ofende a memória do nascimento de Jesus em Belém?

Por que você tem 15 dias de férias na escola? A manjedoura em lugares públicos, é uma representação religiosa ou, acima de tudo, um requisito cultural de nossas raízes cristãs comuns?

UM EVENTO ENORME

Antes de responder a essas questões, devemos assinalar algo que ninguém percebeu até agora. Um evento de enorme importância na Igreja está ocorrendo: é antes de tudo, não nas escolas, que Jesus Cristo está sendo progressivamente suprimido ou colocado em segundo lugar.

O anúncio da Encarnação de Deus, o anúncio da salvação, há cinco anos, foi substituído por uma espécie de pregação social ou socialista que coloca os imigrantes (provavelmente islâmicos) no centro, juntamente com a pregação ecológica do aquecimento global.

A substituição é antes de tudo quantitativa: a insistência obsessiva com que o papa Bergoglio propõe continuamente o tema dos imigrantes (e ecologia) a todas horas, todos os dias, para o natal, para a festa da suposição e para a Páscoa, tempos - em seus predecessores - dedicados à proclamação de Cristo, da vida eterna e da doutrina católica.

Mas uma substituição conceitual também está em andamento, porque os pobres em geral e os imigrantes em particular (de origem muçulmana) foram transformados com Bergoglio em uma categoria teológica e gradualmente substituíram o Salvador.

Uma vez, em 15 de novembro de 2015, Bergoglio continuou dizendo que, para se salvar, não é importante se "você foi para a igreja", mas se você se preocupou com os pobres "porque a pobreza está no centro do Evangelho".

Portanto, a ação social é mais importante do que o sacrifício de Cristo e a Eucaristia: a partir disso, segue-se que os exemplos a seguir são os sindicalistas como Landini ou Camusso, e não a Santa Teresa de Lisieux, que sempre viveu na clausura.

Há alguns dias, a afirmação de Bergoglio, para a qual nos pobres é que está a força salvadora, "abre o caminho ao Céu, eles são o nosso passaporte para o Paraíso".

Aqui está o deslizamento para a teologia da libertação, que foi solenemente rejeitado pela Igreja.

Pelo contrário, a Igreja sempre pregou que "Cristo é o único Salvador" (João Paulo II) e - como disse São Pedro - "Em nenhum outro há salvação"; Na verdade, não existe um outro nome sob o céu dado aos homens, no qual se estabeleceu que podemos ser salvos "(Atos 4, 12).

CARRÓN OU SÃO FRANCISCO

Quem interpretou perfeitamente o novo pensamento Bergogliano é o atual chefe de Comunhão e Libertação, Julián Carrón, que lança da janela o ensinamento de Dom Giussani (e jogando da janela também a Comunhão e a Libertação, que já foi reduzida a termos mínimos ), publicou para o Natal de 2017 um "volantico" no qual não é mais o Menino Jesus, mas um campo de fugitivos.

É uma bela foto artística, mas Jesus está completamente ausente, portanto, representa o Natal Bergogliano, não o Natal cristão.

n/d

n/d

Quem, por outro lado, interpretou perfeitamente o anúncio cristão, foi São Francisco de Assis, que amava os pobres e a pobreza muito mais do que Bergoglio e Carrón, mas quem na manjedoura (que ele próprio inventou) celebrou e adorou o Deus criador, não "os pobres" ou os imigrantes.

A Madre Teresa viveu como São Francisco e viu a praga da teologia da libertação.

O desvio "humanitário" ou socializador está presente na Igreja desde os anos setenta. O cardeal Santiago Biffi falou assim:

"O grande perigo do cristianismo em nossos dias é ser gradualmente reduzido, talvez por uma preocupação generosa para acomodar todos, um conjunto de empreendimentos humanitários e a exaltação de valores que são negociáveis mesmo nos mercados mundiais.

O ANTICRISTO

Don Giussani, amigo de Biffi que compartilha esta preocupação, para entender a armadilha venenosa contida nesta degeneração humanitária do cristianismo, tornada conhecida e divulgada "A história do anticristo" por Vladimir Solovev, que tem como centro essa alteração do cristianismo.

O protagonista da história, o Imperador, afirmou estimar a figura de Jesus, mas se considerou melhor do que Ele, porque ele teria trazido paz e amor.

"Cristo foi o reformador da humanidade, pregando e manifestando o bem moral em sua vida; Eu, por outro lado, sou chamado para ser o benfeitor desta humanidade (...). Eu darei a todos os homens o que é necessário para eles. Cristo, como moralista, dividiu os homens de acordo com o bem e o mal, enquanto os uni com os benefícios que são igualmente necessários para o bem e o mal. Eu serei o verdadeiro representante desse Deus que faz subir o sol sobre o bem e o mal e distribui a chuva ao justo e ao injusto. Cristo trouxe a espada, trarei a paz. Ele ameaçou a Terra com o terrível julgamento final. No entanto, o último juiz será para mim e meu julgamento não será apenas um julgamento de justiça, mas também de misericórdia ".

Com essa pretensão, o Imperador prometeu aos cristãos - sempre que se prostraram diante dele - qualquer coisa que quisessem: cultura cristã, valores sociais e morais ...

Mas a resposta veio de um santo monge, o sábio João: "Grande soberano, o que mais queremos no cristianismo é o próprio Cristo. Ele mesmo e tudo o que vem dele, pois sabemos que nele encontra-se corporalmente a plenitude da divindade (...). Confesse Jesus Cristo aqui e agora diante de nós ".

O sábio João representa o verdadeiro cristão contra a sedução do poder que manipula a fé, explicou Don Giussani.

Hoje, por outro lado, o Imperador parece ganhar. Temos um Natal em que os católicos são os primeiros a substituir Jesus pelo valor da solidariedade, com a questão social dos imigrantes.

QUAIS IMIGRANTES

Além disso, os imigrantes pobres de Bergoglio ou o "volantico" de Comunhão e Libertação, nem são os "pobres cristãos perseguidos", que são verdadeiramente os mais desfavorecidos porque são abandonados por todos (especialmente pelo Vaticano). Mas, possivelmente, imigrantes muçulmanos: não é coincidência que, quando Bergoglio foi ao campo de refugiados em Lesbo, onde havia várias famílias cristãs, levou consigo a Roma uma família de muçulmanos e não cristãos.

O atual bispo de Roma não vê nenhum problema na onda migratória muçulmana na Itália e na Europa, mas os problemas são enormes.

Precisamente nestes dias, sabe-se que João Paulo II - que experimentou fenômenos místicos - teve uma dramática visão sobrenatural relacionada ao futuro da Europa.

Em tempos insuspeitos, em março de 1993, ele confiou a um amigo: "Lembre-se daqueles que você encontrará na Igreja no terceiro milênio. Vejo a Igreja afligida por uma praga mortal. Mais profunda, mais dolorosa do que as deste milênio: é chamado de islamismo. Eles invadirão a Europa. Eu vi as hordas proceder do oeste para o leste.

Neste ponto, o Papa fez a descrição dos países: do Marrocos à Líbia e ao Egito e assim por diante. Então ele acrescentou:

"Eles vão invadir a Europa ... Você, Igreja do terceiro milênio, deve conter a invasão. Mas não com armas, as armas não são suficientes, mas com fé vivida com integridade ".

Substituir Jesus por imigrantes não parece ser uma fé integral, mas uma rendição total.

Fonte: www.antoniosocci.com/bergoglio-cl-lanticristo-solovev-alle-prese-la-cancellazione-gesu-guardare-presente-alla-luce-della-drammatica-profezia-giovanni-paolo-ii

Via: www.sinaisdoreino.com.br

 

 
 
 

Artigo Visto: 1372 - Impresso: 16 - Enviado: 5

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 210 - Total Visitas Únicas: 3.236.918 Usuários online: 58