Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
23/10/2017
Francis humilha cardeal
A velocidade com a qual este papa protagoniza o desmonte de sua própria Igreja é tão alucinante que chega a ser difícil documentar.
 

Editorial: Francisco humilha Sarah. O apogeu da Babel litúrgica.

Por FratresInUnum.com – 23 de outubro de 2017

Tirânico. Não há outro adjetivo que se empregue para o vexame ao qual o pontífice reinante submeteu ontem o Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino.

Totalmente sem precedentes, o ato despótico perpetrado pelo Papa que assumiu o nome do “pobrezinho de Assis”, Francisco, nada tem de franciscano; é totalmente contrastante com a humildade que vive propagandeando de si mesmo.

francisco sarahA velocidade com a qual este papa protagoniza o desmonte de sua própria Igreja é tão alucinante que chega a ser difícil documentar.

Recentemente, ele publicou o Motu ProprioMagnum Principium em que confere às Conferências Episcopais a faculdade de aprovar a tradução dos textos litúrgicos, reservando à Santa Sé apenas o direito de “confirmar” os mesmos.

O Cardeal Sarah, competente em matéria porque Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, sequer foi consultado. A apresentação do texto pontifício foi realizada pelo Secretário do mencionado Dicastério, o arcebispo progressista Arthur Roche.

Na sequência, o Cardeal Sarah tornou público um texto intitulado “Humilde contribuição para uma melhor e justa compreensão do Motu Proprio Magnum Principium” em que interpretava o citado texto em continuidade com o Motu Proprio Liturgiam Authenticam do Papa João Paulo II. Na prática, Sarah defendia a ideia de que “reconhecimento” e “confirmação” seriam sinônimos na aplicação do Motu Proprio de Francisco. Tentava fazer uma hermenêutica da continuidade e, ao mesmo tempo, salvar a competência de sua Congregação.

Ontem, porém — exato dia da festa litúrgica de João Paulo II, canonizado por Francisco — o site italiano La Nuova Bussola Quotidiana publicou a carta com a qual o Papa Bergoglio corrige publicamente o cardeal africano, deixando claríssimo: doravante, e até disposição em contrário, a “aprovação” da tradução dos textos litúrgicos não fica a cargo da Sé Apostólica, mas das Conferências Episcopais, cuja “confirmação”, em clima de diálogo, deverá ser dada pela Congregação para o Culto Divino.

À Congregação de Sarah não competirá realizar mais o que, por determinação de Liturgiam Authenticam, fazia — e guerreou duramente contra Conferências Episcopais do mundo todo para isso –, isto é, um “exame detalhado palavra por palavra”, nas palavras de Francisco, mas apenas garantir “a integridade do livro, ou seja, verificar se todas as partes que compõem a edição típica foram traduzidas”. Esvazia-se praticamente, assim, toda a competência do dicastério de Sarah sobre o assunto.

A carta do Papa Bergoglio começa e termina com um agradecimento elogioso à contribuição de Sarah. O paralelo com o elogio dos discípulos dos fariseus e dos herodianos a Nosso Senhor, recolhido no Evangelho deste domingo do Missal de Paulo VI, é inevitável. Ainda mais porque ele solicita ao cardeal que ele mesmo faça publicar a sua “correção” nos sites que divulgaram anteriormente o seu texto, bem como a todas as Conferências Episcopais, e aos membros e consultores da Congregação da qual ele é Prefeito. Maior humilhação, neste caso, impossível!

Esta não é a primeira vez que Francisco constrange o Cardeal Sarah com uma retratação. Em 2016, quando o mesmo proferiu uma conferência em que sugeria que os sacerdotes celebrassem a missa ad orientem a partir do advento seguinte, a Sala de Imprensa da Santa Sé lançou um Comunicado de esclarecimento em que desmentia as declarações do cardeal.

Note-se, porém, que Francisco teria motivos para ter desmentido diversas vezes o Cardeal Müller ou mesmo o Cardeal Burke, que chegaram a fazer declarações muito mais contundentes acerca de seu confuso magistério, e, no entanto, nunca o fez de forma tão brusca. Por quê?

Será que Papa Francisco teria, a exemplo seu glorificado amigo e teólogo Walter Kasper, algum preconceito contra negros, especialmente contra africanos? A propósito, todos sabemos da resistência dos bispos africanos nos sínodos da família, resistência capitaneada pelo Cardeal Sarah e resistência desprezada solenemente por Francisco numa referência indireta em seu discurso de encerramento do Sínodo de 2015: “aquilo que parece normal para um bispo de um continente, pode resultar estranho, quase um escândalo – quase! –, para o bispo doutro continente”.

Ou será que o Papa argentino considera verdadeira a análise de Sandro Magister, segundo a qual Sarah seria um candidato de força no próximo conclave e, consequentemente, sendo este de linha conservadora, oposta à sua, está querendo desprestigiá-lo e eliminar uma eventual concorrência?

Por trás de toda esta reação desproporcional de Francisco está, também, um discreto silenciamento do Papa Emérito. De fato, no prefácio da edição russa do tomo de suas Obras Completas dedicado à Liturgia, lançado no início deste mês de outubro, escreve Bento XVI: “a causa mais profunda da crise que tem sacudido a Igreja está no escurecimento da prioridade de Deus na Liturgia. Tudo isto me levou a dedicar-me ao tema da Liturgia mais que no passado porque sabia que a verdadeira renovação da Liturgia é uma condição fundamental para a renovação da Igreja”.

Aliás, recentemente, Bento XVI prefaciou o livro sobre liturgia do Cardeal Sarah [outro prefácio de Ratzinger, em 2015, a livro anterior de Sarah simplesmente desapareceu] e o chamou de “mestre espiritual”, afirmando que a liturgia da Igreja estava em boas mãos.

Em todo caso, se a Missa de Paulo VI já tinha se tornado uma espécie de ideia platônica, nunca concretizada de modo perfeito nem celebrada em lugar algum do planeta, mas apenas reproduzida das maneiras mais diferentes e contraditórias possíveis, agora, com o Motu Proprio Magnum Principium, o Papa Francisco deu-lhe o pior golpe desde a sua promulgação, em 1969.

Novus Ordo se tornará ainda mais incerto e tão diversificado, de lugar em lugar, de país em país, que o ato de Bergoglio, em si, quase significa a completa abolição de uma “missa do Concílio Vaticano II” que nunca chegou a existir verdadeiramente.

Nem falemos das incertezas que terão os fieis, sem conseguirem discernir em que lugar se celebra uma missa válida, visto que os padres, sempre dados à criatividade, passarão a improvisar dos modos ainda mais estapafúrdios do que aqueles que já temos presenciado. Além do que, em países como o Brasil, não é de se duvidar que a Conferência Episcopal se arrogue o direito de ter vários missais regionalizados. O caos!

É o fim da Missa Nova! É a Babel litúrgica de Francisco! Babel iniciada pela reforma litúrgica liderada pelo bispo Aníbal Bugnini, maçom, a mandos expressos da maçonaria: “comunicamos o encargo que o Conselho dos Irmãos estabeleceu para ti, de acordo com o Grão-Mestre e os Príncipes Assistentes ao Trono, e te obrigamos (…) a difundir a descristianização mediante a confusão dos ritos e das línguas e de colocar padres, bispos e cardeais uns contra os outros. A Babel linguística e ritual será a nossa vitória, como a unidade linguística e ritual foi a força da Igreja (…) Tudo deve acontecer no prazo de dez anos”.

Qual poderá ser o resultado de tamanha confusão? Desorientados, os fieis acorrerão à missa tradicional, apreciarão ainda mais a liturgia não reformada da missa de sempre.

Francisco, definitivamente, não tem cheiro de ovelhas. Ele está caminhando em sentido oposto ao de seus fieis. Estes querem ordem, ele quer impor a sua bagunça.

Resta-nos o dever de permanecer fieis: aos sacerdotes tradicionais, a fortaleza de permanecerem firmes, porque toda esta desordem é auto-aniquilatória; aos fieis leigos, a perseverança de continuarem com sua luta pela liturgia tradicional, mesmo contra todas as oposições dos bispos e do clero, em geral.

É tão óbvio o fracasso desse tipo de “reforma”, é tudo tão previsível, que necessitamos apenas de coragem para preservar o legado dos santos, a tradição ininterrupta da fé católica, celebrada de modo excelente na liturgia perene da Igreja.

Não desanimemos, pois “esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1 Jo 5,4).

 

 
 
 

Artigo Visto: 513 - Impresso: 4 - Enviado: 1

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 697 - Total Visitas Únicas: 3.015.668 Usuários online: 51