Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
19/10/2017
Tradicionalistas na mira?
A doença do episcopado nacional é endêmica e chama-se complexo de superioridade.
 

Editorial: Tradicionalistas na mira. O bullying da CNBB.

Por FratresInUnum.com – 18 de outubro de 2017.

Notícias correm de que está para explodir uma ofensiva do episcopado brasileiro para enfrentar a onda de tradicionalismo que percorre toda a nação.

cnbb-destaque1556054126.jpg

Projeto faraônico na nova sede da CNBB: “Onde está o teu tesouro, aí está o teu coração”.

Uma reedição libertadora da inquisição? Uma caça às bruxas? Uma versão tupiniquim da Ku Klux Klan? Nada disso! Apenas a velha presunção cnbbista de se achar o centro do universo.

Não percebem os senhores bispos que se reduziram a um gueto grotesco, autorreferencial e inexpressivo.

Quem se importa com as posições da CNBB?

O povo brasileiro sequer toma conhecimento daquilo que diz e pensa o referido sindicato e, solenemente, segue o caminho oposto. Os fiascos dos últimos anos o comprovam retumbantemente.

O máximo que as excelências conseguirão é promover um bullying aos católicos tradicionais, como se os mesmos já não estivessem há décadas a suportar heroicamente o vexame de um desrespeito que produziu neles o calo de uma insensibilidade soberana, que ridicularização alguma poderá sensibilizar.

Em sua total irrelevância e incapacidade de incidir sobre quem quer que seja, os bispos brasileiros apenas encorajarão mais ainda aqueles que pensam combater. Os tradicionalistas se multiplicarão por todos os lados, exponencialmente, e serão o pesadelo de todas as suas noites. Expulsarão seminaristas considerados conservadores sem perceberem que estão ordenando outros que, fingindo-se de modernos, são mais tradicionais que os primeiros.

Arquidiocese de Niterói: “A Igreja nunca esteve tão bem”, por isso não há mais nada com o que se preocupar. Fiéis agora aguardam notas pedindo fidelidade também ao Concílio de Trento e Vaticano I.

A doença do episcopado nacional é endêmica e chama-se complexo de superioridade. Tais quais faraós superexaltados, acham-se eles tão acima de todos que se dão ao luxo de não trafegarem entre seu clero e seus seminaristas. Ordenam desconhecidos que continuarão a serem desconhecidos e as surpresas não cessarão de aparecer.

O cúmulo da contradição é que eles, em sua fobia contra véus, batinas e similares, se dão a perseguir os verdadeiros católicos enquanto clérigos apodrecem no concubinato, na homossexualidade (para não falar dos casos de transexualidade mal-disfarçada) e no roubo.

O povo não é tão estúpido quanto pôde ter sido um dia e não se dobrará a esses caprichos da hipocrisia episcopal brasileira. O desprestígio da CNBB é irreversível, pois a mediocridade de seus sindicalizados não cessa de o corroborar com um sublinhado incessantemente repetido.

A impressão que os senhores bispos têm de sua própria legitimidade está nos aplausos que trocam entre si, exatamente como nos bandos de bullying, em que a mútua confirmação referenda a sensação de vitória e superioridade. Nada tão pouco convincente.

Enquanto não chegam dias melhores para a pobre Igreja de Deus, resistamos, superando a cada dia este tempo de prova. E não nos impressionemos com o bullying. Coloquemos ante eles um espelho para que percebam sua própria comicidade.

+++++++++

OBS > Em primeiro lugar, nenhum católico é obrigado a seguir as orientações da CNBB, ainda que todos os bispos do Brasil estejam de acordo. Deve seguir ao seu Bispo, se ele segue a Jesus. Se não segue a Jesus, também não deve ser seguido. E Jesus estabeleceu a hierarquia correta > papa > bispos > sacerdotes. Ele não fundou um sindicato de comadres tagarelas, que são incapazes de entender o que nos legou Santo Atanásio:

Não devemos perder de vista a TRADIÇÃO, a DOUTRINA e a FÈ da Igreja Católica, tal como o Senhor ensinou, tal como os Apóstolos pregaram e os Santos Padres transmitiram. De fato, a TRADIÇÃO constitui o alicerce da Igreja, e todo aquele que dela se afasta, deixa de ser cristão e não merece mais usar este nome. Eles PRETENDEM representar a IGREJA (os que negam a Tradição); na realidade, expulsam-se a si próprios e perdem-se. Ainda que os CATÓLICOS fiéis à TRADIÇÃO se reduzam a um punhado, são eles a VERDADEIRA Igreja de Jesus Cristo.” 

Se eles combatem a Tradição, é sinal de que estão fora da Verdadeira Igreja. É por isso que tudo o que eles disserem fica sem efeito diante de Deus. E se fizerem o que Jesus não quer, isso cairá sobre suas cabeças. Não se arrisquem a combater a Tradição, ou terão o chicote de cordas! (Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 586 - Impresso: 2 - Enviado: 0

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 702 - Total Visitas Únicas: 3.015.673 Usuários online: 52