Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
02/03/2018
Mais padres gritam
E denunciam o ataque e a gravidade sem precedentes de algumas teorias e práticas “pastorais” encorajadas por Francisco...
 

Novo apelo do Padre Weinandy ao Papa: com esta falsa misericórdia, a Igreja é destruída. (Comentário ao final)

Fonte > https://fratresinunum.com/

Por Sandro Magister, Settimo Cielo, 24 de fevereiro de 2018 | Tradução: Marcos Fleurer – FratresInUnum.com:  Todos se recordam do Padre Thomas G. Weinandy e de sua carta aberta que enviou ao Papa Francisco no verão passado, divulgada por ele no dia 1 de novembro em Settimo Cielo.

weinandy3Hoje, sábado 24 de fevereiro, ele retorna à batalha com a palestra que proferiu esta manhã em Sydney, promovida pela Universidade Notre Dame da Austrália.

Nela, o Padre Weinandy descreve e denuncia o ataque e a gravidade sem precedentes que algumas teorias e práticas “pastorais” encorajadas pelo Papa Francisco, que estão sendo realizadas contra a Igreja (na suas dimensões) “Una, Santa, Católica e Apostólica” e, em particular, contra a Eucaristia. , que é o “cume e a fonte” da vida da própria Igreja.

O padre Weinandy, de 72 anos, é um teólogo entre os mais conhecidos e os mais estimados. Mora em Washington, no Colégio dos Capuchinhos, a ordem franciscana a que ele pertence. Até agora, é membro da Comissão Teológica Internacional que ajuda a Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, nomeado em 2014 pelo Papa Francisco.

Ele ensinou nos Estados Unidos em várias universidades, em Oxford por doze anos e em Roma na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Durante nove anos, de 2005 a 2013, foi diretor executivo da Comissão Doutrinal da Conferência Episcopal dos Estados Unidos. E continuou fazendo  parte como “conselheiro” até o dia da publicação de sua carta aberta ao Papa Francisco, quando foi forçado a renunciar.

Nós lhe damos a palavra.

*

O DESAFIO CONTEMPORÂNEO PARA A IGREJA E A EUCARISTIA

por Thomas G. Weinandy

É verdade que a Igreja após o Concílio Vaticano II estava cheia de divisões, com disputas sobre doutrina, moral e liturgia. Essas divergências ainda continuam. No entanto, em nenhum momento durante os pontificados de João Paulo II e Bento XVI, houve dúvidas sobre o que a Igreja ensina em relação à sua doutrina, sua moral e a prática litúrgica. […] Esse não é o caso, de muitas maneiras significativas, no atual pontificado do Papa Francisco.

Desafio à unidade da Igreja

[…] Às vezes, parece que o Papa Francisco se identifica não como o promotor da unidade, mas como o agente da divisão. Sua filosofia prática, se é uma filosofia deliberada, parece ser a crença de que um bem maior unificador emergirá da atual “gritaria” de pontos de vista divergentes e da confusão das divisões resultantes.

Minha preocupação aqui é que essa abordagem, mesmo que não fosse intencional, ataca a verdadeira essência do ministério petrino, como Jesus entendeu e como continuamente foi entendido pela Igreja. O sucessor de São Pedro, por causa da verdadeira natureza do cargo, deve ser, literalmente, a personificação pessoal e, consequentemente, o sinal consumado da comunhão eclesial, e desta forma o principal defensor e promotor da comunhão eclesial da Igreja. […] Aparentemente, incentivando a divisão doutrinal e a discórdia moral dentro da Igreja, o atual pontificado transgrediu o marco fundamental da Igreja: sua unidade. Mas como essa ofensa se manifesta contra a unidade da Igreja? Faz isso desestabilizando os outros três atributos da Igreja.

Desafio à apostolicidade da Igreja

Em primeiro lugar, a natureza apostólica da Igreja está sendo prejudicada. Como tem sido avisado por teólogos e bispos, e mais freqüentemente pelos leigos (que possuem o “sensus fidelium”), o ensinamento do atual pontífice não se destaca por sua clareza. […] Como se vê em “Amoris Laetitia”, ele “reconcebe” e exprime de forma nova o ensino apostólico anterior e claro da tradição magistral, com uma forma aparentemente ambígua, além de semear a confusão e a perplexidade dentro da comunidade eclesial, contrariando suas próprias tarefas como sucessor de Pedro e transgredindo a confiança de seus colegas bispos, bem como dos sacerdotes e de todos os fiéis.

Inácio [de Antioquia] ficaria assustado com tal situação. Se, para ele, o ensino herético exposto por aqueles que só estão associados com a Igreja é destrutivo para a unidade da Igreja, muito mais devastador é o ensino ambíguo quando é formulado por um bispo que tem o encargo divino para assegurar a unidade. eclesial […]

Além disso, […] se sanciona dando a aparência que uma interpretação doutrinária ou moral que contradiz o que foi recebido pelo ensinamento apostólico e a tradição magisterial da Igreja – como foi definido dogmaticamente pelos Concílios e ensinado doutrinariamente pelos papas e bispos anteriores em comunhão com ele, como foi aceito e acreditado pelos fiéis, não pode ser proposto como um ensinamento magisterial. […] Em matéria de fé e moral, o ensino de um Papa vivo não tem precedência absoluta sobre o ensino magisterial dos pontífices anteriores ou a doutrina docente estabelecida. […] Que o ensino ambíguo do Papa Francisco às vezes parece cair fora do ensinamento da comunidade eclesial apostólica histórica, então suscita grande preocupação, porque, como já foi dito antes, promove a divisão e a desarmonia em vez da unidade e da paz dentro da única Igreja apostólica. […]

Desafio à catolicidade da Igreja

Em segundo lugar, a universalidade da Igreja manifesta-se claramente no fato de que todas as Igrejas particulares estão mutuamente ligadas, através do Colégio dos Bispos em comunhão com o Papa, através da profissão da mesma fé apostólica e através da pregação do único Evangelho universal para toda a humanidade. […] Este atributo da unidade católica também é desafiado atualmente.

A adesão do papa Francisco ao conceito de sinodalidade tem sido altamente promovida: a concessão às Igrejas locais de uma liberdade mais autodeterminada. […] Mas, como é visualizado pelo Papa Francisco e promovido por outros, essa noção de sinodalidade, ao invés de garantir a unidade universal da Igreja Católica – uma comunhão eclesial composta por múltiplas Igrejas particulares – é usada agora para minar e assim sancionar divisões dentro da Igreja. […]

Atualmente, estamos testemunhando a desintegração da catolicidade da Igreja, pelas Igrejas locais, tanto a nível diocesano quanto a nível nacional, que muitas vezes interpretam as normas doutrinais e os preceitos morais de várias formas conflitivas e contraditórias. […] O atributo da unidade da Igreja, uma unidade que o papa é divinamente mandado para proteger e despertar, está perdendo sua integridade porque seus atributos de catolicidade e apostolicidade caíram em uma desordem doutrinal e moral, uma anarquia teológica que o Papa mesmo, talvez inconscientemente, começou a defender devido a uma defeituosa concepção da sinodalidade. […]

Desafio à santidade da Igreja

Em terceiro lugar, isso nos leva ao quarto atributo da Igreja: a sua santidade. Este atributo está igualmente sob cerco, mais especialmente, mas não surpreendentemente, em relação à Eucaristia. […]

Para participar plenamente da Eucaristia de Cristo, […] são necessários os quatro atributos da Igreja que devem ser personalizados, porque apenas agindo dessa maneira se está em plena comunhão com a Igreja para receber a Comunhão – o corpo elevado e o sangue de Jesus, a fonte e culminação de um com o Pai no Espírito Santo. […]

A primeira questão […] pertence especificamente à santidade. Embora a única fé apostólica da Igreja seja professada, a própria fé é insuficiente para receber Cristo na Eucaristia. Referindo-se ao [Concílio] Vaticano II, João Paulo II afirma que “é necessário perseverar na graça santificante e na caridade, permanecendo no seio da Igreja com o” corpo “e com o” coração “(Ecclesia de Eucharistia , n.36). No início do século II d. C. Inácio [de Antioquia] levantou o mesmo ponto: a comunhão só pode ser recebida “em estado de graça” (Ad.Eph., N.20). Assim, de acordo com o Catecismo da Igreja Católica e o Concílio de Trento, João Paulo II confirma: “Desejo, portanto, reiterar que está em vigor e sempre estará na Igreja, a norma pela qual o Concílio de Trento concretizou a severa exortação do apóstolo Paulo, ao afirmar que, para receber a Eucaristia com dignidade, “a confissão dos pecados deve preceder, quando alguém tem consciência do pecado mortal” (ibid.) . De acordo com a doutrina tradicional da Igreja, João Paulo II insiste então que o sacramento da Reconciliação é “necessário para a plena participação no sacrifício eucarístico”, quando o cristão tem consciência de um pecado grave. Enquanto ele reconhece que somente a pessoa pode julgar em consciência seu estado de graça, ele afirma que “nos casos de um comportamento externo sério, abertamente e de forma estável, contrariamente à norma moral, a Igreja, em sua pastoral para a boa ordem comunitária e pelo respeito ao sacramento, não pode se mostrar indiferente “(ibid.). João Paulo II intensifica sua admoestação citando o direito canônico. Onde existe “uma indisposição moral manifesta”, isto é, de acordo com o Direito canônico, quando as pessoas “obstinadamente persistem em um pecado grave manifesto”, então “a admissão na comunhão eucarística não é permitida” (ibid.).

Aqui vemos o desafio atual para a santidade da Igreja e, especificamente, para a santidade da Eucaristia. A questão de saber se os casais católicos divorciados e “recasados”, envolvidos em ações conjugais, podem receber a comunhão, gira em torno da questão real do “comportamento externo sério, aberto e estável contrário à norma moral” e, consequentemente, se eles possuem “uma manifesta indisposição moral” para receber a comunhão.

O Papa Francisco insiste com razão que tais casais devem ser acompanhados e depois ajudados a formar adequadamente suas consciências. Concedendo que existem casos matrimoniais extraordinários em que se pode discernir corretamente que um casamento anterior era sacramentalmente inválido, mesmo que não se pudesse obter evidência por nulidade, então um casal pode receber a Comunhão. No entanto, a maneira ambígua em que o Papa Francisco propõe este acompanhamento pastoral permite o desenvolvimento de uma situação pastoral em que a prática comum permitirá que quase todos os casais divorciados e recasados se julguem livres para receber a Sagrada Comunhão.

Esta situação pastoral se desenvolverá porque mandamentos morais negativos, como “não cometerás adultério”, não são mais reconhecidos como normas morais absolutas que nunca podem ser violadas, mas como ideais morais, como objetivos que podem ser alcançados ao longo de um período de tempo ou que eles nunca podem ser alcançados na vida de alguém. Neste período intermediário e indefinido, com a benção da Igreja, as pessoas podem continuar a lutar por tudo o que são capazes de fazer, viver vidas “santas” e assim receber comunhão. Esta prática pastoral tem múltiplas consequências doutrinais e morais prejudiciais.

Primeiro, permitir que aqueles que estão objetivamente em pecado grave manifesto recebam a comunhão é um ataque público aberto à santidade do que João Paulo II chama de “Santíssimo Sacramento”. O pecado grave, por sua verdadeira natureza, atestado por Inácio de Antioquia, o Concílio Vaticano II e João Paulo II, priva um de santidade, porque o Espírito Santo não habita mais em uma pessoa, logo, torna a pessoa incapaz de receber a Sagrada Comunhão. Para receber a Comunhão naquele estado literalmente infeliz é uma mentira, porque ao receber o sacramento está sendo afirmado que alguém está em comunhão com Cristo, quando na realidade não é assim.

Do mesmo modo, essa prática também é uma ofensa contra a santidade da Igreja. Sim, a Igreja é composta de santos e pecadores, mas aqueles que pecam, todos são, devem ser pecadores – arrependidos, especificamente do pecado grave, se quiserem participar plenamente da liturgia eucarística e assim receber o santíssimo corpo e o sangue de Jesus exaltado. Uma pessoa que está em pecado grave ainda pode ser um membro da Igreja, mas como um pecador, essa pessoa já não participa da santidade da Igreja, como um dos santos. Receber a Comunhão naquele estado profano é, novamente, representar uma mentira porque nessa recepção se tenta declarar publicamente que um fiel é membro em estado de graça e vivo da comunidade eclesial quando não é.

Em segundo lugar, e pode ser mais importante, permitir receber a comunhão para aqueles que persistem em pecado grave manifesto, aparentemente como um ato de misericórdia, é menosprezar o mal inerente do pecado grave e difama a magnitude e o poder do Espírito Santo. Essa prática pastoral está implicitamente reconhecendo que o pecado continua a governar a humanidade, apesar da obra redentora de Jesus e sua unção do Espírito Santo sobre todos os que creem e são batizados. Jesus não é realmente o Salvador e o Senhor, mas sim Satanás, que continua a reinar.

Além disso, aprovar as pessoas no pecado grave não é de modo algum um ato benevolente ou amoroso, porque está endossando um estado no qual eles poderiam ser eternamente condenados, ou seja, sua salvação seria ameaçada. Da mesma forma, por sua vez, esses pecadores também estão sendo insultados, pois sutilmente se está dizendo que são tão pecaminosos que mesmo o Espírito Santo não é suficientemente poderoso para ajudá-los a mudar seus caminhos pecaminosos e torná-los santos. Essencialmente, eles  são “salváveis”. Embora na realidade, o que finalmente é oferecido é a admissão de que a Igreja de Jesus Cristo não é realmente santa e por isso é incapaz de realmente santificar seus membros.

Por fim, o escândalo é a consequência pastoral pública de permitir que a Sagrada Comunhão seja recebida por pessoas em pecado grave e impenitentes. Não é simplesmente que fiéis da comunidade eucarística estarão consternados e possivelmente desagradados, mas, mais importante ainda, ficarão tentados a pensar que eles também podem pecar gravemente e continuar em boa situação com a Igreja. Por que tentar viver uma vida santa, até uma vida heroica e virtuosa, quando a própria Igreja parece não exigir esse tipo de vida, nem mesmo encorajar essa vida? Assim, a Igreja se torna uma paródia de si mesma e essa farsa não gera senão desprezo e desdém no mundo, e a zombaria e o cinismo entre os fiéis, ou no máximo, uma esperança contra a esperança entre os mais pequeninos.

+++++++++++

OBS > Mente quem afirma que existe uma gritaria generalizada e uma pressão sensível da parte dos casais que vivem uma segunda união sem o Sacramento do Matrimônio: o que existe é uma pressão furiosa do inferno para que as pessoas comunguem sacrilegamente em estado de pecado grave e assim se destrua o Sacramento da Eucaristia, JESUS é o alvo principal do ataque. Para isso usam alguns casais piloto, que se distorcem em lamúrias diante da mídia como pontas de lança, para atingir um universo a partir de um grão de areia. Eu passei por isso e sei como é.

De fato, os bons católicos neste estado não irão comungar, ainda que Francisco aprove. Quem o irá seguir são os maus católicos, estes que já estão calejados em comungar sacrilegamente, pois só aparecem na igreja em casamentos e batizados, ostentando belas vestes, mas na vida cotidiana empunham o facho de satanás. Aos bons católicos, que têm amigos nesta situação, ou que vivem neste estado, cabe alertar os casais para que não comunguem, e também instar para que busquem o Tribunal Eclesiástico, hoje muito facilitado nas causas de separação. Nos meus tempos levei 14 anos para os padres me atenderem. Hoje a regra manda ser um mes e meio.Então não há desculpas, e são diversos os argumentos que a Igreja aceita para declarar a nulidade no ATO do casamento, por algum vício ou erro.

E não ouçam o canto da cigarra infernal que defende uma falsa misericórdia sem justiça. Porque a primeira depende da segunda. Deus não precisa de nós, nem errou em nosso lugar. Então a misericórdia Dele não é compulsória, tem que ser implorada, com verdadeiro espírito de contrição e arrependimento. Costuma-se dizer hoje muito escancaradamente que a misericórdia de Deus é infinita. E é, para aqueles que a suplicam! Para os que se fiam na compulsória, a JUSTIÇA pode ser fulminante. Eis então o veredicto: alegar misericórdia para autorizar a comunhão em pecado grave, é de fato atiçar a ira divina e clamar por justiça!... Para quem não se humilha, e para quem prega esta falsa doutrina! (Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 1022 - Impresso: 9 - Enviado: 3

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 303 - Total Visitas Únicas: 3.142.898 Usuários online: 56