Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
24/09/2017
Mais 62 se revoltam
"Correção Filial" para o Papa Francisco por "propagar heresia".
 

 

Mais 62 se revoltam

https://www.lifesitenews.com/news/breaking-62-scholars-correct-pope-francis-for-propagating-heresies

ROMA, 23 de setembro de 2017 (LifeSiteNews) - Expressando "profunda dor" e "devoção filial", o clero católico e estudiosos leigos de todo o mundo emitiram o que chamam de "Correção Filial" para o Papa Francisco por "propagar heresia".

A Correção Filial, na forma de uma carta de 25 páginas, tem assinaturas de sessenta e dois acadêmicos, pesquisadores e estudiosos católicos em diversos campos de vinte países. Afirmam que o Papa Francisco apoiou posições heréticas sobre o casamento, a vida moral e a Eucaristia que estão causando uma série de "heresias e outros erros" espalhados por toda a Igreja Católica.

A correção foi entregue ao Papa em sua residência de Santa Marta em 11 de agosto de 2017. Nenhuma ação semelhante ocorreu na Igreja Católica desde a Idade Média, quando o Papa João XXII foi admoestado por erros que ele mais tarde recuou em seu leito de morte.

"Com profundo sofrimento, mas movido pela fidelidade ao nosso Senhor Jesus Cristo, pelo amor pela Igreja e pelo papado, e pela devoção filial em relação a si mesmo, somos obrigados a corrigir a Sua Santidade por causa da propagação de heresias efetuadas pela exortação apostólica Amoris laetitia e, por outras palavras, ações e omissões de Sua Santidade ", os signatários escrevem na carta.

"Como sujeitos, não temos o direito de emitir a Sua Santidade essa forma de correção pela qual um superior coagula os sujeitos a ele com a ameaça ou administração de punição", afirmam.

"Emitemos esta correção, antes, para proteger nossos companheiros católicos - e aqueles que estão fora da Igreja, de quem a chave do conhecimento não deve ser levada - na esperança de evitar a disseminação de doutrinas que se procuram ao profanar de todos os sacramentos e a subversão da lei de Deus ", acrescentam.

Os signatários insistem respeitosamente que o Papa Francis condena as heresias que ele "sustentou direta ou indiretamente" e que ensina a verdade da fé católica em sua integridade.

Eles dizem que eles não fazem "julgamento" sobre a culpabilidade do Papa na propagação das sete heresias que eles listam. Eles acrescentam que não é sua tarefa "julgar se o pecado da heresia foi cometido" pelo qual uma pessoa "se afasta da fé duvidando ou negando alguma verdade revelada com toda a escolha da vontade".

A carta foi divulgada hoje, seis semanas depois que os signatários não receberam resposta do Papa.

Dever corrigir

Os 62 clérigos e eruditos leigos explicam que, como crentes e praticantes católicos, têm o direito eo dever de emitir tal correção ao Papa "pela lei natural, pela lei de Cristo e pela lei da Igreja" e que A correção não prejudica de modo algum a doutrina católica sobre a infalibilidade papal.

A Igreja Católica ensina que o Papa é infalível (incapaz de erro por um presente especial do Espírito Santo) quando certas condições são atendidas. Ele ensina infalivelmente em sua capacidade ordinária quando uma doutrina é consistente, constante e universal em relação ao que a Igreja e outros papas sempre ensinaram. Ou em uma capacidade extraordinária, ele ensina infalivelmente quando fala "ex cathedra", ou seja, quando ele fala na qualidade de seu cargo como pastor e professor apostólico com o propósito de definir uma "doutrina de fé ou moral a ser realizada por toda a Igreja ". O Papa não é infalível em outros assuntos, como quando ele dá uma entrevista fora do manguito ou apresenta sua reflexão pessoal sobre um determinado tópico.

"Aderimos de todo o coração à doutrina da infalibilidade papal", afirmam os signatários, acrescentando que, na opinião deles, "nem Amoris Laetitia nem nenhuma das declarações que serviram para propagar as heresias que esta exortação insinua são protegidas por essa garantia divina da verdade". "A opinião dos signatários de que a exortação não é um ensino magistério infalível é apoiada por líderes da Igreja, como o cardeal Raymond Burke”.

Os signatários listram uma dúzia de passagens de Amoris Laetitia que dizem "servir para propagar sete proposições heréticas".

Incluída na lista é a nota de rodagem "fumar" 351, onde o Papa escreve que aqueles que vivem em uma situação objetiva de pecado podem receber a "ajuda dos sacramentos" para crescer na vida de graça e de caridade. Muitos interpretaram isso como significando que os católicos civis divorciados e ressarcidos que vivem em adultério podem receber a Sagrada Comunhão, e o Papa adotou diretrizes que permitem isso. Também está incluído na lista o texto referente aos casais que vivem em adultério que, escreve o Papa, vêem a situação como "o que Deus mesmo está perguntando" a eles, apesar de estar aquém do "ideal objetivo".

Os estudiosos dizem que essas passagens junto com uma série de "palavras, ações e omissões" do Papa estão "servindo para propagar heresias dentro da Igreja".

De acordo com os signatários, as "palavras, ações e omissões" do Papa Francisco que promovem a heresia incluem:

Recusando responder a dubia (cinco perguntas de sim ou não) submetidas pelos quatro cardeais (dois dos quais agora estão falecidos) pedindo-lhe que confirme que Amoris Laetitia não abole cinco ensinamentos da fé católica.

Intervindo forçosamente no Sínodo da Família de 2015, onde ele insistiu em inserir em um relatório de meio termo uma proposta (que não recebeu votos suficientes) para permitir a comunhão para os adúlteros e uma proposta de que os pastores devem enfatizar os "aspectos positivos" dos estilos de vida que a Igreja considera gravemente pecaminoso, incluindo o novo casamento civil após o divórcio e a coabitação pré-marital.

Aprovechando uma interpretação da exortação do cardeal de Viena, Christoph Schönborn, que permite que a Sagrada Comunhão seja dada aos adúlteros.

Afirmando a declaração dos bispos da região de Buenos Aires que permitiu que a Comunhão fosse dada aos adúlteros, afirmando que "não há outras interpretações".

Nomeando posições de influência dentro da Igreja homens que discordam publicamente do ensino católico sobre os sacramentos, incluindo o Arcebispo Vincenzo Paglia e o Cardeal Kevin Farrell.

Permitir que as diretrizes para a diocese de Roma sejam emitidas sob sua autoridade que permitam aos adúlteros receber comunhão sob certas circunstâncias.

Partindo de não corrigir a publicação em L'Osservatore Romano, o jornal oficial da Santa Sé, a interpretação dos bispos malteses de Amoris Laetitia que permite a comunhão para os adúlteros.

Sete Heresias

O clero católico e os eruditos leigos seguem a lista de sete "proposições falsas e heréticas" que dizem que o Papa Francisco "direta ou indiretamente" sustenta suas "palavras, ações e omissões". Essas sete proposições, listadas abaixo, são resumos da posições que atribuem ao papa Francis e consideram ser herético.

1 Uma pessoa justificada não tem a força com a graça de Deus para realizar as exigências objetivas da lei divina, como se qualquer dos mandamentos de Deus fosse impossível para os justificados; ou no sentido de que a graça de Deus, quando produz justificação em um indivíduo, não invariavelmente e de sua natureza produz conversão de todo pecado grave ou não é suficiente para a conversão de todo pecado grave.

2 Os cristãos que obtiveram um divórcio civil do cônjuge a quem são validamente casados ​​e contraíram um casamento civil com alguma outra pessoa durante a vida de seu cônjuge, que vivem mais uxorio [como marido e mulher] com seu parceiro civil e quem optar por permanecer neste estado com pleno conhecimento da natureza de seu ato e o pleno consentimento da vontade desse ato, não estão necessariamente em estado de pecado mortal, e podem receber graça santificadora e crescer em caridade.

3 Um crente cristão pode ter pleno conhecimento de uma lei divina e, voluntariamente, optar por quebrá-lo em um assunto sério, mas não estar em estado de pecado mortal como resultado dessa ação.

4 Uma pessoa é capaz, enquanto obedece a uma proibição divina, pecar contra Deus por esse mesmo ato de obediência.

5 A consciência pode realmente e corretamente julgar os atos sexuais entre as pessoas que contraíram um casamento civil entre si, embora um ou ambos estejam sacramentalmente casados ​​com outra pessoa, às vezes pode ser moralmente correto ou solicitado ou mesmo comandado por Deus.

6 Os princípios morais e as verdades morais contidas na revelação divina e na lei natural não incluem proibições negativas que proíbem absolutamente tipos particulares de ação, na medida em que estes são sempre gravemente ilegais por causa de seu objeto.

7 Nosso Senhor Jesus Cristo deseja que a Igreja abandone sua perene disciplina de recusar a Eucaristia aos divorciados e se casar novamente e de recusar a absolvição aos divorciados e casados, que não expressam contrição por seu estado de vida e um propósito firme de emenda a respeito .

O clero e os estudiosos afirmam que essas "proposições contradizem as verdades que são divinamente reveladas e que os católicos devem acreditar com o consentimento da fé divina".

Eles acrescentam que é "necessário" que tais heresias sejam "condenadas pela autoridade da Igreja", por causa do "grande e iminente perigo" que causam às almas.

Como um dos signatários explicou a LifeSiteNews, Santo Tomás de Aquino ensinou que fiéis católicos têm o dever de corrigir um prelado errado. Ele citou a seguinte passagem do famoso trabalho teológico do santo Summa Theologiae:

Se a fé fosse posta em perigo, um sujeito deveria repreender o seu prelado, mesmo em público. Por isso, Paulo, que era o sujeito de Pedro, repreendeu-o em público, por causa do perigo iminente de escândalo em relação à fé e, como o brilho de Agostinho diz em Gal. 2:11, Pedro deu um exemplo aos superiores, que se, em qualquer momento, eles se desviassem do caminho reto, eles não deveriam desdenhar para ser reprovados por seus súditos.

Os signatários concluem a carta, escrevendo: "Nesta hora crítica, portanto, recorremos à cathedra veritatis [sede da verdade], a Igreja romana, que tem pela predição divina sobre todas as igrejas e de que somos e pretendemos sempre continuar a ser filhos leais, e respeitamos respeitosamente que Sua Santidade rejeite publicamente essas proposições, cumprindo assim o mandato de nosso Senhor Jesus Cristo dado a São Pedro e através dele a todos os seus sucessores até o fim do mundo: "Eu tenho orou por ti, para que a tua fé não falhasse; e tu, uma vez convertido, confirma os teus irmãos ".

Um nome significativo na lista de signatários é o do bispo Bernard Fellay, superior geral da Sociedade tradicionalista de São Pio X (SSPX). Ele assinou a carta depois de ter sido submetido ao Papa. Resta saber como o acordo de Fellay com o conteúdo da correção filial afetará os esforços recentes do Papa Francis para integrar a SSPX legalmente na Igreja Católica.

Sinais dos tempos

A correção filial vem depois de mais de um ano do Papa não dialogar ou se envolver com católicos fiéis que se aproximaram dele diretamente com sérias preocupações sobre como ele dirige a Barca de Pedro, a Igreja. O Papa recebeu cartas, petições, mensagens de vídeo e perguntas oficiais (a dubia), mas tudo em vão. Datas importantes de tentativas de diálogo com o Papa incluem:

29 de setembro de 2015 - 791.000 católicos (incluindo 8 cardeais, mais de 200 bispos e numerosos sacerdotes, religiosos e fiéis leigos que representam 62 organizações pró-familiares) pedem ao Papa Francisco que acabe com a "confusão generalizada decorrente da possibilidade de uma violação aberto na Igreja que aceitaria o adultério ... e praticamente aceitaria uniões homossexuais ".

13 de julho de 2016 - 16 defensores da vida e da família internacionais pedem ao Papa "inequivocamente falar a verdade da fé católica, acabar com a confusão doutrinária, restaurar a clareza e ser o Santo Padre que os católicos precisam".

11 de julho de 2016 - 45 estudiosos católicos enviam uma carta aos cardeais e aos patriarcas orientais da Igreja pedindo que eles solicitem o Papa para "repudiar uma lista de proposições errôneas" que podem ser retiradas de Amoris Laetitia.

19 de setembro de 2016 - Quatro cardeais (dois dos quais agora estão falecidos) submetem ao Papa cinco perguntas de sim-ou-não (dubia) perguntando se a exortação está em conformidade com os ensinamentos religiosos perenes sobre a vida moral. As perguntas nunca foram respondidas.

18 de janeiro de 2017 - Três bispos da Europa Oriental lançam uma "cruzada espiritual" pedindo ao Papa "revogar de forma inequívoca" as orientações pastorais decorrentes de Amoris Laetitia que permitem que os adúlteros recebam a Sagrada Comunhão.

25 de abril de 2017 - Os quatro cardeais de dubia pedem sem sucesso ao Papa para uma audiência privada para discutir "confusão e desorientação" dentro da Igreja após a publicação de Amoris Laetitia.

A correção filial vem como uma "correção formal" do papa dos cardeais pode ser iminente.

O cardeal Raymond Burke, um dos cardeais de dubia, disse ao The Wanderer no mês passado que esta "correção formal" envolveria uma clara apresentação do ensinamento da Igreja sobre os pontos em questão, ao lado do que o Papa realmente diz sobre esses pontos. "Se há uma contradição, o Romano Pontífice é chamado a conformar seu próprio ensinamento em obediência a Cristo e ao Magistério da Igreja", disse ele.

"É feito muito simplesmente por uma declaração formal a que o Santo Padre seria obrigado a responder", disse ele.

Burke disse que ele e os outros três cardeais - Walter Brandmuller, Joachim Meisner e Carlo Caffarra (os últimos dois agora falecidos) - emitiram a dubia "para dar a [Papa Francis] a ocasião de estabelecer o ensino imutável da Igreja".

"O Papa Francisco escolheu não responder às cinco dubia, então agora é necessário simplesmente indicar o que a Igreja ensina sobre o casamento, a família, atos intrinsecamente doentios, e assim por diante", explicou. "Estes são os pontos que não são claros nos ensinamentos atuais do Romano Pontífice, portanto, esta situação deve ser corrigida. A correção então se dirigirá principalmente a esses pontos doutrinais".

Em uma entrevista desta semana com o Outlook católico da Austrália, Burke disse que a necessidade de uma resposta à dubia é urgente devido ao "dano causado às almas pela confusão e erro".

"A urgência pesa muito no meu coração", disse ele.

A Correção Filial e seus signatários, juntamente com uma declaração resumida e comunicado de imprensa, podem ser vistos em www.correctiofilialis.org.

Nota do editor: Diane Montagna contribuiu para este relatório.

OUTRA FONTE A MESMA MATÉRIA

 

62 académicos católicos fazem "correcção filial" ao Papa Francisco

http://senzapagare.blogspot.com.br/2017/09/62-academicos-catolicos-fazem-correccao.html

 
Com uma iniciativa que já não acontecia na Igreja há 700 anos, 62 católicos notáveis, entre clero e leigos, tornaram público um documento no qual alertam para as heresias que têm sido apoiadas durante o pontificado do Papa Francisco e pedem, filialmente, ao Santo Padre que ensine e afirme sem equívocos a doutrina católica. Este é o texto que apresenta o documento:
 
Uma carta de vinte e cinco páginas, assinada por 40 clérigos católicos e académicos leigos, foi enviada ao Papa Francisco no dia 11 de Agosto último. Como até o momento o Santo Padre não deu qualquer resposta, o documento é tornado público hoje, 24 de Setembro de 2017, Festa de Nossa Senhora das Mercês e da Virgem de Walsingham (Norfolk, Inglaterra, 1061).
 
Com o título latino“Correctio filialis de haeresibus propagagatis” (literalmente, “Uma correcção filial em relação à propagação de heresias”), a carta ainda está aberta à adesão de novos signatários, já tendo sido firmada até o momento por 62 clérigos e académicos de 20 países, representando também outros que não carecem da liberdade de expressão necessária.
 
Nela se afirma que o Papa, através de sua Exortação apostólica Amoris laetitia, bem como de outras palavras, actos e omissões a ela relacionados, manteve sete posições heréticas referentes ao casamento, à vida moral e à recepção dos sacramentos,resultando na difusão das mesmas no interior da Igreja Católica. Essas sete heresias são expostas pelos signatários em latim, a língua oficial da Igreja.
 
Esta carta de correcção contém três partes principais. Na primeira, os signatários explicam a razão pela qual lhes assiste, como fiéis católicos praticantes, o direito e o dever de emitir tal correcção ao Sumo Pontífice. –– Porque a lei da Igreja exige das pessoas competentes que elas rompam o silêncio ao verem que os pastores estão desviando o seu rebanho. Isso não implica nenhum conflito com o dogma católico da infalibilidade papal, porquanto a Igreja ensina que, para que as declarações de um Papa possam ser consideradas infalíveis, ele deve antes observar critérios muito estritos.
 
O Papa Francisco não observou esses critérios. Não declarou que essas posições heréticas constituem ensinamentos definitivos da Igreja, nem afirmou que os católicos devem acreditar nelas com o assentimento próprio da fé. A Igreja ensina que nenhum Papa pode declarar que Deus lhe revelou qualquer nova verdade nas quais os católicos deveriam acreditar.
 
A segunda parte da carta é fundamental, uma vez que contém a própria “correcção”. Nela se enumeram as passagens em que Amoris laetitia insinua ou encoraja posições heréticas, e depois as palavras, actos e omissões do Papa Francisco que mostram, além de qualquer dúvida razoável, que ele deseja que os católicos interpretem essas passagens de uma maneira que é, de facto, herética. Em particular, o Pontífice apoiou directa ou indirectamente a crença de que a obediência à Lei de Deus pode ser impossível ou indesejável e que a Igreja deve às vezes aceitar o adultério como um comportamento compatível com a vida de um católico praticante.
 
A última parte, chamada “Nota de Esclarecimento”, discute duas causas desta crise singular. Uma delas é o “Modernismo”. Teologicamente falando, o Modernismo é a crença de que Deus não dotou a Igreja com verdades definitivas, as quais Ela deve continuar a ensinar exactamente do mesmo modo até o fim dos tempos. Os modernistas afirmam que Deus se comunica apenas com as experiências humanas sobre as quais os homens podem reflectir, de modo a fazerem asserções diferentes sobre Deus, a vida e a religião; mas essas declarações são apenas provisórias, e nunca dogmas imutáveis. O Modernismo foi condenado pelo Papa São Pio X no início do século XX, mas renasceu em meados desse século. A grande e contínua confusão causada pelo Modernismo na Igreja Católica obriga os signatários a descrever o verdadeiro significado de “fé”, “heresia”, “revelação” e “magistério”.
 
Uma segunda causa da crise é a aparente influência das ideias de Martinho Lutero sobre o Papa Francisco. A carta mostra como Lutero, fundador do protestantismo, teve ideias sobre o casamento, o divórcio, o perdão e a lei divina que correspondem às que o Papa promoveu através de suas palavras, actos e omissões. A Correctio filialis também destaca os elogios explícitos e sem precedentes que o Papa Francisco fez do heresiarca alemão.
 
Os signatários não se aventuram a julgar o grau de consciência com que o Papa Francisco propagou as sete heresias que enumeram,mas insistem respeitosamente para que condene tais heresias, as quais ele sustentou directa ou indirectamente.
 
Os signatários professam sua lealdade à Santa Igreja Católica, assegurando ao Papa as suas orações e solicitando-lhe a Bênção apostólica.
 
 
A correcção propriamente dita, que consiste na explanação das sete heresias foi escrita em latim. Aqui fica a tradução para português: 
 
Através destas palavras, actos e omissões, bem como das passagens acima mencionadas do documento Amoris laetitia, Sua Santidade apoiou, directa ou indirectamente, e propagou dentro da Igreja, com um grau de consciência que não procuramos julgar, tanto por ofício público como por acto privado, as seguintes proposições falsas e heréticas:
 
1. “Uma pessoa justificada não tem a força, com a graça de Deus, para cumprir as exigências objetivas da lei divina, como se a observância de qualquer um dos mandamentos de Deus fosse impossível aos justificados; ou como significando que a graça de Deus, quando produz a justificação do indivíduo, não produz invariavelmente e por sua própria natureza, a conversão de todo pecado grave, ou não é suficiente para a conversão de todo pecado grave.”
 
2. “Os católicos que obtiveram um divórcio civil do cônjuge com o qual estão validamente casados e contraíram um matrimónio civil com alguma outra pessoa durante a vida de seu cônjuge, e que vivem more uxore com seu parceiro civil, e que escolhem permanecer nesse estado com pleno conhecimento da natureza de seu ato e com pleno consentimento do acto pela vontade, não estão necessariamente em estado de pecado mortal e podem receber a graça santificante e crescer na caridade.”
 
3. “Um fiel católico pode ter pleno conhecimento de uma lei divina e voluntariamente escolher violá-la, mas não estar em estado de pecado mortal como resultado desse acto.”
 
4. “Uma pessoa que obedece uma proibição divina pode pecar contra Deus por causa desse acto de obediência.”
 
5. “A consciência pode reconhecer que actos sexuais entre pessoas que contraíram um casamento civil, mesmo que uma delas esteja casada sacramentalmente com outra pessoa, podem às vezes ser moralmente lícitos, ou sugeridos ou até mandados por Deus.”
 
6. “Os princípios e as verdades morais contidos na revelação divina e na lei natural não incluem proibições negativas que proscrevem absolutamente certos tipos de actos, na medida em que eles são gravemente ilícitos em razão de seu objecto.”
 
7. “Nosso Senhor Jesus Cristo quer que a Igreja abandone sua disciplina perene de negar a Eucaristia aos divorciados recasados, e de negar a absolvição aos divorciados recasados que não expressem nenhuma contrição por seu estado de vida e o propósito firme de emenda nesse particular.”
 
O documento na sua totalidade pode ser lido aqui em português: Correctio filialis de haeresibus propagagatis
 
Se algum académico se quiser juntar ainda a esta iniciativa basta enviar um email para: info@correctiofilialis.org
 
Qualquer pessoa pode assinar esta petição de apoio à correcção filial: Support by the Catholic Laity for the Filial Correction of Pope Francis
 
Rezemos pela Santa Igreja Católica, esposa de Cristo e nossa Mãe.

Signatários da Correção Filial

Nota: A carta entregue ao Papa Francis em 11 de agosto continha 40 nomes. Mais 22 nomes foram adicionados desde essa data.

Dr. Gerard J. M. van den Aardweg

Editor europeu, jornal empírico do comportamento sexual do mesmo sexo

Prof. Jean Barbey

Historiador e Jurista, ex-Professor da Universidade do Maine

P. Claude Barthe

Sacerdote diocesano

Philip M. Beattie BA (Leeds), MBA (Glasgow), MSc (Warwick), Dip.Stats (Dublin)

Professor Associado, Universidade de Malta (Malta)

Pe Jehan de Belleville

Religioso

Dr. Philip Blosser

Professor de Filosofia, Seminário Maior do Sagrado Coração, Arquidiocese de Detroit

Pe. Robert Brucciani

Superior distrital da SSPX na Grã-Bretanha

Prof. Mario Caponnetto

Professor universitário, Mar de la Plata (Argentina)

Robert F. Cassidy STL

Pe Isio Cecchini

Sacerdote Paroquial na Toscana

Salvatore J. Ciresi M.A.

Diretor da Guilda Bíblica de São Jerônimo, conferencista da Escola de Pós-Graduação da Faculdade Cristandade de Notre Dame

Pe. Linus F Clovis Ph.D., JCL, M.Sc., STB, Dip. Ed

Diretor da Secretaria de Família e Vida na Arquidiocese de Castries

P. Paul Cocard

Religioso

Pe Thomas Crean OP STD

Prof. Matteo D'Amico

Professor de História e Filosofia, Escola Secundária de Ancona

Dr. Chiara Dolce PhD

Médico de pesquisa em Filosofia Moral da Universidade de Cagliari

Deacon Nick Donnelly MA

Petr Dvorak

Chefe do Departamento de Estudo do Pensamento Antigo e Medieval no Instituto de Filosofia, Academia Checa das Ciências, Praga

Professor de Filosofia da Faculdade de Teologia de São Cyril e Methodius, Palacky University, Olomouc, República Tcheca

ELE. Mgr Bernard Fellay

Superior Geral da SSPX

Christopher Ferrara Esq.

Presidente fundador da American Catholic Lawyers 'Association

Prof. Michele Gaslin

Professor de Direito Público da Universidade de Udine

Prof. Corrado Gnerre

Professor do Istituto Superiore di Scienze Religiose de Benevento, Pontifícia Universidade Teológica do Sul da Itália

Dr. Ettore Gotti Tedeschi

Ex-Presidente do Instituto de Obras de Religião (IOR), Professor de Ética na Universidade Católica do Sagrado Coração, Milão

Dr. Maria Guarini STB

Pontificia Università Seraphicum, Roma; editor do site Chiesa e postconcilio

Prof. Robert Hickson PhD

Professor aposentado de Literatura e de Estudos Estratégico-Culturais

Pe. John Hunwicke

Ex-pesquisador sénior, Pusey House, Oxford

Pe. Jozef Hutta

Sacerdote diocesano

Prof. Isebaert Lambert

Professora Titular da Universidade Católica de Lovaina e da Katholieke Universiteit Leuven da Flandres

Dr. John Lamont STL DPhil (Oxon.)

P. Serafino M. Lanzetta STD

Conferencista em Teologia Dogmática, Faculdade de Teologia de Lugano, Suíça; Sacerdote encarregado de St Mary's, Gosport, na diocese de Portsmouth

Prof. Massimo de Leonardis

Professor e Diretor do Departamento de Ciências Políticas da Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão

Mons. Prof. Antonio Livi

Acadêmico da Santa Sé

Dean emeritus da Pontifícia Universidade Lateranense

Vice-reitor da igreja de Sant'Andrea del Vignola, Roma

Dr. Carlo Manetti

Professor em Universidades Privadas na Itália

Prof. Pietro De Marco

Ex-Professor da Universidade de Florença

Prof. Roberto de Mattei

Ex-Professor da História do Cristianismo, Universidade Europeia de Roma

Ex-vice-presidente do Conselho Nacional de Pesquisa (CNR)

Pe Cor Mennen

Conferencista em Direito Canônico no Seminário Maior da Diocese de 's-Hertogenbosch (Holanda)

Canon do capítulo da catedral da diocese de 's-Hertogenbosch

Prof. Stéphane Mercier

Professor de Filosofia da Universidade Católica de Lovaina

Don Alfredo Morselli STL

Parabéns da arquidiocese de Bolonha

Martin Mosebach

Escritor e ensaísta

Dr. Claude E. Newbury M.B., B.C., D.T.M & H., D.O.H., M.F.G.P., D.C.H., D.P.H., D.A., M. Med;

Ex-diretor da Human Life International em África ao sul do Sahara

Ex-membro da Comissão de Serviços Humanos dos Bispos Católicos da África do Sul

Prof. Lukas Novak

Faculdade de Letras e Filosofia, Universidade Charles, Praga

Fr Guy Pagès

Sacerdote diocesano

Prof. Paolo Pasqualucci

Professor de Filosofia (aposentado), Universidade de Perugia

Prof. Claudio Pierantoni

Professor de Filosofia Medieval na Faculdade de Filosofia da Universidade do Chile

Ex-Professor de História da Igreja e Patrologia na Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Chile

Padre Anthony Pillari J.C.L., M.C.L

Prof. Enrico Maria Radaelli

Filósofo, editor das obras de Romano Amerio

Dr. John Rao

Professor Associado de História, St. John's University, NYC; Presidente do Fórum Romano

Dr. Carlo Regazzoni

Licenciado em Filosofia na Universidade de Freiburg

Dr. Giuseppe Reguzzoni

Pesquisador externo da Universidade Católica de Milão e ex-assessor editorial do Communio, International Catholic Review (edição italiana)

Prof. Arkadiusz Robaczewski

Ex-professor da Universidade Católica de Lublin

Pe Settimio M. San

 
 
 

Artigo Visto: 1105 - Impresso: 13 - Enviado: 9

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 266 - Total Visitas Únicas: 3.194.932 Usuários online: 57