Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
21/09/2006
Eis os lobos (2)
 
A Igreja - 19 Eis os lobos (2)
A Igreja - 19 Eis os lobos (2)

Parte II
 
     O Padre Paulo Kramer, informou que centenas de bispos tentaram condenar ao comunismo no Concílio, porém esta solicitação se “perdeu” misteriosamente. Tal como se perdeu misteriosamente a intervenção escrita por 450 padres conciliares, contra o comunismo. Depois de ela ter sido entregue na Secretaria do Concílio, e quando os padres se levantaram para condenar o comunismo, foi-lhes pedido que sentassem e calassem.
 
     Em 1983 o Arcebispo Marcel Lefébvre disse em uma conferência em Long Island, Nova York, que foi ele mesmo que levou as 450 assinaturas a Secretaria do Concilio. “Porque havia sido prometido aos comunistas que o comunismo não seria condenado pela Igreja e o Concílio não o fez”. Eu mesmo levei as 450 assinaturas pedindo que se condenasse publicamente ao comunismo! Eu mesmo fiz isso! Foram 450 assinaturas de bispos que se engavetaram e se enterraram no silêncio, embora para vocês de fora parecesse que se tratava de um único Bispo.
 
     Neste caso, foram ignorados 450 bispos. Lacraram na gaveta e disseram: Não, Não, não tomaremos nenhum conhecimento a respeito, não haverá condenação ao comunismo. E a isso replicaram os bispos anticomunistas: Cardeal Mindszenty, pelo Cardeal Lekai, o Cardeal Beran, e o Cardeal Tomasec. O mesmo sucedeu na Lituânia e na Eslováquia. Com isso os sacerdotes destes países se engajaram no movimento de paz, se tornando colaboradores do regime comunista.
 
     Isso vocês podem ler no livro intitulado “Moscou e o Vaticano”, sobre como os padres lituanos escreveram uma carta o bispo onde diziam: Hoje já não nos entendemos! Antes, nossos bispos nos apoiavam na luta contra o comunismo e morreram como mártires. Muitos ainda estão nas prisões, outros estão sendo mortos e martirizados porque nos apoiaram na luta contra os comunistas para cumprir nossos deveres de sacerdotes. E agora são vocês bispos que nos estão condenando, são vocês que nos dizem que não temos o direito de resistir, de cumprir nosso apostolado, porque ele é contra o comunismo e contra o governo. É que, através do Tratado do Vaticano com Moscou, foi efetuada a promessa aos comunistas que não seriam condenados pelo Vaticano II.
 
     Quanto a isso, disse Nossa Senhora das Rosas enquanto mostrava um pergaminho para Verônica: Olha, minha filha, o que está escrito aqui. De onde e quando se firmou este tratado de reconciliação com a Rússia, firmado por muitos cardeais? Ó minha filha, o meu coração sangra! Este papel contém as palavras de um tratado estabelecido entre o Vaticano e a Rússia (01 de julho de 1985).
 
     Jesus também lhe falou sobre o mesmo tratado: Filha minha e filhos meus, recordai agora o que lhes tenho pedido que se dirijam a João Paulo II, para que ele rescinda o Pacto feito com a Rússia, porque somente desta maneira tereis a verdadeira paz. (em 06 de junho de 1987).
 
     Vaticano II, uma carta pastoral e não com Concílio Dogmático.
     Em uma carta do Cardeal Ratzinguer ao Arcebispo Lefébvre, de 20 de julho de 1983, ele declarou que “deverá ser levado em conta que, devido ao fato de os textos conciliares serem de uma autoridade variante, não está proibida a crítica a certas expressões dele, de acordo com as regras gerais de adesão ao magistério. Igualmente você pode expressar seu desejo por uma declaração ou explicação sobre vários pontos. Pessoalmente você não poderá ver como são compatíveis e, por tanto, peça a Santa Sé uma Explicação>”.
 
    O próprio Papa Paulo VI fez um comentário similar dizendo: Dado o caráter apenas pastoral do Concílio, nele se evitou pronunciar, de maneira extraordinária, sobre os dogmas, investidos com aura de infalibilidade.
 
      Ao encerrar-se o Vaticano II, os bispos perguntaram ao Arcebispo Felici – o Secretário do Concílio – sobre aquilo que os teólogos chamaram de “nota teológica” do Concílio, ou melhor, sobre “peso” doutrinário dos ensinamentos do Concílio. Ao que Felici respondeu: Temos que distinguir de acordo com os esquemas e capítulos que já tenham sido objeto de definições dogmáticas no passado; quanto às declarações que contém um caráter novo, temos que fazer certas reservas.
 
     Em relação às novas mudanças e as decisões imprudentes que resultaram depois do Vaticano II, Dietrich Von Hildebrand, a quem o Papa Pio XII chamou de “Doutor da Igreja do Século XX”, nos instrui dizendo:
 
     No caso da autoridade prática, distinta e teórica a que se refere, claro está que as ordens do Papa não foram submetidas à proteção do Espírito Santo do mesmo modo. As ordens podem ser desafortunadas, mal concebidas e até desastrosas, como tem havido muitas assim durante a história da Igreja. Aqui não cabe, porém o dito: “Roma locuta, causa finita” (Roma falou, não se discute). Os fiéis não estão de modo algum obrigados a considerar se todas as ordens são boas e desejáveis. Só podem agora lamentar e rezar para que sejam declaradas sem efeito. Certamente, podem trabalhar, com todo o respeito que merece o Papa, pela eliminação das mesmas.
 
     Observação: Pelas declarações o Papa Paulo VI, também do então Cardeal Ratzinguer, e as explicações deste renomado filósofo católico, e devido ao fato de o Concílio ter sido apenas pastoral e não dogmático – como o foram os outros que firmaram Doutrina eterna – nós leigos podemos sim, nos revoltar contra isso. E perguntar alto em bom som, que fizeram nossos bons bispos? Um manto de covardia os envolveu, devido a morte espiritual, ao cadavérico estado de alma em que muitos deles se encontravam. E se encontram!
 
     Na realidade, muitos foram alertados sobre estas tramas, entretanto, em sua pomposa majestade disseram: “Nós estaremos lá, e não deixaremos isso acontecer”. Tanto deixaram que ainda hoje os reflexos malditos da abertura da Igreja ao inferno que então ocorreu, pesteiam a cabeça de muitos bispos, padres, estudiosos e leigos, que não aceitam nada que não tenha sido ditado pelo Concílio. Nossa Senhora, há 30 anos atrás pediu que se voltasse ao antigo, ao que era antes do Concílio, à Missa antiga, porque nada precisava ser mudado, mas nada se fez. João Paulo II gostaria de desfazer tudo, mas nem ele teve forças, porque não conseguiu se livrar dos lobos uivantes que o cercavam. Conseguirá Bento XVI?
 
      “O Grande Concílio, este Concílio que trouxe a discórdia, a desunião e a perda das almas, foi o maior feito por trás de toda esta destruição, e isso aconteceu devido a falta de oração. Satanás assentou-se dentro deste Concílio, e tirou dele vantagem. (São Miguel, em 18 de março de 1976).
 
     Em: www.tldm.org/Spanish/messages/messages.htm. Se encontram as assombrosas profecias de Bayside. Foram dadas a Veronia Leuken, Nova York, entre 1968 a 1995.
 
     Começou com boas intenções: “Bispos da casa de meu Filho, tendes descarrilado a Igreja. Haveis dispersado as ovelhas. Vos haveis unido a toda classe de hereges e falsos mestres. Haveis começado com boas intenções vosso Concílio, porém vos enganaram em vossa busca por paz e frate
rnidade
. Permitiste toda classe de horror lentamente entrasse dentro da Casa de meu Filho, a Igreja. Deveis compreender que estais pondo em marcha a formação de um Conselho Mundial de Igrejas, mas está nunca será a Igreja de meu Filho. Será uma igreja do homem, um igreja sem a verdadeira base”
(5/06/76).
 
     As portas foram abertas: “Ó meus filhos, reconhecei, repito, os sinais de vosso tempo. Vos estais vendendo rapidamente á escravidão. Vosso governo e os governos do mundo estão agora quase completamente sob controle dos agentes do inferno. As forças do 666 estão firmemente implantadas em vosso governo, no clero – vossos pastores, vossos bispos – e desta forma satanás tem entrado nos mais altos postos da hierarquia de Roma”. “Filhos meus, o Concílio Vaticano II foi iniciado com boas intenções, porém suas portas foram abertas a toda classe de hereges, que produziram uma lenta contaminação da fé. Filhos meus, tendes agora que despertar os pastores de seu torpor. Eles vos estão entregando a uma nova religião do homem” (25/07/77).
 
     Toda classe de promessas: “Toda sorte de promessas foi feita no Concílio de Roma, o Vaticano II. Mas muitas vezes o caminho do inferno é pavimentado de boas intenções. Eu vos tenho advertido no passado, e vos advirto novamente: não podeis comprometer vossa fé católica, com os inimigos de Deus! Em muitos países através do mundo, parece ser, filhos meus – e digo: parece ser – que os líderes dos países comunistas estão permitindo uma religião dentro de seus governos. Isso é uma farsa, filhos meus, para encobrir o fato de que são controlados pelo estado. As máquinas de propaganda enviam notícias que só enganam ao público, em especial a todos aqueles que costumam acreditar no que dizem os meios de comunicação”. (13/05/78).
 
     Satanás estava presente: “Não destruireis a Igreja, associando-se com os inimigos de meu Filho? Nunca convertereis o inimigo baixando normas! Vosso exemplo deve ser de uma fé irredutível. Mudanças? Que necessidade havia de mudanças quando a base já havia resistido à prova do tempo? É apenas o homem insatisfeito, o homem avaro e lascivo quem busca estas mudanças. Mudar afim de levar para Deus? Não! Mudar para tirar o homem de Deus e entregá-lo a Lucifer!
 
     Satanás estava presente! Ele escutou com ouvidos cuidadosos durante todo o grande Concílio. Ele estudou cada movimento e colocou seus agentes entre vós. Reconhecei isso e reconstruí vosso caminho. Tendes sido enganados! Ides pelo mau caminho! Dai volta agora, ou semeareis as sementes da vossa própria destruição. Quantas advertências ainda recebereis antes que a Mão de vosso Pai seja enviada sobre vós? Nenhuma dor parece atingir a humanidade, senão a uns poucos. Todos os que aceitam a graça que vos é dada livremente, sem pedi-la, que não sejam pegos de surpresa. Todos que se preparem!  Toda a humanidade deve preparar-se para a morte.
 
      Hoje vemos a um mundo no qual a humanidade está se difamando a si mesma e ao Pai, revolvendo-se em toda classe de luxúria e prazer, em abominações, até mesmo dentro da Casa de Deus. Os homens vivem como se não fossem morrer! Nenhuma carne humana será eterna, porém a alma, esta viverá para sempre” (14/08/74) (fim)
 
     Temos aí mais um texto para o amigo refletir, e entender, enfim, o motivo pelo qual as coisas chegaram a este estágio na Igreja. Admira-me ainda hoje ver pessoas boas, que se dizem católicos e de grandes teologias, e que parecem dispostas a dar a vida pelo Concílio que o defendem como um mar de rosas para
a Igreja, quando ele foi um alívio para o inferno. Vocês viram bem quando Nossa Senhora afirmou que a Igreja não precisava de mudança alguma, em especial no rito da Santa Missa, pois isso havia resistido ao tempo!
 
      Mas vejam, ao que se pode ver, este em síntese era o alvo único do diabo. Porque ele sabia muito bem que destruindo a Eucaristia, teria extirpado a alma da Igreja. Tanto que, mesmo ambíguo, o texto conciliar apenas permite que parte do rito seja em língua pátria, e mesmo proíbe que se mude no todo. Mas mesmo assim a mudança aconteceu! E mesmo contra a vontade da maioria dos Bispos e cardeais! E mesmo hoje sabendo que tudo isso aconteceu de forma fraudulenta, os papas não têm conseguido força suficiente para voltar atrás, tal como Nossa Senhora nos pede com tanta insistência, quem sabe por que os bispos já não querem mais voltar atrás. Assim é bom para dormir!
 
     Mas é isso que efetivamente o Papa Bento XVI está pretendendo: fazer voltar a Missa de sempre, porque ele percebeu que essa, está sendo morta a cada dia, e já não mais produz os frutos de salvação como a antiga. Primeiro porque a absoluta maioria dos padres já não acredita na Presença real de Cristo na Eucaristia, e isso, em parte se deveu à perda do sentido de Mistério, que envolvia a liturgia antiga. Segundo, porque os leigos que vão à Comunhão, em sua maioria recebem o Sacramento em estado de sacrilégio, o que arrasa todo e qualquer feito possível de graça! Pior, se torna juízo e condenação para eles, como diz São Paulo em Coríntios.
 
     Hoje, penso que é tarde – embora a verdade deva ser buscada até a morte – para que se reverta este quadro, pois já no início do seu longo pontificado o saudoso Papa João Paulo II falou esta palavra: agora é tarde! Imaginem agora, passados 25 anos, o quanto de pior as coisas ficaram. Em verdade, sinto que nem 10% dos padres e bispos aceitariam de bom grado o retorno da Missa antiga e eterna, até porque a maioria dos sacerdotes não mais aprendeu latim. Sim, a maioria deles apenas aprende em muitos seminários – outra fortaleza de satanás – como não se deve rezar, como ser administrador do fluxo de caixa paroquial, como buscar as soluções do mundo, e como ser pagão e mesmo herege!
  
     Em verdade, o grande clamor do Céu e seu lamento hoje, foi pelo fato de eu tudo isso aconteceu por nossa falta de oração. Se os católicos da terra inteira tivessem ficado em adoração perene durante as sessões do Concílio, certamente o inferno teria quebrado suas pernas e assim não conseguiria andar em meio aos padres conciliares. Certamente ele não teria entrado nas sessões para ouvir, como o fez por intermédio dos teólogos renegados e dos modernistas, para depois colocar no papel todas as suas mentiras.
 
     Quando nós vemos no Grande Purgatório ainda este 200 – felizes grandes, porque de fato mereceram o inferno – certamente temos respondida a pergunta de quem são eles. E eram mais de 1,5 milhão há apenas alguns meses, lembrem disso! São certamente os luminares que decidiram os destinos atuais da Igreja, e que por desobediência ao papa e pela rebeldia, ou pouco caso e desleixo, permitiram que o inimigo avançasse tanto. Para estes o manto vermelho pesa toneladas, a coroa centenas de quilos! Ai de todos aqueles que permitiram calados, que tal loucura se instalasse na Igreja. Ai dos que não rezaram para evitar que a isso chegássemos.
 
     Sim, sim, o lamento eterno para aqueles outros teólogos rebeldes, inimigos declarados de Deus, que ali foram chamados a colocar seus ovos de áspide. Ai daqueles para isso os chamaram de propósito, eis que sua conta é ainda mais pavorosa. Não tenham dúvida de que dezenas de padres, bispos e cardeais pegaram o inferno e para sempre, como Teilhard de Chardin, por terem atuado negativa e dia
bolicamente no Concílio Vaticano II. E mais: não tenham dúvida de que ainda existem outros, vivos, para os quais está preparado o “garfo” do maldito, caso não se convertam em breve, e em tempo.
 
     Em verdade, nenhum padre, bispo ou cardeal, de qualquer lugar do mundo, pode alegar que não sabia as mesmas coisas que, como simples e reles leigo aqui coloco. Eles estudaram por décadas inteiras, em altos colégios e faculdades, adquiriram títulos e mais títulos de doutor e teólogo, então devem saber tudo o que se passa dentro do Vaticano, e estarem atentos como pastores de seus rebanhos, para o uivo dos lobos rebeldes.
 
     E se duvidam de todos estes textos que – como este – circulam pela internet... E se duvidam dos livros sérios e bem fundamentados de padres e bispos que estiveram ali presentes e foram testemunhas deste caos opressivo, daquela loucura, daquele verdadeiro esbulho que foi o Concílio, mesmo assim não teriam como se livrar da Justiça. Porque eles deveriam se deixar conduzir pelo Espírito Santo que se acha na humildade, e não pelo “doutor” do inferno que se faz presente no orgulho do saber teológico. Do se acharem os únicos donos da verdade!
 
     Pois enquanto eles se envolviam nas fofocas das conferências episcopais, o confabulador maldito, ocupava todos os cargos de mando e decisão em Roma. Enquanto eles se deixavam seduzir pelo brilho dos anéis e o vermelho das vestimentas – rejeitando a oração – todos os espaços vazios de sua alma eram preenchidos pelas teologias malditas do algoz das trevas. Há bons entre eles? Sim, os há! Felizmente e viva! Porque s e não houvesse mais bons padres e bispos, já o Braço do Pai Eterno teria descido sobre toda a terra, e ela estaria já coberta de nuvens espessas!
 
     Nuvens que infelizmente virão em breve, e terrivelmente negras. Quando ao sabor dos ventos rebeldes, as imagens de nossos santos forem descidas dos altares, quando os templos em sua maioria se esvaziarem e se dessacralizarem pela retirada ou expulsão do Santíssimo, então nuvens negras desabarão sobre o mundo. A fumaça já entrou na Igreja como disse o falecido Papa Paulo VI. E entrou em grande parte através do Concílio, que foi convocado para ser a Luz da Igreja neste século XXI, mas que já antes a tem destruído no fogacho das eternas e estéreis discussões sobre o “espírito” e a “letra” do Concílio.
   
    Eis os lobos, eles na verdade são poucos, mas, pelo que se viu, dominam o rebanho pelo grito. Suas idéias modernas contaminam, atraem, enfeitiçam, convencem. Muitos os seguem devido barulho que fazem, outros se amedrontam com seus uivos de morte. E se calam! Ai dos que se calam! Ai maior para os coniventes, os responsáveis! O grito está em Oséias que diz: Ouvi isso, ó sacerdotes... Contra vós será feito o julgamento, porque vos tornaste um laço para a sentinela, e uma rede estendida no Tabor. Que são as armadilhas em forma de textos dúbios do Concílio, senão laços e armadilhas para as ovelhas?
 
     Tudo isso, porém, nos deve levar a uma só coisa: rezar, rezar, rezar! Este texto serve para se tomar pé da abissal situação em que está sendo posta a Igreja, também saber do esforço do Santo Padre o Papa Bento XVI em retornar as origens. Ele certamente não irá conseguir seu intento, mas os avanços que fez sem dúvida são obras do Espírito Santo. Isso deve ser feito, para sinalizar ao mundo católico qual é a verdadeira Igreja. Quem o seguir no exílio, um dia retornará à casa paterna! Quem o abandonar por outro cetro, sentirá o peso arrasador do Braço do Pai. E nunca mais irá voltar!
 
     Quanto ao sofrimento atual que os fundamentalistas do ódio, os homens da casa de Ismael estão lhe dando, isso faz parte da Cruz da Igreja, cujo Calvário está para ter início. Quando ele está sendo condenado cumpre o que Jesus também passou. E quando a Cruz vier a ser erguida, a maioria o irá abandonar, até por não saber a quem seguir. De fato, as profecias atuais
dão conta de que um dia Maomé colocará sua bandeira tremulando no topo da Cúpula de São Pedro. Mas atentem para o que digo: Maomé não voltará para casa a fim de festejar seu triunfo!
 
     Sim, há um astro esperando por eles. E afundará a Roma prostituta onde se meteram os lobos, e afundarão os seus algozes. Alá nunca derrubará a Cruz: isso ele já tentou por quase 14 séculos! Num dia futuro – não distante dia – uma enorme Cruz vermelha irá aparecer nos céus, longe do alcance de Maomé, longe do alcance das bombas atômicas e dos foguetes russos e chineses. Ela anunciará a chegada da Justiça e do Juiz! Ele julgará a todos pela medida do amor. Naquele dia Ismael tremerá, tal como o dragão e o urso seus sócios. Porque naquele dia, até o mais valente deles fugirá nu!
 
     Para todo aquele que ler este texto, que fique uma última coisa: agora, hoje, ainda é tempo de conversão, e de volta à Verdade! Amanhã pode ser tarde! Quando eu fico sabendo, como agora onde atendi uma mãe entre lágrimas ao telefone – porque seu filho que estava há décadas sem se confessar e hoje o foi – isso me alegra por demais e sem dúvida outra lágrima daqui responde ao eco daquela outra materna. São estas lágrimas que moverão o Braço de Deus. E será rápida a Justiça! Como um raio vindo do infinito!
 
     Para os que choram e gemem devido a toda esta abominação da desolação de que falou Daniel (Mt, 24), o lenço perfumado de Nossa Mãe enxugará as lágrimas, e já não haverá mais dor, nem pranto, porque passou a última condição. Ais, somente se ouvirão no inferno, mas estes não serão ouvidos pelos justos. Ais são reservados para os rebeldes, os traidores, os renegados, os infames, os trapaceiros, aqueles que urdem tramas e que enganam as ovelhas: Eis os lobos! Eles estão prestes a tomar conta do trono!
 
     Por uns dias sairão abertamente dos covis! Não ouça seus uivos! Eles serão varridos da terra como estrelas cadentes, como astros sem brilho, como fogos fátuos de curto esplendor. Ninguém desafia ao Altíssimo impunemente! O Espírito Santo os destruirá com seu sopro, pois são pó, nada mais que pó, e ao pó irão retornar. Mas quem poderia ser a Glória e circundar o Trono do Eterno Vivo, passará a servir de repasto ao “eterno morto”, ao mentiroso, ao enganador, ao ardiloso, ao infame, ao monstro das trevas a quem aqui deram ouvidos.
 
     Haverá sangue em Roma, e felizmente para alguns, exatamente para alguns que tudo isso tramaram. O Bom Deus aceitará este sangue mártir e reparação de seus pecados, e a salvação virá. Para alguns, sem mérito algum! Naquele dia entenderão que nunca deveriam ter feito acordo com os vermelhos: nem com os do mundo ou com os do inferno. Vencerá que estiver com Deus!
 
    Porque está dito em Apocalipse 2, 7 Quem tiver ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor darei de comer (do fruto) da árvore da vida, que se acha no paraíso de Deus... 17 ... Ao vencedor darei o maná escondido e lhe entregarei uma pedra branca, na qual está escrito um nome novo que ninguém conhece, senão aquele que o receber... 26 Então ao vencedor, ao que praticar minhas obras até o fim, dar-lhe-ei poder sobre as nações pagãs. E em 3, 21 Ao vencedor concederei assentar-se comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono...
 
    Pois somente aquele que perseverar a
té o fim será salvo
(Mt 24, 13). Com Bento XVI o último cetro verdadeiro (.......) Antes do último Pedro! No espaço pontilhado a tribulação que vem antes do último Pedro, já descalço e sem pompa, que entregará as chaves a Jesus, como está em Daniel 7, 14 A Ele foram dados império, glória e realeza, e todos os povos, todas as nações e os povos de todas as línguas serviram-no. Seu domínio será eterno; nunca cessará e o seu reino jamais será destruído. Amém!
 
     Sem medo! Isso acontecerá quando se cumprir o Salmo 109, 1 que diz: Eis o oráculo do Senhor que se dirige ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu faça de teus inimigos o escabelo de teus pés. Restam poucos dias para o fim dos uivos e tramas dos inimigos de Deus. Apenas 200 grandes almas nos separam... Do início do fim!
 
Quando tudo isso terminar, só uma entidade no mundo estará de pé: a Igreja Católica!
Pela Eucaristia!
Com Deus, por Deus e para Deus! Com Jesus e Maria!
 
Arnaldo


 
 
 

Artigo Visto: 1870 - Impresso: 61 - Enviado: 8

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 352 - Total Visitas Únicas: 3.361.794 Usuários online: 69