Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
24/05/2006
Julgamento dos sete
 
Apocalipse - 11 Julgamento dos sete
Apocalipse - 11 Julgamento dos sete

JULGAMENTO DO G7
 
      Artigo escrito em 28/09/2002, mas sempre atual. Ela lança um veredicto simbólico contra as sete nações mais ricas da terra, julgamento que é feito nas Escrituras por diversas vezes. O critério de encaixe é pessoal, mas pode ser adaptado para qualquer nação da terra. Todas as nações serão julgadas com rigor, mas nada se compara ao julgamento das nações mais ricas, que esbanjaram o roubo, e viveram do sangue dos pobres do terceiro mundo. Tudo é hipotético, mas as palavras são Bíblicas e não falharão!
 
     Eis o que diz o Senhor: “Porquanto, eis que, naqueles dias, no tempo em que Eu realizar a restauração de Judá e de Jerusalém, reunirei todas as nações e as farei descer ao vale de Josafá. Ali entrarei em juízo acerca de Israel meu povo e minha herança, a qual dispersaram pelas nações pagãs, depois de dividir a Minha terra” (Joel 4,1-2). Sim, o Senhor já restaurou o Estado de Israel, e já congregou Seu povo dentre as nações, está pois, e muito próximo, o dia em que os povos serão chamados a prestar contas diante de Deus. Haverá então o grande julgamento das nações diante do Criador que as fez!
 
    Vejam, que todos os três primeiros profetas, Isaías, Jeremias e Ezequiel, trazem seus poderosos oráculos contra sete cidades infratoras. Todos estes sete oráculos prenunciam os castigos mais terríveis, pois, impenitentes, todas elas transgrediram a Lei do Senhor. Não só isso, elas afrontaram a Deus, elas desafiaram ao Criador, ultrapassando todos os limites. São sete cidades rebeldes, cidades pagãs, que embora tragam nomes Bíblicos conhecidos como, Tiro, Moab, Egito, Edom, Sidon, Amon e Filistia ou Oriente na verdade não se referem as antigas cidades (algumas ainda existem hoje) mas sim a futuros países do mundo.
 
     E como são sete estes países, se conferirmos bem, nós poderemos encaixar perfeitamente aqueles países simbólicos, com os atuais sete grandes do mundo, as sete cabeças da besta, (Ap 13) o chamado G7. Da mesma forma, como os três profetas citados, também outros se referem à queda da Babilônia, símbolo da babilônia econômica que criamos no mundo de hoje, que ameaça até a civilização humana e deve desaparecer.
 
     Então, cada nação passará pelo cadinho perfeito da Justiça Santa, esta sim, Infinita, e não como “justiça infinita” dos EUA em sua guerra ao “terrorismo” (De qual dos lados?). E já que falamos nele comecemos pela “jóia da terra”. Claro, o diálogo que faremos a seguir é hipotético e simbólico. Mas serve de alerta!
 
     Que dirá o Senhor ao “todo poderoso”: Estados Unidos da América do Norte?
 
     Oráculo contra Tiro: (Is, 23  / Jr 49 / Ez 26)
     Que fizeste com os dons que te dei? Tu que eras a jóia da terra(Dn 11,20). Eu te dei vastas extensões de terra, lindas belezas naturais, riquezas sem par em teu solo e subsolo. Que fizeste com isso? Porque motivo exploraste e oprimiste a tantos povos? Acaso sabes quantas milhares de crianças morreram de fome enquanto tu estavas obeso e reluzente? Quem te mandou fabricar tantas armas e bombas? Quem te mandou ires á lua, quando ainda na terra milhões padecem? Acaso pensavas fugir para lá, caso Eu te viesse castigar aqui?
 
     Então os EUA, embora transformado em diminuto estado e ainda assim não totalmente convertido, terá que reconhecer: Sim, éramos a jóia da terra. Mas preferimos Te ignorar como Deus. Colocamos em nossa moeda o olho de satanás e trabalhamos exclusivamente para o “deus lucro”, nosso senhor e soberano. Com a força das nossas riquezas, geramos muitos excedentes de capital e com este dinheiro maldito, fizemos empréstimos a juros impagáveis para os povos pobres. Com isso lhes sugamos todas as riquezas, di
lapidamos suas economias e matamos de fome a milhares de crianças.
     Fizemos sempre questão de emprestar grandes quantias a governos corruptos, porque, depois de roubarem seus povos, o dinheiro era desviado para nossos bancos, onde lucrávamos duplamente. Também construímos um poderoso exército e nos tornamos na maior nação exportadora de armas. Também decidimos investir pesado em busca de outros mundos, esquecendo as mazelas da terra. Vendendo armas e foguetes, enriquecemos ainda mais.
 
      Não bastasse isso,  pelo poder adquirido à custa do nosso maldito dólar e das nossas armas, conseguimos ditar os preços dos produtos do mundo inteiro, pagando preços vis para as matérias primas dos países pobres e cobrando preços escorchantes pelos nossos produtos acabados. Sim Senhor, temos que reconhecer, somos a “Tiro” de que fala vossa divina Palavra”. Lembra-Te senhor, que matamos todos os anos mais de 4,5 milhões de crianças pelo aborto, que ensinamos a fazer, e promovemos em toda a terra. Por isso...
 
    Eis o que diz o Senhor Javé: quando Eu tiver feito de ti uma cidade deserta, semelhantes às cidades despovoadas, quando Eu tiver feito com que o abismo venha sobre ti, e as grandes águas te houverem coberto, precipitar-te-ei como os que descem a fossa, comas gentes de outrora; instalar-te-ei nas moradas infernais. Nas solidões eternas, com os que descem ao túmulo a fim de que não sejas mais habitada quando eu devolver o esplendor à terra dos vivos. De ti farei objeto de horror! Não mais existirás!(...) E assim saberá que sou o Senhor! (Ez 26,19-21).
 
   Oráculo contra Amon! (Is 21 / Jr 47 / Ez 25)
   E tu, Inglaterra, dirá o Senhor Deus, tu o “império do sol nascente”, ou o “império onde o sol nunca se põe”, que fizeste tu com todas as coisas que Te confiei? Onde está ouro que ás centenas de toneladas teus navios rapinaram das terras que dominaste? Por quanto tempo tua podre “libra esterlina” foi senhora e deusa do mundo? Que fizeste com os tesouros que acumulaste? Que fez com estes tesouros tua poderosa rainha, com seus palácios e títulos? Que fez um de teus reis, senão criar uma nova Igreja, em afronta à unidade que Eu havia estabelecido sob Pedro? E a quantos mataste para levar avante esta idéia perniciosa. A quantos povos mataste e escravizaste a custa do poder de tuas baionetas e canhões? De teus exércitos pagos a custa do roubo e da exploração? Porque pregaste o ódio, quando a doutrina que te ensinei foi a do Amor?
 
   E Inglaterra, mesmo não se curvando inteiramente diante de Deus, terá que dizer: Sim, Senhor, nós pecamos contra ti. Estamos sentados sobre grande parte do ouro do mundo. Ouro conseguido a custa de muito sangue e lágrimas de povos e nações das quais tudo roubamos, através da pilhagem, da rapinagem e da pirataria. Nossos exércitos fizeram escravos por todo o mundo e pela força das armas dominamos e oprimimos tantos povos que se tornaram incontáveis os nossos crimes. Sim, erramos Senhor, em seguir a rebeldia de nosso rei. Hoje vemos que nossa igreja não existe, que é apenas fantasia e uma igreja de conveniência. Que rejeita os sacramentos como fontes de graças, dizendo que são apenas sinais, que rejeita a Eucaristia como Pão da Vida e que rejeita Maria tornando-a mulher comum.
 
   Então o Senhor tornará a eles com este libelo: Porque rejeitaste as imensas graças que te cumulei, porque governaste com a iniquidade, “lançar-te-ei por terra, farei vir sobre ti todos os pássaros do céu, dar-te-ei por pasto a todos os animais da terra, largarei teu cadáver sobre as montanhas e encherei teus vales com os teus destroços. Com o líquido que escorrer de ti, regarei montanhas e teu sangue encherá as torrentes” ( Ez 32). Então saberás que sou o Senhor!
 
     Oráculo contra Egito! ( Is 19 / Jr 46 / Ez 29)>     E quanto a ti França, terra primogênita e pérola da Europa. Porque não viveste a pregação de teus inúmeros santos? Porque abandonaste a pregação do teu grande Cura D’ Ars? Porque partiste para a iniqüidade? Porque exportaste para as nações, a tua odiosa franco maçonaria, criatura pérfida de tua própria índole? Que fizeste com a terra fértil que te dei? Com o povo bom que outrora habitava tuas planícies? Que fizeste com a fé de teus ancestrais? Por que motivo tuas igrejas estão vazias?
 
    Então França, mesmo não se convertendo inteiramente, se obrigará a dizer: Sim, Senhor, nós praticamos a iniqüidade! Cedo nós abandonamos a fé de nossos pais e buscamos viver um mundo de conveniência. Cedo esquecemos do sangue dos nossos mártires, e sufocamos verdadeiramente a Tua Igreja. Sim, exportamos para o mundo esta associação diabólica, cujo intuito é dominar a terra, por semear o ódio e a discórdia. Também nós exploramos, muitos povos e vivemos por largas épocas com a custa do sangue deles.  São na verdade inumeráveis os nossos crimes!
 
      Então o Senhor lhes dirá: Naquele dia lançar-te-ei no deserto com todos os peixes de teus Nilos, ficarás estendida sobre a terra, sem ser recolhido nem enterrado. Às feras da terra e aos pássaros do céu dar-te-ei por pasto (Ez 29). (...) Assim saberás que sou o Senhor!    
   
    Oráculo contra Sidon! (Is 23 / Jr 49 / Ez 28)
    E tu minha Itália, terra amada e escolhida. E tu Roma “eterna” a cidade das sete colinas. Se eu quis estabelecer em ti o meu trono, porque motivo assentaste nela a grande prostituta (Ap 29), a mãe de todas as abominações? Porque sacudiste o jugo que eu te impunha, confinando em um minúsculo ponto de Roma a sede do Vaticano e dentro dele aninhaste de propósito as duas bestas apocalípticas? Porque tentas de toda forma voltar ao paganismo abandonando a religião que Eu te havia dado.
 
     E Itália, mesmo não se convertendo inteiramente, terá que reconhecer: Sim, Senhor, pecamos contra ti que és o único Deus. Temos tentado sacudir teu jugo que era suave e nos entregamos a devassidão. Trancafiamos Pedro teu servo em um diminuto recanto. Sim, fizemos derramar rios de sangue mártir em nossas arenas e durante séculos fomos hediondos carrascos de teu povo. Nem mesmo a imensidão dos santos que te demos salda a imensa conta de nossos crimes. Temos a máfia hedionda que aterroriza o mundo inteiro e já não merecemos sequer a graça de sermos chamados teus filhos.   
 
     Porque renegaste o sangue dos mártires que inundaram teu pavoroso Coliseu, eis o que diz o Senhor Javé: é contra ti que venho Sidon; vou fazer brilhar a Minha glória no teu meio. Quando contra ti exercer Meu julgamento e em ti manifestar minha santidade, então saberás que Sou o Senhor. Despacharei contra ela a peste, inundarei de sangue as suas ruas, onde sucumbirão feridos, golpeados por uma espada que surgirá de toda parte. Assim saberão que sou o Senhor! (Ez 28,22-23)
 
     Oráculo contra Moab! (Is 15 / Jr 48 / Ez 25)
     E quanto a ti Rússia, terra do Kzares, que fizeste com a imensidão de tuas terras e tuas riquezas? Porque dilapidaste tudo em nome do comunismo, a mais hedionda das utopias? Porque fizeste nascer no meio de ti o “cavalo vermelho” (Ap 6,4), símbolo do ateísmo vermelho, que tirou a paz da terra por mais de setenta anos? Porque fizeste derramar em teu solo o sangue de mais de 35 milhões de mártires? Porque exportaste a guerra para inúmeros países, onde o sangue correu tão sem conta, que tingiu de vermelho até as estrelas do céu? Porque transformas ainda hoje em bombas e a
rmas o suor de teu sofrido povo? Porque motivo não voltas a unidade sob Pedro, pois nunca fundei uma Igreja dividida e a sombra de patriarcas, tenham eles a santidade que tenham?
 
     E Rússia então, mesmo ainda não convertida e em parte arrogante, terá que reconhecer dizendo: Sim senhor, fizemos desfilar diante de Ti, que és Bom, toda esta imensidade de crimes. A nossa insânia ultrapassou os limites da bestialidade. O nosso ódio suplantou ao de todos os homens da terra. Matamos milhões de nossos irmãos apenas por questão de uma perversa ideologia. Nosso cavalo é tinto de vermelho, por causa de tanto sangue derramado e que clama aos céus. Além disso, nossas armas continuam matando, nossas armas continuam ainda ameaçando e pouco temos feito para refrear nosso ódio bestial.
 
     E o Senhor volverá nestes termos: Porque fizeste todas estas coisas e não te arrependeste, Eu o dou, assim como a terra dos amonitas em possessão aos filhos do Oriente, a fim de que Amon não mais seja mencionado entre as nações. Assim exercerei o Meu juízo sobre Moab e ficarão sabendo que eu sou o Senhor! (Ez 26) E ainda: Embriagai Moab porque desafiou o Senhor. Debater-se-á no próprio vômito e por sua vez tornar-se-á objeto de zombaria.(Jr 48) Com o andar do tempo, porém - oráculo do Senhor - mudarei a sorte de Moab. (Como profecia sobre a restauração da Rússia)
 
    Oráculo contra Edom! (Is 21 / Jr 49 / Ez 25)
    E quanto a ti, Alemanha, terra dos Kaisers? E quanto a ti, Alemanha, terra tão abençoada por Mim e cumulada com tantas graças. Não dei Eu inteligência ao teu povo? Não dei Eu sabedoria aos grandes santos que para ti pregaram a sã doutrina? Porque então te desviste do caminho? Porque aceitaste correr em teu solo o “cavalo branco” (Ap 6), símbolo do nazismo e da pretensa superioridade da raça ariana? Ouves ainda os gritos desesperados  dos milhões de judeus que sacrificaste no teu holocausto? Teu ufanismo te fez sucumbir diante do discurso inflamado de uma besta odiosa; acaso podes alegar que não sabias?  Porque aceitaste, em tua arrogância, que surgisse dentro de ti a “reforma”, início da fragmentação da Minha Igreja, que Eu fundei única e sob Pedro em Roma? Porque motivo estão vazias as tuas Igrejas, e servem apenas para turismo tuas maravilhosas catedrais?
     
     Então Alemanha, mesmo impenitente, terá que reconhecer: Sim, Senhor, é inumerável como as areis do mar o número de nosso crimes. É inacreditável o quão rápido muitos de nós abandonaram a Tua doutrina e hoje estamos mais paganizada do que há séculos atrás. Sim, nossas imensas catedrais, como a de Colônia, que levou 600 anos para ser construída, são hoje habitáculos para moscas. Entretanto, em frente dela somos capazes de juntas alguns milhares de jovens rebeldes a som de rock satânico. Sim, somos responsáveis pela divisão inicial de Tua Igreja, Santa é Una, porque não fomos capazes de nos curvar diante da verdade, assumindo aquela que era também nossa culpa. Quanto ao monstro nazista que ainda luta por vencer e vencer, este é nosso maior legado negativo. E também quanto aos milhares de corpos cremados que produzimos, bem, Senhor, estes não podem mais ressuscitar e seus gritos ainda ressoam em nossos ouvidos.
 
    Ai o Senhor, conhecendo da imensidão dos crimes, lhes faria ver: “O terror... o orgulho de teu coração enganou-te, a ti, que habitas nas concavidades dos rochedos e que ocupas o cume das colinas. Ainda que colocasses teu ninho tão alto quanto o da águia, de lá te precipitaria – Oráculo do Senhor. Será transformada Edom em objeto de espanto e o transeunte, estupefato, mofará de suas ruínas... ao estrondo de sua queda a terra treme.(Jr 49). Então saberão que Sou o Senhor! (Ez 25)yle="mso-bidi-font-style: normal"> 
 
     Oráculo contra Oriente! ( Jr 49) (China, e Japão)
     E quanto a ti, grande China, terra de tantos mistérios? Que fizeste da imensidade de teus dons? Porque aceitaste correr em tua terra o pavoroso cavalo vermelho sinônimo de sangue e ateísmo? Quantos milhões de teus filhos mortos pelo comunismo nefasto? Ouves acaso os gritos, dos milhares de meninas que matas todos os anos? Quem te ensinou a devorar fetos abortados e a comer cérebros humanos? Porque motivo persegues tanto aos santos que tenho te enviado anos após ano? Porque motivo senão pelo ódio da fera diabólica que te domina, fizeste derramar em teu solo o sangue de tantos mártires? Acaso os meus pregaram o ódio? Acaso pregaram a guerra? Então porque os mataste? Acaso não percebes que em tuas creches imundas e fétidas apodrecem milhares de crianças, pois tua alma comunista há muito que perdeu qualquer senso de humanidade? Não foi de mim que aprendeste esta diabólica doutrina, mas sim de Baal e Moloc. Que tens tu a me dizer?
 
    E China, mesmo do alto de seu ódio, terá que reconhecer: Sim, Senhor, nós sabemos de todas estas coisas. Mas nosso ódio milenar foi incapaz de acolher Teu Evangelho de amor. Ainda hoje nossa gente vive a monstruosa mentira do comunismo – agora sob a égide do lucro nefasto – e enquanto construímos milhares de prédios novos e reluzentes, deixamos apodrecer nossos filhos – descartáveis – e corpos de crianças podem ser achados nas ruas apodrecendo como cães imundos. Abortos, nós os fazemos sem conta! Sim, comemos fetos! Sim, comercializamos cérebros humanos! Não por fome ou miséria, mas pelo simples prazer que sempre tivemos em Te afrontar. Hoje temos o maior exército da terra. E, Tu sabes, Senhor, nos estamos armando até os dentes para invadir outras terras, pois nosso espaço vital está todo ocupado e ao nosso redor – leia-se Rússia – se encontram ainda vastos descampados. Sim, Senhor, esta é a nossa malícia!
 
     E o Senhor tornará para este povo odioso: “Aniquilai os filhos do Oriente! Sejam-lhes arrebatados tendas e rebanhos! E que se lhe tirem os pavilhões bagagens e camelos, ao grito de: “Que o terror se espalhe”! .. Espalhares por todos os ventos estes homens de cabeças raspadas e de toda a parte lançarei sobre eles a desgraça, - Oráculo do Senhor! Asor tornar-se-á guarida dos chacais, eterna solidão onde ninguém habitará e onde doravante nenhum ser humano permanecerá”.(Jr 49) Assim saberão que sou o Senhor!
 
    Claro, estes são simples assertivas, simples ponderações sobre o que poderá acontecer a todos estes povos. Se nós colocamos tais palavras na boca do Senhor, elas são apenas sinônimas da condenação que a Palavra já tem para eles destinada. O leitor poderá até trocar os nomes das cidades ou países e os substituir pelos diferentes títulos citados. Mas isso em nada mudará a essência do porvir. Não importa, pois, que EUA seja ou não a “Tiro” citada pelos profetas. Importa é que os castigos virão para todas as cidades impenitentes e todos os países corrompidos pela maldade.
 
     Eis que cada país será julgado segundo o seu proceder. Segundo os dons e a riqueza que recebeu de Deus e segundo as obras que praticou. Quando, pois, o Senhor soltar as rédeas do inferno sobre estes países, terá sido apenas porque o povo que o habitava foi causa única de tudo isso. E se morrerem então todos os habitantes daquelas terras, certamente que o Senhor não estará se vingando de ninguém, mas somente cobrando a conta devida pelos seus atos coletivos. Então, os que morrerem terão sido, porque o homem decidiu matá-los; os que sobrarem, estes sobrarão por causa da misericórdia que interveio, antes que nos matássemos a todos.
 
   Também é claro, deixamos de mencionar
outros povos que serão julgados. Restam ainda, centenas de nações impenitentes e sem Deus, que por séculos seguidos tem barrado a doutrina da verdade, aninhando dentro de si uma serpente venenosa que os aniquilou moralmente. Entre estes poderemos citar o Japão ateu. Dentro dele, existem registradas mais de 100 mil seitas diferentes. Existem então mais de 100 mil deuses diferentes! E perguntamos, a qual destes “ídolos de pau” acorrerão estas gentes no momento da calamidade? Acaso ao buda? Sim, um Buda gigantesco haverá de sentar na cabeça de cada um deles, quando seu país afundar terra adentro e sumir nas suas entranhas para sempre.
 
    E assim, meus amigos, uma a uma as nações da terra haverão de se postar diante do trono de Deus. E Ele lhes fará desfilar diante dos olhos a imensidão de seus crimes. Não há uma só nação da terra que não tenha contas a acertar com Deus. Nem mesmo Israel, o “povo santo”. E quanto maiores forem os dons que Deus tenha legado a cada nação, quanto maior for o dote legado a cada povo, maior será também a cobrança de Deus. E quanto pior tenham feito uso destes dons e destes dotes, maior será também o castigo de cada uma delas receberá, pois o julgamento do Senhor é justo.
 
     Depois, também, haverá o juízo particular de cada pessoa. De cada habitante de cada país individualmente. Porque, é claro, haverá uns mais justos que outros e eles não podem ser castigados pelos crimes que não cometeram. Mas, mesmo aqueles bons pagarão sua cota de sofrimento quando seu país for julgado. E tanto mais serão cobrados, quanto menos tenham feito para minimizar os efeitos de seus governos diabólicos e da opressão que eles exerceram sobre os outros países da terra. E é por isso que colocamos em evidência este julgamento simbólico e hipotético do G7, exatamente os países onde, sentimos, pesará mais fortemente a Mão do Pai Criador.
 
       Quanto a nós, rezemos para que esta mão do Pai não caia sobre nós durante o nosso nefando carnaval. Rezemos para que haja milhares de almas reparadoras, que rezem em desagravo ao imenso caudal de ofensas a Deus que nossa gente comete nestes dias.
 
       O Brasil, também, terá uma imensa conta a pagar no “dia da Ira”. Um dia, ainda, falaremos sobre aquilo que Deus reserva para a terra do carnaval.
 
Nas mãos carinhosas do Pai!..
 
Arnaldo!


 
 
 

Artigo Visto: 1637 - Impresso: 35 - Enviado: 8

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 649 - Total Visitas Únicas: 3.220.059 Usuários online: 79