Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
25/07/2008
Tesouro Infinito
 
2050115 TESOURO INFINITO
 
     “Uma vez que todas estas coisas se são de desagregar, considerai apenas o estado de vossa alma e a vossa piedade...” (2 Pd 3, 11).
 
     Sábia esta colocação de São Pedro, instruído pelo Espírito Santo, e Palavra dita para nossos dias. Hoje vamos deixar um pouco a questão dos sinais dos tempos, e nos dedicar um pouquinho, a falar sobre nosso maior tesouro: a nossa alma imortal! Por uma graça especial de Deus, desde a minha mais tenra infância, penso que já desde antes da idade da razão, eu sempre me preocupei com minha alma e com minha salvação eterna, embora nem sempre tivesse buscado com amor este caminho de Deus. Já citei aqui em outros textos, a doutrina recebida de minha mãe – verdadeira leoa na defesa de nossa fé! Ela de Terço sempre em punho na luta por seus 12 filhos – e minha querida vovó Gertrudes – já no céu – que desde que eu me lembro de algo, jamais deixaram de inculcar em nossa mente o sentido da eternidade e a preocupação com a salvação eterna.
 
     Embora hoje ainda se critique – penso que por uma falsa teologia – o fato de que nossos pais e avós às vezes nos educavam pelo medo do inferno. Mas verdade é que aquela era a melhor psicologia e a melhor forma de educar, porque desprovidos de certo medo, os homens se tornam temerários e inconseqüentes, facilmente relaxando daquilo que é primordial em sua vida: a salvação eterna! Há psicólogos dizendo que, nos países onde existe pena de morte os crimes são proporcionalmente iguais a aqueles onde ela não existe. Decididamente eu não creio nisso, tanto como não creio que a atual campanha do desarmamento irá diminuir os assassinatos por armas de fogo, até porque a maioria daquelas armas recolhidas é enferrujada, não funciona mais, as pessoas às têm em casa, mas há décadas não têm balas nem munições. E afinal quem mata mesmo é bandido, é assaltante, é ladrão e é policial. E estes vão continuar tendo armas e matando! E mais: quem quer matar, não tendo arma de fogo, mata de mil outros modos!
 
     Assim, não tenho dúvidas em afirmar que aquele medo do inferno, medo de perder a alma pelos pecados graves, medo do demônio, certamente que evitou que eu cometesse muitos pecados em toda minha vida. Óbvio que também aprendi mais tarde a fazer as coisas certas, ou a deixar de fazer as erradas, por amor a Deus – o que é bem melhor e assim que Ele gosta. Entretanto se eu não tivesse este sentimento de medo da perda eterna de minha alma, quem me garante que hoje eu não estaria escrevendo artigos para nosso adversário não para Deus, assim como o fazem tantos que não O temem? Que não temem perder a alma no inferno? Que dizem que o inferno e o demônio não existem? Na verdade, o espaço que separa a decisão por Deus e pelo diabo é coisa de milímetros – questão, óbvio, de decisão – e certamente é bem mais fácil pender para a balança do maldito; não fora assim a maioria das pessoas teria já decidido do por Deus. E qualquer um vê, então, que a maioria decidiu pelo mundo e contra Deus.
 
     Isso se dá, porque a imensa leva dos povos não se dá conta do valor da própria alma. Penso que muitos nem sabem que a têm. Quanto vale a sua alma, amigo leitor? Você faz uma idéia? Quando eu escrevia os comentários do Livro Salvai Almas 1 a certa altura eu disse que, mesmo que Deus me desse a terra inteira e não só a terra com tudo o que ela contém, mas todo o universo, e que ele fosse tudo meu, e que eu tivesse inteligência e poder para comandar tudo isso por um milhão de séculos, mas que depois deste tempo eu iria perder a minha alma para sempre, eu diria a Deus: muito obrigado!
 
     Ou seja: a minha alma
vale para mim, mais do que o universo inteiro, com tudo o que ele contém. Mas eu pergunto: quantas pessoas na terra se tivessem essa proposta, topariam ir para o inferno depois, em troca de todo este poder, esta fama, esta inteligência e esta riqueza por um tempo? Com certeza pelo menos os que não têm medo do inferno ou não acreditam nele aceitariam! E afinal, se a maioria não se livra de viver agarrado a migalhas, como renegaria ao Universo inteiro, caso fosse todo seu?
 
     Ora, acaso não há gente hoje, aqui, que a troca por bem menos que isto? Vejam que, em todos estes anos, nos cemitérios por nós visitados onde estão enterrados os grandes ricos, os grandes proprietários de terras, os grandes homens deste mundo, os formadores de grupos econômicos e grandes empresas de todos os ramos de atividade, a situação é a mesma: quase todos eles, trocaram suas corporações, suas enormes extensões de terra, seu poder de mandar sobre os outros, suas empresas, seus negócios – que levaram uma vida inteira para conseguir com grande sofrimento e imenso trabalho, também roubos, crimes e exploração – pela perda eterna de suas almas. Míseros vinte a trinta anos de grande poder, muita fama e riqueza, trocados por uma eternidade de tormentos. Quanta estupidez!
 
     Em verdade, todas as riquezas do Universo e todo o poder emanam de Deus. Mas Ele criou tudo isso como coisas deste mundopassageiro, ilusório – e porque são coisas sem valor eterno as deixou para o príncipe deste mundo – satanás – administrar. Para aquele que é lixo, que gosta de lixo, Ele deixou para Lúcifer administrar... o lixo. Ou seja: Deus permite a satanás que ele use destas coisas passageiras e ilusórias, para atrair e para ardilosamente enganar ao homem. Com lixo! Deus, na verdade, criou tudo e nos deu de graça. E vindo Dele, era dom, não lixo! E nós podemos conseguir a riqueza e o poder, também Dele, desde que sigamos seus mandamentos e humildemente nos submetamos ao Seu primado. Entretanto, este “seguir mandamentos com humildade”, é tudo o que o diabo não quer que façamos. Porque nós podemos “orgulhosamente” crescer sob seu domínio, e ao invés de buscarmos em Deus, preferimos obter as riquezas da lixeira de satã. Porém, ele sempre cobra um preço e preço alto, pois nada faz de graça.
 
     Veja a questão dos ricaços, dos poderosos! Na maioria deles, mal morrem e deixam suas propriedades por herança, já os filhos as dilapidam e desmontam todo o patrimônio tão dolorosamente adquirido. Digo dolorosamente, porque o preço disso é o fogo eterno. Muitos, ao morrerem estão de tal forma endividados, que depois de morte, o Banco leva uma parte, a Justiça outra, os advogados outra, e assim aos familiares sobra pouco. Isso, além das homéricas brigas e disputas por herança! Ou seja: é o preço de satã! Uma alma em troca de uma vida de riqueza, de poder, de fama! Acaso um rico destes, algum dia, parou para pensar na insensatez de seu procedimento? Acaso lhe passou pela cabeça que não adiantava ser dono de milhões de alqueires de terra, quando depois da morte seu cantinho no cemitério não chega a dois metros quadrados? Não é uma renomada loucura agir desta forma? Sim, um dos grandes tormentos eternos dos ricos no inferno, e ver os seus usufruírem belamente do patrimônio que eles deixaram, e vê-lo sendo dilapidado!
 
     Mas, pensemos bem: acaso também os pobres não correm da mesma forma alucinada atrás das coisas do mundo? Que diferença existe entre o esganado pelo milhão e o esganado pelo tostão? Nenhuma! Aliás, só existem pobres entre os – antes – sem Deus! E da mesma forma como em relação aos bens materiais, também se processa em relação à busca do conhecimento e da “cultura”, à aquisição de poder para mandar nos outros e a tudo aquilo que busca enlevar-se aos olhos do mundo; tudo isso é desvio de conduta, é mau para a vida das pessoas e é péssimo para a eternidade das
almas. Mas infelizmente esta é a conduta da maioria, que insanamente vive uma vida dificultosa por própria culpa e ainda se lança nos braços do maldito, que só lhes dá em troca esta merreca de vida.
 
     Uma das palavras de ordem dos dias de hoje é a tal “qualidade de vida”. Este índice, sempre mais exigente e apurado, mede o nível de satisfação das pessoas em relação ao meio em que vivem, como boa casa, ótimo trabalho, lazer, estudo, planos de saúde, carro, enfim, tudo aquilo que o mundo pode oferecer de bom e de bem para uma pessoa. E muitos acham que adquirir um alto índice neste sentido é o máximo que se pode querer para a vida. Milhares de padres pensam assim, imaginem! Entretanto, a vida prova isto, esta meta é sempre ilusória e decepcionante até porque altamente exigente, uma vez que esta satisfação mundana nunca é plena: o homem sempre haverá de querer mais, exigir mais, e isso o levará sempre a chegar infeliz ao final da sua vida terrena. Sem Deus o homem nunca será plenamente feliz.
 
     Então – fácil verificar – nós só poderemos atingir o grande e verdadeiro índice de qualidade de vida, COM Deus. A grande e maior satisfação possível a um ser humano é apenas aquela que provém do interior, que brota do coração, esta a única que não morre. Porque a felicidade interior – somente atingida pelos que se ligam em Deus – não exige que se adquira um nível infinito de comodidades e bem estar material, mas se contenta com um simples abraço caloroso – coração a coração – onde pode doar-se inteiro e sem reservas ao outro. Ou seja: a qualidade de vida interior é simples e é singela, pois se baseia em Deus que é também simples e somente pode ser encontrado na singeleza dos corações humildes. Então, ninguém que se fixe apenas no material, no físico e em tudo o que é passageiro, conseguirá ser plenamente feliz, porque tudo que passa é ilusório.
 
     Em minha vida, penso que se pode contar em milhares as horas que passei pensando sobre a eternidade e sobre o infinito. Escrevi milhares de sonetos sobre este assunto! E creio firmemente, só as pessoas que dedicam alguns momentos de seu dia a dia para pensar nestas duas realidades superiores, podem fazer uma idéia do que significa aquilo que não se acaba no tempo, e que nunca chega ao fim no espaço. É, pois, apenas nestes extremos indecifráveis que poderemos encontrar a Deus, autor de tudo o que existe e Criador Único de todos os seres que se movem. Mas quantos entendem isso? Na absoluta e imensa maioria dos seres humanos, a preocupação com a eternidade de suas almas é algo tão distante quanto próprio infinito. Para os que vivem longe de Deus, a própria vida parece uma eternidade. Mas é ali que se encaixa nossa alma: naquilo que não tem fim, seja em felicidade no Céu, ou em tormentos no inferno. É daqui que se escolhe!
 
     Eis, então, que muitos tendem a inventar um deus de acordo com a sua cabeça, adaptado aos próprios conceitos de divindade, com certeza um deus desfigurado como um “puzzle”, que se monta e se desmonta a bel prazer, de acordo com os caprichos pessoais. Padres manobram Deus assim! E pregam este falso Deus ao povo. Então, as pessoas não percebem que, modificando a face de Deus imutável, moldam-nO para algo mínimo e cada vez menor, igual sua própria natureza humana, e desembocam no mesmo erro de Lúcifer e dos anjos caídos, que também queriam moldar a Deus e comandar suas vidas de acordo com princípios pessoais, longe, portanto da Lei Universal. E com isso, se afastam progressivamente do Criador!
 
     O que se verifica é que os homens agem tolamente como se a vida não fosse acabar um dia, e buscam serem deuses apenas para se imortalizarem, mas aqui na terra. Quando um cientista se aferra na pesquisa dos clones, nada mais faz do que alimentar a ilusão de uma eternidade terrena, mal sabendo ele que a própria terra um dia terá fim, depois de haver cumprido milimetricamente a Ordem cri
adora do Pai Eterno. Não adiantaria, pois, se criar um indivíduo perfeitamente igual a outro que se vai, porque jamais se conseguirá formar personalidade igual, eis que grande parte do que nós somos moldados pelo meio em que vivemos. Se nós vivemos num meio paganizado, tenderemos a ser pagãos; se nós vivemos num meio cristão de verdade, tenderemos a caminhar para Deus, nossa alegria. Se nós temos pais santos, eles nos levarão para a felicidade eterna, se pais relapsos para o abismo das trevas!
 
     Grande parte da desgraça de milhões de almas, começou com esta secularização crescente, que fez a própria Igreja de Jesus se transformar muitas vezes mais em abismo que em planície de segurança. Nesta Igreja a caminho da morte – falo da banda podre dela – já não se fala mais em almas nem na salvação eterna, e sim apenas em questões sociais, terra, moradia, trabalho e comida para todos, de preferência sem trabalho. E como não se fala mais em almas, em confissão, em sacramentos, apenas se promove, a cada dia, novas pastorais – com reuniões infindáveis em cada uma delas – também ficam fora das pregações, o inferno e o alerta obrigatório contra o maligno. Claro nesta igreja de festa e farra, o céu é garantido para todos, mesmo sem confissão e sem arrependimento. Ó quanta insensatez! Como poderão pagar caro estes, se não se converterem a tempo!
 
     Ora: Fácil muito fácil é seguir esta igreja da porta larga, mas igreja da perdição. Esta pregação nefanda, com toda certeza é promovida por aqueles que têm a sua alma tão carregada de pecados, de vícios, de crimes, de maldades, de abominações, que decidiram constituir eles próprios uma nova doutrina, que não só apague todas as suas faltas, mas quem sabe ainda premie as suas atrocidades contra a Doutrina da Verdade, contra o Santo Magistério da Igreja e contra o Santo Padre. Então, pela força do poder da maioria, pregam uma doutrina que não vem do Papa, entretanto a ele impingem todos os erros, falhas e heresias! E o católico que se quiser manter fiel à verdade, já não sabe a quem seguir, e fácil cai na lábia dos maus, até porque não conhece mais a verdade.
 
     Desta forma, a questão da salvação eterna das almas, vai sendo cada vez mais relegada ao esquecimento. Na verdade o único motivo de existir a Igreja é a salvação eterna das almas. Só existem sacerdotes católicos para esta única missão: salvar almas! Todo aquele clérigo, pois, que se dedicar a missão diferente desta – falo de fim último – está com os pés fora da verdade, e vai por um caminho de perdição. Não só aos padres, então, mas a todos nós cabe a missão maior de lutar pela salvação eterna das pessoas. Se todos os homens soubessem que o inferno realmente existe, que ele é terrível, que ele é o máximo que pode haver em termos de tortura e terror – e isso pela eternidade – com toda a certeza não haveria tantos a seguir pelo trilho nefando que leva diretamente a ele.
 
     Mas os homens se distanciam cada vez mais dos caminhos de Jesus Cristo. Ele fundou uma só Igreja, unicamente para que dela brotasse o material necessário para que todos pudessem construir suas moradas no Céu. Ela é despenseira Única de tudo aquilo que é necessário para a salvação das almas, porque somente a Igreja Católica salva: Isso é verdade eterna, imutável, e um dia sentirão na pele – entre dores lancinantes – todos aqueles que negam isso, ou não se aproveitam dos tesouros de salvação que só ela tem.
 
     Assim, a nossa grande missão evangelizadora atual é justamente trabalhar dentro da nossa Igreja Católica, sem ataques a ela, mas pelo poder da Oração que tudo move, fazendo com que a busca pelas almas volte a ser sua principal missão. Em verdade, muito mais se pode conseguir com a evangelização interna que com os ataques exteriores. Deste modo, vamos passar algumas sugestões, sobre como preparar seu caminho e dos seus, para a grande travessia, no caminho
de entregar sua alma ao Criador.
 
1 – Desligar-se do mundo material > Nossa Senhora disse em mensagem o seguinte: Quem ainda não perdeu, vai perder! E eu poderia acrescentar: todos irão perder tudo! Então, se isso vai acontecer mais dia, menos dia, por que não entregar tudo nas mãos de Deus desde já e com desprendimento, para evitar que os percamos mais tarde com angustia? Consagre tudo a Deus, seus bens matérias, seus negócios, tudo! Faça-se apenas administrador deles e coloque todas as suas propriedades, sem exceção, a serviço de Deus. Consagre inclusive seus carros. Só nos últimos cinco anos, por exemplo, já economizei em torno de 70 mil reais apenas em seguros. Minha seguradora é Deus, os guardas dos carros – que foram consagrados – são nossos anjos. Acham que alguém bota as mãos neles? Esta sobra toda pode ir para a evangelização. Note: nós viemos nus a terra e nus voltaremos para a eternidade!
 
     Lembre-se: este se desligar do mundo, compreende não somente os bens materiais, mas também seus projetos de longo prazo. Com certeza não devemos desprezar projetos de uma nova faculdade, projetar uma indústria, um grande comércio e coisas do gênero. Desde que estejamos preparados para perder tudo, sem uma só reclamação. Quem tem como sobreviver, antes de se preocupar com o crescimento financeiro, ou com o crescimento intelectual deve entender que isso de nada adianta diante de Deus. Que ninguém se meta em grandes aventuras financeiras, porque pode se dar muito mal quando tudo quebrar. Virá muita confusão neste campo. Quem tem para receber perderá e terá que ficar quieto, mas quem tiver que pagar, não terá mais sossego dos credores furiosos.
 
     Sim, tudo deve seguir seu curso normal, porque Jesus não quer encontrar ninguém parado, esperando sentado, mas na atividade. Mas que tudo seja comedido e que as pessoas estejam de todo preparadas para largar tudo sem traumas e sem decepções, porque nada do que criamos subsistirá. Toda esta civilização desabará, porque Jesus vem para abater todo este império do mal. O mundo inteiro ficará igual a algumas daquelas praias atingidas pelo maremoto da Ásia, onde muitos perderam tudo. E muito sofrimento se evitará mais tarde, se desde agora nos desligarmos de tudo. Cuidar sim, enquanto dá!
 
2 – Ligar-se completamente em Deus > À medida que você se desprende de todas as coisas deste mundo, deve abrir espaço cada vez maior em sua “agenda” para Deus e para as coisas Dele. O ideal é coloca-LO sempre em frente de todos os seus caminhos, nada mais fazendo sem a finalidade única de cumprir a Sua Santa vontade. Hoje mais do que nunca precisamos da força do Espírito Santo para nos indicar os caminhos. Quem ainda não tem, deve montar em sua casa um cantinho especial e consagra-lo inteiramente para sua oração particular e de sua família. Seu pensamento maior deve estar voltado não mais para o dia a dia, mas sim para as coisas eternas, para a salvação das almas, sua e de seus entes queridos.
 
     Lembre-se: A oração é a chave que abre as portas do coração de Deus. Sem ela, você não conseguirá jamais sucesso nestes tempos maus. Sem a fortaleza de Deus, você está morto e não sabe. Quem não tem tempo para rezar, Deus não terá também tempo para ele. Então, cada um deve buscar ampliar seu tempo dedicado à prece, porque sem isso não há fortaleza capaz de resistir à tempestade. Usem as madrugadas para a oração, nos pedia o Papa João Paulo II. Muitas pessoas são acordadas pelos anjos, de madrugada, para que possam rezar, entretanto a maioria pensa que isso é insônia e vive a tomar comprimidos para dormir. Na verdade quem usar este tempo para o Terço, o Rosário irá perceber que este sono da madrugada não fará falta durante o dia, muito pelo contrário. E verá também, incrível, que seu dia a dia irá melho
rar muito, e perceberá que também ali haverá tempo para rezar. Porque será o Espírito Santo a nos conduzir!
 
3 – Os Sacramentos > A oração é importante, mas para ligar-se verdadeiramente em Deus é preciso antes buscar o sacramento da reconciliação, a confissão a um sacerdote. Este é o primeiro passo. Depois a Missa, a Eucaristia! Suponha um imã: para que ele funcione e puxe é preciso que as forças sejam atrativas, pois nos pólos contrários existe a repulsão. Para que eu esteja ligado em Deus é preciso que eu esteja distante do pecado que me afasta Dele. Quanto menos faltas em tiver, mas próximo Dele estarei, mais atração sentirei, mais proteção, mais paz. E quanto mais ligado e próximo Dele, maior o benefício que recebo e maiores as graças eternas. Depois da confissão, certamente vem a Sagrada Eucaristia, Deus vivo em nosso meio. Sem uma vida eucarística de profundidade, será impossível vencer.
 
     Lembre-se: Os Sacramentos são caminhos de salvação, deixados por Jesus, para que tivéssemos como asfaltadas as vias de acesso a Deus. Mas todos os Sacramentos devem ser vividos com profundidade e verdadeiro amor e não de forma relapsa, porque senão eles podem ser sacrílegos, e ao invés de nos conduzir a Deus nos levam progressivamente à morte eterna. Não se brinca com coisas santas, nem com Deus que é Santo!
 
4 – A Família > A família é a menina dos olhos de Deus. E hoje mais do que nunca é preciso que se promova a união familiar. Pais e filhos, esposas e esposos, unidos pelo diálogo, pelo amor Dom de Deus, e pela oração. Que cada um abandone primeiro as suas posições de defesa, que se desarme das recriminações pelo perdão incondicional – todos entre todos – única forma de quebrar o chifre de satanás, este o germe da desagregação familiar. É preciso que a família, quanto mais próxima estiver a tempestade, esteja unida em ORAÇÃO, porque o desespero entrará com certeza naquelas que estão desarticuladas. É como um feixe de varas: uma a uma se quebram fácil, todas juntas, muito difícil! E a única forma de manter hoje uma família unida é através da Oração do Rosário. Quem ainda não faz isto, que comece a pensar seriamente e a batalhar com ardor. As casas que estiverem cheias de Ave Maria não serão adentradas pelo inimigo das famílias. Que todos procurem trabalhar menos, e REZAR MAIS!
 
     Lembre-se: Vamos devagar, mas sempre: Primeiro uma dezena, depois um Terço, daí ao Rosário. Se eles não vierem agora mãe, pai, convidem: Os anjos rezarão por eles e com vocês! Mas com toda a certeza quando a tempestade vier, eles virão e bem ligeirinho rezar junto, pois serão tocados sem dúvida! Sem convite hoje, eles não virão também amanhã! E quando convidados, uns vem antes, outros vêm depois! A paciência tudo consegue, a perseverança é a chave do sucesso. O mundo será salvo pelas famílias. A Igreja ressurgirá das famílias que se mantiverem unidas! Então cada um de nós deve criar esta “Igreja doméstica”, tão pedida pelo Papa João Paulo II, porque Deus quer precisar delas a fim de derrotar o inferno.
 
5 – Indulgências > Vamos nos apropriar humildemente deste enorme tesouro da nossa Igreja Católica. Não liguem para os inimigos de Deus e das almas que pregam contra elas. A Igreja tem muitas fórmulas e meios de se adquirir indulgências, nas mais diferentes circunstâncias. Perdem-se infinitos tesouros de graças por causa desta falha indesculpável, porque já não se fala mais nelas e muitos até com medo dos protestantes que infelizmente não sabem o que fazem. Um dia eles todos sentirão o impacto da dor, porque agora não querem o amor.
 
     Lembre-se: Não se deve adquirir a indulgência por medo do purgatório, mas por amor e obediência a Deus. Um simples ato de amor e de obediência à Igreja poderá evitar anos e até décadas de sofrimento purificador. Por que dar ouvidos a embusteiros que pregam contra as indulgências? Faça tudo com amor e respeito, em
clima de humildade e caridade – quando a adquire pela as almas de falecidos – isso para que ela surta os efeitos desejados. O tesouro é infinito, o amor é a medida de tudo.
 
     Assim, eu creio que observados estes quesitos básicos, ninguém será pego de surpresa quando a onda vier. Acredite, não é difícil, e muitos já o fizeram. Além disso, seria – ainda quanto à família – da maior valia que as mães em especial se aproximassem mais dos filhos. Que as mães que têm jornada de trabalho fora, que não precisam deste rendimento extra – na verdade um dos maiores elementos desagregadores da família – voltem para o cuidado exclusivo de seus pequenos. Deus cobrará caro, cada um deles! Se um filho pega Purgatório por causa da mãe relapsa, ela pagará depois em dobro! Está dito: mãe que perde um filho por culpa própria, não se salva também! E terá o pior dos infernos!
 
    O Pai nunca pedirá contas de uma mãe que não pode dar grande conforto material aos filhos, mas se cuidou mal das almas deles sim! Nada deste mundo interessa ao Céu! Os pais têm conjuntamente e unicamente a missão de levar seus filhos para Deus. Mas as mães serão especialmente cobradas se não cumprirem com a missão de salvar as almas de seus filhos e de toda a família. E como poderá uma mãe distante do lar, pensar nas almas dos filhos? E como ficarão as mães em seus empregos, se longe dos filhos, à medida que o mundo se conturbar mais e mais?
 
     Na verdade, quando a mãe se distancia de seus rebentos, o demônio toma seu lugar, em especial pela televisão e pelas más companhias os ensinam para o mal. Se a mãe se afasta, o mundo os cria para si! Também quando a mãe põe seus filhos na creche, quem passa a cuidar deles é o governo, que nunca pensa em almas e sim no afastamento de Deus. Se nem as babás especiais podem substituir as mães, como tomarão este lugar, estas serventes despreparadas, elas também cheias de problemas? Então elas irão descarregar suas tensões sobre os vossos filhos, jamais os aproximar de Deus. É a mãe que deve ocupar todos os espaços na vida de seus filhos, tendo sempre em mente esta missão especial das almas deles. O resto, qualquer um sabe que terminará um dia!
 
     E terminará em breve, porque não temos muito tempo. Todas as árvores serão testadas nos vendavais futuros. Os frutos já amarelecidos de árvores murchas, todos eles cairão com certeza e longe do pé ficarão a mercê das ondas: são as famílias desunidas e sem vida de oração e sacramentos. Mas as árvores verdes, bem enraizadas, aquelas de frutos perfeitos e sadios na fé, estas podem ser abaladas e remexidas, mas com as raízes firmes em Deus jamais serão separadas de seus frutos. E assim a família poderá se salvar inteira, basta que se mantenha cheia da seiva de Deus, pela via dos sacramentos. Ou seja, Deus terá ali uma farta colheita! Nas árvores más, a colheita é do maligno! Porque seus frutos são podres!
 
    Por isso é dito: o machado já está posto à raiz: toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada fora, diz a palavra Eterna. Toda família que não pensar doravante na salvação das almas como prioridade, será varrida da face da terra, ela e os seus. E assim as famílias e também cada um individualmente. Sua alma é seu tesouro infinito: sem ela nem a vida na terra teria sentido, e perde-la para sempre seria a infinita desgraça. Não faça isso! Esqueça todo este mundo com suas confusões, e pense apenas em como se salvar eternamente e como salvar os seus. Não só pense, aja rapidamente!
 
     Pensemos apenas em nossas almas, e na salvação eterna. O tempo urge e é curto. Há ainda muito que fazer, e milhares de almas entram ainda diariamente no purgatório, devido a que em vida nunca se preocuparam com a eternidade de suas almas. Elas deram tão pouco valor para elas, que preferiram atira-las no fo
go, onde sofrem dores inauditas. Dor do descaso, do esquecimento, da pouca importância com a vida eterna. Do pouco Deus em suas vidas e muito deste mundo podre. Não vá querer você também passar por este sofrimento.
 
     Agora é fácil, agora é tempo, ainda dá tempo! Lembre dos operários da vinha: os últimos também receberam o salário integral. Nunca é tarde! Deus ainda nos dá tempo de conversão: desperdiçar este tempo com as coisas do mundo seria a prova suprema de insensatez! Deus tem paciência, mas “esgota-se a paciência infinita”. Tudo leva a crer que não teremos muitos anos mais de “paciência”, de espera de Deus pela nossa conversão incondicional. Ai de quem estiver vivo quando esta paciência infinita se esgotar!
 
     Mais uma coisa importante: Todos aqueles que agora rezam pelas almas, que buscam a própria conversão e dos seus, estão como que formando um grande escudo protetor que os guardará na Grande Tribulação. Naquele tempo, as almas e os anjos formarão ao redor das pessoas como que um escudo que os livrará do mal. Então, mesmo os que tiverem de morrer pela fé, não terão medo, nem sentirão dor. Os que forem arrebatados, também não sentirão medo, nem fadiga, nem sono, nem fome, nem sede, porque estarão completamente imbuídos do Espírito de Deus. Mas para isso, é preciso se preparar desde já! Isso só se adquire por uma livre, tenaz e decida opção incondicional por Deus.
 
     Enfim, “como de nossa pregação recebestes o Senhor Jesus Cristo vivei nele, enraizados e edificados Nele, inabaláveis na fé em que fostes instruídos e transbordantes de gratidão” (Col 2,6). Além disso irmãos, tudo aquilo que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamentos (Fl 4,8). Em suma: ocupar todos os espaços de sua vida com Deus: aí não haverá sobras para o inimigo!
 
Almas, almas, almas! Tenham somente elas diante de seus olhos!
Só elas contam para Deus!
E Jesus está vindo para a colheita!
Como está a sua?
 
Arnaldo
 
 
 




 

 

 

 
 
 

Artigo Visto: 1737 - Impresso: 41 - Enviado: 18

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 728 - Total Visitas Únicas: 3.178.071 Usuários online: 73