Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
28/06/2006
Histórias de Maria (9)
 
Maria - 19 Histórias de Maria (9)
Maria - 19 Histórias de Maria (9)

COMO MARIA SANTÍSSIMA É BOA!
FREI CANCIO BERRI C. F. M.
EDITORA  VOZES – 22/07/1954
 
Parte 9 (Última parte do livro. Leiam também as outras partes nesse site, com muitas histórias de Maria)
 
94 – DIVERSA A SORTE DE DOIS MORIBUNDOS
 
Um Sacerdote assistia aos derradeiros momentos de certo homem rico que morria em seu palacete. Ao redor do leito havia servos, parentes e amigos. O moribundo via-se cercado por demônios em forma de cães que ali estavam para buscar-lhe a alma.
Conseguiram seu intento, pois o ricaço não quis saber de confissão, morrendo no pecado.
Nesse ínterim vieram chamar o mesmo Padre a fim de atender uma pobre que estava também a expiar e desejava receber os últimos sacramentos.
Chegando à cabana da boa enferma, não viu servos, nem visitas graúdas, nem mobília luxuosa. A moribunda estava deitada sobre um punhado de palha. Porém, que viu mais? O casebre todo cheio de luz celestial. Junto da doente estava Nossa Senhora, consolando-a e, com um lenço, enxugando-lhe o suor da morte.
O ministro de Deus vendo a Maria, não teve ânimo de adiantar-se. No entanto, a Virgem chamou-o com aceno. Entrou, e a própria Mãe de Deus deu-lhe um banco para que se sentasse e ouvisse a confissão de sua dedicada serva e grande devota.
A pobrezinha fez excelente confissão. E depois de ter comungado com terna devoção, entregou a alma feliz ao cuidado da Virgem Imaculada.
Que diferença entre a morte de um que nunca se incomodou com Nossa Senhora, e com aquela que sempre amou sua Mãe Celestial!
 
 
95 – EM NOSSAS DÚVIDAS CONSULTEMOS A VIRGEM SANTÍSSIMA
 
Aos 15 anos, Pedro Chanel estudava latim com o Vigário. Desanimou por não alcançar o resultado almejado nos estudos. Um dia fugiu sem dizer nada. Apenas na rua, deu de rosto com uma senhora, muito conhecida pelas suas boas obras e sua devoção a Maria.
-          Então, Pedro! Aonde vais assim com teus livros?
-          Vou-me embora; não agüento mais os estudos.
-          Mas, nem sequer pediste conselho a Maria Santíssima?
Pedro corou, envergonhado, e nada respondeu.
-          Pois bem, Pedro, disse-lhe a senhora, vai à igreja; com ardor e confiança pede conselho a Maria.
O moço obedeceu e, em breve, voltou alegre à casa do Pároco com a vontade de vencer ou morrer.
Vinte anos depois, pensando nisso dizia:
-          Realmente, não sei o que tinha na cabeça; creio que nela se alojara o demônio; estava prestes a cair em sua armadilha. Vivia numa espécie de agonia. E se recobrei o ânimo, sossego e coragem, devo-o a Maria Santíssima.
Nossa Senhora não deixou a sua obra incompleta. Obteve para seu protegido, não só a perseverança e a graça de ficar sacerdote, senão também a glória preciosa de ser mártir.
Pedro Chanel foi enviado para as missões da Polinésia, onde, depois de alguns anos de apostolado frutuoso, teve a felicidade de ser o primeiro mártir da Oceania. A Igreja já o declarou bem-aventurado, e neste ano de 1954, a 12 de Junho (esse livro foi lançado em 1954) Pio XII o canonizou.
Tornou-se santo, e venceu todas as dificuldades porque recorreu à Mãe de Deus.
 
 
96 – MARIA, RAINHA DAS INTELIGÊNCIAS
 
Na idade de 16 anos Alberto Magno entrou para a ordem de S. Domingos. Tinha pouquíssimo talento e memória pesada. Não progredia nos estudos. Apoderou-se dele o desânimo a tal ponto que resolveu largar os estudos e abandonar a vida religiosa.
Com estas idéias funestas, Alberto preparava-se para fugir de noite, quando lhe parece ouvir alguém que lhe dizia que recorresse a Nossa Senhora e que tudo se lhe tornaria fácil. A Mãe de Deus acolheu-o com bondade e lhe promete
u que aprenderia tudo com a maior facilidade.
E isso sucedeu, pois tudo o que ouvia ou lia, gravava-se na memória. Se encontrava, por acaso, qualquer estorvo, voltava-se novamente para a Virgem Imaculada. Assim é que se tornou grande Santo e um dos maiores sábios do mundo.
 
                    *          *          *
Coisa semelhante deu-se com o célebre Padre Antônio Vieira. Quando ainda jovem estudante, faltava-lhe todo o talento para o estudo. Estava para largar a carreira religiosa, quando um dia aos pés da Virgem, sentiu um estalo na cabeça. E desde então tudo se lhe tornou fácil. Ficou Padre, ilustre missionário, preclaro escritor e um dos maiores pregadores do mundo.
 
 
97 – MARIA A ABENÇOADA
 
Na vida de S. Domingos lê-se que viu várias a Nossa Senhora, falou com ela como um bom filho conversa com sua mãe carinhosa.
O Santo, certa noite, passando pelo dormitório onde dormiam os religiosos, via a Mãe de Deus, andando de cama em cama e lançando sua benção a todos com exceção de um. Estranhando o fato, humildemente S. Domingos dirigiu-se à Virgem Imaculada e perguntou-lhe o motivo. Ao que ela logo respondeu:
-          Este religioso está deitado sem modéstia.
 
                    *          *          *
Felizes são os que se deitam com o pensamento em Deus e procuram adormecer, rezando o seu terço ou outras orações.
Há pequenos e grandes que se queixam não pegar logo no sono. Que se acostumem a rezar na cama, e o sono virá logo. E se, por acaso, a morte os surpreender, encontra-los-á em ótima situação.
 
 
98 – QUANTO EU DESEJAVA TER MÃE!
 
Certo dia, refere um Padre duma paróquia dos subúrbios de Paris, notei que uma criança desconhecida se introduzira entre os meninos da doutrina. Essa figura pálida e magra, que se sentara na ponta do último banco, não me era de todo desconhecida. Recordei-me que era o filho de um homem mau e anticlerical. Não queria saber de Padre nem de igreja. O pequeno parecia desorientado naquele lugar santo. Pois olhava para todos os lados e mostrava-se embaraçado. Quando acabei a doutrina, cheguei-me aos pés dele e mandei-o levantar-se. Tinha a boina na mão e olhava-me com olhos tristes e muito abertos. O vestuário era bom, mas descuidado; pois aí se adivinhava que a mãe não lhe pusera as mãos.
-          Tu já andas à escola? Já ouvistes falar de Deus?
Silêncio, e um gesto vago e indiferente.
-          E de Nossa Senhora?
O pequeno levantou o rosto que se animou, de repente.
-          Ouvi, sim, respondeu de mansinho. Ouvi dizer que os meninos do catecismo têm mãe, que é Nossa Senhora. Foi por isso que vim.
E as lágrimas rolaram-lhe pela face quando acrescentou:
-          Quanto eu desejava ter mãe!
Essa exclamação enterneceu-me.
-          Anda cá, vou levar-te a tua mãe.
Lançou-me um olhar profundo. E eu continuei:
-          Aquela vai substituir a tua mãe.
E conduzi-o ao altar da Virgem sempre bela. Quando a criança descobriu a imagem, exclamou com as mãos juntas:
-          Oh! Que linda! E acredita que ela me quer para seu filho? Mas olhe que ela já tem nos braços. Naturalmente não precisa de mim. E, se o senhor soubesse como eu precisava ter uma mãe!...E muito mais depois que estou doente.
-          Está doente, meu filho?!
A criança apontou para o lado esquerdo.
-          Dói-me, aqui, um pouco; não posso jogar nem correr com os outros. Foi por isso que o médico me proibiu de ir à escola. Custa-me muito estar sozinho em casa. Meu pai gosta muito de mim, mas está sempre para fora. Disseram-me os meninos que aqui se encontra uma mãe muito boa que lhes faz tudo; e eu fugi e vim para aqui.
Inquieto, o menino repetia ainda:
-          Julga, então, que ela fará caso de mim?
-          Não tenhas dúvida nenhuma, meu menino; mas é preciso fazeres como os outros meninos que vem cá, e aprenderes também o catecismo.
E dei-lhe um.
-          Obrigado, vou aprende-lo todo.
E aprendeu. Contudo
a doença realizava pouco a pouco a sua obra. Algum tempo depois da primeira comunhão, morreu como um santo, e foi para o Céu ao encontro de sua Mãe.
Como seria triste se não tivéssemos mãe aqui na terra! Mas muito mais triste seria se nos faltasse a Mãe Celestial.
 
 
99 – BONDADE SEMPRE PRONTA
 
Maria Santíssima apresenta-se aos homens de fronte inclinada à terra e de mãos cheias de graça. Ela sempre está olhando para nós, para ver se nos falta algum auxílio, algum favor, algum apoio.
Os habitantes de Valência, na Espanha, veneram uma imagem de Nossa Senhora com o nome de Virgem de los Desamparados. E chamaram-lhe familiarmente la Gobba, isto é, a corcunda, de tal modo a Virgem tomou o costume de se inclinar para os mortais.
(Antigamente era permitido aos condenados a morte fazerem diante dela a sua última oração. Um dia que certo infeliz, antes de ser supliciado, se foi prostrar aos pés, a Senhora deu cinco pancadinhas na redoma de vidro que a envolve. E todos os assistentes reconheceram que o condenado era inocente e foi logo absolvido).
 
                    *          *          *
Em Paris, venera-se igualmente uma imagem de Nossa Senhora com o rosto inclinado para a terra. Conta piedosa tradição que uma mocinha quis pôr-lhe na cabeça uma grinalda de flores. A senhora abaixou-se e assim ficou naquela posição.
 
                    *          *          *
O conhecido exemplo do bom escultor não manifesta também, a seu modo, como Maria Santíssima é boníssima?
Estava ele trabalhando nos andaimes de uma catedral. Inclinou-se muito para trás, perdeu o equilíbrio e caiu. Felizmente, uma imagem de Nossa Senhora de pedra, que se encontrava na passagem, estendeu-lhe os braços e recolheu o descuidado artífice, salvando-o da morte.
 
                    *          *          *
Conta-se que uma piedosa mãe viu seu filho único ser levado prisioneiro e nada pôde fazer para liberta-lo. Recorreu então com toda a confiança. Vendo que o filho não voltava, foi a uma imagem da Mãe de Deus e tirou-lhe o menino Jesus dos braços, com as palavras:
“Meu filho foi roubado e a Senhora não mo quer restituir; pois levo o seu e só devolverei quando o meu tiver vindo”.
E acrescenta a história que Nossa Senhora o melhor que pôde fazer foi ir logo buscar o filho prisioneiro e trazê-lo à mãe.
Nossa Senhora é muito boa e nos alcança tudo de Deus. Devemos ter nela toda confiança.
 
                    *          *          *
Um dia vem lançar-se aos pés do rei David uma mulher de Técua:
-          Ó rei, salva-me!
O monarca pergunta-lhe:
-          Tu que tens?
-          Que tenho? Ah! Infeliz de mim! Sou uma pobre mãe, e tinha dois filhos. Questionaram os dois lá no campo, um bateu no outro e matou-o Toda a família se levanta contra a tua serva, dizendo: Entrega o matador de seu irmão! Há de morrer também, pela vida que tirou ao irmão! Assim, o primeiro morreu; agora querem matar-me o segundo!
Maria argumenta da mesma forma:
“Senhor, eu tinha um primogênito. Seus irmãos mataram-no. Agora, se os meus outros filhos se perdem, que me resta então?”
A sagrada Escritura, falando de David, acrescenta que ele respondeu à mulher de Técua:
“Tão certo como Deus vive, não cairá por terra um só cabelo de teu filho!”
O segundo filho foi entregue à mãe são e salvo.
E Deus haveria de ser menos compassivo que seu servo David?
Logo, tenhamos plena, inabalável confiança em Nossa Senhora agora e sempre.
 
 
100 – MARIA É DISTRIBUIDORA DE TODAS AS GRAÇAS
 
O dono e senhor de todas as graças é Deus Nosso Senhor. Mas depositou essas graças nas mãos de sua Mãe, Maria Santíssima. Ela é que faz a distribuição. Portanto, que quiser favores deve dirigir-se a Nossa Senhora. Todos têm que ser devotos dela se querem salvar-se.
“Ninguém se salva, senão por Vós, ó Mãe de Deus”, exclama S. Germano de Constantinopla. S. Damião a
firmava: “Nenhuma graça desce do Céu à terra sem passar pelas mãos de Maria”. Santo Ambrosio ensina: “Por ela vêm ao mundo todas as graças que o Céu derrama”. S. Bernardino de Sena assegura: “Todas as graças chegam aos homens por três degraus perfeitamente ordenados: Deus comunica-se com Cristo; de Cristo passam por Maria Santíssima; de Maria descem até nós”.
Em 1830 apareceu Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré. O vestido era branco; o manto, da cor do sol nascente. Com o pé esmagava a cabeça da serpente. Estendia os braços e abaixava-os para o mundo. Raios luminosos saíam de suas mãos carregados de anéis e de pedrarias.
“Aqui tens, dizia Nossa Senhora, o símbolo da graça que derramo sobre os que me pedem”. Nas suas mãos havia diamantes sem brilho. Simbolizavam, no dizer da Santa, as graças que por esquecimento não se pedem. Todas as graças nos vêm de Maria, as que pedimos e as que não pedimos.
Só quando o mundo deixar de existir é que a Santíssima Virgem poderá repousar. O Santo Cura de Ars dizia: “Julgo que no fim do mundo a Santíssima Virgem ficará sossegada; mas, enquanto o mundo durar, hão de importuna-la de todos os lados. É como uma mãe que tem muitos filhos; está continuamente a cuidar a uns e outros”.
 
                    *          *          *
Nossa Senhora é boníssima, por isso, afirma Santo Afonso de Ligório, é impossível que um servo de Maria se condene, contanto que sirva fielmente e se recomende a ela. A todos dizia: “Sede devotos de Maria, e ela vos salvará”.
São João Berchmans costumava dizer: “Se amar a Maria, tenho a certeza de perseverar e de obter de Deus aquilo que quiser”.
 
 
QUANDO É QUE SOU DEVOTO DE NOSSA SENHORA?
 
É, sem dúvida, imensa a felicidade daqueles que são verdadeiros devotos da Mãe de Deus. Pois viverão sempre felizes. Receberão todas as graças e bênçãos celestiais. E depois da morte terão o lindo Céu como recompensa.
Vejamos o que faz o devoto de Maria.
1)            Antes de tudo ele procura conhecer bem a vida e as virtudes de sua Mãe. Há de ler livros que falam do poder, da grandeza e da bondade dela.  Não é possível que haja quem não conheça de perto e a fundo o extraordinário prodígio que é a Mãe de Jesus.
2)            O devoto da Virgem Imaculada recorre muitas vezes a ela. Conversa familiarmente com sua Mãe como o bom filho faz com sua mãe terrena. Confia a ela suas mágoas, seus aborrecimentos, suas dúvidas e receios, na certeza sempre de que ela se interessa por ele e o ajude. Nossa Senhora gosta  de que confiemos cegamente nela e que lhe peçamos muitas graças.
3)            O devoto de Maria gosta  de visitá-la nas igrejas e Santuários. Aprecia suas imagens. Faz romarias aos lugares onde atende com mais facilidade e às vezes maravilhosamente.
4)            Aquele que ama a Maria, conhece as principais festas marianas, e se prepara bem para elas com orações especiais, mortificações e novenas.
5)            O devoto da Virgem traz com devoção ao menos uma medalha com sua efíge; inscreve-se em confrarias marianas. Procura receber o escapulário de Nossa Senhora do Carmo e traze-lo com todo fervor.
6)            O devoto da Imaculada agradece não ter sido abandonado, apesar de muitas ingratidões. Agradece os numerosos benefícios obtidos por ela. (Todas as graças, que temos recebido, passaram pelas mãos maternais de Maria).
7)            Gostará de rezar o terço, oração predileta da Rainha do Santo Rosário. Cantará com prazer cânticos marianos e apreciará tudo o que se refere à Mãe Celestial.
8)            Quem ama, de fato, a Maria entregar-se-á totalmente a ela com uma consagração irrevogável. Fará  tudo para agradar-lhe. Alegrar-se-á por sabe-la tão grande, tão poderosa, tão bela e tão feliz. Dirá muitas vezes: “Maria, sou vosso e vosso quero ser sempre!”
9)            O devoto de Maria procurará evitar tudo o que a possa ofender e o que possa ofender seu filho Jesus.
10)        Por fim, e isto é o essencial, o devoto da Virgem procurará imita-la. Procurará copiar suas virtudes; ser semelhante a ela à
medida de suas forças.
Quanto mais agradáveis formos a Maria, tanto mais alegraremos o coração de Nosso Senhor.
Considere-se o verdadeiro devoto da Mãe de Deus muito feliz, depois terá todos os auxílios necessários e abundantes neste mundo e a glória celestial no outro.

 
Obrigado à menina Juliana, ainda criança, que datilografou todo este livro. Que Deus a recompense com muitas graças. Enquanto tantos meninos s meninas se ocupam de jogos e pornografias na internet, ela está ligada nas coisas de Deus.


 
 
 

Artigo Visto: 2301 - Impresso: 44 - Enviado: 20

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 972 - Total Visitas Únicas: 3.406.763 Usuários online: 128