Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
17/10/2013
Remoção dos sacrários
 
Eucaristia - Remoção dos sacrários
17/10/2013 11:56:56

Eucaristia - Remoção dos sacrários


 A REMOÇÃO DOS SACRÁRIOS - Comentários ao final...

"Tiraram o Senhor e não sabemos onde o puseram". (São João 20, 2)
Por Carlos Magno da S. Oliveira
      O Sacrário no centro tem, no espírito tradicional da Sagrada Liturgia, o significado de dar a Nosso Senhor Jesus Cristo o destaque no lugar central. Pode-se considerar esta afirmação como sendo teocêntrica, isto é, que tem Deus como o centro, evidentemente não como centro geométrico. O teocentrismo significa que Deus é reconhecido como sendo a causa e o fim de todas as coisas, e sendo Deus imutável esse centro deve ser fixo e imutável.
      Quando Nossa Senhora e São José foram a Belém, na ocasião do recenseamento, obedecendo ao edito de César, por serem eles pobres, disseram-lhes que não havia lugar para eles na estalagem. Por isso o Menino Jesus teve que nascer fora da cidade, numa cocheira miserável, onde havia um boi e um burro.
      Nosso Senhor Jesus Cristo veio para o que era seu - Israel -- e os seus, os judeus, não O receberam. Ele nasceu numa cocheira, fora da cidade, assim como iria morrer fora da cidade de Jerusalém. Por que "os seus não O receberam" (São João I, 11). "O boi conhecerá o seu dono, e o burro conhecerá o presépio de seu Senhor" profetizou Isaías (Isaías. I, 3). Mas, os seus não o receberam...
      Nasceu numa cocheira símbolo da Igreja. Porque, como explica Hugo de São Victor, na cocheira os animais -- o boi e o burro -- deixam suas sujeiras, e se alimentam no cocho, assim como nós, cristãos, vamos à Igreja, para deixar, no confessionário, nossos pecados, a fim de, depois, irmos nos alimentar com o Pão que desceu dos céus, na mesa da comunhão.
     Mas "os seus não o receberam", e não havia lugar para eles na estalagem". Espantamo-nos com a frieza e a dureza de coração dos habitantes de Belém, que recusavam receber a Virgem Maria e São José, e com a cegueira da Sinagoga, que abria o rolo da profecia e respondia a Herodes: "Sim. É verdade. Estamos na época em que deve nascer o Messias prometido. E Ele vai nascer em Belém, palavra que significa casa do pão". E depois de ler a profecia, a Sinagoga fechava o rolo, e não ia a Belém adorar o Rei dos judeus que nascera. E O recusava, não lhe dando lugar na estalagem.
      A Igreja, durante dois milênios, guardou o Corpo de Cristo, nascido em Belém, no sacrário. Adorou-O santamente, cercando-O de honras devidas ao Redentor, o Filho de Deus feito Homem. Hoje, infelizmente, não há mais lugar para o sacrário de Jesus Cristo nos altares das Igrejas. O sacrário foi relegado para longe do altar. Para fora de Belém.
      Por meio da encíclica Ecclesia de Eucharistia e no Decreto Redemptionis Sacramentum, o Papa João Paulo II mandou que se combatessem os abusos e desrespeitos que se fazem contra a Eucaristia. Entretanto, observamos que nada mudou. Aqueles mesmos que aplaudem o Papa João Paulo II se fazem de surdos, quando ele recomendou algo bom.
      Os argumentos para a retirada dos sacrários são cada vez mais assustadores. Já não se fala mais em completo desconhecimento da realidade do Sacrário, como numa brutal e insanável cegueira que já beira a senilidade. A Loucura completa! Beira a hostilidade contra o Altíssimo!
      Então colocam o sacrário longe, de lado, em capelas isoladas, em cantos escuros, tal como fazem os faxineiros que colocam em depósitos escuros a lata de lixo, a escória do templo. Lá se guardam as vassouras e o pano de chão! Ali também escondem o Sacrário, num último passo para o colocarem na rua.
      Pois diz o Senhor: “porque me rejeitaste, também eu te rejeitarei” (Oséias IV, 6). E como rejeitaram a Deus, cumprem o projeto de satanás. É bem por isso que Nossa Senhora tem alertado o mundo, de que em breve milhares de igrejas se tornarão em pista
s para os demônios.
      O espaço reservado para Deus fica cada vez menor, desde as capelas até os corações. Colocam Nosso Senhor Jesus Cristo em pequenas capelas, porque os corações dos homens estão pequenos, cada vez mais fechados, cada vez mais mortos. E quando retiramos Deus de seu espaço só sobra uma coisa: a energia do vácuo, ou seja, o desprovimento espacial absolutamente vazio...
      Portanto, se no Sacrário o próprio Jesus está verdadeiramente presente em corpo, sangue, alma e divindade, sob as aparências de pão, sendo ele Deus, deve ocupar o lugar de destaque, o centro. “A arca foi introduzida e instalada em seu lugar, no centro do tabernáculo que Davi construíra para ela, e Davi ofereceu holocaustos e sacrifícios pacíficos (II Samuel VI, 17).”
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++
       OBS> Sempre tenho me batido contra este cinismo descarado, ou esta covardia cínica, de expulsar - esta a verdadeira palavra que cabe aqui para este crime - de colocar Jesus em cantos escondidos, sob a alegação pífia de que ali estará melhor guardado. Não estaria ali muito melhor adaptado - se tão escondido - para o cometimento de sacrilégios? Para blasfêmias? Algo que não teriam coragem de fazer se Jesus estivesse na nave principal, no trono mais levado, e aberto para TODOS os seus adoradores, não apenas para poucos e cada vez menos? É no centro que Ele estará mais seguro!
      Como o artigo acima fala, o Decreto de João Paulo II exigia que se combatessem os abusos, os descasos, e que os Sacrários estivessem bem cuidados, zelados ciosamente, porque Deus mesmo habita neles. Mas isso JAMAIS quis dizer, esconder, ocultar do público, colocar em salinhas escuras - embora cheias de poltronas e enfeites - porque este é um comportamento descarado, que avilta a dignidade Daquele que é Rei dos reis e Senhor dos senhores. Mais que isso, que é nosso Deus, Criador e Santificador! Nosso infinito bem!
       Quando entro numa igreja onde o sacrário não está no centro, invariavelmente vem ao meu pensamento uma pergunta que não consigo controlar: onde é que este povo ingrato escondeu o seu Rei feito pária? Quer dizer, rei de quinta categoria, do qual se envergonham, e é como se dissessem: fica aqui neste cantinho escondido seu desqualificado, porque nós temos vergonha de ti! E podem ter certeza de que o Céu entende desta forma, porque simplesmente não existe explicação aceitável, para que o Sacrário não esteja bem guardado, zelado ciosamente, e bem visível na frente de todos, na sala principal. Isso derruba qualquer justificativa diante do Pai Eterno!
       Muitos filmes assisti, sobre os reis antigos, quando recebiam seus súditos. Eles os recebiam na sala principal, onde estava seu trono tantas vezes de ouro. Então as pessoas chegavam, eram obrigadas a se ajoelhar sem levantar a cabeça, e somente depois que o rei acenava com seu cetro elas podiam erguer a cabeça e fazer suas petições ou apresentar seus problemas. Está certo que hoje, infelizmente, a imensa maioria dos católicos, quando entra na Igreja, o faz sem qualquer respeito, sem uma genuflexão profunda, sem um coração contrito e humilde, no que trata Deus exatamente como um qualquer, um depreciado, e menos ainda que isso.
       Entretanto, se agem assim é porque não foram bem catequisados. Paróquias onde o sacerdote não pugna por este respeito a Jesus nosso Deus, não zela ardentemente pelo Sacrário, por Jesus a Eucaristia Viva, que não alerta para os desrespeitos, os sacrilégios, a falta de zelo, a falta de amor e de adoração que é devida a Jesus, Sacramento do Amor, pode ter certeza de que este sacerdote pagará duramente na hora da justiça. E pagarão sim, também, todos os que agem com desrespeito, porque ainda que o sacerdote seja relapso ou não zeloso, a nenhum católico batizado, especialmente após à
primeira Comunhão é dado ignorar que ali esteja nosso Deus e Senhor, Vivo e Real.
        E assim, fruto da má teologia - por obra da ação furibunda de satanás que odeia a Eucaristia - vão caindo todos os Sacrários da terra. O primeiro passo é dado pelo desrespeito generalizado, o segundo é dado com a expulsão do nosso Deus dos tabernáculos onde habitou por milênios e deposto agora em salinhas diminutas, o terceiro virá com a derrubada total, com o esvaziamento do Sacrário, quando será duramente atacado, conspurcado e espezinhado, por obra de facínoras. O quarto vem dos bilhões de sacrilégios cometidos pelos que vão receber Jesus em estado de falta grave.
       O quinto passo, e decisivo, prova da mais aberrante rebeldia, será entronizar o homem na nave principal, guardando este espaço para a reunião de todos os credos, muito ecumenicamente confraternizados "num só rebanho", quando aceitarão Lúcifer por pastor, disso todos podem ter certeza absoluta. A Abominação Desoladora de que falou o profeta Daniel, e que Jesus lembrou em Mateus 24 está chegando, e já se entroniza no lugar santo, dando assim seu último grito de rebeldia: fora Deus!
       Incompreensível, para qualquer pessoa de sensibilidade mínima, de noção e formação católica mínima quanto a importância da presença de Jesus Eucaristia em nosso meio, que construamos um templo magnífico, tantos ricamente adornados, com uma sala imensa que possa congregar o máximo de adoradores, e que O coloquemos numa salinha diminuta, sob o pretexto de que estará ali melhor guardado. Volto a afirmar, nestas salas pequenas, escondidas, Ele estará mais sujeito a profanações e blasfêmias, a sacrilégios e conspurcações, muito mais do que se estivesse na nave principal, e a vista de todos.
      Nalgumas cidades, está se construindo capelas separadas, onde então guardam o seu Deus feito pária. Uma capelinha diminuta para o Rei sem poder, um templo magnífico para o homem, que agora se faz deus e toma o lugar de Deus, fazendo a este de ridículo, de um Deus sem poder, um Deus nanico, que agora posto de lado estará proibido de meter-se na vida do homem, ele agora o centro e no centro. Digamos que seria como os reis de alguns países, que mantém cortes e outros dispêndios, mas que não mandam nada, não ditam mais leis e sim os primeiros ministros com as casas legislativas, como na Espanha e Suécia. Reis sem poder, apenas para ostentação! Deus, Jesus sem poder, apenas um nome! Para dizerem que ainda se trata de uma religião, quando já virou seita!
       Como já temos escrito tantas vezes, baseados nas mensagens aos profetas do nosso tempo, na medida em que os Sacrários estão sendo postos de lado, também as naves principais se tornam em pistas para demônios. Tirando também as imagens dos santos, porão na rua os nossos guardiões e defensores, abrindo largos espaços para as manobras e danças sarcásticas dos demônios. Em vista disso, cada localidade, cada cidade ou vila, cada Diocese ou Paróquia, passará a sentir os efeitos do mal, da doença, dos acidentes, dos crimes, das mortes súbitas, da fúria da natureza e da juventude sendo recolhida por Deus, para não participar dos escândalos desta geração insensata e insensível.
       Há em tudo uma simbologia e uma simbiose. Nós estamos intimamente ligados em Deus e Jesus nos prometeu estar conosco, todos os dias, até a consumação dos séculos. Mas Ele estará sempre, e somente, com aqueles que O amam, O respeitam, O adoram, jamais com aqueles que O desprezam, O minimizam, e O expulsam do seu meio. Chego a prever - sinto isso fortemente em meu coração - que quando tiver terminado o tempo da Justiça, quando tiver cessado a ira divina contra os que assim agem, não restará de pé nem um só templo, capela ou Catedral, por rica que seja, por grande que seja, mesmo que plantada sobre a mais dura rocha. Tudo será arrasado! Virará pó!
   
;    Eis que o veredicto já foi dado: Porque Me rejeitaram, também Eu os rejeitarei! Óbvio que JAMAIS o demônio e seus soldados aqui na terra - os que expulsam os Sacrários para laterais, por covardia, por medo, porque os outros fizeram e eu tenho vergonha de ser diferente - haverão de extirpar a Eucaristia da face da terra. Se expulsarem Jesus das igrejas, Ele irá habitar em casas de famílias de adoradores, que por Ele zelarão e darão até suas vidas. E podem ter certeza plena, nenhuma destas casas escolhidas, nenhuma destas famílias guardiães, terá sua casa destruída, nem a família separada, ainda que ocorram mil terremotos e furacões, ainda que lhes joguem bombas. Deus estará ali, Escudo Vital! Poder infinito!
       Como tantas vezes temos daqui alertado, a grande batalha do inferno é contra Jesus Eucaristia, Deus Vivo em nosso meio. O demônio sabe que Jesus é nosso escudo, nossa fortaleza, nossa força maior de expiação, e assim, quanto menos Eucaristia na terra, mais força e poder ele adquire, quanto mais Eucaristia, mais o inimigo perde terreno. A luta é titânica é de gigantes, e todos nós somos chamados a sair em defesa de Jesus, até porque Dele depende nossa vida aqui, e nosso direito de habitar na Nova Terra!
      Como são muito poucos os verdadeiros adoradores, infelizmente o mundo, por um tempo - não muito desgastante - ficará quase sem a Eucaristia, porque se trama uma ceia ecumênica, para substituir o Sacrifício da Santa Missa, e ali não estará mais Jesus. Neste tempo, parecerá que todas as forças do abismo desabaram sobre o planeta, entretanto, um sopro vindo de Deus acabará por virar o jogo a nosso favor. Isso está predito  nas Sagradas Escrituras, e acontecerá!  E quando terminar, não restará vivo nenhum algoz de Jesus Eucaristia! Nem um só! Só restarão os filhos do Pai, os irmãos de Jesus... Que estará vivo, real, em corpo humano e visível, em nosso meio! Com Maria! Sim, somente quem estiver com Jesus Eucaristia!
      Porque está escrito: Ele estará no seu meio, e os servirá! E mais: estando eles ainda falando, e já serão atendidos! Então terá desaparecido da terra, toda a raça dos ímpios, dos infiéis, dos amigos do pecado e dos seguidores das trevas, eles e seus filhos, seus ramos e sua semente, sua linha de sangue rebelde, todos e tudo, sem deixar vestígio nem memória. Porque também está escrito: das coisas passadas não terão mais lembrança, e nunca mais tornarão ao pensamento! Quem viver, verá! E só viverá quem tiver a Eucaristia! (Aarão)



 
 
 

Artigo Visto: 1987 - Impresso: 29 - Enviado: 14

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 972 - Total Visitas Únicas: 3.406.763 Usuários online: 127