Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
09/12/2015
Católicos se revoltam
Pedido para Francisco mudar de rumo ou demitir-se cargo de sucessor de São Pedro!
 

CATÓLICOS SE REVOLTAM

Começa o Ano da Misericórdia. Pedido para Francisco mudar de rumo ou demitir-se cargo de sucessor de São Pedro. (Tradução do espanhol pelo google) Muito importante que todos leiam e meditem!

Original em inglês > http://remnantnewspaper.com/web/index.php/articles/item/2198-the-year-of-mercy-begins (Ao final deste artigo em inglês as pessoas podem também assinar a petição) Tradução do original em Inglês por>  J.E.F., Enrique Treviño, Cecilia González-Paredes, Rocío Salas, José Antonio Gutiérrez, Tina Scislow

Em espanhol > http://remnantnewspaper.com/web/index.php/articles/item/2198-the-year-of-mercy-begins

08 de dezembro de 2015 - Festa da Imaculada Conceição.

Carta de alguns católicos revoltados, dirigida ao Bispo de Roma:

Santidade: Celestino V (reinou em 1294) e reconheceu uma falha na sua escolha, pois tinha sido eleito de uma forma muito inesperada sendo ele o eremita Pietro da Morrone, e percebendo o grave dano que ele estava fazendo para a igreja com seu governo inepto, abdicou depois de um reinado de apenas cinco meses. Clemente V canonizou ele em 1313. Para que não se duvidasse da validade de tal ato papal tão incomum, Bonifácio VIII, confirmou à perpetuidade (ad perpetuam rei memoriam) que "o Romano Pontífice é livre para abdicar do cargo."

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

Cada vez mais, os católicos, incluindo muitos bispos e cardeais, estão conscientes de que o seu pontificado, também o resultado de sua escolha inesperada, está causando sérios danos à Igreja. Você não pode mais negar que não têm a capacidade ou a vontade de que seu predecessor, apontada como razão, instando que cada sacerdote deve atuar "constantemente ligado a si mesmo e à Igreja à obediência à Palavra de Deus, frente a todos os intentos de adaptação e modificação, bem como contra todo o oportunismo".

Pelo contrário, como pode ser visto nos fatos de que exporemos a seguir, Vossa Santidade deu inúmeras indicações de ter uma hostilidade alarmante contra a doutrina, a disciplina e a prática tradicional da Igreja e contra os fiéis sem defendê-los, enquanto tem manifestando preocupação exclusiva com as questões sociais e políticas, que não são da responsabilidade do Romano Pontífice. Como resultado, os inimigos da Igreja constantemente se alegram com seu pontificado, exaltando-o acima até dos seus antecessores. Esta situação muito clara é sem precedentes na história da Igreja.

No ano passado, falando sobre a abdicação de Bento XVI, Vossa Santidade disse que faria o mesmo se sentisse incapaz de realizar os seus deveres. No primeiro aniversário da abdicação de Bento XVI pediu aos fiéis para acompanhá-lo em suas orações para o Papa Bento XVI, "um homem de grande coragem e humildade."

Com grande preocupação, e sob o olhar d'Aquele que nos julgará no último dia, sobre estes assuntos humilde e respeitosamente pedimos para Vossa Santidade mudar de rumo para o bem da Igreja e das almas. Se isso não for possível, não seria preferível que Vossa Santidade renuncie à Cátedra de São Pedro evitando produzir uma catástrofe na integridade da Igreja?

Nós fazemos nossas as próprias palavras de Santa Catarina de Siena, Doutora da Igreja, em sua famosa carta a Gregório XI, pedindo-lhe mudar para o bem a direção da Igreja, em uma de suas maiores crises: "Deus concedeu autoridade e você assumiu. Portanto, você deve usar a sua força e autoridade. E se você não está disposto a usá-los, é melhor que você abandone a posição que assumiu... "

Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por nós!

Assinam esta petição > Vossos súditos em Cristo: Christopher A. Ferrara - Michael J. Matt - Dr. John Rao - Professor Brian McCall - Elizabeth Yore - Timothy J. Cullen - Chris Jackson - Michael Lofton - Father Celatus - Connie Bagnoli - Susan - Claire Potts - Robert Siscoe - John Salza, Esq. - Vincent Chiarello

 DAS ALEGAÇÕES:

Vosso predecessor Bento XVI, quando se sentou pela primeira vez na cadeira de Pedro, lembrou os católicos de que "o Papa não é um soberano absoluto, cujo pensamento e vontade são a lei. Pelo contrário: o ministério do Papa é a garantia da obediência a Cristo e Sua Palavra". Então Bento XVI disse: "Um papa não deve proclamar suas próprias ideias, mas estar sempre ligado à Igreja e em obediência à Palavra de Deus, contra todas as tentativas de adaptação e modificação, bem como contra o oportunismo".

O curso que tem seguido até agora seu pontificado nos obriga a declarar publicamente que, a respeito da natureza do ministério petrino, você o tem abusado como nunca antes visto. Por meio deste instrumento, nós apresentamos a Vossa Santidade as principais preocupações que foram levantadas por nós, devido o alarme, em todos os níveis da Igreja, que motivaram esta apelação.

Em primeiro lugar, em vez de ensinar em cada oportunidade a Doutrina da Igreja sobre a Palavra de Deus, Sua Santidade tem incessantemente proclamado suas próprias ideias em homilias, conferências de imprensa,  em seus comentários improvisadas, em entrevistas para a imprensa, e em diversos discursos e interpretações extravagantes sobre as Escrituras.

Essas ideias, do meramente perturbador para o claramente bem pouco ortodoxo, estão bem representadas em seu manifesto pessoal Evangelii Gaudium, documento que contém várias declarações surpreendentes que nunca se atreveu a expressar qualquer outro pontífice. Entre outros, o seu sonho de "transformar tudo, para as alfândegas, estilos, horários, linguagem e toda estrutura eclesial para se tornar um canal adequado para a evangelização do mundo de hoje, em vez da autopreservação." É incrível que um pontífice levante uma oposição inexistente entre a autopreservação da Santa Igreja Católica Romana e a sua missão no mundo.

Em segundo lugar. Em vez se manter fiel à Igreja e à obediência à palavra de Deus, você tem menosprezado repetidamente as tradições apostólicas e eclesiásticas e os fiéis que as defendem. Aqui a Evangelii Gaudium resume suas ideias: "Mais do que o medo de perder o caminho, eu tenho esperança que nós encontrarmos motivação no medo de ser preso dentro de estruturas que nos dão uma falsa sensação de segurança, dentro dos padrões que nós fazem juízes austeros, de maneiras em que nos sentimos seguros enquanto em nossa porta há pessoas morrendo de fome e Jesus não se cansa de nos dizendo: "Dê-lhes algo para comer" (Mc 6, 37) ".

Trata-se de um catolicismo cambaleante na visão de um pontífice romano denegrindo a constituição, a doutrina e os costumes da Igreja referindo-se a eles como "estruturas", "normas" e "costumes" que roubam o povo de seu sustento espiritual não pensando naqueles que passam fome à sua porta. Você se atreve a referir-se, assim, quanto à Igreja, que construiu e transformou civilizações inteiras, educou inúmeros santos que estabeleceram ordens religiosas, com as vocações sacerdotais e religiosas, institutos de caridade voltados para a salvação das almas, numa caridade incomparável.

Além disso, você tem insultado tantas vezes os fiéis por defenderem as Tradições da Igreja, que um observador compilou num "Pequeno Livro de insultos", que contém muitos exemplos do abuso sem precedentes de um Papa aos seus súditos. Entre os epítetos lançados aos católicos devotos de uma maneira imprudente, você alega que somos "fundamentalistas", "fariseus", "pelagianos", "triunfalistas", "agnósticos", "nostalgicos", "cristãos superficiais", "bando dos eleitos", "pavões", "moralistas por ninharias", "uniformitarianos", "orgulhosos e auto-suficientes", "aristocratas do intelectualismo", "cristãos morcegos que preferem as trevas à luz da presença do Senhor", etc.

No entanto, nem uma só palavra áspera você tem dado contra os inimigos declarados da doutrina da fé, ou degenerados sexuais que infestam a hierarquia católica. Pelo contrário, você declara, "Quem sou eu para julgar?" Como a relação das "pessoas homossexuais" dentro do sacerdócio. Em particular, você nomeou um clérigo homossexual para dirigir sua casa, e isso não parece repugnante a sua pessoa. Você permitiu audiências difundidas pela mídia, com predadores sexuais, incluindo os transexuais e os homossexuais organizando pessoalmente estas reuniões, por telefone. Você reabilitou e até mesmo recompensou com encargos prestigiados teólogos da libertação, que tinham sido silenciados e suspensos por seus dois antecessores anteriores, também a promotores da homossexualidade e bispos que encobriram os crimes sexuais de padres homossexuais.

A Evangelii Gaudium resume perfeitamente um desprezo - sem precedentes nos anais do papado - que você guarda para os defensores da doutrina e integridade litúrgica. Você escarnece como se isso fosse "uma preocupação ostentosa pela liturgia, a doutrina e o prestígio da Igreja", e de forma temerária tem acusado os católicos que têm uma visão tradicional da "falta de interesse que os evangelhos têm num impacto entre os que são fiéis a Deus e as necessidades concretas dos nossos dias"; e cruelmente e injustificadamente os caricaturiza como pessoas que reduziram Igreja a "uma peça de museu ou um objeto de propriedade de uns poucos."

Um momento que indica o estado de espírito depreciativo de Sua Santidade em relação a esta questão é a humilhação ao menino acólito, que já foi divulgada a comemorada em todo o mundo e na Internet como pode ser visto em: https://www.youtube.com/watch?v=2QgP0YaOLT4&feature=youtu.be&t=25

Enquanto o menino estava postado, com as mãos unidas em oração, na entrada das Grutas Vaticanas, que você visitou na época, você separou-lhe as mãos insultando-o com as palavras: "Você tem as mãos coladas? Você parece estar preso!". Para seu crédito, o jovem logo voltou a juntar as mãos imediatamente, demonstrando o comportamento apropriado para a dignidade da ocasião, e em obediência a uma formação espiritual completa. Perguntamo-nos, porém, que efeito terá esta humilhação pública, já que fica permanentemente acessível a todo o mundo, sobre a vida espiritual daqueles que tem uma mente sensível?

Quiçá o mais injurioso dos insultos de sua santidade aos fiéis aparece na Evangelii Gaudium, onde você denuncia os tradicionalistas católicos de “ensimesmamento prometeico neo-pelagiano”. Supondo que você esteja bom da cabeça, você declara que estes católicos “se sentem superiores em relação ao seu próximo porque seguem certas normas e se manifestam fiéis a um estilo católico particular voltado para o passado”, como se nossa religião fosse questão de estilos que passam como as modas das roupas. Você chega ao extremo de ridicularizar “uma suposta solidez de doutrina e disciplina”, classificando-a como “narcisista, de um elitismo autoritário, que em vez de evangelizar se dedica a analisar e a classificar aos demais”.

Por uma questão de verdade e justiça, Santo Padre, temos de dizer que parece que você mesmo é que tem passado um tempo considerável para analisar, categorizar e, certamente, tempo para julgar os outros, aqueles que, para a maior consternação e vergonha dos seus súditos, eles nunca terem testemunhado tal comportamento em um pontífice romano. E esse comportamento não parece chegar a termo algum.

Recentemente, numa intervenção sua numa conferência para a formação sacerdotal, você disse que, para grande alegria dos presentes, "tenho medo de sacerdotes inflexíveis... Eu não chego perto deles. Eu acho que mordem!" O objetivo disso é a zombaria retórica que visa humilhar e marginalizar aqueles sacerdotes que ainda têm a coragem de defender os ensinamentos impopulares da Igreja, sem compromisso, para com um mundo em guerra contra Deus e Sua Lei? Não é de todo surpreendente que a mídia enaltece o seu pontificado!

Há mais do que palavras, Santo Padre, uma vez que você tem dirigido sua perseguição aberta contra as ordens religiosas dedicadas a restaurar a ortodoxia, a piedade e a sobriedade, a vida interior e a tradição litúrgica isso quando o seu antecessor, descreveu isso como "calamidades "e" sofrimentos "que a Igreja tem passado em nome do Concílio Vaticano II, incluindo" os seminários fechados, conventos fechados, e a banalização da liturgia... ".

Sob suas ordens específicas os florescentes Frades Franciscanos da Imaculada foram destruídos porque o seu comissário apostólico (que mais tarde morreu de um acidente vascular cerebral) descreveu como "definitivamente uma volta tradicionalista". Além disso, as Irmãs da Imaculada, filiadas a essa ordem, foram colocados sob um comissário apostólico por alegados "desvios" que consistem em uma formação "pré-conciliar"; em outras palavras, uma liturgia tradicional, uma vida conventual tradicional, como se essas coisas sagradas fossem uma doença a ser erradicada da Igreja. Estas são ações típicas de um ditador motivado por uma ideologia, não por um guardião paternal do patrimônio sagrado da Igreja.

E, no entanto, após um ano de investigação do processo disciplinar iniciado pelo Papa Bento XVI, o Conselho Religioso (LCWR por sua sigla em Inglês), sob a sua supervisão, tem sido encoberto e dispensado, apesar de seu apoio ao aborto, à eutanásia e o "casamento gay" e sua notória promoção, pelo que o Cardeal Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, descreveu como "erros fundamentais sobre a onipotência divina, a Encarnação de Jesus Cristo, a realidade do pecado original a necessidade da salvação e da natureza final da ação salvífica de Cristo no Mistério Pascal".

Terceiro. Ao persistir com seu desprezo programático da doutrina tradicional e disciplina da Igreja e daqueles que a defendem, você presidiu e controlou o "Sínodo sobre a Família", que se tornou um esforço sustentado para diluir ou ajustar o magistério infalível a Igreja sobre o casamento, a procriação e a sexualidade, a fim de acomodar o espírito rebelde destes tempos de imoralidade, que tem sido promovido em toda a nossa civilização pós-cristã.

Em nome da "misericórdia" - os prelados progressistas que dominam seu círculo de conselheiros, incluindo o infame Cardeal Kasper, cujas opiniões têm sido promovidas desde o início de seu pontificado - agora se proclama uma falsa escolha entre a doutrina e a intrinsecamente relacionada prática pastoral, como se a Igreja pudesse impedir comportamentos imorais como um princípio, e dar apoio a pratica da mesma. Como disse um cardeal proeminente: esta "é uma forma de heresia, uma patologia esquizofrênica perigosa." No entanto, isso se tornou o tema de seu pontificado, uma vez que invoca a "misericórdia" incessantemente contra as leis morais da Igreja, enquanto degrada-as como "regras de mentes pequenas", "barreiras", "portas fechadas" e "casuísticas".

Os progressistas que você pessoalmente nomeou para a Secretaria do Sínodo e o comitê de redação, além dos 45 progressistas adicionados aos membros votantes, incluindo ali o cardeal Kasper, se uniram para atacar a indissolubilidade do matrimônio através da promoção de admissão "caso a caso de divorciados e casados de novo" à Sagrada Comunhão. Isto significaria a derrubada da antiga disciplina sacramental da Igreja, enraizada nas palavras de nosso Senhor: Quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério... (Lc 16, 18)".

Esta disciplina foi reafirmada por Bento XVI e pelo Papa João Paulo II frente os desafios do ensino dos católicos dissidentes, sendo justamente o Cardeal Kasper um dos mais importantes entre eles. Obviamente, você quer abandonar a disciplina, como já o fez quando era arcebispo de Buenos Aires e fez agora como papa, quando chamou pessoalmente por telefone uma mulher na Argentina, que se casara em uma cerimônia civil com um homem divorciado, para dizer a ela que poderia receber a Sagrada Comunhão, embora que o seu pároco "rígido" tenha sido contrário.

Na primeira sessão do sínodo em 2014, em que você, pessoalmente, aprovou e ordenou publicar ao mundo, um "relatório intermédio", antes que os Padres Sinodais tivessem revisto, e o que nunca foi aprovado por eles, que, na verdade, se tratava de um texto aparentemente escrito antes do sínodo, que não representava o seu verdadeiro consenso, mesmo que remotamente. Este tipo de documento vergonhoso defendeu um "caso a caso" um tratamento voltado para relaxar a disciplina da Igreja em relação ao divorciado que "casaram de novo" e "avaliar" e a "orientação" dos homossexuais.

Um prelado bravo descreveu isso como "uma mancha negra que tem manchado a honra da Sé Apostólica". No entanto, depois de a maioria do Sínodo o ter rejeitado, com base nestes pontos, você denunciou "... os chamados tradicionalistas" de "querer fechar-se dentro da palavra escrita... e não deixarem ser surpreendidos por Deus, pelas surpresas de Deus...". E então você pediu que o mesmo documento fosse distribuído para os bispos do mundo inteiro, juntamente com três parágrafos do relatório final que não receberam a maioria necessária, mas você pediu que fossem incluídos de qualquer maneira, depois de ter "quebrado o livro de regras" num sínodo claramente "manipulado" com vistas a um resultado predeterminado, o que pela graça de Deus não foi alcançado.

Na segunda sessão do sínodo em 2015, você solicitou que todas as deliberações basear-se-iam num Instrumentum laboris tão heterodoxo, que uma coalizão internacional de clérigos e leigos advertiu como uma "ameaça a toda a estrutura da doutrina católica sobre o matrimônio, a família e a sexualidade humana ... ". Quando esse documento foi igualmente rejeitado pela maioria do Sínodo e substituído no último minuto por um documento de compromisso (que cria aberturas para a derrubada da disciplina sacramental da Igreja), você denunciou os "corações fechados, que muitas vezes estão escondidos por trás dos ensinamentos da Igreja ou das boas intenções, a fim de se sentar na cadeira de Moisés e de juiz... casos difíceis ". Ou seja, você condenou os padres sinodais que tinham defendido a disciplina sacramental e imutável da Igreja.

Em sua aparente determinação para acomodar os divorciados "recasados" civilmente, que inexplicavelmente você tem caracterizado como "os pobres", pouco antes do sínodo 2015, você inventou em segredo, e sem consultar qualquer dicastério competente Vaticano, uma repentina e drástica "racionalização" no processo de anulação. Um canonista de renome mundial, que refletiu e comentou sobre o alarme generalizado por esta "reforma" inesperada, descreveu isso estava "fornecendo uma estrada que se parece com a versão católica do divórcio sem culpa." E abertamente ele reconheceu que "não resta dúvida sobre o fato de que um julgamento precipitado poderia pôr em risco o princípio da indissolubilidade do casamento...".

Em quarto lugar. Ao manter sua sugestão assombrosa, rapidamente aclamada pela mídia, de que a Igreja tem sido "obcecada" com "o aborto, o casamento gay e o uso de métodos contraceptivos", em sua própria fiança, você disse que "não tinha falado muito sobre essas coisas, e foi repreendido por isso." No entanto, estas infrações graves ameaçam a própria sobrevivência da nossa civilização naquilo que João Paulo II chamou de "cultura da morte" e "apostasia silenciosa". Enquanto isso, Vossa Santidade tem tido uma opinião muito tagarela em muitas questões políticas, enquanto manteve-se em completo silêncio quando na Irlanda era legalizado o "casamento gay" por referendo popular e quando a Suprema Corte dos Estados Unidos impunha esta abominação para todos os seus cinquenta estados.

Além disso, enquanto o mundo ocidental está a afundar no abismo da depravação e os fanáticos muçulmanos estão massacrando os cristãos em todo o Oriente Médio, na África e até no coração da Europa, você está preocupado é com a "mudança climática". Sua encíclica, com a extensão de um livro sobre uma suposta "crise ecológica", Laudato Si, a única encíclica que você produziu, postula a existência de uma "crise ecológica" e adota de forma acrítica certas reivindicações ideologicamente motivadas, fortemente contestadas pela "ciência da Mudança do Clima", coisas que um Papa não tem absolutamente nenhuma competência para avaliar, muito menos pode apresentar aos fiéis como fatos incontestáveis.

A mesma encíclica lamenta o "aquecimento global" o uso excessivo de ar condicionado, a perda de manguezais, a suposta ameaça para o plâncton e os vermes, a extinção de várias plantas e animais, o que é denunciado por você como uma ofensa a Deus, isso sem mencionar o aborto (embora não completamente deixa de mencionar também a contracepção que é uma prática extremamente antinatural). E quanto ao aborto, a encíclica fala apenas de uma falha "em proteger o embrião humano", quando na realidade o aborto é o brutal assassinato em massa de seres humanos inocentes, destroçando-os membro a membro no útero ou esfaqueando-os com uma tesoura cirúrgica no momento do nascimento.

Não é de estranhar que as potências mundiais têm universalmente aclamado sua Laudato Si, como parte da "revolução de Francisco", e que os meios de comunicação, incluindo aí a imprensa progressista "Católica", têm-na elogiando ao longo seu pontificado.

Em quinto lugar. Sua Santidade tem sistematicamente rejeitado todas as nossas diferenças doutrinais com os protestantes, considerando-as insignificantes, e tem afirmado repetidamente, e muito falsamente, que "todos os membros batizados são do Corpo de Cristo, a sua Igreja". Nisso também rejeita o ensinamento de João Paulo II, de Bento XVI e de todos os papas que os precederam, incluindo Pio XI, que ensinou o oposto em relação à situação dos manifestantes: "Dado que o Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja, e como o seu corpo físico é um, compacto e unido, seria insensato e absurdo dizer que ele pode ser composto também por membros separados e desconexos: quem, então, não é ligado a Ele não é seu membro, nem ele está ligado à cabeça, que é Cristo".

A este respeito, Vossa Santidade parece indiferente à crescente imoralidade e às heresias dessas seitas protestantes envolvidas neste "diálogo ecumênico" interminável e absurdo com o Vaticano. Após cinquenta anos de "diálogo", estas seitas ainda toleram o divórcio, a contracepção, o aborto, a homossexualidade e "casamento gay", propõe-se a ordenar "sacerdotes" e "bispos" a mulheres e homossexuais praticantes, e firmemente continuam a rejeitar os dogmas e os fundamentos da única verdadeira religião revelada por Cristo para a salvação do mundo.

E o que dizer da verdade que nos liberta? (João 8, 32) E sobre o testemunho de inúmeros santos e mártires que gastaram sua fortuna e deram suas vidas para defender e transmitir a fé católica ante os muitos erros e a destruição social causada pela revolta protestante, cujas últimas consequências eles estão jogando ante os próprios olhos de Vossa Santidade?

Sexta. Parece que suas declarações públicas nos últimos dias tornaram-se cada vez mais descuidadas e desordenadas, causando ainda mais indignação e apreensão entre os fiéis:

Em 15 de novembro, durante a participação em um serviço de Oração dos Luteranos, Vossa Santidade disse que os ensinamentos de católicos e luteranos sobre Cristo são "os mesmos", pois é simplesmente uma questão de "linguagem católica" ou "linguagem luterana." E classificou o Dogma já definido e a realidade ontológica da Transubstanciação como meras "explicações e interpretações", declarando que "a vida é mais do que explicações e interpretações." Como se a "vida" fosse "mais" do que a presença real de Deus encarnado na Santa Eucaristia, uma realidade que os protestantes negam.

Na mesma ocasião, sugeriu que, se os protestantes podem receber a Sagrada Comunhão ou não é algo que devem determinar os teólogos, quando a Igreja já infalivelmente determinou que isso é impossível sem a conversão e profissão de fé dos católicos. Afirmou que o assunto estava além de sua competência - mas esta competência é precisamente do Papa de sustentar a doutrina da Igreja neste sentido - e deu a entender que um luterano casado com uma católica poderia receber a Sagrada Comunhão, após "a falar com o Senhor "mas que" ele não se atreve a dizer mais. "Porém você já havia falado demasiado ao se referir publicamente a uma questão de grave importância para a salvação, pela consciência que é privada ou propensa a erros pessoais, "Aquele que come e bebe sem discernir o corpo do Senhor, come e bebe a própria condenação" (1 Cor . 11:29).

Em 21 de novembro, você disse em uma conferência mundial de educadores católicos: "Nunca façam proselitismo nas escolas. Educação cristã é conduzir os jovens para valores humanos em toda a sua realidade, e um deles é a transcendência". Pelo contrário, a educação católica consiste principalmente em incutir valores divinos: o Evangelho e que os católicos são obrigados, a todos so valores da Verdade, não apenas os valores humanos ou a uma "transcendência" vaga sem o seu próprio fim, que é o Deus que se revelou na pessoa de Jesus Cristo, o Verbo Encarnado.

Durante sua viagem à África 25-30 de novembro, você que disse que o mundo está a beira do "suicídio" devido a "mudança climática". Como já fez ao longo de seu pontificado, você não abordou o perigo real de suicídio da civilização do nosso tempo, com destaque para o que disse o seu grande predecessor o venerável Pio XII: quase toda a humanidade é levada dois campos opostos, ou Cristo ou contra Cristo. A raça humana está envolvida hoje em uma crise suprema que resultará em salvação por Cristo ou na sua terrível destruição. Pelo esforço de desviar a atenção da Igreja para um mundo em "crise ecológica", você faz com que os fiéis percam a noção da crise cristológica, que ameaça o nosso tempo e a felicidade eterna de inumeráveis almas.

Durante a conferência de imprensa no voo de regresso da África a Roma, você denunciou novamente aos católicos de 'fundamentalistas' zombando das convicções religiosas absolutas dos membros ortodoxos do seu rebanho, os que se baseiam na palavra de Deus revelada e no ensino Magistério infalível na fé e moral, quando disse: O fundamentalismo é uma doença encontrada em todas as religiões... Entre nós, católicos têm alguns... Não alguns, muitos, hein? Que se acreditam possuir a verdade absoluta e saem por aí enlameando com calúnias, com difamações e a fazer o mal... O fundamentalismo religioso não é religioso, porque eles não têm a Deus e isso é ser idólatra, como a idolatria do dinheiro.

Depois de acusar "muitos" membros de seu próprio rebanho de ser idólatras que ignoram Deus, mais tarde propôs uma equivalência moral entre os cristãos e muçulmanos fanáticos que massacram, torturam, estupram, escravizam e forçam ao exílio os cristãos de todo o mundo: "Você não pode acabar com uma religião, só porque existem nela poucos ou vários grupos fundamentalistas em um dado momento da história... Pense em como muitos cristãos travaram guerras. Os muçulmanos não foram os culpados para o Saque de Roma.”.

Vossa Santidade novamente envergonha a Igreja e a você mesmo, com este comentário bastante inadequado para um Romano Pontífice. O registro histórico exige a retificação deste seu absurdo.

Primeiro de tudo, sim os muçulmanos saquearam Roma em 846, saqueando a Antiga São Pedro fazendo com que o Papa Leão IV construísse os muros "leoninos" "para defender a Cátedra de São Pedro de uma jihad islâmica".

Em segundo lugar, se você estava se referindo ao saque de Roma em 1527 pelo exército de Charles V, isso não tinha nada a ver com algum "fundamentalismo" religioso, mas sim se deu devido a uma represália basicamente política contra o Papa Clemente VII, um fraco Papa e vacilante, que infelizmente forjou uma aliança com o rei da França (Francisco I), com quem Charles V estava em guerra. Na verdade, o exército do imperador, aí incluídos os mercenários alemães, a maioria dos quais eram luteranos, estes é que foram os principais responsáveis pela devastação da Santa Sé, e a violência contra os seus habitantes católicos.

Em terceiro lugar, durante o mesmo período, isso é histórico, os muçulmanos saqueadores - que na verdade eram violentos "fundamentalistas" - estavam expandindo o Império Otomano, com base na conquista de terras cristãs, foi quando ocorreu a rotunda e milagrosa derrota da frota muçulmana na batalha de Lepanto, em 1571, o que impediu a conquista muçulmana da Europa e, provavelmente, outro saque muçulmano de Roma.

Causou ainda mais indignação sua resposta a uma pergunta sobre se a Igreja deve "mudar sua posição" sobre a imoralidade da contracepção, para permitir o uso de preservativos como método de limitar novas infecções por HIV, quando você se referiu a esta prática nefasta como "um método", parecendo, assim, legitimá-la, enquanto sugeriu que isso representa um dilema moral para a Igreja, mesmo comparando-a com a cura de nosso Senhor no sábado:

A pergunta parece muito pequena. Eu também acho uma pergunta parcial. Sim, é um dos métodos. A moral da Igreja é, penso eu, neste momento, diante de uma perplexidade. O quinto ou sexto mandamento da vida (com preservativos) ou que o sexo é aberto à vida? Mas este não é o problema. O problema é maior. Esta questão faz-me pensar na pergunta que eles fizeram para Jesus uma vez: "Diga-me, Mestre, é lícito curar no sábado?" Cura é obrigatória. A questão de saber se é lícito curar. Subnutrição, trabalho escravo, exploração, falta de água potável... Esses são os problemas. Sem mencionar se você pode usar isso ou não fazer um curativo na ferida. O grande problema é a injustiça social, a injustiça ambiental...

Assim, parece que você concorda que há espaço para considerar este como um "método", mas você vê-lo como uma questão bastante trivial (um emplastro), o mesmo que a fornicação o que facilita a cultura da depravação sexual total. Você tem então a Moral e a Lei subordinadas à preocupação com a justiça social e ambiental! E assim, mais uma vez, a Igreja está ferida pelo escândalo e a confusão, por causa deste seu mau hábito de fazer comentários descuidados para a imprensa e, coincidência, em questões morais e problemas de peso e teologias, sobre as quais um Papa deve falar ou escrever com a máxima prudência e reflexão, invocando ajuda divina.

Finalmente, acaba de aparecer no site do Vaticano uma entrevista de Sua Santidade ao semanário Credere onde se refere favoravelmente (mais uma vez) a falsa noção de "misericórdia" do Cardeal Kasper, e revela que pretende liderar uma "revolução ternura" numa alusão ao título do livro do cardeal Kasper quem você elogia: o Papa Francisco. Revolução da ternura e do amor. Você afirma que esta "revolução da ternura" terá lugar durante o seu Jubileu de Misericórdia, e que irá envolver "muitos gestos", incluindo "um gesto diferente", na "Sexta-feira de cada mês."

A razão dada para a "revolução de ternura" é que, segundo você, "a própria Igreja, por vezes, segue uma linha dura, é tentada a seguir uma linha dura, a tentação de enfatizar apenas as regras morais, quando muitas pessoas são excluídas”. Afirmando a sugestão de seu entrevistador disse que a Igreja deve "descobrir" a "um Deus que é movido e que tem compaixão pelo homem", você responde: "Descobrir nos levará a ser mais tolerante, mais paciente, mais cheio de atitude de ternura" como se para a Igreja tivesse faltado paciência e compaixão pelos pecadores antes de sua eleição.

Que são essas afirmações ultrajantes, senão uma ameaça totalmente sem precedentes, feitas por um pontífice romano para pôr de lado as "regras morais", ou seja, o constante ensinamento do infalível Magistério - em nome de uma falsa misericórdia - obviamente referindo-se aos divorciados, e "casados de novo" e outros que você acredita "excluídos" de alguma maneira? Como devemos considerar um papa que diz que o Cristo que fundou a Igreja para ensinar infalivelmente a fé e a moral "caiu" na tentação de pregar uma linha dura sobre a moralidade? O que, além de horror, que os fiéis devem experimentar quando um papa diz que tais coisas que nunca foram ouvidas a partir da Sé de Pedro em 2.000 anos?

Os católicos sabem que uma revolução de ternura ocorre em cada alma que passa pelo Batismo, e na alma de quem, correspondendo a graça do arrependimento, entra no confessionário com o firme propósito de emenda e com um coração contrito e na alma livra-se do fardo do pecado e recebe absolvição de um padre pelo seu exercício in persona Christi, e emerge "branco como a neve", citando o seu próprio antecessor, falando sobre o Sacramento da confissão. A Igreja Católica tem sido sempre uma fonte inesgotável da misericórdia divina através dos seus Sacramentos. À sua proposta de "revolução" você pode acrescentar ao que Cristo já forneceu em sua igreja! Você tem poder de declarar anistia para o pecado mortal? Você pode perdoar o que é perdoável sem arrependimento e contrição? Você tem poder de superar a misericórdia do próprio Deus?

A cada dia cresce a percepção de que, embora você seja o Vigário de Cristo, você simplesmente não tem  interesse algum em defender a fé e moral, que estão sob um ataque como nunca antes, nem tem qualquer intenção de chamar as ovelhas perdidas ao redil estabelecido por nosso Senhor para a salvação. Pelo contrário, parece que você tem dedicado seu papado a um verdadeiro programa de frouxidão doutrinal e disciplinar, e teima em denunciar os católicos ortodoxos regularmente, combinado com as alegações de que a Igreja carece de compaixão. Enquanto isso você persegue questões sociais e políticas, áreas em que um papa não interfere e não tem autoridade, tais como "mudança climática", o meio ambiente, ou para restaurar relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos.

Depois de serem vilipendiados por uma tempestade de controvérsias, uma após o outra, causadas por suas palavras e ações sem precedentes, os fiéis sentem cada vez mais como se "o navio da Igreja tenha perdido a sua bússola."

Em suma, Santo Padre, durante os últimos dois anos e meio você ganhou o elogio unânime do mundo, enquanto despencou quanto ao bem comum da igreja deixando-a neste estado de confusão e divisão. Tem ridicularizado, repreendido e condenado aos ortodoxos, mostrando tolerância infinita quanto aos desvios heterodoxos e aos desviados sexualmente, e tem buscado subverter a disciplina sacramental defendida pelo mesmo Papa a quem você mesmo defendeu e a quem declarou santo. Acompanhado em toda parte pela adulação da mídia e do rugido das multidões, você parece não dar ouvidos à admoestação de nosso Senhor: "Miseráveis de vós quando os homens vos louvam, porque assim faziam os vossos pais com os falsos profetas."

A situação atingiu o ponto em que um oficial superior em chefe do Vaticano, fazendo reflexões sobre as preocupações dos católicos de todas as classes, foi forçado a advertir um jornalista católico bem conhecido que "este pontificado representa riscos graves à integridade da doutrina católica em questões de fé e moral".

De acordo com tal prelado, somos compelidos a testemunhar publicamente diante de Deus, a consciência, de que seu pontificado é visto apenas como um perigo claro e presente para a Igreja, um perigo que parece aumentar a cada dia que passa. Verdadeiramente os efeitos nocivos do seu pontificado estão em evidência em todos os lugares, com os católicos de todo o mundo tratando os ensinamentos da Igreja sobre fé e moral cada vez mais e mais com desdém, tendo como ponto de referência as suas próprias palavras e ações - estas jubilosamente proclamadas ao mundo pela mídia - tudo contra o ensinamento infalível do Magistério sobre fé e a moral dos últimos 2000 anos.

Agora, enquanto você condena a "linha dura" da Igreja sobre "regras morais" e proclama uma "revolução de ternura," somos confrontados com a ameaça iminente de sem precedentes "gestos" de "misericórdia" que poderiam minar a estrutura moral da Igreja com grandes prejuízos para as almas, cuja salvação está em jogo. Estes gestos aparentemente poderiam ser uma admissão pós-sinodal, que autorizam a Santa Comunhão aos publicamente adúlteros, de acordo com o julgamento individual dos bispos e das conferências episcopais. Isto significaria nada mais e nada menos do que sacrilégios em massa, significaria a destruição virtual da unidade da Igreja, a abolição de fato da doutrina sobre os requisitos do pecado mortal e do estado de graça para a vida sacramental, o colapso dos ensinamentos morais da Igreja, e, finalmente, decretar a sua rendição de um magistério infalível. Tem-se a sensação de uma proximidade apocalíptica dos acontecimentos na história da Igreja.

Não ousamos julgar seus motivos e suas intenções subjetivas em relação ao que você tem dito e feito, em detrimento da Igreja, no decurso de seu papado turbulento, algo sem precedentes, do que a Igreja já teve. Mas não podemos permanecer em silêncio, ante o dano real que a Igreja já sofreu, ante os elogios sem fim para o "papa do povo", ou danos futuros que agora parecem iminentes.

Para lembrarmos mais uma vez das palavras de seu antecessor, um papa deve exercer o seu poder de "ligar-se à Igreja à obediência e à Palavra de Deus, antes de qualquer tentativa de adaptá-la ou diluí-la, bem como deve evitar qualquer oportunismo". Quando um papa não pode ou não segue esta ordem, quando na verdade ele parece determinado a agir contra ela, você não ficaria melhor servido na Igreja do que se ele deixasse o cargo, tão augusto, de Vigário de Cristo?

Melhor isso, do que arriscar o comprometimento fatal da doutrina e da disciplina da Igreja, subvertendo 2.000 anos de tradição apostólica e eclesial e assim incorrer, para citar as famosas palavras do Papa São Pio V “na ira de Deus Todo-Poderoso e dos Bem-Aventurados Pedro e Paulo". (fim)

++++++++++++

OBS > Deu um bom trabalho a preparação deste texto, mas acho que valerá a pena. Ainda ha pouco um leitor, que tem instrução superior – coisa que não tenho – nos agradeceu pelo fato de fazermos entender coisas que ele não conseguia perceber. Esta incapacidade de dar-se conta dos erros e heresias que acontecem hoje em nossa Igreja, eu nem diria que isso se dá por culpa das pessoas, mas se deve, essencialmente a aqueles malditos – seja frisada muito bem esta palavra: malditos – que conhecem muito bem a Sã Doutrina, da sempre Santa Igreja, mas que usam e abusam de todos estes conhecimentos, exatamente para burlá-la, e para fazer com que as almas fiquem confusas, e assim satã as leve para a perdição.

O simples fato de manter as pessoas na ignorância, até mesmo do mais elementar, do mais absolutamente essencial, já significa um ganho esplêndido do inimigo da nossa salvação, porque se as pessoas não percebem os perigos que rondam as suas almas, manter-se-ão alheadas e incautas, deixando de preparar suas lâmpadas, para a noite da escuridão da fé, que se aproxima rapidamente. Ainda há uns momentos eu passei rapidamente por cima de uma reportagem com vídeo falando sobre o encontro das ruínas das cidades de Sodoma e Gomorra, na região da atual Jordânia, e apenas fixei uma coisa: o fogo que as destruiu é mil vezes superior ao de uma bomba atômica. Eu estou falando que algo semelhante está para acontecer, em muitos lugares deste planeta.

E irá acontecer, acima de tudo por culpa daquilo que está acontecendo agora no Vaticano. De fato, se você estiver realmente com sua alma ligada em Deus, se pedir as luzes do divino Espírito Santo em humildade, mesmo que tenha um mínimo de conhecimento da Doutrina da Igreja – e se aliar a isso uma dose de boa vontade – verá que tudo aquilo que está acontecendo no Vaticano, tem o objetivo e produzir o exato efeito contrário daquilo que está sendo proposto. O que parecem ser luzes são trevas! O que parece ser uma reforma é uma demolição! O que pretende ser Igreja é de fato uma nova seita! O que é dito como “misericórdia” é de fato condenação! O que se apresenta como humildade, abraço, ternura e amor, trás no mais íntimo um repto de ódio contra Deus.

No texto acima, os seus autores e subscritores apresentam talvez uma dezena de desvios, num todo que sem dúvida já conta com muitas centenas. No original em inglês, quem sabe e deseja ler, consta um grande número de links, que mostram na tela cada uma das denúncias que eles fazem e isso para que ninguém alegue que tudo é mentira: poderão ver com seus olhos e ouvir com seus ouvidos! Mas se você somar apenas estes poucos casos, se os espremer bem perceberá com nitidez espantosa que a “misericórdia” – sem dúvida o centro deste antipontificado – deles, já não se tornou apenas criminosa, mas sim é diabólica: ela não visa à conversão e a salvação e sim provocar nas almas dos incautos católicos, certa narcose, que leva a um relaxamento progressivo na fé.

O objetivo é absolutamente maligno. E isso se prova em todo este contexto! Ora, um homem que, em nome da igreja, comete uma tão espantosa lista de desatinos, de pecados graves, como suas heresias das mais crassas, suas negações de Dogmas e subversões da Doutrina, suas quebras de juramento, suas burlas dos Documentos dos Papas anteriores e a visível criação de uma “igreja” – que ele diz: a minha igreja – ele simplesmente não está usando de tudo isso, para apresentar ao mundo católico a verdadeira face da Divina Misericórdia: no fundo de tudo isso está a face horrenda do anticristo, cuja “misericórdia” visa levar as almas para a perdição eterna.

De fato, todas as acusações deste que se diz Bispo de Roma, feitas conta os católicos e contra a Igreja, de termos “corações duros”, por não aceitarmos a face negra de uma falsa misericórdia apenas humana, aquela voltada para os bens e a terra, fome e pobreza, aquela que não condena o pecado antes o aprova, que desacredita do inferno e dos demônios, que desmente a Justiça Divina – que tem seu justo equilíbrio na verdadeira Misericórdia – que prega uma mentirosa salvação automática, total e irrestrita, para todos os pecadores de todos os credos, aquela que coloca todas as religiões ao nível de um mesmo e falso deus, um ser panaca decrépito que é por eles obrigado a aceitar todas as modernas deliberações dos humanos, tudo isso nos prova que o objetivo deles é mostrar que o Deus católico é cruel, porque condena as pessoas.

Em nosso Livro Mateus, já desde a primeira edição de 1998, nós colocamos uma série de reptos que a besta faz contra o Altíssimo, onde diz: Todos serão forçados a reconhecer em satanás e no diabo encarnado, muito mais inteligência, espírito de justiça, piedade e humanismo do que este Deus cristão que nos impõe e nos exige o Apocalipse. Ora tal espírito de justiça, piedade e humanismo se somados resultam exatamente na falsa misericórdia bergogliana, porque não vão ao sentido da salvação, mas simplesmente da perdição. É uma fantasia enganosa, que faz a parte cega do mundo católico acreditar que realmente Deus mudou, e chega ao ponto de acreditar mesmo que Ele é cruel, no que aprovam outro repto da fera: Não podemos aceitar as injustiças e as irresponsabilidades deste Deus que nos criou. Não podemos mais nos submeter à Vontade Divina.

Triste mundo! Louco mundo! Insensato homem que chega a este ponto, que ousa afrontar o Altíssimo de um modo tão acintoso. Ora, acordemos todos, os caminhos que hoje Roma ensina, não são caminhos de salvação, mas de perdição. As profecias são claras: Roma perderá a fé e se tornará a sede do anticristo! O que lá se faz hoje é exatamente aplainar os seus caminhos, é endireitar as veredas, como um anti João Batista, porque o diabo é um macaco de Cristo, e tinha que ter também seu “precursor”. Acordemos, católicos todos, não somente um pequeno grupo como este acima, corajoso e verdadeiro, porque eles nos estão preparando novas e terríveis armadilhas: elas parecerão absolutamente inocentes e atraentes, mas poderão fazer cair a milhões de almas. Em nome da “ternura”.

Duas coisas: 1 - Ninguém comete mil erros para enaltecer uma Verdade! 2 - Basta um só erro, para tornar tudo uma mentira. O “ano da misericórdia”, na realidade e no fundo não visa a conversão dos pecadores – embora Sim, com certeza Deus fará de uma pretensão do mal uma gigantesca obra de bem – mas visa produzir uma enxurrada de sacrilégios, visa amortecer as almas dos fiéis incautos, que por não serem alertados, ou malignamente induzidos, vão cruzar a “porta da misericórdia”, achando que ela perdoa seus muitos pecados. Visa induzir os pecadores a que permaneçam em seus pecados, e com isso se banalize o grande Mistério de Jesus Eucaristia! É Ele o alvo!

Um dos maiores atentados contra que caminha com desenvoltura neste antipontificado é o fato de que eles ousam colocar em votação a Palavra de Deus, ou seja a Verdade Revelada por Deus. Se o adultério e o homossexualismo já foram ambos julgados e condenados por Deus e constam seus anátemas nas Sagradas Escrituras, são certamente coisas que não podem mais sofrer mudanças. É realmente criminoso o ato de voltar a discutir sobre algo que já foi para sempre estabelecido como Verdade. E sem dúvida, crime idêntico, pecado do mesmo grosso calibre, cometem todos os eclesiásticos que, sabendo disso, ou apoiam sordidamente, ou se calam covardemente. Haja varas na hora do Juízo!  

Certamente que a carta aberta dos católicos revoltados – que pessoalmente assino em baixo também – nem será lida pelo Bispo de Roma, se for lida seu destino é o lixo, porque ele está obstinado em cumprir seu papel de novo Judas – multiplicado por mil – e não haverá outra situação igual a esta, capaz de cumprir com tanta perfeição os versos do Apocalipse. Restam ainda uns 300 versículos bíblicos para se cumprirem, que virão em avalanche. O gatilho deles é a Eucaristia: mexam Nela! Conspurquem a Ela! Destruam a Missa! Introduzam a abominação no Templo Santo... E terão como prêmio exatamente o que aconteceu com a Sodoma antiga! Multiplicado por mil!

Sim, o Apocalipse contempla tudo isso! Ele é destinado aos que desafiam Deus e Sua Eterna Lei! Eis uma verdade que não quer calar, e que em breve todos entenderão: nada do que acontecer de BEM, durante este “ano da misericórdia” virá por força da decisão do Bispo de Roma. Tudo o que acontecer de MAL – por exemplo, os que forem induzidos a acreditar que a porta perdoará os seus pecados – recairá sobre a cabeça dele, e daqueles que estabeleceram conluio com ele. E sem esta de “sua santidade”, o que é uma blasfêmia. (Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 2311 - Impresso: 59 - Enviado: 13

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 676 - Total Visitas Únicas: 3.178.019 Usuários online: 83