Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
17/03/2016
Fala o verdadeiro Papa
Disse certo cardeal: Bento está consciente de tudo. Ele sabe que ainda é o Papa.
 

16 de março de 2016 (LifeSiteNews.com) - Em 16 de março ele fala publicamente em uma ocasião rara, o Papa Bento XVI deu uma entrevista ao Avvenire, o jornal da Conferência Episcopal Italiana, na qual ele falou de “crise profunda” que a Igreja está enfrentando na esteira do Concílio Vaticano II. A reportagem já atingiu a Alemanha por cortesia do Vaticanista Giuseppe Nardi, do site de notícias católico alemão Katholisches.info.

Papa Bento nos lembra da convicção católica indispensável a respeito da possibilidade da perda da salvação eterna, ou que as pessoas vão para o inferno:

“Os missionários do século 16 estavam convencidos de que a pessoa não batizada seria perdida para sempre. Após o Concílio [Vaticano II], essa convicção foi definitivamente abandonada. O resultado foi um de dois lados de crise profunda. Sem esta atenção para com a salvação, a fé perde a seu fundamento”.

Ele também fala de uma “profunda evolução do Dogma” em relação ao Dogma de que não há salvação fora da Igreja. Esta mudança pretendida do dogma levou, aos olhos do papa, a uma perda do zelo missionário na Igreja  Qualquer motivação para um futuro compromisso missionário foi removida.

Papa Bento faz uma pergunta penetrante que surgiu após esta mudança visível de atitude da Igreja: “Por que você deve tentar convencer as pessoas a aceitar a fé cristã, se elas podem ser salvos mesmo sem ela”?

Quanto às outras consequências desta nova atitude na Igreja, os próprios católicos, aos olhos de Bento XVI, ficaram menos ligados à sua fé: “Se há aqueles que podem salvar suas almas com outros meios, por que deve o cristão ficar necessariamente vinculado à fé cristã e a sua moralidade?”, perguntou o papa. E conclui: “Mas se a fé e salvação não são mais interdependentes, até mesmo a fé torna-se menos motivadora”.

Papa Bento também refuta tanto a ideia do “anônimo Cristão” desenvolvida por Karl Rahner, bem como a ideia do indiferentismo que todas as religiões são igualmente valiosas e úteis para alcançar a vida eterna.

“Ainda menos aceitável é a solução proposta pelas teorias pluralistas da religião, para o qual todas as religiões, cada um à sua maneira, seriam caminhos da salvação e, nesse sentido, devem ser consideradas equivalentes nos seus efeitos”, disse ele. Neste contexto, ele também aborda as ideias exploratórias do já falecido Cardeal jesuíta, Henri de Lubac, acerca das consideradas “substituições vicariais de Cristo” que têm que ser agora novamente “refletidas com mais profundidade”.

No que diz respeito à relação do homem com a tecnologia e amor, o Papa Bento nos lembra da importância do afeto humano, dizendo que o homem ainda anseia em seu coração “que o Bom Samaritano venha em seu auxílio.” Ele continua: “Na dureza do mundo da tecnologia - em que os sentimentos não contam mais - a esperança de um amor salvífico cresce, um amor que iria ser dado livremente e generosamente”.

 

Bento também lembra em sua audiência que: “A Igreja não é self-made, ela foi criada por Deus e é continuamente formada por ele. Este encontra expressão nos Sacramentos, sobretudo no do Batismo: entro na Igreja não por um ato burocrático, mas com a ajuda deste Sacramento”, Bento também insiste que, sempre, “precisamos de Graça e perdão.”

+++++++++++

Realmente são raras as aparições públicas dele, entretanto, nos bastidores, sua atividade continua mais febril do que muitos podem imaginar. Alguém disse que ama este Papa somente não concordada com ele pelo fato de haver saído fora. Isso porque, os que pensam assim, não sabem do que aconteceu nos bastidores: Bento está consciente, agiu de acordo com um pedido direto do Céu, e isso mostraremos no futuro livro, Ecos do Apocalipse.

O que quero mostrar com este pequeno texto, não é em si nem apenas a Doutrina dele, absolutamente contrária à de Francis, e sim fazer duas perguntas: 1 - Se Bento XVI continua lúcido e consciente do que faz e fala, por qual motivo foi forçado a sair? 2 - Se o motivo era a fraqueza, a falta de saúde, por qual motivo ele continua em melhor estado do que Francis que vive tropeçando? Penso que qualquer um pode agora dar a resposta para as duas perguntas, e não for tendencioso ou cego e conivente. Dias atrás ele fez uma aparição pública mostrando um rosto saudável e grande disposição.

De fato, numa mensagem ao Movimento está dito: a força que os homens lhe negaram lhe virá do Espírito Santo. Ou seja, os homens alegam que ele não tem saúde, mas ele ainda irá ver o enterro de muitos dos que dizem isso. Há coisas que esperam por ele, que ainda volta, e isso não deve tardar muito. Afinal Francis vive dizen do que terá um mandato muito curto. Então longa vida à Sua Santidade Papa Bento XVI, com ele até à morte.(Aarão)

 
 
 

Artigo Visto: 2899 - Impresso: 43 - Enviado: 18

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 426 - Total Visitas Únicas: 3.272.077 Usuários online: 55