Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título
Você está em: MENU PRINCIPAL / Trevas / A um espírita




 
 
19/07/2009
A um espírita
 
Trevas - 501 A um espírita

SATÃ FALA A UM ESPÍRITA
 
De Portugal, um leitor amigo me mandou um extrato de um livro devocionário que e que tem o título: “Palavras Consoladoras” do Sagrado Coração de Jesus à Irmã Begnina  Consolata Ferrero. Este devocionário foi traduzido por uma portuguesa na época de 1920 e em guisa de prefácio, relata no artigo, anexo, como contraste, a seguir às confidências de Jesus à Irmã Consolata.
 
Nesta caso, Lucifer é obrigado por Jesus a falar sobre si mesmo, a um espírita, fato que o levará a conversão. Coloco isso, para que os leitores tenham sempre em mente a ferocidade de satanás, e se compenetrem da força que precisamos buscar em Deus para vencer esta batalha.
 
Coloco esta matéria no ar, porque ela tem a ver com o texto sobre o mar de lama que hoje inunda a terra, e assim o leitor perceberá que ele se deve ao ódio de satanás. Sangue, lágrimas, dores, destruição, guerras, pecados, a raíz está nele. Se assim era no início do século passado então imaginem hoje em dia.
 
Eis o texto que me foi enviado:
 
Há  tempos, (na década de 1910/1920), um franco-mação convertido publicou no jornal La Vérité, algumas confidências feitas a ele, segundo parece, pelo próprio Satanás a um espírita:
 
Ei-las:
 
«....Cubro o mundo de ruínas, inundo-o de sangue e de lágrimas, deformo o que é belo, sujo o que é puro, destruo o que é grande, falo todo o mal que posso  e quereria poder aumentá-lo até ao infinito. Todo eu sou ódio, ódio, simplesmente ódio! Se conhecesses a profundidade, a latitude e a amplitude deste ódio,terias uma inteligência maior que todas as inteligências que existiram deste o princípio da humanidade, ainda mesmo que essas inteligências estivessem todas reunidas muma só!...
 
..... E quanto mais odeio, mais sofro: o meu ódio e o meu sofrimento são, como eu, imortais: não posso deixar de odiar, como não posso deixar de viver. Mas queres saber o que redobra este sofrimento, o que aumenta este ódio? É que - eu bem o sei! – faço tanto mal inutilmente !... inutilmente? – não!
 
Não, que eu tenho alegria (se a isto se pode chamar alegria! – e, se o fosse, seria a única alegria que poderia ter) sinto prazer em matar almas, por amor das quais Ele (Jesus) derramou o seu Sangue, morreu, ressuscitou e subiu ao Céu!
 
Oh! Sim, procuro com a maior tenacidade tornar vãs sua Incarnação, sua Morte – a morte dum Deus! Torno-as vãs para as almas que mato. Compreenderás tudo isto? – Matar uma alma!!! Ele criou-a à Sua imagem, formou-a à Sua semelhança – amou-a com amor infinito a ponto de se deixar crucificar por causa dela!...
 
E eu arrebato-Lhe essa alma, roubo-Lha, assassino-a, condeno-a às minhas penas, odeio-a raivosamente! Ela preferiu-me ao seu Salvador; e todavia eu não desci do Céu por causa dela, mem morri por amor dela !...
 
Qual a razão porque  te faço estas confidências? Tu vais fugir-me: vais talvez converter-te – também tu! – em virtude destas imprudentes declarações!  E todavia tenho de tas fazer: Ele (Jesus) a isso me obriga servindo-se de mim contra mim mesmo!
 
E eu tenho-O sempre diante dos olhos da minha inteligência. Sim, vejo sempre a Deus, tal qual era quando eu O adorava com tão extraordinários transportes de amor, tal que todos os corações de seus santos se despedaçariam, se o tivessem possuído como eu!... Se tu tivesses visto, se te fosse dado ver essa Luz, essa Beleza, essa Bondade, essa Grandeza, essa Perfeição!... E – louco - tudo perdi!
 
Eu era tão feliz, tão feliz, tão feliz! Agora sou tão desgraçado, tão desgraçado, eternamente desgraçado!... E  odeio-O Se soubesses quando O odeio: a Ele, à sua Divindade, à s
ua Humanidade, aos seus Anjos, aos seus Santos, a sua Mãe, principalmente a sua Mãe! Foi Ela que me venceu!... 
 
Queres ter uma ideia aproximada de quanto eu sofro e quanto odeio? Repara bem: sou capaz de ódio e de dor na mesma medida em que fui capaz de amor e de gozo. Eu Lúcifer, tornei-me Satanás (aquele que é sempre adversário).
 
Neste momento tenho toda a terra no meu pensamento todos os povos, todos os governos, todas as leis. Ainda mais: tenho os cordelinhos de todo o mal que se prepara. E todas as minhas maquinações são dirigidas contra esse homem, esse velho que se chama Papa. Ah! Não poder aniquilar o Papa! O Papa aniquilado!!!
 
Mas podendo, é certo, tentar o homem que é Papa, não posso de modo nenhum levar  este homem a proferir um erro. Se tu compreendesses bem isto! Está com ele o Espírito Santo que lhe assiste. E o Espírito Santo não deixa dizer uma heresia nem ensinar uma doutrina mesmo duvidosa, quando fala como Papa. Oh! Como vês, è uma coisa assombrosa esta: um Papa!
 
Eu também tenho na terra a minha igreja. Na minha igreja, há também uma Companhia de Satanás, como há entre vós a Companhia de Jesus. Sabes qual é? Não? Pois eu to digo: Os meus “jesuítas” são os Franc-Mações (que bem podiam denominar Satanistas).
 
Mas eles nada podem contra a Igreja. Podem, é certo, persegui-la como Nero, como Domiciano, como os Jacobinos, mas depois!... depois?!... Que resulta afinal dessas perseguições? – Sei perfeitamente que hei-de de ser sempre vencido!...
 
Mas, ainda assim, vou conseguindo isto – matar-Lhe almas. Vou-Lhe matando almas: Alma imortais, almas que Jesus comprou a preço de seu Sangue, no Calvário!...
 
Ah! Como são loucos os homens! Tanto custaram a Jesus!... E eu compro-os por um pouco de Orgulho, por um pouco de ouro, por uma pouca de lama! Dize-me: imaginas quanto Ele sofreria, se pudesse sofrer?.. Não me importa: todo o meu empenho é matar-Lhe almas, almas, muitas almas »! (fim)

 
 
Mesmo que tantos digam: satanás não existe! Mesmo que outros afirmem: esta gente só fala em demônios, acreditem, não devemos calar. Temos de alertar as pessoas para que fujam das garras desta peste, antes que a morte eterna os leve para seus braços.
 
É preciso que levemos estas coisas a quem não acredita. Uns, quem sabe, crerão! Os espíritas que trabalham com eles, por exemplo, que mexem apenas com demônios, são eles que se manifestam em seus centros e terreiros. Sempre com o fim mau, com o desejo insano de matar suas almas, levando-as ao tormento eterno.
 
Não calemos jamais, até que se consume a derrota final das trevas. Deus as vencerá, Maria já esmagou Lúcifer desde as sua Imaculada Conceição, mas temos que lutar também. Tudo já é decidido no plano eterno, entretanto, pelo caminho, muitos têm ficado, e a cada olho que abrirmos um ponto a menos o inferno terá marcado.
 
Quem ninguém subestime jamais, nem a inteligencia nem o ódio de Lucifer. O homem, sozinho, não é páreo para ele. Nunca se deve combater contra o inferno, sem a armadura de Deus. Oração, estado de graça, e muito amor... São armas letais, e vencedoras contra o ódio...
 
E são armas contra o orgulho, o ouro e a lama onde os homens de hoje afundam!
 
Obrigado ao amigo de Portugal!


 
 
 

Artigo Visto: 4418 - Impresso: 153 - Enviado: 62

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 674 - Total Visitas Únicas: 3.364.321 Usuários online: 47