Sejam Bem Vindos! Que Deus vos abençoe!

Página dedicada aos que amam as almas do Purgatório.
FAMÍLIA, FUNDAMENTO DA SALVAÇÃO
Documento sem título




 
 
10/10/2007
Missa em latim (1)
 
Orações - Missa em latim (1)
10/10/2007 10:20:26
Orações - Missa em latim (1)

SANTA MISSA EM LATIM
(Gentileza Thomas)
 
RITOS INICIAIS
 
Canto de Entrada
 
(em pé)
 
Após o povo reunir-se em seus lugares, o sacerdote e os ministros se dirigem ao altar, enquanto o Canto de Entrada é entoado.
 
Quando o sacerdote chega ao altar, faz a reverência costumeira com os ministros e, se o incenso é utilizado, o incensa. Então, com os ministros, toma sua cátedra.
 
Saudação
 
Após o Canto de Entrada, o sacerdote e os fiéis continuam em pé e fazem o sinal da cruz, enquanto o sacerdote diz:
 
In nomine Patris, et Filii, et Spiritus Sancti.
 
Todos:
 
Amen.
 
Então, o sacerdote, olhando o povo, estende suas mãos e saúda a todos os presentes com uma das seguintes
saudações:
 
Gratia Domini nostri Iesu Christi, et caritas Dei, et communicatio Sancti Spiritus sit cum omnibus vobis.
 
E o povo responde:
 
Et cum spiritu tuo.
 
Ou o sacerdote diz:
 
Gratia vobis et pax a Deo Patre nostro et Domino Iesu Christo.
 
O povo responde:
 
Benedictus Deus Pater Domini nostri Iesu Christi.
 
Ou:
 
Et cum spiritu tuo.
 
Ou o sacerdote diz:
 
Dominus vobiscum.
 
E o povo:
 
Et cum spiritu tuo.
 
(Ao invés de dizer "Dominus vobiscum", um Bispo diz: "Pax vobis".)
 
O sacerdote, o diácono ou outro ministro deve dar uma breve introdução à Missa do dia.
 
A. O rito da bênção e da aspersão da água pode ser celebrado em todas as igrejas e capelas, em todas as Missas Dominicais celebradas no Domingo ou no Sábado à tarde.
 
Ou:
 
B. Segue-se o Ato Penitencial.
 
Ou:
 
C. Se a Missa é precedida de um ofício da Liturgia das Horas, o Ato Penitencial é omitido, e o Kyrie pode ser omitido também.
 
Asperges
 
Quando este rito é celebrado, ele toma o lugar do Ato Penitencial do início da Missa. O Kyrie também é omitido.
Depois de saudar o povo, o sacerdote continua em pé, à sua cátedra. Um vaso contendo a água a ser abençoada é colocada em sua frente. Olhando o povo, ele os convida a rezar, utilizando estas palavras ou outras semelhantes:
 
Dominum Deum nostrum, fratres carissimi, suppliciter deprecemur, ut hanc creaturam aquae benedicere dignetur, super nos aspergendam in nostri memoriam baptismi. Ipse autem nos adiuvare dignetur, ut fideles Spiritui, quem accepimus, maneamus.
 
Após um breve silêncio, ele junta suas mãos e continua:
 
A. Omnipotens sempiterne Deus, qui voluisti ut per aquam, fontem vitae ac purificationis principium, etiam animae mundarentur aeternaeque vitae munus exciperent, dignare, quaesumus, hanc aquam + benedicere, qua volumus hac die tua, Domine, communiri. Fontem vivum in nobis tuae gratiae renovari et ab omni malo spiritus et corporis per ipsam nos defendi concedas, ut mundis tibi cordibus propinquare tuamque digne salutem valeamus accipere. Per Christum Dominum nostrum.
 
O povo responde:
 
Amen.
 
Ou:
 
B. Domine Deus omnipotens, qui es totius vitae corporis et animae fons et origo, hanc aquam, te quaesumus, + benedicas, qua fidenter utimur ad nostrorum implorandam veniam peccatorum et adversus omnes morbos inimicique insidias tuae defensionem gratiae consequendam. Praesta, Domine, ut, misericordia tua interveniente, aquae vivae semper nobis saliant in salutem, ut mundo tibi corde appropinquare psossimus, et omnis corporis animaeque pericula devitemus. Per Christum Dominum nostrum.<
br> 
E o povo responde:
 
Amen.
 
Ou (durante o Tempo Pascal):
 
C. Domine Deus omnipotens, precibus populi tui adesto propitius; et nobis, mirabile nostrae creationis opus, sed et redemptionis nostrae mirabilius, memorantibus, hanc aquam + benedicere tu dignare. Ipsam enim tu tecisti, ut et arva fecunditate donaret, et levamen corporibus nostris munditiamque praeberet. Aquam etiam tuae ministram misericordiae condidisti; nam per ipsam solvisti tui populi servitutem, illiusque sitim in deserto sedasti; per ipsam novum foedus nuntiaverunt prophetae, quod eras cum hominibus initurus; per ipsam denique, quam Christus in Iordane sacravit, corruptam naturae nostrae substantiam in regenerationis lavacro renovasti. Sit igitur haec aqua nobis suscepti baptismatis memoria, et cum fratribus nostris, qui sunt in Paschate baptizati, gaudia nos tribuas sociare. Per Christum Dominum nostrum.
 
Então, o povo responde:
 
Amen.
 
Onde é costume, o sal pode ser misturado à água benta. O sacerdote abençoa o sal, dizendo:
 
Supplices te rogamus, omnipotens Deus, ut hanc creaturam salis benedicere + tua pietate digneris, qui per Eliseum prophetam in aquam mitti eam iussisti, ut sanaretur sterilitas aquae. Praesta, Domine, quaesumus, ut, ubicumque haec salis et aquae commixtio fuerit aspersa, omni impugnatione inimici depulsa, praesentia Sancti tui Spiritus nos iugiter custodiat. Per Christum Dominum nostrum.
 
E o povo responde:
 
Amen.
 
Então, ele coloca o sal na água, em silêncio.
Tendo em mãos o asperges, o sacerdote asperge a si mesmo e aos ministros, e o resto do clero e o povo. Ele pode mover-se pela igreja para a aspersão do povo. Enquanto isso, uma antífona ou outro cântico apropriado é entoado.
 
Fora do Tempo Pascal:
 
Asperges me, Domine, hyssopo et mundabor: lavabis me. Effundam super vos aquam mundam, et mundabimini ab omnibus inquinamentis vestris, et dabo vobis cor novum, dicit Dominus.
Benedictus Deus et Pater Domini nostri Iesu Christi, qui secundum misericordiam suam magnam regeneravit nos in spem vivam, per resurrectionem Iesu Christi ex mortuis, in hereditatem incorruptibilem, in caelis conservatam nobis in salutem tempore novissimo revelandam!
 
No Tempo Pascal:
 
Vidi aquam egredientem de templo a latere dextro, alleluia; et omnes, ad quos pervenit aqua ista, salvi facti sunt et dicent: Alleluia, alleluia.
Fontes et omnia, quae moventur in aquis, hymnum dicite Deo, alleluia.
E latere tuo, Christe, fons aquae prorumpit, quo abluuntur mundi sordes et vita renovatur, alleluia.
 
Quando ele retorna ao seu lugar e o canto termina, o sacerdote, de frente para o povo, e com as mãos unidas, diz (salvo se a Coleta seguir imediamente):
 
Deus omnipotens, nos a peccatis purificet, et per huius Eucharistiae celebrationem dignos nos reddat, qui mensae regni sui participes efficiamur.
 
E o povo responde:
 
Amen.
 
Quando isso for prescrito, o Glória é então cantado ou recitado.
 
Ato Penitencial
 
A. Após a introdução à Missa do dia, o sacerdote convida o povo a recordar de seus pecados e a arrepender-se deles em silêncio. Ele deve usar essas palavras ou similares:
 
Fratres, agnoscamus peccata nostra, ut apti simus ad sacra mysteria celebranda.
 
Segue-se uma pausa para reflexão silenciosa.
Depois do silêncio, uma das seguintes fórmulas é utilizada:
 
Todos dizem:
 
Confiteor Deo omnipotens et vobis, fratres, quia peccavi nimis cogitatione, verbo, opere et omissione: (batendo no peito) mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa. Ideo precor beatam Mariam semper Virginem, omnes Angelos et Sanctos, et vos, fratres, orare pro me ad Dominum Deum nostrum.
 
O sacerdote dá
a absolvição:
 
Misereatur nostri omnipotens Deus et, dimissis peccatis nostris, perducat nos ad vitam aeternam.
 
E o povo responde:
 
Amen.
 
B. O sacerdote diz:
 
Miserere nostri, Domine.
 
E o povo responde:
 
Qui peccavimus tibi.
 
Sacerdote:
 
Ostende nobis, Domine, misericordiam tuam.
 
Povo:
 
Et salutare tuum da nobis.
 
O sacerdote dá a absolvição:
 
Misereatur nostri omnipotens Deus et, dimissis peccatis nostris, perducat nos ad vitam aeternam.
 
E o povo responde:
 
Amen.
 
C. O sacerdote ou outro ministro propõe as seguintes invocações ou semelhantes:
 
Qui missus es sanare contritos corde: Kyrie, eleison.
 
Povo:
 
Kyrie, eleison.
 
Sacerdote (ou ministro):
 
Qui peccatores vocare venisti: Christe eleison.
 
Povo:
 
Christe, eleison.
 
Sacerdote (ou ministro):
 
Qui ad dexteram Patris sedes, ad interpellandum pro nobis: Kyrie, eleison.
 
Povo:
 
Kyrie, eleison.
 
O sacerdote dá a absolvição:
 
Misereatur nostri omnipotens Deus et, dimissis peccatis nostris, perducat nos ad vitam aeternam.
 
Kyrie
 
Seguem as invocações com "Kyrie eleison", a não ser que já tenham sido utilizadas em uma das formas do Ato Penitencial.
 
Sacerdote:
 
Kyrie, eleison.
 
Povo:
 
Kyrie, eleison.
 
Sacerdote:
 
Christe, eleison.
 
Povo:
 
Christe, eleison.
 
Sacerdote:
 
Kyrie, eleison.
 
Povo:
 
Kyrie, eleison.
 
Glória
 
Este hino é dito ou cantado nos Domingos fora da Quaresma e do Advento, nas solenidades e festas, e em algumas solenes comemorações locais.
 
Todos dizem, ao chamado do sacerdote:
 
Gloria in excelsis Deo et in terra pax hominibus bonae voluntatis. Laudamus te, benedicimus te, adoramus te, glorificamus te, gratias agimus tibi propter magnam gloriam tuam, Domine Deus, Rex caelestis, Deus Pater omnipotens. Domine Fili unigenite, Iesu Christe, Domine Deus, Agnus Dei, Filius Patris, qui tollis peccata mundi, miserere nobis; qui tollis peccata mundi, suscipe deprecationem nostram. Qui sedes ad dexteram Patris, miserere nobis. Quoniam tu solus Sanctus, tu solus Dominus, tu solus Altissimus, Iesu Christe, cum Sancto Spiritu: in gloria Dei Patris. Amen.
 
Coleta
 
(próprio)
 
O sacerdote, com as mãos unidas, canta ou diz:
 
Oremus.
 
O sacerdote e o povo fazem um breve momento de silêncio.
 
Então, o sacerdote estende suas mãos e canta ou diz a Coleta, ao final da qual o povo responde:
 
Amen.
 
 
LITURGIA DA PALAVRA
 
Primeira Leitura
 
(sentados)
 
(próprio)
 
O leitor vai até o ambão para proferir a primeira leitura. Para indicar o final da perícope, o leitor diz:
 
Verbum Domini.
 
E todos respondem:
 
Deo gratias.
 
Salmo Responsorial
 
(próprio)
 
O salmista canta ou recita o salmo, cujo responsório é acompanhado pelo povo.
 
Segunda Leitura
 
(próprio)
 
Quando há uma segunda leitura, ela é lida do ambão, como a primeira. Para indicar o final, o leitor diz:
 
Verbum Domini.
 
E todos respondem:
 
Deo gratias.
 
Aleluia ou Aclamação ao Evangelho
 
(em pé)
 
(próprio)
 
O Aleluia, ou outro canto propício, é entoado.
 

Evangelho
(próprio)
 
Se o incenso for usado, põe um pouco dele no turíbulo. Então, o diácono que irá proclamar o Evangelho, faz vênia ao sacerdote e, em voz baixa, pede sua bênção:
 
Iube, domne, benedicere.
 
O sacerdote diz, então, em voz baixa:
 
Dominus sit in corde tuo et in labiis tuis: ut digne et competenter annunties Evangelium suum: in nomine Patris, et Filii, + et Spiritus Sancti.
 
E o diácono responde:
 
Amen.
 
Se não houver diácono, o sacerdote faz a vênia ao altar diz, em voz baixa:
 
Munda cor meum ac labia mea, omnipotens Deus, ut sanctum Evangelium tuum digne valeam nuntiare.
 
Então, o diácono (ou o sacerdote) se dirige ao ambão. Ele deve ser acompanhado por ministros com incenso e velas, e dizer ou cantar:
 
Dominus vobiscum.
 
O povo responde:
 
Et cum spiritu tuo.
 
O diácono (ou o sacerdote) canta ou diz:
 
Lectio sancti Evangelii secundum N.
 
Ele faz, então, o sinal da cruz em sua fronte, lábios e peito. O povo traça o mesmo sinal e responde:
 
Gloria tibi, Domine.
 
Se for usado o incenso, o diácono (ou o sacerdote) incensa o Lecionário (ou o Evangeliário), e proclama o Evangelho.
 
No final da proclamação, diz:
 
Verbum Domini.
 
Ao que o povo deve responder:
 
Laus tibi, Christe.
 
Então, ele beija o livro do qual foi proferido o Evangelho e diz, em voz baixa:
 
Per evangelica dicta deleantur nostra delicta.
 
Homilia
 
(sentados)
 
A homilia deve ser pregada nos Domingos e festas de guarda. É aconselhável que seja proferida, também, nos demais dias.


 
 
 

Artigo Visto: 1374 - Impresso: 16 - Enviado: 9

ATENÇÃO! Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão desde que sempre sejam citados a fonte www.recadosdoaarao.com.br

 

 
Visitas Únicas Hoje: 597 - Total Visitas Únicas: 3.385.632 Usuários online: 101